Navegação – Mapa do site
Estudos

O pioneirismo da Madeira no tratamento da tuberculose em meados do século XIX

L’action pionnière de Madère dans le traitement de la tuberculose au milieu du XIXe siècle
The pioneer of Madeira in the treatment of tuberculosis in the mid-nineteenth century
Ismael Cerqueira Vieira
p. 85-103

Resumos

Na primeira metade do século XIX, pelo seu clima ameno e tonificante, a ilha da Madeira tornou-se um centro terapêutico procurado por doentes tuberculosos portugueses e estrangeiros. Este artigo pretende analisar as condições naturais e políticas que permitiram à Madeira tornar-se uma estância climatoterápica e explicar o nascimento, desenvolvimento e gestão do primeiro hospital português para tratamento de tuberculosos, criado no Funchal, entre 1853 e 1858.

Topo da página

Texto integral

Introdução

  • 1 João José Cúcio Frada, A Gripe Pneumónica em Portugal Continental – 1918, Lisboa, Sete Caminhos, 20 (...)

1É sabido que a História da Medicina, da saúde, das ciências biomédicas e dos seus atores prendeu o interesse dos médicos e dos historiadores há várias décadas. Neste domínio, as doenças, sobretudo as doenças emblemáticas como as epidemias ou as de extenso impacto social (lepra, peste, sífilis, tuberculose, cancro e recentemente a SIDA), têm-se revelado personagens da história, marcando desde sempre os ritmos das civilizações. A tendência natural dos homens para compreender e controlar os processos mórbidos determinou não só transformações no processo cultural, mental e técnico mas ocasionou igualmente, pelas implicações epidemiológicas e demográficas, alterações profundas nos sistemas sociais, políticos e económicos1.

  • 2 Barbara Gutmann Rosenkrantz na introdução da obra «The White Plague». Cf. René Dubos e Jean Dubos, (...)
  • 3 Isabelle Grellet e Caroline Kruse, Histoires de la tuberculose: les fièvres de l’âme (1800-1940), P (...)

2Como é sabido cada época teve a sua doença emblemática: primeiro a lepra, a peste negra e a sífilis até meados do século XIX, logo a tuberculose na centúria que mediou entre 1850-1950, para depois da II Guerra Mundial o cancro e a SIDA assumiram o destaque. Durante o século XIX, a tuberculose tornou-se símbolo da cultura Oitocentista, por refletir os aspetos visíveis dos problemas sociais e económicos decorrentes da Revolução Industrial europeia2. Doença simbólica, a tuberculose atravessou a história dos Homens e escreveu ao mesmo tempo a sua própria história3, à custa dum movimento médico, político e social de caráter internacional que tinha por pretensão debelar esta doença.

3Antes da era da bacteriologia, as dificuldades dos clínicos em definir e tratar a tuberculose faziam dela uma entidade patológica intratável e com múltiplas designações. A tuberculose pulmonar era designada na época por tísica, que em grego significava emagrecimento, com o sentido de evidenciar o grande desgaste físico dos doentes. O outro ponto da questão era o tratamento que até meados do século XX permaneceu uma incógnita. Na vã tentativa de tratar os doentes os médicos recorriam às terapêuticas multisseculares assentes nas dietas especiais, na polifarmácia e na climatoterapia.

  • 4 José Maria Lopez Piñero no prólogo à obra de Maria José Báguena Cervellera, La tuberculosis y su hi (...)

4No campo na historiografia, após um primeiro período no qual imperou uma história da medicina essencialmente voltada para as grandes personalidades e para as instituições, desprezando o retrospeto das enfermidades e o seu papel na vida das sociedades pretéritas, começou-se a valorizar o estudo das doenças. Neste domínio, o interesse dos estudiosos recaiu sobre as doenças e a sua relação com o ambiente. O ponto de partida deste enfoque ecológico tinha sido o tratado hipocrático sobre os ares, as águas e os lugares, que sob perspetivas distintas se cristalizou em novas abordagens no século XIX4. Por aqui se percebe a tendência para a publicação de trabalhos que relacionavam a situação geográfica dos fatores condicionantes das doenças e inversamente a utilização das vantagens geográficas e climatológicas para o tratamento das mesmas. É justamente a climatoterapia e o recurso a estações climatoterapêuticas para o tratamento da tuberculose que focaremos neste estudo, estudando o caso da ilha da Madeira do ponto de vista das suas características climáticas aplicadas à terapêutica da tuberculose pulmonar. Foi neste quadro de pensamento que a Madeira se tornou um ícone internacional no que concerne ao tratamento climático. A ilha foi procurada pelo seu clima marítimo temperado e tonificante, onde tuberculosos de diferentes camadas sociais, incluindo a realeza europeia, aí procuraram a cura das suas enfermidades. Em meados de Oitocentos, concomitantemente ao arranque do movimento sanatorial na Alemanha e Suíça, nasceu o primeiro hospital para tratamento de tuberculosos pobres na Madeira por determinação da imperatriz viúva de D. Pedro IV, que será também alvo de estudo.

5Este artigo tem como objetivos, primeiro, enquadrar a procura da ilha da Madeira por doentes tuberculosos durante a primeira metade do século XIX, incidindo a análise nos fatores ambientais da ilha e nas circunstâncias políticas que a popularizaram. Em segundo lugar pretende-se fazer uma síntese histórica dos antecedentes da criação do Hospício Dona Maria Amélia e uma análise retrospetiva da instituição que encabeçou a luta contra a tuberculose na ilha, nos campos do funcionamento administrativo e clínico.

6Com isto pretendemos contribuir para o entendimento duma das fases mais precoces da história da luta contra a tuberculose em Portugal na sua feição médico-científica e assistencial. Ao nível médico-científico destacaremos a importância do reconhecimento das especificidades climatológicas insulares e algumas características sanitárias que contribuíram para atrair os pulmo-tuberculosos. Com a abordagem assistencial destacaremos o funcionamento interno do hospício do Funchal, de forma a perceber as motivações que presidiram à sua fundação e o funcionamento interno partindo da análise das esferas de ação e decisão do seu funcionalismo. Por último, enquadraremos a prestação de cuidados e tratamento no âmbito das doutrinas médicas da época, por um lado, e procurar reconstituir de forma sintética o movimento nosocomial entre 1853 e 1858, datas para o qual é possível conhecer a atividade do hospício.

1. A Madeira: centro de tratamento de doenças pulmonares

  • 5 João Curvo Semedo, Polyanthea Medicinal: Noticias Galenicas, e Chymicas, repartidas em tres Tratado (...)
  • 6 Augusto da Silva Carvalho, Apontamentos para a História da Tuberculose, separata de A Medicina Cont (...)
  • 7 Thomas Beddoes, Essay on the causes, early signs and prevention of pulmonary consumption for the pa (...)

