Navegação – Mapa do site
Estudos

Os marqueses de Castelo Rodrigo e a Nobreza portuguesa na monarquia hispânica: estratégias de legitimação, redes familiares e interesses políticos entre a agregação e a restauração (1581-1651)

Les Marquis de Castelo Rodrigo et la noblesse portugaise pendant la Monarchie Espagnole (1580-1651)
The Marquises of Castelo Rodrigo and the portuguese nobility in the Spanish Monarchy (1580-1651)
Santiago Martínez Hernández
p. 7-32

Resumos

O artigo retrata a trajectória política dos marqueses de Castelo Rodrigo ao serviço dos Habsburgo espanhóis, especialmente no governo de Portugal. Criada por D. Cristóvão de Moura, o grande privado de D. Filipe I nos últimos anos do seu reinado, a Casa de Castelo Rodrigo converteu-se no exponente máximo da nova nobreza titulada surgida com a génese do Portugal dos Filipes. A família Moura ingressou na aristocracia ibérica graças a uma estratégia de ascensão muito talentosa, vinculada à agregação da Coroa lusitana à Monarquia Hispânica em 1580. Durante duas gerações os Castelo Rodrigo defenderam, não sem dificuldades, o título de alter ego do Rei Católico no Portugal do Habsburgo.

Topo da página

Notas da redacção

As abreviaturas aqui utilizadas desdobram-se da seguinte forma: ADA: Archivo Duques de Alba, Madrid; AGS: Archivo General de Simancas; AHN: Archivo Histórico Nacional, Madrid; AHN-NT: Archivo Histórico Nacional, Nobleza, Toledo; AMSC: Archivo de los Marqueses de Santa Cruz, Madrid; ASF: Archivio di Stato di Firenze; BA: Biblioteca de Ajuda; BAM: Biblioteca Ambrosiana, Milão; BL: British Library; BNE: Biblioteca Nacional de España; BNP: Biblioteca Nacional de Portugal; IANTT: Instituto dos Arquivos Nacionais Torre do Tombo; RAH: Real Academia de la Historia, Madrid; RB: Real Biblioteca, Madrid.

Notas do autor

O presente trabalho insere-se no projecto de investigação «Cristóvão de Moura, 1.º marquês de Castelo Rodrigo, e a nobreza portuguesa na corte dos Filipes, 1554-1613. A arte da privança e a retórica do poder», financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (SFRH/ BPD/ 29383/ 2006). Estou grato ao professor Fernando Bouza por ter lido este texto e feito sugestões que espero ter sabido aproveitar. Agradeço ao professor Pedro Cardim o seu interesse e o incentivo, assim como a generosa ajuda na tradução do presente texto.

Texto integral

  • 1 Melo, Francisco Manuel de, Ecco político, responde en Portugal a la voz de Castilla y satisface a u (...)

1Dom Francisco Manuel de Melo defendeu na sua obra Eco Político, dedicada ao rei D. João IV, que o marquês de Castelo Rodrigo – título criado por D. Filipe II –, podia ser tratado como «no natural», pois «los antiguos beneficios que su Casa recivió de aquella Corona [de Castela] nos le han hecho como extraño» em Portugal. O célebre poeta, diplomata e militar lusitano insistia que «ni el nacimiento de Don Christóval [de Moura], ni la baronía del Alenquer [em poder dos condes de Salinas] podían más en su ánimo que los respetos de Castilla, donde eran más naturales que los otros»1. A dissonância a que Melo se referia, de uma forma tão categórica, constitui um prelúdio muito apropriado ao tema que será abordado nas páginas que se seguem, que consiste em analisar a trajectória de uma das famílias mais singulares do Portugal dos Filipes: a linhagem dos Moura-Corte Real. Privilegiada pelos Filipes como prémio pela sua fidelidade aos interesses da Casa de Habsburgo, esta linhagem conseguiu conservar um lugar preeminente na direcção da Monarquia Hispânica durante quase um século (1582-1675), desempenhando cargos diplomáticos, vice-reinais e militares em diversos destinos europeus do mais alto nível. Porém, a sua participação no governo político de Portugal, assim como a sua notabilíssima presença senhorial e patrimonial diluíram-se irremediavelmente no 1.º de Dezembro de 1640.

2Assim, traçaremos um retrato da trajectória dos Castelo Rodrigo durante as duas primeiras gerações, período cronológico que cobre, na sua totalidade, a etapa da União Ibérica, desde a sua constituição como Casa, coincidindo com a incorporação de Portugal e do seu império ultramarino na Monarquia dos Áustrias, até à sua extinção no reino de origem devido à rejeição da causa brigantina.

  • 2 A limpeza de sangue e o serviço eram os principias elementos legitimadores da nobreza como estado s (...)
  • 3 Bouza, Fernando, «La relación de la nobleza portuguesa con la Monarquía española», Las relaciones e (...)

3Os Moura souberam capitalizar como poucas famílias o ideal nobiliárquico do serviço à Coroa2. A sua identificação com os interesses dos monarcas da Casa de Habsburgo – a dinastia que propiciou a sua ascensão – abriu-lhes o caminho da graça real, facilitando deste modo a sua integração, desde 1580, na cúpula da aristocracia da Monarquia Hispânica. Graças ao patrocínio régio, num espaço de tempo relativamente curto tornaram-se numa das linhagens mais ricas e poderosas do Portugal agregado à Monarquia. Convertidos em garantes do sistema político nascido das Cortes de Tomar – ideado em boa medida por aquele que viria a ser o primeiro marquês, dom Cristóvão de Moura –, acabaram por ser reconhecidos como o modelo mais perfeito da elite nobiliárquica criada pelos Habsburgo para manter o governo do reino depois da entronização de D. Filipe I3. Este compromisso facilitou o acréscimo da sua fortuna patrimonial e política, mas também, como veremos adiante, esteve na origem da sua subsequente ruína.

  • 4 Memorial de Francisco de Moura, marquês de Castelo Rodrigo, à rainha D. Mariana de Áustria, RAH, Co (...)

4Quando o terceiro marquês de Castelo Rodrigo, dom Francisco de Moura Corte Real, solicitou à rainha dona Mariana de Áustria a presidência do Conselho da Flandres, em 1670, não deixou de insistir nos que eram os tópicos habituais neste tipo de requerimentos: a menção, encomiástica, dos seus serviços e daqueles que tinham sido desempenhados pelos seus antepassados. No caso de dom Francisco, os serviços prestados aos soberanos hispanos remontavam apenas a três gerações, contando a sua, mas nesse historial enfatizava-se a sua decisiva participação num facto histórico que nenhuma outra linhagem podia exibir com tanto orgulho. E mesmo numa altura em que só tinham passado dois anos desde o reconhecimento da soberania do Portugal Restaurado na Casa de Bragança (Tratado de Madrid-Lisboa de 1668), dom Francisco tomou a liberdade de recordar à soberana que entre os «muchos y señalados servicios… hechos a esta Real Corona» pelo seu avô, dom Cristóvão de Moura, «con la fineza, lealtad y zelo correspondientes a su sangre», se encontrava «la incorporación del Reyno de Portugal con el de Castilla»4.

5Foi precisamente este capital simbólico que permitiu aos Moura conservar sempre a consideração e o afecto dos monarcas espanhóis e exigir, em troca, a protecção da sua linhagem. Assim, a razão para a existência dos Castelo Rodrigo como Casa nobiliárquica assentou no reconhecimento perpétuo da dinastia que tinham apoiado na sua ascensão ao trono de Portugal e, apesar de em 1668, esta Coroa se ter separado definitivamente da Monarquia Espanhola, os Moura souberam adaptar-se aos rigores do seu novo estatuto, o do exílio, e para sobreviver tiveram de mudar de interesses e de recursos.

  • 5 Cópia de uma carta, Viena, 1 de Janeiro de 1642, BNE, Ms. 1440, fols. 227r-v.

6Em 1642, dois anos depois da secessão brigantina que privou os Moura da maior parte da sua fortuna, pelo menos de todo o seu património português, o segundo marquês dom Manuel de Moura reclamava ao conde-duque de Olivares, a partir de Viena – cidade onde servia como embaixador –, «que se vean favorecidos los buenos criados de S. M. en este tiempo». Os «servicios de sessenta años de mi padre y casi treinta míos», recordava dom Manuel, «de la calidad los unos y de gasto y circunstancias los otros» mereciam uma remuneração que compensasse aquilo que tinham perdido5. D. João IV havia confiscado as propriedades dos Castelo Rodrigo, à semelhança do que fez com o património de muitas outras Casas cujos titulares se encontravam na corte de Madrid ou servindo em outros lugares quando sobreveio o golpe. Desde o primeiro momento, dom Manuel manifestou a sua fidelidade a D. Filipe III, ou então sentiu-se obrigado a fazê-lo, pois encontrava-se longe de Portugal, em Viena. Jamais saberemos qual teria sido a sua posição se essa mesma notícia o tivesse apanhado nas suas terras lusitanas.

  • 6 Ibidem, fols. 228r-v.

7Enquanto confiavam na rápida recuperação do reino, viram-se obrigados a colocar-se ao abrigo dos socorros que D. Filipe III estabeleceu para atender às necessidades dos seus leais fidalgos. No caso dos Castelo Rodrigo, foi um auxílio generoso, embora tardio. Nesse ano de 1642 dom Manuel, desesperado pela escassez de recursos, solicitou inclusive que se lhe fizesse mercê «de todo lo que el de Mónaco tenía en sus estados, en el ýnterim que se recupera lo de Portugal o que el vuelve a la protección de S. M., pues con este modo de merçed a él no se le çerrará la puerta y se dará comodidad a un criado de S. M. […] y descargará la hacienda rreal de lo que por su grandeza es fuerça que nos dé para sustentarnos». A estratégia desenvolvida pelo marquês era muito semelhante à que fora levada a cabo por D. João IV – habitual noutras monarquias que viviam convulsões sucessórias – com os bens das Casas sediciosas, ou seja, cedê-las temporária ou definitivamente aos seus partidários. Moura exigia que lhe fosse entregue tudo o que possuía o príncipe do Mónaco, Honorato Grimaldi, que à data rompera a sua aliança com Espanha – imposta desde os tempos do imperador Carlos V – para se converter num protectorado de França. Esta concessão acabaria por não ser satisfeita. Contudo, o mais significativo desta reivindicação é o reconhecimento, por parte do marquês, de si próprio e da sua Casa como «hechura única que tenía [Sua Majestade] en aquel reino»6. Esse foi o principal elemento do discurso legitimador da posição privilegiada que os Castelo Rodrigo adquiriram no seio da elite nobiliárquica portuguesa. Esta afirmação remete indubitavelmente para os singulares vínculos que os Moura estabeleceram com os Áustrias, mas remete também para o seu propósito, definido desde a sua fundação como Casa, de se erigirem como principais defensores da dinastia régia no Portugal posterior aos Avis.

8Poucas linhagens nobiliárquicas, das muitas que integravam a vasta Monarquia Hispânica, estavam em posição de apresentar uma folha de serviços onde figuravam façanhas como o terem conquistado aos muçulmanos vastos territórios em benefício da Coroa durante a Idade Média (como os Guzmanes, duques de Medina Sidonia), terem participado nos descobrimentos ultramarinos (os Gama, condes de Vidigueira, os Corte-Real, senhores de Terranova, e os Colón, duques de Veragua) ou terem incorporado, depois de uma difícil conquista, impérios como o azteca (os Cortés, marqueses do Valle de Oaxaca). Os Moura não podiam competir com tais grandezas, surgidas da espada e da coragem, nem mostrar uma folha de serviços tão fabulosa e lendária. No entanto, conseguiram incorporar uma herança de grande simbolismo, uma Coroa e o seu imenso império ultramarino que vinham completar a desejada União Ibérica, territorial e dinástica, tantas vezes acariciada, não obstante frustrada, pelos soberanos de ambos reinos.

