Navegação – Mapa do site
Artigos

A construção do «hispanismo» na obra política de António Sardinha (1915-1925)

Notes for a new reading of «Hispanism» António Sardinha (1915-1925)
Notes pour une relecture de « l’hispanisme » d’António Sardinha (1915-1925)
George Manuel Gomes
p. 109-127

Resumos

A importância do « hispanismo » no pensamento político de António Sardinha (1887-1925) tem despertado um interesse crescente junto da historiografia portuguesa. O presente artigo inscreve-se pois na órbita das preocupações que, nas últimas décadas, propiciaram, entre outros, os trabalhos de Paulo Archer de Carvalho e Sérgio Campos Matos. Sem perder de vista as capitais contribuições destes estudos, são as grandes linhas do « hispanismo », a sua cronologia e o seu caráter fundamental para a compreensão da obra final de Sardinha que este artigo pretende revisitar. Nesta ótica, a receção crítica do « hispanismo » em vida do pensador e a sua influência política nas décadas imediatamente a seguir à sua morte precoce, serão também particularmente avaliadas.

Topo da página

Texto integral

O ponto final da carreira intelectual de António Sardinha

  • 1 António Sardinha, A Aliança Peninsular: antecedentes & possibilidades, Porto, Civilização Editora (...)

1Em janeiro de 1925, menos de dois meses antes da sua morte, António Sardinha (1887-1925) deu à estampa o seu último livro, A Aliança Peninsular : antecedentes & possibilidades1. Desta forma, a última publicação em vida do polémico ideólogo surgia, como é sabido, num contexto nacional particularmente turbulento. Em sintonia com o ambiente português da época, o passado recente de António Sardinha também não fora menos agitado.

2Com efeito, de regresso a Portugal em Fevereiro 1921, na sequência do exílio político em Espanha provocado pela sua participação na fracassada Monarquia do Norte, Sardinha investiu-se de novo na obra de propaganda política e cultural em que se converteria prioritariamente o Integralismo Lusitano. Entre 1921 e 1922, tornou-se assim o novo diretor do jornal quotidiano A Monarquia e da revista de filosofia política Nação Portuguesa.

  • 2 Sobre a intensa actividade de Sardinha durante os seus últimos anos de vida, ver a obra Ana Isabe (...)

3A liderança dos dois principais órgãos de comunicação do Integralismo traduziu-se numa intensa produção de artigos : entre a sua nomeação, em 1922, para a direção da Nação Portuguesa em 1922 e a sua morte em 1925, Sardinha publicou, nada mais nada menos do que dezoito artigos dentro da mesma revista. No mesmo período, dedicava-se também à redação de cerca de quinhentas páginas que compõem A Aliança Peninsular2.

  • 3 António Sardinha, Ao Princípio era o Verbo, Lisboa, Edições Gama, 1924.

4Para o escritor e intelectual profissional que Sardinha pretendeu encarnar, história de Portugal, filosofia política e literatura continuavam a ser as suas áreas de predileção. Idade-Média, origens políticas da nação, literatura e « hispanismo » (ou relações luso-espanholas) permaneciam, do mesmo modo, os temas dominantes da sua reflexão. A antologia de artigos, Ao Princípio era o Verbo3 (1924), organizada pelo próprio Sardinha, constitui uma fonte preciosa para seguir o rumo do seu pensamento pós-exílio. Só a sua complexa visão das relações luso-espanholas, António Sardinha consagraria um livro inteiro : A Aliança Peninsular.

  • 4 Franco Nogueira, in: António Sardinha e o Iberismo, Acusação Contestada, Lisboa, Biblioteca do Pe (...)

5Foi no início dos anos 70 que o « hispanismo » de Sardinha se encontrou energicamente debatido pela última vez em Portugal. O livro de António Rodrigues Cavalheiro, António Sardinha e o Iberismo, Acusação Contestada (1974), permite acompanhar as mais notáveis contribuições para esse debate, desde a morte de Sardinha, e até à publicação da terceira edição portuguesa, em 1972, de AAliança Peninsular. Por esta altura, destacou-se a intervenção de Franco Nogueira. Franco Nogueira fazia parte dos intelectuais portugueses que viram na Aliança Peninsular uma espécie de tratado político que convidava : « inevitavelmente, inexoravelmente, à submissão, à absorção, à diluição de Portugal de Portugal na Península espanhola, e só espanhola »4.

6Entre fortes críticas, como estas últimas de Franco Nogueira, e, como veremos, sinceros aplausos, a receção contrastada ao « hispanismo » de Sardinha foi também, em certa medida, ilustrada pela atitude cautelosa dos restantes integralistas. Mesmo assim, o hispanismo de Sardinha não foi um pensamento construído à margem do Integralismo. Como dissemos, A Aliança Peninsular foi redigida num momento em que, mais do que nunca, Sardinha se investia totalmente na liderança do movimento.

  • 5 Luís de Almeida Braga, Posição de António Sardinha, Lisboa, Edições Gama, 1943, pp. 76-81.

7Mas, com efeito, a teorização luso-espanhola do líder integralista nunca foi em vida do autor apoiada publicamente pelos seus correligionários, nem nunca teve discípulos declarados depois da sua morte. Não obstante, ao apresentar, já em 1943, a síntese crítica da obra política de Sardinha, é verdade que Luís de Almeida Braga, apoiou a visão hispânica defendida pelo seu antigo camarada5. Na conjuntura da época e no âmbito das relações tecidas entre Portugal e Espanha desde o início da Guerra Civil espanhola, não sobravam dúvidas, para Almeida Braga, de que a reflexão ibérica de Sardinha acabara por se concretizar :

  • 6 Ibid., p. 80. Em maiúsculas no texto.

Foi só ao clarão sinistro das labaredas da guerra de libertação, já quando a Espanha parecia para sempre sepulta e o céu de Portugal se cobria de ameaças, que principiou-se a entender-se A ALIANÇA PENINSULAR6

O « hispanismo« no tempo

8Antes de encontrar a sua formulação definitiva com A Aliança Peninsular podemos dizer que a ideologia hispânica de Sardinha atravessou diversas etapas que corresponderam, aliás, a momentos decisivos da sua vida. Recordemo-las brevemente.

  • 7 Id., in: A Questão Ibérica, «O Território e a Raça», Lisboa, Tipografia do Anuário Comercial, 191 (...)
  • 8 Ibid., p. 27.

9A primeira intervenção de Sardinha no debate das relações luso-espanholas surge em 1915, quando se assumindo como líder do Integralismo, Sardinha pronunciou o discurso O Território e a Raça7, no quadro das conturbadas Conferências da Liga Naval, organizadas em Lisboa pela direção do movimento monárquico. Afirmando-se nessa ocasião como um anti-iberista e separatista radical, Sardinha já deixava no entanto pressentir a sua intenção de, num futuro ainda incerto, refletir sobre um projeto de aliança-peninsular ao afirmar : « Formula de amanhã em política exterior há-de ser, sem dúvida, não a união ibérica, mas a aliança-peninsular »8.

