Navegação – Mapa do site
Estudos
Prestígio, Rituais e institucionalização do Poder

Iconografia da honra e do prestígio: Reis de Armas e cavaleiros das Ordens Militares em Portugal e Castela (séculos XVII-XVIII)

Iconographie de l’honneur et du prestige: rois d’armes et chevaliers des ordres militaires luso-castillans, XVIIe-XVIIe siècles
Iconography of honour and prestige: Kings of arms and knights of Military Orders in Portugal and Castile centuries XVII-XVII
José Antonio Guillén Berrendero
Tradução de Susana Bastos Mateus
p. 35-51

Resumos

O tema deste artigo é demonstrar o poder das representações visuais dos indivíduos honrados nas coroas de Castela e de Portugal. Mostra uma visão transversal da representação da honra e do prestígio mediante a identificação das distintas marcas de nobreza que são atribuídas aos cavaleiros das Ordens Militares e pelos Reis de Armas. No caso dos primeiros, o autor analisa os elementos próprios de indivíduos identificados pela sua condição de nobres. No caso dos Reis de Armas, centra-se no valor iconográfico e social da sua produção, considerando as armarias das linhagens ou os brasões concedidos a um indivíduo

Topo da página

Texto integral

  • 1 Francisco Manuel de Melo, Dom Teodozio, Segundo o códice 51-III-30 da Biblioteca de Ajuda (Tradução (...)

Quando os antigos sábios quiseram mostrar-nos um símbolo da constância, não acharam figura que melhor declarasse sus nobres efeitos que o retrato daquele monte Olimpo1

  • 2 Sobre a capacidade expressiva dos símbolos ainda tem utilidade o texto de Norbert Elias, La teoría (...)

1Se a memória é um elemento essencial na configuração da identidade individual e colectiva, a representação do visual adquire uma dimensão central na construção da mesma. Trata-se de uma forma de memória visual que alcança, no caso da representação do nobiliárquico, uma síntese da realidade sistémica que a ideia de nobreza representa em si mesma e da teoria simbólica representada2. Este texto pretende apresentar uma reflexão sobre a forma de representar o honrado nos reinos de Castela e de Portugal. Procura-se mostrar a forma como algumas variantes discursivas, produzidas por intelectuais, agentes da honra e pintores, ajudam a construir uma iconografia do honrado, do socialmente preeminente e a uniformidade nas suas formas de representação. Não se trata de uma análise comparada entre os dois reinos, mas de um estudo transversal sobre as formas de mostrar a honra e a relação entre o escrito e o visual. A honra e a sua representação são o nexo de união e o factor de interpretação das imagens sociais do poder.

2Só os privilegiados têm uma imagem construída? Isto é, aqueles indivíduos que, ou pelo seu estatuto social ou por desempenharem funções específicas nos aparelhos burocráticos da Monarquia precisam de uma representação do seu status. Se olharmos para os pintores, tendo o paradigma de Velázquez em mente, verificamos que há uma evidente busca de prestígio na sua auto-representação. Facto que se relaciona com a necessidade radical que durante a Idade Moderna tinham algumas profissões de reivindicar a sua «nobreza» face a outras situações «vis». Mas, para além do caso dos pintores que têm nome, adquirem um valor essencial as representações dos anónimos, ou pelo menos dos que foram identificados como tal. Neste trabalho centra-se a atenção naqueles que são reconhecidos e reconhecíveis, no que isto é representativo de uma forma de fugir do anonimato, seja mediante o visual pictórico, ou graças ao visual livresco, naquilo que ambas as formas de representação servem para dar a conhecer indivíduos e linhagens, outorgando-lhes a categoria de reputados.

3A dignidade, a honra e o poder são os tópicos centrais dentro da análise das distintas formas de comunicação do indivíduo nobre durante a Idade Moderna. Nelas, o visual e o escrito transformam-se em práticas notáveis e recorrentes, que oferecem uma descrição detalhada dos elementos basilares da condição de nobre. Deste modo, se durante o século XVI se produziu uma polémica sobre o valor da imagem e a capacidade do visual como ferramenta de autoridade, isto terminou por ser uma forma de comunicação baseada na combinação de distintos artefactos culturais relacionados com o poder e a dignidade do que é representado ou expressado. No caso da nobreza, justifica-se uma interrogação liminar: o visual oferece uma interpretação do individual e do colectivo que a ideia de nobreza leva aparelhada. Em primeiro lugar deveria ser ressaltado que a iconografia da nobreza tem várias formas de expressão. A cosmogonia nobiliárquica aglutina no seu seio o escrito, o oral (a palavra) e o visual. Trata-se de três níveis perfeitamente interrelacionados, sem que, aparentemente, exista uma primazia de um sobre o outro. Enquanto realidade sistémica, o nobiliárquico desenvolve uma cultura da imagem que afecta de igual modo todos os escalões hierárquicos e que responde tanto a interesses concretos como a uma tradição visual em torno da ideia de nobreza e da representação do poder.

4O primeiro nível corresponde à representação do poder encarnado pelo indivíduo singular. Em segundo lugar, encontramos o valor colectivo dos sinais de poder nobiliárquico e, finalmente, num terceiro nível, ressaltam os elementos essenciais do conjuntural, ou seja, sobressaem os aspectos circunstanciais que dignificam ou dão sentido a um indivíduo e à sua representação ad hoc num determinado momento. Portanto, a iconografia do nobiliárquico tem uma leitura no tempo longo e outra no imediato.

  • 3 Louis Marin, Le portrait du roi. Paris, 1981, p. 11.
  • 4 Marin, Le portrait..., p. 11.
  • 5 Fernando Bouza, Imagen y propaganda. Capítulos de la historia cultural del reinado de Felipe II, Ma (...)
  • 6 Gaspar Gutiérrez de los Ríos, Noticia general para la estimación de las artes, Madrid, 1600, p. 158

