Navegação – Mapa do site
Estudos

A historiografia pós-moderna

L’historiographie postmoderne
The post-modern historiography
José D’Assunção Barros
p. 147-167

Resumos

Neste artigo discute-se o conceito de Pós-Modernidade na sua aplicabilidade relativa à Historiografia, apresentando um panorama envolvendo as diversas posições dos historiadores com relação ao pós-modernismo historiográfico. Quais são as principais caraterísticas da historiografia pós-moderna, e que historiadores podemos trazer como exemplos possíveis de se enquadrarem nesta categoria? Qual o contexto de surgimento e atualização deste debate nas décadas recentes? O artigo procura situar estas questões diante de referências bibliográficas que se têm tornado já clássicas para o tema.

Topo da página

Texto integral

Pós-Modernismo: o conceito e algumas análises clássicas

  • 1 W. Hudson, «The Question of Postmodern Philosophy» in W. Hudson e W. Reijen (orgs), Modernen versus (...)
  • 2 Terry Eagleton (1998) também estabelece uma distinção entre pós-modernismo e pós-modernidade nos me (...)
  • 3 Keith Jenkins acompanha a proposta de Lyotard de tratar a Pós-Modernidade como condição. Diz ele: « (...)

1Não é fácil definir o conceito de Pós-Modernismo, como já bem notavam Willem Van Reijen (1947-1987) e W. Hudson em um paralelo contrastante elaborado em 1986 com vistas a opor Modernos e Pós-Modernos1. O primeiro clareamento conceitual a ser trabalhado, em nosso entender, diz respeito à diferença entre Pós-Modernidade – muito habitualmente referida a um período específico no limite da História Contemporânea – e Pós-Modernismo, que diz respeito a um campo ou circuito cultural2. Lyotard, em seu texto inaugural, também já havia introduzido um elemento complicador, pois ao se referir a uma «condição pós-moderna», generaliza o predomínio de uma certa tendência comportamental, mercadológica e cognitiva para todo o mundo humano capitalista pós-industrial, ou seja, aquele que corresponde ao contexto do período que chamou de pós-modernidade3. Mas a verdade é que se pode postular que Pós-Modernidade e Pós-Modernismo não se recobrem necessariamente em todas as análises. Assim como se entende que, no interior do período ou ambiente histórico denominado modernidade – aquele que se inicia com a Revolução Industrial – apenas cerca de 100 anos depois o Modernismo veio a se expressar enquanto movimento artístico ou tendência cultural, e mesmo assim sem abarcar o todo e constituir a única alternativa, pode-se igualmente postular que «nem tudo é pós-modernista na época pós-moderna», e que em nosso Presente convivem o moderno, o pós-moderno, ou mesmo o tradicional.

  • 4 Michael Bentley, Modern historiography: an introduction, London, Routledge, 1999.
  • 5 Terry Eagleton (n.1943), em Ilusões do Pós-Modernismo, busca enxergar os limites do Pós-Moderno com (...)

2Esse ponto será particularmente importante para a nossa posterior discussão sobre História Pós-Moderna. Se considerarmos a historiografia pós-moderna como uma das tendências historiográficas possíveis no mundo contemporâneo, veremos que, aqui, não são de fato coextensivos a Pós-Modernidade – se aceitarmos esta denominação como equivalente a um período específico – e o Pós-Modernismo, enquanto adjetivo que se cola a um sujeito produtor de arte ou conhecimento, a uma certa prática ou a determinada corrente cultural, tal como é o caso por exemplo de uma pretensa historiografia pós-moderna. Por este viés, torna-se perfeitamente legítimo o debate e contraposição entre historiadores pós-modernos e historiadores pertencentes a outras propostas historiográficas, que questionam a idéia de que o pós-modernismo histórico tenha se tornado ou vá se tornar a corrente historiográfica predominante em nosso tempo. O historiador inglês Michael Bentley, por exemplo, compara e contrapõe o uso de pós-moderno para definir um certo repertório de «ferramentas e enfoques» ao uso de «iluminista» ou «romântico» para designar homens do século XVIII ou XIX, mostrando que na verdade as convicções iluminista e romântica já não alcançavam senão um parcial domínio sobre as especulações de seus séculos. Menos abrangente ainda, o pós-moderno deveria ser relacionado mais adequadamente a uma «fase particular do pensamento»4. O questionamento do Pós-Moderno como extensivo a uma faixa maior da cultura contemporânea também é recolocado por Terry Eagleton5. Por fim, vale lembrar que poucos historiadores assumem explicitamente o rótulo de pós-modernistas, embora certamente haja um modo específico de fazer a história para o qual a designação parece ser razoavelmente adequada.

3A Condição Pós-Moderna (1979), de François Lyotard, foi um dos primeiros livros a abordarem como uma mudança geral na condição humana o Pós-Moderno, caracterizado pelo autor, entre outros aspetos, pela «morte dos centros» e por uma significativa perda da credibilidade nas grandes Meta-Narrativas ou explicações totalizadoras que procuravam dar conta da história ou de outras instâncias do mundo humano. Relativamente à História, as Meta-Narrativas mais conhecidas eram aquelas que traçavam a História como um grande movimento coerente e teleológico do Singular Coletivo – em especial a Meta-Narrativa Iluminista e as derivações da Meta-Narrativa Hegeliana, mas também a Meta-Narrativa Marxista. A Meta-Narrativa Iluminista, gestada no século XVIII, como também a sua contraparente Positivista no século XIX, contava a história do progressivo avanço do Conhecimento e situava a Humanidade como sujeito triunfante a caminho da plena Liberdade no futuro; a Meta-Narrativa Hegeliana contava a história igualmente progressiva (mas também dialética) da aventura do Espírito Absoluto como sujeito universal que tomava conhecimento de si na sua igualmente triunfante caminhada para a Verdade. A filosofia da História proposta pelo Materialismo Histórico incluía na sua Meta-Narrativa a inevitável caminhada da Humanidade para a sociedade sem classes, considerando-a um pouco, por assim dizer, como uma caminhada olímpica na qual a «tocha da liberdade» deve ser entregue a cada período histórico para a classe revolucionária da ocasião. Vale ainda dizer, as meta-narrativas condenadas à morte histórica pela pós-modernidade lyotardiana incluíam também a Psicanálise, já que esta também tinha a pretensão de «tudo explicar», só que através da decifração do Inconsciente.

  • 6 Frank R. Ankersmit, «Historiografia e Pós-Modernismo», Topoi – Revista de História, v.2, Rio de Jan (...)

4É uma longa e polêmica discussão a que se pode estabelecer sobre as razões para o descrédito das Meta-Narrativas, e não procuraremos esgotá-las aqui. Para além de crises diversas que abalam a primeira metade do século XX como a Segunda Guerra Mundial, os Totalitarismos à Direita e à Esquerda, as crises no Socialismo Real, e de movimentos vários como o da Contra-Cultura, podem ser indicadas também outras razões. Frank Ankersmit, em seu artigo sobre «Historiografia e Pós-Modernismo» (1989), menciona o fato de que, à medida que a Europa deixava de ser o centro do mundo, no segundo pós-guerra – e que a História da Europa não podia mais ser vendida como a História do Mundo – as grandes meta-narrativas sobre o ‘triunfo da Razão’ ou sobre a ‘emancipação do Proletariado’ revestiram-se de importância apenas local, e portanto deixavam de ser «meta-narrativas apropriadas»6.

  • 7 A perceção de uma crise das ideologias já remonta, na verdade, aos anos 1950. H. Stuart Hughes, em (...)
  • 8 Remo Bodei (n. 1938) observa que, desde o século III a. C, as utopias eram concebidas geograficamen (...)

5Há os autores que chegam a falar, mais do que em uma «crise das meta-narrativas», em uma «crise das ideologias»7. Remo Bodei, por outro lado, sustenta no seu ensaio A História tem um Sentido?, que o que entra em crise nas últimas décadas do século XX não são propriamente as ideologias ou mesmo as filosofias da história, mas sim a aliança estabelecida desde fins do século XVIII entre «história e utopia». O que estaria sendo questionado, nos tempos recentes, seria um antigo padrão historiográfico que se fora formando e no qual as utopias haviam deixado de serem irrealizáveis «não-lugares» aprisionados no imaginário literário (a Cocanha medieval) ou então espacialmente apartados (a Atlântida, de Platão, ou a Utopia, de Morus), para se converterem em «não-lugares» temporalizados, situados no futuro, e agora não mais realidades impossíveis de serem atingidas. As utopias que a certo momento foram transformadas em projetos realizáveis em longo prazo, ou ao menos em pontos modelares para a direção dos quais a história deveria apontar, haviam constituído todo um grande padrão historiográfico que abrangia inúmeras variações – das positivistas às historicistas e marxistas – e agora era esta aliança entre história e utopia que se via contestada. Um mundo historiográfico descrente das utopias, mas não necessariamente sem ideologias, seria essencialmente a faceta do pós-moderno, de acordo com a análise desenvolvida por Remo Bodei8.