  • 7 Cópia de uma carta a D. Filipe III, Regensburg, 1 de Janeiro de 1654, BNE, Ms. 1440, fols. 265r-267 (...)
  • 8 Cópia de uma carta, Regensburg, 1 de Janeiro de 1654, BNE, Ms. 1440, fols. 267v-270v. Devo a Rafael (...)

9Em 1654 o terceiro marquês de Castelo Rodrigo, perante o que considerava ser «la pérdida total de su hacienda y de la misma vida», recordou a D. Filipe III as obrigações morais para com uma linhagem a quem tanto devia a grandeza dos monarcas espanhóis. Era muito o que se devia «a su Casa por la Unión de el Reyno de Portugal como es notorio». Dom Francisco de Moura insistiu que esta gratidão perpétua tinha sido estabelecida pelo «señor Rey Don Phelipe Segundo» e que era «contra la buena política que se biese ruinada una Casa que avía sido instrumento de tanta utilidad»7. O marquês equiparava-se em importância ao seu avô, o célebre dom Cristóvão, emulando os seus méritos ao alcançar a eleição do arquiduque Fernando de Áustria, Rei de Hungria, como futuro imperador. Escreveu a dom Luis de Haro para insistir que tinha sido ele quem colocou «la Corona en las sienes del Rey de Romanos». A concretização de uma empresa tão favorável aos interesses de ambos os ramos dos Habsburgo tinha sido conseguida, como dom Cristóvão fizera entre 1578 e 1580, «con maña y crédito» e antes «con la pluma, que otros con la espada y con innumerables tesoros»8.

  • 9 Papeles curiosos, escudos de armas y árboles de familias, BNE, Ms. 11573, fols. 43r y 144r-v. Agrad (...)
  • 10 Faria, Manoel Severim de, Noticias de Portugal, Lisboa, 1740, 112. Freire, Anselmo Braamcamp: Brasõ (...)
  • 11 Assim se expressava na investigação prévia para a concessão do hábito de Alcântara, AHN, Órdenes Mi (...)

10Mas como chegou a Casa de Castelo Rodrigo a um lugar tão preeminente? Chegados a este ponto, torna-se necessário lembrar que as origens desta Casa remontam a finais do século XIII, altura em que, por volta de 1284, obteve da rainha D. Beatriz, viúva de D. Afonso III, a vila e a fortaleza de Moura, como agradecimento pela sua participação na conquista do Algarve. Foi a partir dessa concessão que adoptaram o apelido de Moura9. Os membros da linhagem distinguiram-se, nos séculos seguintes, no serviço aos monarcas portugueses, ocupando postos de relevo nas sucessivas casas reais. Assim, por exemplo, Gonçalo Vasques de Moura foi guarda-mor de D. Afonso IV e seu embaixador de paz junto de Afonso XI de Castela; dom Luís de Atouguia Moura atingiu o posto de tesoureiro-mor de D. Manuel I e o seu genro, Luís de Moura, foi estribeiro-mor do infante dom Duarte e do senhor Duarte seu filho. Este dom Luís era, por sua vez, genro de Cristóvão de Távora, à data mordomo-mor do infante dom Fernando. A antiguidade e a importância da sua linhagem são atestadas pela presença das suas armas pintadas junto às armas reais e às de outras setenta e três linhagens nobiliárquicas, no tecto da Sala dos Brasões do Palácio de Sintra desde o tempo do rei D. Manuel I10 e no livro de linhagens da Torre do Tombo. Em Castela eram reconhecidos como «fidalgos de la buena sangre de Portugal al modo y fuero de España»11.

  • 12 A principal biografia de dom Cristóvão, cuja revisão é tão necessária, deve-se a Danvila y Burguero (...)
  • 13 Marques, João Francisco, A Parenética Portuguesa e a Dominação Filipina, Porto, Instituto Nacional (...)
  • 14 Aquele que viria a ser o primeiro marquês de Castelo Rodrigo, dom Cristóvão, reconhecia ao secretár (...)

11Continuando a tradição familiar, dom Cristóvão de Moura e Távora, nascido em 1537 em Lisboa, filho de dom Luís de Moura, foi integrado no serviço da princesa dona Joana de Áustria, filha do imperador Carlos, que se tinha casado com o príncipe D. João, filho e herdeiro de D. João III, graças à posição que o seu pai e outros familiares ocupavam na corte portuguesa12. Na sequência da morte do príncipe, dona Joana abandonou as terras de seu marido e dirigiu-se a Castela, acompanhada pelo seu séquito de servidores, entre os quais se contava dom Cristóvão. Em pouco tempo assumiu-se como o homem de confiança da princesa viúva, viajando em numerosas ocasiões a Portugal como embaixador extraordinário para cumprimentar, em seu nome, os monarcas, seus sogros, e o seu filho, o rei D. Sebastião. A sua influência foi-se acentuando graças à relevância dos seus contactos: era sobrinho do célebre diplomata Lourenço Pires de Távora – terceiro senhor da Caparica, irmão de sua mãe, dona Brites de Távora – e primo de dom Cristóvão de Távora, privado e estribeiro do rei D. Sebastião. D. Filipe I, agradecido pela sua actuação durante a entrevista que manteve com o seu sobrinho o rei de Portugal, em Guadalupe, no Natal de 1576-1577, e levando em conta a sua grande experiência em assuntos lusitanos, depositou nele, depois do desaparecimento de D. Sebastião em 1578, boa parte do protagonismo das negociações para a sucessão no reino do monarca hispano. Moura, aproveitando os seus inumeráveis contactos e inteligências, e graças a uma singular habilidade para conquistar adesões e chegar a compromissos, pôs de lado escrúpulos e afirmou-se como o principal representante dos interesses do seu novo senhor naquela que fora a sua terra natal13. Merece ser destacado que esta fidelidade ressuscitava a adesão dos Moura à causa de João I de Castela que, depois de ter sido vencido na batalha de Aljubarrota em 1385, perdeu o trono de Portugal, ficando este nas mãos do mestre de Avis, o futuro D. João I, irmão bastardo do defunto rei D. Fernando. A defesa dos direitos do pretendente Trastâmara privou os Moura de alguns senhorios que se reintegraram de novo no dote das rainhas de Portugal14.

  • 15 Bouza, Portugal en la Monarquía…, especialmente o capítulo «Nobleza y Reino. Intereses estamentales (...)
  • 16 Para uma releitura do processo de agregação remetemos para o recente trabalho de Valladares, Rafael (...)

12A crise sucessória em que dom Cristóvão demonstrou todo o seu talento negociador tinha muitas coincidências com a que fora protagonizada pelos seus antepassados no final do século XIV. Uma vez mais os Moura alinharam com a causa do rei de Castela, mas agora contavam com uma indiscutível vantagem: a aparente superioridade do seu novo senhor (ou, pelo menos, nela confiavam) e uma posição privilegiada junto deste. Esta lealdade implicou o estigma da traição, atribuído pelos seguidores de D. António, prior do Crato, o único pretendente que se opôs abertamente aos direitos de D. Filipe I. Moura conseguiria congregar em torno da candidatura do seu senhor o maior número de partidários, não sem antes lhes garantir honras, mercês, hábitos, comendas e somas consideráveis. Foram escassas as resistências em aceitar as mercês e as garantias que dom Cristóvão ofereceu, em nome do rei, à fidalguia e ao alto clero no futuro Portugal dos Áustrias15. A ocupação militar levada a cabo pelo exército do velho duque de Alba – não isenta, porém, de violências, motins populares e excessos de diversa índole – terminou, no Portugal peninsular, no final do Verão de 158016. Por essa altura já se tinha realizado uma convocatória de Cortes para Tomar, assembleia que se realizaria no ano seguinte. Foi nesse órgão que se definiu a estrutura de governo que, baseada no respeito pelos privilégios e foros do reino, sobreviveu com algumas mudanças até 1640.

  • 17 Bouza, Fernando, «Fidalgos, Monarquía Hispánica y Portugal», Torre de los Lujanes, 28 (1994), p. 78 (...)
  • 18 Bouza, «La relación de la nobleza portuguesa», p. 341.

13Desde essa data elevado ao mais alto favor régio, Moura conseguiu converter-se em senhor de vassalos e reuniu, num breve espaço de tempo, um considerável património, que sarou feridas antigas abertas desde a perda do seu estatuto senhorial na década de 1380. Não foi, no entanto, a única linhagem privilegiada pelos Filipes na sequência dos acordos de Tomar. De facto, outras linhagens, como os chamados Silva maiores (os futuros marqueses de Alenquer, descendentes do príncipe de Éboli, Rui Gomes da Silva, duque de Pastrana e conde de Melito) e os menores (condes de Portalegre, também futuros marqueses de Gouveia), assim como os Borja-Aragão (condes de Ficalho e Mayalde) e inclusive os Bragança participaram em maior ou menor medida na gestão do reino. Estas linhagens, que careciam de antiguidade, consolidaram a sua preeminência graças aos serviços políticos prestados à Monarquia Hispânica a favor dos Áustrias, mas também graças à consolidação dos seus laços de parentesco com a fidalguia mais antiga17. Foram estas as famílias que gozaram de maior peso político, embora muitas outras acolhidas sob a protecção de D. Filipe I também tenham sido beneficiadas. Curiosamente, alguns destacados membros destas linhagens, à excepção dos Bragança, tinham integrado o exclusivo círculo de servidores portugueses que, vinculados à imperatriz Isabel, à rainha Catarina e à princesa Joana, tinham passado para Castela em diferentes momentos, e foi a eles que D. Filipe I recorreu nas suas relações com os Avis nas décadas anteriores a 158018.

  • 19 Bouza, «Nobleza y Reino», op. cit., p. 484.

14Tudo a que pudera aspirar a maior parte da fidalguia quando optou por apoiar a candidatura de D. Filipe I ficaria materializado na projecção alcançada pelos Moura. Não por acaso, quando o rei faleceu, nas exéquias celebradas em Lisboa em 1600, foi recordado como generoso «benefactor de las “casas grandes e antigas”, a las que otorgó “novos títulos e rendas”, haciendo “a os fidalgos muitas e mayores mercedes do que qua se costuma”»19. Através da Patente das Mercês, Graças, e privilégios, negociada em Almeirim e referendada em Tomar, em Abril de 1581, o rei comprometeu-se a respeitar os privilégios nobiliárquicos, a acolher os nobres portugueses no serviço da sua Casa e da sua família, e a integrá-los no governo e no sistema defensivo não só do seu reino, mas também da Monarquia. A colaboração activa das elites nobiliárquicas lusitanas na governação do reino, amplamente representada no Conselho de Portugal com sede em Madrid, foi a chave da estabilidade política que permitiu aos fidalgos viver na corte e beneficiar da protecção régia. Os Castelo Rodrigo foram os primeiros a demonstrar a eficácia desses acordos, dado que tanto a eles como a outras Casas afins, parentes e protegidos, foram atribuídos diversos cargos palatinos e postos relevantes na Monarquia.

  • 20 Danvila y Burguero, op. cit., pp. 674-675. Sobre a sua intervenção no provimento de bispados e merc (...)
  • 21 Também ele perdeu vários dos seus: «Doña Catalina de Távora, muger que fue de Lorenzo Pires de Távo (...)

15Nas mãos de Moura ficou a responsabilidade – partilhada com D. António Pinheiro, bispo de Leiria – de atender aos pretendentes e de o aconselhar sobre a concessão de mercês e de recompensas por serviços prestados20. Pouco tempo antes também tinha aconselhado o rei sobre as famílias nobres que mereciam receber apoio pecuniário para pagar os resgates dos seus parentes capturados em Alcácer-Quibir, uma medida típica da graça régia e com a qual esperava conquistar a lealdade dessas linhagens21. Não surpreende, pois, que estas demonstrações de eficiência tenham conferido a dom Cristóvão uma enorme capacidade de exercer clientelismo, do qual soube tirar partido para consolidar uma clientela que se ajustasse aos seus interesses. Neste sentido, pode dizer-se que Moura, enquanto garante dos acordos de Tomar, foi um dos maiores beneficiários da entronização de D. Filipe I.

