Navegação – Mapa do site
Espelho de Clio - Maurice Agulhon (1926-2014)

Valdo D’Arienzo (1960-2015)

José Vicente Serrão

Texto integral

1Historiador italiano, catedrático de história económica na Universidade de Salerno, membro do Conselho Editorial da LH desde 2010, Valdo D’Arienzo faleceu no início deste ano após doença prolongada.

2Na sua carreira de investigação, prematuramente interrompida, avulta o interesse pelos temas marítimos, com especial enfoque nas épocas tardo-medieval e moderna. O sal, as pescas, a navegação, a circulação de capitais e de mercadores entre os portos da área mediterrânica contam-se entre os seus temas de eleição, sobre os quais organizou vários congressos e muitas publicações. Esses vários temas combinaram-se nos estudos de história regional que dedicou aos Mercanti in Fiera (1998), à Opulenta Salernum (2001) e à Economia e controllo del territorio na região de Policastro (2003). Mais especificamente à história do sal, de cuja Comissão Internacional foi vice-presidente entre 1998 e 2004, consagrou a sua tese de doutoramento (1991), sobre o negócio e consumo de sal no reino de Nápoles nos séculos XVII e XVIII, e muitos outros estudos, entre os quais alguns sobre Portugal. Sobre o mar e as pescas organizou, nomeadamente, o livro Pesci, barche, pescatori nell’area mediterranea dal Medioevo all’età contemporânea (Milão, 2010).

3A ligação de Valdo D’Arienzo a Portugal começou ainda nos anos 80, quando aqui fez um estágio de investigação como bolseiro do Ministério dos Negócios Estrangeiros, e quando escreveu os primeiros trabalhos sobre a presença italiana na Ásia portuguesa e sobre a inquisição de Goa. Em 1991 publicou (com Biagio Di Salvia) um livro sobre os sicilianos no Algarve nos séculos XV e XVI (reeditado em 2012), tema ao qual voltaria, com actualização de dados, no artigo publicado na Ler História 44 (2003), sob o título «No extremo ocidental: privilégios, empreendimentos e investimentos sicilianos no Algarve». Visitava com frequência o nosso país, quer para dar aulas e conferências, quer para participar em congressos, quer para investigar nos arquivos, quer simplesmente para rever os amigos. Foi incansável na promoção das relações entre as historiografias italiana e portuguesa, e na circulação de académicos e estudantes entre os dois países. Cabe recordar, por exemplo, o seu empenhamento no estreitamento de relações entre a Associação Portuguesa de História Económica e Social e a sua congénere italiana (SISE), de que resultou a Mesa-redonda Portugal e Itália: comparar a história, cruzar a historiografia (Lisboa, 2007) e um evento similar realizado em Itália no ano seguinte (Bari, 2008). Mas cabe recordar principalmente o seu amor a Portugal e a Lisboa, cidade a que dedicou ainda algumas páginas do seu último livro – Lettere mai recapitate (2014) –, onde, num registo literário, não académico, escrevia: «La mia Lisbona è luce che da spazio ai colori, è il finimento audace a copertura di spalle e pelle ove mai restasse stoffa, è il lembo di una manica infilata in tutta fretta. Ho vissuto, pur senza fughe, questa Lisbona.»

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

José Vicente Serrão, « Valdo D’Arienzo (1960-2015) », Ler História [Online], 68 | 2015, posto online no dia 18 Março 2016, consultado no dia 16 Agosto 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1785 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1785

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org