Navegação – Mapa do site
Críticas e Debates

História, memória e política

Traverso, Enzo, Le passé, modes d’emploi: histoire, mémoire, politique, Paris,La fabrique éditions, 2005
Joana Pontes
p. 185-192

Texto integral

History as memory has always been a vital part of our personal identities and remains, in the form of narratives, a powerful component of everyone’s local and national consciousness. How such narratives are best constructed has been a source of persistent controversy among historians since Thucydides.

  • 1 Patrick O’Brien, «Historiographical traditions and modern imperatives for the restoration of global (...)

Patrick O’Brien1

Montage corresponds to what I consider to be the constructive element in historical studies: it makes it clear that our knowledge is fragmentary and that it derives from an open process.

  • 2 Carlo Ginzburg, «On the dark side of history», entrevistado por Trygve Riiser Gundersen, Eurozine, (...)

Carlo Ginzburg2

  • 3 Para uma abordagem crítica da explosão de estudos sobre a memória ver Kerwin Lee Klein, «On the Eme (...)

1Se pensarmos no lugar que a memória tem ocupado nas ciências sociais ficaremos surpreendidos por perceber que passou de uma quase ausência até aos anos 80 para uma fortíssima presença, sendo hoje central no debate que discute a sua relação com a História e a Política. De onde vem esta mudança que se traduz no que Enzo Traverso chama a actual obsessão comemorativa das sociedades ocidentais?3 Que formas toma esta obsessão e que consequências tem? Pode traduzir-se numa política de comemorações separada de toda a reflexão crítica sobre o presente?

2São estas as questões a que o autor vai responder analisando, por um lado, de que forma o passado se constitui em memória colectiva e, por outro, como o presente determina as modalidades da memória e o seu uso público.

  • 4 São exemplo desta reflexão as seguintes obras de Traverso: Les Marxistes et la question juive, Mont (...)

3Traverso é um historiador italiano nascido em 1957 que vive em França desde 1985. Professor de Ciência Política na Universidade de Picardie – Jules Vernes, Amiens, vem publicando desde 1990 uma significativa obra de reflexão histórico-política, muito centrada na ligação entre história, memória e política no Ocidente. Dando numerosos exemplos de acontecimentos recentes do século XX, Traverso tem prestado particular atenção às implicações que a memória do Holocausto tem actualmente na sociedade ocidental, mostrando como a dimensão política da memória colectiva afecta a escrita da história4.

  • 5 Pierre Nora associa a esta obsessão memorial a necessidade de referências que se traduz numa outra (...)

4Na obra em análise o autor começa por fazer uma breve revisão da literatura. A memória esteve, até recentemente, praticamente ausente do debate intelectual. Mas a situação mudou e hoje a memória ocupa um lugar central nas sociedades ocidentais. Frequentemente, memória e história são usadas como sinónimos. O que lembramos do passado vai transformar-se em memória colectiva. Será seleccionada, decifrada, amplificada pelos media e dirigida pelo Estado. Esta transformação torna a memória, nas palavras de Traverso, «le vecteur d’une religion civile… avec son système de valeurs, de croyances, de symboles et de liturgies.» (p. 12). Tal como as religiões, a memória tem os seus lugares sagrados, o seu cerimonial próprio, as suas celebrações. Traverso defende, apoiando-se em Walter Benjamim, que estamos perante uma crise de transmissão da experiência do passado iniciada na modernidade. As sociedades contemporâneas já não possuem os mecanismos tradicionais de transmissão da memória, que se perpetuava entre gerações como uma herança, determinando as identidades dos grupos e das comunidades durante muito tempo. Deu-se uma mudança profunda nas estruturas elementares da memória colectiva e daí, segundo o autor, a obsessão memorial dos nossos dias que visa situar-nos num mundo transformado pela violência, em que as tradições perdem importância num tempo que acelera5.