10Esta ideia de aliança peninsular consolidar-se-ia ainda mais, começando a revelar o seu teor, durante a Primeira Guerra Mundial. Preocupado com o futuro do que restava do império português, Sardinha antecipava na cena internacional a necessidade do estabelecimento, a curto prazo, de uma forte cooperação entre Espanha e Portugal :

  • 9 Id., «O nosso futuro», in: Durante a Fogueira – Páginas da Guerra, Lisboa, Livraria Universal, 19 (...)

Debruçado para o Atlântico, no dia em que à fórmula estulta da união-ibérica se substituir à fórmula consciente e erguida da aliança-peninsular, Portugal ligado à Espanha pela mesma finalidade exterior, recuperará novamente o senso adormecido da sua antiga vocação mundial9.

  • 10 Id., À Lareira de Castela, Famalicão, Edições Minerva, 1943.

11Apesar de ainda vaga, a ideia de « aliança-peninsular » passa a ser largamente desenvolvida por Sardinha durante o seu exílio em Espanha (1919-1921). Desde então, a reflexão ibérica torna-se mesmo preponderante no pensamento do ideólogo de Elvas. Publicada postumamente em 1943, a antologia de artigos, essencialmente datados do período de exílio, À Lareira de Castela10, permite seguir essa tendência. É a partir daí que Sardinha passa a usar com frequência o termo « hispanismo » associado a reflexões paralelas sobre a história e atualidade de Espanha e Portugal. Desenvolveria de forma exaustiva essas reflexões na Aliança Peninsular.

« Hispanismo»  e «patriotismo» 

12Interessar-se pelo pensamento « hispânico » de Sardinha remete para a análise de uma postura nacionalista indubitavelmente original, e que, ao seu autor, se afigurava como sendo a única viável depois do seu exílio em Espanha. Essa postura adotava por princípio basilar a recusa formal de pensar o possível futuro contrarevolucionário de Portugal, continuando a considerar a vizinha Espanha como uma perpétua ameaça para os interesses soberanos da nação lusa. Desta forma, o leitor atento da obra de Sardinha não ficará surpreendido ao ler, logo na introdução do seu último livro da Aliança Peninsular, a seguinte afirmação :

  • 11 Id., A Aliança Peninsular, op. cit., p. XXXIV.

Repito : — nada mais angustioso nem mais humilhante para o nosso patriotismo, quando são e quando clarividente, do que o irracional ódio à Espanha, denunciando consigo, na sua suposta exaltação nacionalista, uma negativa formal e irredutível da pátria portuguesa11.

13Como explicar, em suma, que para Sardinha a « tradicional » aversão portuguesa à Espanha se assemelhasse a uma incompatibilidade com próprio patriotismo luso ? A introdução da Aliança Peninsular permite responder a essa pergunta. A importância dada à Espanha pelo próprio nacionalismo português surge claramente definida. E nessa introdução se sintetiza, de igual modo, a principal evolução sofrida pelo pensamento de Sardinha durante o exílio : estava agora convencido da existência de uma forte fraternidade histórica entre Espanha e Portugal. Assim o proclamava :

  • 12 Ibid., p. V.

Se na Idade-Média e durante a gesta áurea da Reconquista nos entrelaça, a portugueses, castelhanos e aragoneses, como uma só alma e um só corpo perante as arremetidas do Islamismo, amplia-se, clarifica-se numa visão já apurada das coisas, ao assomarem, para além da linha misteriosa das águas, o perfil moço da América e o prestígio vencido do Mar tenebroso […] o sentimento do destino histórico ancora com firmeza nas verdades superiores, que norteiam o rumo dos dois povos peninsulares. Paralelismo tão radicado e tão sinceramente vivido, não enfraquece o patriotismo mais fundo e intransigente12.

  • 13 Ibid., p. XXI.

14Efetivamente, a convicção da existência de uma fraternidade histórica entre os dois países ibéricos não podia entrar em conflito com « o patriotismo mais fundo e intransigente » de Sardinha. Pois, para o polémico autor, em 1924, como em 1915, a soberania natural de Portugal permanecia uma verdade indiscutível : « Entendamo-nos ! Ninguém nega a Portugal fronteiras naturais »13.

O espaço do « hispanismo»

  • 14 Maurice Legendre, in: ibid., p. XXIX.

15Cabe aqui recordar desde já, que o conceito de  « hispanismo » de Sardinha consiste claramente em colocar Espanha e Portugal num prestigiante pé de igualdade. Nesta ótica, cada uma das duas nações devia ser olhada como uma das bases de uma civilização ibérica que excedia em muito os próprios limites fronteiriços da Península. No fundo, o « hispanismo » devia então começar por ser compreendido como uma perceção geográfica transnacional da história ibérica. Uma perceção que, note-se, Sardinha achou perfeitamente ilustrada na opiniãodo publicista francês Maurice Legendre (1878-1955), no Portrait de l’Espagne (1923) : « A Ibéria é a Espanha é Portugal, é o México, é o Brasil e a Argentina, e as vinte nações que se defendem contra a invasão do mercantilismo Yankee »14.

16Tal definição geográfica do « hispanismo », que remete para a ideia de história paralela de Espanha e Portugal, aponta para o elemento chave daquilo que Sardinha considera ser a fraternidade luso-espanhola. Uma história sempre ligada à partilha de uma mesma fé religiosa e, consequentemente, à partilha da mesma guerra medieval de Reconquista, seguida de uma mesma oposição ao protestantismo através da expansão marítima e das suas campanhas de evangelização, das quais espanhóis e portugueses seriam, sem dúvidas, os únicos expoentes :

  • 15 António Sardinha, ibid., p. 2.

Só espanhóis e portugueses souberam verdadeiramente colonizar, elevando as raças inferiores à participação duma sociabilidade maior, repassada dos preconceitos da fé cristã15.

  • 16 Oliveira Martins, in: António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 445.
  • 17 Sobre a evolução da reflexão sobre a «cooperação» ibérica ver o importante artigo de Sérgio Campo (...)

17Sem nunca perder de vista o seu ideal tradicionalista, nesta apresentação de um benéfico paralelismo luso-espanhol, Sardinha não omitia de ativar a sua habitual retórica contra-revolucionária. Neste sentido, a fraternidade luso-espanhola e os benefícios dela retirada pelas duas nações ibéricas, não seriam mais, para o chefe integralista, do que o resultado da existência paralela de monarquias orgânicas em Espanha e Portugal. Sardinha ultrapassava e afastava-se, desta forma, das perspetivas traçadas por Oliveira Martins na sua História da Civilização ibérica (1879), da qual o líder integralista fora um leitor atento. Com efeito, se a reflexão martiniana previa a partir « de ideias passadas » aos « apóstolos [luso-espanhóis] da antiga ideia católica » uma cooperação harmoniosa como « probabilidades futuras »16, Sardinha definira um plano que começava por se desquitar radicalmente das veleidades federativas e republicanas de Oliveira Martins17. Remetia, por outro lado, para perspetivas futuras estritamente orientadas no sentido da apologia da monarquia tradicional como regime político a restaurar.

