Navegação – Mapa do site
Espelho de Clio - Maurice Agulhon (1926-2014)

As cores do «político». Da França Republicana de Maurice Agulhon à Itália «Risogimental» e liberal

Maurizio Ridolfi

Texto integral

A esfera simbólica e iconográfica do «político» no percurso de pesquisa de Agulhon

  • 1 Cfr. M. Ridolfi, «La ricezione degli studi di Maurice Agulhon in Italia», Contemporanea, n.º 2, 20 (...)
  • 2 Ver intervenções de «Per Maurice Agulhon», Memoria e Ricerca, n.º 46, maio-agosto 2014. Foram publ (...)

1Em Itália, a renovação metodológica que se seguiu em primeiro lugar à «tradução» do interesse pela história social retirado da historiografia europeia e em seguida ao «retorno» de uma atenção crescente em relação a uma história cultural e social da «política», levou a uma valorização plena do «político» nos espaços da vida pública. É em relação com este horizonte de problemas metodológicos e de percursos de pesquisa inovadores que o eco dos estudos de Maurice Agulhon pôde alcançar uma particular ressonância1, renovada por ocasião da sua morte2.

  • 3 M. Agulhon, «Esquisse pour une archéologie de la République. L’allégorie civique féminine», Annale (...)
  • 4 M. Agulhon, Marianne au combat. L’imagerie et la symbolique républicaines de 1789 à 1880, Paris, F (...)

2No entanto, se a sociabilidade de Agulhon podia aparecer como uma importante categoria de análise para captar a emergência do «político» nos interstícios da vida social, a sua extensão das formas associativas aos fenómenos mais significativos da vida quotidiana e a necessidade de explorar mais profundamente os processos de formação e transformação da mentalidade popular tinham empurrado o próprio autor francês a promover um outro caminho de pesquisa, igualmente estimulante e inovador, sobre a imagem feminina da República na história da França contemporânea. Essas pesquisas, esboçadas em 1973 nos Annales 3 encontraram em 1979 o seu pleno desenvolvimento com a publicação do livro Marianne au combat 4.

  • 5 M. Agulhon, Marianne au pouvoir. L’imagerie et la symbolique républicaines de 1880 à 1914, Paris, (...)

3A publicação, dez anos mais tarde, em 1989, da obra Marianne au pouvoir 5representou, em Itália, uma ocasião para melhor avaliar a obra historiográfica de Agulhon. Maria Malatesta, fez na revista Italia contemporanea, uma recensão desenvolvida desse livro, na qual reconhecia a Agulhon, no caso da imagética e da simbólica política, o mérito de ter criado um campo específico de pesquisa (precisamente o do simbólico) em primeiro lugar com Marianne au combat e, em seguida, com Marianne au pouvoir.

  • 6 M. Malatesta, «Maurice Agulhon», Memoria e Ricerca, n.º 46, maio-agosto 2014, p. 143. À trilogia a (...)

4Como esta autora ainda recentemente observou, Agulhon abrira então «o novo filão da história das representações. Ele foi também neste campo um pioneiro. (...) o simbólico foi eregido em objeto de análise historiográfica e em campo priviligiado para o estudo da política»6.

5Em Itália, a obra de Agulhon foi entendida como uma espécie de plena reapropriação pelo trabalho do historiador de campos de pesquisa pouco explorados anteriormente ou pertencentes quase exclusivamente a disciplinas como a antropologia e a etnologia. Este julgamento tinha sido entretanto confirmado na altura da publicação entre 1988 e 1996 dos três volumes nos quais o autor tinha reunido, com o título evocador de Histoire vagabonde, artigos de debate historiográfico e ensaios de pesquisa publicados em revistas e livros ao longo de uma quinzena de anos. Aqueles a quem estes trabalhos foram apresentados em Itália, pareciam partilhar a intenção de Agulhon de os reconduzir a um projeto mais global de história da civilização em França, ou seja, a dessa modernização da vida pública que caracteriza, em primeiro lugar, a aprendizagem democrática determinda pela emergência da política nacional e, de um modo mais geral, o processo de politização.

  • 7 Podem consultar-se os dois volumes recentemente publicados: M. Ridolfi: La politica dei colori. Em (...)

6Que papel assume a cor no percurso de pesquisa de Agulhon sobre os símbolos e representações «do político»? Como é que influenciaram também os meus próprios percursos de investigação7?

Cores da política, política das cores

  • 8 M. Pastoureau, Bleu. Histoire d’une couleur, Paris, Éditions Le Seuil, 2006 (1.ª ed. 2000), p. 8.
  • 9 M. Pastoureau, Bleu, cit., p. 123 e sg; sobre a emergência, no rescaldo de 1789, do «bleu de la Fr (...)
  • 10 M. Pastoureau e D. Simonnet, Il piccolo libro dei colori, Florença, Ponte alle Grazie, 2006, p. 5.

7A partir das suas competências específicas sobre a época medieval, Michel Pastoureau foi o primeiro a dedicar atenção a este terreno de pesquisa num quadro de aproximação socio-cultural e linguística da França e com uma abordagem de longo prazo. Ele delineou um horizonte possível: «toda a história das cores pode ser unicamente uma história social. É a sociedade que faz as cores, que lhes atribui uma definição, um significado, que constrói os seus códigos e os seus valores, que estabelece os seus usos e o âmbito das suas aplicações»8. No entanto, Pastoreau não enfrenta o nexo entre cor e representação do político excepto em sugestões ocasionais por vezes muito eficazes. É o que sucede quando recorda que a política se apoderou das cores – nos anos da Revolução francesa, embora em sua opinião9 – «os vermelhos e os azuis não tenham sido sempre os que conhecemos»10; prenunciando a correlação entre cor e pertença política que se registou no tempo e nos diferentes cenários nacionais (quando não territoriais e regionais).