5A iconografia nobiliárquica representa uma espécie de vinculação entre o impresso (o papel) e a tela. Para isso, recorre-se à codificação de uma linguagem de formas nas quais os espectadores-leitores acabam por colocar todos os detalhes da representação numa hierarquia interessada do detalhe. Esse olhar, obviamente, deveria ser difundido, explicado e fazia parte do quotidiano das pessoas. A construção da imagem do honrado era determinada pela assunção por parte deste de todos os elementos próprios do nobiliárquico juntamente com aqueles individualizados na sua pessoa e que, obviamente, não poderiam pertencer a um outro indivíduo. De tal forma que tanto os retratos, como os livros iluminados, bem como outras formas de representação do nobiliárquico, procuravam evidenciar a beleza do nobre com uma profunda actividade decorativa. Para isso, no caso da heráldica, recorre-se a uma codificação das suas formas de composição, mas também se tenta plasmar a representação dos valores nobres (virtude, fortaleza, temperança, honra e excelência). Pode-se entender que isto era comum a todos os representados, fossem titulares ou não, e acentua-se significativamente no caso dos retratos de cavaleiros de hábito ou nas certificações de nobreza. No caso dos primeiros deve ser destacado o papel da «marca de fama» que uma cruz representa, muito acima de outras considerações sobre a facilidade ou dificuldade de adquirir um hábito. E, em relação aos segundos, destaca-se o valor «de marca de singularidade» que representa a posse de um brasão iluminado e sancionado pelo poder régio através dos seus agentes. Enquanto as imagens – como indica Marin – pelas quais o poder é representado chegam a substituí-lo3 – e, continua o autor – são testemunhas da sua existência4. É lógico que a eficácia do visual5 acabará por configurar algumas realidades em que a força dos hábitos será determinante para valorizar a «voz i pública fama» do representado. Assim, como indicava Gutiérrez de los Ríos em 1600, «deve pintar a las personas de manera que nos parezca que están hablando y con espíritu, y que las demás cosas nos engañen pareciéndonos verdaderas»6.

6Parece claro que ao nível da representação existem três cenários que num primeiro momento são fundamentais para interpretar a iconografia da honra em Portugal e Castela durante a Idade Moderna e que estão relacionados com o papel do representado. Em primeiro lugar, um repertório de elementos de legitimação e de perpetuação. Estas seriam as marcas e sinais próprios da dignidade e que são as próprias marcas da identidade nobiliária, que se encontram tanto em documentos escritos como em pictóricos e que são o fundamento básico da sua condição (brasões, casas, lemas heráldicos, histórias familiares). Outro nível encontra-se na representação dos traços meta-conceptuais (cruzes de hábito, roupas, cavalos, animais), o que se relaciona com o próprio conceito do representado, mas que também quer ser uma ilustração do que o indivíduo é dentro da sociedade. E, finalmente, os elementos pessoais, aqueles que fazem referência a uma especificidade do representado (devoções religiosas, elementos decorativos, gostos pessoais).

7Tudo isso gera uma hierarquia na representação, na qual o Rei é o principal modelo de imitação, conferindo a cada escalão hierárquico da nobreza uma forma de ilustrar a pertença ao escalão imediatamente superior mediante a utilização de uma linguagem codificada sobre o mérito, a honra e a distinção. Facto significativamente relevante se tivermos em conta que os não honrados, os desconhecidos, eram representados como uma grande massa anónima. O visual dos documentos e do pictórico serve, em primeiro lugar, para singularizar o indivíduo, a linhagem e a sua honra.

De Reis, nobres e outras hierarquias na esfera da representação

  • 7 Satisfação aos reparos e perguntas que fez hum viajante historiador Portuguez, Lisboa, 1792, p. 11.
  • 8 Ibidem, p. 12.
  • 9 Quentin Skinner, Visões da política. Sobre os métodos históricos, Lisboa, 2005, pp. 39-80.
  • 10 Satisfação aos reparos e perguntas que fez…, p. 17.

8Em 1792, um monge do mosteiro de Alcobaça escrevia um texto intitulado Satisfação aos reparos e perguntas que fez hum viajante historiador Portuguez. Nele abordava-se o tema da forma na qual os reis eram representados nas pinturas que se conservavam no dito. Por isso, a primeira indicação que se recebe no texto é que: «Por ter a Ordem Militar de Nosso Senhor Jesus Christo sempre em Portugal a primeira graduação, os Monarcas, depois que principiarão a ser chefes de todas, só usarão da Medalha da mesma ordem»7, dizendo a seguir que «para ser em tudo verdadeiro, o retratado, deve conformar-se com os trajes e usos do que representa»8, o que, sem qualquer dúvida, deve ser interpretado dentro das variantes do discurso e da vontade de comunicação de determinadas formas que adquirem sentido no seu momento9. Deste modo, e seguindo novamente o texto referido, os retratos em geral e os dos monarcas em particular devem representar as coisas como são. Assim quando «os monarcas, que forão guerreiros, e conquistadores, estão figurados em acção de combater», enquanto os outros, são retratados «com peitos de aço e vestidos regios», o que os convertia em «pincelas idéas dos Retratista»10.

  • 11 Difiniciones de la orden y caballería de Calatrava conforme al capítulo general celebrado en Madrid (...)
  • 12 Difiniciones (sic) de la orden y caballería de Alcántara, con la historia y origen della, Madrid, D (...)
  • 13 Francisco Ruiz de Vergara Álava, Regla y establecimiento de la orden y cavallería del gloriso apóst (...)

9O sistema de representação dos cavaleiros procurava sempre a perfeita harmonia entre os valores nobiliárquico-cavaleirescos e as necessidades próprias do visual. Deste modo, por exemplo, as regras das Ordens Militares impeliam à utilização pelos seus cavaleiros de determinadas roupagens: «Por quanto la vestidura del cuerpo demuestra quál es el hombre, estatuimos y definimos que el señor maestre, comendadores, cavalleros, priores y freyles de nuestra orden sean obligados de traer honestas y convenibles ropas y vestidos de colores honestos, como conviene a religiosos, y no les sea lícito traer vestiduras de colorado ni de verde claro ni amarillo ni de azul claro»11. O mesmo sucede com Alcántara, que pede que as roupas sejam idóneas para o cavaleiro12. E inclusivamente Santiago, que pedia aos seus: «vestiduras blancas, prietas – negras – o pardas… si no fuere estando en la guerra o en casamiento de príncipe o hijos propios o en alguna fiesta o regozijo»13. Assim, a imagem do nobre devia ser semelhante ao representado, mas sobretudo à sua dignidade, prestígio e honra.

10Destacável deste facto é a aparente uniformidade visual que se depreende da pertença a alguma das Ordens, situando no plano da igualdade formal tanto titulares como não titulares. Todos eles se encontram ligados pelo espaço simbólico e de fama que representa a cruz sobre as roupas negras que, por sua vez, nasce da sujeição das qualidades do indivíduo ao escrutínio público. O resultado, no caso dos retratos de cavaleiros, é que o texto escrito das provanças de nobreza e o retrato se fundem no visual, apagando com isso, qualquer dúvida sobre a condição de um indivíduo ou da sua família. Mas também fala da constante comunicação entre o escrito e o pictórico. A regulamentação escrita dos hábitos e do quotidiano dos Cavaleiros das Ordens implementa a capacidade do escrito como veículo de criação de uma determinada iconografia sobre a honra e os honrados. Isto faz-se indistintamente de ambos os lados da fronteira e obedece ao critério fundamental de aplicação e exposição pública do cavaleiro.

  • 14 Agradeço ao Professor Adolfo Carrasco que me deixou consultar o manuscrito do seu texto sobre este (...)

