Navegação – Mapa do site
Espelho de Clio - Maurice Agulhon (1926-2014)

Maurice Agulhon e a categoria sociabilidade

Jordi Canal
p. 01/12/2015

Texto integral

1No tomo sexto do Diccionario de la lengua castellana en que se explica el verdadero sentido de las voces, su naturaleza, y calidad, con las phrases, o modos de hablar, los proverbios, o refranes, y otras cosas convenientes al uso de la lengua – o primeiro repertório lexicográfico da Real Academia Espanhola que viu a luz entre 1726 e 1739, mais conhecido por Diccionario de autoridades-, que incluía os termos compreendidos entre as letras s e z, a palavra « sociabilidad» era definida como «el tratamiento, y correspondencia de unas personas con otras». Fazia-se notar, além disso, a sua origem latina, «sociabilitas». Na edição do ano de 1791 do dicionário da Real Academia Espanhola a definição não sofreu nenhuma alteração. Uns anos depois, nas edições de 1803 e 1817, as variações eram mínimas, o desaparecimento de uma vírgula, fixando-se como «el trato y correspondencia de unas personas con otras». Em 1822, pelo contrário, estas eram mais sensíveis: «Propensión, inclinación de unas personas o cosas al trato y correspondencia de otras.» A definição, mantida nos dicionários de 1832 e 1837, mudava de novo em 1843: «Propensión, inclinación de las personas y aun de los animales al trato y comunicación con los demás.»

2Ainda que a Real Academia Espanhola tivesse mantido ao pé da letra esta declaração nas edições de 1852 e de 1869 do seu famoso dicionário noutros transparecem dúvidas ou desacordo perante a inclusão dos animais lado a lado com as pessoas como seres sociáveis. É o caso de Ramón Joaquín Domínguez, que, no seu Diccionario Nacional o Gran Diccionario Clásico de la Lengua Española, cuja primeira edição foi impressa em 1846-47, considerava a palavra sociabilidade como «propia de los seres dotados del atributo inteligente en sus razonables tendencias de socialismo». Certo é que logo a seguir, depois de afirmar que as «instintivas reuniones» dos animais não eram comparáveis com as humanas, reconhecia que a alguns dos primeiros se podia atribuir «cierta especie de sociabilidad dándole a esta palabra el sentido más elástico que pueda tener». Mas não era possível, no fim de contas, aplicá-la com toda a propriedade. À margem deste desacordo, é interessante constatar que Domínguez incorporava no seu peculiar dicionário juntamente com o já citado termo «sociabilidad» os de «sociabilizable», «sociabilización», «sociabilizado/da», «sociabilizador», «sociable» e «sociablemente» En 1884 o dicionário da Real Academia de la Lengua modificava consideravelmente a definição de sociabilidade que se tornava em «calidad de sociable». É com este mesmo enunciado que aparece em todas as edições que se fizeram até hoje.

  • 1 Todos os termos e definições das diversas edições dos dicionários citados nos dois primeiros pará (...)
  • 2 Maurice AGULHON, «La sociabilité est-elle objet d’histoire?», in Étienne François, ed., Sociabili (...)

3Apesar das variações de significado ocorridas com o passar dos anos, fica claro que a palavra sociabilidade fazia parte do vocabulário hispânico pelo menos desde o século XVIII. Coisas não muito diferentes poderiam dizer-se sobre outras línguas vizinhas como o francês, o italiano ou o português. No Diccionario da Lingua Portugueza, obra do carioca António de Moraes Silva, com uma primeira edição em 1789 e outra em 1813, escrevia-se o que segue sobre o termo «sociabilidade»: «a qualidade de ser sociável». Além disso, desde a quinta edição do Dictionnaire de l’Académie française, de 1798 «sociabilité» corresponde à aptidão de viver em sociedade. Uma explicação para esta tardia inclusão do vocábulo encontra-se no Dictionaire critique de la langue française de Jean-François Féraud, de 1787-1788. «Sociabilité» não era um termo autónomo mas integrava-se num outro, «sociable», enquanto qualidade do homem sociável1. O autor acrescentou uma nota em que assegurava que a palavra era bastante nova e que parecia começar a entrar nos hábitos. No Dictionnaire de la langue française de Émile Littré, publicado na década de 1870, incluíam-se três aceções: disposição inata que leva os homens e alguns outros animais a viverem em sociedade, em primeiro lugar; maneira, própria do homem, de viver em sociedade, em segundo; e, finalmente, qualidade do homem sociável2.