  • 18 António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 21.
  • 19 Ibid.

18Dentro das homenagens consagradas por Sardinha ao Antigo Regime ibérico é sobretudo interessante notar a importância que atribui às políticas de alianças matrimoniais entre as cortes espanholas e portuguesas. Para ele, essas alianças constituíram um perfeito mecanismo de regulação dos excessos de rivalidade entres os dois Estados limítrofes. A consanguinidade das cortes criara afetos bilaterais que se concretizaram numa espécie de fraternidade transnacional, uma « cooperação tanto amigável como espontânea »18 indo « das Armas às Letras, da Política às Letras »19. Eis efetivamente, segundo Sardinha, os alicerces da idade de ouro espanhola e portuguesa dos séculos XV e XVI :

  • 20 Ibid., p. 8.

Exatamente, porque os antagonismos nacionais e dinásticos se chocavam a cada instante com extraordinária violência, é que a política humaníssima dos matrimónios reais conseguia obter a harmonia necessária aos destinos superiores da Península, realizando uma constante correção de ordem espiritual, que bem cedo se traduziu em benefícios difíceis de se olvidarem20

  • 21 Ibid., p. 104.

19Face a este apreço manifestado por Sardinha pela antiga política de alianças matrimoniais das cortes ibéricas, poder-se-á eventualmente discutir a existência de uma tentação por parte do ideólogo de ver o poder político português e espanhol diluírem-se um no outro. Mas, à luz da formulação final do seu pensamento proposta na Aliança Peninsular, tal interrogação acaba por não fazer sentido. Com efeito, repita-se, Sardinha continuava a expressar a sua fé na independência natural, de origem transcendente e por isso indiscutível de Portugal21.

A Contra-revolução hispânica

  • 22 Ibid., p. 157.

20Destacar a ideia de prestígio alcançado por Espanha e Portugal quando paralelamente constituíram duas monarquias tradicionalistas obrigava Sardinha a reativar um dos seus velhos processos retóricos : a estigmatização do liberalismo político. Mas, no caso da Aliança Peninsular, a estigmatização alargara-se visando paralela e simultaneamente o liberalismo português e espanhol. Julgar « o grande crime do Liberalismo na Península »22, consistia em começar por condenar a adesão ibérica a um modelo político vindo da França.

21Como sabemos, para Sardinha a França representava uma cultura filosófica e política de ideais antagónicos em relação aos dos ibéricos. Consequentemente, a França encarnava o inimigo tanto para a Espanha como para Portugal. Nestas condições, a adesão das duas nações peninsulares ao modelo político da Revolução francesa surge para Sardinha como um contra-senso, um erro histórico em tudo contrário à natureza intrínseca dos dois países.

22Para cristalizar definitivamente a imagem da França como « inimiga » de Portugal, o « hispanismo » de Sardinha serve-se essencialmente da memória então ainda recente das invasões napoleónicas. A ocasião ideal para sublinhar a violência e o impacto de uma catástrofe, segundo ele, sem comparações na história nacional, nem mesmo com as horas mais obscuras da rivalidade ibérica durante a União de 1580-1640 :

  • 23 Ibid., p. 210.

Os nossos monumentos foram mutilados, pilhadas as nossas igrejas, fuziladas em massa populações inteiras. Nada existe nas nossas lutas com a Espanha que se compare à página negra a que me refiro. Esteve então em maior perigo a nossa independência do que esteve no reinado dos Filipes23.

  • 24 Ibid., p. 211.
  • 25 Ibid., p. 216.

23Por outro lado, durante esses mesmos anos de guerra, segundo Sardinha, a França, inimiga histórica de Portugal, instalaria no país o caos político que desaguou na contestação da ordem histórica « natural » portuguesa, abrindo assim as portas à catástrofe maior da Revolução de 1820. E isto « exatamente por ser a pátria das ideias desorganizadoras que nos saltearam perfidamente, trazidas pelas mochilas dos soldados de Napoleão »24. Assim configurado, o Portugal parlamentar de Sardinha aparece como um país culpado de ter copiado uma França que não seria nada mais do que o seu carrasco. Este mimetismo era sinónimo, para Sardinha, da « incomensurável anarquia mental e política em que Portugal parece pulverizar-se irremediavelmente »25. No âmbito da sua teorização hispanista, a condenação do Portugal pós 1820 constituía assim um dos seus argumentos fundadores.

  • 26 Ibid., p. 234.

24Do mesmo modo e mercê do mesmo « mal » importado de França, Sardinha afirmava que : « não tardará, pois, que a Espanha role para o limbo obscuro dos detritos da história »26. Para ele, a penetração do modelo político francês em Espanha era, como no caso de Portugal, totalmente incompreensível. Perfilhando, nessa matéria, o ponto de vista do historiador e político conservador espanhol Ángel Salcedo Ruiz (1859-1921), a Espanha teria sido vítima não só dos fermentos revolucionários franceses como também da hostilidade do movimento filosófico francês das Luzes. Citando Salcedo Ruiz a partir do seu livro Historia gráfica de la civilización Española (1914), Sardinha recorda os contornos dessa « teorização » em que a Espanha aparece como a pátria por excelência do obscurantismo e da pobreza cultural :

25Surpreendentemente, e sempre segundo Salcedo Ruiz, apesar de toda esta repulsão, um pouco como o Portugal pós 1820 visto por Sardinha, a Espanha teria acabado por submeter-se ao seu agressor, revendo-se nos estereótipos cansagrados pelos enciclopedistas :

  • 27 Ibid., p. 236.

Los españoles, a quien sedujo el movimiento enciclopedista, adoptaran también la tendencia antiespañola, comenzando de este modo las generaciones de liberales españoles enemigos de España, y los que seguieron tales rumbos aceptaron, como una verdad demostrada, la España de los toros, de los manolos y de los chulos27.

26Era pois deste modo que a estratégia hispânica do monárquico tradicionalista António Sardinha se firmava passo a passo. Depois de ter reclamado a existência de condições históricas para a cooperação luso-espanhola, explicava os males ibéricos designando um inimigo comum : a França. A promoção da França « inimiga » permitia desviar a atenção habitualmente dada às velhas rivalidades luso-espanholas, fixando-a sobre um novo e mesmo alvo. Por si só, acreditava Sardinha, a antipatia comum dirigida contra a França consolidaria ainda mais os laços de amizade entre as duas nações peninsulares. Mas, sobretudo, revestia outro interesse imediato : estimulava uma rejeição luso-espanhola contra a « incompreensível » adesão ibérica ao parlamentarismo. Sardinha continuava assim a elaborar e a apurar na Aliança Peninsular a única estratégia que, como ideólogo português e, monárquico-tradicionalista, considerava viável para abater o regime liberal.

  • 28 António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 204.