  • 11 M. Pastoureau, Couleurs, images, symboles. Etude d’histoire et d’anthropologie, Paris, Éditions Le (...)

8É o que sucede igualmente quando enfatiza as cores dos tecidos e das roupas como um factor essencial na reflexão sobre o valor social da dimensão cromática mas, também nesse caso, sem ampliar e verificar o seu significado no plano da esfera política11. Pastoureau contribuiu, assim, para evidenciar quanto o léxico das cores era reflexo de fenómenos culturais e sociais bem como para enfatizar os contextos de utilização e o seu significado simbólico através de expressões idiomáticas e sentidos figurados. Neste sentido, a possibilidade de introduzir um número limitado de elementos que podemos definir como «estruturalistas» é interessante; ou seja elementos cujo significado nasce do modo como as cores se dispõem e não tanto de significados ocultos imutáveis e meta-históricos não correspondentes ao uso, representação e percepção dos cromatismos políticos. A gramática das cores não pode ser um quadro explicativo único, mas sim uma orientação preenchida depois com conteúdos próprios.

  • 12 G. Mosse, La nazionalizzazione delle masse. Simbolismo politico e movimenti di massa in Germania ( (...)

9Olhando por exemplo para o caso alemão e estudando a génese dos primeiros movimentos de nacionalização, George Mosse evidenciou o significado de marco dos anos franceses e napoleónicos, quando os movimentos de resistência confiaram a representação das reivindicações nacionais a uma composição de três cores (negro, vermelho e dourado), nascidos do movimento estudantil do período pós-napoleónico que se tornariam a bandeira do movimento patriótico e nacional de 184812.

10Sugestões semelhantes são fornecidas pelo caso espanhol onde os movimentos de resistência ao exército napoleónico estiveram na origem da criação de uma composição de duas cores a que foi confiada a representação da identidade nacional. Também num país ibérico como a Espanha, tal como na Itália unitária, ter-se-á imposto uma tradição dinástico-militar.

  • 13 E. Hobsbawmn, Tradizioni e genesi dell’identità di massa, in E. Hobsbawmn e T. Ranger (ed.), L’inv (...)

11A atenção à temática das cores esteve presente primeiro, mais do que em outros terrenos de pesquisa, nos estudos sobre as tradições sociais e políticas do movimento operário e popular. Conjugando o estudo das classes subalternas com o da formação da identidade de massas nos principais países europeus, Eric Hobsbawm indicou alguns úteis percursos de investigação13: a mutável correlação entre as cores da nação e as cores das várias culturas políticas, o nexo entre representações e receções , adaptações e composições.

12Um horizonte comparativo e interdisciplinar priviligiado esboça-se, por sua vez, graças aos estudos de Maurice Agulhon no âmago de uma historiografia francesa sensível às dimensões socio-cultural e simbólico-ritual da política. Foi por ocasião de um congresso realizado em Madrid em fevereiro de 2001 na Casa de Velazquez, organizado pelo meu amigo Jordi Canal e dedicado à penetração dos estudos de Agulhon na Europa do sul que tive oportunidade de ouvir Michel Pastoureau cujo «fresco» de longa duração sobre as cores na história francesa seria um forte incentivo para eu estudar o assunto no âmbito do interesse pela história social e cultural do «político».

  • 14 R. Bodei, «Il rosso, il nero, il grigio: il colore delle moderne passioni politiche», in Storia de (...)
  • 15 F. Rigotti, Metafore della politica, Bolonha, il Mulino, 1989; J. M. Gonzáles García, Metáforas de (...)
  • 16 P. Burke, La storia culturale, Bolonha, il Mulino, 2006 (ed. orig. 2004).
  • 17 C. Brice, «La storia culturale del politico: stato dell’arte, risultati e proposte», Memoria e Ric (...)

13O terreno das cores é um terreno de investigação que desde há muito tempo as artes, a filosofia, as letras, tal como as ciências sociais, colocaram no centro da sua atenção. Não se poderá dizer o mesmo dos historiadores da sociedade e sobretudo da política. Apesar disso, a história e os historiadores teriam muito a dizer mesmo em relação à história das paixões e das emoções políticas na Itália contemporânea. A história das cores conta a evolução das mentalidades sociais e culturais. Se as cores são grandes reveladoras da evolução social e cultural da vida humana, a certa altura da sua história a política apoderou-se delas usando símbolos e representações cromáticos. Se o simbolismo das cores se manifesta em diferentes terrenos de investigação, interessa aqui traçar e prosseguir um percurso de história social e cultural da política; o que significa tentar conjugar as representações e o imaginário com as práticas dos rituais e manifestações das memórias privadas e coletivas. Pôr em marcha um projeto de investigação sobre as paixões políticas e a sua declinação cromática14 é, assim, ampliar os objetos de análise do político além dos escritos e linguísticos – as metáforas, por exemplo –15, compreendendo necessariamente os aspetos visuais e iconográficos intrinsecos a uma história das paixões e emoções políticas narrada através do filtro priviligiado das cores. Ocorre uma interrogação sobre os significados consolidados e estratificados das cores no tempo (entre memória e mentalidade coletiva), além do uso contingente, dos quais também se podem avaliar as implicações, sobretudo na crise da transição. Deve dar-se também decisiva atenção às cores da política ou aos usos políticos dos diferentes cromatismos. Neste contexto, à formalização do «político» no plano institucional e protocolar (os rituais, os símbolos, as bandeiras, os brasões, os uniformes) deve juntar-se a indagação das práticas, na aceção social e antropológica do conceito de cultura política «difusa», segundo o que Catherine Brice, retomando uma definição de Peter Burke16 referiu como: «a afirmação do caráter operativo de rituais, emoções, símbolos» que «se apresentam como uma gramática que enquadra a sociedade tornando-a legível, mas que também, em simultâneo, põem a sociedade em ação»17.