11Um titular e um «Hidalgo a fuero de España» eram representados com alguns dos sinais evidentes da condição de cavaleiro de hábito. No caso do duque de Pastrana (Carreño de Miranda, Museo del Prado de Madrid, n.º 650), e como já analisou o professor Adolfo Carrasco, encontramo-nos perante um arquétipo do cavaleiro, representado na simples nobreza do seu rosto e na sua própria atitude14. Se analisarmos um retrato de um cavaleiro da Ordem de Santiago, podemos encontrar chamativas semelhanças que nos falam de um mesmo valor do visual como linguagem de legitimação do nobiliárquico. De forma que será fácil verificar em ambos signos que remetem para as representações com vontade de configurar uma imagem. Assim, o brasão como sistema de representação metafórico da família do pretendente; ou o elmo, que nos fala da condição de fidalgo; e a cruz como garantia de ter sido reconhecido «a pública voz i fama» como nobre, configuram um tríptico essencial sobre a condição. Todas são manifestações que acentuam a significação objectiva do brilho e da reputação social dos privilegiados, ou o que é o mesmo, de todos quantos podiam ter imagem.

  • 15 Juan Garcia Saavedra, Tractatus Hispaniarum nobilitate et expemtione sive ad pragmaticam cordubense (...)

12Assim, o tratamento das imagens não cessou de oferecer imagens em chave heróica e os signos deste heroísmo, como o elmo perfeitamente adornado com os seus correspondentes penachos, fechado, como corresponde aos «Hidalgos a Fuero de España», e o brasão, colocado em primeiro plano. A representação do visual adquire formas conservadoras na exposição dos seus elementos. As inovações são escassas, uma vez que cada um dos sinais da honra do retratado se baseia em significados atribuídos com anterioridade e são, em última instância, uma cartografia relativa a velhas tradições visuais em torno da honra. Igualmente, no caso do duque, podemos ver como são colocadas as esporas, sinal evidente da sua condição de cavaleiro e que remete para a existência medieval dos chamados «caballeros de la espuela dorada», aqueles que já foram falados, entre outros, pelo fiscal da Chancillería de Valladolid, Juan García Saavedra no seu Tractatus de hispaniorum nobiliate15 e que remetem para uma velha nobreza de sangue medieval.

13Num discurso panegírico sobre a figura do marquês de Marialva, D. Luís de Meneses, o seu autor, o jesuíta António Lopes Cabral, perfila in extenso o território imaginado da glória, num retrato escrito, do marquês, mas também do cavaleiro de hábito, que mediante um conjunto de termos, claramente legíveis, outorga categoria de herói ao eu nobiliárquico do herói:

  • 16 António Lopes Cabral, Panegirico ao excellentissimo Senhor Dom António Lvis de Menezes, Lisboa, 166 (...)

«Generoso Marquez, invicto Marte/Augusto ser de troncco inaccecivel/Atlante Portuguez, q[ue] em toda a parte/ Credito días à Patria de invencivel;/ Comvosco meu furor hoje reparte/Do método melhor que he possivel,/permiti que esta penna mal limada,/Em os fios se apare dessa espada»16

  • 17 Fernando R. de la Flor, Barroco, Representación e ideología en el Mundo Hispánico (1580-1680), Madr (...)
  • 18 Francisco Soares Toscano, Parallelos de Príncipes, Évora, 1623, prólogo al lector, s/f.
  • 19 Toscano, Parallelos..., f. 323.

14O fenómeno das obras do marquês insere-se dentro da guerra contra Castela, e a lógica da escrita do jesuíta inscreve os heróis clássicos como paralelo dos portugueses. Este facto representa uma evidente potenciação do «discurso de la mirada»17 um modo de ressaltar esses outrora «ánimos naturalmente afeiçoados à honra Portugueza»18, no que os portugueses eram «semelhantes aos romanos»19, o que dentro do discurso sobre a nobreza deve ser interpretado como parte fundamental da utopia do valor intrínseco dos lusitanos. Facto que enforma toda uma estrutura discursiva que encontramos confirmada pelas certificações legais realizadas pelos Reis de Armas e seus oficiais, ou pela própria administração.

15O problema tácito deriva do propugnado quadro que desenham os agentes da honra e seus beneficiários. Assim, de um lado podemos ver como nos interrogatórios das provanças de nobreza dos pretendentes a um hábito existe uma hierarquia de tópicos que desenham o valor da opinião pública, ao perguntar de maneira «real» sobre o espaço de memória ocupado por essas utopias da linhagem que se tentava averiguar. Confirmando a morfologia da fidalguia em assuntos como o sangue, a raça, os privilégios e a reputação dos fidalgos. Ou, se pensarmos nas Ordens militares lusitanas, o viver nobremente ou ter limpeza de ofícios. Por outro lado, tratando-se de sinais exteriores, a sua projecção refere-se a meios urbanos e a uma cosmovisão do sistema iconográfico da representação da honra, na qual o escrito e o visual-pictórico acabam por oferecer uma genealogia completa do Rei de Armas como um retrato, e partilham elementos comuns, sejam estes dirigidos pela pluma ou pelo pincel.

  • 20 AHN, OM, Caballeros, Alcántara, exp. 857, s/f.

16A ideologia sobre a honra e as suas compactas estruturas de representação devem ser interpretadas segundo uma linguagem emitida pelo labor dos representados, os que dão opiniões sobre os representados e, finalmente, pelos agentes administrativos que têm o encargo de dar natureza legal ao sistema. De tal forma que a dialéctica da representação iconográfica da honra, para além de determinadas contextualizações, recorre a uma economia da palavra e dos sinais entre os quais se podem destacar palavras que acabam por ser categorias do nobiliárquico: «Pessoas muito nobres», «varonía continuada», «brazão», «Privilégio», «lei de nobreza» «verdaderamente», «fiel». Todas são expressões que aparecem nas certificações de nobreza e nas cartas de Brasão de armas portuguesas do período. São termos assumidos por todos e cada um dos estratos hierárquicos das nobrezas luso-castelhanas e são princípios gerais que procuram, sem uma articulação especialmente complicada, ressaltar a qualidade face à figura da dissimulação barroca. O olhar para os sinais da honra não deve ser obscurecido, uma vez que quando algum deles é posto em questão, pode derrubar os muros da honra individual. Assim, nos interrogatórios para o hábito da Orden de Alcántara em Castela, será frequente desde os inícios do século XVII que o «Consejo de las Órdenes» procure a confirmação por parte das testemunhas de: «en que opinión han sido, y son auidos y tenidos y de la pública voz y fama y limpieça que ay en sus personas y linaje, y las armas que cada uno de sus abuelos tenía en particular»20.