  • 22 Luxán Meléndez, op. cit., pp. 78-81.

16Moura construiu a sua nova identidade e a da sua Casa sem esquecer, no entanto, a trajectória multissecular da sua linhagem. De facto, fê-lo sobre um património cujos fundamentos eram os seus estreitos vínculos pessoais com a Coroa. Não duvidou em identificar os seus interesses com os da nova dinastia, lutando por se afirmar, em exclusivo, com o título de alter ego dos Áustrias em Portugal. Foi Cristóvão de Moura quem, graças ao favor de D. Filipe I, fundou aquela que chegaria a ser uma das maiores Casas nobiliárquicas do reino. A sua experiência política e a sua astúcia converteram-no num ministro imprescindível. Desde 1583, e muito especialmente a partir de 1586, com o desaparecimento do comendador-mor don Juan de Zúñiga, seu amigo e, não obstante, também seu rival, Moura passou a ser não só o grande privado do monarca, mas também o mentor da política portuguesa. Assim, dom Cristóvão de Moura merece ser reconhecido, ainda que tal afirmação pareça exagerada, como o arquitecto do Portugal dos Filipes, pois foi ele quem inspirou o sistema de governo que, apesar de algumas mudanças, haveria de perdurar até 164022.

  • 23 Em 1579 parece que tiveram início conversações da condessa viúva de Vidigueira para casar a sua fil (...)
  • 24 Faria, op. cit., p. 104. Registo da licença de casamento de Cristóvão de Moura, 23 de Janeiro de 15 (...)
  • 25 Alvará de D. Filipe I, Lisboa, 3 de Dezembro de 1581, copia, BNP, Colecção Pombalina, 669, Livro de (...)
  • 26 Lisboa, 28 de Junho de 1582, IANTT, Chancelaria D. Filipe I, Registro de doações, oficios e merçés, (...)
  • 27 Até à captura da Terceira pelo marquês de Santa Cruz, em 1583, a ilha não passou formalmente para a (...)

17Uma vez assegurada a Coroa de Portugal nas mãos de D. Filipe I, e sempre que as circunstâncias beneficiavam as suas aspirações mais imediatas, dom Cristóvão pôde dedicar-se a consolidar a sua posição e a da sua família, a qual até essa data era relativamente frágil. Depois de um primeiro pré-acordo matrimonial que fracassou, em 1581 contraiu matrimónio com uma dama da linhagem dos Corte Real, uma família que gozava de grande prestígio, pois descendia do descobridor da Terra Nova23. Dona Margarida Corte-Real, primogénita e rica herdeira de dom Vasco Annes Corte-Real, quarto capitão-donatário de Angra e da Ilha de São Jorge, no arquipélago dos Açores, senhor da Terra Nova, e de dona Catarina da Silva, neta do Conde de Borba24. Nesse mesmo ano o rei confirmou-o na posse dos bens do seu sogro25 e no ano seguinte concedeu-lhe a capitania e a alcaidaria-mor da Terceira26, apesar de esta ilha ainda se encontrar à data sob o controlo dos partidários do prior do Crato. Com esta concessão o rei confiava a Moura a salvaguarda da soberania das últimas possessões lusitanas a serem incorporadas à lealdade do rei27.

  • 28 Carta de mercê, 10 de Abril de 1581, IANTT, Corpo Cronológico, Part. 1.ª, Mac. 111, doc. 92.
  • 29 Era cavaleiro de Calatrava, mas o rei concedeu-lhe um hábito de Alcántara, em 1582, e licença para (...)
  • 30 Adquiriu este lugar por um pagamento prévio de 40.000 cruzados; veja-se Hespanha, António Manuel, V (...)
  • 31 Lisboa, 3 de Maio de 1594, Cart. de assentamento de Conde de Castelo Rodrigo, IANTT, Chancelaria D. (...)

18Nos anos que se seguiram recebeu o cargo de vedor da Fazenda28 e a comenda mor da Ordem de Alcântara29. Adquiriu os senhorios de Cabeceiras de Basto30, Lumiares, Lamegal, Paços de Ferreira e Honra de Pinheiros, sendo agraciado, em 1594, com o título de conde de Castelo Rodrigo31, uma vila e um castelo de que seu pai, dom Luís de Moura, fora alcaide.

  • 32 Veja-se Schaub, Jean-Frédéric, «Dinámicas políticas en el Portugal de Felipe III (1598-1621)», Rela (...)
  • 33 Serrão, Joaquim V., História de Portugal, vol. IV, Governo dos Reis Espanhóis (1580-1640), Lisboa, (...)

19Garantida a continuidade da sua linhagem e da sua Casa em Portugal e na corte de Madrid, a inevitável morte do rei seu protector e a subida ao valimento do marquês de Denia, futuro duque de Lerma, com D. Filipe II, impuseram uma readaptação dos critérios de sobrevivência. Caído em desgraça junto do novo soberano, obteve pelo menos o cargo de vice-rei de Portugal, como reconhecimento pelos seus grandes méritos e pela sua experiência. Desse modo, continuou a ser um elemento imprescindível do governo lusitano, e não abandonou a corte de mãos vazias. D. Filipe II concedeu-lhe o marquesado de Castelo Rodrigo em 1598 e a Grandeza em 1600, para além de uma substancial ajuda de custo. Durante este período exerceu, em duas ocasiões, o governo vice-reinal (1600-1603 e 1608-1612), apesar de a sua presença ter sido considerada como um desaforo por parte das elites do reino, pois rompia com um dos principais acordos de Tomar: aquele que exigia a designação de pessoas de sangue real para desempenhar o cargo de vice-rei32. Apesar da sua defesa, até ao limite, dos privilégios e dos direitos portugueses, ou talvez por causa disso, em numerosas ocasiões a sua voz acabou por ser ignorada. Foi, pelo menos durante o seu primeiro governo, um ministro incómodo para Madrid33. No entanto, desde 1580 – altura em que começou a dirigir a política portuguesa – e até à sua morte, em 1613, não há dúvida de que deixou a sua marca no governo, situando os seus próximos e protegidos nos principais postos de responsabilidade. Antes de morrer, e talvez com o propósito de salvaguardar a sua própria memória política, dom Cristóvão escreveu uma carta a D. Filipe II – da qual se fizeram numerosas cópias manuscritas – onde lhe recordava as suas obrigações para com o reino. Este testemunho, provavelmente apócrifo, remete quase de certeza para a construção da imagem do fundador da Casa como máximo garante do pactuado em Tomar, essência da sobrevivência do Portugal surgido em Tomar. Na verdade, na famosa epístola sublinhava o quão importante era a conservação de todos os foros do reino, advertindo-o dos perigos decorrentes de esta matéria não ser respeitada:

  • 34 Madrid, 27 de Dezembro de 1613; BNE; Ms. 2348, fols, 85r-86v; outras versões: BL, Add. 6902, fols. (...)

«la resolución que V. M. tomare sea en todo conforme a la que el Rey su padre ha guardado y observado en el govierno de aquel Reino […] teniendo […] a los vassallos dél al mesmo amor que S. M. siempre les ha mostrado […] guardando enteramente todos sus privilegios, porque esto señor es lo que conviene al servicio de V. M. y a la conservación y augmento de aquella Corona que tanto importa a esta grande monarchía […] Por amor de Dios, señor haga VM mucho caso deste recuerdo que le haze este fiel criado estando para dar quenta a Dios.»34

  • 35 Citado em Bouza, Portugal no tempo dos Filipes, p. 288.
  • 36 Sousa, Manuel de Faria e, Epítome de las Historias Portuguesas, Madrid, Francisco Martínez, 1628. A (...)

20Para legitimar a identidade de uma Casa surgida do favor do primeiro rei da nova dinastia, Moura não descurou a sua principal debilidade: a fragilidade das suas relações familiares em Portugal. Apesar da antiguidade da sua linhagem, carecia de vínculos de sangue directos com as principais Casas tituladas do reino e, portanto, de capacidade para fazer exercer a sua influência. Em pouco tempo conseguiu levantar uma ampla rede de interesses. A despeito dos seus esforços, quando foram surpreendidos pelo 1.º de Dezembro de 1640, ainda eram uma Casa – como recordaria Luís da Gama ao marquês de Castelo Rodrigo – «muy de ayer i falta de raízes o ramas para asirse»35. Paradoxalmente, enquanto autores como Faria e Sousa elogiavam nos Castelo Rodrigo os «progresos de su familia claríssima continuada de seiscientos años de padres a hijos»36, os próprios, como vimos no início, somente referiam os serviços prestados por três gerações, que remontavam a dom Cristóvão.

  • 37 Informações sobre estes casamentos no apêndice castelhano anexo a uma ampla biografia manuscrita in (...)

21Aproveitando os múltiplos recursos proporcionados pela sua privilegiada posição política e pela sua generosa prole, dom Cristóvão reforçou os seus vínculos sanguíneos com casamentos vantajosos. Em 1598 a sua filha mais velha, dona Beatriz de Moura, foi entregue ao duque de Alcalá, casamento que o uniu a uma das principais casas nobiliárquicas andaluzas, conseguindo assim inserir-se no seio da aristocracia castelhana. Reservou para o resto da sua descendência casamentos portugueses com o propósito de fortalecer a sua posição na terra natal. Dom Manuel de Moura casou, ainda em vida do seu pai, em Novembro de 1613, com dona Leonor de Melo, filha de dom Nuno Álvares Pereira de Melo, terceiro conde de Tentúgal e marquês de Ferreira, e de dona Mariana de Castro Osório Moscoso – avós de dom Nuno Álvares Pereira de Melo, futuro quinto conde de Tentúgal e primeiro marquês de Cadaval. Os outros dois enlaces celebraram-se já depois da morte de dom Cristóvão, sendo provável que tenham sido concertados pelo conde de Lumiares, dom Manuel de Moura. Assim, por volta de 1614, a sua irmã dona Margarida Coutinho, nascida em 1588 na vila de Madrid, casou com don Manrique da Silva, filho de don Juan da Silva, quarto conde de Portalegre, que sucederia anos depois a seu irmão Diego, como sexto conde de Portalegre, após prévia renúncia ao título, e que viria a ser o primeiro marquês de Gouveia. Quanto a dona María de Mendoza, nascida em Madrid em 1590, casou com dom Afonso de Portugal, futuro quinto conde de Vimioso, em Lisboa, a 23 de Novembro de 161637.

  • 38 Para o caso dos Bragança, veja-se Cunha, Mafalda Soares da, A Casa de Bragança 1560-1640. Práticas (...)
  • 39 Para uma análise recente das políticas matrimoniais da nobreza lusa no Portugal dos Habsburgo, veja (...)

22A prioridade concedida a estes casamentos, em detrimento de outros contraídos com linhagens castelhanas ou aragonesas, sugere uma de duas coisas: ou os Moura deram primazia, acima de tudo, à sua presença em Portugal, o que parece mais razoável, ou então contavam com poucas possibilidades para aceder a casamentos vantajosos em Castela, questão duvidosa dada a altíssima posição política que os Moura ocupavam quando esses enlaces foram estabelecidos. A finalidade destes casamentos era preservar a presença em Castela e consolidar a influência entre as elites lusitanas, acrescentando o número e a qualidade das suas alianças e ampliando o círculo de solidariedades38. De certo modo, procurava-se alcançar no futuro a liderança da aristocracia lusitana. Estas estratégias nupciais, concebidas com grande habilidade para legitimar uma posição preeminente alcançada num prazo bastante curto, foram também entretecidas para combater e contrariar as críticas e inimizades que a sua influência suscitava tanto na sua própria terra natal como na terra de adopção39.

