Navegação – Mapa do site
Modelos nacionais

O sonho da República na Espanha do século XIX (1840-1868)

Le rêve républicain en Espagne au XIXe siècle (1840-1868)
The dream of the Republic Spain of the nineteenth-century (1840-1868)
Florencia Peyrou e Manuel Pérez Ledesma
Tradução de Oscar Mascarenhas
p. 13-31

Resumos

Os primeiros grupos republicanos surgiram em Espanha em 1840. Tiveram um apoio popular crescente e um peso considerável na dinâmica histórica deste período que culminou com a Revolução de 1868. Pese embora o êxito destes grupos na difusão de atitudes, valores e práticas democráticas, não conseguiram implantar a República em Espanha. Este artigo pretende descrever a génese, evolução e os discursos dos sectores republicanos espanhóis das décadas de meados do século XIX e analisar os debates que estabeleceram com outros grupos liberais à volta da república, em especial nas Cortes Constituintes de 1869.

Topo da página

Texto integral

1Apesar dos seus escassos êxitos, o republicanismo do período isabelino e do sexénio revolucionário alcançou uma notável importância na história política, social e intelectual espanhola dos séculos XIX e XX. São vários os motivos dessa importância: a sua ampla capacidade de mobilização popular, em primeiro lugar; o seu importante grau de implantação geográfica, em segundo; e, por fim, a sua indubitável influência na progressiva abertura do sistema político espanhol, num processo que culminou com a revolução de 1868 e a instauração, por efémera que tenha sido, da Primeira República.

  • 1 Veja-se, a este respeito, Townson, N., Introdução, in Townson, N. (ed.), El republicanismo en Españ (...)

2Apesar de tudo, até não há muito tempo, a historiografia espanhola prestou uma atenção muito limitada a esta corrente. Durante o franquismo, o republicanismo converteu-se num objecto de estudo estigmatizado para os historiadores próximos do regime, na medida em que as experiências republicanas eram consideradas como criadoras de caos e divisão. Por seu turno, os historiadores opostos à ditadura centraram a sua atenção, em especial nos anos 1960 e 1970, no movimento operário, no sindicalismo, no marxismo e no anarquismo1.

3Neste árido panorama apareceram, contudo, algumas excepções: em especial, as obras de Antonio Eiras Roel (El partido democrata español, 1962) e de Antonio Elorza e Juan Trías (Federalismo y Reforma Social en España. 1840-1870, 1975). As duas proporcionam abundante informação sobre o desenvolvimento do republicanismo, embora as suas interpretações apresentem também alguns problemas. Em concreto, a primeira dessas obras utilizou como fonte principal a historiografia republicana de finais do século XIX, sem a contrastar com outro tipo de informações nem a submeter, em geral, a uma leitura crítica; por isso, muitas das suas conclusões derivam das visões parciais e enviesadas de pessoas amiúde directamente implicadas nos acontecimentos que se relatam no livro. Quanto à segunda, o republicanismo aparece definido, em chave marxista, como um movimento pequeno-burguês que teria «manipulado» as suas bases artesanais e operárias em favor de um projecto político que não pretendia transcender o sistema capitalista; uma interpretação muito discutível e que, como veremos, foi objecto nos nossos dias de uma profunda revisão.

  • 2 Os trabalhos mais relevantes sobre Pi y Margall são os de Jutglar A., Pi y Margall y el federalismo (...)
  • 3 Veja-se, sobre este ponto, Burdiel, I. e Romeo, M. C., «Historia y lenguaje: la vuelta al relato do (...)
  • 4 Alguns textos relevantes na primeira perspectiva estão coligidos in Townson N. (ed.), El republican (...)

4Nos anos 1960 e 1970, apareceram também algumas monografias sobre várias figuras republicanas de maior envergadura, como Francisco Pi y Margall, Fernando Garrido ou Emilio Castelar. Tempos depois, o campo de investigação estendeu-se a outros protagonistas relevantes do republicanismo isabelino, como Sixto Cámara ou José María Orense2. Mas a maior parte destes trabalhos foi realizada a partir da perspectiva da tradicional história das ideias por especialistas em Direito Político ou em Ciências Políticas, cujo objectivo principal era apresentar a ideologia destes autores com um corpo doutrinário coerente. Tendia-se, por isso, a deixar de lado o contexto social em que elaboraram as suas doutrinas, ao mesmo tempo que não se prestava excessiva atenção às estratégias organizativas, de enquadramento e de politização, e ainda menos às formas em que democratas e republicanos se inseriram nas práticas e dinâmicas políticas do período. Nos últimos anos, estas perspectivas modificaram-se sensivelmente. Os estudos dedicados ao republicanismo não foram alheios à viragem política e cultural da historiografia espanhola, que começou a prestar atenção às linguagens políticas, às formas de acção dos sujeitos históricos e aos processos socioculturais de configuração das entidades colectivas3. Graças a isso, o republicanismo deixou de ser interpretado como um movimento burguês ou pequeno-burguês e começou a ser visto como um projecto democrático interclassista que contava com um apoio popular que não deixou de aumentar ao longo do século XIX, constituindo, ao fim de contas, «um elemento fundamental para a incorporação das massas na política». O novo enfoque impulsionou estudos sobre o papel dos discursos republicanos na mobilização e politização das massas populares, na criação de uma identidade política republicana e na expansão de valores, atitudes e práticas democráticas. O republicanismo foi abordado, além disso, pela perspectiva das culturas políticas, o que permitiu unir à análise dos discursos o estudo de práticas, mitos, símbolos e rituais, a partir de novas fontes, como peças teatrais, novelas ou composições musicais4.

  • 5 Para uma análise bibliográfica dos abundantes trabalhos sobre a Restauração, veja-se Duarte, A., «E (...)

5Ainda agora, a grande maioria dos trabalhos realizados tem sido dedicada ao período posterior a 1868 e, sobretudo, à época da Restauração, pelo que a génese do movimento continua a estar, em grande medida, secundarizada5. Esta é precisamente a etapa a que se dedica o presente artigo. O nosso propósito consiste, por um lado, em descrever superficialmente a evolução dos primeiros grupos republicanos espanhóis, os seus esforços organizativos e o seu imaginário político, durante o lapso que se estende desde 1840 até 1868; e, por outro, em analisar os debates que entabularam com outros grupos liberais em torno da república num momento crucial em que as possibilidades estavam – ou ao menos pareciam estar – abertas: as Cortes Constituintes de 1869.

1. As origens, 1840-1854

  • 6 Cf. estas influências in Duarte, A., Història del republicanisme a Catalunya, op. cit., p. 20, e Mi (...)
  • 7 A dinâmica política dos anos 1830 in Rovira, A. M. Garcia, La revolució liberal a Espanya i les cla (...)