17As respostas das testemunhas e a própria pergunta falam de um universo semelhante para todos os níveis nobiliárquicos. Neste caso, não se pretende diferenciar os brasões de um titular com os de um não titular, será unicamente a capacidade posterior de cada pretendente a que acaba por marcar a diferença na virtual representação visual da sua honra. Portanto, não se aprecia nenhuma diferença entre distintos níveis hierárquicos no primeiro nível de descrição da qualidade de um indivíduo. Deste modo, parece que numa perspectiva geral sobre o universo nobiliárquico, o valor objectivo de uns e de outros é o mesmo. Outra coisa é o tema da valorização da metafísica da honra e a sua maior ou menor proximidade ao soberano. Portanto, pode-se depreender que os argumentos legitimadores do prestígio de qualquer pretendente a um hábito de uma ordem militar devem referir-se a conceitos verticais de estruturação social, com o facto implícito de que serão os monarcas, como Mestres das Ordens os que dão valor ao hábito e assim progressivamente até aos níveis médios e baixos da nobreza.

18O mesmo se passa com os brasões, a posse de armas fala de um ideal de beleza, qualidade, honra e fama, enquanto que nos meios urbanos, mais ou menos povoados, o valor do brasão era percebido não já como um horizonte utópico mas como um factor de singularização. As armas reais, as dos titulares e as dos membros dos outros estratos nobiliárquicos são a base para o prestígio de todas as insígnias heráldicas luso-castelhanas, e serão as conjunturas específicas de cada reino as que acabam por converter todo esse caudal num capital simbólico que distingue ambas as nobrezas.

  • 21 Embora este trabalho não seja um estudo sobre heráldica, nem esteja centrado na figura dos Reis de (...)

19Numa certificação de um Rei de Armas21 podemos encontrar alusões directas à ascendência do indivíduo, mostras da sua virtude e justificação dos seus feitos de vida, o que acaba por conferir-lhe o privilégio de gozar de um determinado brasão. Por outro lado, a posse da própria «ejecutoria», confere ao beneficiado uma distinção face a todos os que a não têm, sobretudo em momentos de conjuntura política mutável e na qual a liberdade do soberano, neste caso Filipe II, empurra os indivíduos para uma inserção mais ou menos directa no sistema da honra.

20No caso das «Ejecutorias de hidalguía castelhanas», o beneficiado fazia-se representar na mesma ejecutoria junto com o resto da sua família ou junto a todos os beneficiados com as armas. Tratando-se de um documento derivado de um processo administrativo-judicial, o valor do documento escrito e a força do visual transformam-se em categorias de um discurso sobre a honra em que aparecem envolvidos diversos agentes e um bom número de sinais que nos falam também de um gosto nobiliárquico pela distinção como marca de honra, mas também, e fundamentalmente, durante o século XVII, como utopia defensiva face aos embates de uma sociedade abertamente crítica de algumas formas de enobrecimento. De modo que os textos iluminados («ejecutorias», Cartas de Brasão) oferecem formas icónicas com um carácter de serviço ad hoc para o indivíduo, e são mostras da especificidade e singularidade que têm aqueles com capacidade para serem representados, ou, o que é o mesmo, os grupos sociais que podem ter uma formulação planificada sobre si mesmos.

  • 22 Elogios dos Reis de Portugal com os mais verdadeiros retratos que puderão achar, Lisboa, 1603, s/f.
  • 23 Rafael Sánchez Saus, «De armerías, apellidos y estructuras de linaje», En la España Medieval, n.º 1 (...)

21O papel dá fé escrita das condições e qualidades do nobre e, tal como na pintura, serve como meio para deixar «eternizada sua lembrança»22 e perfilar a fisionomia da virtude nobiliárquica dos seus beneficiários como parte da sua biografia da honra. Trata-se, claramente, de necessidades de organização familiar e do património23 mas são, sem qualquer dúvida, dois elementos básicos da mentalidade nobiliárquica luso-castelhana.

  • 24 Carta de Brasão de armas de Álvaro de Azevedo Coutinho, 1622, BPE, cod CXVII/2-16, s/f.
  • 25 Carta de Brasão...

22Em 1622, Filipe III concedeu a Álvaro de Azevedo Coutinho uma «carta de brasão e certidão de armas de nobreza digna de fé». O beneficiado era filho legítimo de um «Fidalgo de geração» e neto de um «cavalleiro do hábito de Sant’Iago». Atrás da exposição, por parte do Rei de Armas, das relações familiares do beneficiado, começa-se a perfilar o espaço da linguagem ao estilo de fragmentos escritos de uma imagem visual que se concretizará no brasão de armas. De tal forma que a fórmula administrativa «como neste escudo lhe dou divisadas e iluminadas»24 transforma em leitura política a combinação entre o escrito e o visual. A explicação do brasão, como «escudo quartelado»25, posteriormente plasmado no texto iluminado, faz com que a concepção geral do representado esteja governada claramente pela ideia de fama que a posse de determinadas armas encarna.

23É um espelho da verdade e da honra dos homens e das suas famílias, um espaço no qual o colectivo que representa a ideia de linhagem se substancia na presença do individual que, no final, é quem justifica a criação. Durante a segunda metade do século XVII, Castela e Portugal viveram processos de inflação das honras que iluminaram o aparecimento de um elevado número de artefactos de honra. As representações da honra mantêm um diálogo até ao tempo longo que representa a linhagem com os fundamentos básicos que justificam a sua própria existência, sendo um processo de conversão do discurso em imagem, discurso que já durante a segunda metade do século XVII tendeu a colocar em primeiro plano a questão do sangue e da individualidade, misturando aquilo que Moreno de Vargas chamou em 1621, «la perpetuydad de la nobleza» com o essencial da justificação das próprias carreiras pessoais. Para o autor, o ambiente do nobiliárquico e dos seus símbolos está dominado por um modelo de representação no qual o entesouramento dos méritos individuais era a base sobre a qual se projectava a imagem de uma autêntica nobreza e da justiça distributiva que envolve com o seu juízo o sistema da honra, no qual o soberano é cabeça da Graça.

  • 26 Bernabé Moreno de Vargas, Discursos de la nobleza de España, Madrid, 1621, f. 58r y f. 101v.

24As armas são, neste sentido, o primeiro dos vectores de identificação do nobiliárquico. São-no porque servem para distinguir, mas também para «diferenciarse entre sí y conocerse vnos a otros»26. Os brasões, como vemos, colocam-se em todos os níveis de representação do nobre e possuem uma evidente visibilidade que transforma a leitura da representação num conjunto sacralizado de sinais evidentes de prestígio.