27O líder integralista aparece, assim na sua última obra, mais do que nunca convencido que o paralelismo político na Península Ibérica constitui uma « regra natural »28 para a estabilização de qualquer regime em vigor em Portugal. Estava assim claro, para ele, que era ineficaz continuar a lutar pela restauração monárquica orgânica em Portugal, sem que condições fossem criadas para que surgisse em Espanha o mesmo impulso restauracionista.

A revisão do « romance« histórico do relacionamento luso-espanhol

  • 29 Ibid., p. 261.
  • 30 Ibid., p. 282. 

28Mesmo se, efetivamente, o hispanismo de Sardinha se compraz na defesa do antagonismo entre a França e a Península Ibérica, nem por isso evacua o problema dos próprios conflitos históricos ou « ressentimentos »29 luso-espanhóis. Sobre essa questão, centra-se particularmente no período da chamada União Ibérica. E, optando por se opor tenazmente ao « espetro melodramático do cativeiro filipino »30 Sardinha adotava uma postura assumidamente revisionista.

  • 31 Ibid., p. 262.

29Com efeito, prisioneira de uma « complicada engrenagem declamatória que mascara ainda hoje a face da questão peninsular »31, a memória da união de 1580-1640 continuava a ser pervertida, segundo Sardinha, pela obstinação portuguesa em não perceber a sua complexidade, resumindo-a a um parênteses de perda de autonomia da nação.

30Assim, retomando a história das cortes de Tomar e do pacto assinado por Filipe II, utilizando os estudos do historiador Rebelo da Silva (1822-1871) no seu História de Portugal (1860-1871) ou de Teófilo Braga no seu História do direito português. Os forais (1868), Sardinha não hesita em concluir radicalmente :

  • 32 Ibid., p. 268.

 Os três Felipes reinaram entre nós, não como reis de Castela, imperando numa província anexada, mas como soberanos de Portugal, aclamados e jurados em Cortes32

31Ou ainda :

  • 33 Ibid., p. 271.

Em tudo, desde o político ao económico e ao administrativo, Portugal desfrutou da mais completa autonomia durante o parêntesis castelhano33

  • 34 Ibid., p. 283.

32Opor-se à persistência em Portugal da imagem do « cativeiro filipino » equivalia também para Sardinha a resistir à tentação de « diabolizar » a obra centralizadora do governo de Olivares durante as duas últimas décadas da União. Reavaliando esse governo à luz do contexto de guerra europeia, Sardinha entendia sublinhar a dimensão puramente pragmática que teria havido nesse esforço centralizador. Deste modo, considera a atenção dada à « composição política sem consistência nem raízes »34 tentada por Olivares, como um evidente erro de leitura histórica. As tensões luso-espanholas surgidas sobretudo na parte final da União são assim revistas como a prova de que os anos de existência da Monarquia hispânica em nada tinham afetado o vigor da identidade nacional dos portugueses. A prova residiria na forma como estes teriam sabido reconquistar a independência de Portugal. Isto é, e para Sardinha, quando consideraram violados por Olivares os acordos de Tomar :

  • 35 Ibid., p. 286.

O Pacto que Filipe II jurara em Tomar desfizera-se e Portugal, logicamente, quebrava o dualismo estadual em que vivera […] Pretensão insensata que começava logo por ser contraria as indicações da natureza e da história, não tardou a desfazer-se de encontro à vitalidade invencível duma raça que nunca abdicou, nem abdicará jamais, dos seus direitos a uma existência plena, sem fiscalização ou impedimento de espécie alguma35

33Não sendo um exemplo característico da hostilidade espanhola contra Portugal, o fim da Monarquia Hispânica demonstrava assim sobretudo que as veleidades fusionistas na Península acabavam sempre por ser desfeitas.

  • 36 Ver, Jean-Frédéric Schaub, Portugal na Monarquia Hispânica (1580-1640), Lisboa, Livros Horizonte, (...)

34Obviamente, com esta leitura da União Ibérica, o « hispanismo » de Sardinha minimizava claramente o tempo de reação das elites portuguesas contra o governo de Olivares em vigor desde 1621. Manifesta-se, desta forma, a sua vontade de sublinhar o efetivo respeito do funcionamento tradicional das instituições lusas durante a união, que o próprio Olivares não tinha realmente conseguido pôr em causa36. Assim, o público ao qual se dirigia o hispanismo contra-revolucionário de Sardinha devia realizar a que ponto tinham sido mínimos os efeitos de sessenta anos de União. E, pelo contrário, devia tomar consciência que esse período fora de todo irrelevante quando comparado com as perspetivas abertas pela derrota militar de Alcácer-Quibir.

  • 37 António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 288.

35Convicto da legitimidade desta grelha de leitura dentro de uma Península doravante considerada como estando em plena decomposição política e moral, nenhuma das históricas tensões entre as monarquias ibéricas desaparecidas suplantava em gravidade o momento em que escrevia. Sardinha entendia assim que nada podia escamotear a realidade histórica de uma era monárquica em que, independentes, Espanha e Portugal souberam impor-se na cena internacional através de uma « magnífica solidariedade de fundadores de pátrias, de evangelizadores de povos, de criadores de civilização »37.

A dimensão sul-americana

36O tratamento concedido à América do Sul no « hispanismo » de Sardinha é em tudo comparável à importância dada à relação luso-espanhola. Nesse sentido, o seu pensamento hispânico ultramarino entendia afastar-se de qualquer forma de nostalgia conquistadora. O Ultramar devia, pelo contrário, servir para consolidar o terreno de cooperação ibérica com vista à restauração monárquica :

  • 38 Ibid., p. 377.

Ninguém pensa, – elucide-se – em imperialismos desmentados, em fumos insensatos de dilatação ou conquista. Mas no crescer, cada vez mais violento, dos diversos egoísmos internacionais, a Península carece de se garantir contra as ameaças que a envolvem na sua própria integridade e merecer assim de Deus a consecução dos altos destinos para que um dia a chamou !38

37Assim, dar relevo a uma aproximação luso-espanhola com as antigas colónias americanas consiste, em termos do « hispanismo » de Sardinha, em aplicar uma retórica que sucessivamente celebrava laços históricos, apresentava interpretações históricas revisionistas e expunha uma severa crítica da atualidade. A nível do revisionismo histórico e, de certo modo, da demonstração dos laços que uniam os povos da América do Sul com a Península, Sardinha apresentou assim uma das teses mais inovadoras da sua obra : aquela segundo a qual a colonização ibérica teria sido amena para com as populações colonizadas.

  • 39 Sobre a questão, consultar Marly Silva da Motta, A nação faz 100 anos. A questão nacional no cent (...)

38Acreditando que certos episódios da história peninsular constituíam obstáculos para uma aproximação monárquica luso-espanhola, Sardinha também pensava que a visão pejorativa da colonização ibérica, muito presente no seio das elites americanas até aos anos 3039, poderia constituir uma leitura que hipotecava a possível aproximação da Península em relação as suas antigas colónias americanas. Assim sendo, Sardinha procurava também minimizar os pontos negativos da coabitação ibero-americana, preferindo sublinhar os aspetos considerados mais positivos, sem se esquecer de apontar para problemas aparentemente mais graves no momento em que escrevia.

