Navegação – Mapa do site
Estudos
O Estado Novo entre discursos e práticas

Presença do discurso colonial do Estado Novo na imprensa das organizações femininas do regime: A Menina e Moça e a Presença

Présence du discours colonial de l’État Nouveau dans les journaux des organisations féminines du régime : A Menina e Moça et Presença
The presence of the colonial discourse of the Estado Novo in the press of feminine organizations of the regime: Menina e Moça and Presença
Ana Carina Azevedo
p. 115-131

Resumos

A vaga de descolonizações surgida com o final da II Guerra Mundial constituiu-se, como um desafio para o regime português que continuava a defender o seu cariz pluricontinental. A construção de um discurso colonial, nomeadamente por parte das organizações femininas do Estado Novo, teve um papel importante na justificação dessa premissa. Até 1974, o discurso colonial no feminino tenta adaptar-se às circunstâncias que o regime não consegue evitar. Porém, as alterações feitas são meros artifícios que têm como objectivo alterar o acessório para que o essencial permaneça.

Topo da página

Texto integral

Nota introdutória

1Desde a década de 1930, os territórios ultramarinos portugueses e a sua relação com a metrópole constituíram-se como um dos grandes vectores da política do Estado Novo. Entendidos como parte integrante da Nação portuguesa, o regime sentiu necessidade de justificar a sua posse, principalmente após a vaga de descolonizações que o pós II Guerra Mundial viu nascer. Criou-se, assim, um discurso colonial que variou ao longo do tempo, ao sabor das conjunturas internas e internacionais e que acompanhou as variações que a política colonial do regime apresentou desde os anos 30 até 1974.

2Este discurso foi sendo construído pelos artífices do regime e difundido pela propaganda e pelas várias organizações subordinadas ao Estado, como forma de atingir todos os sectores populacionais. Neste âmbito, o presente texto elabora uma primeira abordagem sobre o discurso colonial difundido pelas organizações femininas do regime, desde o pós II Guerra até 1974, baseando-se, para tal, na análise de publicações da Mocidade Portuguesa Feminina e do Movimento Nacional Feminino. No que diz respeito à primeira, analisaremos a revista Menina e Moça, publicação que abarca todo o período em estudo. Quanto à segunda, será estudada a revista Presença, editada entre 1963 e 1965 que, encontrando-se centrada na época das Guerras Coloniais, apresenta um cariz diferente da Menina e Moça, sendo, portanto, em certos aspectos, de maior interesse para o nosso estudo.

3Metodologicamente, o nosso trabalho irá centrar-se na análise dos artigos que, em cada uma destas revistas, se referem aos territórios ultramarinos, tentando cruzá-los, sempre que possível, com as etapas da política colonial do regime e com os sobressaltos que esta terá de enfrentar ao longo da época em estudo, tendo, porém, consciência que, pela sua duração, este propósito é mais facilmente atingido na análise da revista Menina e Moça.

A Mocidade Portuguesa Feminina e a Menina e Moça

  • 1 Decreto-lei n.º 28262 de 8 de Dezembro de 1937.
  • 2 A Mocidade Portuguesa Feminina apenas foi implementada no Ultramar em 1961, com o início da Guerra (...)
  • 3 Irene Pimentel, História das Organizações Femininas no Estado Novo, Lisboa, Círculo de Leitores, 20 (...)

4A primeira das organizações em estudo a ser criada foi a Mocidade Portuguesa Feminina. Tendo surgido em 19371, sob a direcção da Obra das Mães para a Educação Nacional e a cargo do Ministério da Educação Nacional, esta organização pretendia educar nos valores nacionalistas a juventude de todos os territórios sob soberania portuguesa. Para tal, e apesar da sua implantação nas colónias ter sido tardia2, a Mocidade Portuguesa Feminina organizou várias iniciativas que pretendiam fazer das mulheres portuguesas, principalmente das mais jovens, «o escol e a ordem»3, à medida que as preparavam para educar os filhos sob os princípios nacionalistas. Segundo um artigo do Boletim da MPF, de 1942, o objectivo desta formação nacionalista era o de «dar a conhecer Portugal no passado e o poder das suas instituições no presente», depois de uma era de «ressurgimento» e apelar à continuação da vocação civilizadora de Portugal.

  • 4 Marta Fidalgo, Menina e Moça: Um Ideal de Formação Feminina (1960-1970), Faculdade de Letras da Uni (...)
  • 5 Marta Fidalgo, Menina e Moça…, p. 77.

5O seu principal instrumento de doutrinação era a revista Menina e Moça. Esta foi criada em 1947, na sequência do Boletim da Mocidade Portuguesa Feminina que se subdivide nesse ano e destinava-se, tal como é referido no primeiro editorial, a todas as raparigas de Portugal, quer pertencessem ou não à Mocidade Portuguesa Feminina. No entanto, a análise das temáticas abordadas na revista permite-nos concluir que a Menina e Moça se dirigia especialmente a um público urbano, oriundo da classe média ou média-alta, escapando a estratos menos escolarizados e mais rurais. Isto porque vários artigos fazem referência a férias no campo, a desportos de elite, como a equitação, ou à «arte de bem receber», ensinamentos que normalmente não se dirigiam a classes menos favorecidas4. A revista seria, pois, dirigida, numa primeira fase, a adolescentes frequentadoras do liceu, alargando o seu véu às jovens das Escolas Técnicas a partir de 1967, altura em que a revista Mãos Dadas, a elas dirigida, é extinta para se fundir com a Menina e Moça. A partir dessa data, as jovens adultas, universitárias ou alunas das Escolas do Magistério Primário, passam também a constituir-se como um público-alvo, talvez pelo facto de aí serem formadas as professoras que futuramente se pretendiam doutrinadoras das novas gerações5.

  • 6 O preço da Menina e Moça evoluiu da seguinte forma:

6Apesar do seu público-alvo ser, na teoria, relativamente abrangente, pensa-se que a Menina e Moça terá tido uma circulação bastante restrita, sendo que a sua venda não deveria exceder em muito as assinaturas anuais das filiadas. A análise da evolução do preço da revista e dos descontos estabelecidos permite-nos, também, vislumbrar uma tentativa de alargamento da difusão da Menina e Moça a um público cada vez maior. De facto, se em 1947, a divisão era estabelecida entre os preços praticados entre filiadas e não filiadas, em 1970 a distinção passa a basear-se na diferença entre estudantes e não estudantes, até ao ano de 1973, altura em que termina qualquer forma de distinção. A prática de indicação do preço na capa, iniciada em Setembro de 1970, pode, igualmente, significar que esta publicação pretendia abranger um público mais vasto que compraria a revista de forma avulsa. Talvez pelo mesmo facto, a revista passe, na mesma época, a ser distribuída em todo o País pela Editorial Organizações, Lda.6.

  • 7 Marta Fidalgo, Menina e Moça…, p. 69.
  • 8 Marta Fidalgo, Menina e Moça…, pp. 75 e 83.