  • 18 R. Petri, «Sentimenti, emozioni. Potenzialità e limiti della storia culturale», Memoria e Ricerca, (...)

14Existem numerosos indíces que documentam o uso da cor como instrumento simbólico destinado a distinguir e a identificar diversos objetos. O que ocorre indagar é como mudam as interpretações associadas a cada cor tendo em conta os diferentes contextos socio-culturais e os seus efeitos no suscitar de emoções em quem olha18. Qual poderia ser, então, o terreno específico de uma história do uso das cores na política ou de políticas promovidas através delas? E de que modo Agulhon delineou um possível percurso de pesquisa no quadro da sua atenção aos símbolos e imagens do «político» em particular na França de oitocentos?

  • 19 M. Agulhon, «Les couleurs dans l’histoire récente», Ethnologie française, XX (1990), n.º 4, pp. 39 (...)
  • 20 M. Agulhon, «Les couleurs dans l’histoire récente», p. 170.
  • 21 Agulhon, Les couleurs…, p. 182. No mesmo sentido veja-se M. Vovelle, La découverte de la politique(...)

15Mesmo sem ser de forma sistemática, estudando os aspetos simbólicos da cultura republicana desde a Grande Revolução e priviligiando uma aproximação através da história social e cultural da politica, Agulhon prefigurou para França (mas não apenas, deve-se sublinhar) fecundos percursos de pesquisa sobre os códigos relativos ao uso e à perceção das cores nas relações humanas de natureza política19. Ele convidou-nos, ao mesmo tempo, a ultrapassar aquela espécie de indolência que impediu durante muito tempo os historiadores de fazer seu o tema e o terreno das cores quando escreveu: «les historiens prennent rarement la peine de classer les informationscolorées qu’ils rencontrent, comme si le pittoresque rebutait l’austérité présumée de leur oeuvre!»20. Juntando, simultaneamente, os interesses históricos e etnológicos nas formas de sociabilidade e na iconografia, Agulhon mostrou muito bem a importância dos lugares e dos veículos da politização como os simbolos cromáticos prefigurando um percurso de pesquisa que se mantém silencioso e inacabado sobre linguagens, práticas e significados dos usos políticos das cores. Fê-lo mais ainda como etnólogo que como historiador: «plus encore que les couleurs parlées, ce sont les couleurs portée ou exhibées qui importent à l’ethnologue»21; até ao ponto de abrir o terreno quer para uma «ethnographie du comportement politique» quer para ulteriores percursos de pesquisa entre psicologia e sociologia. Propôs, em particular, uma indagação sobre pares de cores, relendo desse modo as tendências opostas da história francesa (revolução-contrarrevolução, direita-esquerda); negro e branco, por um lado, azul e vermelho por outro, nos diferentes binómios conflituais que se sucederam no tempo.

  • 22 Um formato compósito é apresentado na coletânea de ensaios do volume Signes et couleurs des identi (...)

16No percurso pessoal que assim se foi delineando, mobilizando também as numerosas sugestões provenientes dos estudos de Agulhon parece igualmente necessário observar a contaminação entre cores da «nação» e cores das «fações», numa perspectiva de longa duração, evitando contudo o risco das periodizações indistintas, das problematizações demasiado vagas e descontextualizadas22. Sugestões interdisciplinares e indicações provenientes dos estudos de Agulhon concorreram, em suma, para delinear um ambicioso projeto de investigação que visa tornar a Itália um estudo de caso europeu acerca das representações do político no período contemporâneo através das cores e das expressões cromáticas (verbais, escritas e figurantivas).

A herança da «Grande Revolução»

17Se as identidades políticas se definem em relação à alteridade ( entre antorrepresentação e estereótipos exclusivistas) num processo de contraste e competição ou de assimilação e adaptação, percebe-se imediatamente a pluralidade das cores e das suas mutáveis representaçãoes de forma a serem consideradas, conjuntamente, no plano social e cultural, examinando as transformações ocorridas no tempo, sobretudo nas fases de transição, ou seja de instabilidade do político, a partir, historicamente, do impacto da Revolução francesa. É de facto dali que se deve partir para compreender o relevo dos fatores ideológicos na fundação e legitimação das distintas e conflituosas identidades políticas no período contemporâneo. Conjugando a dimensão simbólica com a iconográfica, as representações cromáticas e a sua materialidade desempenharam um papel importante no espaço público, das gravuras populares às produções artisticas, dos rituais civis aos trajes individuais e de grupo.

  • 23 A. Mathiez, Les origines des cultes révolutionnaires 1789-1791, Genève, Slatkine – Megariotis Repr (...)

18O tema reenvia ao estudo precursor de Albert Mathiez sobre os cultos revolucionários23, mas ainda mais específicamente ao percurso de investigação iniciado por Agulhon sobre os aspetos simbólicos da cultura republicana como herança da Grande Revolução através de um inquérito sobre os usos e as perceções das cores nos conflitos políticos. À sua dupla dimensão pública e privada dedicou também atenção Lynn Hunt, cujos trabalhos de história cultural contribuiram para pôr em evidência como os objetos e hábitos quotidianos – como o vestuário – assumiram então valor de emblemas políticos sinais de pertença a lados opostos, bem como veículos tanto de uma educação revolucionária como de uma precoce politização das camadas burguesas e populares urbanas. Insistiu também sobre o vestuário e os objetos coloridos:

  • 24 L. Hunt, La rivoluzione francese: politica, cultura, classi sociali, Bologna, il Mulino, 1991, p. (...)