6Os primeiros republicanos apareceram em Espanha em 1840, num momento de relativa abertura política após a subida ao poder – através de pronunciamento – do liberalismo progressista. Eram, em geral, antigos liberais radicais que tinham deixado de apoiar o modelo constitucional de 1812, baseado numa notável extensão do direito de voto e numa monarquia submetida à vontade nacional e defendiam agora uma república assente no sufrágio universal masculino. Este processo de «republicanização», que ocorreu sobretudo a partir de 1835, viu-se influenciado pela Constituição dos Estados Unidos e também pelas atitudes radicais que se manifestaram na Revolução Francesa, assim como pelo contacto e recepção dos discursos democráticos, republicanos e socialistas europeus6. Mas as suas causas imediatas derivavam mais directamente da dinâmica política espanhola num período especialmente difícil e convulso. Convulso, em primeiro lugar, pela guerra carlista e a ameaça de um retorno do absolutismo, que gerou como resposta o desejo de consolidar e garantir quanto antes os princípios liberais num momento em que a moderação das posturas políticas do liberalismo maioritário o tinha levado a abandonar, a partir de 1830, os princípios de 1812 e a adoptar atitudes doutrinárias a favor do sufrágio censitário e da soberania repartida entre a Coroa e as Cortes. E difícil, em especial para os liberais mais radicais, pelo claro apoio que a Coroa começava a prestar ao grupo dos moderados, isto é, à vertente mais conservadora do liberalismo, cujo objectivo era encerrar o ciclo revolucionário iniciado em 1808 mediante o estabelecimento de uma monarquia reforçada nos seus poderes e de base social muito restringida. A este projecto se opunham os liberais progressistas, defensores de uma monarquia com capacidade de decisão mas rodeada de instituições parlamentares e partidários de um corpo eleitoral mais amplo, composto não só pelos maiores contribuintes como também por todos aqueles que tivessem alguma garantia de propriedade7.

  • 8 O modelo constitucional de 1845 in Artola, M., La burguesía revolucionaria. Madrid, Alianza, 1990, (...)

7Graças aos favores da Coroa, o moderantismo ocupou o poder de maneira praticamente ininterrupta desde o início do reinado de Isabel II, em 1843, até ao final abrupto do mesmo, em 1868. O seu modelo político plasmou-se na Constituição de 1845, que reforçava o poder do trono, do gabinete ministerial e do Senado no processo de tomada de decisões, em detrimento do Congresso dos Deputados, ao mesmo tempo que limitava o direito de voto a 0,8 por cento da população. A estreita relação da monarquia com este projecto político teve uma grande importância no distanciamento da Coroa por parte de muitos radicais que acusavam o trono de se ligar com cada vez mais força aos antigos privilégios, à reacção e ao exclusivismo e de abandonar o seu papel de um verdadeiro poder moderador8.

  • 9 A definição de povo in Castro, D., «Jacobinos y populistas. El republicanismo español a mediados de (...)

8Perante essa atitude da Coroa, o principal objectivo dos republicanos desde a sua irrupção na esfera pública foi o estabelecimento da democracia, isto é, do governo do povo pelo povo. Com a categoria de «povo» aludia-se em geral ao conjunto de artesãos e operários urbanos, pequenos comerciantes, assalariados do sector dos serviços, estudantes e profissionais liberais: quer dizer, «o conjunto dos trabalhadores e classes médias produtivas» que contribuíam com os seus esforços para a prosperidade da nação e estavam privados dos direitos políticos por «legislações ditadas pelo egoísmo». Muitos destes sectores tinham iniciado a sua politização graças à revolução liberal que começou em 1808; mas depois do estabelecimento da Constituição de 1845 tinham ficado de fora do sistema e numa «posição subordinada». Os republicanos proporcionaram-lhes um modelo de ordenamento político-social igualitário e inclusivo, oposto ao «oligárquico censitário»; explicaram-lhes que era precisamente o censo eleitoral o que tinha dado lugar à existência de opressores e oprimidos, de «aristocratas» e «escravos» e que constituía por isso o principal factor de desordem e de violência social; e ofereciam-lhes a possibilidade de «se emanciparem» através da «universalização» dos direitos políticos, a qual daria, além do mais, lugar à harmonia e à paz social. É bem verdade que os sectores mais pobres e desenraizados da população estavam excluídos destes projectos: em concreto, os vagabundos, os mendigos e os marginais, que assustavam pela sua falta de envolvimento social; mas também as mulheres, que eram consideradas – coincidindo aqui com o liberalismo maioritário – como seres essencialmente dependentes, dominados pelos sentimentos e que se circunscreviam naturalmente ao âmbito doméstico9.

  • 10 O fim das liberdades civis in La Asociación, 31-5-1856. O governo directo e o federalismo in Peyrou (...)

9Os primeiros republicanos eram partidários de uma soberania popular que devia ser exercida de maneira permanente. A cidadania implicava uma atitude participativa e vigilante e uma disposição constante para pegar em armas pela liberdade. Com este fim se defendiam as liberdades de reunião, de associação e de imprensa, fundamentais para «guiar fielmente a consciência do legislador, manter ilesos os sagrados direitos do povo e propagar a ilustração»; apoiava-se, além disso, a integração do povo em milícias locais e provinciais e, obviamente, protegia-se o sufrágio «universal», necessário não só para eleger mandatários como também para aprovar ou rejeitar os projectos legislativos elaborados por estes últimos. Este modelo de governo directo devia ter lugar no quadro de uma estrutura estatal descentralizada, que muitos denominavam impropriamente «federal». Era uma maneira de realizar o mencionado ideal cívico num Estado de grande dimensão, já que permitia estabelecer centros de poder próximos de um eleitorado conhecedor da marcha dos assuntos públicos, ao mesmo tempo que se favorecia a aprendizagem política da população em questões de administração e de governo e se garantia a existência de focos de resistência perante qualquer tentativa reaccionária por parte do poder central10.

  • 11 A definição de república in El Huracán, 26-12-1841. As visões da monarquia in Castro, D., «Jacobino (...)

10O objectivo último dos primeiros republicanos era um regime verdadeiramente meritocrático, em que desapareceriam os privilégios e toda a forma de exclusão e de subordinação e se estabeleceria uma comunidade de cidadãos, jurídica e politicamente iguais, livres e soberanos. Isto apenas se poderia produzir no quadro de uma república definida precisamente como «um estado em que não há trono nem aristocracia, em que, governando o povo, reina a absoluta igualdade e são os mesmos os direitos dos cidadãos». A monarquia, enquanto significava a existência de um poder hereditário, era incompatível com a igualdade de direitos; se, além disso, gozava de capacidade de decisão (por exemplo, através do veto às leis ou da faculdade de dissolver as Cortes), era também inconciliável com a liberdade. Mas, além disso, a concentração da autoridade num só indivíduo dava lugar a lutas e excessos de todo o tipo para obter e exercer o poder. A república, pelo contrário, baseava-se na limitação e na repartição da autoridade, graças à existência de um poder executivo electivo e temporário, amovível e responsável, e dependente em todos os momentos da Câmara de Deputados. Juntamente com esses argumentos, os republicanos elaboraram um discurso emocional que associava a monarquia ao fanatismo, ao atraso e à decadência e que insistia na «incompetência ou na imoralidade dos monarcas». Em contrapartida, associava-se a república ao progresso em todos os âmbitos da existência, e também à harmonia, ao direito e à justiça. E inclusivamente a um governo «barato», em comparação com os custos que resultavam sempre do regime monárquico11.

11Durante um longo período, os primeiros republicanos ligaram-se aos sectores democráticos para os quais tanto a república como uma monarquia constitucional, convenientemente limitada e submetida à vontade popular podiam garantir a liberdade. Todos estes grupos partilharam as mesmas plataformas de organização e activismo, postas em marcha com o fim de difundir o imaginário democrático e de enquadrar, politizar e educar as suas bases populares. Os jornais tiveram, desse ponto de vista, uma importância fundamental: as suas redacções eram lugares permanentes de reunião e concertação; eram também instrumentos de politização graças a leituras em espaços públicos como cafés, gabinetes de leitura, ruas e praças, onde os artigos se liam em voz alta e podiam chegar, portanto, à população analfabeta.

  • 12 Cf. La Libertad, 21-2-1846, e El Siglo, 8-3-1848.