7No que à ficha técnica concerne, a Menina e Moça não faculta informações acerca da tiragem, do seu número de assinantes, nem dos seus colaboradores, referindo somente que a direcção, administração e propriedade da revista eram da responsabilidade do Comissariado Nacional da Mocidade Portuguesa Feminina7. No entanto, sabemos que no cargo de directora e editora da revista surgiram dois nomes, o de Maria Joana Mendes Leal, desde o primeiro número e até Abril de 1972 e o de Maria Fernanda Margarido Correia, desde Dezembro de 1973 até ao último número. Os colaboradores são vários, desde leitoras, na sua maioria, licenciadas e/ou apresentando apelidos que as relacionam a uma elite, até dirigentes da Mocidade Portuguesa Feminina, como o padre Gustavo de Almeida, Maria Margarida Craveiro Lopes Reis, Ingrid Ryberg, Margarida Escarameia, Maria Eugénia Pedro Ferreira, Ester de Lemos, Maria Alice Andrade Santos, Maria Leonor Buesco, Margarida Cabral Valente e Jorgette Costa, entre outros8. A sua periodicidade, ao contrário do que sucede com a revista Presença, é regular e mensal, sendo lançados onze números anuais pelo facto das edições de Julho e Agosto serem reunidas num único número, correspondente às férias de Verão.

8Em comparação com a Presença, esta publicação apresenta poucas referências aos territórios coloniais. No entanto, pela sua longevidade, permite-nos seguir o discurso referente ao Ultramar ao longo das várias etapas da política colonial, partindo da vaga de descolonizações do pós II Guerra, passando pelas revisões dos anos 50 e pelo início e desenrolar das Guerras Coloniais na década de 1960 e primeira metade da década de 1970.

  • 9 «Descobrimos o mundo – tarefa grandiosa mas transitória, e de cujos frutos em abundância fomos desp (...)
  • 10 Esta situação explica-se com a própria política colonial do regime que, até 1950, apenas enfatizava (...)

9De facto, desde o primeiro número da Menina e Moça, em 1947, até ao ano de 1950, encontramos apenas um artigo relacionado com as colónias portuguesas. Datado de Março de 1948 e intitulado «Portugal sempre foi cristão», este exalta a vertente cristã da colonização portuguesa, referindo que o país foi privado dos frutos da sua tarefa de «descobridor» do mundo, tendo-lhe apenas restado a sua «vocação missionária», que o obrigava a manter a soberania portuguesa nos territórios sob a sua administração9. Esta referência à «vertente cristã e evangelizadora da soberania portuguesa» é, de facto, uma ideia muito presente no discurso colonial desta revista e que, como veremos mais à frente, não é referida na Presença. Na realidade, no momento em que, internacionalmente, se começavam a levantar vozes contra o colonialismo português, a primeira justificação que surge para legitimar a permanência de Portugal no Ultramar é a religiosa, sendo que as justificações sociais e económicas começam a surgir somente na década de 195010.

  • 11 O Cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina, conferência proferida por Maria Joana Mendes L (...)
  • 12 «(...) como é humana e cristianíssima, cheia de coração, a nossa acção civilizadora», O Cruzeiro a (...)
  • 13 «O nosso espírito colonizador foi sempre humano e cristão. Por isso, ao lado do esforço pelo enriqu (...)
  • 14 «A Portuguesa e a Avé Maria, pronunciados bastante “à preto”, mas que importa? Foi impressionante! (...)
  • 15 No número de Abril de 1951, no artigo referente ao Cruzeiro a África as filiadas demonstram um gran (...)
  • 16 «Quebrar o isolamento dos indígenas apressa a sua civilização, e dar-lhes trabalho arranca-os à pre (...)

10No início desta década e no âmbito da preparação da revisão constitucional de 1951, a Mocidade Portuguesa Feminina passa a interessar-se pelas possessões africanas e organiza, em 1950, um Cruzeiro a África que contou com a participação de cem filiadas e que se tornou numa das suas iniciativas mais importantes e propagandeadas. De facto, as notícias do Cruzeiro encheram uma rubrica da revista desde 1950 até 1952. Além disso, foi proferida, por Maria Joana Mendes Leal, uma conferência11 na Sociedade de Geografia, pouco tempo depois do final da viagem e que se constituiu como um dos mais ricos textos referentes ao discurso colonial elaborado por esta organização. Os textos dedicados a este Cruzeiro tentam, por todos os meios, transmitir a imagem de que a colonização portuguesa era diferente das restantes. Para tal, referem que o «espírito colonizador» português sempre foi «humano e cristão» e que, como tal, o colonialismo português não poderia ser comparado aos dos restantes países coloniais que, nessa época, se viam a braços com processos de descolonização que Portugal pretendia conter. A colonização portuguesa seria, assim, de cariz diferente, marcadamente cristão e humano12, guiada pelos sentimentos de amizade e respeito pelos outros povos, não visando apenas o enriquecimento da metrópole, mas sobretudo a educação dos africanos e a melhoria das suas condições de vida13. No que diz respeito aos naturais, a sua descrição é, no que diz respeito aos textos do cruzeiro, sempre feita com o recurso aos termos «preto» e «indígena»14, situação que mudaria poucos anos mais tarde, ainda antes da abolição do Estatuto do Indígena em 1961. É notório que a imagem que as filiadas apresentavam a respeito dos povos africanos era muito discriminatória, sendo estes referidos como seres inferiores e não civilizados15, a quem Portugal fazia o «favor» de educar e guiar, proporcionando-lhes o contacto com o trabalho e com a civilização e permitindo-lhes ganhar dinheiro para melhorarem as suas condições de vida16.

  • 17 «Portugal mantém-se fiel à sua vocação, vendo em Cristo, como irmãos, todos os homens, seja qual fo (...)
  • 18 «Ainda hoje, a sujeição dos indígenas ao Governo Português é a mais suave de quantas existem, e as (...)
  • 19 «Este Portugal imperial!...Assim ele foi!...Assim ele seja para todo o sempre!...», Menina e Moça, (...)

11É, porém, interessante notar que este é um discurso dúbio, visto que, enquanto normalmente os africanos eram chamados de «indígenas», sempre que se pretendia defender o cariz diferente da presença portuguesa em África, conotando-a com sentimentos de amizade e união entre os povos, os africanos eram já mencionados como «irmãos»17, sendo feitas referências ao facto destes disporem, em África, de toda a liberdade pessoal e de acesso a cargos18, o que mesmo em teoria não era possível. É, também, notório como o discurso colonial expresso por esta organização que tenta, em grande medida, acompanhar as etapas da política colonial do regime, se traía em vários pormenores. Por exemplo, a revisão constitucional de 1951 aboliu o conceito de colónias e impôs o de Províncias Ultramarinas. No entanto, num artigo de 1953, a Menina e Moça faz o elogio do Portugal imperial19 que, na teoria, já não existia.

  • 20 «Que seria a Pátria se não fosse a imagem duma grande família?», Menina e Moça, n.º 74, Setembro de (...)
  • 21 «A união natural, invencível, de todos nós em qualquer coisa de tão real como nós mesmos: a Pátria» (...)