  • 40 Cláudia Castelo «Leituras da correspondência de portugueses para Gilberto Freyre», Actas do VI Co (...)
  • 41 Sobre a recepção do Estado novo às teorias de Freyre, ver Yves Léonard, «Salazarisme et luso-trop (...)

39Neste sentido, note-se que é difícil não ver na interpretação de Sardinha do colonialismo luso-espanhol na América do Sul uma curiosa prefiguração das teses luso-tropicalistas de Gilberte Freyre40. Teses essas, que como é sabido, foram particularmente úteis a Salazar para as campanhas de reabilitação do colonialismo português dos anos 5041.

40Com efeito, ao serviço da sua vontade de « reconquista » do espaço americano através dum esforço revisionista histórico-cultural no século XX, Sardinha foi, de algum modo, um pioneiro na defesa da tese de um colonialismo ibérico supostamente empenhado na transmissão de um estado de espírito « superior » e não uma mera e violenta conquista territorial :

  • 42 António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 324.

Graças à proteção da Coroa influenciada beneficamente pelas sugestões cristãs dos missionários, o indígena viu-se tratado de modo diverso nas regiões ocupadas por portugueses e espanhóis. Daí o orgulharmo-nos, com justo desvanecimento, de havermos trazido a uma sociabilidade superior os povos com que nos defrontámos nas terras por nós descobertas e abordadas, enquanto sucedia o inverso com os colonos saídos da Grã-Bretanha, – esses quakers do século XVII, imbuídos dum judaísmo novo, em que a Bíblia alternava com a mais dura sede utilitarista42.

  • 43 Ibid., p. 323.
  • 44 António Sardinha, À lareira de Castela, op. cit., p. 174.

41Coerente em relação à sua visão da história luso-espanhola, Sardinha exprimia assim a ideia de duas nações irmãs fundadoras de outras nações irmãs. A força desses teria ficado ilustrada pela existência dum imenso território pós-colonial que continuava essencialmente fiel à religião cristã. Desta forma, os antigos conflitos e possíveis traumatismos no seio do « bloco hispano-americano »43 não excediam, como entre Espanha e Portugal, o quadro de « conflitos de família que em família se resolvem »44.

42E precisamente, no sentido da importância dada à relação histórica ibero-americana, é interessante notar que o pensamento hispânico de Sardinha alarga o seu revisionismo histórico ao domínio cultural. Julgava assim importante combater a inadequação que constituía, do seu ponto de vista, a expressão « América Latina ». Considerava-a mesmo abusiva por associar a uma « obra » exclusivamente ibérica, outras nações de todo estrangeiras a essa obra.

  • 45 Id., A Aliança Peninsular, op. cit., p. 444.

43Opondo-se ao facto de « envolver num 'latinismo' suspeito, de transparente marca revolucionária, o que de gigantesco e imortal Portugal e Espanha haviam criado »45, Sardinha alinhava-se, aliás, pela opinião do historiador Aurélio Espinosa (1894-1961) :

  • 46 Aurélio Espinosa, in: António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 412.

Latino significa hoy francés, italiano, provenzal, rumano, sardo, español, portugués. Pero, como el Sr. Cebrián clarisisamente señala, la América es española y portuguesa46.

  • 47 António Sardinha, in: ibid., p. 422.

44Mais do que uma demonstração de rigorismo patriótico, esta clarificação semântica devia participar à tomada de consciência sul-americana e reforçar a dos Ibéricos em relação à existência dum « processo de sistemática adulteração, tanto histórica como política »47 da qual todo o mundo dito hispânico seria vítima. Paralelamente a esta análise, Sardinha estendeu, sobretudo na parte final da Aliança Peninsular, os seus ataques anti-liberais à América do Sul contemporânea :

  • 48 Ibid., pp. 428-429.

A influência da Revolução Francesa veio, — é certo […] eis em que se desentranhou para a América-Hispânica o contágio do 89 gaulês caracterizada pelo ódio mais frenético às raízes santas do Passado48.

  • 49 Ibid., p. 430.

45E resumia assim a história da América do Sul em rotura com « os vínculos que a prendiam à unidade fecunda da sua civilização »49 :

  • 50 Ibid., p. 431.

Todo esse longo giro de decadência se reduz, pois, a uma sujeição humilhante, sujeição literária em relação à França ; sujeição económica em relação à Inglaterra ; sujeição imigratória em relação à Itália, e sujeição política em relação aos Estados-Unidos50.  

46Em suma, a retórica hispânica de Sardinha apresentava uma América do Sul que, divorciada das suas raízes históricas, teria adotado o « herético » modelo político das suas antigas metrópoles. Todo o « bloco hispânico » acabara assim por partilhar o mesmo percurso de transformação auto-destruidora. Consequentemente, todos os países do bloco em questão teriam igualmente resultado para a mesma « aberração ».

  • 51 Ibid., p. 438.

47Quaisquer que tenham sido as motivações deste manifesto saudosismo por parte de Sardinha, o seu interesse em relação às antigas colónias americanas prendia-se também, e talvez essencialmente, com uma preocupação geopolítica de ideólogo preocupado com a situação de Portugal. Depois de ter criado as condições ideais na Península para lançar com sucesso a restauração portuguesa, Sardinha esperava ver formar-se um « mesmo ponto de defesa »51, uma convergência ibérica e sul-americana suscetível de consolidar ainda mais a corrente tradicionalista em Portugal.

  • 52 Ibid., p. 403.

48Não espantava pois que, quando exibia essa dimensão mais « lusitano-estratégica » do seu hispanismo, Sardinha conseguisse dar, em última instância, ainda mais relevo ao seu posicionamento de defensor do hispanismo na sua globalidade. Do seu ponto de vista, sem esta visão militante generalizada a todo o mundo ibero-americano, tanto Espanha como Portugal acabariam « por viver como ilhotas nas duas margens do Oceano que nós sulcámos e desvendámos, indignos até dos títulos de glória que o passado nos confere ! »52

« Tudo por Portugal, nada contra Portugal » ?

49Mesmo em relação à América do Sul, Sardinha defendia assim uma aliança tendo em vista a mobilização global do mundo hispânicos contra o parlamentarismo. E, da mesma maneira que um livro como A Aliança Peninsular não constitui nunca uma espécie de tratado sobre as relações possíveis entre uma Espanha « restaurada » e um Portugal « restaurado », também não se debruça sobre problemáticas que teriam a ver com um possível período de pós contra-revolução na América espanhola ou no Brasil.

50Quererá isto dizer que Sardinha desejava, apesar de tudo, ver restaurar-se uma relação metrópoles/colónias ? Ou, pelo contrário, pensava que as antigas colónias deviam continuar independentes ? Tais interrogações, completamente fora da atualidade no momento em que escrevia, nunca são verdadeiramente tratadas pelo hispanismo de Sardinha. O seu objetivo essencial passava definitivamente pela fundação de um novo discurso « pré-revolucionário » capaz de preparar o terreno de um movimento contrarevolucionário ibero-americana.