12Entre 1840 e 1843, num período de relativa liberdade política, publicaram-se alguns jornais de sinal claramente republicano, como El Huracán, El Peninsular e Guindilla, em Madrid, El Republicano, em Barcelona, ou El Centinela de Aragón, em Teruel. Mas desde a última data e até 1854, o moderantismo no poder reduziu a liberdade de expressão, além de impulsionar uma intensa repressão. O protagonismo passou, por isso, para os diários democráticos como os madrilenos El Eco del Comercio, La Libertad, El Siglo ou El Tribuno del Pueblo. Nas redacções de todos eles era possível encontrar sectores que mantinham diversas posições quanto à forma de governo; posições que não eram, no fundo, excessivamente diferentes, já que a insistência na soberania popular e na dependência do trono da vontade do povo acabava por equiparar, em muitas ocasiões, a figura do monarca com a do presidente de uma república. La Libertad, por exemplo, assinalou em 1846 que «os reis (…) não significam nem se distinguem ao lado do povo, apenas estão encarregados de dirigir a acção social rumo à prosperidade, as funções políticas que se lhes cometem apenas representam a vontade nacional, que os eleva e mantém para que promovam o bem-estar geral». El Siglo, pelo seu lado, embora não tenha deixado de repetir que o seu interesse era a instauração de um sistema democrático compatível com a instituição monárquica, explicou que a república não era, no fim de contas, mais do que «a democracia na sua lata acepção de soberania universal de cada um e de todos», o que supunha o direito de todos os cidadãos a «constituírem-se em sociedade política quando não existe no seu seio nenhum homem superior a outro; nenhum direito mais privilegiado do que outro»12.

13Juntamente com os jornais, democratas e republicanos impulsionaram o estabelecimento de sociedades educativas, de debate e de leitura; espaços de reunião e de concertação e, sobretudo, de organização, educação e politização das suas bases populares. Aos olhos de ambos os grupos, o povo era valente e decidido, mas ignorante e apático após vários séculos de despotismo, e necessitado, portanto, de uma instrução esmerada. Por isso, com estas instituições pretendia-se, por um lado «desembrutecê-lo», moralizá-lo e civilizá-lo; mas também, na linha da tradição republicana clássica, tentava-se convertê-lo num bom cidadão, vigilante e zeloso do bem da comunidade. Nesses centros de instrução expunham-se as vantagens e inconvenientes de cada sistema político; neles se insistia na importância dos direitos políticos, da participação e da vigilância, fomentavam-se as virtudes do trabalho e do esforço e ministravam-se aulas de ciências e artes para aperfeiçoar as habilitações técnicas dos trabalhadores. Exemplos destas sociedades foram La Ilustración, La Velada de Artistas y Artesanos ou La Academia del Porvenir, estabelecidas em Madrid a partir de 1846.

  • 13 Veja-se, sobre estas questões, Payrou, F., Tribunos del Pueblo, op. cit., pp. 175-179. A implicação (...)

14Em alguns casos, as referidas sociedades não se limitaram a essas actividades, como também se ocuparam do enquadramento e da mobilização popular. Observou-se, por exemplo, a implicação das duas últimas nas intentonas revolucionárias que ocorreram em Madrid nos dias 26 de Março e 7 de Maio de 1848, sob a influência da revolução francesa de Fevereiro desse mesmo ano. Ambas funcionaram, de facto, como depósitos e sedes de distribuição das armas e tiveram uma importância notável na organização dos concidadãos para a acção13.

  • 14 Em concreto, em Sevilha, Cádis, Puerto de Santa María (Cádis), Huelva, Almeria, San Sebastian, Teru (...)

15Ao lado destas actividades, democratas e republicanos tentaram desempenhar um papel importante no âmbito da política legal e institucional. Sempre que foi possível, organizaram reuniões e candidaturas eleitorais para participarem nas eleições. Isso implicou, na maioria das ocasiões, coligações ou alianças com os sectores mais avançados do progressismo, pelo que é muito difícil avaliar os resultados eleitorais que apareciam nos seus jornais. É fácil saber o que aconteceu nas eleições de deputados, como as que permitiram o acesso à Câmara, em 1842, dos directores de El Huracán¸ Patricio Olavarría, e El Peninsular, Manuel García Uzal e, em 1843, do director de Guindilla, Wenceslao Ayguals de Izco. Mas torna-se mais complicado conhecer os resultados das eleições municipais. Os jornais da época falavam de triunfos em numerosas cidades espanholas14 e inclusivamente de alguns êxitos em Barcelona e Madrid; mas é difícil saber se as candidaturas ganhadoras eram realmente republicanas e quantos republicanos nelas se integravam. De facto, durante os primeiros anos da Década Moderada, democratas e republicanos confluíram em reuniões e candidaturas eleitorais com o conjunto do progressismo, que também sofria os rigores do exclusivismo e a repressão do governo moderado. Graças a isso, a partir de 1846, chegou ao Congresso um pequeno grupo de deputados democratas, entre os quais se encontravam José Ordax Avecilla e Nicolás María Rivero.

  • 15 O Manifesto in Artola, M., Partidos y programas políticos, Madrid, Agilar, tomo II, pp. 37-45.

16Estes deputados impulsionaram, uns anos mais tarde, a constituição do Partido Democrático. Em Abril de 1849, com efeito, redigiram e publicaram o Manifesto fundador do partido, em que defendiam, entre outras medidas, a extensão do sufrágio a todos os varões maiores de idade com domicílio fixo, ocupação conhecida e que fossem capazes de ler e escrever. Apesar da relativa moderação destes fins, o Partido integrou todas as sensibilidades políticas que se opunham ao poder moderado, desde a esquerda do progressismo, passando pelos liberais democráticos, até aos republicanos. As tarefas organizativas começaram em Agosto de 1849, quando o governo lhes permitiu reunirem-se. Nomeou-se então uma Junta Directiva cujo objectivo era concertar democratas e republicanos de todas as regiões espanholas e impulsionar, onde fosse possível, a constituição de comités, a publicação de jornais e a celebração de reuniões eleitorais15.

  • 16 Artola, M., La burguesía revolucionaria, op. cit., p. 207.

17Nas eleições de 1851, acederam às Cortes cinco democratas, entre eles Estanislao Figueras e José María Orense. Nesse momento, no entanto, o presidente do Governo, González Bravo, influenciado pelo golpe de Estado de Luís Napoleão em França, suspendeu as Cortes e tentou levar a cabo uma reforma do sistema com o fim de restringir a participação política e ampliar de forma sensível as competências da Coroa. Algumas fracções do moderantismo, além do conjunto dos sectores progressistas e democratas, passaram à oposição, num contexto em que proliferavam os escândalos de corrupção relacionados com concessões ferroviárias e contratos de materiais ou transportes. Nesse clima, levaram-se a cabo algumas iniciativas conjuntas, embora no geral os diversos grupos políticos conspirassem cada qual por sua conta. Finalmente, em Julho de 1854, um levantamento colocou no poder uma coligação de moderados avançados e progressistas moderados, que derrogou a Constituição de 1845 e empreendeu a tarefa de elaborar uma nova lei fundamental16.

2. O republicanismo ganha terreno, 1854-1868

  • 17 No que se refere aos jornais, entre 1854 e 1856 publicaram-se, en Madrid, La Europa, El Tribuno, Ad (...)
  • 18 O artigo de Garrido in El Tribuno, 22-8-1854. Pi y Margall, F., La reacción y la revolución (1854), (...)