7A ilha da Madeira destacou-se no século XIX como instância de climatoterapia da tuberculose pulmonar e de outras doenças respiratórias. A procura dum clima propício para a cura da tísica era uma preocupação antiga dos médicos europeus. Já Curvo Semedo considerava os ares de Beja, Évora e Algarve como os mais aconselhados para os tísicos, por serem pouco húmidos em relação aos de Lisboa5. Também Duarte Rebelo de Saldanha aconselhava os ares do Campo Grande e de Sintra6 por serem menos húmidos. O inglês Thomas Beddoes mencionou que um médico seu amigo estivera em Portugal durante dois invernos e era prática frequente enviar os tísicos de Lisboa para as cidades alentejanas7.

8Um pouco por toda a Europa, o tratamento da tísica pelo clima era considerado mais eficiente do que os medicamentos utilizados para o mesmo fim. A generalidade dos países europeus tinha estâncias climatoterapeuticas acreditadas para tratar os tuberculosos. Na Inglaterra, na França, na Itália, na Alemanha, na Bélgica, na Espanha, e fora da Europa, no Egito e nas Canárias existiam lugares propícios para o tratamento da tuberculose. Embora a terapia pelo clima fosse tão incerta como qualquer outro meio de cura era muito aconselhada para o alívio dos sintomas e para a prevenção do aparecimento ou desenvolvimento da doença nos indivíduos predispostos. Foi nesta linha de pensamento que a Madeira começou a ser procurada como estância climatoterápica.

9As vicissitudes económicas e políticas da história contemporânea fizeram da Madeira um importante ponto comercial do Atlântico. A neutralidade peninsular face à guerra entre Inglaterra e França não durou muito tempo, uma vez que depois da Guerra do Rossilhão, a Espanha negociou bilateralmente com a França deixando Portugal, tradicional aliado dos ingleses, numa posição débil no contexto ibérico e continental, uma vez que a França queria forçar Portugal a fechar os seus portos aos ingleses. O golpe do 18 do Brumário, que catapultou Napoleão ao poder após a campanha do Egito, permitiu aos franceses retomar o projeto da invasão de Portugal. Todavia, foi preciso esperar até 1807 para que as tropas de Junot invadissem o território nacional.

  • 8 Ana Cristina Bartolomeu de Araújo, «As invasões francesas e a afirmação das ideias liberais», in Jo (...)

10Nesta conjuntura, Portugal negociou com Inglaterra a convenção que levou à fuga da família real para o Brasil e a invasão da ilha da Madeira8, transformando-a numa plataforma onde portugueses e ingleses puderam planear as intervenções militares no continente. A presença de ingleses na ilha gerou relações comerciais duradouras entre a Madeira e Inglaterra, baseadas, entre outros produtos, no comércio do vinho. Por outro lado, o Bloqueio Continental ao fechar os portos europeus aos ingleses, impossibilitou aos doentes o acesso aos principais centros de tratamento localizados na Riviera francesa e na Itália. Estes acontecimentos tornaram a Madeira no principal centro de tratamento climático ao dispor dos ingleses, que aí passaram a afluir em grande número. Mesmo após a saída das tropas britânicas da ilha, depois da capitulação de Napoleão em 1815 e da mudança do quadro político internacional, o número de ingleses não diminuiu significativamente, não só para beneficiar do clima mas porque as próprias viagens marítimas entre o ponto de partida e a Madeira eram consideradas terapêuticas per se.

  • 9 Francisco António Barral e Augusto Carvalho da Silva referem as seguintes publicações: Fothergill – (...)
  • 10 Nicolau C. B. Pitta, Accounts of Madeira, Londres, 1812 citado por Francisco António Barral, Notíci (...)

11A fixação de mercadores e homens de negócios britânicos possibilitadas pelas relações comerciais permitiram a difusão dos benefícios do clima da Madeira para o tratamento dos poitrinaires. As primeiras notícias acerca dos benefícios do clima madeirense são-nos dadas por médicos ingleses que visitaram a ilha9, embora os clínicos portugueses também tenham escrito acerca do clima madeirense e da sua influência no tratamento da tísica pulmonar, dentro da lógica duma história ecológica das doenças. O primeiro a fazê-lo foi Nicolau Pita em «Account of Madeira» (1812), sendo essencialmente uma narração descritiva sobre o clima, geografia física, política e administrativa10. Em 1832, Francisco de Assis de Sousa Vaz, defendeu a sua tese em Paris intitulada «De l’influence salutaire du climat de Madère (île portugaise) dans le traitement de la phthisie pulmonaire et de la superiorité de cette influence sur celle des climats du sud de la France et de l’Italie», onde comparou os climas de França e Itália com o da Madeira, defendendo a vantagem deste último. P. J. Vieira e César Augusto Mourão Pita defenderam em Montpellier as teses intituladas «Études médicales sur le climat de Madère» (1852) e «Du climat de Madère et de son influence thérapeutique dans le traitement des maladies chroniques en général et en particulier de la thisie pulmonaire» (1859). Francisco António Barral publicou em 1854 a «Notícia sobre o clima do Funchal e sua influência no tratamento da tísica pulmonar», onde analisou as características da ilha e as vantagens do seu aproveitamento terapêutico, analisando a geologia e meteorologia, a pressão barométrica, a temperatura, a meteorologia, a fauna e a flora.

  • 11 António Ramalho Almeida, O Porto e a Tuberculose. História de 100 anos de luta. Porto, Fronteira do (...)
  • 12 Francisco António Barral, Notícia sobre o clima do Funchal e sua influência no tratamento da tísica (...)

12O que tornava a Madeira benquista dos médicos era o conjunto das condições climatéricas e higiénicas que a ilha e a cidade do Funchal apresentavam. Era «o casamento do ambiente marítimo com a altitude, com a luxuriante e frondosa vegetação, com a excelente exposição solar, e ainda com as temperaturas amenas, durante todo o ano»11 que faziam da Madeira o local ideal os tísicos. A Madeira oferecia simultaneamente um clima montanhoso e marítimo, congregando baixas pressões atmosféricas e ar puro, uma flora rica e variada, uma insolação abundante e temperaturas amenas com poucas variações ao longo do ano. A temperatura média anual rondava os 68º F/20º C, descendo nos meses mais frios, de dezembro a março, até aos 62º F/17º C e nos meses de estio não se elevava além dos 73º F/23º C. A amenidade da temperatura era constante durante todo o ano, com pequenas variações durante o dia, entre o dia e a noite e entre os dias sucessivos, meses e estações12.

  • 13 Francisco António Barral, Notícia sobre o clima do Funchal…, pp. 142-143 e 152-154.