25A passagem do papel ou do pergaminho para a tela permite visualizar, não só a função de cada um dos símbolos da distinção, mas também deixa ver, através de uma leitura horizontal, os instrumentos de elaboração do imaginário nobiliárquico e a sua persistência no tempo. Isto ocorre independentemente do escalão hierárquico em que nos encontremos. Todos os representados procuram comemorar o exemplar das suas virtudes e a genealogia do seu prestígio e poder.

26Como dizíamos em linhas precedentes, encontramo-nos perante um universo semelhante que perpassa entre documentos, testemunhas, Reis de Armas e pintores que abrem caminho para a física da fama, «transliterada» das provanças e certificações para um universo comum, no qual o valor infinito da fama iguala, na apresentação dos seus elementos, todos os incluídos no sistema da honra. Reis, titulares e não titulares mostram um programa iconográfico no qual as cruzes de cavaleiros ou os brasões manifestam uma permeabilidade hierárquica absoluta, de modo que a dupla circulação de modelos visuais referentes a não titulares ou a titulares, deve ser compreendida desde o ponto de vista da repetição iconográfica de modelos expositivos.

  • 27 Fernando Bouza, Corre manuscrito. Una historia cultural del Siglo de Oro, Madrid, 2001, p. 225.

27De modo que a representação do 3.º marquês de Castelo Rodrigo ou a de D. João IV como cavaleiros da Ordem de Cristo, situa o valor da cruz como vontade didáctica sobre a pedagogia da honra e como meio de definição para se instruir na iconografia da honra. Do mesmo modo, aqueles que não estavam entre os primeiros escalões da hierarquia do poder, encontravam nesta tipologia do retrato e na exposição dos seus sinais uma forma de identificação com a cúpula do sistema de honra, convertendo o visual da pintura num meio para se instruir, tanto no meio cortesão27 como noutros espaços de sociabilidade dentro do cursus honorum nobiliárquico.

28Tradicionalmente tem-se procurado ver na representação de titulares e não titulares durante os séculos XVII e XVIII uma clara diferença. Analisou-se a representação da nobreza e de outros atributos morais. Este facto deriva, em primeiro lugar, da imposição que a hierarquização social apresenta no momento de interpretar o visual. Mas há que ter em conta que o que na maioria dos casos se procura oferecer é a presença de um mundo «heróico» ao modo clássico, de uma determinada ideia de fama, de «voz pública» sobre aquilo que a honra representa, um símbolo da fama e uma desconstrução de uma determinada ideia de prestígio. Não há, por isso, desvalorização nos próprios atributos de um cavaleiro de Cristo ou de Santiago face a um Duque. Antes pelo contrário, o próprio valor de possuir um hábito de uma Ordem Militar, deriva de uma leitura vertical do prestígio social. As Ordens, sob o mestrado dos monarcas luso-castelhanos não eram, de forma alguma, instituições desprestigiadas, mesmo que em certas ocasiões alguns dos pretendentes a um hábito pudessem ser de nobreza duvidosa.Pelo contrário, a posse de uma cruz era um argumento suficiente para se fazer retratar no momento da concessão, assim como para a colocar nesse corolário do passado que era o brasão.

29As cores da linhagem que encontramos nas plumas do elmo do Duque de Medinaceli falam do seu passado, mas também de uma forma singular de ver a ideia de nobreza, da tradição heráldica e da experiência da honra. Isto ocorre durante um período, desde 1640, em que no caso português se criará um novo imaginário colectivo ao redor da nobreza fiel a D. João e, numa Castela onde as necessidades da monarquia farão com que os mecanismos do acesso à honra se permeabilizem, sem que por isso a imagem visual criada dos beneficiários da honra reflicta qualquer dessas particularidades, antes pelo contrário, trata-se de oferecer uma imagem permanente do colectivo face ao efémero do individual.

30Não devemos esquecer que as glórias da nobreza, em termos políticos, mas também visuais, criam uma construção discursiva que vincula o nobiliárquico com o projecto da coroa, pelo qual a honra dos cavaleiros é também a honra da república, uma vez que todos eles são «servidores» e «militantes» do esforço dos distintos soberanos, pois geralmente, os hábitos eram concedidos por serviços à coroa. Com isso se projecta que as armas e as suas luzes são também as do reino, pelo que a vinculação entre todos os honrados deve ser semelhante. Trata-se de um universo analógico-figurativo sobre os sinais da honra que deve ser inserido dentro da realidade sistémica representada pela nobreza e as necessidades absolutas de legitimação da sua posição.

31Longe de pensar numa marginalidade de algumas das categorias nobiliárquicas no momento da sua representação, as práticas visuais da nobreza durante os séculos XVII e XVIII procuraram formas de leitura monolíticas do seu ethos político, fórmulas que longe de serem interpretadas em separado devem ser compreendidas e inseridas dentro da cultura nobiliárquica. Por isso, todos os cavaleiros de hábito, independentemente da sua origem, eram representados com apelo aos mesmos critérios, à «industria» das suas qualidades. O mesmo se passa com os beneficiados com um brasão de armas, que através dos Reis de Armas, encontraram na retórica da linguagem administrativa e na força da imagem uma forma de legitimar um elevado número de situações dentro do sistema da honra.

  • 28 Manuel Severim de Faria, Noticias de Portugal offerecidas a el Rey N.S dom João IV, Lisboa, 1655, f (...)

32Como indicou Manuel Severim de Faria, «a clareza, que como dissemos he outra segunda parte da nobreza, se mostra pelas dignidades ou honras que daquelle apellido alcanzaron na republica»28. Trata-se de um conceito de especialização do nobiliárquico e que deve ser compreendido na óptica da existência de um discurso geral sobre a condição de nobre que converte o nobiliárquico numa espécie de fortaleza formada por imagens e evidências lógicas sobre o poder e a linguagem:

  • 29 Ritrato et riverso del regno di Portogallo, ed. António Oliveira Marques: Portugal Quinhentista (En (...)

«Ao nobre para não existir nobreza semelhante à sua, pelo que julga que todos os outros lhe ficam muito atrás. Procura em todas coisas, fazer como fazem os reis e os príncipes, ordena que o sirvam de joelhos, e não sai de casa a passear, nem de pé nem a cavalo a não ser para ir ou à igreja ou algum assunto privado.»29

33Imitação e fabricação de modelos visuais de apresentação do nobiliárquico que prolongam no tempo o valor de um indivíduo com base numa determinada «conquista del pasado» que realizaram os seus antepassados e que acaba por ser, no momento da sua representação, expressão de todo um sistema social e de uns valores que explicitamente atraem, mediante a razão do visual e o diálogo deste com o texto.

34A iconografia da honra nos reinos de Castela e de Portugal reúne em geral os tópicos fundamentais que enformam o discurso nobiliárquico e devem ser compreendidos dentro da lógica da cultura nobiliárquica, facto metadiscursivo que apresenta o nobiliárquico dentro de níveis próprios, dentro da ideia de fama e suas distintas formas de comunicação e, finalmente, supõe uma síntese dos níveis, individual e colectivo, inerentes à própria condição de nobre.