  • 9 Robert Nisbet, História da idéia de Progresso, Brasília, UNB, 1985.
  • 10 Astor Diehl, «Aspetos da desilusão da idéia de progresso na História e suas implicações», in Cultur (...)
  • 11 Alain Tourraine, «Modernity and cultural specificities», International Social Science Journal, n.° (...)
  • 12 Alain Tourraine, Crítica da Modernidade, Petrópolis, Vozes, 1995.

6Dependendo do conceito central no qual se fundamente a nossa análise das crises da modernidade e da pós-modernidade, reconfigura-se certamente, a avaliação dos impasses e dilemas da historiografia contemporânea. Crise das meta-narrativas, crise das ideologias, crise da aliança entre utopia e história apresentam certamente nuances importantes que podem reorientar as análise do pós-modernismo historiográfico em uma direção ou outra. Do mesmo modo, é possível deslocar o olhar analítico para o que está por trás das meta-narrativas ou da aliança entre utopia e história, conforme o caso. Surge então a idéia de que a pós-modernidade introduz a Crise da idéia de Progresso. A idéia de Progresso, como tão bem esclarece Robert Nisbet em seu ensaio sobre A História da Idéia de Progresso9, passara a desempenhar no século XVIII um papel central na maior parte das visões de mundo desenvolvidas no Ocidente, constituindo um fator importante para a Identidade das sociedades, grupos e indivíduos10. Deste modo, conforme observa Alain Tourraine em seu artigo «Modernidade e Especificidades Culturais»11, a Crise da idéia de Progresso não poderia deixar de levar à Crise da Identidade, repercutindo em setores diversos e dando origens a outras crises, tal como a Crise da Legitimidade dos Sistemas Políticos. Estas idéias também foram bem desenvolvidas por Tourraine em seu ensaio Crítica da Modernidade12, e certamente iluminam aspetos importantes do complexo contexto social, cultural e político dos tempos recentes.

  • 13 Fredric Jameson construiu sua projeção intelectual a partir de seus trabalhos na esfera da Crítica (...)
  • 14 A periodização proposta por Jameson – um período chamado «Capitalismo Tardio» – parte da formulação (...)

7A mais brilhante análise da pós-modernidade encontra-se provavelmente nas teses de Fredric Jameson13 sobre a temática, estas que procuram enxergar, como já diz o título de seu principal livro: o «Pós Modernismo como Lógica Cultural do Capitalismo Tardio»14. Não poderemos nos deter demasiado nesta precisa análise, uma vez que logo teremos que abordar a questão da História e Pós-Modernidade, contudo, lembraremos o vivo quadro que Jameson desenha de um mundo no qual, em um novo momento do capitalismo multinacional, ocorrera uma extraordinária expansão tecnológica e comunicacional que passara a se tornar a principal fonte de lucro e inovação sob o contexto do predomínio empresarial das corporações multinacionais e o concomitante deslocamento do trabalho industrial para o universo de baixos salários dos países periféricos. Nesse mundo que incluía um poder sem precedentes da Mídia, a cultura expandira-se a ponto de se tornar coextensiva à economia, gerando uma sociedade globalizada na qual todo objeto material ou serviço imaterial transforma-se em produto vendável. Guardemos este ponto, pois vai nos ajudar mais adiante a explicar porque a Historiografia se transforma ela mesma em produto de consumo que, em alguns casos, predispõe alguns dos sujeitos produtores do conhecimento histórico a toda ordem de concessões à Grande Mídia, pulverizando seus objetos de estudo para oferecer às diferentes faixas do público consumidor o produto historiográfico de sua predileção em um novo padrão de operação historiográfica no qual por vezes se deslocam para segundo plano instâncias que até então sempre haviam sido centrais para a história, como a precisão no trabalho com a base documental ou a obrigação de se ater a enunciados verdadeiros (embora mediados pelas diversas subjetividades que o historicismo moderno e outras correntes haviam reconhecido como inerentes ao trabalho do historiador).

  • 15 Jameson, «Introdução» in Pós-Modernismo…, p. 13.
  • 16 Ver Reinhart Koselleck, Futuro Passado – contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Jan (...)

8A Cultura, agora convertida na carne e na trama da vida e da existência no Capitalismo Avançado, transformava-se em uma «segunda natureza»15. Afirmavam-se nos setores mais relativistas, céticos e desiludidos da intelectualidade ocidental, a «Morte do Sujeito», o rompimento das identidades tradicionais, os abalos violentos naquilo que Koselleck chama em seu livro Futuro Passado de «campo da experiência» e «horizonte de expectativas», ocasionando na pós-modernidade capitalista a sensação de um Passado sem Memória e um Futuro sem Esperança como tendência existencial predominante16. Estamos aqui diante de uma das principais características do Pós-Moderno apontadas por Jameson: a «perda da historicidade». Como poderia a Historiografia, tão dependente do senso de Passado e das expectativas de Futuro, atravessar este vendaval sem produzir os seus questionáveis simulacros de História, prontamente incorporados pelo Mercado Mundial como agradáveis objetos de consumo? Tinha-se também aqui, de acordo com um dos desdobramentos analisados por Jameson, «a ascendência do espacial sobre o temporal», conseqüência da instituição cotidiana da simultaneidade de eventos através da unificação virtual do planeta. Como não ver aí mais contragolpes a serem enfrentados criativamente pela Historiografia contra um mundo de superficialidades e de ausência de afetos, agora fascinado pelo «Histérico Sublime»? Oscilando entre a euforia do entusiasmo consumidor e a depressão niilista, o mundo pós-moderno encontra aqui a sua patologia existencial.

9Uma parte importante da análise de Jameson, e que talvez seja útil para a análise de certos setores pós-modernos da historiografia contemporânea, foi a identificação do «Pastiche» como uma forma pós-moderna privilegiada. Em uma reflexão sobre este aspeto da análise jamesoniana, Perry Anderson assinala em seu livro As Origens da Pós-Modernidade a emergência de algumas tendências literárias:

  • 17 Anderson, As Origens da Pós-Modernidade…, p. 73.

«baralhar não apenas estilos mas as próprias épocas à vontade, revolvendo e emendando passados artificiais, misturando o documental com o fantástico, fazendo proliferar anacronismos, numa revitalização do que – ainda deve ser chamado de – romance histórico»17

10Sem registrar aqui um posicionamento em favor ou contra esta ou aquela alternativa historiográfica, vale aqui examinar o mercado livreiro para verificar como tem crescido o número de historiadores que, ainda que sem possuir uma boa formação literária, tem se arriscado a experimentar uma espécie de romance histórico na qual não fica claro para o leitor se ele está atuando como historiador – de acordo com os parâmetros habituais da prática disciplinar – ou como literato. Naturalmente que, entre aqueles que são por natureza polivalentes e capazes tanto para a história como para a literatura, há também soluções extremamente interessantes. Mas deixemos este aspeto para outro momento da análise.

  • 18 Jameson refere-se aqui ao mesmo fenômeno que François Dosse, em A História em Migalhas (1987), aval (...)
  • 19 Ver Anderson, As Origens da Pós-Modernidade… p. 73. Jameson, a este respeito, faz uma crítica à obr (...)
  • 20 Jean Lojkine, A revolução informacional, São Paulo, Cortês, 1995.
  • 21 Ver Ankersmit, «Historiografia e Pós-Modernismo»…

11Fenômeno também abordado por Jameson é o do esboroamento dos limites da investigação cultural no ambiente intelectual pós-moderno. Aqui, o crítico marxista expressa-se em termos de uma «diluição das fronteiras entre as disciplinas»18. Disciplinas as mais diversas parecem, segundo a perspetiva de Jameson, «cruzar-se em investigações híbridas e transversas que não mais podiam ser situadas em um ou em outro domínio»19. Eis, enfim, alguns dos aspetos assinalados por Fredric Jameson em uma das mais lúcidas análises elaboradas sobre o contexto da Pós-Modernidade Capitalista e alguns de seus resultados no mundo da Cultura. Para além dos aspetos mencionados, seria possível trazer para este contexto ainda outros fatores, como a «revolução informacional» examinada por Jean Lojkine, dez anos depois, no livro que leva este nome20, e que avalia para as décadas recentes o aparecimento de uma nova época, já distinta do período industrial, na qual se interpenetram informação e produção. Passaremos,em seguida, a abordar algumas questões já mais propriamente historiográficas. Será oportuno iniciar a discussão com algumas questões lançadas por Ankersmit no seu texto sobre «Historiografia e pós-modernismo»21.