  • 3 Elena Maza, «Sociabilidad e historiografía en la España contemporánea», Ayer, 42, 2001, p. 247. T (...)
  • 4 Pere Gabriel, «Sociabilismes obrers i populars i història política a la Catalunya contemporània», (...)
  • 5 Michel Vovelle, Ideologías y mentalidades [1982], Barcelona, Ariel, 1985, p. 175.

4A entrada dos termos «sociabilidad», «sociabilité», «sociabilità» ou «sociabilidade» no vocabulário da análise histórica, é, ao contrário do que foi visto acima, mais recente. Mas não ocorreu o mesmo noutras disciplinas. A categoria sociabilidade, proveniente dos estudos sociológicos – Georg Simmel, Max Weber, Georges Gurvitch –, entrou em cheio no territorio da história entre finais dos anos sessenta e a década seguinte pela mão do historiador francês Maurice Agulhon ( 1926-2014). Converteu-se assim em objeto de história3. A partir da sua matriz francesa estendeu-se no último quartel do século XX e ínicio do actual às historiografías de outros países do ocidente europeu e da área latino-americana. Registaram-se algumas, poucas, resistências ao seu uso em especial entre os historiadores ligados a formas mais clássicas de história política e social. No caso espanhol, por exemplo, Elena Maza, em 2001 lamentava que o conceito de sociabilidade ainda rangesse em alguns ouvidos. Enganam-se aqueles que consideram que o estudo da sociabilidade ocupa simplesmente o espaço antes ocupado pelo do associativismo. Tanto a perspetiva como o próprio conteúdo – com a incorporação da análise das sociabilidades informais embora mantendo a das formais, ou seja essencialmente as associações – diferenciam-nas claramente. Também não é assimilável à análise de redes já que não interessam tanto as relações entre os indíviduos em si como a sua natureza e as suas formas e o espaço em que decorrem. Noutra ordem de ideias, o historiador Pere Gabriel manifestou há alguns anos preferência pelo uso do termo «sociabilismo»4 sem que isso signifique de nenhuma forma pôr em questão o uso da categoria sociabilidade. Em qualquer caso a normalização no uso da categoria é hoje praticamente total o que de alguma maneira significa, como defendeu Michel Vovelle, que correspondia sobretudo a uma necessidade da investigação5.

  • 6 Maurice Agulhon, La sociabilité méridionale (Confréries et associations dans la vie collective en (...)
  • 7 Maurice Agulhon, La vie sociale en Provence intérieure au lendemain de la Révolution, Paris, Soci (...)

5Em 1966 veio a lume La sociabilité méridionale, uma obra de Maurice Agulhon reeditada dois anos depois na editorial Fayard com o título de Pénitents et franc-maçons de l’ancienne Provence. Era o resultado da tese complementar do autor apresentada em maio de 1966 em Aix-en-Provence, pouco tempo antes da tese de doutoramento que então se chamava tese de Estado. Tratava-se de um trabalho centrado na fase final do Antigo Regime analisada sob o prisma das associações6. Eram os primórdios da sua investigação central sobre o Var entre o final da Revolução francesa e 1851 que iria traduzir-se em três livros: La vie sociale en Provence intérieure au lendemain de la Révolution, La République au village – o mais interessante e importante da sua obra, do meu ponto de vista – e Une ville ouvrière au temps du socialisme utopique. Toulon de 1815 à 18517.

  • 8 Maurice Agulhon, «Les chocs d’une vie d’historien», in La bibliothèque imaginaire du Collège de F (...)
  • 9 Maurice Agulhon, Pénitents et franc-maçons... [edição de 1984], p. I.
  • 10 Antoine Prost, «Sociale et culturelle indissociablement», in Jean-Pierre Rioux e Jean-François Si (...)