  • 53 A habitual acusação de plágio do movimento francês por parte dos opositores ao Integralismo Lusit (...)
  • 54 Paulo Archer de Carvalho, «Integralismo Lusitano: Reação, Recristianização, Retorno», in: Locus. (...)
  • 55 Sobre o distanciamento em relação a Maurras e a questão da latinidade, ver também: Ana Isabel Sar (...)
  • 56 António Sardinha, Durante a Fogueira. Páginas de Guerra, Livraria Universal, Lisboa, 1927, p. 46.

51Nesse sentido, o pensamento hispânico de Sardinha não é de todo original no seio da obra política do seu autor. O livro mostra-se rigorosamente fiel à trama ideológica que funda todo o Integralismo lusitano : a do apelo à restauração da monarquia orgânica e tradicionalista em Portugal. No entanto, como sugere o historiador Paulo Archer de Carvalho, através da sua teorização hispânica, esteve, sem dúvida, em jogo para António Sardinha a tentativa de aniquilar um velho estigma que pairava, desde a formação do movimento integralista, sobre a sua obra a e às dos seus correligionários. Esse estigma consistia em resumir o pensamento integralista a uma simples cópia das teses defendidas pela Action Française e o seu líder máximo : Charles Maurras53. Ao definir a civilização hispânica como o espaço fundamental da latinidade a partir do início da era moderna e a eventual principal defensora da salvaguarda do esplendor da cultura latina, Sardinha reclamava a « sua carta de alforria definitiva »54 em relação ao ideólogo francês, para quem a França ocupava um lugar hegemónico entre os países latinos55. Antes pelo contrário, responsável « vento doido da Revolução »56, a França não dispunha, segundo Sardinha, nem de legitimidade política nem histórica para assumir um lugar central no mundo latino, caracterizado, segundo o mesmo, por uma capacidade evangelizadora que Espanha e Portugal tão brilhantemente tinham demonstrado na sua história.

  • 57 Hipólito Raposo publicou um livro em particular sobre essa matéria: Dois nacionalismo. L’Action F (...)
  • 58 Paulo Archer de Carvalho, op. cit., p. 27.

52Seguindo os passos de outra análise de Archer de Carvalho, interessa referir que depois da morte do doutrinador de Elvas, Hipólito Raposo, figura igualmente cimeira do integralismo, se apoiou no teor da Aliança Peninsular para completar a sua reflexão sobre as distinções entre Action Française e Integralismo Lusitano, no fundo, entre Maurras e Sardinha57. Por outro lado, como também sublinhou apropriadamente Archer de Carvalho, em pleno período de ascensão do autoritarismo italiano « o selo divino e ecuménico »58 da obra hispânica de Sardinha parecia poder distanciar o seu movimento e seguidores de uma eventual deriva fascista.

53Mantendo o habitual cunho ideológico defensor da monarquia hereditária, tradicional, descentralizada e antiparlamentar, foi, portanto, através deste mesmo apelo à restauração portuguesa alargada à Espanha e, de certo modo, à América do Sul que o « hispanismo » de Sardinha se tornou original. Sem dúvida, a dimensão ibero-americana que acabou por ganhar o seu militantismo tradicionalista ajudou a distingui-lo do resto da sua família política tanto a nível português como europeu. Já em 1920, no quadro da sua correspondência privada com a esposa, mostrava ter plena consciência da sua diferença :

  • 59 Ana Isabel Sardinha Desvignes, António Sardinha (1887-1925), Um intelectual no Século, Lisboa, Im (...)

E se o Integralismo tem hoje uma política internacional sua, que é a política da aliança espanhola, fui eu que lha imprimi, contra a oposição que me faziam lá de dentro. Por fim estão muito satisfeitos com tudo e creem que é obra sua (...)Não te digo isto em desabafo de orgulho. Digo-te antes, em perfeita humildade de espírito, porque sei bem que tudo quanto por inteligência consigo é a Deus que o devo agradecer59

54Como a história o parece ter demonstrado, a vontade de Sardinha de formar uma geração monárquica anti-parlamentar, transnacional, capaz de preparar o advento da restauração tanto em Portugal como em Espanha, não sobreviveu à sua morte precoce (1925) e fracassou. E mesmo se com a instalação dos regimes de Salazar e Franco, uma parte dos valores políticos de Sardinha acabaria por triunfar na Península, certo é que o papel da reflexão luso-espanhola de Sardinha na viragem autoritária seguida por toda a Península a partir dos anos 30 do século passado permanece ainda por avaliar.

  • 60 Ramiro de Maeztu in: António Sardinha, La Alianza Peninsular – Antecedentes y Posibilidades, (Tra (...)

55Não obstante, vários atores diretos ou indiretos dessa viragem autoritária deixaram antever a importância das contribuições do líder integralista. Em Espanha, Ramiro de Maetzu fez parte dos autores que reconheceram essa herança intelectual, nomeadamente a sua dimensão transnacional : « una figura que antes de mucho tiempo se alzara en el horizonte del espíritu como uno de los grandes profetas de la Hispanidad »60. O monárquico-tradicionalista Fernando Gallego de Chaves Calleja Marqués de Quintanar, amigo de Sardinha desde o período de exílio deste último, ia mais longe ao afirmar :

  • 61 Fernando Gallego de Chaves Calleja Marqués de Quintanar, Por tierras de Portugal, Madrid, Compañi (...)

Cuando al correr de los años su profecía de Alianza peninsular, no expuesta hasta António Sardinha por nadie con el acopio de argumentos y la claridad de visión con que él lo ha hecho, se vea incorporada a la realidad política, el poeta de Elvas, el historiador de la Quinta do Bispo será una de las primeras figuras de la raza61

56Ou ainda :

  • 62 Id., «Homenaje a nuestro Director», in: Acción Española, Madrid, n.º 10, 1/5/1932, tomo II, p. 42 (...)

De mi amistad fraternal con Antonio Sardinha, había recibido yo las primeras nociones de estas disciplinas autoritarias y antidemocráticas, hacía cerca de doce años e invariablemente, al ponerme en contacto con los integralistas retoñaba en mí el deseo de iniciar su obra en España62.

  • 63 Para estudo geral da influência do Integralismo Lusitano nas origens do salazarismo ver o artigo (...)
  • 64 Foi o caso, por exemplo, do fiel ministro e diplomata de Salazar, Pedro Teotónio Pereira ou també (...)
  • 65 Sobre o investimento de Salazar na orientação das relações luso-espanholas em momentos como a gue (...)