18Com a abertura política a que deu lugar a revolução de 1854, o republicanismo regressou em força à esfera pública. Isto não significa que se constituísse como um «partido» independente: de facto, nas redacções de jornais, nas associações e nos comités manteve-se a confluência entre democratas e republicanos, em que participavam também alguns liberais avançados17. Mas ao menos multiplicaram-se as publicações de sinal republicano como La Soberanía Nacional, La Voz del Pueblo ou La Democracia, todas elas em Madrid. Ali escreviam os publicistas mais activos, como Fernando Garrido, Sixto Cámara e Francisco Pi y Margall, defendendo concepções plenamente republicanas. O primeiro afirmou, num artigo, por exemplo, que a monarquia era uma «instituição caduca» que pretendia ser dona «dos povos a quem Deus fez livres e iguais» e que a sua continuação suporia «a negação, a morte da soberania nacional» e «a supressão de todas as liberdades». Pi y Margall, por seu turno, explicou no seu livro La reacción y la revolución (1854) que a forma de governo própria da democracia era a república, porque a soberania popular se tornava inconciliável com o sancionamento de leis por parte de «uma pessoa irresponsável»18.

  • 19 Diario de Sesiones de las Cortes, n.º 23, 30-11-1854, p. 275, 280, 285. La Soberanía Nacional, 1-12 (...)

19Mas o mais importante foi que o debate em torno da forma de governo chegou às próprias Cortes Constituintes, cujas reuniões começaram em Novembro de 1854. Antes de elaborar os conteúdos da nova Constituição, submeteu-se à votação uma proposta que definia a monarquia e a dinastia borbónica como bases fundamentais do edifício político espanhol. A proposta foi aprovada por 208 votos contra 21, 16 dos quais foram dos democratas / republicanos que tinham ganho os seus lugares nas eleições realizadas em Outubro. Alguns votaram unicamente contra a dinastia borbónica, enquanto outros, como José María Orense ou Francisco García López, afirmavam que o projecto de estabelecer uma monarquia acompanhada de «instituições populares» era uma quimera porque os reis sempre se tinham rodeado de «inimigos dos cidadãos». Em sua opinião, se se mantivesse a monarquia, a revolução de 1854 teria sido estéril. Embora a proposta acabasse por ser aprovada, a votação foi apreciada muito positivamente pelos republicanos, sobretudo pela dessacralização de que tinha sido objecto a instituição monárquica, Nesse sentido, Sixto Cámara pôde afirmar que o trono tinha perdido «a sua origem tradicional, o seu carácter inviolável, os seus direitos hereditários, a sua outorga divina»19.

  • 20 Como Madrid, Barcelona, Gerona, Tarragona, Lérida, Valência, Granada, Málaga, Sevilha, Huesca, Sara (...)
  • 21 Castro, D., «Unidos en la adversidad, unidos en la discordia. El partido demócrata, 1849-1868», in (...)

20Após a revolução e até 1856, os republicanos tiveram uma forte presença na vida pública. Além de levarem a cabo uma notável actividade jornalística, participaram intensamente nos debates constitucionais, organizaram comités democráticos em várias cidades espanholas20, abriram algumas escolas e círculos populares e introduziram-se em força na Milícia Nacional. No entanto, o regresso ao poder do moderantismo no Verão desse último ano, naturalmente com o apoio da Coroa, deu lugar a um período de reacção e repressão que os colocou de novo numa situação de «semiostracismo». Organizaram-se, em consequência, numa sociedade secreta de recorte carbonário que integrou a maioria dos membros do Partido Democrático21.

  • 22 Roel, A. Eiras, «Sociedades secretas republicanas en el reinado de Isabel II», Hispania, n.º 86, 19 (...)
  • 23 Manifesto, in Public Record Office, FO 72, 936, Howden a Malmesbury, 1-5-1858.

21Não era a primeira vez que se recorria a este tipo de formação. Já em 1842, por exemplo, se tinha constituído clandestinamente a Confederação de Regeneradores Espanhóis, cujo objectivo era «apoiar a todo o transe a soberania do povo e a liberdade; propagar as doutrinas democráticas e combater por todos os meios possíveis os privilégios de castas, classes ou pessoas e emancipar o povo, demonstrando-lhe sem cessar que os seus constantes e eternos opressores foram e serão sempre o Trono e o Altar». Anos depois, em 1849, formou-se uma sociedade secreta chamada Os Filhos do Povo para levar a cabo trabalhos de organização clandestina e propaganda democrática22. Por seu turno, a sociedade carbonária criada em finais de 1856 envolveu-se em algumas tentativas insurreccionais, planificadas em colaboração com uma Junta Revolucionária que Sixto Cámara dirigia a partir de Lisboa. Em 1858, a mesma sociedade publicou um Manifesto em que se defendia como forma de Estado a república democrática, que tinha passado a ser considerada imprescindível para a maioria dos membros do Partido Democrático. Porque a experiência do biénio revolucionário tinha demonstrado que a Coroa não conseguia desvincular-se dos moderados e situar-se acima dos partidos políticos; por isso, muitos democratas acabaram por ficar convencidos da impossibilidade de estabelecer uma monarquia democrática, na qual o trono estivesse privado da capacidade de intervir na organização do governo e na elaboração das leis. Depois de terem vivido aquela experiência, não se podia, ao menos a seus olhos, tornar compatíveis a monarquia e a liberdade23.

  • 24 Os debates in Peyrou, F., Tribunos del Pueblo, op. cit., pp. 428-463; veja-se também Castro, D., «U (...)

22Porém, se nesta questão existiu uma notável unanimidade, noutras os acordos não foram tão fáceis. Nos anos sessenta, antes da Revolução de 1868, os republicanos dividiram-se tanto por razões estratégicas (sobretudo quanto à utilidade de se coligarem com o progressismo na prática política) como doutrinais (em torno da conveniência de uma intervenção do Estado no âmbito socioeconómico, tal como defendiam os sectores «socialistas», frente ao individualismo de amplos sectores do republicanismo). Estas divergências provocaram fortes debates no seio do movimento, agravados além disso pelo intenso personalismo e antipluralismo que caracterizava o partido: os diversos activistas pretendiam impor a sua própria definição de democracia e república, enquanto tendiam a considerar os adversários como «não democratas» que havia que marginalizar, em vez de porem em marcha espaços adequados de negociação e de discussão interna24.

  • 25 García, R. Serrano, «La historiografía en torno al Sexenio 1868-1874», Ayer, 44, 2001, p. 16.

23Embora se tenha tentado, a partir dos anos 1860, organizar as cada vez maiores hostes republicanas através da constituição de uma Junta Directiva legitimamente eleita por delegados dos comités provinciais, este projecto viu-se obstaculizado pelas dissensões já mencionadas e pelas rivalidades, lutas pelo poder e práticas exclusivistas desviadas do próprio objectivo. A partir de 1865, no entanto, todos os republicanos se integraram na espiral revolucionária que impulsionou a unificação de todas as forças de oposição ao moderantismo para conseguir a queda da rainha e o fim da dinastia borbónica. Todas as questões que os tinham dividido ficaram em suspenso após o início de uma fase conspirativa, dentro e fora de Espanha, que daria lugar ao triunfo da Revolução Gloriosa. O triunfo deveu-se em boa medida a democratas e republicanos, embora não só a eles; também desempenharam um papel relevante os militares da União Liberal e os membros, civis ou militares, do partido progressista. Em todo o caso, e como apontava recentemente R. Serrano, o êxito da revolução não pode entender-se sem ter em conta «a difusão de uma incipiente cultura democrática através da imprensa» e o desenvolvimento dos espaços de sociabilidade organizados por democratas e republicanos nos períodos anteriores25.