19«Roupas diferentes assinalavam posições políticas diferentes e uma determinada cor, calças de uma determinada largura, certo estilo de sapatos ou o chapéu menos próprio podiam fazer explodir um conflito, uma altercação ou uma luta generalizada (...). As cores, os ornamentos, os vestidos, os pratos, o dinheiro, o calendário ou as cartas de jogar tornaram-se sinais de arregimentação de um e outro lado. Estes símbolos não eram simplesmente expressões de posições políticas. Eram meios através dos quais as pessoas se tornavam conscientes das suas escolhas de campo tornando clara uma posição política, tornando possível a adesão, a oposição, a indiferença. Constituíam assim um campo de luta política»24.

  • 25 Cfr. B. Richard, Les emblèmes de la République, Paris, CNRS Edition, 2012, pp. 41-76.
  • 26 M. Agulhon, Les couleurs…, cit., p. 178.

20Apresentemos alguns exemplos como o do aparecimento do símbolo por excelência da tradição revolucionária republicana em sentido restrito mas depois com horizontes bem mais amplos: ou seja o barrete frígio25. O valor simbólico e cromático do barrete frígio, sinónimo de liberdade e decorrente da mesma representação artística do neoclassicismo como símbolo da emancipação de um povo peduraria no tempo. «Qu’il soit l’attribut de la Liberté – tinha observado Agulhon – «dans l’iconologie académique, ou la coiffure symbole de gens du peuple opposés aux aristocrates porteurs de chapeaux, ou bien encore une coiffure réelle des petites gens, il à vite pris place dans la symbolique comme dans la pratique»26.

  • 27 J. Epstein, «Understanding the Capo f Liberty. Symbolic Practice and Social Conflict in Early Nine (...)
  • 28 G. Spadolini, L’Italia repubblicana, Roma, New Compton editori, 1988, p. 15. Cfr. também Roberto B (...)

21O barrete frígio teve sucesso mesmo fora da França27. Em Itália ele manifestar-se-ia posicionando-se entre censura (no período napoleónico, na Restauração, nos anos pós-unitários e no vinténio fascista) e inesperados ressurgimentos (no biénio 1848-49, nos primeiros decénios de novecentos e na semana vermelha de 1914, em 1946 e nas subsequentes ocorrêcias das «terre republicane»). Face a um barrete frígio – já foi observado – não são possíveis mal-entendidos: o sinal emitido pelo gorro vermelho da antiguidade não perdeu no decurso dos séculos nada do seu primitivo significado”28. O símbolo encarnava a ideia de um governo do povo vindo através de um processo de aprendizagem democrático.

  • 29 Cfr. «Blancs» et contre-révolutionnaires. Espaces, réseaux, culture et mémoires (fin de XVIII°-Débu (...)

22No decurso do século XIX também pela referência às cores nacionais (as da bandeira) as atribuições cromáticas tornaram-se habituais para etiquetar os adversários. Foi o caso tanto dos revolucionários como dos contrarrevolucionários nos países da Europa do sul comparados frequentemente ao caso francês29.

23Em França a correlação original foi estabelecida entre os brancos, legitimistas e bourbónicos e os azuis, nacional-republicanos antes de que, por volta de 1848, se acrescentasse a representação dos vermelhos. Em Espanha foram inicialmente os brancos contrarrevolucionários a serem contrapostos aos negros liberais; ao contrário do conflito simbólico e cromático entre brancos e vermelhos democráticos depois da primeira guerra civil carlista (1833-1840). Na verdade, falava-se já de brancos e negros no triénio liberal quando os segundos eram considerados como «impuros» em relação à tradição do país encarnada pelos brancos borbónicos, até porque do ponto de vista dos detratores o qualificativo negro retomava o epíteto dirigido aos árabes ou seja «os mouros». Em Portugal, pelo contrário, era o vermelho a cor dos contrarrevolucionários sendo os negros os liberais (imitando a contraposição presente em Espanha). O período constitutivo da paleta político-cromática foi o da guerra civil levada a cabo por D. Miguel entre 1828 e 1834. Na segunda metade de oitocentos seria o modelo francês a influenciar a política portuguesa e então a contraposição prioritária será entre o vermelho democrático-republicano e o azul conservador e monárquico.

  • 30 M. Agulhon, Les couleurs…, cit., p. 176.
  • 31 Cfr. M. Pastoureau, Drapeau blanc, in Id., Les émblemes de la France, Paris, Bonneton, 1998, pp. 10 (...)
  • 32 Cfr. J. C. Martin, Blancs et bleus dans la Vendée déchirée, Paris, Gallimard, 1986 e ainda Id., «L (...)
  • 33 M. Agulhon, Les couleurs…, cit., p. 174.
  • 34 Cfr. M. Cattaneo, Gli occhi di Maria sulla Rivoluzione. «Miracoli» a Roma e nello Stato della Chie (...)

24Poder-se-ia falar da exemplariedade das origens do tricolor revolucionário francês. A aparência do «azul político» enquanto sinónimo de «combatente da revolução» reenvia geralmente também a uma «origine vestimentaire: la couleur de l’uniforme des volontaires de 1792».30 Na fase contrarrevolucionária mudaram os temas mas permaneceram as formas expressivas através de um variado leque de cores. Na mudança de cena e na sua representação póstuma, a bandeira foi o amarelo a acompanhar o branco31 que já era a cor identificadora da dinastia regente dos Bourbons e depois dos contrarrevolucionários. Como em França, no caso exemplar da Vendeia32: «les “blancs” contre les “bleus” – observou Agulhon – c’est toute l’histoire de la guerre civile symbolisée par la Vendée, aux si durables séquelles. Blanc pour le drapeau du roi, bleu pour la Révolution»33. Em Itália, pelo contrário, a memória das «insorgenze» antijacobinas foram alimentadas pela narrativa religiosa dos «milagres marianos» do trénio 1796-1799 à qual se deve a origem de um longo modelo de devoção (até 1948 e mais tarde) destinado a reforçar – de vez em quando – a fé dos fiéis na proteção divina em relação às ameaças da «doença» da revolução34.