Traços do Pós-Modernismo: alguma síntese

12Como resultado da crise de referencialidade e representatividade da História – um aspeto importante do Pós-Modernismo historiográfico – surge um primeiro traço, multipartido, que pode ser agregado às características gerais que permitiriam falar em um Pós-Modernismo histórico. A História seria essencialmente construção e representação, com pouca ou nenhuma ligação em relação a uma realidade externa, ou, ao menos, com uma relação a esta referencialidade externa que precisa ser intensamente problematizada. Daí surgem posições diversas, que vão desde o reconhecimento na historiografia deste radical caráter de construção mas sem inviabilizar o projeto histórico, até posições que resultam em ceticismo historiográfico ou na alternativa de dissolver a História em ficção. Há também posturas diversificadas: entre os que relacionam esta construção historiográfica aos sistemas de poderes, práticas disciplinares e outras forças em ação, há os que escolhem por tematizar a decifração destes poderes, a sua desconstrução, a sua análise criteriosa de modo a verificar como o Poder imiscui-se no Discurso. Mas há também os que, ao reconhecerem o jogo de poderes que inviabilizaria falar em uma História, mas sim em histórias, comprazem-se com a proposta de que sejam escritas histórias para grupos específicos, para determinados destinatários. A História (ou as histórias) torna-se aqui profundamente subjetivada no que se refere a suas destinações. E, mais ainda, ao escrever uma história dirigida para um público específico, o historiador pode pensar isto socialmente – direcionando-a a grupos que cultivem identidades específicas, como a negritude, o feminismo, o ecologismo, o movimento gay, as identidades religiosas – ou simplesmente pensar a destinação do seu trabalho em termos de públicos consumidores, pois o mercado editorial contemporâneo até mesmo o estimula a isto. Keith Jenkins se refere a este fenômeno em seu livro Repensando a História, publicado em 1991:

  • 22 Keith Jenkins, A História Repensada, São Paulo, Contexto, 2001 [original: 1991], p. 101.

«Hoje, mais do que nunca, há pessoas querendo coisas. No rastro destes centros ausentes e metanarrativas ruídas, encontramos por toda a parte em nossas sociedades democráticas/consumistas uma massa de gêneros histórias com griffe. Para usar e abusar a gosto».22

  • 23 Ver Alex Callinicos, Against Pos-Modernism – a marxist critique, Cambridge, Polity Press, 1989.

13Diante da multiplicidade que se abre com a complacência do pós-modernismo editorial, mas também de um quadro de indefinições no qual os vários atores envolvidos costumam não se definir para evitar a chamada «rotulagem» – esta que para o pensamento pós-modernista é habitualmente vista com desconfiança por ser um recurso algo racionalista – é por vezes bastante difícil localizar univocamente os atores que funcionam como sujeitos na produção do conhecimento pós-moderno. Classificar ou livrar a um autor da qualificação de Pós-Moderno, assumir ou não uma identidade intelectual no âmbito do Pós-Modernismo, restringir ou ampliar a extensão do campo de influências que incide sobre a pós-modernidade – estamos aqui em um campo de operações razoavelmente delicado e complexo, que muitos transformam em território de disputas. Apenas para trazer um exemplo da Filosofia, poderíamos discutir o caso de Michel Foucault, um autor que é ele mesmo avesso a classificações, mas que muitos chegam a situar no circuito pós-moderno, tal como faz Alex Callinicos no capítulo 3 de seu livro Contra o Pós-Modernismo, publicado em 198923. Também há uma complexidade a mais, que é o fato de que autores como Foucault, e antes dele Nietzsche e Heidegger, sejam constantemente reivindicados como influência ou mesmo como precursores por grupos com os quais não tiveram ligação. Em Foucault, um filósofo que, no seu próprio dizer, estava frequentemente se reinventando, há dificuldades ainda maiores quando se procura relacionar esta ou aquela posição do filósofo francês a proposições pós-modernistas.

  • 24 Ciro Flamarion Cardoso, «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento: visão de um historiador», in Um (...)

14No campo da historiografia, poucos assumem explicitamente o rótulo de historiador pós-modernista. É mais comum, ao historiador simpático aos traços gerais do pós-modernismo histórico, falar na «história pós-moderna» como uma tendência de conceção historiográfica de nossa época que pretensamente já dominaria o quadro geral ou tenderia a se expandir. Por outro lado, também não é incomum que historiadores situados em posições radicalmente refratárias a certas inovações historiográficas (pós-modernas ou não) utilizem esta designação de forma depreciativa para alvejar o que consideram o campo adversário. Não que estejam sendo insinceros ao utilizarem a designação de «pós-modernismo» contra esta ou aquela corrente, pois geralmente buscam fundamentar a sua classificação em argumentação coerente, mas a questão é que por vezes cria-se uma falsa dicotomia paradigmática («nós» contra os «pós-modernos») como se no campo da historiografia atual só existissem dois grandes paradigmas. Enxergar o mundo historiográfico sob a partição entre dois grandes paradigmas parece ser a proposta de Ciro Flamarion Cardoso, no prefácio para o livro Domínios da História e também em outros textos, como «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento: visão de um historiador»24. Ali vemos se delinear de um lado um «paradigma iluminista» – que incluiria os materialistas históricos, as duas primeiras gerações dos Annales, e diversas outras correntes integradas a uma vasta tradição que se apóia nas idéias de cientificidade da História e no racionalismo; de outro, haveria um «paradigma pós-moderno», que incluiria não apenas os historiadores que se declaram pós-modernos, mas também certos setores da micro-história, Foucault e os foucaultianos, e toda a Nouvelle Histoire. Em certa passagem do artigo «Epistemologia Pós-Moderna», podemos ler as seguintes palavras proferidas por este grande historiador a quem todos os historiadores brasileiros devem reconhecimento e gratidão por ter explorado de maneira pioneira o âmbito da reflexão brasileira sobre historiografia:

  • 25 Ciro Flamarion Cardoso, «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento…», p. 85.

«Cabe-nos tratar das bases epistemológicas em que repousa a conceção Pós-Moderna da História, também conhecida como “Nova História” [grifo nosso], embora não no sentido em que esta última expressão se aplicava, por exemplo – bem mais legitimamente, aliás –, aos Annales nas décadas que vão de Marc Bloch e Lucien Febvre a Fernando Braudel»25.

15É difícil fazer com que se recubram, um ao outro, Pós-Modernismo e Nouvelle Histoire (terceira geração dos Annales em diante). Em primeiro lugar, há muitas correntes em jogo que não se ajustariam nem ao rótulo de «pós-moderno» nem à categorização como «Nova História». Em segundo lugar há muitos historiadores que se associam ao Pós-Modernismo, explícita ou implicitamente, mas que nada têm a ver com a Nova História francesa, seja por filiação, seja por influência. Por fim, o próprio campo da Nouvelle Histoire nos oferece uma variedade relevante de práticas e posicionamentos, de modo que a Nova História não poderia ser convocada em bloco para o lado do paradigma pós-moderno. Por fim, os posicionamentos encaminhados pela Revista dos Annales, que é o veículo de comunicação por excelência da Nouvelle Histoire, não legitimam os padrões pós-modernos como aqueles que a historiografia deveria seguir. Quando há confluências entre as maneiras de pensar a História de um historiador da Nova História e um pós-modernista, que geralmente nunca é uma confluência em todos os aspetos, isto é uma posição que se coloca ao nível individual deste ou daquele historiador. Não há um posicionamento de grupo da Nouvelle Histoire com relação a parâmetros que podem ser associados ao pós-modernismo. Por fim, seria preciso dizer que, mesmo que fosse possível dicotomizar o atual presente historiográfico em um Paradigma Iluminista e um Paradigma Pós-Moderno, o paradigma pós-moderno não é necessariamente o paradigma ruim. Há historiadores que trabalham com a perspetiva racionalista nas várias correntes imagináveis que fazem excelente trabalhos, e também trabalhos nem sempre tão bons, e há pós-modernistas que escreveram obras-primas, e outros que produzem obras não tão boas. Mesmo que fosse possível a dicotomia, que em nossa opinião não é possível, não há uma «boa e correta história» do lado iluminista e uma «história ruim e desprezível» do lado pós-moderno.