5Até ao início do século XX, história e memória estavam juntas como se fossem duas faces de uma mesma realidade: a narração do passado. Hegel, por exemplo, via na história duas dimensões complementares: uma objectiva, os acontecimentos, e outra subjectiva, a sua narração histórica. A memória seria o suporte subjectivo da história e acompanhava o seu desenrolar. Toda a História escrita reflectiria a racionalidade própria do Estado, lugar onde memória e história cumpririam o seu desígnio. Só os povos a viver dentro de um Estado é que atingiriam um certo nível de desenvolvimento e, por isso, possuíam uma história escrita, uma memória. Quem não detinha este registo escrito, não podia senão ter uma memória primitiva, feita de imagens, mas incapaz de consciência histórica.

  • 6 Patrick O’Brien caracteriza a tradição ocidental como sofrendo de miopia eurocêntrica; «Historiogra (...)
  • 7 «[Hegel’s ideas] clarified, and purported to explain, Europe’s geopolitical, technological and econ (...)

6A evocação de Hegel por Traverso explica-se pela importância que as suas ideias terão na forma de olhar e pensar o mundo. Por um lado, uma visão da história como própria do Ocidente, deixando de fora os povos sem história e, portanto, sem memória6. Por outro lado, impõe uma visão da história como dispositivo de dominação7.

  • 8 O’Brien, por exemplo, tem dúvidas sobre a erradicação deste paradigma eurocêntrico. O’Brien, «Histo (...)
  • 9 Citado por Dipesh Chakrabarty, «Subaltern Studies and Postcolonial Historiography», Nepantla: Views (...)
  • 10 Ver a importante contribuição de Geoff Eley, A Crooked Line: from cultural history to the history o (...)

7Na segunda metade do século XX, memória e história separaram-se e a forma como se dá esta separação ajuda a perceber a transformação da história como disciplina, no Ocidente. Traverso identifica três momentos fundamentais que levaram a memória a libertar-se da sua dependência exclusiva face ao registo escrito. A saber: a crise do historicismo, o abandono do paradigma eurocêntrico8 na era da descolonização e o aparecimento de novos sujeitos como objectos de estudo, as «classes subalternes» (p. 25), importantes por si só e independentes das elites (na expressão de Ranajit Guha, «people on their own»)9, mudaram profundamente a forma de fazer história10.

  • 11 E. P. Thompson, The making of the English working class, London, Victor Gollancz, 1963.

8The making of the English Working Class de Edward P. Thompson11, livro publicado em 1963 é, para Traverso, a obra precursora desta transformação que vai traduzir-se num alargamento das fontes utilizáveis em história, no questionamento das suas hierarquias tradicionais e no reconhecimento de um novo lugar para a memória na escrita do passado.

9Voltemos à relação entre memória e história. Uma vez separadas, a sua relação reconfigura-se naquilo a que o autor chama uma tensão dinâmica. O passado é o seu objecto comum. Mas as duas realidades são diferentes e a palavra-chave para Traverso é distância, «une prémisse essentielle pour proceder à une historicisation» (p. 43). Para responder às questões postas pela memória, a história transforma-a num dos seus objectos de estudo e trabalho e, para isso, utiliza as suas regras, próprias de campo do saber independente. Vai procurar estabelecer os factos, contextualizá-los e, através de hipóteses, investigar as causas. Em síntese, interpretar.

  • 12 Ver James Fentress e Chris Wickham, Memória Social, Lisboa: Editorial Teorema, 1992. No capítulo 1 (...)

10Esta tensão dinâmica, traduzida na distância que história e memória conseguem ter entre si, apresenta, no entanto, complexos problemas que Traverso enuncia. O carácter subjectivo da memória prende-a aos factos vividos e às impressões que deles ficam em quem os viveu, sendo, por isso, a sua verdade. Esta verdade não é fixa nem definitiva, é antes uma construção dinâmica, influenciada por outras experiências e reflexões que a vão filtrando e que a passagem do tempo vai transformando12. A memória, individual ou colectiva, diz Traverso, é «une vision du passé toujours filtrée par le présent». (p. 20) Também a história se escreve no presente e é a distância face à memória que vai permitir respeitá-la, compreendê-la e interpretá-la criticamente, evitando o risco de se lhe submeter.