A Itália entre «Risorgimento» e unificação nacional

25Se, como já vimos, o eco dos estudos de Maurice Agulhon sobre as imagens republicanas chegou a Itália no momento próprio, só mais tarde, e no quadro das pesquisas sobre a «débil» identidade nacional, é que as reflexões sobre a construção contraditória por parte da classe dirigente de uma «religião da pátria», favoreceram o interesse pela dimensão simbólica e representativa do «político». É nos estudos sobre o imaginário político dos italianos e sobre a sua materialização simbólica que somos reenviados geralmente aos estudos clássicos de Maurice Agulhon sobre a «Marianne». Na historiografia italiana existe uma tendência cada vez mais forte para voltar a percorrer o processo histórico através do qual os «sinais» da identidade nacional, quer esta fosse declinada de um ponto de vista monárquico e liberal quer ela alimentasse o imaginário do patriotismo republicano, se tornaram verdadeiros e autênticos símbolos, passando a ser parte da imagética política e da mentalidade colectiva e, tal como o tinha observado Agulhon, em consequência da sua «charge de significations multiples, situées à des degrés divers de conscience, voire d’inconscience».

26É uma narrativa que se estende desde os anos franceses de finais de setecentos e inícios de oitocentos até ao ocaso do regime fascista; ou seja, da descoberta da política na sua aceção habitual para nós até à sua plena afirmação entre as duas guerras mundiais. Desenrola-se uma trama que insiste no valor simbólico – em particular cromático – dos processos de identificação e de conflitualidade política; não sem fazer aparecer a relevância de uma dimensão local e territorial da política, também neste caso com referências diretas aos estudos de Agulhon sobre a Provença oriental.

  • 35 Ver a intervenção de S. Soldani na mesa-redonda «Sociabilità e associazionismo in Italia: anatomia (...)

27Por um lado reproduz-se aqui o conflito entre cores da revolução e da contrarrevolução, dos agentes da República e da Monarquia, do Estado laico por oposição a uma sociedade clerical, do nacionalismo e do internacionalismo; agora, no século XX, reais e autênticas identidades competitivas, partidárias, de massas. Por outro lado, foi uma oportunidade para uma leitura da construção estatal e nacional em forma também territorial ligando estreitamente sociabilidade e habitat, em simultâneo com uma história do género e das identidades geracionais. Interrogando-se sobre a relação entre identidades de grupo, tradições e acontecimentos com sentido de viragem na história italiana prefascista – o biénio revolucionário 1848-49, o triénio da unificação nacional 1859-61, os anos de reforma eleitoral e da sua primeira aplicação, a Grande Guerra –, Simonetta Soldani mostrou como o sentimento de pertença política respeita a «todas as esferas da mentalidade e da cultura locais e não apenas às cores políticas, ainda que isso fosse – tendencialmente e até tempos relativamente recentes – mais colectivo do que individual»35.

  • 36 I colori della politica. Passioni, emozioni e rappresentazioni della politica nell’età contemporan (...)

28As contaminações entre cores da nação italiana em construção e cores «das fações» são um terreno de pesquisa que, a partir da história, já sondada, do tricolor, se presta a sugestivas indagações comparativas36. Daí a atenção, simultaneamente, aos usos literário-linguísticos e artístico-culturais e às práticas de exposição das cores, quer nas relações sociais (manifestações, festas, rituais funerários) quer nas inter-individuais (vestuário, bonés, uniformes, camisas) etc., ou, de qualquer modo, como se representava a identidade e cultura política territorial através de simbolos cromáticos precisos (laços, bandeiras, hinos, cânticos, flores, brasões, etc.) sempre visando criar tensão emotiva e partilha sentimental.

  • 37 M. Agulhon, Les couleurs.., cit., pp. 178-179. Cfr. também M. Dommanget, Histoire du drapeau rouge (...)

29A correlação entre a cor vermelha e o seu uso no plano militar tem uma longa ascendência identificável nas culturas indo-europeias onde se associava o vermelho às virtudes guerreiras. Um dos seus significados políticos remetendo para a Revolução francesa. Como observou Agulhon ela polarizou o barrete frígio de cor vermelha como atributo do princípio da liberdade e em simultâneo confirmou, «le drapeau rouge comme signe distinctif d’interdiction: les autorités décrètent la loi martiale, ce signe bien visible, déployé, en avertit même de loin la foule, et l’on procède aux sommations». Com o paradoxo de que «de cette liaison intime du drapeau rouge avec l’émeute populaire naîtra, par un renversement un peu mystérieux, son adoption par l’émeute elle-même»37.

  • 38 M. Pastoureau, Le bleu. Histoire d’une couleur, Paris, Editions Seuil, 2006 (1.ª ed. 2000), pp. 13 (...)