3. O fracasso de um sonho: democracia, mas sem república

24Para os republicanos, o triunfo da revolução de 1868 acabou por ter um sabor agridoce: por um lado, abria o caminho ao estabelecimento da democracia; mas, em contrapartida, trouxe consigo a divisão do Partido Democrático, no qual se tinham anteriormente integrado, e também a rejeição do regime republicano pelas demais forças que haviam participado no movimento.

  • 26 O relato clássico deste confronto in Roel, A. Eiras, El Partido Demócrata español, op. cit., pp. 38 (...)

25Convém recordar que, apesar dos debates dos anos sessenta, o Partido Democrático se mantivera unido até à Revolução de Setembro. Em contrapartida, o êxito desta trouxe consigo, por paradoxal que pareça, a ruptura definitiva daquele. A ruptura estava em gestação desde o próprio momento do triunfo: de facto, nas reuniões que os democratas realizaram em Madrid poucas semanas antes da queda de Isabel II, houve já algumas discrepâncias em torno do futuro regime político que, com o tempo, culminariam no confronto entre os republicanos e aqueles que continuaram a conservar a denominação de «democratas». Enquanto a maioria dos participantes se inclinou para a república, um pequeno mas significativo sector do partido era partidário da manutenção da unidade das forças revolucionárias em torno da defesa da democracia e dos direitos individuais, embora isso implicasse deixar para segundo plano a questão das formas de governo26.

  • 27 O Manifiesto de Conciliación apareceu em La Correspondencia de España, de 14 de Novembro de 1868.

26Em Novembro de 1868, um Manifesto de Conciliação assinado por representantes das três forças que tinham participado no derrube de Isabel II – unionistas, progressistas e democratas – tornou oficial a divisão. Era a carta de apresentação do sector minoritário do antigo Partido Democrático que aceitava agora a monarquia com o fim de assegurar a sobrevivência da revolução. Formavam-no aqueles que, apesar de estarem convencidos de que «o movimento da civilização conduz à abolição de todos os poderes hereditários e permanentes», pensavam que «o estabelecimento de um poder amovível nestes momentos seria um perigo constante para a garantia pacífica da liberdade e a consolidação das conquistas revolucionárias». Em comparação com os republicanos, este sector era claramente minoritário, como as eleições demonstraram imediatamente a seguir27.

  • 28 El Manifiesto electoral del Comité Republicano de Madrid, publicado em La Igualdad, a 18 de Novembr (...)

27Contrariamente a eles, a maioria do partido tinha optado pela república e, mais concretamente, pela república federal. À margem das suas diferenças, agora silenciadas, estavam de acordo em considerar, como assinalou um manifesto do comité eleitoral do partido republicano aparecido a 17 de Novembro, que a monarquia era «uma instituição de tal maneira injusta, absurda, que, onde existe, só existe para conservar algum privilégio, para apoiar alguma iniquidade»; enquanto a república era «a forma essencial da democracia», pelo que «hoje, na América e na Europa, só existe a democracia onde existe a república, e só se chamam partidos democráticos os partidos republicanos»28.

  • 29 Imposto de 20 por cento sobre certos bens. (Nota do Tradutor)
  • 30 Uma análise dos resultados electorais in Cuadrado, M. Martínez, Elecciones y partidos políticos de (...)

28As eleições de Janeiro de 1869 não fizeram mais do que reforçar a divisão. Como é fácil de supor, o tema central da campanha dos republicanos foi a identificação da monarquia com a tirania e a arbitrariedade, em contraste com a república, que representava a democracia e o progresso; embora juntamente com este argumento também tenham insistido em assuntos mais imediatos, como a abolição das quintas29, da escravatura e da pena de morte, ou o estabelecimento do ensino obrigatório e a separação entre a Igreja e o Estado. Em todo o caso, os resultados foram favoráveis aos partidos que tentavam tornar compatível a monarquia com a democracia e que juntos alcançaram 236 lugares. Dentro desse núcleo, os progressistas eram a força dominante, com 156 deputados, enquanto sector procedente da União Liberal conseguia 81, e a nova corrente dos democratas teve de se conformar com 20. Por seu turno, os republicanos chegaram aos 85 lugares, procedentes na sua maioria da periferia mediterrânica, desde Gerona e a zona catalano-aragonesa até Cádis e Sevilha; mas também conseguiram deputados na Extremadura e em Castela-a-Velha. O voto republicano era mais urbano do que rural; apesar disso, não obtiveram qualquer representante em Madrid, onde a lista monárquico-democrática arrebatou todos os lugares30.

29Os resultados das eleições anunciavam já o que iria ocorrer quando se discutisse a Constituição e, dentro dela, a forma de Estado. A discussão do artigo 33.º do projecto («A forma de governo da Nação espanhola é a Monarquia»), uma das mais tensas do debate constitucional, alongou-se por sete sessões no mês de Maio de 1869, onde foi apresentada uma dezena de emendas e se pronunciaram alguns dos discursos mais importantes de todo o processo constituinte. Tanto para os monárquicos como, e talvez sobretudo, para os republicanos, tinha chegado o momento crucial. É verdade que a composição da Câmara permitia prever o resultado da discussão; mas isso não impediu que os dois lados dedicassem a ela todas as suas energias.

30Podem reduzir-se a quatro os argumentos fundamentais esgrimidos pelos republicanos. O primeiro, que já tinha sido utilizado em ocasiões anteriores, tratava da incompatibilidade da Coroa com a soberania nacional e a democracia; o segundo referia-se às semelhanças entre a monarquia que aparecia no projecto de Constituição e a monarquia isabelina, contra a qual se fez a revolução; uma terceira linha argumentativa insistia na oposição ao progresso e, em geral, ao «espírito dos tempos», da instituição monárquica; enquanto a última criticava com toda a dureza a eleição de um monarca de origem estrangeira. Juntamente com estes argumentos, os deputados da minoria defenderam as virtudes do regime republicano; mas, em geral, os seus discursos privilegiaram os ataques à monarquia em detrimento das tentativas de demonstrar as vantagens da sua alternativa. Foi algo que não tardaram a criticar os defensores desta última, embora também eles tenham padecido no mesmo defeito e tivessem sido incapazes de precisar alguns traços da sua argumentação política.

31Ao primeiro dos argumentos que acabámos de mencionar se referiu, entre outros oradores, o veterano Fernando Garrido, num discurso em que explicou assim a «incompatibilidade perfeita que há entre a monarquia hereditária e o dogma da soberania nacional»:

  • 31 Diario de Sesiones de las Cortes Constituyentes (DSCC), n.º 72, 12 de Maio de 1869, pp. 1869 e 1870

«(…) Não pode haver dois soberanos onde não há mais do que um: se este é o povo, todos os que exercem em nome do povo a autoridade suprema não podem ser irresponsáveis, é necessário que respondam pelos seus actos, como os ministros respondem perante o rei; é necessário que sejam elegíveis, porque se o não são, então o verdadeiro soberano não é o povo, mas aquele em quem se delega o poder31

  • 32 DSCC, n.º 72, 12 de Maio de 1869, pp. 1877 e 1879.

32A admissão de «um poder hereditário», assinalava, pela sua parte Ferrer Y Garcés, além de negar o «dogma proclamado pela revolução», opunha-se também à «lei do progresso» (terceiro dos argumentos mencionados), que condenava «a monarquia à morte, e a uma morte inevitável», uma morte que, de acordo com outro dos fios argumentativos já mencionados, não derivava só dos progressos na organização política; pelo menos em Espanha tinha como causa complementar a semelhança com a monarquia derrubada pela revolução. Isso foi o que disse o mesmo orador, em cuja opinião o regime previsto no projecto de Constituição não era «nem mais nem menos que a monarquia tal qual existia nos tempos de Isabel II»32.