16Posto isto, é bastante adequada a síntese de Ciro Flamarion Cardoso com relação à configuração de aspetos que constituiriam esse modo pós-modernista de fazer a História, ou o que ele chama de «paradigma pós-moderno». Segundo sua análise, o Pós-Moderno reuniria, embora com variações possíveis e eventuais não adesões a um ou outro aspeto, cinco principais características: 1) a desvalorização da Presença em favor da Representação; 2) a crítica da origem; 3) a rejeição da unidade em favor da pluralidade; 4) crítica da transcendência das normas, em favor da sua imanência; 5) uma análise centrada na «alteridade constitutiva». Nos próprios termos que poderiam representar a conceção dos pós-modernos, cada um destes traços corresponde a um pilar racionalista ou modernista contra o qual os pós-modernos se defrontam; respetivamente: a «Crença no Referente Externo»; o «Mito das Origens»; a «Ilusão da Unidade»; o «Autoritarismo Normativo»; «O Texto Oni-Coerente».

  • 26 Ibidem, p. 85.

17Estes traços gerais nos parecem perfeitamente válidos para um esforço de visualizar uma primeira configuração de aspetos que constituiriam o padrão do fazer historiográfico pós-moderno. Está claro que não significa que estar identificado com um ou dois dos aspetos mencionados situará um historiador no campo da pós-modernidade. A crítica da unidade em favor da pluralidade aparece em diversas outras configurações de pensamento, que não apenas a do pós-modernismo historiográfico, como seria o caso, acreditamos, do «paradigma da complexidade», ao estilo de Edgar Morin. Ciro Flamarion Cardoso cita inclusive Michel Foucault, para quem não seria aplicável a idéia de que a realidade não existe, ou de que «nada existe fora do texto», já que o filósofo francês admite a existência extratextual de «práticas» ou «dispositivos»26.

  • 27 Jameson, Fredric, «Pós-Modernismo: a Lógica Cultural do Capitalismo Tardio», in Pós-Modernismo: a L (...)
  • 28 «[...] é difícil discutir a teoria do pós-modernismo de modo geral sem recorrer à questão da surdez (...)

18Para além dos traços apontados, são de igual maneira importantes como delineadores do Pós-Moderno as dimensões mais gerais que já haviam sido apontadas por Fredric Jameson, e que não se referem apenas à historiografia como prática específica (e sim ao todo), mas que certamente a afetam. «Uma nova falta de profundidade» e «um novo tipo de matiz emocional básico», caracterizado pela perda do afeto e da emoção em favor daquilo a que Jameson denomina «intensidades», são algumas destas características apontadas por Fredric Jameson para os novos tempos do Capitalismo Tardio, mas também é particularmente notável a «perda da historicidade» com a consequente desintegração do «sentido de tempo»27, e aqui caímos em um curioso paradoxo: como fazer historiografia em um caldo cultural geral no qual se perdeu a «historicidade»? O historiador pós-moderno enfrenta heroicamente, porque não dizer, o desafio de sobreviver nesse horizonte cultural sem passado nem futuro, e luta com extrema criatividade para não se tornar contraditório sob este permanente risco de lhe ser negado precisamente aquilo que deveria definir a sua natureza mais íntima: a historicidade28. Mas, por outro lado, nesta mesma época em que a «cultura tornou-se ela mesma um produto», há muito espaço nas prateleiras para esse atraente produto cultural que é o livro de história, e aqui vemos como as contradições se entrelaçam inesperadamente na pós-modernidade. Mas voltemos aos cinco primeiros traços atrás apontados.

  • 29 Ankersmit, «Historiografia e Pós-Modernismo»…, p. 129.

19Para entender o primeiro traço – que em termos pós-modernistas poderia ser chamado de crítica à «Crença no Referente Externo», ou então de crítica à «eficácia representacional» – e apoiando-nos na própria análise de Ciro Flamarion Cardoso, a «Presença» corresponderia aos objetos e aspetos que se apresentam imediatamente dados na experiência; devendo ser contrastada com a Representação, que corresponderia a toda uma série de mediações inventadas pelo homem para apreender e se aproximar da realidade, tal como os signos e conceitos. A Presença se oferece ao homem através da perceção, da mediação sensorial; para o historiador, a Presença do Passado se manifesta através das fontes históricas, desde que devidamente criticadas e considerando que – não há como contornar isto – uma fonte também envolve na verdade a própria Representação elaborada por outros, de modo que ao historiador caberia perceber através da fonte a Presença e a Representação, podendo se valer de uma e outra para compreender a época ou a sociedade examinada. Já o Pós-Modernismo tenderia a questionar ou, no limite, mesmo rejeitar esta distinção entre a Presença e a Representação. Para o campo de propostas que passou a ser conhecido como «giro linguístico», nada seria independente de uma Linguagem que precede o próprio Pensamento, o que também traz implicações para determinadas metodologias semióticas nas quais se considera que «nada está fora do texto». A crítica do referente externo também remete ao que Fredric Jameson discutiu como um abandono do conceito de Verdade, ou de sua busca, e àquilo a que Ankersmit, no seu polêmico texto «Historiografia e Pós-Modernismo», havia se referido como uma combinação de «antiessencialismo» e «antifundacionalismo»29.

  • 30 Jean-François Lyotard, A Condição Pós-Moderna, Rio de Janeiro, José Olímpio, 1998 [original: 1979].

20O segundo e terceiro pilares dos habituais sistemas cognitivos que seriam diretamente confrontados pelo modo pós-moderno são o do «Mito de Origens» e o da «Ilusão da Unidade» (expressões evocadas de modo a sempre recolocar a questão nos próprios termos que poderiam ser proferidos de uma perspetiva pós-modernista). Ambos os aspetos remetem à velha «crise das meta-narrativas», que já vimos na Condição Pós-Moderna proposta por Lyotard30, mas também à crise das meta-descrições sistêmicas. Afinal, se não há uma Meta-Narrativa, com um herói coletivo que caminha teleologicamente para o seu triunfo utópico, ou se não existem mesmo micronarrativas coerentes e organizadas neste mundo feito de hesitações, descontinuidades e ruturas, não há uma «origem» a ser buscada para cada processo. De igual maneira, se não há um sistema dentro do qual tudo se encaixa como uma engrenagem neste mesmo mundo descontínuo, não há como decifrar por trás de tudo essa grande «unidade» que se traduzia em sistemas fechados e extremamente coerentes.

  • 31 Ciro Flamarion Cardoso, «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento…», p. 86.
  • 32 Frank R. Ankersmit, «Historiografia e Pós-Modernismo», pp. 144-145.
  • 33 François Dosse, L’histoire en miettes – des Annales à La Nouvelle Histoire, Paris, La Découverte, 1 (...)

21Para entender a crítica pós-modernista ao «mito das origens» – este segundo pilar da racionalidade que o Pós-Modernismo vem abalar – podemos acompanhar a análise de Ciro Flamarion Cardoso. O que os pós-modernos criticam não é apenas a busca de origens em uma cadeia de acontecimentos, mas também a busca daquilo que está por trás dos fenômenos – uma causa ou conjunto de fatores que, juntos e em determinadas condições, teriam produzido o fenômeno que está sendo estudado. Para Cardoso, essa rejeição da busca de origens, ou do que «está por trás dos fenómenos» (para retomar a expressão de Ankersmit, esse «levantar o azulejo para ver o que está por debaixo»), traria à postura pós-moderna uma tendência à superficialidade, ao descritivismo31. Os sistemas não existem e, portanto, a postura mais adequada a um «realismo pós-modernista» (se pudermos evocar esta aparentemente paradoxal expressão) seria a de descrever a superfície de um mundo sem profundidades, ou de realizar o inventário das descontinuidades e diferenças, talvez o retrato do caos. Daí a crítica à busca da causalidade, que Ankersmit expressa no texto já discutido de 1989 (p.119), e que Zagorin considera incoerente na sua réplica de 1990 ao mesmo texto de Ankersmit32. A crítica à «Ilusão da Unidade», naturalmente, caminha na mesma direção. O próprio «eu», unidade irredutível e absoluta que antes se encontrava soberanamente encastelada no indivíduo, não mais existiria nesta conceção segundo a qual a pluralidade adentra o próprio indivíduo humano e legitima a sua incoerência interna. No plano geral, a unidade holística do modernismo estruturalista e do realismo historicista rompe-se definitivamente do ponto de vista pós-moderno, gerando no lugar da História muitas histórias que corresponderiam às migalhas denunciadas por François Dosse33, para já introduzir aqui este tenso e belicoso diálogo que contrapõe dois mundos que não se compreendem um ao outro.

  • 34 Ciro Flamarion Cardoso, «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento…», p. 89.
  • 35 A obra coordenada por Michel Foucault aborda a problemática do sujeito submergido pelo discurso. En (...)