30Isso acontecera na jornada revolucionária de 17 de julho de 1791 quando a multidão se reuniu no Champs-de-Mars para pedir o julgamento de Luis XVI; com base numa lei marcial que tinha por alvo os manifestantes que arvorassem uma bandeira vermelha, as Guardas Nacionias dispararm sem pré-aviso fazendo cerca de cinquenta mortos. Eles foram considerados como os «primeiros mártires da revolução», de acordo com as sucessivas memórias dos socialistas e da extema-esquerda sob o signo da bandeira vermelha, a cor do sangue derramado. Em datas posteriores de regresso às barricadas, às de junho 1832 em Paris, tal como as descreve Victor Hugo no seu romance Os Miseráveis, a bandeira vermelha seria o como que o símbolo da revolução popular38.

31Entre os finais do século XIX e o início do século XX, com o triunfo das imagens e da comunicação de massas, as cores evidenciaram ainda melhor os símbolos através dos quais se representava a identidade política. Movimentos e partidos que estavam a estruturar a cultura política de massas entre os anos da guerra da Líbia e os anos depois da Grande Guerra confrontavam-se através das linguagens das cores, chegando à apropriar-se de símbolos cromáticos do adversário para desacreditar o seu significado ou mudar o signo. Aquela linguagem tornar-se-ia parte essencial de qualquer ação com vista a influenciar a opinião pública e a construir ações de consenso (mesmo eleitoral).

  • 39 A. Ventrone, Il nemico interno. Immagini e simboli della lotta politica nell’Italia del’900, Roma, (...)

32Produziram-se linguagens e formas de demonização dos adversários39 em cuja representação o uso das cores serviu para atribuir e transmitir significados precisos segundo difundidas e repetidas mensagens cromáticas : o vermelho para simbolizar ardor e paixão, o sangue e o sacrifício; o negro para aludir à morte e à barbárie bem como aos privilégios (dos ricos burgueses como dos expoentes do clero); o branco para condensar os valores da candura e da pureza mas também o estado da miséria e da pobreza (através dos corpos magros e esqueléticos dos deserdados); o cinzento também para evidenciar uma condição de nivelamento e homogeinização, da qual há que emancipar-se ou contra a qual há que rebelar-se, o amarelo, enfim, para marcar a riqueza (o ouro, a moeda, o dinheiro) mas também a cobiça, (atributo do judeu apresentado já através daquela cor desde a Idade-Média).

História cultural e história do «político»: perspectivas de investigação

33Usos linguísticos (escritos ou verbais), imagens iconográficas e comportamentos públicos sob o signo das representações cromáticas permitem dar algumas respostas às perguntas sobre as paixões e as emoções, as expectativas utópicas e os medos, que em determinado momento uma cor foi capaz de associar a uma tendência política. Atento às mudanças e às transformações no tempo e nos diferentes espaços, o historiador das cores do «político» deveria poder dar conta dos usos e das representações, dos valores culturais e identidades sociais, nada imóveis e muitas vezes surpreendentes, dados os diferentes casos de ajustes cromáticos observáveis na história das diferentes culturas políticas. São pois numerosos os percursos de pesquisa que uma representação cromática do político pode permitir como se tem começado a fazer graças ainda à herança, sempre fecunda, dos percursos de pesquisa e dos estudos de Maurice Agulhon.

  • 40 M. Malatesta, «Maurice Agulhon», cit., p. 144.

34Escrevendo sobre os seus próprios trabalhos, Maurice Agulhon inscrevia-os no campo da etno-política. A este propósito, sublinhando o carácter inovador dos trabalhos de Agulhon, Malatesta escreve: «A palavra usada por Agulhon para definir esta área de investigação era etno-política (Histoire vagabonde. I. Ethnologie et politique dans la France contemporaine, 1988, trad. espanhola, México, 1994, trad. alemã, 1995). Alguns anos depois ter-se-ia chamado “cultural history”. Por um curioso paradoxo se ninguém, ontem como hoje, discute a paternidade da sociabilidade, o mesmo não pode dizer-se quanto ao simbólico. Os seus estudos eram certamente demasiado inovadores para o seu tempo e por isso não conseguiram conquistar um lugar oficial na “cultural history”. Estou convencida, porém, que ainda que com atraso, uma reconstrução historiográfica que compreenda os últimos decénios do século XX e os primeiros do século XXI saberá fazer justiça e reconhecer a verdadeira primazia”40.

  • 41 G. Pécout, «La Repubblica orfana del suo storico», Memoria e Ricerca, n.º 46, maio-agosto 2014, p. (...)

35Certamente o falhado reconhecimento é devido a distinções de facto que não devem ser menosprezados. A minha convicção pessoal é que a história cultural de matriz anglo-saxónica (como tem sido traduzida em italiano por uma parte da historiografia do Risorgimento) e a história do «político» tal como a praticava Agulhon são campos de pesquisa afins mas nitidamente distintos. É o que nos ajudam a perceber as recentes intervenções de Jordi Canal e Gilles Pécout na Memoria e Ricerca por ocasião da morte de Agulhon. Nos dois casos insiste-se no Agulhon historiador do processo de politização nos alvores da idade contemporânea. Em relação aos estudos sobre Marianne e a imagética republicana, Pécout falou de um modelo possível para fazer uma «história global»: «Os rostos de Marianne perturbam o historiador, consciente de nesses rostos não haver matéria para fazer uma história global – ao mesmo tempo social, cultural e política – da França: uma história dos projetos das elites politizadas, mas também do consumo popular de imagens conectando os factores e vectores de politização e de integração. (...) Na evolução das representações do regime sob uma aparência feminina, prescruta as vidas paralelas da República como forma afirmada e depois realizada, do Estado nacional e do movimento democrático e popular na França contemporânea»41.

  • 42 J. Canal, «“Nouvelle histoire”, una nuova storia: l’opera di Maurice Agulhon», Memoria e Ricerca, (...)
  • 43 M. Agulhon, Histoire vagabonde, vol. I, cit., p. 13.
  • 44 M. Agulhon, «Préface à la deuxième édition», La République au village. Les population du Var de la (...)