  • 30 Pedro Valda, Tratado de nobleza, Valencia, 1663, edição facsimilar Josep Vicente Escarpi, 1997. ff. (...)

35Portanto, é necessário olhar para o visual-nobiliárquico como um conjunto aberto, como uma parte significativa da identidade nobiliárquica e, ver nas distintas representações dos seus brasões, retratos e mais artefactos, a significação da hierarquia dentro do discurso sobre as distintas formas de classificação social e atributos de cada grupo. Temos falado aqui de nobres, indivíduos e linhagens, unidos pela pertença a um universo que partilha sinais que se expandem a todos os escalões hierárquicos porque, como indicava em 1663 o cavaleiro de Santiago, Pedro de Valda no seu Tratado de nobleza, «los ciudadanos honrados de la inmemorial memoria de la ciudad y reyno de valencia son hidalgos a fuero de España, según resolución del consejo de las Órdenes de 1663»30. Consideração que os igualava, em termos de prestígio, com outros, e que preenchia a sua definição de uma forma ideal de penetração do valor que a ideia de nobreza tinha como estrutura e capaz de construir uma imagem fixa sobre as suas formas de identidade.

  • 31 Regla i establecimientos de la Orden de Santiago de la Espada, Madrid, 1565, s/f.
  • 32 Ibidem.
  • 33 Juan Benito Guardiola, Tratado de nobleza e de los títulos e ditados que oy dia tienen los claros y (...)

36Porque era comum e normal nas Ordens Militares ibéricas que todos os seus membros fossem: «cuando alguno viniere a recebir el habito de la orden, no debe ligeramente ser recebido, sin que primero estén certificados de sus meritos y costumbres y se sepa si concurren en el las calidades que se requieren, según la regla, previlegios y establecimientos de la orden»31. A coerência argumentativa que vincula as Ordens com a nobreza deriva, para além da economia da Graça do soberano, de um critério qualitativo sobre os seus membros e de um conjunto de variáveis discursivas nas quais se potencia a ideia de qualidade: «si no fuere persona conoscida, por tanto tiempo le examinen hasta que conozca del que hombre es, o de qué manera y de que seso y de que entendimiento y costumbres»32. Torna-se evidente que, debaixo desta premissa, todos os que eram beneficiados con um hábito ou lhes eram reconhecidas as suas armas, estavam imersos numa retórica semelhante sobre a ideia de virtude como valor nobiliárquico essencial, uma vez que «sin virtud no puede haber honra»33.

37E concluamos com o símbolo que representam as palavras de Rades de Andrada sobre a nobreza que, em termos gerais, resumem uma tendência válida sobre a memória viva daquilo que a ideia de nobreza representa e que podemos ler em todas as representações visuais sobre a nobreza luso-castelhana durante os séculos XVII y XVIII, levando a força do nobiliárquico como imagem mental e política distante de uma hierarquização e de qualquer outra querela sobre a divisão da nobreza.

  • 34 Francisco Rades de Andrada, Que cosa sea nobleza, Manuscrito, cerca de finais do século XVI, BNE, 8 (...)

«[nobleza es] aquella que se adquiere por herencia de padre y abuelo en cuanto a las preeminencias, o por estudios y grados en buenas ciencias, o por títulos y dignidades de emperadores, reyes, príncipes, duques, ricoshombres, condes, marqueses, barones, almirantes y otros que hay en cada tierra o por servicios muy notables hechos a emperadores, reyes y otros príncipes que pueden dar nobleza civil y política34

38É pois uma ordem visual o que vincula qualquer representação dos indivíduos nobres em Portugal e Castela. Estamos diante de uma proclamação sobre o mérito e os seus mecanismos de expressão. E, sobretudo, perante um método expressivo que abandona as contrariedades do oral face à permanência oferecida pelo visual, seja este um retrato, um pergaminho ou um impresso. A sedução do visual barroco e a sua radical potência expressiva tem a ver com a máxima de Lope de Vega, «Callad, lengua; ojos, hablad». O que, no caso do nobiliárquico, deve entender-se para além dos factos puramente administrativos e outros mecanismos de nobilitação, como um aspecto essencial da construção do eu e do ser nobre dentro da constante presença da identidade nobiliárquica como forma de expressão social do valor e do mérito pessoal numa sociedade em aberta mudança. A representação dos cavaleiros das Ordens em ambos os lados da fronteira acaba por ser um espaço comum sobre a honra, inclusive quando existiam diferenças entre os distintos processos de habilitação para um hábito ou para obter uma certificação de nobreza.

  • 35 Bernabé Moreno de Vargas, Discursos de la nobleza de España, Madrid, 1622, f. 112r.
  • 36 Sobre o conceito de representação ver H.E. Pitkin, El concepto de representación¸ Madrid, 1985. Ou (...)
  • 37 Bernabé Moreno, Discursos…, f. 113v.

39Esta ordem visual afectava a recepção da honra, de modo que quando um tratadista de nobreza como Moreno de Vargas, membro da oligarquia local da cidade de Mérida escrevia: «ansí se ponen escudos y blasones en las portadas y entradas de las Casas, solares y palacios» e tomando o mundo romano como exemplo, afirma «siguiendo la costumbre de los Romanos […] ponían estatuas y insignias […] para honor suyo y demostrar que eran nobles los señores dellas»35, não se está apenas a falar de distintas formas de representação, mas também se está a por o acento no enfatizar a importância da permanência visual no território. É portanto a iconografia da honra um espaço de culto e de construção da memória colectiva da nobreza mas, é sobretudo uma mostra de uma realidade sistémica e antitética contra o efémero. Assim, a iconografia nobiliárquica é um regime comemorativo do estatuto e da reputação social. É uma produção simbólica sobre os sinais do domínio, conseguindo que na representação dos mesmos, se somem elementos estilísticos, expressões legais e variantes na representação36. De modo que a maneira na qual os indivíduos são representados procura ressaltar as formas do quotidiano, mediante a exibição de aspectos que constituem em si mesmos o edifício da preeminência. Já indicava Moreno de Vargas, relativamente ao uso das insígnias heráldicas que «finalmente ponen y han puesto las armas en otras muchas partes, y el arbitrio bueno de los nobles, como es en los reposteros»37. Trata-se de formas de exibir que determinam a posição e levam implícita a potência expressiva do exterior convertido em estatuto político e critério de distinção.

  • 38 Carta de Brasão de armas de Manuel Mendes de Barbuda e Vasconcelos, Lisboa, 1646. Em Nuno Borrego, (...)
  • 39 Sobre esta temática ver G. Balandier, El poder en escenas. De la representación del poder al poder (...)
  • 40 Fernando Rodríguez de la Flor, Barroco. Representación e ideología en el mundo hispánico (1580-1680 (...)