57No caso de Portugal, mesmo se, repita-se, o legado de Sardinha para a formação política do próprio Salazar está longe de se encontrar clarificada63, certos autores da mesma geração dos dois homens declaram-se admiradores da obra de Sardinha64. Por outro lado, sem perder de vista a influência das tensões europeias de então, parece-nos, desde já, possível levantar a hipótese de através do seu apoio à instalação de Franco no poder e mais tarde a promoção de acordos de amizade como o Pacto Ibérico (1939) e o Bloco Ibérico (1941), Salazar ter mostrado, em certa medida, partilhar a estratégia contra-revolucionária de Sardinha65.

58Torna-se, deste modo interessante sublinhar que António Sardinha foi o primeiro intelectual português de renome do século XX a insistir na necessidade de uma convergência anti-parlamentar na Península. Uma insistência que se resumia assim :

  • 66 António Sardinha, À Lareira de Castela, op. cit., p. 140.

 Que o Portugal católico e monárquico viva em harmonia com a católica e monárquica Espanha66 

  • 67 Id., A Aliança Peninsular, op. cit., p. 371.

59Outros caminhos poderiam certamente ser seguidos para compreender a influência, no próprio Estado Novo de Salazar, do intelectual que, ao mesmo tempo que se focalizou cada vez mais na ideia de contra-revolução luso-espanhola, foi também pioneiro ao falar da necessidade de criar em Portugal um « Estado novo na pátria velha ! »67.

Topo da página

Notas

1 António Sardinha, A Aliança Peninsular: antecedentes & possibilidades, Porto, Civilização Editora, 1925.

2 Sobre a intensa actividade de Sardinha durante os seus últimos anos de vida, ver a obra Ana Isabel Sardinha Desvignes, António Sardinha (1887-1925), Um intelectual no Século, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, 2006, pp. 253-259.

3 António Sardinha, Ao Princípio era o Verbo, Lisboa, Edições Gama, 1924.

4 Franco Nogueira, in: António Sardinha e o Iberismo, Acusação Contestada, Lisboa, Biblioteca do Pensamento Político, 1974, p. 76.

5 Luís de Almeida Braga, Posição de António Sardinha, Lisboa, Edições Gama, 1943, pp. 76-81.

6 Ibid., p. 80. Em maiúsculas no texto.

7 Id., in: A Questão Ibérica, «O Território e a Raça», Lisboa, Tipografia do Anuário Comercial, 1916.

8 Ibid., p. 27.

9 Id., «O nosso futuro», in: Durante a Fogueira – Páginas da Guerra, Lisboa, Livraria Universal, 1927, p. 128.

10 Id., À Lareira de Castela, Famalicão, Edições Minerva, 1943.

11 Id., A Aliança Peninsular, op. cit., p. XXXIV.

12 Ibid., p. V.

13 Ibid., p. XXI.

14 Maurice Legendre, in: ibid., p. XXIX.

15 António Sardinha, ibid., p. 2.

16 Oliveira Martins, in: António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 445.

17 Sobre a evolução da reflexão sobre a «cooperação» ibérica ver o importante artigo de Sérgio Campos Matos, «Conceitos de Iberismo em Portugal», Revista de História das Ideias, n.º 28, Coimbra, 2007, pp. 169-193.

18 António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 21.

19 Ibid.

20 Ibid., p. 8.

21 Ibid., p. 104.

22 Ibid., p. 157.

23 Ibid., p. 210.

24 Ibid., p. 211.

25 Ibid., p. 216.

26 Ibid., p. 234.

27 Ibid., p. 236.

28 António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 204.

29 Ibid., p. 261.

30 Ibid., p. 282. 

31 Ibid., p. 262.

32 Ibid., p. 268.

33 Ibid., p. 271.

34 Ibid., p. 283.

35 Ibid., p. 286.

36 Ver, Jean-Frédéric Schaub, Portugal na Monarquia Hispânica (1580-1640), Lisboa, Livros Horizonte, 2001, pp. 75-77. Sobre a União Ibérica ver também, do mesmo autor, Le Portugal au temps du comte-duc de Olivares 1621-1640, Madrid, Casa Velasquez, 2001. Ou ainda Rafael Valladares, La rebelión de Portugal, Madrid, Junta de Castilla e León, 1998. Fernando Bouza Alvarez, Portugal en la Monarquía hispánica 1580-1640, Madrid, Universidade Completense, 1987.

37 António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 288.

38 Ibid., p. 377.

39 Sobre a questão, consultar Marly Silva da Motta, A nação faz 100 anos. A questão nacional no centenário da Independência, FGV/CPDOC, Rio de Janeiro, 1992.

40 Cláudia Castelo «Leituras da correspondência de portugueses para Gilberto Freyre», Actas do VI Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais: As Ciências Sociais nos Espaços de Língua Portuguesa: Balanços e Desafios, vol. 2, Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2002, p. 422-444. A historiadora mostra que os dois intelectuais mantiveram uma correspondência que constitui um corpus de sete cartas escritas entre 1923 e 1925. Foi Freyre quem entrou primeiro em contacto com Sardinha elogiando-lhe os seus últimos trabalhos. Elogios aos quais Sardinha respondeu confessando que tinha: «o mesmo pressentimento que os unia através do mar a irmandade das ideias e do espírito» (António Sardinha in: Cláudia Castelo, op. cit., p. 424.). Foi aparentemente a noção de «hispanismo» desenvolvida por Sardinha que interessou particularmente Freyre. Em 1924, encomendou a Sardinha um artigo «“O Brasil-Nação hispânica”, mostrando o nosso lugar (do Brasil) na família e no movimento hispânica». (Gilberto Freyre in: Cláudia Castelo, Ibid.). Depois de ter lido A Aliança Peninsular, Freyre felicitou Sardinha por essas «páginas fortes et agudas, nas quais muito me clarifiquei sobre o assunto que há anos me apaixona». E concluiu afirmando: «É um livro fecundante» (Ibid.).

41 Sobre a recepção do Estado novo às teorias de Freyre, ver Yves Léonard, «Salazarisme et luso-tropicalisme, histoire d’une appropriation» in: Lusotopie, n.° 7, Paris,1997, pp. 221-226. Para um estudo mais específico da obra de Freyre, ver o recente trabalho de Peter Burke e Maria Lúcia G. Pallares-Burke, Gilberto Freyre: social theory in the tropics, Oxford, Peter Lang, 2008, pp. 59-98 et pp. 167-201. Mais especificamente sobre o luso-tropicalismo, ver Claudia Castelo, O modo português de estar no mundo. O luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961), Porto, Afrontamento Editora, 1998.