  • 40 Valladares, Rafael, La rebelión de Portugal 1640-1680. Guerra, conflicto y poderes en la monarquía (...)
  • 41 «Lo que declaró el conde de Vimioso dos oras antes que muriese a persuación del padre frai Francisc (...)
  • 42 Cunha, Mafalda Soares da, «Jerarquía nobiliaria y corte en Portugal (siglo xv-1832)», Poder y movil (...)

23Isto explica por que motivo, exceptuando a filha mais velha, o resto dos seus descendentes foram destinados a estabelecer laços de parentesco com algumas das principais famílias do seu reino natal. Na estratégia reprodutiva esteve também presente a necessidade de se vincular à Casa mais ilustre de Portugal, os Bragança, se bem que não de uma forma directa. O transcendental casamento do seu herdeiro com uma Melo, da Casa de Tentúgal, pertencente à linhagem brigantina, não foi escolhido ao acaso, da mesma forma que não foi uma casualidade a decisão de estabelecer um laço de parentesco com os Vimioso, uma Casa que se tinha distinguido depois da morte do cardeal-rei D. Henrique pela sua oposição à escolha de D. Filipe I40. De facto, o terceiro conde, dom Francisco de Portugal, que se distinguiu como um dos mais destacados antonianos, morreu na sequência das feridas recebidas durante o combate naval ao largo da ilha Terceira, em 158341. Os Moura ficaram ligados por laços de parentesco com os Portugal através do seu sobrinho, dom Afonso, filho de um irmão daquele, dom Luís, que sucedeu na Casa, como quarto conde, até à sua morte em 1637. Para equilibrar a balança de poderes, os Moura estabeleceram alianças matrimoniais com os condes de Portalegre, marqueses de Gouveia, ligados ao círculo dos duques de Aveiro, rivais dos Bragança42.

  • 43 O casamento nobiliárquico como «ferramenta política» para a afirmação familiar é analisado em Atien (...)
  • 44 A única biografia parcialmente documentada sobre o príncipe de Éboli deve-se a Boyden, James M., Th (...)
  • 45 O palácio, cuja construção teve início em 1585, converteu-se numa referência arquitectónica para as (...)
  • 46 Veja-se Gomes, Paulo Varela, «Damnatio Memoriae. A arquitectura dos marqueses de Castelo Rodrigo», (...)

24Um primeiro olhar sobre estas opções matrimoniais mostra tanto o cariz dos seus interesses como o notável incremento do estatuto político e socioeconómico alcançado pelos Moura43. A isso se juntou uma inteligente política de ligação à pátria. O facto de os seus senhorios serem lusitanos, tal como o seu título, sugere o propósito de preservar laços com a sua terra e manter uma presença estável que reflectisse o seu poder em Portugal, apesar de residir de forma permanente em Madrid. É mais do que provável que as mercês que D. Filipe I lhe concedeu tenham sido sugeridas, ou até mesmo escolhidas, pelo próprio Moura. Paradoxalmente, o outro grande privado do rei, o português Rui Gomes da Silva, um fidalgo de origens e trajectória muito semelhante à de dom Cristóvão44, preferiu estabelecer raízes em Castela, acabando por aí constituir os seus estados. Ao construir o imponente palácio de traça «herreriana» na Ribeira do Tejo, junto ao Paço Real, que competia com o régio em magnificência e em tamanho, dom Cristóvão demonstra a intenção de perpetuar a imagem do seu poder na capital do reino45. A ideia de erigir um panteão familiar na capela-mor do mosteiro de São Bento dos Negros ou da Saúde – à data em plena construção –, os melhoramentos introduzidos na quinta de Queluz – herança da sua mulher – e outras obras, como a conversão da fortaleza da vila de Castelo Rodrigo em residência palaciana, evidenciam a importância dos seus interesses em Portugal46.

  • 47 Veja-se a «memoria de la ropa y joyas de plata y oro que el conde de Lumiares, gentilhombre de la C (...)
  • 48 Veja-se Cardim, Pedro, «La Jornada de Portugal y las Cortes de 1619», La monarquía de Felipe III: L (...)
  • 49 «Tendo a Cidade de Lisboa por nova certa a vinda de S. M. quiz ordenar recébelo como grandes festas (...)

25Desaparecido dom Cristóvão no final de Dezembro de 1613, o seu filho Manuel de Moura herdou não só os títulos e propriedades do seu pai, mas também a sua densa rede de interesses e alianças. Nos anos que se seguiram parece que, a julgar pelas cédulas de passagem solicitadas, começou a transferir toda a sua fazenda para Madrid, depois de vários anos de estadia permanente em Lisboa47. A jornada real a Lisboa de 1619 representou uma oportunidade única para os Castelo Rodrigo, atendendo ao significado daquela que foi a primeira e única visita de D. Filipe II a Portugal48. A Câmara de Lisboa recorreu ao marquês, dado que, do seu ponto de vista, «sempre foy favorecedor de bons engenhos e entendimentos», pois necessitava do seu apoio para a concepção das «grandes festas e muito costosas» que a cidade queria organizar para festejar a recepção do rei. Uma singela rima elaborada para uma das festas convocadas evidenciava o peso dos Moura no Portugal dos Áustrias. Rezava assim: «O Conde de Lumiares. Não me deu meu pay amigos/ mas deume muitos milhões/ com que ganhar corações»49.

  • 50 Elliott, John H., El conde-duque de Olivares. El político en una época de decadencia, Barcelona, Cr (...)

26Dom Manuel, partidário da viagem, integrou o numeroso cortejo, e foi na própria capital de Portugal que o rei lhe confirmou a perpetuidade dos títulos de que gozara o seu pai. Bem situado na corte como gentil-homem da câmara do príncipe, o futuro D. Filipe III, de cujo favor parecia gozar, em pouco tempo dom Manuel conseguiu conquistar a sua confiança, ao ponto de ameaçar seriamente as aspirações do conde de Olivares que, paradoxalmente, fora seu aliado durante o processo de desagregação do valimento dos Sandoval50. A feroz competição entre ambos levou a que, uma vez estabelecido o conde-duque de Olivares na sua privança, o marquês da corte acabaria por ser afastado da corte. Uma prova mais do que eloquente do incremento dos seus vínculos de parentesco com as principias linhagens lusas e da sua eficaz estrutura clientelar é a surpreendente «relação», que, de autoria anónima, denunciava, logo em 1622 a desmesurada influência de que gozavam os marqueses de Castelo Rodrigo, não só na corte de Madrid mas também nas estruturas do governo de Portugal. O herdeiro e sucessor de dom Cristóvão, dom Manuel de Moura, conde de Lumiares desde 1607, concorreu ao valimento, mas sem êxito. A sua privança era notória, como o demonstra a longa lista de servidores e de oficiais que eram «sus deudos». Por esta altura dizia-se que «todos los cargos, honras y merçedes que en Portugal se davan y haçían era a sus parientes solamente».

  • 51 Ocorreu a 15 de Julho de 1621, Gascón de Torquemada, Gerónimo, Gaçeta y nuevas de la Corte de Españ (...)
  • 52 BNE, 18722, fols. 213v-214r. Veja-se Bouza, Portugal no tempo dos Filipes, pp. 220-221.

27Permito-me ser prolixo sobre esta «relação», devido ao valor da informação nela contida. Assim, e como se pode ler no documento, dom Manuel era o único marquês português a quem o rei tinha concedido a grandeza51; ele e o seu cunhado, o conde de Portalegre, eram os dois únicos gentil-homens da câmara do rei provenientes de Portugal; sete gentil-homens da boca e cinco damas da rainha eram primos e sobrinhos em diverso grau, tanto da sua mulher como seus; vários ajudas de câmara eram antigos criados. Além disso, outros dois parentes (Francisco de Bragança e Mendo da Mota) tinham voto no Conselho de Portugal, onde também contava com a cumplicidade de dois secretários (entre eles Francisco de Lucena). Eram igualmente do seu círculo de parentesco dois dos três governadores de Portugal (o conde de Basto e Nuno Álvares Pereira), sem esquecer outros primos do marquês e da sua mulher: o presidente da Mesa da Consciência (Nuno de Mendonça), vice-rei da Índia (conde da Vidigueira), general da Armada de Portugal (António de Ataíde), governador do Brasil (Diogo de Mendonça), governador de Cabo Verde (Francisco Rolim de Moura), governador e capitão de Tânger (Jorge de Mascarenhas), governador e capitão de Mazagão (Gonçalo Coutinho) e governador e capitão general do reino do Algarve (Pedro Manuel). A estes se juntavam quatro conselheiros de Estado portugueses, «todos deudos del dicho marqués», segundo a opinião do avisado informador, a saber: o conde de Portalegre, seu cunhado; dom Francisco de Bragança, tio da marquesa; Gaspar de Sousa, primo irmão do dito marquês; e Manuel de Vasconcelos, primo terceiro e «particular amigo». Na lista figuravam igualmente o presidente da Câmara de Lisboa, João Furtado de Mendonça, casado com uma prima irmã do dito marquês; João de Lencastre, primo terceiro, a quem se tinha dado o bispado de Lamego; e Vicente Caldeira de Brito, «criatura del dicho marqués, gran cosa suya y que todos sus negocios tenía y tiene a su cargo», que gozava do oficio de Desembargador do Paço. A «relação» que temos vindo a analisar fornece ainda mais alguns dados acerca das ligações dos Moura: Sebastião Carvalho, ouvidor das terras do dito marquês e seu criado, beneficiário de um lugar de conselheiro de Ordens; João Pereira Corte Real, primo terceiro do dito marquês, que gozava de una comenda de 200.000 maravedis, foi nomeado almirante da Armada; ao bailio Luís Álvares de Távora, primo irmão do dito marquês, foi confiado o governo do priorado do Crato; enquanto a capitania e fortaleza de Sofala foi entregue a Rui Telles, sobrinho do marquês; o conde de Vimioso, cunhado de Castelo Rodrigo, desfrutava de una comenda de 300.000 maravedis e outros 300.000 de tença que vagaram por morte do seu irmão que morreu na Flandres; a Miguel de Almeida, filho de Miguel Telles de Moura, «descendiente de los Moras y casa del Marqués», seu primo terceiro e casado com uma parente de dom Manuel, foi confiado o governo e ilha de São Miguel; por último, Luís Lobo, primo segundo da mãe do marquês, tinha a seu cargo a capitania-mor das naus da Índia52.

  • 53 Schaub, Jean-Frédéric, Le Portugal au temps du Comte-Duc d´Olivares (1621-1640). Le conflit de juri (...)

28Apesar de contar com uma rede clientelar tão vasta e poderosa, dom Manuel não conseguiu manter na corte uma posição de privilégio. Olivares receava a sua presença e as suas intrigas, pelo que não o queria perto de si, e muito menos do rei e dos seus irmãos. A vasta lista de cargos e pessoas permite imaginar o poder de que chegaram a desfrutar os Castelo Rodrigo em apenas duas gerações. Esta demonstração de autoridade e de influência evidencia que, para além do quadro familiar e clientelar dos validos da primeira metade de Seiscentos, houve outros grupos familiares que conseguiram alcançar o favor régio com grande fortuna, bem como favorecer os seus de um modo tanto ou mais eficaz do que o dos seus rivais. Olivares, ao prescindir de Moura que considerava um adversário perigoso perdeu, talvez sem medir as consequências, a ampla estrutura clientelar e familiar que os Castelo Rodrigo tinham conseguido tecer em Portugal em pouco tempo, e que reunia boa parte da aristocracia filipina do reino. Para preencher este vazio procurou-se alcançar a colaboração da Casa de Bragança, a primeira família do reino, através do compromisso matrimonial de D. João IV com dona Luísa Francisca de Gusmão, filha do oitavo duque de Medina Sidonia, don Juan Manuel Pérez de Guzmán53.