40Este facto aparece igualmente representado nas Cartas de Brasão de armas ou nas «Certificaciones de Hidalguía», como por exemplo na Carta de brasão de armas que D. João IV concedeu a Manuel Mendes de Barbuda e Vasconcelos a 10 de Maio de 1646, na qual se diz: «pela sobre dita maneira para dellas [las armas] uzar, gozar, nos actos em que a nobreza dellas lhe dá lugar». E os lugares definidos como espaços para a exibição destes sinais eram, segundo o Rey de Armas, «seus reposteiros, Firmaes, aneis, signetes e demais devizas de seu serviço». Os âmbitos de codificação dos sinais da honra são tantos como as formas de definição da mesma, «onde inteiramente estejão, como costume dos nobres, e antigos fidalgos deste reino»38. O século XVII foi, em linhas gerais, um período de esplendor do nobiliárquico e dos seus sinais de expressão, por isso, a representação e confirmação dos mesmos faz-se no caso de Portugal através da dupla vertente de legitimação de uma nova dinastia, falta de servidores fiéis, e desde a de consagrar e reforçar o peso que a tradição confere a alguns elementos do «aparato» representativo do nobiliárquico. O objectivo final é eliminar o peso que o efémero Barroco tinha, para construir uma imagem que apresentasse um claro e aberto poder, não já porque se referisse a um poder concreto, mas sim para ressaltar o potencial expressivo de determinadas imagens39. Legitimar a força da produção cénica dos preeminentes e reputados socialmente, em busca de uma transcendência que, talvez, seja contrarreformista40, mas que, em qualquer caso, pretende salientar os horizontes da recepção como formas «paradocumentales» que dominam o tempo longo de todas as idades do homem. Neste sentido, o livresco é um sistema de captação de todas estas formas, procurando sempre uma certa pedagogia do estatuto social dos privilegiados, ou mais concretamente dos nobres.

Breve conclusão

  • 41 Carta de Brasão de armas de Manuel Mendes de Barbuda e Vasconcelos.
  • 42 Como por exemplo, os que podemos encontrar na obra de Manuel de Faria e Sousa, Asia Portuguesa, pub (...)

41Efeitos retóricos de persuasão, formas evidentes de poder e determinações que afectam o âmbito jurídico e submetem as estratégias informativas que se elaboram sobre o nobiliárquico e a honra da nobreza. É agora o tempo o agente legitimador da força do visual. Tempo que se baseia no costume e na recepção de velhas formas de representação e que adquirem, durante a Idade Moderna, um papel de revival de bizarras formas da ética cavaleiresca. Isto aparecerá representado tanto nas formas escritas como nas pictóricas. Assim é quando na citada Carta de brasão se diz que os nobres podem: «entrar em batalhas, retos, dezafios, justas, torneos», ou quando se afirma que poderão usar nas cerimónias próprias do seu estatuto: «exercitar en todos os mais actos de Pax, Guerra, que licitos e honestos forem». E, claro está, na forma de representação no território, que constitui espaço imediato de reconhecimento e de legitimação da sua honra: «Cazas, quintas, e mais edificios; e últimamente deixallas em sua propia sepultura»41. Uma completa linguagem visual, sistematizada e codificada pelos Reis de Armas e pela força de uma legislação que pretende controlar a manifestação pública da honra, possibilitando a todo o momento, o uso desta como ferramenta de construção de uma identidade individual que não trespassasse os limites do imaginário sobre a nobreza como grupo social. São formas de eternidade que tomam o individual para somar sinais de prestígio mediante a efectividade testemunhal do temporal. De forma que um retrato realizado depois da concessão de um hábito, ou de uma certificação de umas determinadas armas, ou os retratos escritos referidos a determinados indivíduos como vice-reis42, governadores ou outros membros do entrançado burocrático da monarquia, a iconografia da honra propõe formas de textualidade subalterna, de «artefactos ideológicos» que precisam ser tomados em conjunto para compreender melhor o peso e a razão da sua existência, para além da sua função inicial. Propõe uma hermenêutica do facto nobiliárquico baseada numa cosmovisão do sistema da honra e das suas formas de aquisição e de exibição. Estas formas de expressão foram transversais aos reinos de Castela e de Portugal oferecendo um consenso in extenso sobre a honra, pois formam parte de um facto muito relevante, como é o da existência de um Ideal typus de nobre que estende a sua dimensão a todas as esferas do sistema de honra.

42Como precaução sistémica, cabe indicar agora e a modo de epílogo que a iconografia da honra em Castela e Portugal reclama da iconografia régia elementos básicos, como o facto de que os soberanos portugueses se façam representar com a cruz da Ordem de Cristo, ou os castelhanos com a do Toisón para afiançar os elementos da distinção. Facto que será continuado por toda a pirâmide social de privilégio, estruturando um modelo social fixo, baseado na institucionalização de certos elementos.

Topo da página

Notas

1 Francisco Manuel de Melo, Dom Teodozio, Segundo o códice 51-III-30 da Biblioteca de Ajuda (Tradução e prefácio de Augusto Casimiro), Porto, 1944, p. 29.

2 Sobre a capacidade expressiva dos símbolos ainda tem utilidade o texto de Norbert Elias, La teoría del símbolo, Madrid, 2000. Umberto Eco, Semiotics and the Philosophy Language, Londres, 1984.

3 Louis Marin, Le portrait du roi. Paris, 1981, p. 11.

4 Marin, Le portrait..., p. 11.

5 Fernando Bouza, Imagen y propaganda. Capítulos de la historia cultural del reinado de Felipe II, Madrid, 1998, p. 65.

6 Gaspar Gutiérrez de los Ríos, Noticia general para la estimación de las artes, Madrid, 1600, p. 158.

7 Satisfação aos reparos e perguntas que fez hum viajante historiador Portuguez, Lisboa, 1792, p. 11.

8 Ibidem, p. 12.

9 Quentin Skinner, Visões da política. Sobre os métodos históricos, Lisboa, 2005, pp. 39-80.

10 Satisfação aos reparos e perguntas que fez…, p. 17.

11 Difiniciones de la orden y caballería de Calatrava conforme al capítulo general celebrado en Madrid, año de MDCLII, segunda impresión, Madrid, Imprenta del Mercurio, 1748, tít. VIII, cap. I, p. 160.

12 Difiniciones (sic) de la orden y caballería de Alcántara, con la historia y origen della, Madrid, Diego Díaz de la Carrera, 1653, tít. XIII, cap. XIV, pp. 198 y ss.