13Quanto à higiene e salubridade pública apesar das ruas serem estreitas e tortuosas, a existência de várias praças e jardins associada à baixa altura das casas facilitava a ventilação e a insolação por grandes períodos de tempo ao longo do dia e do ano. No essencial, as ruas eram limpas e existia um sistema de esgotos subterrâneo que encaminhava os detritos diretamente das casas para o mar. As casas existentes na cidade eram descritas como tendo sistema de água canalizada nas várias divisões da habitação e casas de banho para a higiene e asseio pessoal. A inexistência de pântanos e águas estagnadas era uma mais-valia para a profilaxia de doenças epidémicas transmitidas através das águas como o paludismo, tifo ou cólera. As casas das classes laborais eram igualmente salubres e bem ventiladas, com janelas nas várias divisões. Somente as casas dos mais pobres e dos camponeses apresentavam más condições. A cidade era provida ainda de um mercado, dum matadouro com boas condições higiénicas, e de algumas pequenas fábricas de velas de cera, refinação de açúcar, curtumes, destilação de aguardente, fornos de cal e estufas de vinho.13

14Na ótica de Barral, a Madeira tinha para oferecer muito mais do que um clima ameno e quente durante todo o ano, mas também boas condições para que os doentes forasteiros a pudessem habitar durante o tempo necessário à terapêutica. O clima era propício à cura das moléstias do foro pulmonar, contando também com os outros fatores apontados, nomeadamente a boa insolação e ventilação das ruas, a vegetação abundante, que proporcionava um ar puro, as condições habitacionais decentes e a limpeza geral, inusual em grande parte das grandes cidades como o Porto ou Lisboa.

  • 14 Idem, pp. 23 e 226-229.

15As boas condições climatéricas da ilha e os benefícios tão elogiados por médicos de renome internacional conduziram à Madeira um grande número de nacionais e estrangeiros entre 1848-1852: 1601 ingleses, 51 portugueses, 32 americanos, 31 alemães, 7 russos, 4 franceses, e 2 italianos14. A justificação para o predomínio dos ingleses vem das relações políticas e sobretudo comerciais que os britânicos mantinham com a Madeira. No fundo da lista vinham franceses e italianos, o que era óbvio pela existência de estâncias terapêuticas na costa mediterrânica. O número de portugueses continentais que viajaram até a Madeira para se tratarem foi somente de 51, número irrelevante quando comparado com o de ingleses. Concorriam para esse facto as dificuldades de transporte, a falta de espírito aventureiro, a recusa de separação da família durante o período de tratamento e a falta de informação.

  • 15 Rui Carita, Funchal: uma porta para o mundo, Lisboa, CTT, 2008, p. 28.

16Quanto ao transporte devemos dizer que os ingleses estabeleceram carreiras regulares de viagens da Inglaterra para a Madeira, transportando cerca de vinte a trinta doentes em cada viagem entre os meses de outubro e novembro, para aí passarem o inverno. Alguns dos doentes famosos que por lá passaram eram membros da realeza europeia como a arquiduquesa Leopoldina da Áustria, o príncipe Maximiliano Napoleão de Leuchtenberg, a rainha Adelaide de Inglaterra e a imperatriz consorte Isabel da Áustria-Hungria, «Sissi»15.

  • 16 Francisco José da Cunha Vianna, «Hospicio da Princeza Dona Maria Amélia», Gazeta Médica de Lisboa, (...)

17Os ingleses que procuravam o clima da Madeira instalavam-se em residências particulares pela inexistência de hospitais para o efeito. Existiram alguns projetos de criação de um estabelecimento para a cura de tísicos britânicos pobres mas saíram sempre malogrados. Em 1849, Lord Grosvenor, que vendo uma filha curada duma tísica na Madeira queria iniciar a construção dum estabelecimento destinado ao tratamento por parte duma associação criada para esse efeito, mas desentendimentos entre os filantropos impediram a concretização da obra16.

18Em 1853, por iniciativa da imperatriz D. Maria Amélia criou-se um novo hospício na cidade do Funchal, destinado ao tratamento de doentes com tísica e outras moléstias respiratórias suportado pela própria imperatriz.

2. A fundação do Hospício D. Maria Amélia

19A Madeira mercê dos bons fatores naturais e das vicissitudes políticas e económicas das primeiras décadas do século XIX tornou-se bastante procurada por doentes estrangeiros e nacionais.

20Para lá dirigiu-se a princesa D. Maria Amélia, filha do segundo matrimónio do rei D. Pedro IV com a rainha D. Maria Amélia de Beauharnais, procurando cura para a tísica de que padecia. D. Pedro IV, seu pai, já havia morrido tuberculoso em 1834 no palácio de Queluz. Depois da sua morte, a filha e esposa foram viver para a Áustria, junto da família materna onde se estabeleceram de 1838 até 1850, data em que regressaram a Lisboa. No ano seguinte a princesa foi atacada por febres intermitentes, seguida de escarlatina e de laringite. Pouco depois contraiu tuberculose e partiu para a ilha da Madeira em 1852, instalando-se na Quinta Lambert, acompanhada pela mãe e pelo médico Francisco António Barral. A 4 de fevereiro de 1853, cinco meses depois de se instalar no Funchal, sucumbiu à enfermidade.

21A imperatriz D. Maria Amélia, ficando de luto pela filha, não quis deixar de agradecer aos madeirenses a sua hospitalidade, pelo que procurou criar um hospício para que os doentes tuberculosos aí pudessem ser tratados gratuitamente:

  • 17 Francisco José da Cunha Vianna, Hospicio da Princeza…, p. 137.

«A Augusta Viuva do Senhor Dom Pedro IV, que com mão generosa e caritativa tantas lagrimas tem enxugado, a tantas afflicções acudido, e soccorrido tantos estabelecimentos pios, quiz que os beneficios do clima suave e reparador da ilha da Madeira, podessem ser logrados tambem por aquelles, que, não sendo abastados, fossem victimas da terrivel enfermidade, que tão cêdo a deixára orphã dos carinhos e ternura do mais acrisolado amôr filial.»17

22Este testemunho de Francisco Viana mostra que a criação do hospício do Funchal teve como base a iniciativa caritativa da rainha, que pretendeu com a sua iniciativa acudir às pessoas que padecessem da mesma doença que vitimou a filha e que não tivessem recursos para o fazer. Mas a ação filantrópica e assistencial do hospício não esgotou as suas funções, já que ficou designado que funcionaria como centro de investigação da tísica pulmonar nos campos da estatística, dos fatores causais da doença e do estudo do tratamento neste clima.

  • 18 «Regulamento do Hospício da Princeza D. Maria Amélia», Gazeta Médica de Lisboa, Lisboa, Imprensa Na (...)