  • 33 DSCC, n.º 74, 14 de Maio de 1869, p. 1950.

33O último dos argumentos, o ataque à decisão de procurar um monarca estrangeiro para evitar a continuidade da «nefasta» dinastia borbónica apareceu igualmente em algumas emendas dos republicanos: por exemplo, na redigida pelo próprio Fernando Garrido, cujo conteúdo era o seguinte: «A pessoa ou pessoas que exerçam o poder supremo da Nação deverão ser espanhóis, filhos de pais espanhóis e nascidos em Espanha33

  • 34 DSCC, n.º 73, 13 de Maio de 1869, pp. 1925-26.

34À margem da defesa conjunta da república pelos diversos sectores do partido, as emendas reflectiram também o debate interno entre quem optava por uma república unitária e o resto dos deputados desta corrente, que apoiavam a república federal. Neste ponto, a discussão serviu para clarificar as posições e as forças de uns e de outros. O deputado e director do jornal El Pueblo, Eugenio García Ruiz apresentou e defendeu uma proposta em que se excluía a federação, como uma ameaça à unidade política do país: «Eu creio, senhores, que (…) a proclamação da república federal em Espanha seria hoje aqui o sinal da mais espantosa anarquia (…) eu creio que iríamos parar à ruína da pátria (…) Não há, pois, outra república possível senão a democrática unitária, eminentemente descentralizadora.» Mas apenas conseguiu dois votos, enquanto a maioria dos republicanos, fiéis ao federalismo, abandonaram o hemiciclo para não apoiar a sua proposta34.

35Uma vez esgotada a ronda de emendas, as intervenções republicanas no debate na globalidade mantiveram-se fiéis a estas mesmas linhas de argumentação. À incompatibilidade da monarquia com a soberania nacional se referiu, por exemplo, quem em 1873 seria o primeiro Presidente republicano, Estanislao Figueras:

  • 35 DSCC, n.º 76, 18 de Maio de 1869, p. 2056.

«Sempre que se vote a soberania hereditária será a familiar, a dinástica (…); e como esta soberania limita e nega a soberania da Nação, daí que acreditemos que é incompatível a soberania da Nação com a soberania do monarca; daí a nossa crença de que é incompatível a soberania nacional com todo o poder hereditário e permanente35

  • 36 DSCC, n.º 75, 17 de Maio de 1869, pp. 2016-2017.

36As semelhanças entre a monarquia prevista na Constituição e a destruída pela revolução foram assinaladas, entre outros, pelo deputado Gil Bergés. Na medida em que as decisões das Cortes necessitavam da sanção da Coroa que, em caso de conflito, podia dissolver a Câmara e convocar novas eleições, era o monarca quem detinha o poder supremo. Por isso, a monarquia do futuro não seria muito distinta da de Isabel II: como ela, também o novo monarca participaria no poder legislativo mediante o sancionamento das leis; como ela, teria além disso o comando das forças de mar e terra, a capacidade de transmitir a coroa e o direito de indulto. Postas assim as coisas, a pergunta era obrigatória: «Em que é que se diferencia, em que é que se diferenciará esse monarca da monarquia derrubada? Não será a mesma monarquia, absolutamente a mesma monarquia, sem outra diferença que não a pessoa?»36

  • 37 DSCC, n.º 74, 14 de Maio de 1869, pp. 1965 e 1968.

37Que a monarquia democrática era uma instituição inimiga do progresso, quer dizer, «um anacronismo» (terceira linha de argumentação) demonstrava-o o facto de que as novas nações, uma vez conseguida a independência, se tinham constituído como repúblicas: «Não vos diz isto, não vos prova isto que a monarquia não responde de maneira nenhuma ao estado da civilização moderna?», foi a pergunta que Eduardo Palanca dirigiu aos deputados monárquicos37. Em contraste com a monarquia, o regime republicano tinha representado sempre, desde as repúblicas antigas às italianas da Baixa Idade Média, «o ponto culminante da civilização»: ou pelo menos era isso que pensava Figueras, que também se opôs com toda a energia à argumentação historicista, muito frequente entre os monárquicos, sobre a consubstancialidade da monarquia com a nação espanhola:

  • 38 DSCC, n.º 76, 18 de Maio de 1869, p. 2056.

«Eu não sei o que se quer significar com a Espanha ser historicamente monárquica. É esse um argumento sério? De que uma coisa o tenha sido por muito tempo segue-se logicamente que deve continuar a sê-lo? (…) Se a continuidade histórica fosse razão para continuar a ser, não seria a negação do progresso? Que fizeram todos os reformadores do mundo senão romper essa continuidade?»38

38Como antes assinalámos, a argumentação republicana insistiu mais nos males da monarquia do que nas virtudes da república; mas estas também apareceram, em certas ocasiões, por contraste com aqueles. A primeira das virtudes a que fez referência Cristóbal Sorní foi que a república incarnava a mais perfeita igualdade. Enquanto no regime monárquico o cargo de rei ficava excluído das previsões constitucionais do artigo 27.º (Todos os espanhóis são admissíveis aos empregos e cargos públicos segundo o seu mérito e capacidade»), a república representava «a igualdade, (…) o cumprimento exacto desse artigo». Mas não se limitava a isso os seus méritos:

  • 39 DSCC, n.º 76, 18 de Maio de 1869, p. 2036.

«A república tem, entre outras vantagens, a de que não entregamos a governação suprema do Estado ao azar, à casualidade, ao nascimento; a de que não seja rei o que nasça de um que já o foi porque o foi também o seu pai e o seu avô, mas que se procure (…) um espanhol, segundo os seus merecimentos, para que seja presidente da república e chefe de Estado e se eleja uma pessoa que seja digna39

  • 40 DSCC, n.º 76, 18 de Maio de 1869, p. 2058.
  • 41 Uma excelente análise dos argumentos dos monárquicos, na Introdução de Calero, Antonio M.ª, «La teo (...)

39Além do mais, se a república fosse federal, acrescentou Figueras, em resposta ao republicano unitário García Ruiz, uma vantagem adicional, embora pareça surpreendente, seria a sua capacidade para enfrentar o perigo da desagregação: «Não conheço nada mais forte, nada que tenha mais unidade, que uma república federal. Temos um exemplo coetâneo» nos Estados Unidos, onde, apesar da guerra civil não se rompeu a federação; e também «uma série indefinida de exemplos históricos», entre eles a federação suíça, «uma nação pequena onde todos os progressos da sua história marcam e demonstram a força da unidade que tem uma nação bem entendida40.» A resposta dos monárquicos a estes argumentos pode resumir-se igualmente em três ideias básicas. Que a monarquia, na medida em que estava rodeada de instituições democráticas, se tornava perfeitamente compatível com a democracia e a soberania nacional, era a primeira; que as monarquias tinham uma notável capacidade para mudar e adaptar-se às novas realidades, sem por isso deixar de manter e garantir a estabilidade política, a segunda; e que havia uma total identificação entre a nação espanhola e a monarquia. Naturalmente, os defensores da monarquia também aproveitaram para atacar a república, tanto a partir das experiências do passado como das práticas das nações americanas que tinham conseguido alcançar a sua independência no início do século XIX. Mas neste ponto a unanimidade não foi total, na medida em que o grupo de democratas continuava a considerar a república como o regime ideal, onde a Espanha chegaria quando estivessem suficientemente assentes as liberdades e a população tivesse alcançado o nível desejável de educação política41.