  • 13 A guerra da Argélia e a descolonização da Índia são bons exemplos da forma como se pode construir a (...)

11Mas se, por um lado, a memória é subjectiva, por outro, a escrita da História, diz Traverso, não está livre do que influencia a memória, a saber, sacralização, mitificação, omissões e esquecimentos, voluntários ou involuntários. Muitos são os exemplos do que o autor chama «effacement d’autres histoires, … négation d’autres mémoires» (p. 29). Uma parte da historiografia moderna caiu nesta armadilha13.

  • 14 Fentress e Wickham, Memória Social…, p. 242.
  • 15 Um caso muito próximo de Portugal diz respeito ao número de vítimas registado, na sequência da repr (...)

12Por outro lado, não há memória «littérale, originaire et non contaminée.» (p. 29) O que há é uma reelaboração permanente da memória, sempre condicionada pelos modos de pensar colectivos que estão de acordo com modos partilhados de representar o passado. Daqui resulta que os historiadores, como cidadãos de uma comunidade, são eles próprios influenciados pelos contextos em que vivem e trabalham e pela sua memória pessoal que, pelo menos em parte, influencia a escolha e a investigação do seu objecto de estudo. Têm um papel determinante na formação da consciência histórica e, por isso mesmo, da memória colectiva, nem sempre pacífica porque múltipla e pertença de todos14. No dizer de Habermas, citado por Traverso, o historiador contribui para «un usage public de l’histoire» (p. 39). Muitos exemplos reflectem este uso. Basta pensar nos debates em volta da Guerra Civil espanhola, das ditaduras chilena e argentina entre muitos outros. Estes debates ultrapassam as fronteiras da pesquisa histórica, entram na esfera pública e questionam o nosso presente15.

  • 16 Pierra Nora identifica os locais desta obsessão: «Museums, archives cemeteries, festivals, annivers (...)

13Memória e história têm temporalidades diferentes, nem sempre coincidentes. Ao tempo linear da história contrapõe-se um outro tempo, o da memória. A este propósito, Traverso lembra que a memória atravessa várias etapas. Primeiro, há um acontecimento marcante, a que se segue uma fase de recalcamento. Mais tarde ou mais cedo, a memória desse acontecimento, aparentemente esquecido, poderá voltar. Pode depois fazer parte do que Traverso chama «obsession mémorielle» (p. 44)16. Por vezes a historiografia segue este percurso. Sobre determinados acontecimentos não há investigação, o que corresponde a uma fase de recalcamento, que pode depois vir a dar lugar a uma fase de intensa pesquisa. Um bom exemplo é a história do nazismo na Alemanha. Traverso mostra como os estudos sobre o Holocausto estiveram fora de moda nos anos 50 e estão agora no centro da investigação desenvolvida naquele país. Os estudos sobre o comunismo, embora ainda numa fase muito anterior, caminham no mesmo sentido. Para este facto ajuda a progressiva, embora lenta, abertura dos arquivos da ex-URSS.

14Mas a historiografia pode seguir outros percursos chegando à oposição total das respectivas temporalidades, altura em que os olhares do historiador e da memória colectiva entram em conflito. Traverso dá vários exemplos destas realidades. O caso do genocídio dos arménios levado a cabo pelos turcos, implica, além da ocultação e negação deste crime, a tomada de medidas por parte do Estado no sentido de, na prática, impedir o acesso aos arquivos e colocar obstáculos à investigação. Neste caso, como diz Traverso, «la mémoire n’a pas fait place à l’histoire» (p. 52).