36Por sua vez, caracterizando-o no seio da complexa herança da escola dos Annales, Canal sublinhou a cuidadosa e fecunda metodologia do historiador do «político» através da atenção «à política como forma de sociabilidade e de cultura»42. Como o próprio Agulhon notou na introdução do primeiro volume da sua Histoire vagabonde, a política: «est partout dans nos recherches, peut-être parce qu’elle était exceptionnellement présente dans le milieu social, culturel et familial qui nous a nourri, et sûrement aussi parce qu’elle le fut dans l’ère historique étudiée»43. E acrescenta Canal: «Insatisfecho de la historia política tradicional [...] Agulhon practica una historia de la política indisociable de la historia sociocultural, de la antropología histórica o, como él gusta de recordar, de la historia de las mentalidades»44. E finalmente: «Nos encontramos, en fin de cuentas, ante la obra de un historiador que conjuga los terrenos social, de la política y de la cultura, si bien con lo político actuando como espina dorsal.»

37Aqui estão, pois, as razões sempre actuais da herança cultural e científica de Maurice Agulhon para um desenvolvimento dos estudos sobre os procesos de politização entre oitocentos e novecentos em particular nos países da Europa do sul.

Topo da página

Notas

1 Cfr. M. Ridolfi, «La ricezione degli studi di Maurice Agulhon in Italia», Contemporanea, n.º 2, 2002, pp. 177-185.

2 Ver intervenções de «Per Maurice Agulhon», Memoria e Ricerca, n.º 46, maio-agosto 2014. Foram publicadas as intervenções de Jordi Canal, Marco Fincardi, Maria Malatesta, Gilles Pécout.

3 M. Agulhon, «Esquisse pour une archéologie de la République. L’allégorie civique féminine», Annales ESC, 1, 1973, pp. 5-34; Id., «Conflits et contradictions dans la France d’aujourd’hui», Annales ESC, 3, 1987, pp. 595-610: também Id., Histoire vagabonde, II, Idéologie et politique dans la France du XIXe siècle, Paris, Éditions Gallimard, 1988, pp. 285-306

4 M. Agulhon, Marianne au combat. L’imagerie et la symbolique républicaines de 1789 à 1880, Paris, Flammarion, 1979.

5 M. Agulhon, Marianne au pouvoir. L’imagerie et la symbolique républicaines de 1880 à 1914, Paris, Flammarion, 1989.

6 M. Malatesta, «Maurice Agulhon», Memoria e Ricerca, n.º 46, maio-agosto 2014, p. 143. À trilogia agulhoniana sobre a representação feminina da República deve acrescentar-se Les métamorphoses de Marianne. L’imagerie et la symbolique républicaine de 1914 à nos jours, Paris, Flammarion, 2001.

7 Podem consultar-se os dois volumes recentemente publicados: M. Ridolfi: La politica dei colori. Emozioni e passione nella storia d’Italia dal Risorgimento al ventennio fascista, Florença, Le Monnier, 2014 e Italia a colori. Storia delle passioni politiche dalla caduta del fascismo ad oggi, Florença, Le Monnier, 2015.

8 M. Pastoureau, Bleu. Histoire d’une couleur, Paris, Éditions Le Seuil, 2006 (1.ª ed. 2000), p. 8.

9 M. Pastoureau, Bleu, cit., p. 123 e sg; sobre a emergência, no rescaldo de 1789, do «bleu de la France» e do «bleu politique et militaire».

10 M. Pastoureau e D. Simonnet, Il piccolo libro dei colori, Florença, Ponte alle Grazie, 2006, p. 5.

11 M. Pastoureau, Couleurs, images, symboles. Etude d’histoire et d’anthropologie, Paris, Éditions Le Léopard d’Or, 1989, p. 32. Deve acrescentar-se, Id., L’étoffe du diable. Une histoire des rayures et des tissus rayés, Editions du Seuil, Paris, 1991.

12 G. Mosse, La nazionalizzazione delle masse. Simbolismo politico e movimenti di massa in Germania (1815-1933), Bolonha, il Mulino, 1976.

13 E. Hobsbawmn, Tradizioni e genesi dell’identità di massa, in E. Hobsbawmn e T. Ranger (ed.), L’invenzione della tradizione, Turim, Einaudi, 1987, pp. 273-274.

14 R. Bodei, «Il rosso, il nero, il grigio: il colore delle moderne passioni politiche», in Storia delle passioni, ed. S. Vegetti Finzi, Roma-Bari, Laterza, 1995, pp. 320 sgg.

15 F. Rigotti, Metafore della politica, Bolonha, il Mulino, 1989; J. M. Gonzáles García, Metáforas del Poder, Madrid, Alianza, 1998.

16 P. Burke, La storia culturale, Bolonha, il Mulino, 2006 (ed. orig. 2004).

17 C. Brice, «La storia culturale del politico: stato dell’arte, risultati e proposte», Memoria e Ricerca, n. 40, maggio-agosto 2012, pp. 67-68.

18 R. Petri, «Sentimenti, emozioni. Potenzialità e limiti della storia culturale», Memoria e Ricerca, n.º 40, maio-agosto 2012, pp. 75-91.

19 M. Agulhon, «Les couleurs dans l’histoire récente», Ethnologie française, XX (1990), n.º 4, pp. 392-398: também in Id., Historie vagabonde. III. La politique en France, dhier à aujourdhui, Paris, Éditions Gallimard, 1996, pp.170-188. Acrescente-se Id., «Politique, images, symboles dans la France post-révolutionnaire», publicado em inglês in S. Wilentz (ed. ), Rites of Power. Symbolism, Ritual and Politics since the Middle Age, Philadelphia, Pennsylvania University Press, 1985, em particular sobre a bandeira na relação entre tricolor nacional-republicano e cores «partidárias» (pp. 286-290, 301-202 e 305-306)).