12Principalmente a partir da revisão constitucional de 1951, o discurso unitário passa a ser muito usado contrariando, no papel, a realidade do dia--a-dia. O Império é retratado não como uma relação entre colonizadores e colonizados, entre povos «superiores» e «inferiores», mas como uma grande família20 espalhada pelo mundo, na qual todos gozam dos mesmos direitos e se encontram unidos por uma relação de amizade21.

  • 22 De 1958 a 1964, o II Plano de Fomento pretendia a construção de infra-estruturas nas Províncias Ult (...)
  • 23 «Só onde a família se estabelece, se cria o lar, e só onde há lar, se sente verdadeiramente a Pátri (...)
  • 24 O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 9.
  • 25 O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 10.

13Outro dos aspectos muito focado neste discurso prende-se com as referências às infra-estruturas existentes nos territórios ultramarinos por onde o Cruzeiro vai passando. Estes são descritos como zonas civilizadas e modernas, com bastantes recursos e infra-estruturas, que permitiam uma vida agradável a quem ali se pretendesse instalar. De facto, na década de 1950, surge um esforço de intensificação do investimento público para criação de infra-estruturas22, principalmente no sector da energia eléctrica e do cimento, que esta publicação pretende enfatizar. O progresso de cada cidade é remetido para a obra dos colonizadores portugueses que, com a sua família e contanto com o papel preponderante da mulher23, conseguiram transformar uma zona não civilizada numa área de progresso. Ao contrário do que se passaria na década seguinte, os recursos naturais dos territórios, principalmente os minerais, não são mencionados com frequência, dando a ideia de que toda a riqueza é devida ao «trabalho árduo» dos portugueses. Como exemplo, no que diz respeito a Benguela, é referido que a história da cidade «é uma epopeia do esforço e tenacidade heróica dos nossos colonizadores, que lutaram e venceram!» e que Nova Lisboa possui «(...) um nome profético de grandes destinos»24. Assim, apesar da sua ênfase não ser comparável ao período posterior ao início das Guerras Coloniais, o discurso em relação às colónias tem a preocupação de evidenciar o esforço de progresso e de «civilização» da metrópole em relação aos territórios por si administrados. Neste âmbito, na sua passagem por Lourenço Marques, as filiadas referem que aquela cidade é «(...) uma demonstração palpável e indiscutível do progresso e vitalidade que se nota, em toda a parte, no nosso Império»25.

  • 26 «No nosso cruzeiro, tivemos a impressão de tomar posse daqueles grandes bens, e depois de os termos (...)
  • 27 «Grande foi a nossa alegria ao percorrer essas longínquas terras portuguesas, tão extensas que quas (...)

14Este Cruzeiro foi, de facto, uma das grandes iniciativas de propaganda colonial do Estado Novo no início da década de 1950. O seu discurso entusiasta e nacionalista pretendia que quem quer que ouvisse ou lesse os relatos sobre os territórios ultramarinos não quisesse perder África e sentisse aqueles territórios como parte de uma herança deixada pelos antepassados, que não podia ficar afastada da memória e dos projectos de vida de cada indivíduo. Na realidade, este discurso pretendia formar uma opinião pública, principalmente nas faixas etárias mais jovens, favorável à manutenção dos territórios ultramarinos26, exaltando a grandeza territorial do país, os progressos materiais das Províncias Ultramarinas e a unidade e felicidade dos povos que as compunham27.

  • 28 «A função histórica da Nação portuguesa está longe de ter terminado. E não se trata apenas da conve (...)

15Após o Cruzeiro a África, os artigos relacionados com a questão colonial voltam a escassear na Menina e Moça. Apenas em 1958 este tema volta a surgir, num ano missionário no qual a organização pede às filiadas uma maior atenção ao continente africano, talvez devido à instabilidade sentida nos territórios da península indiana provocada pela ocupação de enclaves portugueses e pela pressão exercida sobre os restantes territórios. A partir desse ano, começam a surgir com maior frequência expressões como «irmãos do ultramar» e a ser enfatizados os deveres dos metropolitanos em relação aos coloniais, numa clara tentativa propagandista de evidenciar a «particularidade» das formas de possessão portuguesas. A «função histórica» de Portugal volta a ser referida num tipo de discurso muito semelhante ao do início da década, que lembra as tarefas de difusão da fé cristã e melhoria do nível de vida das populações africanas, para as quais a manutenção do poder português em África era essencial28.

  • 29 «Nosso. Era nosso um palmo de terra que, no meio da imensa península industânica, se perde no mapa. (...)

16No entanto, paralelamente a este discurso, as pressões na península indiana aumentavam. Nesta publicação, essa situação não era expressa, sendo apenas referida em alguns momentos chave, nos quais o regime procurava evidenciar a sua visão acerca do assunto. Por exemplo, em 1960, a ONU reconheceu a soberania portuguesa nos enclaves ocupados pela União Indiana em 1954. No entanto, reconheceu também o direito da União Indiana impedir o acesso a esses locais. Esta situação é mencionada na Menina e Moça como uma grande vitória, em Maio de 1960. Num artigo intitulado «Portugal tinha razão», é evidenciado o facto de um grupo de nações «de boa fé» – não são feitas referências à ONU – ter reafirmado a soberania portuguesa nos territórios ocupados na península indiana, aproveitando o momento para evidenciar a violência da invasão dos enclaves, o facto dos habitantes desses locais serem genuinamente portugueses e o carácter injustificado das pretensões da União Indiana, não fazendo qualquer referência ao facto do mesmo reconhecimento colocar em evidência o direito da União impedir o acesso aos enclaves, tornando-o, assim, apenas numa meia vitória para Portugal29.

  • 30 «Alerta! Alerta! ao mando de Nascimento Costa», Menina e Moça, n.º 158, Março de 1961 e «Pelos que (...)
  • 31 «Patriotismo * Heroísmo», Menina e Moça, n.º 165, Novembro de 1961.

17O início das Guerras Coloniais tornou os territórios africanos mais presentes nesta revista, sendo iniciada uma rubrica dedicada às Províncias Ultramarinas composta por fotografias e pequenas legendas das paisagens naturais e humanas e das obras de progresso técnico existentes em cada território. No entanto, a «Página do Ultramar», composta por artigos elaborados por leitoras africanas, apenas começa a ser publicada em 1964, numa época em que a guerra alastrava a várias frentes e mostrava a sua violência, tornando-se mais difícil de gerir, quer militarmente como em termos públicos. Ainda antes do início dos conflitos, em Janeiro de 1961, a Menina e Moça realça a «alma nacional», que em «latitudes diferentes», «dá um cunho de família a todos os portugueses», enfatizando a unidade entre os territórios: «Embora o mar nos separe, a unidade portuguesa é uma realidade histórica e social. (...) Todas de mãos dadas! Irmãs! Amigas!». A partir do início da guerra, quase todos os números apresentavam notícias sobre soldados mortos30 e sobre o «clima de heroísmo» que se vivia em Angola31. De facto, nos primeiros meses da guerra, as notícias sobre os conflitos não eram escondidas. A política de gestão de informação do regime pretendia, assim, evidenciar a violência que obrigava os soldados a partirem para África.