15Noutros acontecimentos, os factos não saem do campo historiográfico. É o que se passa no caso dos massacres cometidos pelos italianos na Etiópia, entre 1935-36. Tal impossibilita que as vítimas deste acontecimento ocupem um lugar na memória colectiva dos italianos.

  • 17 Exemplo disto é o discurso de Jacques Chirac, enquanto Presidente da França, em Madagáscar, a 21 de (...)
  • 18 Os Estados podem ignorar parcial ou totalmente os passados de outros Estados, em nome do que se cha (...)

16O reconhecimento e a visibilidade das memórias estão intimamente relacionados com o que Traverso chama memórias fracas ou fortes. (p. 54) Fortes quando oficiais, comemoradas pelo Estado e pelas suas instituições. Fracas quando escondidas ou proibidas. O Estado e as elites redefinem, de acordo com os seus interesses, a força e o consequente reconhecimento das memórias, estabelecendo o que deve ser lembrado e o que deve ser esquecido17. Por outras palavras, determinam a oportunidade da existência do passado18.

17A transformação de uma memória fraca em forte relaciona-se intimamente com a escrita da história. Os estudos pós-coloniais e do multiculturalismo, por exemplo, aparecem na sequência da descolonização, trazendo para a luz da história os antigos povos colonizados. Contribuiu para isto, em grande medida, o aparecimento de investigadores de origem indiana ou africana, principalmente no mundo anglo-saxónico. Para Traverso, na raiz desta e de outras grandes mudanças na historiografia está o «tournant linguistique», desenvolvido por um conjunto de correntes intelectuais nascidas nos Estados Unidos por volta do final dos anos 60, que permitiu repensar a relação entre realidade e interpretação, questionando o estatuto do historiador e pondo em causa a ideia segundo a qual a interpretação histórica seria, nas palavras de Traverso, um «simple reflet d’une démarche rigoureuse d’objectivation et de contextualisation des événements du passé» (p. 66). A escrita da história tem uma dimensão textual e contém uma parte de ideologia, de representação e de códigos literários herdados que são espelhados pelo historiador.

  • 19 No entanto, esta consciência colectiva reflecte-se de forma diferente nos países. Os Estados Unidos (...)
  • 20 O que se passa actualmente em Espanha com o afastamento do Juíz Baltazar Garzón do seu posto na Aud (...)

18História e memória ligam-se, por último, às noções de verdade e justiça num momento em que há cada vez mais «une lecture judiciaire de l’histoire et … une judiciarisation de la mémoire» (p. 74). Esta ligação está a levar a uma contaminação do papel de historiador pelo de testemunha. Chamado a tribunal, o historiador esclarece o contexto histórico dos factos em julgamento. Mas esta chamada levanta questões de ordem ética e epistemológica. O historiador, como diz Traverso, «n’est pas un juge, sa tâche ne consiste pas à juger mais à comprendre» (p. 76). No entanto, esta compreensão origina, ainda que implicitamente, um julgamento sobre o passado, pois o historiador não o olha de forma neutra. É importante notar que são de natureza diferente as verdades alcançadas pelo juiz e pelo historiador. A verdade da justiça é normativa. Ao atribuir responsabilidades, impõe limites e coacções. A verdade histórica é parcial, provisória e evolui à medida que se modifica a própria historiografia, com o aparecimento de novas questões e metodologias. Traverso nota que a justiça tem contribuído, ao longo do século XX, para a formação de uma consciência histórica colectiva. São exemplo o Tribunal de Nuremberga, criado para julgar os crimes nazis, e o actual Tribunal Penal Internacional, com a sede em Haia e que está a julgar os crimes da guerra cometidos na ex-Jugoslávia e no Ruanda19. Esta consciência histórica que mostra a ligação entre a história, a memória e a justiça está hoje no centro da vida colectiva20.

19Podem, afinal, os historiadores fazer um uso crítico da memória? Como reflectir sobre os maus ou bons usos das recordações que dão fundamento à comunidade? Parece-me ser esta a inquietação que atravessa este livro.