22O «Autoritarismo Normativo» corresponde ao quarto pilar que o pós-modernismo pretende abalar. Pretende-se encaminhar aqui uma crítica às pretensões normativas – que se queiram impor como transcendentes ou universais – a partir da «exposição dos processos de pensamento, escrita, negociação e poder que produziram aquelas pretensões normativas»34. Categorias e sistemas de categorias que cotidianamente são aceitos como dados e irrefutáveis, como a dicotomia sexual que reparte os seres humanos em apenas dois sexos, são submetidas à crítica; e se as normas de gentileza e cavalheirismo são submetidas à possibilidade de serem decifradas como «dominação masculina», também à implacável Escravidão se permite analisar como suave e negociável. Se a pós-modernidade se abre como espaço de expressão ao feminismo, ao ecologismo, ao movimento negro, às diversas tribos urbanas, às análises multiculturalistas, também se oferece como mundo possível para os neonazistas e para as gangs de rua. Se nenhum sistema normativo é transcendente e nenhum padrão de comportamento pode ser imposto como consensual, torna-se também possível ao historiador pós-moderno, dentre a sua pluralidade de histórias, historiar o neonazismo do ponto de vista do próprio neonazista, dar voz ao serial killer como narrador de suas próprias atrocidades, ou tecer a rede de discursos que se estabelece em torno de um crime de parricídio. Eu, Pierre Rivière, que Degolei Minha Mãe, Minha Irmã e Meu Irmão35.

  • 36 Ciro Flamarion Cardoso, «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento…», p. 90.
  • 37 Frank R. Ankersmit, «Historiografia e Pós-Modernismo»…
  • 38 Ver Georges Duby e G. Lardreau, Dialogues, Paris, Flamarion, 1980 e Georges Duby, «A História: um m (...)
  • 39 Ver Perez Zagorin, «Historiografia e Pós-Modernismo: reconsiderações», Topoi, Rio de Janeiro, março (...)

23O último pilar modernista que é submetido à crítica pós-moderna é o do «Texto Oni-Coerente». Tem-se aqui uma proposta metodológica, da parte dos pós-modernistas, à qual Cardoso se referiu como «Alteridade Constitutiva», ilustrando com a metáfora de que «as margens é que constituem o texto»36. A mesma questão também foi tratada por Ankersmit37. Todo texto, na sua busca de oni-coerência, empurra para as suas margens o que lhe é estranho ou não desejável. Ilustra-se na Psicanálise com o discurso do paciente que é analisado, este que empurra para os cantos do seu discurso o que não cabe na representação que conscientemente faz de si mesmo, mas que através do inconsciente escapa através de atos falhos, dos não ditos e entreditos que devem ser sistematicamente postos a falar pelo psicanalista. Na historiografia, lembraremos a perspetiva que já foi discutida por Ankersmit a respeito da metodologia de análise de evidências utilizada por Georges Duby38. Este apontava, na entrevista já discutida, para a possibilidade de construir a História através do não dito, do que foi suprimido (intencionalmente ou não), do detalhe, do que teria parecido irrelevante para uma época, mas que, posteriormente, torna-se revelador para outra. Surge também aqui a possibilidade de apreender aspetos importantes através dos lapsos de linguagem, tal como propõe Ankersmit e replica Zagorin na crítica ao primeiro39. O Texto Oni-Coerente, enfim, precisa ser desmontado pelo analista, posto a falar – através dos detalhes e das margens que escapam ao seu controle – das alteridades que excluiu ou segregou. Esta seria uma postura metodológica sintonizável com o Pós-Modernismo, mas não exclusiva dela, já que historiadores distintos têm se valido da inquirição dos detalhes, lapsos e margens historiográficas, o que ocorre, por exemplo, com a Micro-História, independente da posição do micro-historiador na querela entre Modernismo e Pós-Modernismo.

24Uma síntese da postura Pós-Modernista mais radical, e de suas implicações quando da aplicação à historiografia, poderia avançar ainda por outros aspetos. Um deles, que já fora salientado por Jameson em «A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio», refere-se ao esboroamento ou desconstrução entre as fronteiras dos gêneros de texto, inclusive entre as modalidades disciplinares. Isso estava a ocorrer a partir da Arte Contemporânea dos anos 60, quando passaram a surgir objetos artísticos que já não eram uma pintura, uma escultura, uma arquitetura, mas tudo isso junto, ou que diluíam fronteiras entre Arte e Filosofia, tal como ocorria com a Arte Conceitual. No campo do conhecimento, surgia aquele território comum no qual se aventuraria um autor, ao construir um único texto sem que fosse possível defini-lo por uma História, uma Crítica Literária, uma Filosofia, ou mesmo uma peça de Literatura, nos casos extremos. Estes rompimentos entre fronteiras, artísticas ou disciplinares, renderam desde obras magistrais (como as de Foucault) até obras por vezes desastrosas. Nesse mundo de liberdades com relação aos campos de conhecimento, também surgiria a possibilidade de profissionais de um determinado campo adentrarem audaciosamente um outro, por vezes sem preparo ou domínio dos conceitos e práticas típicos do seu novo campo de experiências. Admitindo-se que tenha havido experiências positivas, também ocorreram as desastrosas. Apenas para dar um exemplo, não é difícil localizar obras de jornalistas que se lançaram avidamente ao estudo dos objetos históricos vários como se estivessem tratando de uma investigação jornalística – que no final das contas era o que eles aprenderam a fazer no seu período de formação e experiência prática. Obras por vezes com falhas conceituais, anacronismos, perspetivas já superadas, modos de trabalhar a fonte apenas na superfície, e outros tantos problemas podem aparecer aqui como um dos desdobramentos da abertura pós-moderna. Isso não quer dizer, naturalmente, que não haja importantes obras historiográficas produzidas sob a perspetiva do Pós-Modernismo. Vejamos algo nesta direção, tentando nos perguntar pelos historiadores pós-modernos.

Quem são os Pós-Modernos?

  • 40 Alain Corbin, Território do Vazio: a praia e o imaginário ocidental, São Paulo, Companhia das Letra (...)
  • 41 Alain Corbin, Les cloches de la terre. Paysage sonore et culture sensible dans les campagnes au XIX(...)

25Alguns exemplos de historiadores, nos quais despontam menos ou mais claramente a tendência pós-modernista, pode ser citados. Alain Corbin (n.1936), com obras como O Território do Vazio: a praia e o imaginário ocidental 40 pode ser talvez um bom exemplo. A si mesmo, ele define-se a partir de uma designação que se refere a um campo histórico, ou mais especificamente a um domínio temático: o da «história das sensibilidades» – o que é adequado, no sentido de que em sua obra procura examinar as mudanças ou permanências nos modos de sentir. Os temas explorados por Alain Corbin sinalizam o gosto pelo inesperado, pelo exótico, pela investigação daquilo que ainda não fora até então constituído como objeto por nenhum outro historiador. Essa perseguição da originalidade é um traço característico de Alain Corbin, que elegeu entre seus temas de investigação uma História da Paisagem Sonora (Les cloches de la terre. Paysage sonore et culture sensible dans les campagnes au XIXe siècle), publicada em 1994 – obra na qual afirma a pretensão de dar uma particular atenção «ao inatual, ao insólito, ao que é decretado irrisório... tentar um estudo da gênese da insignificância, depois da evolução e da difusão das formas da incompreensão»41.

  • 42 Alain Corbin, Le miasme et la jonquille: odorat et imaginaire social, Paris, Albin Michel, 1994.
  • 43 Ver Alain Corbin, Le territoire du vide: l’Occident et le désir de rivage, Paris, Flammarion, 1990; (...)

26Uma História do Olfato é o que busca Corbin com a obra intitulada Le miasme et la jonquille: odorat et imaginaire social, publicada em 198642 e logo tomada por Patrick Süskind como fonte de inspiração para seu Best-Seller O Perfume. Para mencionar outras das temáticas inventadas pelo historiador francês, podemos citar uma história da miséria sexual masculina, ou a história da sensibilidade ao «tempo que faz». Entre os temas mais recorrentes, acham-se as investigações sobre a História da Paisagem, percorridas em obras como Le territoire du vide: l’Occident et le désir de rivage (1990), ou, ainda L’homme dans le paysage (2001). Em A Vila dos Canibais (1989), investiga a história de um acontecimento – uma sangrenta revolta de camponeses – a partir da qual buscou recuperar a lógica de cada um dos atores envolvidos no episódio ou, como ele mesmo afirma em uma entrevista concedida a Laurent Vidal, procurando «colocar-se na pele dos próprios atores» de modo a reconstituir a lógica de cada um deles ou de cada um dos grupos envolvidos, bem como os seus sistemas de representação do mundo e do além, de modo a melhor entender o enfrentamento e os resultados43.

  • 44 Alain Corbin, Le monde retrouvé de Louis-François Pinagot: sur les traces d’un inconnu (1798-1876), (...)