  • 32 «(...) tantos homens em armas defendendo com o heróico sacrifício a terra que outros nos cobiçam», (...)
  • 33 «Embora a ocupação de Goa pela União Indiana seja um facto consumado, não é porque um crime se cons (...)

18Em Dezembro de 1961, a «Carta ao soldado português de Angola» reafirma a unidade da Nação e o apoio dos portugueses, enfatizando a «gratidão e simpatia» para com os soldados que lutam pela defesa dos territórios ultramarinos, independentemente da sua cor, pretendendo passar, igualmente, a imagem de que a guerra era fomentada pela cobiça do estrangeiro32, afirmação muito referida nas fontes em estudo. A perda de Goa, em Dezembro de 1961, é mencionada no número de Fevereiro de 1962. Neste é referido que a ocupação desse território foi um roubo, que não foi nem será aceite por Portugal, apesar de ser referido que essa ocupação era um facto consumado33.

19A partir de 1962, de acordo com a política de gestão de informação do regime, a guerra quase desaparece da revista. As Províncias Ultramarinas surgem referidas apenas no que diz respeito à descrição das suas paisagens, riqueza e progresso. Esta situação altera-se somente em 1968, altura em que a questão colonial volta a aparecer com maior ênfase na revista, reaparecendo, porém, de uma forma diferente. Na edição de Novembro desse ano, um artigo intitulado «Nós e a Guerra» surge como um caso isolado de explicação acerca da validade do conflito. Partindo da realidade cada vez mais marcante das manifestações de oposição à guerra, nomeadamente, por parte da Santa Sé que, em 1968, por exemplo, propõe aos católicos que dediquem o primeiro dia de cada ano ao tema da paz, este artigo defende a necessidade dos jovens reflectirem sobre a guerra. O texto refere a existência de guerras «revoltantes, supérfluas e absurdas» que merecem o desacordo da população e legitimam a sua luta pela paz e a existência de guerras «com razão, não só inevitáveis, mas honrosas e santas», que têm de ser vencidas e apoiadas e nas quais se inseriam as portuguesas. Desta forma, nesta primeira fase do marcelismo, o discurso colonial presente na Menina e Moça apresenta uma «reflexão» controlada e isolada sobre a guerra, numa época em que a oposição da população e, nomeadamente, dos católicos «progressistas», era cada vez mais marcada. Desta forma, a defesa da necessidade da guerra é vinculada, através de uma «nova pedagogia».

  • 34 Menina e Moça, n.º 268, Abril de 1971.
  • 35 «Aqui vive uma população laboriosa para a qual a diferença de cores da pele não tem qualquer sentid (...)

20O último artigo marcante referente à questão colonial nesta revista data de 197134, sendo que nele a guerra nem sequer é referida, integrando-se numa nova etapa dura da história do Estado Novo. A ênfase é colocada na descrição do desenvolvimento de Angola como um dos feitos dos colonizadores portugueses, designadamente no que diz respeito ao progresso industrial e comercial da zona, com a grande capacidade de exportação de minério de ferro, as fábricas de mármore, açúcar, whisky, doces, as indústrias derivadas da pesca e as grandes infra-estruturas, como as barragens, os estaleiros e as modernas cidades e instituições escolares. A inexistência de racismo35 é outra das imagens que o artigo pretende transmitir, bem como o respeito pelos costumes dos africanos.

21O discurso colonial presente nesta revista não apresenta características marcadamente femininas, baseando-se na transmissão de conteúdos veiculados pelo Estado. A sua relação com o mundo feminino não se prende propriamente com a mensagem transmitida mas com a sua origem e o seu público-alvo, ou seja, tratava-se de uma publicação feita por mulheres para mulheres na qual eram difundidos conteúdos que não faziam uma distinção clara de género. Talvez as únicas excepções sejam as referências feitas à importância da mulher e da família em contexto colonial e bélico. Esta situação não é muito diferente no que diz respeito à revista Presença que analisaremos de seguida, apesar do papel da mulher no cenário de guerra ser mais característico e o Movimento Nacional Feminino atribuir, nesta conjuntura, um conjunto de responsabilidades mais vincadas às mulheres portuguesas.

O Movimento Nacional Feminino e A Presença

  • 36 «Ainda bem que existe o Movimento. A sua acção na retaguarda é verdadeiramente um dos grandes segre (...)

22Com o início das Guerras Coloniais, foi criado o Movimento Nacional Feminino por um grupo de vinte e cinco mulheres, na sua maioria familiares de homens ligados ao Governo, como é o caso da sua presidente, Cecília Supico Pinto, esposa de Luís Supico Pinto, um alto dignitário do Estado Novo. Este movimento pretendia constituir-se como um apoio de retaguarda ao esforço de guerra e um importante instrumento de propaganda civil da política colonial36. A par dos vários serviços prestados aos militares e às suas famílias, entre os quais os mais importantes eram o serviço de embarques, os aerogramas, as encomendas, a assistência às famílias dos militares e a secção de madrinhas de guerra, o Movimento Nacional Feminino responsabilizou-se por várias publicações, entre as quais a revista Presença.

  • 37 Maria Helena Neves e Maria Calado, O Estado Novo e as Mulheres. O género como investimento ideológi (...)
  • 38 Sílvia Espírito Santo, Adeus. Até ao teu regresso. O Movimento Nacional Feminino na Guerra Colonial (...)
  • 39 Sílvia Espírito Santo, Adeus. Até ao teu regresso..., p. 77.
  • 40 Sílvia Espírito Santo, Adeus. Até ao teu regresso..., p. 95.
  • 41 O primeiro número data de Outubro de 1963, o segundo do primeiro trimestre de 1964, o terceiro do s (...)

23A Presença, dirigida por Luiza Manuel de Vilhena e contando na sua equipa redactorial com a Condessa de Penalva, Maria Luiza Bobone, Maria Teresa Mascarenhas de Lemos (cujo nome já não é referido na ficha técnica do último número), Maria Manoel de Vilhena Barroso e Licínio de Melo na orientação gráfica37, começou a ser publicada em Outubro de 1963, com uma tiragem de 5000 exemplares38 essencialmente destinados às mulheres que integravam o Movimento Nacional Feminino. De facto, este órgão pretendia funcionar como um elemento de ligação de toda a estrutura da organização, divulgando a todas as mulheres do MNF as actividades da Comissão Central e das restantes comissões. Mas a Presença tinha, igualmente, como objectivo dar a conhecer o trabalho do Movimento Nacional Feminino ao maior número possível de militares portugueses e suas famílias39 e, como tal, é provável que o público-alvo fosse alargado a estes círculos. As vendas não terão, no entanto, conseguido ultrapassar as dificuldades económicas decorrentes do custo de elaboração da revista, tendo o seu preço aumentado para o dobro entre o quarto e o último número, respectivamente, de 5$00 para 10$0040. No que à periodicidade diz respeito, pretendeu-se inicialmente que esta fosse trimestral, objectivo que não foi atingido, tendo apenas sido colocados à venda, de forma irregular, cinco números entre Outubro de 1963 e Dezembro de 196541.