6Ainda que com falsas pistas, como reconheceu mais tarde Agulhon referindo-se à identificação que era feita em La sociabilité meridionale entre sociabilidade e temperamento meridional derivada da leitura do erudito provençal Fernand Benoît, foi possível, apesar disso, abrir caminho a algumas novas investigações8. Aquele livro, afirmava Agulhon en 1984, contribuiu mais do que qualquer outro para lançar a sociabilidade no vocabulário dos historiadores9. Ele constituiu, na verdade, o ponto de partida de um itinerário traçado num vasto espaço repleto de possibilidades para os estudos históricos, explorado tanto pela historiografia francesa como pela de outros países. Antoine Prost assegurava que a leitura daquele livro de Agulhon tinha tido um grande impacto entre os historiadores da sua geração10.

  • 11 Maurice Agulhon, Le cercle dans la France bourgeoise, 1810-1848. Étude d’une mutation de sociabil (...)
  • 12 Maurice Agulhon, «Les associations depuis le début du XIXe siècle», in Maurice Agulhon e Maryvonn (...)

7Nos últimos anos da década de 1970 e no decurso da seguinte, Maurice Agulhon trabalhou intensamente na análise das formas e dos espaços de sociabilidade em termos que eram inseparáveis do estudo mais global do nascimento e desenvolvimento da França burguesa. A obra mais emblemática é Le cercle dans la France bourgeoise, 1810-1848. Étude d’une mutation de sociabilité, publicada em 197711. Posteriormente vieram a lume outros textos sobre sociabilidade embora o papel de Agulhon se tenha centrado sobretudo na inspiração e orientação de outras pesquisas. A sociabilidade, quer dizer a qualidade de ser sociável, afirmava o autor em 1981, é o equivalente dos sistemas de relações que confrontam os indivíduos uns com os outros ou que os reúnem em grupos mais ou menos naturais, mais ou menos forçados, mais ou menos estáveis, mais ou menos numerosos12. Na sua produção historiográfica a categoria evoluiu desde uma tripla especificação inicial – âmbito regional no plano geográfico, séculos XVIII e XIX no cronológico, e, no temático, vida associativa – para uma aceção mais ampla e aberta que chegava a assimilar a história da sociabilidade à da vida quotidiana. Um significado amplo que o autor aceitou e estimulou ainda que nos seus próprios contributos preferisse continuar a adoptar funcionalmente outra mais restritiva. Mais modesta também mas mais útil afinal e em especial afastada do uso polivalente a que alguns historiadores sujeitaram esta categoria.

8Desde a década de 1980 o conceito de sociabilidade estendeu-se e permeou a historiografia de bom número de países dos continentes europeu e americano. A extensão e a fortuna desta categoria, estimuladas pela sua manifesta não especificação e pelo seu carácter poliédrico, podem comprovar-se através do processo de dilatação dos seus arcos cronológico, geográfico e temático. A sociabilidade tornou-se num ingrediente histórico dos mais variados em todos os espaços e em todos os tempos: da França meridional a outras zonas do país e a outros estados da Europa, da América ou ao Norte de África; da segunda metade do século XVIII à primeira do século XIX, à Grécia Clássica, à Época Medieval e ao século XX. E mais ainda, a sociabilidade informal complementa a vida associativa. Entre os temas abordados encontram-se os cafés, as tabernas, a vida familiar e as praças, as associações operárias e militares, o termalismo e a vida de salão, os agrupamentos políticos e as lojas maçónicas, os orfeãos e o desporto. O resultado é um imenso campo de estudo e, por conseguinte, a génese de um grande número de trabalhos tendo como denominador comum a sociabilidade. Disciplinas científicas em muitas ocasiões desconectadas e mesmo ignorando-se mutúamente, como a psicologia social, a sociologia, a história e a antropologia, convergiram parcialmente graças a esta categoria.