  • 54 [Papel] «tocante al Marqués de Castel Rodrigo», BNE, Ms. 18722, fols. 213r-214r.
  • 55 Elliott, op. cit., pp. 313-315. Manuel de Faria e Sousa, que foi secretário de dom Manuel, acusava (...)
  • 56 Sousa, Fortuna, p. 195.
  • 57 «Finalmente a 27 del passato partì di Corte alla volta di Portogallo il Marchese di Castel Rodrigo (...)
  • 58 Silva, José Justino de Andrade e: Collecção Chronologica da Legislação Portugueza, 1627-1633, Lisbo (...)
  • 59 Sousa, Fortuna, p. 203.
  • 60 A 23 de Agosto de 1624 o rei ordenou a concessão da comenda-mor de Alcántara a Olivares, a troco da (...)

29Devido a estas circunstâncias, a estratégia cortesã de dom Manuel teve de ser muito diferente da que o seu pai para ele tinha projectado. Intrigante e ambicioso, recorria – a acreditar em certos informadores pouco inocentes – ao juízo de «matemáticos y astrólogos y de supersticiosos» – entre os quais se encontrava o cosmógrafo português João Baptista Lavanha – para averiguar quanto tempo viveria o rei e «si él privaría» no caso de falecer «uno de los dos privados de Su Majestad», como apontava um dos prognósticos que lhe enviou o conde de Portalegre54. Frustrada a sua estratégia, depois da morte de don Baltasar de Zúñiga conseguiu consolidar a sua posição no palácio ao conquistar a confiança do infante don Carlos, protagonizando sonoros desplantes ao conde-duque. Durante a grave doença que acometeu D. Filipe III no final de Agosto de 1627, a posição do seu irmão ficou muito fortalecida, pois era sabido que, no caso de morte do rei, ele se converteria no seu imediato sucessor, já que um mês antes tinha morrido a única filha nascida da união com Isabel de Bourbon, a infanta María Eugenia55. A relação de Moura com o infante que, segundo Manuel de Faria e Sousa, secretário de Castelo Rodrigo, «estaba todo en su mano»56, era um factor de instabilidade para o valimento de Olivares57. Esta ameaça foi resolvida em 1629, no momento em que se incumbiu o marquês de organizar em Lisboa o apresto de duas armadas de socorro à Índia e a Pernambuco58. Concluída esta missão, Moura regressou a Madrid. Segundo Faria, «mediado el año de 1630 se animaba la plática de que el marqués se quedaría con el cargo de virrey en Lisboa», proposta que recusou, desejoso de regressar à corte com renovadas «fuerzas para vencer al valido, de quien él decía que le era mortalmente opuesto»59. A sua presença continuou a ser incómoda e até mesmo insuportável para Olivares, situação que foi uma vez mais resolvida com outra nomeação, desta vez para mais longe, uma embaixada extraordinária em Roma. O marquês aceitou o cargo a contragosto, pondo desse modo fim a quase uma década marcada por revezes e na qual o pior foi a perda da comenda-mor de Alcántara em 162460, obtida por seu pai, a favor de Olivares, a troco da comenda-mor da Ordem de Cristo, de inferior quantia e qualidade. Foi nessa altura que deu início a uma sólida carreira diplomática que o afastaria da corte durante mais de quinze anos, entre 1632 e 1648, para servir sucessivamente nas legações de Roma e Viena e no governo da Flandres.

  • 61 Sobre esta fecunda relação se ocuparam Wittkower, Rudolf, «Il Marchese di Castel Rodrigo ed il Borr (...)
  • 62 Sabatini, Gaetano, «La comunità Portoghese a Roma nell´età dell´unione delle Corone (1580-1640)», R (...)
  • 63 Gomes, art. cit. pp. 361-365.

30A sua estadia romana foi muito frutífera no plano artístico, convertendo-se num mecenas muito celebrado, pois era reconhecido como «aficcionatissimo a fabriche»61. Financiou o novo claustro de dois pisos do convento franciscano de Santo Isidoro al Monte Pincio, fundação que outros embaixadores espanhóis já tinham protegido, e interveio na construção de Santo António dos Portugueses62. Boa parte da obra que Francesco Borromini levou a cabo na igreja de San Carlino alle Quattro Fontane foi também apoiada por ele, especialmente a sumptuosa fachada. O famoso arquitecto dedicou-lhe a sua Opus Architectonicum. É bem possível que o projecto que dom Manuel enviou de Roma para a reforma da quinta de Queluz seja da sua autoria63.

  • 64 Foi o marquês, nas palavras de Elliott e Brown, que «se lleva la palma entre los contendientes al h (...)
  • 65 Veja-se García Cueto, David, «Mecenazgo y representación del Marqués de Castel Rodrigo durante su e (...)

31A partir de Roma, dom Manuel serviu também como agente de D. Filipe III, remetendo para Madrid pinturas de paisagem de Claude Lorrain e de Nicolas Poussin, destinadas a decorar o palácio do Bom Retiro64. É provável que Moura tenha aproveitado os seus amplos recursos económicos e o seu exigente gosto artístico para, uma vez mais, tentar conquistar o favor do rei. De facto, a sua competência deixou o monarca muito satisfeito. Também tentou contratar Pietro da Cortona – foi ele quem colocou este pintor em contacto com a corte de Madrid – e o escultor François Duquesnoy, a quem encomendou lavrar em mármore oito «sepulcri dei suoi eori» destinados a integrar o panteão que estava a ser erigido na capela-mor do mosteiro de São Bento de Lisboa, em cujo desenho participou o próprio Borromini. O destino destas peças é incerto: em 1651, a poucos dias da morte do marquês, algumas delas ainda se encontravam embaladas no porto de Livorno65.

  • 66 Wagner, op. cit., pp. 29, 48-49 e 186-188.

32A prioridade política e matrimonial dos Castelo Rodrigo, pelo menos até 1640, tinha deixado de ser Portugal, equilibrando-se a balança de interesses – forçada pelas perdas familiares e pela escassez de descendência – que agora estavam dispersos entre a sua pátria, Castela, Aragão e Itália. Casou o seu herdeiro, dom Francisco, depois da morte dos seus dois filhos varões mais velhos – dom Cristóvão e dom Nuno, respectivamente segundo e terceiro condes de Lumiares –, com dona Ana de Moncada y Aragón, filha dos duques de Montalto y Bivona, príncipes de Paternó, uma linhagem que descendia da Casa Real aragonesa. A sua filha dona Margarida Francisca de Melo contraiu matrimónio com dom Miguel de Noronha, sobrinho do primeiro duque de Caminha, dom Miguel Luís de Meneses, sexto marquês de Vila Real. Quando esta senhora faleceu sem deixar sucessão, o viúvo casou novamente, desta vez com a sua cunhada, dona Maria de Castro, irmã da sua mulher, a qual também lhe deixou descendência. Dom Manuel de Moura tinha conseguido de D. Filipe III, em 1635, a promessa da concessão do título ducal de Caminha para dom Miguel de Noronha, por ocasião deste segundo enlace, atendendo ao grave estado de saúde do seu tio e à ausência de descendência legítima deste. Falecido o duque em 1637, fracassou um terceiro casamento com outra das filhas de Moura, dona Maria de Moura, pois esta morreu solteira. Dom Miguel, tal como o seu pai dom Luís, não foi reconhecido por D. Filipe III como duque de Caminha e marquês de Vila Real, por causa de uma querela sucessória. O título de Caminha era o único ducado português criado durante o reinado de D. Filipe II e recaiu na mesma família que D. Filipe I tinha beneficiado em 1585, ao conceder-lhe o título ducal de Vila Real66. O esforço de dom Manuel para vincular os Vila Real à sua facção e clã familiar foi mais do que evidente. Na verdade, muito era aquilo que estava em jogo.

  • 67 Francisco de Melo ao Castelo Rodrigo, datada em Regensburg, a 4 de Fevereiro de 1641, AHN, Estado, (...)
  • 68 Carta ao marqués de Castelo Rodrigo, Regensburg, 5 de Fevereiro de 1641, AHN, Estado, libro 115, fo (...)
  • 69 Carta de Castelo Rodrigo ao Venerável frei Tomás de la Virgen, Nápoles, 27 de Fevereiro de 1641, em (...)
  • 70 AHN-NT, Fernán Núñez, C. 2297, D. 11; veja-se também Gomes, art. cit, pp. 351-376.
  • 71 Através do «Livro de toda fazenda, e rendas do Marques de Castel Rodrigo, meu senhor» de 1630, fica (...)

33A secessão brigantina do 1.º de Dezembro de 1640 apanhou Moura em Roma, muito longe da sua terra e da corte. Muitos outros aristocratas portugueses, a elite nobiliárquica do reino, estavam em idêntica situação. A maior parte dos que estavam no exterior, como os que nesse momento se encontravam em Madrid, declarou a sua fidelidade a Sua Majestade Católica. Obrigado por aquilo que dom Francisco de Melo chamou de «desatino de las comoziones»67 e o marquês de la Fuente «desdichado accidente»68, dom Manuel teve de acorrer a várias frentes, sendo a principal e mais urgente a sobrevivência da sua Casa. Sem perder a esperança na futura recuperação de Portugal, confiando que Deus iria salvar a «monarquía de España de tan gran tormento»69, Castelo Rodrigo, privado de facto - «en cuanto durare [su] ausencia»70 dos seus senhorios, propriedades e rendas na sua terra natal71, ficou numa situação de quase ruína total. Entre as perdas mais significativas estavam a capitania dos Açores e a quinta de Queluz, património simbólico dos Corte Real.

  • 72 O terceiro marquês Francisco de Moura calculava, num memorial dirigido a Carlos II, que tinha «perd (...)
  • 73 O conde solicitou ao rei D. João IV licença para enviar Manuel de Freitas para cobrar «os rendimien (...)

34Às enormes perdas económicas, que superavam largamente o seu rendimento anual estimado em mais de sessenta mil ducados72, somou-se o doloroso cisma familiar que opôs os Moura aos seus parentes que optaram por apoiar a causa de D. João IV, entre eles os marqueses de Gouveia, Ferreira e Vila Real, assim como o filho deste último, o duque de Caminha. O conde de Portalegre e marquês de Gouveia, seu cunhado, tinha ficado com o encargo de administrar as suas possessões durante a sua ausência, mas desde essa data foi ao conde de Vimioso, dom Luís de Portugal, sobrinho de dom Manuel de Moura, que se cometeu a tutela do património do seu tio, «auzente em Castela»73.

  • 74 Valladares, La rebelión de Portugal, p. 40; veja-se também Costa e Cunha, op. cit., pp. 115-124. Ve (...)
  • 75 Em 1642 D. João IV incorporou na Coroa os patrimónios e jurisdições das Casas desleais (Castelo Rod (...)
  • 76 «Decreto de 15 de Março de 1652 – Manda incorporar na Coroa os bens do Marquez de Castello-Rodrigo, (...)
  • 77 Carta do duque de Montalto ao marquês de Castelo Rodrigo, el Real de Valencia, 4 de Junho de 1658, (...)

35Em 1641, fracassada a grande conspiração nobiliárquica contra D. João IV, em boa medida pela defecção do conde de Vimioso, dois parentes próximos de Moura, dom Luís de Noronha, marquês de Vila Real e o seu filho, dom Miguel de Noronha, duque de Caminha – consogro e genro respectivamente de dom Manuel de Moura –, que numa fase inicial tinham apoiado a secessão, foram degolados no Rossio de Lisboa, a 29 de Agosto, acusados de alta traição74. Os seus pertences, confiscados por decreto em 1642, passariam a integrar a Casa do Infantado, criada em 1654 para o infante dom Pedro75. Os bens de Castelo Rodrigo seguiriam idêntico destino, uma vez que em 1652 o marquês foi considerado oficialmente «rebelde»76. Em resposta a esta privação, em 1658, quando Olivença foi conquistada pelas forças de Filipe IV, Castelo Rodrigo exigiu que lhe fossem entregues os bens que o seu sobrinho, o marquês de Ferreira – primeiro duque de Cadaval desde 1648 – possuía nessa vila, por se considerar seu herdeiro legítimo77.