42 António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 324.

43 Ibid., p. 323.

44 António Sardinha, À lareira de Castela, op. cit., p. 174.

45 Id., A Aliança Peninsular, op. cit., p. 444.

46 Aurélio Espinosa, in: António Sardinha, A Aliança Peninsular, op. cit., p. 412.

47 António Sardinha, in: ibid., p. 422.

48 Ibid., pp. 428-429.

49 Ibid., p. 430.

50 Ibid., p. 431.

51 Ibid., p. 438.

52 Ibid., p. 403.

53 A habitual acusação de plágio do movimento francês por parte dos opositores ao Integralismo Lusitano encontrou-se perfeitamente ilustrada pelos ataques de Raul Proença: Acerca do Integralismo Lusitano, Lisboa, Seara Nova, 1964, pp. 60-66. A resposta a tais ataques e a questão da originalidade do movimento integralista revestiu, sobretudo nos primeiros anos de vida do movimento, uma particular importância na obra de Sardinha. Antes de reconhecer qualquer filiação com autores estrangeiros e particularmente francófonos o ideólogo fazia questão de realçar as raízes portuguesas do movimento em torno de conservadores ou mesmo tradicionalistas como o marquês de Penalva (1754-1818), José Agostinho de Macedo (1761-1831), José Acúrsio das Neves (1766-1834), Frei Fortunado de São Boaventura (1777-1844), José da Gama e Castro (1797-1873) e Faustino da Madre de Deus (1800-1833). Para um resenha histórica e ideológica desta, segundo Sardinha, «primeira geração» de autores contra-revolucionários portugueses ver: António Pedro Mesquita, «A contra-revolução» in: História do Pensamento Filosófico Português, Volume IV, O século XIX Tomo. II, Lisboa, Editoria Caminho, 2004, pp. 255-333. É, portanto, em nome das contribuições destes autores, aos quais também associava a crítica ao Portugal liberal latente na obra de Almeida Garrett, Eça de Queiroz ou Antero de Quental que Sardinha declarava: «Não precisamos de aprender em Charles Maurras o que os nossos mestres da Contra-Revolução nos ensinam em estilo soante e bem castiço» (Glossário dos Tempos, Lisboa, Edições Gama, Lisboa, 1942, p. 30). Fora alguma resistência oferecida por parte de José Pequito Rebelo, a linha de distanciamento em relação à Action Française adotada por Sardinha foi seguida pelos seus correligionários. Sobre o diálogo que que pôde existir no seio do Integralismo a propósito da influência maurrassiana ver: José Manuel Quintas, Filhos de Ramires, As Origens do Integralismo Lusitano, Lisboa, Nova Ática, 2004, pp. 133-136. Consultar sobretudo no Espólio António Sardinha da Universidade Católica, Biblioteca J.P.II as cartas de Luís Almeida Braga, cota 43, carta n.° 4, s.l., 24/03/1914, Universidade Católica, Biblioteca J.P.II. De José Pequito Rebello, cota 122-17, carta n.° 2, s.l., s.d., e cota 111-34, carta n.° 3, s.l., 29/06/1914.

54 Paulo Archer de Carvalho, «Integralismo Lusitano: Reação, Recristianização, Retorno», in: Locus. Revista de História, Juiz de Fora, v. 18, n.° 1, 2012, p. 27.

55 Sobre o distanciamento em relação a Maurras e a questão da latinidade, ver também: Ana Isabel Sardinha Desvignes, «Hispanismo e relações luso-brasileiras: a última cruzada contrarrevolucionária de António Sardinha», a publicar na Revista de Estudos Ibero-americanos, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Dossiê: Pensamentos e práticas políticas conservadoras no século XX, org.: Leandro Pereira Gonçalves e Paula Borges dos Santos, Volume 42, n.º 1 (abril 2016). O autor do presente artigo agradece à Ana Isabel Sardinha Desvignes por ter disponibilizado a leitura deste seu artigo.

56 António Sardinha, Durante a Fogueira. Páginas de Guerra, Livraria Universal, Lisboa, 1927, p. 46.

57 Hipólito Raposo publicou um livro em particular sobre essa matéria: Dois nacionalismo. L’Action Française e o Integralismo Lusitano, Livraria Férin, 1929.

58 Paulo Archer de Carvalho, op. cit., p. 27.

59 Ana Isabel Sardinha Desvignes, António Sardinha (1887-1925), Um intelectual no Século, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, 2006, p. 231.

60 Ramiro de Maeztu in: António Sardinha, La Alianza Peninsular – Antecedentes y Posibilidades, (Traducción de Marqués de Quintanar), Madrid, Junta de Propaganda Patriótica y Ciudadana, 1930, p. LXVI.

61 Fernando Gallego de Chaves Calleja Marqués de Quintanar, Por tierras de Portugal, Madrid, Compañia General de Artes Gráficas, 1930, p. 59.

62 Id., «Homenaje a nuestro Director», in: Acción Española, Madrid, n.º 10, 1/5/1932, tomo II, p. 420.

63 Para estudo geral da influência do Integralismo Lusitano nas origens do salazarismo ver o artigo de referência de Manuel Braga da Cruz, «O Integralismo Lusitano e as origens do salazarismo», in: Análise social, n.º 70, Lisboa, 1982, pp. 137-182.

64 Foi o caso, por exemplo, do fiel ministro e diplomata de Salazar, Pedro Teotónio Pereira ou também do velho integralista José Pequito Rebelo. Do seu lado, Pedro Teotónio Pereira afirmava que: «António Sardinha participou fortemente em formar o espírito desta geração, a geração que em 1926 soube responder ao apelo da Pátria. Foi ele, e mais ninguém, que durante os anos da ruína nacional fez ouvir em permanência o seu grito de revolta e a sua mensagem de esperança» (Pedro Teotónio Pereira in: António Sardinha e o Iberismo, Acusação Contestada, Lisboa, Biblioteca do Pensamento Político, 1974, pp. 27-28.). Pequito Rebelo pensava que: «Sem os ensinamentos de A. Sardinha, não teria havido Salazar, nem um Marcelo Caetano, nem sequer um Franco Nogueira» (José Pequito Rebelo, in: ibid., 1974, p. 81.).

65 Sobre o investimento de Salazar na orientação das relações luso-espanholas em momentos como a guerra civil espanhola e a Segunda Guerra Mundial, ver Filipe Ribeiro de Meneses, Salazar: Uma Biografia Política, Lisboa, Dom Quixote, 2010, pp. 215-235 et pp. 279-291. Em complemento às observações referidas mais acima do próprio Almeida Braga (Posição de António Sardinha, 1943), consulte-se Manuel Loff, O Nosso Século é Fascista – O mundo visto por Salazar e Franco (1936-1945), Lisboa, Campo das Letras, 2008, pp. 365-375, sobre a possível influência do «hispanismo» de Sardinha na orientação dada por Salazar às relações luso-espanholas.

66 António Sardinha, À Lareira de Castela, op. cit., p. 140.

67 Id., A Aliança Peninsular, op. cit., p. 371.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

George Manuel Gomes, « A construção do «hispanismo» na obra política de António Sardinha (1915-1925) », Ler História, 68 | 2015, 109-127.

Referência eletrónica

George Manuel Gomes, « A construção do «hispanismo» na obra política de António Sardinha (1915-1925) », Ler História [Online], 68 | 2015, posto online no dia 18 Março 2016, consultado no dia 24 Outubro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1699 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1699

Topo da página

Autor

George Manuel Gomes

École Pratique des Hautes Études, george.gomes@univ-paris3.fr

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org