23Em 1853 foi arrendado um edifício, por cinco anos, para acolher e tratar os primeiros doentes. Tinha capacidade para albergar vinte e quatro doentes, doze de cada sexo, naturais da Madeira, podendo ser igualmente recebidos doentes do continente ou do Brasil por recomendação da imperatriz. Os doentes para serem admitidos tinham de ser «pobres, de vida honesta, e não ter menos de quinze annos de idade»18.

  • 19 Francisco José da Cunha Vianna, Hospicio da Princeza…, pp. 137-138.

24O hospício funcionou num edifício reparado e com boas condições para acolher doentes. Tinha uma morgue com espaço para se proceder a autópsias, rouparia e casas de banho. As salas eram revestidas com papel de parede onde se liam passagens bíblicas que exortavam os doentes à paciência e resignação, sendo certamente uma estratégia de controlo do comportamento dos doentes, pelo apelo ao sentido religioso e moral dos internados. O mobiliário, propositadamente feito para o hospício, era novo, de qualidade mas singelo. As camas eram de ferro, guarnecidas com enxergão, colchão, travesseiro e almofadas para o doentes estarem cómodos. Existiam cadeiras de encosto com diferentes inclinações para os doentes mais debilitados, cadeiras de palhinha, mesas para comer na cama e bancos no jardim. O asseio era geral por todo o hospício, as divisões eram bem ventiladas, existia água canalizada quente e fria e roupas em abundância para as diversas estações. Os quartos, a roupa e os utensílios eram diferentes para funcionários e doentes19. A julgar pela veracidade das informações, as condições de habitação e tratamento eram excelentes para a época, muito diferentes dos demais hospitais existentes no Funchal. A repugnância das condições hospitalares tinha como frequente consequência a procura tardia dos tratamentos médicos e quase sempre em fases terminais da doença. Foi nesse sentido que o hospício foi dotado de boas condições e equipamentos, para que os doentes fossem procurar ajuda numa fase primária da moléstia, numa fase em que era possível ser curada.

2.1. Administração e gestão hospitalar

25A administração e a gestão do hospício cabiam a diferentes funcionários, sendo evidente a partilha de tarefas entre os intervenientes que asseguravam a gestão do hospício.

26O quadro 1 permite-nos evidenciar a multiplicidade de funções exercidas e a intervenção das diferentes figuras de poder nas funções de gestão do nosocómio.

Quadro 1: Distribuição das funções de gestão hospitalar

Quadro 1: Distribuição das funções de gestão hospitalar

27A comissão administrativa, composta pelo presidente, tesoureiro e secretário, exercia sobretudo funções burocráticas, executivas, fiscalizadoras e clínicas. Cada um dos membros da comissão tinha competências próprias que podiam ou não relacionar-se com as funções exercidas coletivamente.

28Do mesmo modo também os outros funcionários do hospício exerciam múltiplas funções, acumulando diversas tarefas. O médico, a regente, o enfermeiro e mesmo a cozinheira desempenhavam tarefas simultaneamente nos campos da burocracia, da economia e finanças, da administração, do policiamento e da fiscalização. Pode-se dizer que a ação dos funcionários era multifacetada, como prova o caso do médico que acumulava as funções clínicas com outras de índole burocrática, administrativa e disciplinar. A regente era outro caso em que estava ligada à gestão económica, administração, secretariado e policiamento.

29As funções burocráticas e administrativas eram partilhadas por várias pessoas, salvaguardando o grau de importância das decisões a serem tomadas. Esta divisão de poderes, na área burocrática e administrativa, justificava-se pela complexidade da gestão da instituição, já que era necessário o relacionamento com o poder local e central, efetuar a escrituração e a contabilidade do hospício, produzir relatórios, inventários, róis de materiais recebidos e gastos, papeletas dos doentes, sua evolução e terapêutica, estatísticas, etc.

30Ao presidente cabia a correspondência com o representante da imperatriz em Lisboa e com as autoridades madeirenses, a convocação da comissão para deliberação de assuntos vários, o apuramento das votações e direção dos trabalhos da comissão. Devia ainda assinar a conta corrente anual das receitas e despesas do Hospício e encerrar, rubricar e numerar cada uma das folhas dos livros da escrituração.

  • 20 Regulamento do Hospício…, Art. 14.º, alíneas 3.º a 5.º e Art. 15.º.

31O tesoureiro fazia os pagamentos dos ordenados, da compra de géneros, do aluguer do edifício e da conta da botica. Ao nível burocrático fazia a escrituração financeira e elaborava o relatório anual de contas para ser enviado a D. Amélia20. Ao secretário competia tratar de todo o expediente da comissão, mantendo a correspondência com a imperatriz e com as autoridades locais, quando não fosse possível ao presidente fazê-lo.

  • 21 Regulamento do Hospício…, Art. 17.º, alíneas 6.º, 7.º e 17.º.
  • 22 Regulamento do Hospício…, Art. 21.º, alíneas 13.º, 15.º e 22.º.
  • 23 Regulamento do Hospício…, Art. 22.º, alíneas 3.º, 4.º, 7.º, 8.º, 9.º e art. 63.º.

32Ao médico cabia a escrituração do registo médico e da conta dos serviços clínicos, assinando a conta, estatísticas e receitas, e também escriturar as altas médicas e as declarações de óbito21. A regente tinha de apontar minuciosamente os géneros recebidos, estabelecendo uma relação entre os bens e materiais rececionados e os utilizados, apontar as peças de roupa entregues à lavadeira, as desaparecidas ou perdidas, participar por escrito casos de desobediência e desrespeito a ordens superiores e administrar os Sacramentos em caso de morte22 e fazer a distribuição do serviço das enfermeiras. O médico e a regente conjuntamente concediam as licenças aos doentes para receber visitas ou saírem do estabelecimento, a permissão aos empregados para saírem dos hospício e mantinham a comissão informada sobre o funcionamento do hospício a todos os níveis. Por sua vez, o enfermeiro tratava da restante papelada, mantendo os processos atualizados no que concernia aos remédios e dietas, escrituração do livro de entradas dos doentes e realizar a estatística clínica anual23.

  • 24 Regulamento do Hospício…, Art. 12.º, alínea 4.º; Art. 14.º, alíneas 1.º, 2.º e Art. 15.º.

33A responsabilidade financeira pertencia ao tesoureiro e ao presidente. O tesoureiro recebia e guardava a verba destinada à manutenção do hospício e executava os diversos pagamentos como os ordenados dos funcionários, o aluguer do edifício, a conta da botica, os gastos com alimentação, vestuário, etc. O presidente verificava as receitas e despesas e assinava as contas do hospício24.

  • 25 Regulamento do Hospício…, Art. 21.º, alínea 2.º.
  • 26 Regulamento do Hospício…, Art. 26.º, alínea 2.º.