20Tomando como exemplo as discretas comemorações do 50.º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz e as mediáticas comemorações do 60.º aniversário, Traverso verifica que o genocídio dos judeus ocupa hoje um lugar central na memória do mundo ocidental e faz parte da nossa consciência histórica. Não corre, por agora, riscos de ser esquecido, tal é actualmente a diversidade de estudos, investigação em arquivos, recolha de testemunhos, exposições, museus e monumentos de que se reveste a fixação deste acontecimento, sobretudo após a reunificação alemã.

21Traverso rebate a ideia corrente segundo a qual o nazismo foi «une rechute de la civilisation dans la barbarie» (p. 82). Considera, ao invés, que o Holocausto é a expressão patológica das potencialidades destrutivas da modernidade ocidental. Pelo grau de violência que atingiu e pela ideologia que espalhou, o Holocausto é um fenómeno único, mas as suas raízes estão na própria modernidade. Não foi uma descontinuidade histórica, mas o culminar de tendências existentes na Europa do século XIX. Evitando qualquer tentação teleológica, explicar o nazismo, diz Traverso, implica a percepção das suas premissas históricas. No plano cultural e ideológico, a existência do anti-semitismo, do eugenismo e do racismo. No plano político, o colonialismo e a contra-revolução. No plano material, a prisão, a morte em série, a racionalidade administrativa, técnica e industrial. No plano antropológico, a habituação e consequente banalização dos massacres que ocorreram durante a I Guerra.

22Mas a consciência deste acontecimento não pode servir, e segundo Traverso existe esse perigo, para legitimar «l’actuel ordre du monde». (p. 81) É necessária e urgente uma meditação crítica sobre as sociedades em que vivemos. Traverso chama à reflexão a existência de prisões como as de Guantánamo e Abou-Ghraib, ou a realidade de massacres recentes como os que ocorreram na ex-Jugoslávia, na Chechénia ou no Ruanda. Mas também a realidade dos campos de refugiados que se espalham pelo Mundo e dos campos de detenção de imigrantes ilegais que existem na Europa, onde todos os anos são internados alguns milhares, «invisibles, comme des présences métaphoriquement immatérielles» (p. 84). E, por vezes, lembrados pelos media. Ao escolher e interpretar o que decidem mostrar, de acordo com uma agenda própria, os media tornam-se hoje, por via da sua difusão quase universal, os principais meios de construção do passado e de transmissão da memória.

  • 21 Hobsbawm apela também à consciência dos historiadores, «If there is no suitable past, it can always (...)
  • 22 Fentress e Wickham, Memória Social…, p. 243.

23Retomo a questão fundamental deste livro: pode fazer-se um uso crítico da memória? E como fazê-lo? Traverso apela à tomada de consciência dos historiadores e chama a atenção para o perigo do uso político-ideológico da história e da utilização dos factos históricos em geral. Para Traverso os historiadores têm uma responsabilidade colectiva pela elaboração do passado e devem levá-la a cabo de uma forma crítica, distanciando-se de estereótipos culturais e de outras formas de condicionamento que se apresentam como discursos naturais construídos com objectivos muito precisos21. Nas palavras quase irónicas de Fentress e Wickham, «Uma sociedade tem que ter os seus heróis; … Uma sociedade também tem que ter os seus vilões – quanto mais não seja para manter ocupados os heróis. (…) A memória social parece estar efectivamente sujeita à lei da oferta e da procura.»22

Topo da página

Notas

1 Patrick O’Brien, «Historiographical traditions and modern imperatives for the restoration of global history», Journal of Global History, n.º 1, 2006, p. 38.