  • 78 Cfr. Bouza, Fernando, «Entre dos reinos, una patria rebelde. Fidalgos portugueses en la Monarquía H (...)
  • 79 Madrid, 10 de Abril de 1648, AGS, Consejo de Hacienda, leg. 928, sem numeração. Agradeço a Rafael V (...)
  • 80 Roma, 14 de Julho de 1646, AHN, Estado, legajo 1153, sem numeração.

36Os marqueses, despojados do seu património e afastados de boa parte da família e validos, concentraram os seus esforços em compensar as perdas de maneira mais favorável possível. Os socorros previstos apenas cobriam as necessidades mínimas, razão pela qual se esforçaram por solicitar medidas especiais78. Castelo Rodrigo recebia, na qualidade de «caballero portugués» exilado em Madrid, uma pensão de 7.000 reais mensais, a que se somou em 1648 uma livrança do presidente do Consejo de Hacienda a seu favor com o valor de 1.764.962 maravedis para alimentos79. Apesar de continuar a servir o rei, as suas reivindicações ficaram confinadas a um enorme número de cartas e de memoriais onde exigiam uma rápida reparação daquilo que consideravam ser uma perda de consideração régia. No entanto, os Castelo Rodrigo sabiam perfeitamente que só a continuidade dos seus serviços à dinastia que lhes tinha proporcionado a fortuna poderia salvá-los do desaparecimento. Não obstante, tiveram de enfrentar numerosos obstáculos, sendo o mais relevante a própria credibilidade como servidores leais. Eram vistos, tal como outros fidalgos leais, com receio e antipatia e muito poucos ministros do rei eram partidários de que se continuasse a confiar a portugueses postos de responsabilidade, pese embora as explícitas declarações de fidelidade de muitos deles. O cardeal Alonso de la Cueva, por exemplo, confessou a Castelo Rodrigo, a propósito da rivalidade que opunha os condes de Viso e de Linhares, devido a um posto de general das galeras, que era «muy necesario y conveniente que se haga como en tiempo del Rey D. Juan el primero de Castilla con los caballeros portugueses que dexaron sus casas y haciendas por acudirle y servirle»80. Não sabemos se o cardeal conhecia o passado dos Moura, mas é no mínimo curioso que tenha dado este exemplo a dom Manuel, sobretudo tendo em conta que, naquele período, também tinha perdido os seus senhorios lusitanos por ter optado pela causa do rei de Castela.

  • 81 Carta do duque de Medinaceli ao de Montalto, El Puerto de Santa María, 29 de Fevereiro de 1658, cóp (...)
  • 82 Sobre as primeiras cópias manuscritas, a princeps de 1640 e a posterior, realizada por Manuel de Fa (...)

37Em meados de Seiscentos, anos depois do 1.º de Dezembro, os Castelo Rodrigo continuavam a manter em Castela um peso considerável. Pelo menos era essa a avaliação do duque de Medinaceli, que assegurava ao de Montalto a «particular estimación de la Casa del señor Marqués de Castelo Rodrigo y que a más de lo que en Portugal es y a ssido, pareçe que en España ya la tenemos a cargo entre las nuestras, como la de Silva entre las de Medina Sidonia y del Infantado»81. É certo que as elites nobiliárquicas de ambos os reinos estavam unidas por antigos e estreitos laços familiares, cuja origem remontava à Idade Média. Decisivo para a construção da identidade dos Castelo Rodrigo foi a publicação, em 1640, em Roma, depois de ter circulado manuscrito, do celebérrimo Nobiliario del conde de Barcelos, corrigido e ordenado por João Baptista Lavanha e, depois da sua morte, por Manuel de Faria e Sousa sob a supervisão e o patrocínio do marquês dom Manuel de Moura, genealogista obsessivo, onde se pretendia demonstrar que essa complexa rede de solidaridades e de interesses, sustentada em multisseculares vínculos sanguíneos, constituía uma autêntica república de lealdades e de compromissos. Dom Manuel converteu o famoso texto, editado em Roma durante a sua embaixada, numa ferramenta política muito eficaz para responder aos que questionavam os estreitos laços de união que ligavam a sua linhagem à das grandes Casas lusitanas e castelhanas. A edição posterior de Madrid, de 1646, a cargo de Faria e do marquês de Montebelo e de Álvaro Ferreira de Vera, questionou a versão na qual os Moura surgiam demasiado favorecidos82.

  • 83 Cópia da carta do marquês de Castelo Rodrigo a D. Filipe III, Viena, 3 de Setembro de 1642, BNE, Ms (...)
  • 84 Cópia da carta de D. Filipe III ao marquês de Castelo Rodrigo, Saragoça, 28 de Março de 1644, ibide (...)

38Depois de abandonar Roma, Castelo Rodrigo aceitou a contragosto o posto de embaixador extraordinário na Dieta de Regensbug. Finalizada a sua missão, não pôde regressar a Espanha como era o seu desejo. De Viena escreveu ao rei a suplicar que lhe desse licença para acudir com os seus a Madrid e colocar-se ao seu serviço83. No entanto, o rei necessitava da sua experiência numa outra frente bastante delicada: foi nomeado lugar-tenente general e governador dos Países Baixos, tornando-se na segunda figura do comando desse território, logo atrás do jovem dom Juan José de Áustria, a quem o seu pai pretendia confiar o governo desses estados. D. Filipe III encarregou-o da instrução do seu filho, pois dizia que só confiava na experiência do marquês para essa tão importante tarefa. «Más aprenderá de vos en un año que de otros en diez», assegurava o rei. A satisfação do soberano, fingida ou sincera, acerca do «gran servicio» e da «satisfación» que afirmava ter de Castelo Rodrigo, reforça a confissão inicial feita pelo rei, no seu pedido, quando escrevia «de vuestra fineça y del amor que me tenéis por haverme servido desde mis tiernos años»84. Finalmente, o projecto de levar don Juan José para os Países Baixos foi posto de lado, ficando Castelo Rodrigo como governador general interino até à chegada do arquiduque Leopoldo Guilherme.

  • 85 Bouza, Fernando, «El pintor en la Luna. Un episodio de la fama de Rubens en la cultura internaciona (...)

39Durante a sua estadia em Bruxelas dom Manuel continuou a exercer o mecenato que o tornara célebre em Roma. Nessa cidade patrocinou a edição do primeiro mapa lunar que inclui uma nomenclatura completa dos acidentes topográficos observáveis, obra de Michael Florent Van Langren, em 1645. O astrónomo neerlandês baptizou os diferentes acidentes topográficos com nomes de personalidades ilustres, clássicas e modernas, e a Castelo Rodrigo reservou o Mar de Moura, única presença portuguesa nessa célebre cartografia lunar85.

  • 86 «Título de duque de Trani a favor de don Manuel Mora e Corterreal, marqués de Castel Rodrigo», 14 d (...)

40A concessão dos ducados napolitanos de Trani e Matera em 164686 e o cargo de mordomo-mor do rei, em 1649, foram acontecimentos que vieram paliar os danos que a secessão brigantina tinha causado ao património de dom Manuel. O rei D. Filipe III compensava assim as privações sofridas. Os Moura ainda continuavam a gozar do favor régio e de uma grande consideração entre a aristocracia castelhana, sorte de que não gozaram outros nobres fiéis ao monarca espanhol. Aos poucos o rei ficava tão obrigado a proteger estes como aqueles a que se deveu, em boa medida, a união de Portugal com Castela. Esta excepcional consideração, apesar de nunca bem acolhida, continuou a fazer dos Moura um partido muito apetecível para os seus pares, sobretudo enquanto subsistiu a esperança de retomar Portugal, o que supunha a recuperação do património confiscado e talvez a incorporação dos bens de outras Casas que se tinham posicionado a favor do duque de Bragança.

  • 87 A quinta tinha pertencido ao marquês de Camarasa, dom Manuel de los Cobos y Luna, que ampliou a pro (...)
  • 88 O inventário dos seus bens reflecte o alto grau do seu refinamento artístico. Nele são mencionados (...)
  • 89 «Puedo decir que si estuviesse ahí otro embajador no me hubiera ajustado a quedar sin el mejor Arqu (...)

41Em Setembro de 1646 o conde de Lumiares, dom Francisco de Moura, um ano depois de ter sido nomeado gentil-homem da câmara do rei, deu um passo de gigante ao adquirir, por uma quantia de catorze mil ducados, um dos melhores palácios que então existia em Madrid, a quinta de la Florida, uma villa de recreio suburbana situada no lugar futuramente designado por Montanha de Príncipe Pio87. A compra desta magnífica residência, talvez ligada ao receio de nunca mais recuperar o seu grandioso palácio lisboeta, obedecia à necessidade de dispor, na corte, de uma casa digna de tal nome. Talvez até essa data, em consequência das suas prolongadas ausências de Madrid, ter uma residência nessa cidade não tivesse sido uma prioridade. Porém, com a perspectiva do iminente regresso a Castela, finalizado o seu governo na Flandres, para dom Manuel essa compra converteu-se num assunto inadiável e urgente. O conde, tão refinado como o seu pai nas suas preferências artísticas88, cultivava, além disso, um gosto arquitectónico igualmente elogiado e requerido por muitos89.

42Mas Dom Manuel, interessado em recuperar para o seu sucessor a posição disputada e perdida em 1621 ante Olivares, fracassou de novo. Um ano antes de lhe ser confiada a mordomia-mor do rei, dom Francisco foi enviado a Viena na qualidade de embaixador extraordinário, levando poderes para estabelecer o enlace entre D. Filipe III e a arquiduquesa Mariana de Áustria, sua segunda esposa. Concluída a missão, permaneceu em Viena como residente em substituição do duque da Terranova.

  • 90 Valladares, Rafael, La rebelión de Portugal, pp. 88-89. Agradeço ao autor as informações fornecidas (...)
  • 91 Malcolm, Alistair, «La práctica informal del poder. La política de la Corte y el acceso a la Famili (...)
  • 92 Cópia de seu codicilo, Madrid, 26 de Janeiro do 1651, BAM, V.N. 201, sem foliar.

43A antiga poderosa presença dos Moura e do seu amplo clã familiar na corte de Madrid no começo do reinado de D. Filipe III ficou praticamente destruída como consequência do Primeiro de Dezembro de 1640 e da ausência dos marqueses. As relações de dom Manuel com dom Luis de Haro, sobrinho e sucessor no valimento do conde-duque de Olivares, tinham sido, provavelmente desde os seus anos de serviço na câmara do rei como gentil-homens, muito amistosas. A sua nomeação como mordomo-mor do rei – um gesto nada gratuito de D. Filipe III, a que se somou, em 1643, a escolha do dominicano frei João de Santo Tomás como confessor real, para alcançar mais fidelidades entre a nobreza lusitana90 – acabou por reforçar a posição já sólida de dom Luis Haro. A disputa com o seu primo, o duque de Medina de las Torres, como consequência da herança de Olivares, acabou por se converter em oposição política. O primeiro-ministro tinha conseguido herdar de seu pai, em 1648, o cargo de estribeiro-mor, posto que lhe permitia acompanhar o monarca em todas as suas deslocações, mas não restam dúvidas de que, se tivesse necessitado de aliados mais destacados, a presença de Moura teria contribuído para aligeirar as ambições de Medina91. De facto, Castelo Rodrigo procurou não tomar partido, contemporizando com ambos. O seu regresso à corte em 1648 verificou-se em óptimas condições, favorecido pelo rei e por dom Luís. E soube corresponder a essa confiança como conselheiro de Sua Majestade e apoiando o valido. Moura, ao falecer, deixou a Haro uma esplêndida pintura de Jusepe Ribera, o único original de um grande mestre que dizia possuir, reconhecendo «quán suyo e sido siempre de todo corazón». Não obstante, também teve em Medina de las Torres um benfeitor, como reconhecia no seu testamento, agradecendo-lhe «las finezas que a hecho conmigo y con la marquesa»92.