40Perto de se concluir o debate, numa intervenção em que uma vez mais deu provas da sua capacidade oratória, afirmou Emilio Castelar:

  • 42 DSCC, n.º 78, 20 de Maio de 1869, p. 2114.

«A monarquia é para mim a injustiça social e para a minha pátria a reacção política. A monarquia vai vencer. A república – não posso pronunciar esta palavra sem me comover profundamente – a república é para mim a justiça social e para a minha pátria a liberdade política. No entanto, a república vai ser vencida. Jamais uma ideia se apresentou com tanta clareza nem se impôs com tanta força como se apresentou aqui e se impôs a ideia republicana. Jamais o entendimento dos seus inimigos foi mais cego a essa luz, nem as vontades mais rebeldes a essa força42

41Era um claro reconhecimento da derrota. Da derrota do sonho republicano, que pouco depois seria realçada pelos resultados da votação do artigo 33.º: enquanto 71 deputados votaram contra a monarquia, uma amplíssima maioria de 214 deputados fazia-o a favor.

42É verdade que, quatro anos depois, os republicanos conseguiriam estabelecer, conquanto por um curto período, uma república, que se declarou federal desde o primeiro momento. Mas fizeram-no como consequência do vazio de poder após a abdicação do rei Amadeu I, que tinha ocupado o trono de Espanha no começo de 1871; um vazio que levou numerosos deputados monárquicos a apoiar a república como um mal menor. Não era esta a forma com que os republicanos tinham sonhado para o estabelecimento do regime da sua predilecção; nem a curta duração da experiência, que não chegou a um ano, respondia às expectativas que tinham acalentado tempos atrás. Por isso, haveria que aguardar até 1931 para que de novo o sonho republicano se convertesse em realidade, despertando o entusiasmo e as esperanças de uma grande parte da população espanhola.

Topo da página

Notas

1 Veja-se, a este respeito, Townson, N., Introdução, in Townson, N. (ed.), El republicanismo en España (1830-1977), Madrid, Alianza, 1994.

2 Os trabalhos mais relevantes sobre Pi y Margall são os de Jutglar A., Pi y Margall y el federalismo español, Madrid, Taurus, 1975; e a antologia preparada por Trías J. do seu Pensamiento social, Madrid, Ciencia Nueva, 1968. Sobre F. Garrido, veja-se AJA E., Democracia y socialismo en el siglo XIX español. El pensamiento político de Fernando Garrido, Madrid, Edicusa, 1976; sobre Castelar, Llorca C., Castelar, precursor de la democracia cristiana, Madrid, Biblioteca Nueva, 1966; e sobre Cámara, Urbina J. M. Fernández, Sixto Cámara, un utopista revolucionario, Bilbau, Universidad, 1984.

3 Veja-se, sobre este ponto, Burdiel, I. e Romeo, M. C., «Historia y lenguaje: la vuelta al relato dos décadas después», Hispania, LVI/I, n.º 192, 1996; Cruz, R., «La cultura regresa al primer plano», in Cruz, R. e Ledesma, M. Pérez (eds.), Cultura y movilización en la España contemporánea, Madrid, Alianza, 1997; e Cabrera, M. A., Historia, lenguaje y teoría de la sociedad, Madrid, Cátedra, 2001.

4 Alguns textos relevantes na primeira perspectiva estão coligidos in Townson N. (ed.), El republicanismo en España (1830-1977), op. cit.; ou in Piqueras, J. A. e Chust, M. (comps.), Republicanos y repúblicas en España, Madrid, Siglo XXI, 1996. Veja-se, além disso, Duarte, A., «La esperanza republicana», in Cruz R. e Ledesma, M. Pérez (eds.), Cultura y movilización en la España contemporánea, op. cit.; Duarte A., Història del republicanisme a Catalunya, Vic, Eumo, 2004, e Peyrou, F., Tribunos del pueblo. Demócratas y republicanos durante el reinado de Isabel II, Madrid, CEPC, 2008. Sobre as culturas políticas republicanas, podem ver-se, entre outros, os estudos de Duarte A. e Gabriel P., «¿Una sola cultura política republicana ochocentista en España?», Ayer, 39, 2000; Miguel R., «Las culturas políticas del republicanismo histórico español», Ayer, 53, 2004; Miguel, R., La pasión revolucionaria, Madrid, CEPC, 2007; e Peyrou, F., «¿Harmonia en la discòrdia? Reflexions al voltant de la cultura política democràtico-republicana a Espanya, 1840-1868», Recerques, no prelo. A citação incluida no parágrafo, in Martínez, F., «Prólogo: Nicolás Salmerón en el Congreso de los Diputados», Salmerón N., Discursos y escritos políticos, Almeria, Universidad, 2006, p. 35.

5 Para uma análise bibliográfica dos abundantes trabalhos sobre a Restauração, veja-se Duarte, A., «El republicanismo decimonónico (1868-1910)», Historia Social, 1, 1988, e Morales, M., «El republicanismo ochocentista: escuela de ciudadanía», Ayer, 45, 2002.

6 Cf. estas influências in Duarte, A., Història del republicanisme a Catalunya, op. cit., p. 20, e Miguel R., La pasión revolucionaria, op. cit., pp. 68-86.

7 A dinâmica política dos anos 1830 in Rovira, A. M. Garcia, La revolució liberal a Espanya i les classes populars, Vic, Eumo, 1989. A moderação do liberalismo maioritário in Suanzes, J. Varela, «El pensamiento constitucional español en el exilio: el abandono del modelo doceañista (1823-1833)», Revista de Estudios Políticos, n.º 88, 1995, pp. 63-90. Os projectos progressistas e moderados in Romeo, M. C., «Lenguaje y política del nuevo liberalismo: moderados y progresistas, 1843-1845», Ayer, 29, 1998, pp. 37-92.

8 O modelo constitucional de 1845 in Artola, M., La burguesía revolucionaria. Madrid, Alianza, 1990, pp. 187-192. A ligação da Coroa ao moderantismo in Burdiel, I., Isabel II. No se puede reinar inocentemente, Madrid, Espasa, 2004, p. 333. O distanciamento do liberalismo radical da Coroa in Rovira, A. M. Garcia, «Radicalismo liberal, republicanismo y revolución (1835-1837)», Ayer, 29, 1998, pp. 63-90.

9 A definição de povo in Castro, D., «Jacobinos y populistas. El republicanismo español a mediados del siglo XIX», in Junco, J. Alvarez (comp.) Populismo, caudillaje y discurso demagógico. Madrid, 1987, p. 199; e in Ledesma, M. Pérez, Estabilidad y conflicto social. España, de los íberos al 14-D, Madrid, Nerea, 1990, pp. 170-171. As legislações ditadas pelo egoísmo in La Asociación, 2-4-1856. A politização dos sectores populares após a Revolução liberal in Romeo, M. C., «La sombra del pasado y la expectativa de futuro: “jacobinos”, radicales y republicanos en la revolución liberal», in Roura, L. e Castels, I. (eds.), Revolución y democracia. El jacobinismo europeo, Madrid, 1995, p. 125. A divisão do mundo em «opressores» e «oprimidos» in Ledesma, M. Pérez, «Ricos y pobres; pueblo y oligarquía; explotadores y explotados. Las imágenes dicotómicas en el siglo XIX español», Revista del Centro de Estudios Constitucionales, n.º 10, 1991, pp. 70-76. E a visão liberal das mulheres in Romeo, M. C., «Destinos de mujer: esfera pública y políticos liberales», in Morant, I. (dir.), Historia de las mujeres en España y América Latina. III. Del siglo XIX a los umbrales del XX, Madrid, Cátedra, 2006, pp. 61-85.