27Tipicamente pós-moderna, por aceitar e buscar mais enfaticamente a intrusão da ficção para preenchimento de lacunas, parece ser a obra O mundo reencontrado de Louis-François Pinagot: no rastro de um desconhecido44. Nela Corbin declara o desejo de investigar «a atonia de uma existência comum», o que o levou a procurar obsessivamente, durante três anos, um indivíduo que não tivesse deixado nenhum vestígio no curso de sua existência, com o que pretendia «apoiar-se sobre o vazio e o silêncio a fim de aproximar um Jean Valjean que nunca teria roubado pão». A técnica utilizada é por ele mesmo referida como emprestada Cinema, e visou utilizar uma câmera subjetiva de modo a recriar «o possível e o provável, esboçar uma história virtual da paisagem, da sociedade habitual e dos ambientes». Assim explica Corbin, ao seu entrevistador, a experiência realizada:

  • 45 Alain Corbin, «O prazer do historiador…».

«Trata-se, efetivamente, de uma experiência. Entrei pela primeira vez em arquivos em 1956, e você está falando de 1995, ou seja, 40 anos depois: você sabe que não se pode fazer sempre a mesma coisa - seria maçante. E se a gente não se dá prazer, está perdido. Como a idéia me veio? Foi no departamento da Orne, no pequeno município de onde vem minha família: entro um dia no cemitério, e vejo que metade dos túmulos tinham sido destruídos por um trator. Tive medo, em primeiro lugar, que túmulos que me dizem respeito, aqueles de meus antepassados, fizessem parte do lote. Não era o caso. Mas pensei, mesmo assim: aqueles túmulos, eu os via com minha avó quando era pequeno, e agora estão destruídos. Não sobrou nada deles, ora, não eram tão longínquos aqueles que estavam enterrados aí. Fui então levado a uma meditação sobre o desaparecimento. Quase dei este nome ao livro: Viagem ao domínio das sombras, como Virgílio indo aos infernos! Nossos bisavós – conseguimos apreender. Tataravós - começa a ficar complicado. E, se for o caso de ir mais além, você não sabe mais sobre seus antepassados do que sobre as pessoas da pré-história: estão desaparecidos, definitivamente. É o que leva tantas dezenas de milhares de genealogistas aos depósitos de arquivos. Vão reencontrar avô, bisavô, desse jeito eles conseguem voltar no tempo, mas só obtêm nomes. Quis, então, tomar um daqueles e tirá-lo da sombra. Uma ressurreição, em suma. Mas você sabe que eu fui criticado, a esse respeito? Lembro-me de uma estudante de mestrado que me retorquiu, eu não tinha o direito de fazer aquilo: não tenho a menor vontade de que, daqui a 150 anos me disse, alguém venha me buscar assim»45

28Talvez, é possível aventar, esteja aqui um bom exemplo de obra historiográfica pós-moderna. O método é bastante peculiar. O acaso é assumido como recurso para produzir a escolha do personagem a ser examinado. Quem pensaria nisto no âmbito de uma historiografia racionalista à maneira dos Annales, que seleciona a documentação em função de um problema que deverá gerar todas as escolhas?

  • 46 Idem.

«O que fazer, então? O melhor, pensei, é talvez ir aos arquivos e proceder ao acaso. Tinha achado isso divertido. É fácil deixar agir o acaso: nos arquivos da Orne, em Alençon, estão conservados os registros de estado civil, por município. Você não olha, coloca o dedo sobre um nome: “zás! pronto”. Caio sobre o pequeno município de Origny-le-Butin. Era perfeito. Quatrocentos habitantes na época, 250 hoje. Há, aliás, só – ou quase – parisienses que compraram casas de campo no município. O mais engraçado é que os arquivistas haviam pedido que eu preenchesse uma ficha de inscrição: sobre o que o senhor trabalha? – Não sei, mas vou lhe dizer daqui a quinze minutos. Então pedi as tabelas decenais – casamentos, óbitos etc. – e escolhi três nomes. Um morreu com vinte e poucos anos, portanto não me interessava. E havia aquele Louis-François Pinagot, que viveu 76 anos e que tinha atravessado o século, praticamente. Pensei: é ele. Não se toma uma tal decisão sem emoção: Agora vou trabalhar – quanto tempo, não sei, sem dúvida vários meses –, sobre esse senhor que estava ali, completamente adormecido. E não conseguia me impedir de pensar: se há uma outra vida e eu a encontrar, será surpreendente. Procurei, portanto, tudo que eu poderia saber»46

29Enfim, fariam de Alain Corbin um provável candidato à classificação no âmbito da historiografia pós-moderna alguns aspetos como a opção pelos temas exóticos, pela viva reconstrução lacunar através de uma imaginação romanesca, pela incorporação do acaso como procedimento, pela pesquisa do anônimo desconhecido que se torna importante pela sua insignificância – mas não em uma perspetiva como a da Micro-História, que é a de utilizar esse anônimo ou o detalhe pouco percebido como caminho para chegar a uma questão mais ampla... em Corbin, o que se busca é o insignificante pelo prazer de investigar o insignificante. Estaria talvez aqui um bom exemplo de historiografia pós-moderna no que se refere a alguns aspetos que têm sido criticados pelos historiadores que ainda buscam o sentido na história, a ligação com contextos mais amplos, a problematização.

  • 47 Eric Hobsbawm, «Escaped Slaves of the Forest», New York Review of Books, 6 de dezembro de 1990, pp. (...)
  • 48 Richard Price, Alabi’s World, Baltimore, John Hopkins University Press, 1990.

30Richard Price, autor de um interessante livro sobre os Saramakas do Suriname, também pode ser associado à prática historiográfica pós-modernista, e é assim que Hobsbawm o apresenta na sua resenha «Pós-Modernismo na Floresta», incluída na coletânea de ensaios Sobre a História47. O interessante na obra Alibi’s World, de Richard Price48, é a originalíssima experimentação em torno de um novo padrão de análise das fontes, e de exposição dos resultados, que poderemos denominar Polifonia. O livro busca examinar as sociedades quilombolas do Suriname nos séculos XVIII e XIX. Para compreender a história dos saramakas – que é como no Suriname eram chamados os quilombolas que construíram sociedades às margens do sistema escravista – Richard Price procura apreender estas sociedades através da vida e contexto de um chefe quilombola chamado Alabi (1740-1820). Mas o que importa é o método proposto. Price procura construir a sua polifonia de vozes trazendo, para além da sua própria voz de autor, as vozes dos vários atores sociais que são entrevistos nas fontes. Cada uma destas vozes é identificada no texto escrito por Richard Price com uma fonte tipográfica distinta, sendo este o singular recurso visual disponibilizado para o leitor, de modo a que este não se perca naquilo a que Eric Hobsbawm parece entrever como uma espécie de floresta de vozes construída por este audacioso ensaio que foi objeto de considerações da parte de Hobsbawm em uma resenha intitulada «Pós Modernismo na Floresta». A experiência polifônica de Richard Price, embora criticada na sua realização final por Hobsbawm, é certamente material de extremo interesse para se pensar as futuras possibilidades da História no que se refere a novos modos de lidar com as fontes e a novos modos de expor o texto.

  • 49 Anthony Grafton, Footnote: a curious history, Harvard, Harvard University Press, 1997.

31Pesquisas e experiências na escritura da história, como a empreendida por Price, devem ser relacionadas a multiplicação de abordagens e modos de exposição que os novos tempos trouxeram. Esta expansão metodológico-expositiva caminha ao lado, certamente, da expansão temática em direção a novos objetos e a novas possibilidades de leituras miniaturizadas de certos aspetos da realidade social, econômica, política e cultural – incluindo também aquilo que Dosse chamou de uma «história em migalhas». Entre historiadores renomados, aparecem estudos que, no passado teriam despertado ainda mais estranheza, como por exemplo uma «história das notas de pé-de-página», escrita por Anthony Grafton49.

  • 50 Simon Schama, Citizens: a chronicle of the French Revolution, New York, Alfred A. Knopf, 1989 [Cida (...)
  • 51 Uma crítica às afirmações de Schama podem ser encontradas em Timothy Tackett, When the King Took Fl (...)
  • 52 Sean Wilentz, The Kingdom of Mathias: a story of sex and salvation in the 19th Century America, Oxf (...)