34A gestão económica, compreenda-se dos recursos materiais não monetários, cabiam à regente. Ela devia «receber por inventário, arrecadar e guardar todo o material do hospício, e responder por elle»25. Sendo a responsável por todo o tipo de material, a comissão administrativa incumbia-lhe a tarefa de fazer um balanço mensal das roupas, utensílios, móveis, etc., para uma melhor gestão dos bens do hospício. Os géneros alimentares eram os mais fiscalizados porque a alimentação continuava a ser um elemento determinante na terapêutica e por isso os alimentos eram cuidadosamente comprados, guardados e controlados. A regente entregava diariamente os alimentos por conta, peso e medida à cozinheira para a alimentação de empregados e doentes, cabendo-lhe repartir as dietas em rações26. A regente zelava ainda pelo estado e limpeza da roupa entregando-a com frequência à lavadeira para não acumular.

  • 27 Vide a propósito da cura pela alimentação, Pierre Guillaume, Du désespoir au salut: les tuberculeux (...)

35Existia de facto uma enorme preocupação no controlo dos pertences do hospício e uma tendência para inventariar com minúcia todos os pormenores, sendo de destacar o cuidado com os géneros alimentares e o vestuário. Os alimentos eram muito importantes não só por serem essenciais à subsistência de empregados e doentes, mas porque os alimentos faziam parte do próprio arsenal terapêutico. Determinados alimentos, particularmente o leite, os caldos, as carnes eram vistos à luz da medicina da época como medicamentos específicos contra a tuberculose27, pelo que a sua proteção e controlo era cerrado e constante, pois deles dependiam em parte o sucesso da terapia.

  • 28 Regulamento do Hospício…, Art. 20.º, alínea 4.º.

36Num local como um hospital, onde existem pessoas de proveniência, educação e profissões distintas, tornava-se necessário zelar pela boa dos doentes e restante pessoal médico e auxiliares. A fiscalização do comportamento dos doentes e do trabalho dos empregados era estrito, cabendo à regente e ao facultativo essa missão. O médico podia entrar a qualquer hora no hospício «não só para visitar os doentes, mas para examinar e fiscalizar a maneira por que se faz o serviço»28, podendo admoestar ou despedi-los de acordo com a gravidade da falta cometida. Ao médico competia também repreender ou expulsar os doentes por má conduta ou se estivessem no hospício contra a sua vontade. O policiamento do asseio, limpeza e bom funcionamento do hospício, em particular nas enfermarias e cozinha, pertencia à regente, tal como do comportamento dos enfermos.

37Nos meados do século XIX, o Hospício do Funchal foi um caso isolado de uma instituição destinada especificamente ao tratamento da tísica pulmonar. Este hospício tinha uma dupla natureza: por um lado hospital, destinado a proceder ao tratamento climatoterapêutico da doença, num período onde a medicação era tão incipiente quanto falível, e por outro lado hospício, isto é, asilo por tempo determinado cuja principal missão era distribuir roupas, remédios e alimentos pelos doentes pobres em regime de internato.

2.2. O funcionamento hospitalar

38O corpo clínico do Hospício D. Maria Amélia era constituído por um médico, uma regente, um enfermeiro e quatro enfermeiras. Existiam também uma cozinheira e vários moços que desempenhavam funções menores de auxílio à ação médica.

39O médico do hospício, Dr. António da Luz Pita, que à data da fundação da instituição era deputado às Cortes, abdicou da função política para exercer medicina neste hospital, acumulava o cargo de clínico com o de professor da Escola Médico-cirúrgica do Funchal.

40As principais funções do médico consistiam em examinar e aprovar a entrada dos doentes e acompanhar os casos clínicos de cada enfermo, prescrevendo as dietas, determinando o tipo de tratamento e remédios e os horários em que estes deveriam decorrer. Prestava os esclarecimentos necessários à regente e enfermeiro na administração de remédios e refeições como também solicitava informações ao enfermeiro e enfermeiras quanto ao tratamento dos doentes.

  • 29 Regulamento do Hospício…, Art. 22.º, alíneas 5.º e 6.º e Art. 24.º, alíneas 1.º a 7.º.

41A regente encarregava-se, conjuntamente com o enfermeiro e enfermeiras, de distribuir e administrar os medicamentos e as refeições aos doentes. O enfermeiro realizava os curativos, especialmente aos homens, e ensinava as enfermeiras a fazer curativos, dirigindo-as no tratamento dos cáusticos, cautérios, sedenhos e úlceras. As enfermeiras deviam tratar do asseio das camas e da enfermaria em geral29. A cozinheira tinha tarefas de auxílio à medicina, nomeadamente na conservação dos caldos, que fazia parte do arsenal terapêutico, e ter água quente sempre pronta para o serviço das enfermarias.

  • 30 Richard Harrison Shryock, National Tuberculosis Association (1904-1954), A Study of the Voluntary H (...)

42A impossibilidade de definir em concreto a etiologia da tuberculose, até à descoberta do germe responsável em 1882, determinou que as terapêuticas empregues visassem na sua maioria combater os sintomas da doença, como a anorexia, a diarreia, a tosse, a hemoptise e a febre. Apesar de nos meados do século XIX a tísica já não ser considerada como um general state  30 confundível com asma, bronquites e inflamações, a característica principal da terapêutica era o seu empirismo. A ignorância total acerca da etiopatologia da tuberculose levava os médicos a prescrever terapias baseadas nas doutrinas galénicas, brownistas e aeristas.

  • 31 René Dubos e Jean Dubos, The White Plague: Tuberculosis…, p. 135.

43O que observamos nas terapias descritas por António da Luz Pita nos relatórios anuais foi a sua filiação a quatro tendências terapêuticas, algumas das quais provenientes do século imediatamente anterior. As doutrinas seguidas eram essencialmente produto dos sistemas médico-filosóficos mais do que da medicina anatomoclinicista, desenvolvida desde as primeiras décadas de Oitocentos. A constatação de Dubos31, de que os métodos terapêuticos derivados da experiencia empírica ou de considerações hipotéticas, eram empregues baseados na autoridade dos médicos que estavam em voga parece adaptar-se ao caso do hospício. Deste modo, as terapêuticas sucediam-se umas após outras sem qualquer êxito, baseadas apenas nas modas e tendências.

  • 32 Richard Harrison Shryock, National Tuberculosis…, p. 12.
  • 33 Pierre Guillaume, Du désespoir au salut…, pp. 62-63.
  • 34 Rodrigo António Teixeira Guimarães, O tratamento climaterico da tuberculose pulmonar e a Serra da E (...)