2 Carlo Ginzburg, «On the dark side of history», entrevistado por Trygve Riiser Gundersen, Eurozine, 11 Julho 2003.

3 Para uma abordagem crítica da explosão de estudos sobre a memória ver Kerwin Lee Klein, «On the Emergence of Memory in Historical Discourse», Representations, n.º 69, 2000, p. 127, consultado em: http://www.jstor.org/stable/2902903 ; ver também Susannah Radstone, «Memory Studies: For and against», Memory Studies, n.º 1, 2008, pp. 31-39, consultado em: http://mss.sagepub.com/content/1/1/31 ; Susannah Radstone (ed.), Memory and methodology, New York, Berg, 2000; Susannah Radstone e Bill Schwarz (ed.), Memory: Histories, Theories and Debates, New York, Fordham University Press, 2010; Alon Confino, «Collective Memory and Cultural History: Problems of Method», American Historical Review, n.º 102, 5, 1997, pp. 1386-1403.

4 São exemplo desta reflexão as seguintes obras de Traverso: Les Marxistes et la question juive, Montreuil, La Brèche-PEC, 1990; Les Juifs et l’Allemagne, de la symbiose judéo-allemande à la mémoire d’Auschwitz, Paris, La Découverte, 1992; L’Histoire déchirée, essai sur Auschwitz et les intellectuels, Paris, Editions du Cerf,1997; Pour une critique de la barbarie moderne: écrits sur l’histoire des Juifs et l’antisémitisme, Lausanne, Editions Page deux/Cahiers libres, 2000; La Violence nazie: Essai de généalogie historique, Paris, La Fabrique, 2002; e À Feu et à sang: De la guerre civile européenne, 1914-1945, Paris, Stock, 2007.

5 Pierre Nora associa a esta obsessão memorial a necessidade de referências que se traduz numa outra necessidade que marca a época em que vivemos, a de tudo arquivar. Pierre Nora, «Between Memory and History: Les Lieux de Mémoire», Representations, n.º 26, 1989, p. 13.

6 Patrick O’Brien caracteriza a tradição ocidental como sofrendo de miopia eurocêntrica; «Historiographical traditions…», p. 11.

7 «[Hegel’s ideas] clarified, and purported to explain, Europe’s geopolitical, technological and economic hegemony over the rest of the world.», O’Brien, «Historiographical traditions…», p. 11; a esse propósito, ver ainda Fernando Catroga, Os Passos do Homem como Restolho do Tempo: Memória e Fim da História, Coimbra, Almedina, 2009, p. 46. Traverso observará com certa amargura que, actualmente, os vencidos foram esquecidos e substituídos pelas vítimas, «object du secours des pays développés qui continuent de remplir, comme au XIXe siècle, leur mission civilisatrice, désormais enveloppés par le manteau idéologique des droits de l’homme». Traverso, Le passé, modes d’emploi…, p. 93.

8 O’Brien, por exemplo, tem dúvidas sobre a erradicação deste paradigma eurocêntrico. O’Brien, «Historiographical traditions…», p. 12.

9 Citado por Dipesh Chakrabarty, «Subaltern Studies and Postcolonial Historiography», Nepantla: Views from the South, n.º 1:1, 2000, p. 14.

10 Ver a importante contribuição de Geoff Eley, A Crooked Line: from cultural history to the history of society, Ann Arbor, The university of Michigan Press, 2008.

11 E. P. Thompson, The making of the English working class, London, Victor Gollancz, 1963.

12 Ver James Fentress e Chris Wickham, Memória Social, Lisboa: Editorial Teorema, 1992. No capítulo 1 os autores tratam da história da memória como fonte de conhecimento e chamam a atenção para a ausência de reflexão que existe sobre a «particular natureza da memória como fonte.», p. 14.