  • 42 Presença, n.º 1, Outubro de 1963, p. 7, 18-19, 32.
  • 43 «(...) o sacrifício das mães e dos pais que estão prontos a arriscar pela Pátria a vida dos filhos. (...)
  • 44 «(...) todos os rapazes têm evidentemente consciência de que é seu dever estarem prontos a servir o (...)

241963, ano de arranque da revista Presença, foi, também, o ano no qual regressaram os primeiros militares à metrópole, trazendo consigo as sequelas da realidade da guerra que se começavam a pretender esconder e que aguçavam as oposições. Desta forma, o primeiro número da Presença demonstra uma preocupação muito clara no sentido de transmitir aos leitores uma imagem alegre e confiante dos soldados que partiam para África, de forma a desmentir a realidade e neutralizar o discurso dos opositores. O artigo intitulado «Quando os soldados partem»42 é um exemplo notório desta situação. Nele é referido que, nos primeiros embarques, alguns grupos de pessoas davam mostras de um grande desespero na hora da partida dos soldados. Segundo a revista, essas pessoas – decerto familiares dos militares que partiam – não tinham qualquer relação com os soldados, fazendo sim parte de uma acção organizada que visava «minar o moral das tropas». Para acabar com esta situação, foi criado o Serviço de Embarques, através do qual os soldados apenas tinham um contacto directo com as filiadas no Movimento que tentavam vincular neles a ideia de que a sua partida seria uma aventura e um dever de patriotismo. De facto, o Movimento Nacional Feminino tentava não só constituir-se como um instrumento de acção psicológica sobre os militares, mas também sobre a opinião pública, divulgando a existência de famílias que não lamentavam a partida dos filhos, mas antes os entregavam de espontânea vontade para que estes participassem na defesa dos territórios ultramarinos43. O mesmo artigo revela que a viagem era vista pelos soldados como uma aventura, na qual todos partiam alegres e convencidos de que iam cumprir um dever44.

  • 45 «Madrinhas de guerra», Presença, n.º 1, Outubro de 1963, p. 36.
  • 46 «A madrinha de guerra sabe que é importante distrair o seu afilhado. E sabe que não basta distraí-l (...)

25Mas esta tentativa de elevar a moral dos militares não se ficava apenas pela hora do embarque. Durante o conflito, essa função deveria continuar a ser exercida pelas madrinhas de guerra, pessoas «de muito benéfica influência na boa disposição dos nossos soldados»45. De facto, as cartas das madrinhas tinham dois objectivos principais. Por um lado, fazer com que os militares recebessem notícias da metrópole e cartas pessoais durante a sua comissão, algo muito importante em termos psicológicos, principalmente se pensarmos que uma parte dos soldados era proveniente de famílias iletradas. Por outro lado, pretendiam evitar as cartas «deprimentes» da família que poderiam ter um efeito desmoralizante nas tropas46.

  • 47 «Portugal tem a sua sede em África. E não é o terrorismo interno ou o imperialismo internacional qu (...)

26Com o evoluir do conflito, o discurso torna-se mais realista e mais virado para a resolução de problemas concretos relacionados com a situação colonial portuguesa. Um desses problemas prende-se com a necessidade de envidar outros esforços, além dos militares, para garantir a manutenção dos territórios ultramarinos. O número de Outubro de 1964 reflecte essa mesma situação. O editorial, da responsabilidade de Pedro Cabrita, apresenta duas ideias importantes. Por um lado, defende a permanência de Portugal em África, uma realidade que não deveria ser alterada por entidades externas à Nação47. Por outro lado, defende que o Estado devia fazer mais, além do esforço militar, para que Portugal se mantivesse em África. Segundo ele, deviam ser enviados «centenas de milhares» de portugueses metropolitanos para África, num curto espaço de tempo, como única forma de levar a cabo uma tarefa de povoamento e progresso a todos os níveis, necessária para que o esforço dos soldados não fosse em vão.

  • 48 «Um dever elementar», Presença, n.º 4, Fevereiro de 1965, p. 5.

27Uma das ideias muito presente nas publicações do Movimento Nacional Feminino encontra-se relacionada com a tese de que as acções que levaram à guerra foram inspiradas, fomentadas, organizadas e dirigidas por estrangeiros. Essa ideia surge na Presença em 196548. No número de Fevereiro, encontram-se notícias que referem que os africanos continuavam a receber visitas dos seus conhecidos da metrópole, numa clara tentativa de difundir a ideia de que estes não deixaram de se sentir portugueses e de contactar com os metropolitanos, não comungando, assim, das pretensões dos movimentos de libertação. No mesmo ano, talvez como uma forma de combater o cansaço de um conflito que não tinha um fim à vista, regressam os artigos sobre a boa disposição dos soldados na guerra. O perigo e as dificuldades não são já escondidos, mas é realçada a alegria dos militares, inclusive daqueles que foram feridos e se preparavam para voltar às suas funções. As suas queixas passam, igualmente, a ser partilhadas pelo Movimento Nacional Feminino, nomeadamente, no que diz respeito ao facto de quase todos os indivíduos serem considerados aptos para partir para a guerra, independentemente de apresentarem deficiências que impediam a realização plena das suas funções.

Conclusão

28No final desta exposição torna-se visível como a Mocidade Portuguesa Feminina e o Movimento Nacional Feminino se constituíram como dois agentes de difusão da ideologia colonial do Estado Novo. As suas publicações, cada uma delas com as suas especificidades próprias, tornaram-se instrumentos de doutrinação destinados a públicos-alvo específicos.

29A Menina e Moça apresentava-se como uma publicação mais distante das questões coloniais, visto a organização à qual pertencia ter outros objectivos além dos relacionados com a política colonial. No entanto, é notório como, nos momentos mais importantes, essas referências surgem, adequando-se perfeitamente às etapas e objectivos principais da política colonial do regime. De facto, todas as justificações de carácter religioso e civilizacional se encaixam no discurso ideológico do Estado Novo, anterior e posterior à década de 1950. Esta é, de facto, uma das grandes mais-valias desta publicação, aliada à sua longevidade que nos permite entender de que forma estas questões foram sofrendo alterações ao longo do tempo.

30A revista Presença encontra-se, até pelas características da organização a que pertence, mais relacionada com o tema das Guerras Coloniais, constituindo-se como um meio de um programa de acção psicológica que visava formar uma opinião pública favorável à guerra e à manutenção das possessões ultramarinas portuguesas, numa época em que as oposições à política colonial do regime começavam a surgir. A Presença pretendia, acima de tudo, demonstrar que a guerra não era um sacrifício insuportável para os soldados, difundindo a ideia de que estes partiam para África felizes, em busca de aventura. A acalmia das famílias e da população em geral era, assim, a prioridade, apesar de, com o passar do tempo, o discurso se ter tornado mais realista, chegando mesmo a criticar algumas opções do Estado. A imagem feminina – da mulher mãe, esposa e irmã, que apoiou o esforço dos colonizadores no passado e apoiava na altura o esforço do soldado no «cumprimento do seu dever» – torna-se bastante importante para conseguir o apoio de um sector da população que, embora não fosse destacado para a guerra, sofria com a partida dos seus e estava encarregue da formação das novas gerações.