44A doutrina galénica preconizava fundamentalmente a evacuação dos maus humores através de clisteres, purgas e sangrias. A doutrina brownista, desenvolvida por John Brown no século XVIII, defendia o uso de remédios ora excitantes ou calmantes, como o álcool e o ópio, para combater a tuberculose32. A corrente aerista, bastante seguida em Portugal, centrava-se na exposição dos doentes ao ar, apesar de se procurar menos a pureza do ar do que as propriedades específicas dele, ou seja, o ar natural e puro eram preteridos a favor do ar artificial carregado de substâncias tidas como medicamentosas33. O ar puro era considerado nocivo para os doentes de peito e era preferível o ar impregnado de vapores sulfurosos, carbónicos ou creosotados, que era administrado através de fumigações ou inalações. No caso particular do clima marítimo da Madeira, o ar caracterizava-se pela predominância do azoto sobre o oxigénio e pela abundância de ozono, cloretos, brometos e iodetos, sendo o mais abundante o cloreto de sódio. Estes elementos gasosos e minerais eram tidos, à luz da época como antissépticos, contribuindo para a melhoria do pulmão afetado. Rodrigo Guimarães defendia, na sua tese inaugural, que a atmosfera dos climas marítimos, de que o madeirense era paradigmático, era pura. Contribuía para essa pureza a intensidade luminosa e a acumulação de oxigénio, a ação antisséptica das substâncias iodo-bromadas e a agitação quase constante da atmosfera resultante da diferença da temperatura da terra e do mar34.

  • 35 René Dubos e Jean Dubos, The White Plague…, p. 139.

45A terapia alimentar tinha também uma enorme importância pois Broussais havia observado que a tuberculose, a par de outras doenças, era acompanhada de problemas intestinais e hepáticos (associado geralmente a diarreias). A cisão estava nos que criam numa alimentação fortificante, alicerçada na ingestão de carnes, e os que postulavam uma dieta ligeira, fundamentada na ingestão de caldos, legumes e doces. Na década de 1840 apareceu o óleo de fígado de bacalhau que passou a integrar o arsenal medicamentoso35.

46O médico do Hospício não se afastou das correntes terapêuticas da época utilizando todas as categorias de medicamentos disponíveis e enquadráveis nas correntes que acabamos de descrever sumariamente.

Quadro 2: Terapêutica instituída no Hospício.

Quadro 2: Terapêutica instituída no Hospício.

Fonte: António da Luz Pitta, «Hospicio da Princeza D. Maria Amelia no Funchal», Gazeta Médica de Lisboa, Lisboa, Imprensa Nacional, Tomo 4, n.º 81 (Mai. 1856), pp. 129-132.

  • 36 Mirko D. Grmek (dir.), Histoire de la pensée médicale en Occident, vol. 2, «De la Renaissance aux L (...)

47Verificamos a partir do quadro 2 que existe uma divisão dos medicamentos em grupos que denotam a filiação às teorias hipocrática e galénica, designadamente a existência de vomitivos, expetorantes e revulsivos, isto é, produtos que pretendiam limpar o organismo por dentro, livrá-lo dos maus humores e dos problemas digestivos por ele causados. Em segundo lugar verifica-se também a existência de tónicos e de sedativos, conotado às teorias brownistas e neuropatológicas, que sustentavam que as doenças se deviam ora a estados de excitação e debilidade no primeiro caso, ora a anomalias do tónus das fibras vivas36. Os tónicos e os sedativos eram empregues, nesta aceção, como excitantes para os corpos débeis (álcool) ou como calmantes nos estados de excitação (láudano).

48O médico destrinça o tratamento para os estados corporais dos tratamentos dos sintomas, embora não fossem compartimentos estanques. Nos sintomas das dispepsias e diarreias eram usados sobretudo produtos de origem mineral e vegetal, como águas, carbonatos e pós. No tratamento dos suores os medicamentos eram de origem mineral, com ênfase nas águas minerais, e vegetal dos derivados de quinina em conjunto com ácidos. No tratamento das hemoptises eram utilizados remédios que funcionavam essencialmente como adstringentes.

49De todos os produtos mencionados pelo médico tinha primazia o óleo de fígado de bacalhau, quando bem tolerado pelo sistema digestivo. O ferro e a quina usados para a anemia e as águas de Vichy no tratamento dos problemas gastrointestinais eram os preferidos deste clínico. A incapacidade curativa destes remédios justificava a polifarmácia utilizada neste como em todos os hospitais da altura.

2.3. O movimento hospitalar:1853-1858

50Os relatórios anuais do hospício permitem-nos verificar a evolução da entrada dos doentes nas categorias de idade, género sexual, estado civil, profissão, naturalidade e patologia.

51Durante o período de 1853 a 1858, os primeiros anos de funcionamento do Hospício e os únicos para os quais encontramos suporte documental, entraram no total 428 doentes distribuídos do seguinte modo:

Quadro 3: Entrada de doentes por idade.

Quadro 3: Entrada de doentes por idade.

Fonte: Gazeta Médica de Lisboa (1854-1859).

52Na contabilização dos doentes por idade tivemos de separar o primeiro ano, cujo intervalo etário usado foi distinto do usado nos anos subsequentes.

  • 37 Antonio da Luz Pitta, «Relatório apresentado á Commissão Administrativa do Hospicio da Princeza Don (...)

53Ao longo destes seis anos passaram pelo Hospício 428 doentes com uma distribuição numérica anual muito próxima, entre as sete e as oito dezenas, à exceção do ano de 1853 com um número de trinta e seis doentes pelo facto de só ter recolhido doentes no segundo semestre do ano, altura em que foi inaugurado. No ano seguinte, o número de doentes subiu para 65. A maior procura dos serviços do hospício deu-se a partir de 1855 com 80 doentes admitidos, atingindo o máximo em 1856, ano particularmente difícil por ter havido um surto de cólera em Portugal que também atingiu a Madeira. A epidemia colérica repercutiu-se no menor número de doentes recebidos em 1857. Durante a epidemia alguns doentes e funcionários foram atingidos, nomeadamente duas enfermeiras e dois pacientes que faleceram37. Em 1858, o número de doentes elevou-se novamente.

54Se atendermos às entradas por faixa etária verificamos que a maioria dos doentes estava entre os 15 e os 40 anos, sendo que é no grupo dos 20 aos 30 anos que a doença mais se faz sentir. A maior incidência nestas idades dever-se-á ao facto de coincidir com o período de vida ativa/laboral dos doentes, sendo por isso mais propensos à contração de tísica nos ambientes fechados ou de maior contacto com pessoas. No entanto faltam os dados relativos ao grupo etário anterior aos 15 anos, que não foram apurados devido à convenção da idade de 15 anos para ser admitido no hospício.

  • 38 Vide: Cláudio Bertolli Filho, História Social da Tuberculose e do Tuberculoso: 1900-1950, Rio de Ja (...)

