Navegação – Mapa do site

Apresentação

Maria João Vaz e Frédéric Vidal
p. 7-9

Texto integral

1Em 5 de Outubro de 1910, Portugal juntou-se ao conjunto das entidades nacionais que tinham uma forma de governo republicana. Numa Europa onde as monarquias eram maioritárias, os ecos da Revolução portuguesa ultrapassaram as fronteiras do «velho continente», suscitando interesse e entusiasmo entre as formações políticas do campo democrático-republicano. Ponto de chegada de um processo iniciado décadas antes, a revolução de 5 de Outubro e a implantação da República significaram o início de um período de grande complexidade na história portuguesa contemporânea, participando num contexto internacional caracterizado também ele por rupturas e confrontos vários. A I República portuguesa é considerada igualmente como ponto de partida explicativo de dinâmicas políticas e sociais posteriores, enfatizando-se sobretudo as importantes fracturas na sociedade de então de que muitas vezes ainda hoje se fazem sentir fortes reminiscências. Caracterizada por um intenso dinamismo, de facto, a primeira experiência democrático-republicana portuguesa constitui um campo de estudos rico e complexo.

2Como se exigia, a passagem do centenário da implantação da República tem motivado um vasto e diversificado ciclo comemorativo em Portugal. Em si mesmas, as comemorações das grandes datas do passado nacional são antes de mais acontecimentos políticos e sociais capazes de proporcionar uma reflexão aprofundada sobre as formas de construção da memória colectiva e a sua presença nos debates da actualidade. Da História espera-se que desempenhe um lugar central neste processo. Sem se tornarem reféns das agendas comemorativas, é legitimo que os historiadores procurem aproveitar os momentos de comemoração, nacionais e internacionais, para dar maior visibilidade ao seu trabalho, tornando-os ocasiões ímpares para a construção de um conhecimento mais aprofundado sobre determinados períodos e sociedades da História. Devem, contudo, ultrapassar os propósitos de uma História dirigida para a comemoração da memória, a «história-memória» na expressão concretizada por Gérad Noiriel, que vive por natureza enredada nos debates do presente. A construção da «história-problema», defendendo propósitos e objectivos de trabalho mais críticos e distanciados, deve igualmente procurar assegurar espaço de concretização. Essa foi a preocupação e o propósito que conduziu a organização e a realização deste número temático da revista Ler História, subordinado ao tema «Repúblicas: culturas e práticas».

3Reunindo uma colaboração ampla e diversificada, foi objectivo geral dos organizadores procurar alargar o campo de análise e de debate em torno do tema «repúblicas e republicanismos», com base em análises sobre as influências internacionais, a circulação de modelos e de práticas políticas, a partilha de referências culturais ou ideológicas. Procurou-se ainda concretizar outros objectivos, principalmente a apresentação de alguns dos avanços mais significativos realizados pela recente historiografia sobre a I República portuguesa. Aqui, dois temas emergiram como particularmente fortes: os repertórios republicanos e a definição de projectos de transformação da sociedade em alguns domínios, como a religião, a educação, a habitação ou a agenda colonial. Por outro lado, considerou-se importante e necessária uma abertura à reflexão histórica sobre a inserção da I República Portuguesa no contexto internacional – uma reflexão já trabalhada mas que ainda apresenta espaço para aprofundamento, especialmente quando se procura ultrapassar as considerações já clássicas relativas à influência da III República Francesa sobre o projecto republicano em Portugal. O repto foi lançado, mas nem sempre foi possível obter resposta. De facto, ainda não chegou o tempo de uma verdadeira história comparada dos modelos republicanos, mas procurámos dar um passo nessa direcção, com inclusão de artigos que abordam as realidades turca e brasileira, para além dos que se referem aos contextos europeus, talvez mais conhecidos pelo leitor português, como é o caso da Itália, da França e da Espanha.

4Os estudos aqui apresentados estão organizados em torno de três temas: Modelos Nacionais, Culturas e Formas de Politização e Programas e Acções. No primeiro grupo, reuniu-se um conjunto de estudos onde os autores analisam modelos e experiências republicanas em vários espaços nacionais, salientando a circulação de ideias e de paradigmas, os contágios e influências múltiplas entre diversos movimentos republicanos. Espanha, Itália, Brasil e Turquia são os espaços nacionais aqui percorridos. Sob o tema Culturas e Formas de Politização, agruparam-se estudos onde são colocados em evidência aspectos da cultura democrática-republicana. A opção por análises prolongadas no tempo permitiu realçar dinâmicas, mudanças e permanências, de fenómenos como a laicização e a leitura no feminino. Por último, no terceiro conjunto de estudos focam-se aspectos do projecto e das realizações da I República portuguesa, percorrendo áreas como a educação, a construção de habitação social, a política colonial e a acção da Marinha.

5Na organização deste número temático da Ler História colaboraram vários membros da redacção, o que permitiu diversificar contactos e enriquecer conteúdos. A colaboração de Miriam Halpern Pereira e de Fernanda Rollo deve aqui ser sublinhada. Os organizadores estão reconhecidos pela ajuda empenhada com que puderam contar.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Maria João Vaz e Frédéric Vidal, « Apresentação », Ler História, 59 | 2010, 7-9.

Referência eletrónica

Maria João Vaz e Frédéric Vidal, « Apresentação », Ler História [Online], 59 | 2010, posto online no dia 09 Dezembro 2015, consultado no dia 21 Julho 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1287

Topo da página

Autores

Maria João Vaz

CEHC / ISCTE-IUL, maria.vaz@iscte.pt

Frédéric Vidal

CRIA / ISCTE-IUL, frederic.vidal@iscte.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org