13 A guerra da Argélia e a descolonização da Índia são bons exemplos da forma como se pode construir a narrativa histórica de acontecimentos de acordo com conveniências de vária ordem, ditadas pelas elites, nomeadamente as elites políticas. A este propósito ver, por exemplo, Claude Liauzu, «Notes sur les archives de la guerre d’Algérie», Revue d’Histoire Moderne et Contemporaine, n.º 5, 2001, pp. 53-56; Bernard Alidières, «La guerra d’Algerie en France métropolitaine: souvenirs oubliés», Hérodote, n.º 1, 2006, pp.149-17, consultado em http://www.cairn.info/article_p.php?ID_ARTICLE=HER_120_0149 ; Daniel Lindberg, «Guerres de mémoire en France», Vingtième Siècle. Revue d’Histoire, n.º 42, 1994, pp. 77-96; Ranajit Guha, Subaltern Studies I: Writings on South Asian History and Society, Delhi, Oxford University Press 1982.

14 Fentress e Wickham, Memória Social…, p. 242.

15 Um caso muito próximo de Portugal diz respeito ao número de vítimas registado, na sequência da repressão que se seguiu ao fracassado golpe de Nito Alves, em Angola, a 27 de Maio de 1977. Ao que tudo indica as vítimas terão atingido alguns milhares, embora as autoridades angolanas defendam um outro número que não atingiria uma centena. Desde então, muitos familiares das vítimas têm-se constituído em comissões para que sejam reconhecidas as mortes e passadas as respectivas certidões de óbito. Sobre este assunto ver Jean-Michel Mabeko Tali, Dissidências e poder de Estado: O MPLA perante si próprio, 1974-1977, vol. 2, Luanda, Editorial Nzila, 2001.

16 Pierra Nora identifica os locais desta obsessão: «Museums, archives cemeteries, festivals, anniversaries, treaties, depositions, monuments, sanctuaries, fraternal orders – these are the boundary stones of another age, illusions of eternity». Ver: Pierre Nora, «Between Memory and History»....

17 Exemplo disto é o discurso de Jacques Chirac, enquanto Presidente da França, em Madagáscar, a 21 de Julho de 2005, relativamente aos massacres levados a cabo pelas forças armadas francesas em 1947 e que teriam feito um total de 40.000 vítimas. Com este discurso poderíamos dizer que Chirac conferiu existência a uma memória escondida da história colonial francesa. LDH Toulon http://www.ldh-toulon.net/spip.php?article778. Outro exemplo é a forma como o governo argelino determina a versão dos acontecimentos relativos à independência da Argélia. Ver Sylvie Thénault, «France-algérie pour un traitement commun du passé de la guerre d’indépendance», Vingtième siècle: Revue d’Histoire, n.º 1, 2005, pp. 119-128. Memória e História ligam passado e presente e esta relação está longe de ser pacífica.

18 Os Estados podem ignorar parcial ou totalmente os passados de outros Estados, em nome do que se chama hoje diplomacia económica. É o caso do tema dos direitos humanos em Angola, China, Rússia, entre muitos exemplos.

19 No entanto, esta consciência colectiva reflecte-se de forma diferente nos países. Os Estados Unidos da América, Israel, a Indonésia, entre outros, não reconhecem ao Tribunal Penal Internacional direito de julgar os seus cidadãos, não se inserindo, de certa forma, numa ordem internacional patrocinada pela ONU.

20 O que se passa actualmente em Espanha com o afastamento do Juíz Baltazar Garzón do seu posto na Audiência Nacional de Espanha é um exemplo de como é perturbante esta ligação.

21 Hobsbawm apela também à consciência dos historiadores, «If there is no suitable past, it can always be invented. … The past legitimizes. The past gives a more glorious background to a present that doesn’t have much to celebrate. … In this situation historians find themselves in the unexpected role of political actors.», Eric Hobsbawm, On History, London, Weidenfeld & Nicolson, 1997, pp. 6-7.

22 Fentress e Wickham, Memória Social…, p. 243.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Joana Pontes, « História, memória e política », Ler História, 60 | 2011, 185-192.

Referência eletrónica

Joana Pontes, « História, memória e política », Ler História [Online], 60 | 2011, posto online no dia 16 Fevereiro 2016, consultado no dia 28 Abril 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1546 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1546

Topo da página

Autor

Joana Pontes

CEHC – Instituto Universitário de Lisboa

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org