55No que concerne à divisão por sexo, predominou a entrada de mulheres sobre os homens. Excluindo o ano de 1853 para o qual não há dados numéricos por género, o total de doentes masculinos foi de cento e cinquenta (38%) contra duzentos e quarenta e dois (62%) femininos, ou seja quase mais uma centena de mulheres do que homens, o que justifica o facto das ocupações profissionais mais representativas serem ocupações de costura e trabalhos domésticos, seguido de trabalhadores do campo e em terceiro lugar encontram-se outras atividades não discriminadas. A conjugação da partição sexual com os trabalhos exercidos permite constatar que são sobretudo as mulheres que exercem as profissões mais propensas à contração da tuberculose, pelo confinamento e insalubridade dos espaços interiores. Um número menor de homens significa ou que tinham mais pejo em pedir ajuda ou que por obrigações familiares tinham de trabalhar para o sustento da família, o que os impedia de procurar ajuda. Na sua maioria, os doentes internados eram solteiros (65%) seguindo-se os casados (25%) e os viúvos (10%). Os solteiros estavam em clara maioria, porque não tendo compromissos matrimoniais podiam ir com mais facilidade procurar cuidados de saúde. Os casados por outro lado tinham compromissos familiares, o que certamente contribuía para o decréscimo do seu número, contando-se 91 casados para 237 solteiros no período observado, excluindo 1854 onde não se faz menção ao estado civil. No caso dos viúvos o panorama seria idêntico, já que o viúvo que tivesse filhos certamente não os abandonaria para partir por vários meses para um tratamento38.

56Quanto à origem dos doentes eram na sua maioria madeirenses, seguindo-se em menor número os portugueses do continente e Goa. De Portugal continental contam-se vinte e dois doentes, dos quais dezoito eram de Lisboa, dois do Porto, um de Aveiro e outro de Faro. De Goa vieram dois doentes. Os doentes não madeirenses vinham às expensas da rainha, sendo o seu número diminuto por dependerem de autorização especial de D. Amélia e pela falta de informação relativa à existência do hospício.

57A distribuição gráfica das patologias diagnosticadas mostra que havia uma predominância das tísicas (pulmonar e laríngea), seguido das bronquites. As outras doenças pulmonares como pneumonias, pleurites, hemoptises surgem em terceiro lugar, existindo ainda um caso dum acidentado durante as obras do novo edifício do Hospício que ali foi internado por ordem de D. Amélia. Deve dizer-se que as dificuldades de diagnóstico próprias do período em questão, em que os médicos pouco mais tinham do que a sintomatologia, a percussão e a auscultação como forma de diagnose, dificultava igualmente a perceção real do problema. Outro problema residia na sistematização da semiologia médica e a tradução num quadro conceptual que correspondesse a uma nosografia médica fiável.

Gráfico 1: Patologias diagnosticadas.

Gráfico 1: Patologias diagnosticadas.

Fonte: Gazeta Médica de Lisboa (1854-1859).

58A nosografia clínica do século XIX evoluiu lentamente graças ao contributo de médicos como Morgagni, Bayle e Laennec, mas continuava a ser incipiente, pois só com o advento da era bacteriológica foi possível precisar a etiologia das doenças infetocontagiosas. Apesar do avanço processado, persistiu a orientação para dar diferentes nomes a uma doença una (como a tuberculose) ou aglomerar numa doença fenómenos patológicos distintos. No momento de estabelecer uma classificação da doença eram empregues termos como tísica, tísica pulmonar, tísica laríngea, tísica gangrenosa, tísica sifilítica, consumpção, etc. Aquela que correspondia mais fielmente à tuberculose é a de tísica pulmonar, que designa uma doença onde predominam sintomas como a febre, diarreias, suores noturnos, dores de peito, tosse e hemoptises. As outras tísicas poderiam ou não corresponder vagamente à tuberculose sendo associadas essencialmente à anorexia. Por outro lado, o lúpus, as escrófulas ou o Mal de Pott não eram classificadas como tuberculoses. Só a bacteriologia permitiu comprovar que o germe responsável da tuberculose pulmonar era o mesmo de outras formas independentemente da localização. Com estas dificuldades de diagnóstico o médico podia diagnosticar uma pneumonia, uma pleurite ou uma bronquite como sendo uma tuberculose e vice-versa.

Conclusão

59A Madeira tornou-se em meados do século XIX uma estância muito procurada por doentes tuberculosos embora não dispusesse de hospitais para esse fim. Em 1853, a imperatriz D. Maria Amélia fundou o primeiro nosocómio português para tísicos na Madeira para receber doentes pobres. Aí se praticou a climatoterapia de marítima a par de terapêuticas empíricas, que na maior parte dos casos servia apenas de paliativo. Frequentado essencialmente por madeirenses o hospício tornou-se um exemplo modelar de terapias pelo clima similarmente ao que se fazia na Europa do mesmo período.

60A data posterior a 1858 determinou a passagem do hospício para um novo edifício o que possivelmente implicou uma reestruturação do seu funcionamento. Por falta de documentação não foi possível determinar o futuro da instituição, embora possamos dizer que a década de 1860 marcou um novo paradigma no tratamento da tísica, pautando-se pelo recurso a sanatórios de montanha. Os sanatórios marítimos caíram em desuso até finais do século XIX, para depois serem aproveitados como locais de prevenção e tratamento de tuberculoses não pulmonares, sobretudo as que requeriam o recurso à helioterapia.

Topo da página

Notas

1 João José Cúcio Frada, A Gripe Pneumónica em Portugal Continental – 1918, Lisboa, Sete Caminhos, 2005, p. 11.

2 Barbara Gutmann Rosenkrantz na introdução da obra «The White Plague». Cf. René Dubos e Jean Dubos, The White Plague: Tuberculosis, Man and Society, New Brunswick, Rutgers University Press, 1996, pp. xvi e xxxii.

3 Isabelle Grellet e Caroline Kruse, Histoires de la tuberculose: les fièvres de l’âme (1800-1940), Paris, Editions Ramsay, 1983, p. 13.

4 José Maria Lopez Piñero no prólogo à obra de Maria José Báguena Cervellera, La tuberculosis y su história, Barcelona, Fundación Uriach, 1992, p. 7.

5 João Curvo Semedo, Polyanthea Medicinal: Noticias Galenicas, e Chymicas, repartidas em tres Tratados, Lisboa, Officina dos Herdeiros de António Pedrozo Galram, 1741, p. 172.

6 Augusto da Silva Carvalho, Apontamentos para a História da Tuberculose, separata de A Medicina Contemporânea, Lisboa, Imprensa Médica, 1934, pp. 15-16.

7 Thomas Beddoes, Essay on the causes, early signs and prevention of pulmonary consumption for the parents and preceptors, Londres, Longman and Rees, 1799, p. 23.

8 Ana Cristina Bartolomeu de Araújo, «As invasões francesas e a afirmação das ideias liberais», in José Mattoso (dir.), História de Portugal, vol. 5, «O Liberalismo (1807-1890)», Lisboa, Círculo de Leitores, 1993, pp. 19-25.