31Desta forma, qualquer destas publicações, cada uma à sua maneira, tenta difundir uma imagem positiva do colonialismo português, passando a ideia de que a metrópole fazia um grande esforço de progresso nos territórios ultramarinos, nos quais tudo o que existia era devido ao trabalho dos colonizadores portugueses. A imagem de plena integração dos africanos na Nação portuguesa e nas suas instituições e a origem estrangeira dos tumultos são também ideias bastante presentes neste discurso.

32Por último, é interessante verificar que as notícias publicadas sobre o Ultramar respeitavam, em grande medida, as transformações não só da política colonial do regime, como do próprio Estado Novo, situação esta bastante notória na primeira fase do marcelismo, na qual, embora a ideologia presente não tivesse mudado, mudaram, momentaneamente, os argumentos e a pedagogia da explicação.

  • 49 Margarida Calafate Ribeiro, «África no feminino: As mulheres portuguesas e a Guerra Colonial», Revi (...)
  • 50 Margarida Calafate Ribeiro, «África no feminino: …», p. 9.

33Mas existirá um paradigma de género no que ao discurso colonial do Estado Novo diz respeito? De facto, as questões referentes à política colonial e às guerras coloniais parecem, numa primeira análise, integrar-se mais facilmente no universo masculino, no universo daqueles que, porventura, maior interesse demonstravam pelos negócios coloniais e, a partir do início dos conflitos armados, foram obrigados a encarar a guerra de uma forma mais próxima. As mulheres, encontrando-se, na sua maioria, por desconhecimento ou imposição, alheadas das questões políticas que movimentavam a vida do País, tomam contacto com a questão colonial quando são impelidas a constituir-se como a silenciosa retaguarda de um conflito que iria desgastar o País durante treze anos. Como refere Margarida Calafate Ribeiro, o estímulo que era de si esperado era o de apoiar a guerra e a partida dos homens para África, apesar de não assistimos em Portugal a campanhas de propaganda como vimos, por exemplo, na Inglaterra da Segunda Guerra Mundial49. Contudo, as Guerras Coloniais trarão consigo um movimento porventura inédito que dará uma maior importância ao papel feminino: a ida de mulheres acompanhando os maridos em missão militar em África. Aproximando assim a célula familiar, corporizada na figura da mulher, esposa e mãe, da frente de guerra proporcionou-se uma certa imagem de estabilidade social e de manutenção da família, também ela metáfora da Nação50.

34Mas a realidade seria assim tão distinta daquela que pautava o mundo masculino, a ponto de afirmarmos a existência de uma visão puramente feminina da guerra e da questão colonial?

35Em primeiro lugar, é necessário ter em consideração que a questão colonial não era um foco de interesse para a maioria da população até 1961, altura em que os portugueses são confrontados com o início dos conflitos. No fundo, a questão colonial não era sequer uma questão, muito porque a escola salazarista tinha inculcado nas novas gerações a indiscutibilidade da posse das colónias, do Portugal pluricontinental «do Minho a Timor». As colónias existiam e eram portuguesas por direito, apesar de somente alguns terem interesses materiais pessoais nesses territórios o que explica que, em 1961, o envio de tropas para os territórios ultramarinos tenha gerado um relativo consenso nacional. No nosso ponto de vista, foi o início das Guerras Coloniais o marco que mudou a forma como homens e mulheres olhavam para a realidade colonial.

  • 51 Marta Fidalgo, Menina e Moça: Um Ideal de Formação Feminina…, pp. 26-27.
  • 52 Marta Fidalgo, Menina e Moça: Um Ideal de Formação Feminina…, p. 96.

36No que à generalidade das mulheres diz respeito, a fraca escolarização e informação e uma certa apatia em relação à vida política acabaram por ditar que o início dos conflitos fosse olhado com incompreensão por aquelas que, devido à sua educação, faziam suas as verdades do regime51. A forma como as mulheres olhavam para a realidade de um País com colónias não seria, nesta época, muito diferente da forma como os homens entendiam essa mesma realidade. Talvez a maior diferença se encontrasse no seu papel específico durante os treze anos do conflito, na transposição das suas experiências de mães e esposas para a realidade da guerra. De facto, como refere Marta Fidalgo, «várias gerações de mulheres foram o produto de uma educação cívica, moral e religiosa, reprodutora de uma ideologia que lhes dava visibilidade apenas enquanto mães e garante da estabilidade moral da família. Durante décadas, elas assumiram esse papel e a guerra colonial apresentou-se-lhes como o momento apropriado para o reforçar. Daí que a participação da maioria nessa guerra estivesse intimamente ligada à sua “vocação natural” e às “matérias” que fizeram parte das suas aprendizagens»52.

  • 53 Marta Fidalgo, Menina e Moça: Um Ideal de Formação Feminina…, p. 97.
  • 54 Maria Helena Neves e Maria Calado, O Estado Novo e as Mulheres. O género como investimento ideológi (...)

37É necessário, no entanto, destacar dois grupos de mulheres. O primeiro constituído pelo grosso da população feminina, muito ligada às características acima referidas, para as quais as colónias eram uma realidade indiscutível mas relativamente distante até ao dia em que a guerra começou a retirar-lhes, muitas vezes sem regresso, maridos, filhos e irmãos. Como tal, é natural que a forma como olhavam para a guerra sofresse profundas alterações à medida que o conflito se mantinha sem fim à vista. E nem mesmo a convicção difundida pelo regime de que os territórios coloniais poderiam ser mantidos e as rebeliões debeladas, deveria travar o sentimento dúbio de quem confrontava as «verdades» que sempre fizeram parte do seu manto ideológico com o sofrimento causado por uma guerra que levava para longe os seus entes queridos. No entanto, estas mulheres não teriam um discurso característico, fazendo parte da retaguarda silenciosa da qual é difícil manter registos. Quando tentamos aproximar-nos de um «discurso colonial no feminino», falamos somente naquele que é orquestrado e transmitido pelas organizações femininas do regime que representavam apenas um número relativamente reduzido de mulheres, muitas delas ligadas familiarmente às elites do País e que, por conseguinte, concordavam com a orientação do Estado relativamente à posse dos territórios coloniais ou, no mínimo, não ousavam contrariá-la publicamente53. Como tal, a sua visão relativamente à posse das colónias ou à guerra não sofria grandes alterações em relação ao discurso colonial geral, no entanto, a sua principal particularidade era o facto desta ser baseada no papel que a mulher tinha na sociedade e na família. São os valores de mãe e esposa que são enfatizados, a imagem da família que é transportada para os territórios em guerra e o aconchego e apoio especificamente femininos que se espera transmitir aos soldados, muito presentes no serviço de Madrinhas de Guerra, por exemplo. No entanto, estas organizações acabam por não entender que as mulheres mudam, tal como a visão geral em relação à guerra. A mulher que vive a realidade da guerra, que passa a trabalhar fora de casa e que é confrontada com os surtos migratórios e as mudanças culturais dos anos 60 não podia já ser a mesma54. O discurso difundido, porém, mantém-se nos conteúdos essenciais.

