Navegação – Mapa do site
Dossiê - Sob o signo da liberdade: o liberalismo peninsular

Introdução

António Monteiro Cardoso e Fátima Sá e Melo Ferreira
p. 7-8

Dedicatória

Este dossiê é dedicado a António Monteiro Cardoso, grande estudioso do século XIX, falecido a 11.1.2016, quando este número da Ler História para que tanto contribuiu já estava em composição.

Texto integral

1A eleição das várias épocas de estudo que se tornam objeto de investigação histórica é um fenómeno complexo que, sem dúvida, terá muito a ver com o presente histórico. Certas épocas tornam-se em dados momentos objeto de uma vaga de curiosidade histórica após o que são subalternizadas em favor de outras e de outros temas que entram em voga.

2O final das ditaduras dos Estados do sul da Europa que sobreviveram à Segunda Guerra Mundial criou uma vaga de curiosidade em torno do século XIX. As revoluções liberais acompanhadas de profundas e duradouras transformações políticas, económicas e sociais que se sucederam às revoluções de 1789 e 1830, que se estenderam do Vístula às costas brasileiras, desencadearam, em quase todos os países, uma multiplicidade de estudos. O facto de se tratar da época áurea das constituições, das instituições parlamentares, da construção dos nacionalismos e de novas instituições jurídicas e económicas explica esse interesse duradouro.

3No entanto, alguns anos depois, o estudo do século XIX começou a decair, diminuindo a quantidade e variando a profundidade dos trabalhos a ele dedicados.

4Este relativo abandono foi acompanhado de uma avalanche de estudos sobre o século XX, que não obstante serem fundamentais podem carecer de profundidade se ignorarem épocas anteriores que são matriz dos temas agora estudados.

5Contrariando esta tendência, a Ler História aposta neste número num dossiê consagrado ao século XIX, numa dimensão sobretudo ibérica, que inclui três artigos sobre temas diversificados mas complementares. Com ele se pretende sublinhar não apenas a permanência do interesse histórico pelo período como o caráter historiograficamente inovador de alguns trabalhos que lhe têm vindo a ser dedicados.

6O primeiro artigo, La diplomatie du libéralisme portugais et la solidarité aristocratique internationale (1828-1832), de autoria de Grégoire Bron, perspetiva a ação política de um nobre e diplomata português, o Marquês de Palmela, em favor da causa liberal no seio das redes de solidariedade transnacional estabelecidas durante a emigração dos constitucionais, forçados ao exílio durante o reinado de D. Miguel (1828-1832). O autor mostra a vivacidade dessas redes muito tempo ignoradas, na senda dos estudos recentes que têm vindo também a desvendar a sua importância noutros países da Europa do Sul como a Grécia, a Itália e a Espanha. Grégoire Bron sublinha o peculiar modo de inserção da causa constitucional portuguesa no contexto do internacionalismo liberal e a estratégia, inédita, de utilisação em seu favor dos recursos sociais do liberalismo aristocrático do exílio e da reivindicação da legitimidade dinástica de D. Pedro e da sua filha D. Maria da Glória que se revelaria bastante eficaz junto das elites conservadoras.

7No segundo texto, «O Negócio da Urna» – as eleições de 1842, Sandra Coelho debruça-se sobre o complexo problema das eleições durante a monarquia constitucional portuguesa através de uma análise das eleições de 1842, eleições que viriam legitimar o novo poder saído da restauração da Carta Constitucional pelo ministro Costa Cabral através de um pronunciamento militar e que foram já consideradas como um exemplo particularmente eloquente do caráter fraudulento do sistema de sufrágio oitocentista. A autora percorre com grande pormenor a legislação que as enquadrou, o universo eleitoral por ela definido, os procedimentos do recenseamento, as práticas eleitorais propriamente ditas e os resultados a que conduziram, traçando um quadro muito completo de umas eleições cuja excecionalidade é sempre reconduzida a contextos mais vastos da doutrina e das práticas políticas da monarquia constitucional.

8Finalmente, em Performing Monarchy and national identity in the liberal culture: the case of Galicia (1858), Margarita Barral Martínez analisa o papel da monarquia na construção nacional da Espanha oitocentista tomando como ponto de observação a viagem da rainha Isabel II à Galiza em 1858, viagem em que foram mobilizados vários tipos de recursos culturais, inclusivamente locais e regionais, no sentido da construção de uma identidade mais ampla do que a local e a regional. É assim posto em destaque o papel da monarquia na construção da identidade espanhola oitocentista e o relevo que a figura do monarca adquire nos processos de integração nacional.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

António Monteiro Cardoso e Fátima Sá e Melo Ferreira, « Introdução », Ler História, 68 | 2015, 7-8.

Referência eletrónica

António Monteiro Cardoso e Fátima Sá e Melo Ferreira, « Introdução », Ler História [Online], 68 | 2015, posto online no dia 02 Março 2016, consultado no dia 28 Abril 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1695 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1695

Topo da página

Autores

António Monteiro Cardoso

Escola Superior de Comunicação Social, Doutorado em História Moderna e Contemporânea pelo ISCTE-IUL, membro do IHC da FCSH/UNL.

Fátima Sá e Melo Ferreira

Departamento de História, da Escola de Sociologia e Políticas Públicas do ISCTE-IUL. Investigadora do CIES-IUL.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org