  • 13 Maurice Agulhon, Histoire et politique à gauche. Réflexions et témoignages, Paris, Perrin, 2005, (...)
  • 14 Cf. Giuliana Gemelli e Maria Malatesta, Forme di sociabilità nella storiografia francese contempo (...)
  • 15 Maria Alexandre Lousada, Espaços de sociabilidade em Lisboa, finais do século XVIII a 1834, tese (...)
  • 16 Sandra Gayol, Sociabilidad en Buenos Aires: hombres, honor y cafés, 1862-1910, Buenos Aires, Edic (...)
  • 17 François-Xavier Guerra, «L’Euro-Amérique: constitutions et perceptions d’un espace culturel commu (...)
  • 18 Annick Lempérière, «La construcción de una visión euroamericana de la historia», in Erika Pani y (...)

9Maurice Agulhon e a sua obra converteram-se no vasto e fértil território conformado pela sociabilidade, num ponto de referência ineludivel. Antes de ser o «historiador da República», escreveu no início do século XXI este autor, numas reflexões sobre a sua própria trajetória, foi identificado como «inventor da sociabilidade»13. O estudo dos espaços e das formas de sociabilidade alcanção em França o seu máximo desenvolvimento, convertendo-se num fecundo âmbito historiográfico ainda que mais no plano empiríco do que no teórico. Novos temas, numerosos trabalhos, um campo de estudos dinâmico e, fundamentalmente, a sua aceitação normal em obras não específicamente consagradas às sociabilidades, sustentaram o seu êxito14. Outras historiografias europeias, como a italina, a espanhola, a alemã ou a suiça ou, em menor grau as da Bélgica e Portugal – destacando-se neste último país a obra de Maria Alexandre Lousada, em especial a sua tese de doutoramento Espaços de sociabilidade em Lisboa, finais do século XVIII a 1834, de 199515 –, adoptaram, adaptando lógicamente às suas particularidades, a categoría histórica de sociabilidade. E fizeram-no mais as historiografias de alguns países da América Latina, dos quais sobressai a Argentina – desde os trabalhos Sandra Gayol aos de Paula Bruno sem esquecer, entre mais alguns outros, os de Pilar González16 – mas também o México, o Brasil, o Chile, a Colômbia, o Perú ou a Costa Rica. A forte implantação de estudos sobre a vida quotidiana ou a cultura popular na historiografía anglo-saxónica explicam, parcialmente, a não penetração da categoria nesta área. Por esta razão me parece que podemos falar plenamente, tomando o termo de empréstimo a François-Xavier Guerra, de uma categoria historiográfica euroamericana. Este historiador hispano-francês que sempre deu uma importância notória à sociabilidade nos seus trabalhos sobre a passagem do Antigo Regime à chamada modernidade, usa a noção de Euroamérica, sigularizada pela longa duração e a geometría variável, para integrar um espaço cultural e, sem dúvida, político comum formado pela Europa occidental e pela América Latina, embora sem ignorar os Estados Unidos e o Canadá, que se oferecia como universo de conhecimento17. O enfoque euroamericano foi para Guerra, defende Annick Lempérière, uma opção liminar e seminal18. François-Xavier Guerra, de cujo júri de tese Maurice Agulhon fez parte, teve, além disso, um papel destacado na difusão da categoria na América Latina quer diretamente quer através dos seus discípulos, como as já citadas Lempérière e González ou a mexicana Elisa Cárdenas e o brasileiro Marco Morel.

  • 19 Mauricio Ridolfi, Il PSI e la nascita del partito di massa, 1892-1922, Roma, Laterza, 1992, p. XI
  • 20 Maurice Agulhon, «Marianne, objet de “culture”», in Jean-Pierre Rioux e Jean-François Sirinelli, di (...)