13 Francisco Ruiz de Vergara Álava, Regla y establecimiento de la orden y cavallería del gloriso apóstol Santiago, patrón de las Spañas, con la historia del origen y principio de ella, s. l., s. i., 1655 (según el capítulo general tenido en Madrid en 1652-1653), tít. VI, cap. III, f. 82r.

14 Agradeço ao Professor Adolfo Carrasco que me deixou consultar o manuscrito do seu texto sobre este quadro antes da sua publicação, bem como outras sugestões para a elaboração da minha pesquisa.

15 Juan Garcia Saavedra, Tractatus Hispaniarum nobilitate et expemtione sive ad pragmaticam cordubensem, Madrid, 1592.

16 António Lopes Cabral, Panegirico ao excellentissimo Senhor Dom António Lvis de Menezes, Lisboa, 1665, f. 3r.

17 Fernando R. de la Flor, Barroco, Representación e ideología en el Mundo Hispánico (1580-1680), Madrid, 2002, p. 336.

18 Francisco Soares Toscano, Parallelos de Príncipes, Évora, 1623, prólogo al lector, s/f.

19 Toscano, Parallelos..., f. 323.

20 AHN, OM, Caballeros, Alcántara, exp. 857, s/f.

21 Embora este trabalho não seja um estudo sobre heráldica, nem esteja centrado na figura dos Reis de Armas – investigação que levamos a cabo neste momento – remetemo-nos para a bibliografia existente sobre o tema. Veja-se o trabalho central de Luís Farinha Franco, «Les rois d’armes et les réformateurs du greffe de la noblesse (XVIIe-XVIIIe siècles)», separata de Arquivos do Centro Cultural Português, 1989, pp. 453-498; ou o estudo pioneiro que oferece informações substanciais sobre os Reis de Armas hispanos de Alfonso de Ceballos-Escalera Y Gila, Heraldos y Reyes de Armas en la Corte de Espana, Madrid, 1993. Pedro Valverde Ogallar, Manuscritos y heráldica en el tránsito a la modernidad: El libro de armería de don Diego Hernández de Mendoza, tese de doutoramento, Universidad Complutense de Madrid, 2002. É também importante consultar o estudo mais recente de Cristophe Parry, Les hérauts d’armes à l’époque moderne, Paris, 2005. Para o caso português deve ser referido Marquês de São Payo, «Cartas de Brasão de Armas (Um ensaio diplomático)», Armas e Troféus, II série, tomo I, n.º 3, 1960, pp. 219-262.

22 Elogios dos Reis de Portugal com os mais verdadeiros retratos que puderão achar, Lisboa, 1603, s/f.

23 Rafael Sánchez Saus, «De armerías, apellidos y estructuras de linaje», En la España Medieval, n.º 17, 1994, p. 9.

24 Carta de Brasão de armas de Álvaro de Azevedo Coutinho, 1622, BPE, cod CXVII/2-16, s/f.

25 Carta de Brasão...

26 Bernabé Moreno de Vargas, Discursos de la nobleza de España, Madrid, 1621, f. 58r y f. 101v.

27 Fernando Bouza, Corre manuscrito. Una historia cultural del Siglo de Oro, Madrid, 2001, p. 225.

28 Manuel Severim de Faria, Noticias de Portugal offerecidas a el Rey N.S dom João IV, Lisboa, 1655, f. 180.

29 Ritrato et riverso del regno di Portogallo, ed. António Oliveira Marques: Portugal Quinhentista (Ensaios), Lisboa, 1987, p. 221.

30 Pedro Valda, Tratado de nobleza, Valencia, 1663, edição facsimilar Josep Vicente Escarpi, 1997. ff. 15-16.

31 Regla i establecimientos de la Orden de Santiago de la Espada, Madrid, 1565, s/f.

32 Ibidem.

33 Juan Benito Guardiola, Tratado de nobleza e de los títulos e ditados que oy dia tienen los claros y grandes varones, Madrid, 1591, f. 1r.

34 Francisco Rades de Andrada, Que cosa sea nobleza, Manuscrito, cerca de finais do século XVI, BNE, 8631, fol. 91-97v.

35 Bernabé Moreno de Vargas, Discursos de la nobleza de España, Madrid, 1622, f. 112r.

36 Sobre o conceito de representação ver H.E. Pitkin, El concepto de representación¸ Madrid, 1985. Ou o artigo já clássico de Carlo Ginzburg, «Représentation, le mot, l’idée, la chose», Annales, 6, 1991, pp. 1219-1234.

37 Bernabé Moreno, Discursos…, f. 113v.

38 Carta de Brasão de armas de Manuel Mendes de Barbuda e Vasconcelos, Lisboa, 1646. Em Nuno Borrego, Cartas de Brasão de armas. Colectânea, Lisboa, 2000, p. 321.

39 Sobre esta temática ver G. Balandier, El poder en escenas. De la representación del poder al poder de la representación, Barcelona, 1994.

40 Fernando Rodríguez de la Flor, Barroco. Representación e ideología en el mundo hispánico (1580-1680), Madrid, 2002, p. 165.

41 Carta de Brasão de armas de Manuel Mendes de Barbuda e Vasconcelos.

42 Como por exemplo, os que podemos encontrar na obra de Manuel de Faria e Sousa, Asia Portuguesa, publicada em 1665. Oferecem-se retratos escritos, sobre indivíduos caracterizados moralmente como virtuosos e dignos de toda a honra. Assim, de Francisco de Mascarenhas, diz-nos que é «alto de disposição…de costumes, lhano no tratamento de sua pessoa» (p. 298 vol. III). Ou de Afonso de Noronha, que era «cavaleiro de muitas idade e bastante competencia… lhano e incapaz de provocar arrogância que tornaran incomodas» (p. 235, vol. III). Recentemente Ângela Barreto Xavier tratou do conceito de nobreza em Goa. Cf. Ângela Barreto Xavier, A invenção de Goa. Poder Imperial e conversões culturais nos séculos XVI-XVII, Lisboa, 2008, e «Nobres por geração. A consciência de si dos descendentes portugueses na Goa seiscentista», Cultura, n.º 24, 2007, pp. 89-118.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Antonio Guillén Berrendero, « Iconografia da honra e do prestígio: Reis de Armas e cavaleiros das Ordens Militares em Portugal e Castela (séculos XVII-XVIII) », Ler História, 60 | 2011, 35-51.

Referência eletrónica

José Antonio Guillén Berrendero, « Iconografia da honra e do prestígio: Reis de Armas e cavaleiros das Ordens Militares em Portugal e Castela (séculos XVII-XVIII) », Ler História [Online], 60 | 2011, posto online no dia 03 Fevereiro 2016, consultado no dia 17 Agosto 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1457 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1457

Topo da página

Autor

José Antonio Guillén Berrendero

CIDEHUS – Universidade de Évora

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org