9 Francisco António Barral e Augusto Carvalho da Silva referem as seguintes publicações: Fothergill – On consumption medical observations (1775); J. Adams – A guide to Madeira with an account to the climate (Londres, 1801); Gourlay – Observations on the natural History, climate and diseases of Madeira during a period of eighteen years (Londres, 1811); Carlos Heineken – Rembles in Madeira e Of Madeira, its visitors, its climate and its diseases (Londres, 1821); J. A. Masson – A Treatise on the Climate and Meteorology of Madeira (1850); George Lund – The climate of the Island of Madeira (1854). Cf. Francisco António Barral, Notícia sobre o clima do Funchal e sua influência no tratamento da tísica pulmonar, Lisboa, Imprensa Nacional, 1854, pp. 12-14 e Augusto da Silva Carvalho, Apontamentos para a História da Tuberculose, separata de A Medicina Contemporânea, Lisboa, Imprensa Médica, 1934, pp. 20-21.

10 Nicolau C. B. Pitta, Accounts of Madeira, Londres, 1812 citado por Francisco António Barral, Notícia sobre o clima do Funchal e sua influência no tratamento da tísica pulmonar, Lisboa, Imprensa Nacional, 1854, p. 13.

11 António Ramalho Almeida, O Porto e a Tuberculose. História de 100 anos de luta. Porto, Fronteira do Caos, 2007, p. 21.

12 Francisco António Barral, Notícia sobre o clima do Funchal e sua influência no tratamento da tísica pulmonar, Lisboa, Imprensa Nacional, 1854, pp. 43-57.

13 Francisco António Barral, Notícia sobre o clima do Funchal…, pp. 142-143 e 152-154.

14 Idem, pp. 23 e 226-229.

15 Rui Carita, Funchal: uma porta para o mundo, Lisboa, CTT, 2008, p. 28.

16 Francisco José da Cunha Vianna, «Hospicio da Princeza Dona Maria Amélia», Gazeta Médica de Lisboa, Lisboa, Imprensa Nacional, Tomo 1, n.º 9 (Mai. 1853), p. 137.

17 Francisco José da Cunha Vianna, Hospicio da Princeza…, p. 137.

18 «Regulamento do Hospício da Princeza D. Maria Amélia», Gazeta Médica de Lisboa, Lisboa, Imprensa Nacional, Tomo 1, n. º 23 (Jan. 1854), pp. 367-369.

19 Francisco José da Cunha Vianna, Hospicio da Princeza…, pp. 137-138.

20 Regulamento do Hospício…, Art. 14.º, alíneas 3.º a 5.º e Art. 15.º.

21 Regulamento do Hospício…, Art. 17.º, alíneas 6.º, 7.º e 17.º.

22 Regulamento do Hospício…, Art. 21.º, alíneas 13.º, 15.º e 22.º.

23 Regulamento do Hospício…, Art. 22.º, alíneas 3.º, 4.º, 7.º, 8.º, 9.º e art. 63.º.

24 Regulamento do Hospício…, Art. 12.º, alínea 4.º; Art. 14.º, alíneas 1.º, 2.º e Art. 15.º.

25 Regulamento do Hospício…, Art. 21.º, alínea 2.º.

26 Regulamento do Hospício…, Art. 26.º, alínea 2.º.

27 Vide a propósito da cura pela alimentação, Pierre Guillaume, Du désespoir au salut: les tuberculeux aux XIXe et XIXe siècles, Paris, Aubier, 1986, pp. 54-61.

28 Regulamento do Hospício…, Art. 20.º, alínea 4.º.

29 Regulamento do Hospício…, Art. 22.º, alíneas 5.º e 6.º e Art. 24.º, alíneas 1.º a 7.º.

30 Richard Harrison Shryock, National Tuberculosis Association (1904-1954), A Study of the Voluntary Health Movement in the United States, Nova Iorque, Arno Press, 1977, p. 4.

31 René Dubos e Jean Dubos, The White Plague: Tuberculosis…, p. 135.

32 Richard Harrison Shryock, National Tuberculosis…, p. 12.

33 Pierre Guillaume, Du désespoir au salut…, pp. 62-63.

34 Rodrigo António Teixeira Guimarães, O tratamento climaterico da tuberculose pulmonar e a Serra da Estrella, Porto, Typographia de A. J. da Silva Teixeira, 1887, Tese Inaugural, pp. 36-37.

35 René Dubos e Jean Dubos, The White Plague…, p. 139.

36 Mirko D. Grmek (dir.), Histoire de la pensée médicale en Occident, vol. 2, «De la Renaissance aux Lumières», Paris, Éditions du Seuil, 1997, p. 172.

37 Antonio da Luz Pitta, «Relatório apresentado á Commissão Administrativa do Hospicio da Princeza Dona Maria Amélia», Gazeta Médica de Lisboa, Lisboa, Imprensa Nacional, Tomo 5, n.º 107 (Jun. 1857), p. 165.

38 Vide: Cláudio Bertolli Filho, História Social da Tuberculose e do Tuberculoso: 1900-1950, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2001, p. 130.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Quadro 1: Distribuição das funções de gestão hospitalar
URL http://lerhistoria.revues.org/docannexe/image/1603/img-1.png
Ficheiros image/png, 26k
Título Quadro 2: Terapêutica instituída no Hospício.
Créditos Fonte: António da Luz Pitta, «Hospicio da Princeza D. Maria Amelia no Funchal», Gazeta Médica de Lisboa, Lisboa, Imprensa Nacional, Tomo 4, n.º 81 (Mai. 1856), pp. 129-132.
URL http://lerhistoria.revues.org/docannexe/image/1603/img-2.png
Ficheiros image/png, 67k
Título Quadro 3: Entrada de doentes por idade.
Créditos Fonte: Gazeta Médica de Lisboa (1854-1859).
URL http://lerhistoria.revues.org/docannexe/image/1603/img-3.png
Ficheiros image/png, 34k
Título Gráfico 1: Patologias diagnosticadas.
Legenda Fonte: Gazeta Médica de Lisboa (1854-1859).
URL http://lerhistoria.revues.org/docannexe/image/1603/img-4.png
Ficheiros image/png, 19k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ismael Cerqueira Vieira, « O pioneirismo da Madeira no tratamento da tuberculose em meados do século XIX », Ler História, 61 | 2011, 85-103.

Referência eletrónica

Ismael Cerqueira Vieira, « O pioneirismo da Madeira no tratamento da tuberculose em meados do século XIX », Ler História [Online], 61 | 2011, posto online no dia 18 Fevereiro 2016, consultado no dia 24 Outubro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1603 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1603

Topo da página

Autor

Ismael Cerqueira Vieira

CITCEM – FL – Universidade do Porto

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org