44Moura acabou por não poder tirar partido do seu novo estatuto, pois faleceu inesperadamente no final de Janeiro de 1651, contristado com a impossibilidade de recuperar o seu património em Portugal e sem ter alcançado a posse efectiva dos seus ducados italianos. A consecução destes compromissos ficou nas mãos do seu herdeiro, dom Francisco de Moura, que lhe sucedeu como terceiro marquês de Castelo Rodrigo e quarto conde de Lumiares.

  • 93 Devido à oposição das populações, o processo prolongou-se até 1654, data em que se despachou o títu (...)

45Em 1654 foi-lhe por fim concedido o ducado de Nochera, em Nápoles, cuja titularidade, não obstante, só foi possível concretizar em 166093. Don Francisco acabou por não conseguir recuperar, como fora seu desejo e de seu pai, o património perdido em Portugal. As cláusulas do Tratado de Lisboa de 1668 estabeleciam que só poderiam ser restaurados em seus Estados, fazendas e títulos, os fidalgos que tinham regressado à obediência de D. Afonso VI. O terceiro marquês preferiu sacrificar a imensa herança portuguesa em vez de renunciar à lealdade ao então rei Carlos II, conservando a titulação unicamente nominal e não efectiva de marquês de Castelo Rodrigo e conde de Lumiares. Nessa data a filipina Casa de Castelo Rodrigo era apenas uma recordação no Portugal Restaurado, o qual incorporara os seus bens na Casa de Infantado e absorvera a sua memória.

Topo da página

Notas

1 Melo, Francisco Manuel de, Ecco político, responde en Portugal a la voz de Castilla y satisface a un papel anónimo, ofrecido al Rey D. Felipe el Quarto, sobre los intereses de la Corona Lusitana, y del Occeánico, Índico, Brasílico, Ethyópico, Arábico, Pérsico y Africano Imperio, Lisboa, Paul Craesbeck, 1645, h. 9 e 12.

2 A limpeza de sangue e o serviço eram os principias elementos legitimadores da nobreza como estado social; veja-se Monteiro, Nuno G., Elites e Poder. Entre o Antigo Regime e o Liberalismo, Lisboa, ICS, 2007, pp. 83-103.

3 Bouza, Fernando, «La relación de la nobleza portuguesa con la Monarquía española», Las relaciones entre Portugal y Castilla en la época de los descubrimientos y la expansión colonial, Ana María Carabias Torres ed., Salamanca, Ediciones de la Universidad de Salamanca, 1994, p. 341.

4 Memorial de Francisco de Moura, marquês de Castelo Rodrigo, à rainha D. Mariana de Áustria, RAH, Colección Salazar y Castro, U-18, fol. 195v. No mesmo sentido apontava o jesuítico Panegírico en alabança de los ilustríssimos y excelentíssimos señores de la Casa y nombre de Moura: «Hable por todos el Rey, que confesó públicamente se debía sólo a D. Cristóvão de Moura la junta que se hizo de la Corona de Portugal a la suya de Castilla», Barcelona, 1663, BNE, 2/8511, pp. 26-32.

5 Cópia de uma carta, Viena, 1 de Janeiro de 1642, BNE, Ms. 1440, fols. 227r-v.

6 Ibidem, fols. 228r-v.

7 Cópia de uma carta a D. Filipe III, Regensburg, 1 de Janeiro de 1654, BNE, Ms. 1440, fols. 265r-267v. Uma versão semelhante em Tribulzio Falcó, Juan, príncipe Pío, xvi marquês de Castelo Rodrigo, Documentos de mi archivo. La elección de Fernando IV Rey de Romanos. Correspondencia del III Marqués de Castel Rodrigo don Francisco de Moura, durante el tiempo de su embajada en Alemania (1648-1656), Madrid 1929, pp. 390-391.

8 Cópia de uma carta, Regensburg, 1 de Janeiro de 1654, BNE, Ms. 1440, fols. 267v-270v. Devo a Rafael Valladares a chamada de atenção para o conteúdo desta correspondência.

9 Papeles curiosos, escudos de armas y árboles de familias, BNE, Ms. 11573, fols. 43r y 144r-v. Agradeço ao professor Félix Labrador a informação sobre esta referência. Veja-se igualmente Guerra, José Alfonso, Libro de la Armería del Reino de Portugal, sus ciudades, villas y fidalgos, BNE, Ms. 11665, fols. VIII, 10r. y 59r.

10 Faria, Manoel Severim de, Noticias de Portugal, Lisboa, 1740, 112. Freire, Anselmo Braamcamp: Brasões da Sala de Sintra, Lisboa 1899; e também «Ýndice de los linajes de Portugal», por Lázaro del Valle de la Puerta, cronista dos reis Felipe IV e Carlos II, intitulado Nobleza regia de Portugal y recopilazión de linajes, tomo XXVI, fol. 340v; Felgueiras Gayo, Manuel José da Costa, Nobiliário de Famílias de Portugal, vol. VII, Braga, 1992, pp. 536-539. Memórias genealógicas de la Casa de Moura, manuscrito anónimo de 1651, RAH, Colección Salazar y Castro, C-32, fols. 178r-213v. «Costados de Cristóbal de Moura y Távora, Atouguia y Sousa», RAH, Colección Salazar y Castro, D-21, fol. 140v.

11 Assim se expressava na investigação prévia para a concessão do hábito de Alcântara, AHN, Órdenes Militares, Alcántara, Exp. 1030, s.f.

12 A principal biografia de dom Cristóvão, cuja revisão é tão necessária, deve-se a Danvila y Burguero, Alfonso, Diplomáticos españoles. Don Cristóbal de Moura, Primer Marqués de Castel Rodrigo (1538-1613), Madrid, Fortanet, 1900. Para um curioso bosquejo biográfico repleto de anedotas, veja-se «D. Cristóvão da Moura: de sua pessoa e de casos notáveis de sua vida», em Anedotas Portuguesas e memorias biográficas da corte quinhentista. Istorias e ditos galantes que sucederão e se disserão no paço, edição, introdução, notas e índices a cargo de Christopher C. Lund, Coimbra, Almedina, 1980, XCIII, pp. 147-152.

13 Marques, João Francisco, A Parenética Portuguesa e a Dominação Filipina, Porto, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1986, p. 39. Veja-se também Menezes, Luiz de, conde de Ericeira, História do Portugal Restaurado, Lisboa, Oficina de Domingos Rodrigues, 1751, vol. I, p. 14.

14 Aquele que viria a ser o primeiro marquês de Castelo Rodrigo, dom Cristóvão, reconhecia ao secretário Gabriel de Zayas, em 1578, que «tengo ojo también a cobrar Mo[u]ra que fue de mis agüelos y la perdieron … por seguir el derecho del Rey don Juan, el que perdió la de Aljubarrota», Lisboa, 1 de Outubro de 1578, AGS, Estado, leg. 402, doc. 10. Muitos outros nobres de ambos os reinos protagonizaram numerosos exílios e privações ao longo da Baixa Idade Média, no quadro de lutas dinásticas e guerras civis; veja-se Mitre Fernández, Emilio, «La emigración de nobles portugueses a Castilla a fines del siglo XIV», Hispania, XXVI (1966), pp. 513-525. O paralelismo entre ambas as crises, em Bouza, Fernando, Portugal en la Monarquía Hispánica (1580-1640). Felipe II, las Cortes de Tomar y la génesis del Portugal Católico, Madrid, Tese de doutoramento inédita, tomo I, 1987, p. 166.

15 Bouza, Portugal en la Monarquía…, especialmente o capítulo «Nobleza y Reino. Intereses estamentales e independencia en 1580 y 1640», tomo I, 481-527. A intervenção de Moura para conquistar a lealdade da alta hierarquia eclesiástica lusa foi analisada por Paiva, José Pedro, «Bishops and Politics: The Portuguese Episcopacy During the Dynastic Crisis of 1580», e-Journal of Portuguese History, vol. 4-2, (2006), pp. 1-19.

16 Para uma releitura do processo de agregação remetemos para o recente trabalho de Valladares, Rafael, La conquista de Lisboa. Violencia militar y comunidad política en Portugal, 1578-1583, Madrid, Marcial Pons, 2008.

17 Bouza, Fernando, «Fidalgos, Monarquía Hispánica y Portugal», Torre de los Lujanes, 28 (1994), p. 78. Sobre as famílias que não faziam parte das redes clientelares dos dois primeiros Filipes, veja-se Costa, Leonor Freire e Cunha, Mafalda Soares da, D. João IV, Rio de Mouro, Círculo de Leitores, 2006, pp. 26 e 272. A política de concessão de títulos dos Filipes, como afirmam ambas as autoras, privilegiou os fidalgos que se tinham destacado no serviço à Monarquia Hispânica.

18 Bouza, «La relación de la nobleza portuguesa», p. 341.

19 Bouza, «Nobleza y Reino», op. cit., p. 484.

20 Danvila y Burguero, op. cit., pp. 674-675. Sobre a sua intervenção no provimento de bispados e mercês eclesiásticas, veja-se Paiva, José Pedro, Os bispos de Portugal e do Império, 1495-1777, Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra, 2006, p. 374.

21 Também ele perdeu vários dos seus: «Doña Catalina de Távora, muger que fue de Lorenzo Pires de Távora (tío mýo), suplica a S. M. por una carta para el Xarife, rogándole que dé licencia a don Lorenzo de Almada y a don Juan de Alencastro y a Antonio de Távora para que vengan a este Reyno a negociar su rescate, dando ellos fianças allá de que le pagarán. Si esto se puede hazer, S. M. hechará mucho cargo a esta gente y yo recebiré mucha merçed por que son mis cuñados y primos hermanos», carta de Cristóbal de Moura a Filipe II, Lisboa, 17 de Dezembro de 1578, AGS, Estado, legajo 402, doc. 50.

22 Luxán Meléndez, op. cit., pp. 78-81.

23 Em 1579 parece que tiveram início conversações da condessa viúva de Vidigueira para casar a sua filha mais velha com dom Cristóvão. As negociações contavam com o apoio do rei D. Filipe I. Caso o acordo se concretizasse, os Moura teriam ficado aparentados com uma Casa titulada, fundada pelo grande descobridor Vasco da Gama; veja-se Velloso, Jose Maria Queiroz, O Reinado do Cardeal D. Henrique. A Perda da Independência, Lisboa, edição do autor, 1946, pp. 341-343.

24 Faria, op. cit., p. 104. Registo da licença de casamento de Cristóvão de Moura, 23 de Janeiro de 1582, AHN, Órdenes Militares, libro 201, fol. 2v; Dona Margarida converteu-se em herdeira depois do desastre de Alcácer-Quibir, a 4 de Agosto de 1578, onde morreu o seu irmão D. Manuel. Um estudo sobre a linhagem Corte Real em Corte-Real, João Afonso, «Génese e sequencial da Genealogia e Heráldica do título Côrte-Real», Boletim Cultural da Câmara Municipal do Porto, xxxiv, fascs. 3-4, (1973), p. 6.

25 Alvará de D. Filipe I, Lisboa, 3 de Dezembro de 1581, copia, BNP, Colecção Pombalina, 669, Livro de doações, fols. 643r-655.

26 Lisboa, 28 de Junho de 1582, IANTT, Chancelaria D. Filipe I, Registro de doações, oficios e merçés, liv. 2, fols. 232v--235v e livros 3 e 6, fols. 246r. e 98r. respectivamente.