  • 55 Refira-se o caso das mulheres enfermeiras ou das enfermeiras pára-quedistas da Força Aérea.

38Tendo todos estes aspectos em consideração, pensamos que o paradigma de género se prende mais com o papel da mulher na «política de guerra» do que com o seu discurso em relação às colónias. Este não é distinto do «discurso masculino», nem talvez a forma como esta olhava para a guerra ou para a posse dos territórios coloniais. O que delas era esperado nessa conjuntura é que era, efectivamente, distinto do universo masculino. Não a participação activa nos teatros de guerra, que não era adequado ao seu papel na sociedade, apesar de algumas o terem feito55, mas principalmente a formação de uma retaguarda de apoio aos militares e às suas famílias e uma estrutura de transmissão de valores caros ao regime, no seu papel de educadoras.

39Esperamos que este trabalho possa contribuir para um estudo mais aprofundado sobre o discurso colonial do Estado Novo e as organizações femininas do regime, bem como sobre as publicações aqui referidas, que se apresentam como fontes muito interessantes sobre os meios de doutrinação e inculcação ideológica do Estado Novo, especialmente sobre o público feminino.

Topo da página

Notas

1 Decreto-lei n.º 28262 de 8 de Dezembro de 1937.

2 A Mocidade Portuguesa Feminina apenas foi implementada no Ultramar em 1961, com o início da Guerra Colonial, altura em que passou a existir uma comissária adjunta para esses territórios. No entanto, em 1940, tinha sido criada em Angola a Obra Feminina de Educação Nacional, com o objectivo de coadjuvar a Mocidade Portuguesa e desenvolver uma «consciente cultura nacionalista e acção social, entre brancos e assimilados», Irene Pimentel, História das Organizações Femininas no Estado Novo, Lisboa, 2000, Círculo de Leitores, p. 233.

3 Irene Pimentel, História das Organizações Femininas no Estado Novo, Lisboa, Círculo de Leitores, 2000, p. 328.

4 Marta Fidalgo, Menina e Moça: Um Ideal de Formação Feminina (1960-1970), Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2002, p. 75.

5 Marta Fidalgo, Menina e Moça…, p. 77.

6 O preço da Menina e Moça evoluiu da seguinte forma:

Image 10000000000002910000011733C1CA68.png

Marta Fidalgo, Menina e Moça…, pp. 69-71.

7 Marta Fidalgo, Menina e Moça…, p. 69.

8 Marta Fidalgo, Menina e Moça…, pp. 75 e 83.

9 «Descobrimos o mundo – tarefa grandiosa mas transitória, e de cujos frutos em abundância fomos despojados (...) Uma glória fica, e essa intangível – o merecimento eterno, como apóstolos de Cristo! Vocação missionária impressa na alma portuguesa», Menina e Moça, n.º 11, Março de 1948.

10 Esta situação explica-se com a própria política colonial do regime que, até 1950, apenas enfatizava o aspecto civilizador do colonialismo português.

11 O Cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina, conferência proferida por Maria Joana Mendes Leal na Sociedade de Geografia, 1 de Dezembro de 1950.

12 «(...) como é humana e cristianíssima, cheia de coração, a nossa acção civilizadora», O Cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 31.

13 «O nosso espírito colonizador foi sempre humano e cristão. Por isso, ao lado do esforço pelo enriquecimento da Nação, aprendemos na nossa viagem a apreciar o esforço pela civilização dos indígenas e melhoria das suas condições de vida», O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 27. «Sem dúvida, Portugal tem interesses económicos nas suas possessões ultramarinas; mas não sacrifica a esses interesses o seu ideal humanitário e cristão», idem, p. 32.

14 «A Portuguesa e a Avé Maria, pronunciados bastante “à preto”, mas que importa? Foi impressionante! O nome de Maria e o nome de Portugal nos lábios daqueles indígenas (...)», Menina e Moça, Dezembro de 1950.

15 No número de Abril de 1951, no artigo referente ao Cruzeiro a África as filiadas demonstram um grande espanto pela forma como as mulheres africanas se vestiam bem.

16 «Quebrar o isolamento dos indígenas apressa a sua civilização, e dar-lhes trabalho arranca-os à preguiça e permite-lhes ganhar dinheiro para melhorar as suas condições de vida (...)», O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 11.

17 «Portugal mantém-se fiel à sua vocação, vendo em Cristo, como irmãos, todos os homens, seja qual for a sua cor, a sua raça ou religião», O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 32.

18 «Ainda hoje, a sujeição dos indígenas ao Governo Português é a mais suave de quantas existem, e as regalias dos nativos, a que nenhuma liberdade é restringida e nenhum cargo vedado, honra Portugal», O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 32. No entanto, um texto de Marcello Caetano, de 1964, contraria esta visão referindo que «os pretos em África têm de ser dirigidos e enquadrados por europeus». Os Nativos na Economia Africana, Coimbra, 1964, p. 16.

19 «Este Portugal imperial!...Assim ele foi!...Assim ele seja para todo o sempre!...», Menina e Moça, n.º 75, Outubro de 1953.

20 «Que seria a Pátria se não fosse a imagem duma grande família?», Menina e Moça, n.º 74, Setembro de 1953.

21 «A união natural, invencível, de todos nós em qualquer coisa de tão real como nós mesmos: a Pátria», O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 40.

22 De 1958 a 1964, o II Plano de Fomento pretendia a construção de infra-estruturas nas Províncias Ultramarinas, tendência intensificada após o início do conflito.

23 «Só onde a família se estabelece, se cria o lar, e só onde há lar, se sente verdadeiramente a Pátria.», O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 10. Durante o cruzeiro, em Pretória, Maria Joana Leal refere que as mulheres dos colonizadores, ao proporcionarem-lhes a presença de uma família, davam à «colonização uma estabilidade a que se deve em grande parte os resultados alcançados». Irene Pimentel, Contributos para a história das mulheres no Estado Novo: as organizações femininas do Estado Novo: a «Obra das Mães pela Educação Nacional» e a «Mocidade Portuguesa Feminina», Tese de Mestrado em História Contemporânea (Século XX), Universidade Nova de Lisboa, 1996, p. 494.

24 O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 9.

25 O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 10.

26 «No nosso cruzeiro, tivemos a impressão de tomar posse daqueles grandes bens, e depois de os termos visto e de nos termos compenetrado bem de que tudo é nosso! Nosso! Ficamos-lhe querendo como às meninas dos nossos olhos», O cruzeiro a África da Mocidade Portuguesa Feminina…, p. 24.