10 O fim das liberdades civis in La Asociación, 31-5-1856. O governo directo e o federalismo in Peyrou, F., Tribunos del Pueblo, op. cit., pp. 116-150.

11 A definição de república in El Huracán, 26-12-1841. As visões da monarquia in Castro, D., «Jacobinos y populistas. El republicanismo español a mediados del siglo XIX», op. cit., pp. 208-209.

12 Cf. La Libertad, 21-2-1846, e El Siglo, 8-3-1848.

13 Veja-se, sobre estas questões, Payrou, F., Tribunos del Pueblo, op. cit., pp. 175-179. A implicação das sociedades nas intentonas de 1848 in Garrido, F., Historia del reinado del último Borbón, Barcelona, Salvador Manero, 1868, T. III, p. 36 e 37.

14 Em concreto, em Sevilha, Cádis, Puerto de Santa María (Cádis), Huelva, Almeria, San Sebastian, Teruel, Valladolid, Valência, Alicante, Castellón, Vinaroz (Castellón), Figueras (Gerona), Córdova, Orense, Cáceres, San Fernando (Cádis), Chiclana (Cádis), Vejer (Cádis), Sanlúcar (Cádis), Villamartin (Cádis) y Palma de Maiorca.

15 O Manifesto in Artola, M., Partidos y programas políticos, Madrid, Agilar, tomo II, pp. 37-45.

16 Artola, M., La burguesía revolucionaria, op. cit., p. 207.

17 No que se refere aos jornais, entre 1854 e 1856 publicaram-se, en Madrid, La Europa, El Tribuno, Adelante, El Esparterista, El Látigo, El Miliciano, El Eco de las Barricadas, La Soberanía Nacional, La Voz del Pueblo, La Emancipación, La Asociación, La Razón, La Discusión e La Democracia. Fora de Madrid publicaram-se La Justicia, El Pueblo e La Revolución, em Valência; La Revolución, em Huesca; El Iris del Pueblo, em Palma de Maiorca; La Voz de la Juventud, em Almeria; La Libertad e La Civilización em Sevilha; El Aragonés, em Saragoça; El Tribuno, em Barcelona; e El Centinela Avanzado, em Málaga.

18 O artigo de Garrido in El Tribuno, 22-8-1854. Pi y Margall, F., La reacción y la revolución (1854), Barcelona, Anthropos, 1982, p. 169.

19 Diario de Sesiones de las Cortes, n.º 23, 30-11-1854, p. 275, 280, 285. La Soberanía Nacional, 1-12-1854. Sobre esta questão veja-se Lario, A., «La monarquía herida de muerte. El primer debate monarquía/república en España», in Lario, A. (ed.), Monarquía y República en la España contemporánea, Madrid, UNED-Biblioteca Nueva, 2007.

20 Como Madrid, Barcelona, Gerona, Tarragona, Lérida, Valência, Granada, Málaga, Sevilha, Huesca, Saragoça ou Teruel.

21 Castro, D., «Unidos en la adversidad, unidos en la discordia. El partido demócrata, 1849-1868», in Townson, N. (ed.), El republicanismo en España (1830-1977), p. 69.

22 Roel, A. Eiras, «Sociedades secretas republicanas en el reinado de Isabel II», Hispania, n.º 86, 1962, p. 294. Veja-se também Castro, D., «Republicanos en armas. Clandestinidad y insurreccionalismo en el reinado de Isabel II», Bulletin d’Histoire Contemporaine de l’Espagne, CNRS, n.º 23, Junho de 1996, pp. 29-41.

23 Manifesto, in Public Record Office, FO 72, 936, Howden a Malmesbury, 1-5-1858.

24 Os debates in Peyrou, F., Tribunos del Pueblo, op. cit., pp. 428-463; veja-se também Castro, D., «Unidos en la adversidad, unidos en la discordia: el Partido demócrata, 1849-1868», op. cit., p. 73-83, ou Recio, G. Sánchez, «Los planteamientos socioeconómicos del partido democrático. La polémica entre Pi y Margall y Castelar en 1864», Saitabi, n.º 27, 1977, pp. 123-144.

25 García, R. Serrano, «La historiografía en torno al Sexenio 1868-1874», Ayer, 44, 2001, p. 16.

26 O relato clássico deste confronto in Roel, A. Eiras, El Partido Demócrata español, op. cit., pp. 384-389.

27 O Manifiesto de Conciliación apareceu em La Correspondencia de España, de 14 de Novembro de 1868.

28 El Manifiesto electoral del Comité Republicano de Madrid, publicado em La Igualdad, a 18 de Novembro de 1868, está coligido in Fuente, G. de la e Serrano, R., La revolución gloriosa. Un ensayo de regeneración nacional (1868-1874). Antología de textos, Madrid, Biblioteca Nueva, 2005, pp. 233-236.

29 Imposto de 20 por cento sobre certos bens. (Nota do Tradutor)

30 Uma análise dos resultados electorais in Cuadrado, M. Martínez, Elecciones y partidos políticos de España (1868-1931), Madrid, Taurus, 1969, tomo 1, pp. 57-90.

31 Diario de Sesiones de las Cortes Constituyentes (DSCC), n.º 72, 12 de Maio de 1869, pp. 1869 e 1870.

32 DSCC, n.º 72, 12 de Maio de 1869, pp. 1877 e 1879.

33 DSCC, n.º 74, 14 de Maio de 1869, p. 1950.

34 DSCC, n.º 73, 13 de Maio de 1869, pp. 1925-26.

35 DSCC, n.º 76, 18 de Maio de 1869, p. 2056.

36 DSCC, n.º 75, 17 de Maio de 1869, pp. 2016-2017.

37 DSCC, n.º 74, 14 de Maio de 1869, pp. 1965 e 1968.

38 DSCC, n.º 76, 18 de Maio de 1869, p. 2056.

39 DSCC, n.º 76, 18 de Maio de 1869, p. 2036.

40 DSCC, n.º 76, 18 de Maio de 1869, p. 2058.

41 Uma excelente análise dos argumentos dos monárquicos, na Introdução de Calero, Antonio M.ª, «La teoría de la Monarquía Democrática en las Cortes Constituyentes de 1869», à sua selecção de discursos parlamentares dos deputados monárquicos mais relevantes, Monarquía y democracia en las las Cortes de 1869. Madrid, Centro de Estudios Constitucionales, 1987, pp. XI-XLV. Puede ver-se também Ledesma, Manuel Pérez, La Constitución de 1869. Madrid, Iustel, no prelo.

42 DSCC, n.º 78, 20 de Maio de 1869, p. 2114.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Florencia Peyrou e Manuel Pérez Ledesma, « O sonho da República na Espanha do século XIX (1840-1868) », Ler História, 59 | 2010, 13-31.

Referência eletrónica

Florencia Peyrou e Manuel Pérez Ledesma, « O sonho da República na Espanha do século XIX (1840-1868) », Ler História [Online], 59 | 2010, posto online no dia 10 Dezembro 2015, consultado no dia 29 Maio 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1289 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1289

Topo da página

Autores

Florencia Peyrou

Universidad de Valencia - florencia.peyrou@uv.es

Manuel Pérez Ledesma

Universidad Autónoma de Madrid - Manuel.perez@uam.es

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org