10Os estudos sobre a sociabilidade participaram e contribuíram de uma forma ou de outra para a renovação das histórias política, social e cultural que teve lugar entre as últimas décadas do século XX e o ínicio da centúria seguinte. Em 1992 o historiador italiano Maurizio Ridolfi incitava a que fossem retomadas as múltiplas possibilidades analíticas desta categoria e à reivenção das suas numerosas potencialidades interpretativas19. Velhos e novos temas, assim como alguns problemas históricos, foram colocados e recolocados sob um novo olhar. O nome de Maurice Agulhon está, definitivamente, intimamente associado à sociabilidade mas também à política «au village», à República e ao republicanismo ou às representações da «Marianne», campos de estudo para os quais abriu, igualmente, linhas de investigação fecundas. A sua obra, destacada nos planos cultural, social e da política torna-se difícil de classificar em categorias historiográficas estanques. As etiquetas preocupavam pouco este grande historiador, tal como deixava claro num trabalho onde refletia sobre os seus estudos das «Marianne»: «L’essentiel en histoire n’est pas de remplir des rubriques, de mériter ou d’honorer des étiquettes, mais d’apporter quelques connaissances nouvelles et de produire des réflexions qui puissent avoir, de temps en temps, valeur d’explication.»20.Trazer conhecimentos novos e produzir reflexões que possam chegar a alcançar valor explicativo: a modéstia dos propósitos – de certa forma a imagem da sua própria personalidade – contrasta vivamente com o enorme alcance, repercursão e influência dos resultados de uma sólida obra.

Topo da página

Notas

1 Todos os termos e definições das diversas edições dos dicionários citados nos dois primeiros parágrafos deste texto podem consultar-se no sitio da Real Academia Española (www.rae.es). Para os dicionários portugueses e franceses, cf. os sítios da Biblioteca Brasiliana Cuita e José Mindlin (www.brasiliana.usp.br/dicionario), do Centre National de Ressources Textuelles et Lexicales (www.cnrtl.fr), de Gallica (gallica.bnf.fr) e do Dictionnaire Vivant de la Langue Française (dvlf.uchicago.edu).

2 Maurice AGULHON, «La sociabilité est-elle objet d’histoire?», in Étienne François, ed., Sociabilité et société bourgeoise en France, en Allemagne et en Suisse (1750-1850), Paris, Recherche sur les Civilisations, 1986, pp. 13-22.

3 Elena Maza, «Sociabilidad e historiografía en la España contemporánea», Ayer, 42, 2001, p. 247. Também, cf. Jordi Canal, La historia es un árbol de historias. Historiografía, política, literatura, Zaragoza, Prensas Universitarias de Zaragoza, 2014, pp. 122-126.

4 Pere Gabriel, «Sociabilismes obrers i populars i història política a la Catalunya contemporània», in Sociabilitat i àmbit local, Barcelona, L’Avenç, 2003, pp. 141-156.

5 Michel Vovelle, Ideologías y mentalidades [1982], Barcelona, Ariel, 1985, p. 175.

6 Maurice Agulhon, La sociabilité méridionale (Confréries et associations dans la vie collective en Provence orientale à la fin du XVIIIe siècle), 2 vols., Aix-en-Provence, La Pensée Universitaire, 1966. A reedição de 1968: Pénitents et franc-maçons de l’ancienne Provence. Essai sur la sociabilité méridionale, París, Fayard, 1968 [nova reedição en 1984]. Sobre Maurice Agulhon, cf. Jordi Canal, «Maurice Agulhon: historia y compromiso republicano», Historia Social, 29, 1997, pp. 47-72 e 129-143. Este texto pode encontrar-se também em Jordi Canal, La historia es un árbol de historias…, pp. 79-117.

7 Maurice Agulhon, La vie sociale en Provence intérieure au lendemain de la Révolution, Paris, Société des Études Robespierristes, 1970; La République au village. Les populations du Var de la Révolution à la IIe République, Paris, Plon, 1970, e Une ville ouvrière au temps du socialisme utopique. Toulon de 1815 à 1851, Paris, Mouton-EHESS, 1970.

8 Maurice Agulhon, «Les chocs d’une vie d’historien», in La bibliothèque imaginaire du Collège de France, Paris, Le Monde Éditions, 1990, p. 13; e do mesmo autor, «Vu des coulisses», in Pierre Nora, ed., Essais d’ego-histoire, Paris, Gallimard, 1987, pp. 33-37.

9 Maurice Agulhon, Pénitents et franc-maçons... [edição de 1984], p. I.

10 Antoine Prost, «Sociale et culturelle indissociablement», in Jean-Pierre Rioux e Jean-François Sirinelli, dirs., Pour une histoire culturelle, Paris, Éditions du Seuil, 1997, p. 136.