32Exemplo de investimento nas leituras fragmentadas pode ser ilustrado com a obra Citizens: a chronicle of the French Revolution, de Simon Schama50, um historiador britânico particularmente bem articulado com a Mídia, que busca examinar o período da Revolução Francesa a partir de histórias de vida pessoais, alternando-as com afirmações polêmicas que mereceram críticas de especialistas, apesar do estrondoso sucesso editorial da obra, que em certo momento se arrisca a explicar o Terror e a Violência como «corolário lógico da linguagem universalista da Declaração de Direitos Humanos»51. É também um investimento nos horizontes da experiência pessoal o estudo de Sean Wilentz52 sobre um profeta urbano da Nova York do início do século XIX (1999). Argumenta-se que, nesta recuperação de histórias pessoais do passado, sem uma ligação maior ao contexto ou sem o contraponto de problematizações, tal tipo de historiografia pouco acrescentaria em relação à literatura mais livre, resultando que a própria identidade da História enquanto gênero com especificidades próprias se veja ameaçada.

  • 53 Julie Enfield, História Íntima do Beijo, São Paulo, Matrix, 2008.
  • 54 Jean-Luc Hennig, Breve História das Nádegas, São Paulo, Terramar, 1997.
  • 55 Georges Vigarello, História do Estupro, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1998.
  • 56 Henry Petroski, A Evolução das Coisas Úteis, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2007.

33É verdade ainda que, coabitando o mesmo universo que os historiadores profissionais, uma série de outros escritores de histórias invadiu o mercado editorial pós-moderno, que também oferece como dimensão possível a superficialidade já identificada por Jameson. Beneficiando-se da tendência a uma estetização da historiografia, não é raro que surjam profissionais de outras áreas que trabalham com a elaboração literária prontos a acrescentar a sua lantejoula historiográfica no mercado editorial, superficial mas escrita em texto fluente, capaz de seduzir um público leitor mais amplo e, desta maneira, agradar os editores. Surgem histórias como a «História Íntima do Beijo»53, a «Breve História das Nádegas»54, a «História do Estupro»55. Há uma história para cada objeto – dos clipes, garfos e latas aos zíperes – como nos mostra o ensaio de Henry Petroski sobre A Evolução das Coisas Úteis56. No mundo editorial pós-moderno, parece ser esta uma das tendências vigentes: há espaço para tudo nas prateleiras dos livros de História.

Topo da página

Notas

1 W. Hudson, «The Question of Postmodern Philosophy» in W. Hudson e W. Reijen (orgs), Modernen versus Postmodernen, Ultrech, Het Spectrum, 1986, pp. 51-91.
Panorama completo dos diversos sentidos que veio a assumir a expressão Pós-Modernismo no decorrer do século XX pode ser encontrado no ensaio Origens da Pós-Modernidade, de Perry Anderson (1999), que remonta à primeira aparição da expressão à década de 1930, quando a expressão foi utilizada para se referir a um refluxo conservador dentro do próprio Modernismo. A maior difusão da expressão, por outro lado, só irá ocorrer a partir dos anos 1970, ver Perry Anderson, As Origens da Pós-Modernidade, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1999 [original: 1998], pp. 10-20.

2 Terry Eagleton (1998) também estabelece uma distinção entre pós-modernismo e pós-modernidade nos mesmos moldes. Pós-Modernismo corresponderia a «uma forma de cultura contemporânea»; já pós-modernidade remontaria a um «período histórico específico». Como visão de mundo, o pós-moderno implica em uma «linha de pensamento que questiona as noções clássicas de verdade, razão, identidade e objetividade, a idéia de progresso ou emancipação universal, os sistemas únicos, as grandes narrativas ou os fundamentos definitivos de explicação», ver Terry Eagleton, As ilusões do Pós-Modernismo, Rio de Janeiro, Zahar, 1998 [original: 1996).

3 Keith Jenkins acompanha a proposta de Lyotard de tratar a Pós-Modernidade como condição. Diz ele: «vivemos na condição geral da pós-modernidade [...] [esta] não é uma ideologia ou uma postura à qual possamos escolher aderir ou não» ver Keth Jenkins, On ‘What is History’. From Carr and Elton to Rorty and White, London: Routledge, 1995, p. 6. A argumentação é análoga à de Alun Munslow, ver Alun Munslow, The Routledge companion to historical studies, London, Routledge, 2000, p. 188. Já Fredric Jameson, na Introdução de Pós-Modernismo – a Lógica Cultural do Capitalismo Tardio, São Paulo, Ática, 2006, p. 16 [original 1991] confronta-se contra a possibilidade de que se tenha com a Pós-Modernidade um período realmente novo (uma nova época), ao afirmar que na verdade trata-se de uma fase do Capitalismo (a fase tardia).

4 Michael Bentley, Modern historiography: an introduction, London, Routledge, 1999.

5 Terry Eagleton (n.1943), em Ilusões do Pós-Modernismo, busca enxergar os limites do Pós-Moderno como padrão dominante. Conforme o filósofo inglês, o Pós-Modernismo apresenta alguns traços marcantes: além de intermesclar cultura elitista e cultura popular, a arte torna-se «superficial, descentrada, infundada, autorreflexiva, divertida, caudatária, eclética e pluralista». Com relação à questão que indaga se o Pós-Moderno encontra «acolhimento geral ou constitui apenas um campo restrito da vida contemporânea», Eagleton situa-a como «objeto de controvérsia» ver Terry Eagleton, As Ilusões do Pós-Modernismo, p. 7.

6 Frank R. Ankersmit, «Historiografia e Pós-Modernismo», Topoi – Revista de História, v.2, Rio de Janeiro, UFRJ, 2001 [«Historiography and Postmodernism», History and Theory, n.° 28, 1989, p. 129].

7 A perceção de uma crise das ideologias já remonta, na verdade, aos anos 1950. H. Stuart Hughes, em 1951, teria sido um dos primeiros autores a formularem a idéia de um «Fim das Ideologias Políticas» (ver Stuart Hughes, «The End of Political Ideology», Measure 2, n.° 2, 1951, pp. 146-158), sendo mais tarde seguido por Judtih Shklar, em After Utopia: The Decline of Political Faith, Princeton, Princeton UP, 1957.

8 Remo Bodei (n. 1938) observa que, desde o século III a. C, as utopias eram concebidas geograficamente, como «lugares» – muito habitualmente ilhas – nos quais existiam sociedades perfeitas, mas não pertencentes ao mundo conhecido. Ver Remo Bodei, A História tem um sentido?, Bauru: EDUSC, 1997, p. 74. A estes mundos espacialmente apartados os náufragos e viajantes iam dar por acaso, e as «utopias» antigas eram de fato mundos impossíveis e irrealizáveis, que serviam para confrontar o Presente e seus limites, tal como havia feito Platão com sua República ou como faria Thomas Morus com a sua Utopia. Somente no século XVIII surge a primeira utopia temporalizada, situada no futuro: a que é descrita no romance de Louis-Sébastien Mercier (1740-1814) intitulado O ano 2440 (1771).

9 Robert Nisbet, História da idéia de Progresso, Brasília, UNB, 1985.

10 Astor Diehl, «Aspetos da desilusão da idéia de progresso na História e suas implicações», in Cultura Histórica – memória, identidade e representação, Bauru, EDUSC, 2002, pp. 21-44.

11 Alain Tourraine, «Modernity and cultural specificities», International Social Science Journal, n.° 40, 1989, pp. 43-457.

12 Alain Tourraine, Crítica da Modernidade, Petrópolis, Vozes, 1995.

13 Fredric Jameson construiu sua projeção intelectual a partir de seus trabalhos na esfera da Crítica Literária, vindo a dirigir o Programa de Pós-Graduação de Literatura da Duke University. Suas obras, por outro lado, alcançaram extraordinária repercussão entre os historiadores.

14 A periodização proposta por Jameson – um período chamado «Capitalismo Tardio» – parte da formulação do economista belga Ernest Mandel (1923-1995) na obra com este mesmo título. O Capitalismo Tardio – que hoje corresponde à chamada «globalização» – seria correspondente ao atual e terceiro estágio do sistema capitalista (que já teria conhecido duas fases anteriores, a do «capitalismo de mercado» e a do capitalismo monopolista ou imperialista. Ver Frederic Jameson, «Pós-Modernismo: a Lógica Cultural do Capitalismo Tardio», in Pós-Modernismo: a Lógica Cultural do Capitalismo Tardio, São Paulo, Ática, 2006, pp. 27-79 [original: 1984] e Ernst Mandel, O Capitalismo Tardio, São Paulo, abril Cultural, 1982 [original: 1972].

15 Jameson, «Introdução» in Pós-Modernismo…, p. 13.

16 Ver Reinhart Koselleck, Futuro Passado – contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006 [original: 1979]. Em uma outra perspetiva, John Harold Plumb (1911-2001) já havia falado em uma «Morte do Passado», no ensaio que recebeu este mesmo nome: «A força do passado em todos os aspetos da vida está distante; distante e muito mais fraca do que há uma geração [...] Na verdade, poucas sociedades chegaram a ter passado, numa dissolução tão galopante como esta» ver John Harold Plumb, Dead of the Past, Boston, Houghton Mifflin Company , 1970, p. 15.