27 «Grande foi a nossa alegria ao percorrer essas longínquas terras portuguesas, tão extensas que quase nos faziam pensar que todo o mundo é nosso! Grande foi a nossa alegria ao ver os progressos materiais das Províncias Ultramarinas. Grande foi a nossa alegria de sentirmos em todos os pontos de além-mar a mesma alma nacional, o mesmo amor pela Pátria, e de escutar as suas afirmações de felicidade», Menina e Moça, n.º 60, Junho de 1952.

28 «A função histórica da Nação portuguesa está longe de ter terminado. E não se trata apenas da conversão de pagãos; cabe-nos também a tarefa de melhorar a vida dos nossos irmãos africanos, aumentando o seu bem estar», Menina e Moça, n.º 135, Janeiro de 1959.

29 «Nosso. Era nosso um palmo de terra que, no meio da imensa península industânica, se perde no mapa. Mas era nosso! E de um dia para o outro, a violência desrespeitou o direito e houve estranhos que se arrogaram ali soberanos. Porque a nação era a mesma? Porque eram vizinhos? Eles desconheciam o milagre da nação portuguesa, mosaico triunfal feito de todas as raças – unidas num só coração, numa só vontade, caldeadas em séculos de uma fé comum, alimentadas pela seiva da saudade, apegadas a uma tradição de heróis, esperançadas numa teoria de génios», Menina e Moça, n.º 149, Maio de 1960.

30 «Alerta! Alerta! ao mando de Nascimento Costa», Menina e Moça, n.º 158, Março de 1961 e «Pelos que deram a sua vida em Angola», Menina e Moça, n.º 164, Outubro de 1961.

31 «Patriotismo * Heroísmo», Menina e Moça, n.º 165, Novembro de 1961.

32 «(...) tantos homens em armas defendendo com o heróico sacrifício a terra que outros nos cobiçam», Menina e Moça, n.º 166, Dezembro de 1961.

33 «Embora a ocupação de Goa pela União Indiana seja um facto consumado, não é porque um crime se consumou que ele fica legitimado; se o roubo não pode ser fundado no direito e na justiça, também não podem ser aceites as condições criadas pelo roubo. (...) Continuaremos a dizer a NOSSA ÍNDIA. Continuaremos a chamar aos goeses NOSSOS IRMÃOS», Menina e Moça, n.º 168, Fevereiro de 1962.

34 Menina e Moça, n.º 268, Abril de 1971.

35 «Aqui vive uma população laboriosa para a qual a diferença de cores da pele não tem qualquer sentido», Menina e Moça, n.º 268, Abril de 1971.

36 «Ainda bem que existe o Movimento. A sua acção na retaguarda é verdadeiramente um dos grandes segredos do elevado moral com que os militares portugueses suportam as mais duras condições e os maiores riscos», General Arnaldo Schulz, Governador e Comandante-Chefe da Guiné em 1965, Presença, n.º 5, Dezembro de 1965, p. 6.

37 Maria Helena Neves e Maria Calado, O Estado Novo e as Mulheres. O género como investimento ideológico e de mobilização, Lisboa, Edição Biblioteca Museu República e Resistência / CML, 2001, p. 91. No último número a orientação gráfica encontra-se a cargo de Hélder Bandarra. Sílvia Espírito Santo, Adeus. Até ao teu regresso. O Movimento Nacional Feminino na Guerra Colonial (1961-1974), Lisboa, Livros Horizonte, 2003, p. 95.

38 Sílvia Espírito Santo, Adeus. Até ao teu regresso. O Movimento Nacional Feminino na Guerra Colonial (1961-1974), Lisboa, Livros Horizonte, 2003, prefácio, p. 8.

39 Sílvia Espírito Santo, Adeus. Até ao teu regresso..., p. 77.

40 Sílvia Espírito Santo, Adeus. Até ao teu regresso..., p. 95.

41 O primeiro número data de Outubro de 1963, o segundo do primeiro trimestre de 1964, o terceiro do segundo trimestre do mesmo ano, o quarto número do quarto trimestre de 1965 e o último número, do Natal de 1965. Sílvia Espírito Santo, Adeus. Até ao teu regresso…, p. 78.

42 Presença, n.º 1, Outubro de 1963, p. 7, 18-19, 32.

43 «(...) o sacrifício das mães e dos pais que estão prontos a arriscar pela Pátria a vida dos filhos. (...) A tão alto nível de coragem e patriotismo nem todos podemos chegar», Presença, n.º 1, Outubro de 1963, p. 18.

44 «(...) todos os rapazes têm evidentemente consciência de que é seu dever estarem prontos a servir o país (...) e são muitos, muitíssimos, os que cumprem esse dever com grande satisfação, possuídos de verdadeiro patriotismo. (...) estamos sinceramente convencidas de que uma grande parte dos nossos soldados, senão a maioria, partem satisfeitos. Gostam de ir», Presença, n.º 1, Outubro de 1963, p. 18.

45 «Madrinhas de guerra», Presença, n.º 1, Outubro de 1963, p. 36.

46 «A madrinha de guerra sabe que é importante distrair o seu afilhado. E sabe que não basta distraí-lo: que é necessário fortificar-lhe a coragem, transmitir-lhe confiança, torná-lo psicologicamente mais apto para bem cumprir – e cumprir com satisfação», Presença, n.º 1, Outubro de 1963, p. 37.

47 «Portugal tem a sua sede em África. E não é o terrorismo interno ou o imperialismo internacional que vão resolver se lá continuará a ser Portugal», Presença, n.º 3, Outubro de 1964, p. 5.

48 «Um dever elementar», Presença, n.º 4, Fevereiro de 1965, p. 5.

49 Margarida Calafate Ribeiro, «África no feminino: As mulheres portuguesas e a Guerra Colonial», Revista Crítica de Ciências Sociais, 68, Abril 2004, p. 8.

50 Margarida Calafate Ribeiro, «África no feminino: …», p. 9.

51 Marta Fidalgo, Menina e Moça: Um Ideal de Formação Feminina…, pp. 26-27.

52 Marta Fidalgo, Menina e Moça: Um Ideal de Formação Feminina…, p. 96.

53 Marta Fidalgo, Menina e Moça: Um Ideal de Formação Feminina…, p. 97.

54 Maria Helena Neves e Maria Calado, O Estado Novo e as Mulheres. O género como investimento ideológico e de mobilização, Lisboa, Biblioteca Museu República e Resistência/CML, 2001, p. 103.

55 Refira-se o caso das mulheres enfermeiras ou das enfermeiras pára-quedistas da Força Aérea.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ana Carina Azevedo, « Presença do discurso colonial do Estado Novo na imprensa das organizações femininas do regime: A Menina e Moça e a Presença », Ler História, 60 | 2011, 115-131.

Referência eletrónica

Ana Carina Azevedo, « Presença do discurso colonial do Estado Novo na imprensa das organizações femininas do regime: A Menina e Moça e a Presença », Ler História [Online], 60 | 2011, posto online no dia 05 Fevereiro 2016, consultado no dia 17 Agosto 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1512 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1512

Topo da página

Autor

Ana Carina Azevedo

IHC-FCSH – Universidade Nova de Lisboa

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org