20 M. Agulhon, «Les couleurs dans l’histoire récente», p. 170.

21 Agulhon, Les couleurs…, p. 182. No mesmo sentido veja-se M. Vovelle, La découverte de la politique. Géopolitique de la Révolution française, Paris, Editions La Découverte, 1993.

22 Um formato compósito é apresentado na coletânea de ensaios do volume Signes et couleurs des identités politiques. Du Moyen Åge à nos jours, sous la direction de D. Turrel, M. Aurell, C. Manigaud, J. Grévy, Rennes, L. Hablot & C. Girbea, Presses Universitaires de Rennes, 2008.

23 A. Mathiez, Les origines des cultes révolutionnaires 1789-1791, Genève, Slatkine – Megariotis Reprint, 1977 [I ed. 1904].

24 L. Hunt, La rivoluzione francese: politica, cultura, classi sociali, Bologna, il Mulino, 1991, p. 58.

25 Cfr. B. Richard, Les emblèmes de la République, Paris, CNRS Edition, 2012, pp. 41-76.

26 M. Agulhon, Les couleurs…, cit., p. 178.

27 J. Epstein, «Understanding the Capo f Liberty. Symbolic Practice and Social Conflict in Early Nineteenth-Century England», Past and Present, CXXII (1989), pp. 75-118 e Y. Korscak, «The Liberty Cap as a Revolutionary Symbol in America and France», Smithsonian Studies in American Art, 1-2, 1987, pp. 55 ss. Sobre a «a luta pelo barrete frigío», cfr. também F. Benigno, Il berretto della libertà, in Simboli della politica, ed. F. Benigno e L. Scuccimarra, Roma, Viella, 2010, pp. 135 ss.

28 G. Spadolini, L’Italia repubblicana, Roma, New Compton editori, 1988, p. 15. Cfr. também Roberto Balzani, I nuovi simboli patriottici: la nascita del tricolore e al sua diffusione negli anni della restaurazione e del Risorgimento, in Gli Italiani e il Tricolore. Patriottismo e fratture sociali lungo due secoli di storia, ed. Giorgio Vecchio e Fiorenza Tarozzi, Bolonha, Il Mulino, 1999, pp. 141 sgg.

29 Cfr. «Blancs» et contre-révolutionnaires. Espaces, réseaux, culture et mémoires (fin de XVIII°-Début XX° siècle): France, Italie, Espagne, Portugal, sous la direction de B. Dumons – H. Multon, Rome, Collection de l’École Française de Rome, 2011.

30 M. Agulhon, Les couleurs…, cit., p. 176.

31 Cfr. M. Pastoureau, Drapeau blanc, in Id., Les émblemes de la France, Paris, Bonneton, 1998, pp. 101-104.

32 Cfr. J. C. Martin, Blancs et bleus dans la Vendée déchirée, Paris, Gallimard, 1986 e ainda Id., «La Vendée «blanche»: une identité historique particulière», in «Blancs» et contre-révolutionnaires…, cit., pp. 77-90.

33 M. Agulhon, Les couleurs…, cit., p. 174.

34 Cfr. M. Cattaneo, Gli occhi di Maria sulla Rivoluzione. «Miracoli» a Roma e nello Stato della Chiesa (1796-1797), Roma, Istituto Nazionale di Studi Romani, 1995 e Id., «Percorsi di elaborazione della memoria. Controrivoluzione e insorgenze in Italia», in «Blancs» et contre-révolutionnaires, cit., pp. 257 e sgg.

35 Ver a intervenção de S. Soldani na mesa-redonda «Sociabilità e associazionismo in Italia: anatomia di una categoria debole», Passato e presente, 10 (1991), n.º 26, pp. 24 e 29.

36 I colori della politica. Passioni, emozioni e rappresentazioni della politica nell’età contemporanea, ed. Stefano Pivato – Maurizio Ridolfi, San Marino, Quaderni del Centro Sammarinese di Studi Storici, 2008.

37 M. Agulhon, Les couleurs.., cit., pp. 178-179. Cfr. também M. Dommanget, Histoire du drapeau rouge des origines a la guerre de 1939, Paris, Editions Librairie de l’Etoile, 1966.

38 M. Pastoureau, Le bleu. Histoire d’une couleur, Paris, Editions Seuil, 2006 (1.ª ed. 2000), pp. 132-133.

39 A. Ventrone, Il nemico interno. Immagini e simboli della lotta politica nell’Italia del’900, Roma, Donzelli, 2005.

40 M. Malatesta, «Maurice Agulhon», cit., p. 144.

41 G. Pécout, «La Repubblica orfana del suo storico», Memoria e Ricerca, n.º 46, maio-agosto 2014, p. 139.

42 J. Canal, «“Nouvelle histoire”, una nuova storia: l’opera di Maurice Agulhon», Memoria e Ricerca, n.º 46, maio-agosto 2014, p. 147.

43 M. Agulhon, Histoire vagabonde, vol. I, cit., p. 13.

44 M. Agulhon, «Préface à la deuxième édition», La République au village. Les population du Var de la Révolution à la IIe République, Paris, Éditions du Seuil, 1979, p. V. também Id., «Conflits et contradictions», cit., pp. 604-610.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Maurizio Ridolfi, « As cores do «político». Da França Republicana de Maurice Agulhon à Itália «Risogimental» e liberal », Ler História [Online], 68 | 2015, posto online no dia 18 Março 2016, consultado no dia 27 Abril 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1786 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1786

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org