Navegação – Mapa do site
Recensões

A. R. Disney, The Portuguese in India and Other Studies, 1500-1700

Ashgate (Variorum Collected Studies Series), Farnham (Surrey) & Burlington (Vermont), 2009
Jorge Flores
p. 283-284
Referência(s):

A. R. Disney, The Portuguese in India and Other Studies, 1500-1700, Ashgate (Variorum Collected Studies Series), Farnham (Surrey) & Burlington (Vermont), 2009

Texto integral

1Quem são os historiadores anglo-americanos que, do pós-guerra aos dias de hoje, moldaram verdadeiramente o nosso conhecimento da «Ásia portuguesa» no período moderno? Para além do incontornável Charles Boxer, há um punhado de nomes que importa considerar. Entre eles, seguramente o de Anthony Disney.

2Treinado em Harvard por J. H. Parry (autor de The Age of Reconnaissance e The Spanish Seaborne Empire), Disney fez toda a sua (longa) carreira na La Trobe University, Melbourne (Austrália). Optou por se especializar na história do Estado da Índia entre o final do século XVI e os meados da centúria seguinte, sendo que o seu primeiro trabalho de fôlego – The Twilight of the Pepper Empire: Portuguese Trade in Southwest India in the Early Seventeenth Century (Harvard University Press, 1978; trad. portuguesa, Ed. 70, 1981) – trouxe muita novidade no que respeita à estrutura e dinâmica económicas do império asiático português. Mas Disney foi sempre historiador de (bons) artigos, mais do que de livros, pelo que 2009 resultou tão atípico quanto frutífero. A Cambridge University Press publicou nesse ano A History of Portugal and the Portuguese Empire, obra em dois volumes que começa agora a fazer o seu caminho entre a comunidade académica. Quase em simultâneo, foi dada à estampa uma colectânea de 19 estudos publicados pelo autor ao longo das últimas três décadas (1977-2007) e é essa obra que aqui analisamos.

3The Portuguese in India and Other Studies é mais uma das colectâneas da Variorum Collected Studies Series, espécie de best of de um dado autor que a Asghate vem publicando há anos e que tem concedido amplo relevo ao trabalho de vários historiadores do império português, de Charles Boxer, M. N. Pearson e George Winius a Geneviève Bouchon, Francis Dutra e Roderich Ptak. O volume de Disney estrutura-se em quatro partes: I) The Portuguese in India; II) Viceroy Linhares and his Era; III) Travel and Communications by Land and by Sea; IV) Historiography and Problems of Interpretation. Mais do que uma referência individualizada a cada um dos estudos aqui publicados, o que se propõe é um exercício de reflexão acerca das constantes e do sentido global da produção do autor.

4Apesar da distância física entre Lisboa e Melbourne, um relance de olhos pelos lugares de origem dos trabalhos aqui reunidos revela um forte vínculo com Portugal: a maioria dos artigos foram publicados em revistas portuguesas ou sobre Portugal (Studia, Anais de História de Além-Mar, Portuguese Studies) e, bem assim, em volumes colectivos como as actas dos seminários de história indo-portuguesa, encontros científicos de que Disney é hoje figura tutelar. Ao longo da sua carreira, o autor esteve sempre muito atento à historiografia portuguesa sobre Portugal moderno e o seu império, que soube articular com o que se escreve na Índia e no mundo anglo-saxónico sobre o assunto.

5Disney alicerça o seu trabalho em massiva investigação documental cuja evidência utiliza com rigor e mestria para sugerir pertinentes conexões entre a economia, a política e a sociedade do Estado da Índia. O leitor dado aos estudos pós-coloniais ficará certamente desapontado com este livro, dado que é uma obra pouco devotada à teoria, um tanto empírica, muito próxima das fontes primárias. Daí a fragilidade de alguns artigos (XVI e, na sua parte final, também o XV), em que o autor cede à tentação artificial de participar nas discussões correntes sobre multiculturalismo e Orientalismo.

6The Portuguese in India ensina-nos muito sobre o Estado da Índia, da fracassada Companhia portuguesa de comércio dos anos de 1620-1630 ao ritual político da «entrada» de um novo vice-rei em Goa. Ensina-nos muito também acerca das rotas e tecnologias de comunicação por mar e por terra entre Portugal e a Índia (excelente o artigo sobre a ilha de S. Helena como escala da Carreira). Mas a secção mais significativa do livro é, sem sombra de dúvida, o conjunto de seis artigos sobre D. Miguel de Noronha, conde de Linhares, que Disney confessa no prefácio constituir um dos seus «longstanding interests». Vice-rei da Índia entre 1629 e 1635, Linhares conheceu uma longa e riquíssima carreira ultramarina e ibérica, que o levou de Lisboa a Tânger, de Tânger a Goa e de Goa a Madrid em 1636, cidade que não quis trocar por Lisboa em 1640. Ao serviço de Filipe IV, esteve para ser nomeado primeiro vice-rei do Brasil (que declinou) e acabou por servir como capitão-geral das galés da Sicília antes de morrer em 1656. A atribulada trajectória de D. Miguel de Noronha, escorada em fontes abundantes e ricas como o seu próprio diário, permitem a Disney entregar-se a um sofisticado e ímpar exercício de história social do império português, que interessava alargar a outros governadores e vice-reis do Estado da Índia. Anthony Disney ainda não escreveu a prometida biografia de Linhares, mas percebe-se bem a sua predilecção pelo género. Não é decerto por acaso que o volume conclui com um artigo-homenagem a Charles Boxer enquanto biógrafo.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Jorge Flores, « A. R. Disney, The Portuguese in India and Other Studies, 1500-1700 », Ler História, 59 | 2010, 283-284.

Referência eletrónica

Jorge Flores, « A. R. Disney, The Portuguese in India and Other Studies, 1500-1700 », Ler História [Online], 59 | 2010, posto online no dia 01 Fevereiro 2016, consultado no dia 30 Maio 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1423

Topo da página

Autor

Jorge Flores

Brown University (EUA)

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org