17 Anderson, As Origens da Pós-Modernidade…, p. 73.

18 Jameson refere-se aqui ao mesmo fenômeno que François Dosse, em A História em Migalhas (1987), avalia como «um perigoso exagero da interdisciplinaridade» – esta mesma interdisciplinaridade que havia sido tão bem articulada pelas duas primeiras gerações da escola dos Annales, e que agora, na Nouvelle Histoire, parece a Dosse uma ameaça de esboroamento da história em um campo indefinido, anulando-a.

19 Ver Anderson, As Origens da Pós-Modernidade… p. 73. Jameson, a este respeito, faz uma crítica à obra de Michel Foucault. Vale também checar os comentários de Culler em On Desconstruction: «Os praticantes de algumas disciplinas particulares reclamam que textos que consideram da sua modalidade têm sido estudados fora da matriz disciplinar que lhes é própria: estudantes de teoria leem Freud sem se perguntar se a pergunta posterior em Psicologia possa vir a ter discordado de seus postulados; leem Derrida sem possuir embasamento na tradição filosófica; leem Marx sem estudar as descrições alternativas de situações econômicas e políticas», ver K. Culler, On Desconstruction: Theory and Criticism after Structuralism, Londres, 1985.

20 Jean Lojkine, A revolução informacional, São Paulo, Cortês, 1995.

21 Ver Ankersmit, «Historiografia e Pós-Modernismo»…

22 Keith Jenkins, A História Repensada, São Paulo, Contexto, 2001 [original: 1991], p. 101.

23 Ver Alex Callinicos, Against Pos-Modernism – a marxist critique, Cambridge, Polity Press, 1989.

24 Ciro Flamarion Cardoso, «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento: visão de um historiador», in Um Historiador fala de Metodologia, Bauru, EDUSC, 2005, pp. 73-94.

25 Ciro Flamarion Cardoso, «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento…», p. 85.

26 Ibidem, p. 85.

27 Jameson, Fredric, «Pós-Modernismo: a Lógica Cultural do Capitalismo Tardio», in Pós-Modernismo: a Lógica Cultural do Capitalismo Tardio, São Paulo, Ática, 2006, p. 14.
Eis uma passagem de A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio, na qual Jameson sintetiza alguns aspetos do Pós-Modernismo: «uma nova falta de profundidade, que se vê prolongada tanto na ‘teoria’ contemporânea quanto em toda essa cultura da imagem e do simulacro; um consequente enfraquecimento da historicidade, tanto em nossas relações com a história pública quanto em nossas novas formas de temporalidade privada, cuja estrutura ‘esquizofrênica’ (seguindo Lacan) vai determinar novos tipos de sintaxe e de relação sintagmática nas formas mais temporais da arte; um novo tipo te Mariz emocional básico – a que denominarei de ‘intensidades’ –, que pode ser bem mais estendido se nos voltarmos para as teorias mais antigas do sublime; a profunda relação constitutiva disto tudo com a tecnologia, que é uma das figuras de um novo sistema econômico mundial...». Jameson, «Pós-Modernismo: …», p. 32.

28 «[...] é difícil discutir a teoria do pós-modernismo de modo geral sem recorrer à questão da surdez histórica, uma condição exasperante (desde que se tenha consciência dela), que determina uma série intermitente de tentativas espasmódicas, ainda que desesperadas, de recuperação. A teoria do pós-modernismo é uma destas tentativas: o esforço de medir a temperatura de uma época sem os instrumentos e em uma situação em que nem mesmo estamos certos de que ainda exista algo com a coerência de uma época, ou Zetgeist, ou sistema, ou situação corrente». Ver Jameson, «Introdução» in Pós-Modernismo…, pp. 13-14.

29 Ankersmit, «Historiografia e Pós-Modernismo»…, p. 129.

30 Jean-François Lyotard, A Condição Pós-Moderna, Rio de Janeiro, José Olímpio, 1998 [original: 1979].

31 Ciro Flamarion Cardoso, «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento…», p. 86.

32 Frank R. Ankersmit, «Historiografia e Pós-Modernismo», pp. 144-145.

33 François Dosse, L’histoire en miettes – des Annales à La Nouvelle Histoire, Paris, La Découverte, 1987.

34 Ciro Flamarion Cardoso, «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento…», p. 89.

35 A obra coordenada por Michel Foucault aborda a problemática do sujeito submergido pelo discurso. Entre o relato de Rivière – um jovem de 20 anos de idade que em 1835 havia degolado sua mãe, sua irmã e seu irmão – e o relato das testemunhas do crime, discursam os médicos e os magistrados, que oscilam entre enxergar o criminoso do ponto de vista da alienação mental ou da cruel racionalidade. Ver Michel Foucault (org.), Eu, Pierre Rivière, que Degolei Minha Mãe, Minha Irmã e Meu Irmão – Um caso de parricídio do século XIX apresentado por Michel Foucault, Rio de Janeiro, Graal, 1977 [original: 1973].

36 Ciro Flamarion Cardoso, «Epistemologia Pós-Moderna e conhecimento…», p. 90.

37 Frank R. Ankersmit, «Historiografia e Pós-Modernismo»…

38 Ver Georges Duby e G. Lardreau, Dialogues, Paris, Flamarion, 1980 e Georges Duby, «A História: um meio de divertimento, um meio de evasão, um meio de formação», in Le Goff, Duby, Le Roy Ladurie e outros, A Nova História, Lisboa, Edições 70, 1991 [original: Magazine Literaire n.° 123, 1977].

39 Ver Perez Zagorin, «Historiografia e Pós-Modernismo: reconsiderações», Topoi, Rio de Janeiro, março de 2001, pp. 137-152.

40 Alain Corbin, Território do Vazio: a praia e o imaginário ocidental, São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

41 Alain Corbin, Les cloches de la terre. Paysage sonore et culture sensible dans les campagnes au XIXe siècle. Paris: Flammarion, 1986.

42 Alain Corbin, Le miasme et la jonquille: odorat et imaginaire social, Paris, Albin Michel, 1994.

43 Ver Alain Corbin, Le territoire du vide: l’Occident et le désir de rivage, Paris, Flammarion, 1990; Alain Corbin, L’homme dans le paysage, Paris, Textuel, 2001; Alain Corbin, Le village des «cannibales», Paris, Aubier, 1990; Alain Corbin, «O prazer do historiador (Entrevista concedida à Revista Brasileira de História)», Revista Brasileira de História, vol. 25, n.° 49, jan/jun de 2002.

44 Alain Corbin, Le monde retrouvé de Louis-François Pinagot: sur les traces d’un inconnu (1798-1876), Paris, Flamarion, 1998.

45 Alain Corbin, «O prazer do historiador…».

46 Idem.

47 Eric Hobsbawm, «Escaped Slaves of the Forest», New York Review of Books, 6 de dezembro de 1990, pp. 46-48 (republicado em «Pós-Modernismo na Floresta», in Sobre História. São Paulo, Companhia das Letras, 2005, pp. 201-206) [original do livro:1997; original do artigo: 1990].

48 Richard Price, Alabi’s World, Baltimore, John Hopkins University Press, 1990.

49 Anthony Grafton, Footnote: a curious history, Harvard, Harvard University Press, 1997.

50 Simon Schama, Citizens: a chronicle of the French Revolution, New York, Alfred A. Knopf, 1989 [Cidadãos: Uma Crônica da Revolução Francesa, São Paulo, Companhia das Letras, 1989].

51 Uma crítica às afirmações de Schama podem ser encontradas em Timothy Tackett, When the King Took Flight, Cambridge (MA), Harvard University Press, 2003.

52 Sean Wilentz, The Kingdom of Mathias: a story of sex and salvation in the 19th Century America, Oxford, Oxford University Press, 1999.

53 Julie Enfield, História Íntima do Beijo, São Paulo, Matrix, 2008.

54 Jean-Luc Hennig, Breve História das Nádegas, São Paulo, Terramar, 1997.

55 Georges Vigarello, História do Estupro, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1998.

56 Henry Petroski, A Evolução das Coisas Úteis, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2007.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José D’Assunção Barros, « A historiografia pós-moderna », Ler História, 61 | 2011, 147-167.

Referência eletrónica

José D’Assunção Barros, « A historiografia pós-moderna », Ler História [Online], 61 | 2011, posto online no dia 24 Fevereiro 2016, consultado no dia 24 Outubro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1655 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1655

Topo da página

Autor

José D’Assunção Barros

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ, Brasil)

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org