11 Maurice Agulhon, Le cercle dans la France bourgeoise, 1810-1848. Étude d’une mutation de sociabilité, Paris, Armand Colin, 1977.

12 Maurice Agulhon, «Les associations depuis le début du XIXe siècle», in Maurice Agulhon e Maryvonne Bodiguel, Les Associations au village, Le Paradou, Actes Sud, 1981, p. 11.

13 Maurice Agulhon, Histoire et politique à gauche. Réflexions et témoignages, Paris, Perrin, 2005, p. 23.

14 Cf. Giuliana Gemelli e Maria Malatesta, Forme di sociabilità nella storiografia francese contemporanea, Milán, Feltrinelli, 1982. Étienne François e Rolf Reichardt, «Les formes de sociabilité en France du milieu du XVIIIe siècle au milieu du XIXe siècle», Revue d’histoire moderne et contemporaine, XXXIV, 1987, pp. 453-472. Jordi Canal, «El concepto de sociabilidad en la historiografía contemporánea (Francia, Italia y España)», Siglo XIX, 13, 1993, pp. 5-25.

15 Maria Alexandre Lousada, Espaços de sociabilidade em Lisboa, finais do século XVIII a 1834, tese de doutoramento, Lisboa, Universidade de Lisboa, 1995.

16 Sandra Gayol, Sociabilidad en Buenos Aires: hombres, honor y cafés, 1862-1910, Buenos Aires, Ediciones del Signo, 2000. Paula Bruno, dir., Sociabilidades y vida cultural: Buenos Aires, 1860-1930, Bernal, Universidad Nacional de Quilmes, 2014. Pilar González Bernaldo de Quirós, Civilité et politique aux origines de la nation argentine. Les sociabilités à Buenos Aires 1829-1862, Paris, Publications de la Sorbonne, 1999.

17 François-Xavier Guerra, «L’Euro-Amérique: constitutions et perceptions d’un espace culturel commun», Les civilisations dans le regard de l’autre, Paris, UNESCO, 2002, pp. 183-192, e, do mesmo autor, Figuras de la Modernidad. Hispanoamérica, siglos XIX-XX, edicão de Annick Lempérière e Georges Lomné, Bogotá, Taurus-Universidad Externado de Colombia, 2012. Cf. Oscar Guarín-Martínez, «La sociabilidad política: un juego de luces y sombras», Memoria y Sociedad, 14 (29), 2010, pp. 25-36, e Beatriz Inés Moreyra, «La historiografía española y la nueva historia política latinoamericana: la influencia del pensamiento y la obra de François-Xavier Guerra», in Ariel Guiance, dir., La influencia de la historiografía española en la producción americana, Madrid, Instituto Universitario de Historia Simancas-Marcial Pons, 2011, pp. 135-169.

18 Annick Lempérière, «La construcción de una visión euroamericana de la historia», in Erika Pani y Alicia Salméron, coords., Conceptuar lo que se ve: François-Xavier Guerra historiador. Homenaje, México DF, Instituto Mora, 2004, pp. 397-418. Cf., também, Olivier Compagnon, «L’Euro-Amérique en question», Nuevo Mundo/Nuevos Mundos: http://nuevomundo.revues.org/index54783.html

19 Mauricio Ridolfi, Il PSI e la nascita del partito di massa, 1892-1922, Roma, Laterza, 1992, p. XI.

20 Maurice Agulhon, «Marianne, objet de “culture”», in Jean-Pierre Rioux e Jean-François Sirinelli, dirs., Pour une histoire culturelle, p. 118.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Jordi Canal, « Maurice Agulhon e a categoria sociabilidade », Ler História, 68 | 2015, 01/12/2015.

Referência eletrónica

Jordi Canal, « Maurice Agulhon e a categoria sociabilidade », Ler História [Online], 68 | 2015, posto online no dia 18 Março 2016, consultado no dia 27 Abril 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1780 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1780

Topo da página

Autor

Jordi Canal

École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS,Centre de Recherches Historiques (CRH. canal@ehess.fr

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org