27 Até à captura da Terceira pelo marquês de Santa Cruz, em 1583, a ilha não passou formalmente para as mãos de Moura. Por alvará de 21 de Junho de 1583 tomou posse das alcaidarias-mores do castelo de S. Sebastião, da ilha de S. Jorge e das referidas capitanias. Fê-lo em seu nome o seu procurador Fernão Faleiro, a 16 de Agosto - Drumond, Francisco Ferreira, Anais da Ilha Terceira, edição da Secretaria Regional da Educação e Cultura, Angra do Heroísmo, 1981 (reimpressão fac-similada da edição original de 1850 a 1864), tomo I (1430-1640), Quarta época, capítulo XV.

28 Carta de mercê, 10 de Abril de 1581, IANTT, Corpo Cronológico, Part. 1.ª, Mac. 111, doc. 92.

29 Era cavaleiro de Calatrava, mas o rei concedeu-lhe um hábito de Alcántara, em 1582, e licença para mudar de Ordem. Em 1583 recebeu a comenda de Zalamea; veja-se Danvila y Burguero, op. cit., p. 693.

30 Adquiriu este lugar por um pagamento prévio de 40.000 cruzados; veja-se Hespanha, António Manuel, Vísperas del Leviatán. Instituciones y poder político (Portugal, s. XVII), Madrid, Taurus, 1989, pp. 339-340.

31 Lisboa, 3 de Maio de 1594, Cart. de assentamento de Conde de Castelo Rodrigo, IANTT, Chancelaria D. Filipe I, Registro de doações, oficios e merçês, liv. 31, fol. 48.

32 Veja-se Schaub, Jean-Frédéric, «Dinámicas políticas en el Portugal de Felipe III (1598-1621)», Relaciones, 73, vol. XIX (1998), pp. 170-211.

33 Serrão, Joaquim V., História de Portugal, vol. IV, Governo dos Reis Espanhóis (1580-1640), Lisboa, Verbo, 1979, pp. 52-53.

34 Madrid, 27 de Dezembro de 1613; BNE; Ms. 2348, fols, 85r-86v; outras versões: BL, Add. 6902, fols. 73r-v; BA, 50-V-25, fols. 99r-v.; BNP, Colecção Pombalina, Miscellanea. Legislação, Officios. Noticias históricas, 526, fol. 179r-v.

35 Citado em Bouza, Portugal no tempo dos Filipes, p. 288.

36 Sousa, Manuel de Faria e, Epítome de las Historias Portuguesas, Madrid, Francisco Martínez, 1628. A citação figura na dedicatória a dom Manuel de Moura Corte Real.

37 Informações sobre estes casamentos no apêndice castelhano anexo a uma ampla biografia manuscrita inédita em língua portuguesa de dom Cristóvão de Moura, intitulada [Vida] do Dom Christóvão de Mora, primeiro Marques de Castel Rodrigo, RB, II/1688, fols. 117v-118r.

38 Para o caso dos Bragança, veja-se Cunha, Mafalda Soares da, A Casa de Bragança 1560-1640. Práticas senhoriais e redes clientelares, Lisboa, Estampa, 2000, pp. 284-293 e 408-546. Mais recentemente, da mesma autora, «Estratégias matrimoniais da Casa de Bragança e o casamento do duque dom João II», Hispania, LXIV/1 (2004), pp. 39-62. Veja-se também Monteiro, Nuno G., «Casamento, celibato e reprodução social: a aristocracia portuguesa nos séculos XVII e XVIII», Análise Social, 28 (1993), pp. 921-950.

39 Para uma análise recente das políticas matrimoniais da nobreza lusa no Portugal dos Habsburgo, veja-se Cunha, Mafalda Soares da, «Títulos portugueses y matrimonios mixtos en la Monarquía Católica», Las Redes del Imperio. Élites sociales en la articulación de la Monarquía Hispánica, 1492-1714, Madrid, Marcial Pons-Universidad Pablo de Olavide, 2009, pp. 205-231.

40 Valladares, Rafael, La rebelión de Portugal 1640-1680. Guerra, conflicto y poderes en la monarquía hispánica; Valladolid, Junta de Castilla y León, 1998, p. 226, n. 6.

41 «Lo que declaró el conde de Vimioso dos oras antes que muriese a persuación del padre frai Francisco Maldonado, de la Orden de los Descalços:… que a sido parte que no se conçertase don Antonio con S. M. contra diziendo se lo siempre y procurando que hiziese esta armada», AMSC, Fondo Marqueses de Santa Cruz, Caja 47, Exp. 3, sem numeração.

42 Cunha, Mafalda Soares da, «Jerarquía nobiliaria y corte en Portugal (siglo xv-1832)», Poder y movilidad social. Cortesanos, religiosos y oligarquías en la península ibérica (siglos XV-XIX), Francisco Chacón Jiménez y Nuno G. Monteiro eds., Madrid, CSIC, 2006, p. 205. Veja-se também Wagner, Mafalda de Noronha, A Casa de Vila Real e a conspiração de 1641 contra D. João IV, Lisboa, Colibri, 2007, p. 48.

43 O casamento nobiliárquico como «ferramenta política» para a afirmação familiar é analisado em Atienza Hernández, Ignacio y Simón López, Mina, «Aunque fuese con una negra si S. M. así lo desea: sobre la autoridad real, el amor y los hábitos matrimoniales de la nobleza hispana», Gestae. Taller de Historia, 1 (1989), pp. 31-52.

44 A única biografia parcialmente documentada sobre o príncipe de Éboli deve-se a Boyden, James M., The courtier and the King. Ruy Gómez de Silva, Philip II and the Court of Spain, Berkeley and Los Angeles, University of California, 1995, pp. 7-23.

45 O palácio, cuja construção teve início em 1585, converteu-se numa referência arquitectónica para as demais edificações nobiliárquicas da cidade de Lisboa, paradoxalmente durante a Restauração; veja-se Kubler, George, A Arquitectura Portuguesa Chã. Entre as Especiarias e os Diamantes (1521-1706), Lisboa, Nova Vega, 2005, pp. 190-191.

46 Veja-se Gomes, Paulo Varela, «Damnatio Memoriae. A arquitectura dos marqueses de Castelo Rodrigo», Arte y diplomacia de la Monarquía Hispánica en el siglo XVII, José Luis Colomer dir. e Jonathan Brown pról., Madrid, Centro de Estudios Europa Hispánica, 2003, pp. 359-361.

47 Veja-se a «memoria de la ropa y joyas de plata y oro que el conde de Lumiares, gentilhombre de la Cámara del príncipe n. s. trae a Castilla para el servicio de su casa y criados», datada em Madrid, 9 de Dezembro de 1616, AGS, Cámara de Castilla, cédulas de paso, libro 367, fols. 433r-444v. No ano seguinte, dom Manuel solicitou outra, Madrid, 9 de Dezembro de 1617, ibidem, libro 368, fols. 29r-30v.

48 Veja-se Cardim, Pedro, «La Jornada de Portugal y las Cortes de 1619», La monarquía de Felipe III: Los Reinos, José Martínez Millán e Mª. Antonietta Visceglia, dirs., Madrid, Fundación Mapfre Tavera, 2008, vol. IV, pp. 900-946.

49 «Tendo a Cidade de Lisboa por nova certa a vinda de S. M. quiz ordenar recébelo como grandes festas e muito costosas para a entrada de tão poderosos Príncipes e assí se traçarão as que melhor lhes pareçerão como forão canas e torneos, mas como os que naquele tribunal assisten não são sutis de engenho nem de sobrado entendimiento se não determinação as libres, motes e divisas de suas armas e bandeiras e chamarão a conselho alguns fizdalgos bem entendidos para que determinasen estas causas tocantes ao aparato e perfeição das festas, como o favor do senhor Marquez de Castel Rodrigo, que sempre foy favorecedor de bons engenhos e entendimentos, como vimos en Ayres de Saldanha en tempos pasados e Manuel de Vasconellos nos presentes…», IANTT, Manuscritos da Livraria, 1104, fol. 345r.

50 Elliott, John H., El conde-duque de Olivares. El político en una época de decadencia, Barcelona, Crítica, 1991, pp. 59-60.

51 Ocorreu a 15 de Julho de 1621, Gascón de Torquemada, Gerónimo, Gaçeta y nuevas de la Corte de España desde el año 1600 en adelante, Madrid, 1991, p. 104.

52 BNE, 18722, fols. 213v-214r. Veja-se Bouza, Portugal no tempo dos Filipes, pp. 220-221.

53 Schaub, Jean-Frédéric, Le Portugal au temps du Comte-Duc d´Olivares (1621-1640). Le conflit de juridictions comme exercice de la politique, Madrid, Casa de Velázquez, 2001. Um apontamento sobre o projecto do conde-duque de unir os Bragança com os Medina Sidónia, em Raposo, Hipólito, Dona Luísa de Gusmão, duquesa e rainha, 1613--1666, Lisboa, 1947; também Cardim, Pedro, «Los Portugueses frente a la Monarquia Hispánica», António Alvarez--Ossorio Alvariño e Bernardo J. Garcia Garcia dirs., La Monarquía de las Naciones. Pátria, nación y naturaleza en la Monarquía de España, Madrid, Fundación Carlos de Amberes, 2004, p. 372.

54 [Papel] «tocante al Marqués de Castel Rodrigo», BNE, Ms. 18722, fols. 213r-214r.

55 Elliott, op. cit., pp. 313-315. Manuel de Faria e Sousa, que foi secretário de dom Manuel, acusava na sua Fortuna o que tinha sido o seu protector de ter conspirado durante a doença do monarca para, no caso de este morrer, se apoderar das rédeas do governo, tutelando a regência que a rainha Isabel exerceria em nome da sua filha, a infanta Maria. Veja-se Sousa, Manuel de Faria e, The «Fortuna» of Manuel de Faria e Sousa. An autobiography, Edward Glaser ed., Münster Westfalen, Aschendorffsche Verlagsbuchhandlung, 1975, p. 190.

56 Sousa, Fortuna, p. 195.

57 «Finalmente a 27 del passato partì di Corte alla volta di Portogallo il Marchese di Castel Rodrigo [Manuel de Moura y Corte-Real] figliuolo di don Cristoforo di Mora già ministro favorito del re Filippo secondo. Il pretesto esteriore è stato per sollecitare un armata di galeoni per difesa dell’Indie di quella Corona et negoziare con il Regno una grossa contribuzione per tal’effetto. Ma la sustanza à stata levarlo di Palazzo, mostrandogli particolare favore l’Infante don Carlo. Questa risoluzione ha fatto parlare assai per la Corte…», Madrid, 12 de Junho de 1628, carta do embaixador toscano Averardo di Raffaello de Medici di Castellina ao secretário Dimurgo Lambardi, ASF, Fondo Mediceo del Principato, filza 4956, fol. 123. Apesar do profundo ressentimento e antipatia patenteada pela autobiografia de Manuel de Faria e Sousa, muito provavelmente para justificar perante as autoridades do Portugal Restaurado a sua obediência forçada a um nobre traidor ao seu rei natural, D. João IV, este texto reflecte com inusitado detalhe a vida pública e privada de dom Manuel de Moura e Corte Real, segundo marquês de Castelo Rodrigo, uma figura política de singular importância e que exige um estudo amplo e profundo. Veja-se Sousa, Fortuna, p. 195. Uma aproximação ao elevado gosto arquitectónico de dom Manuel em Gomes, Paulo Varela, Arquitectura, Religião e Política em Portugal no século XVII. A Planta Centralizada, Porto, Faculdade de Arquitectura, 2001.

58 Silva, José Justino de Andrade e: Collecção Chronologica da Legislação Portugueza, 1627-1633, Lisboa, 1855, p. 127. Disponível no sítio www.iuslusitaniae.fcsh.unl.pt. Também Sousa, Fortuna, p. 194.

59 Sousa, Fortuna, p. 203.

60 A 23 de Agosto de 1624 o rei ordenou a concessão da comenda-mor de Alcántara a Olivares, a troco da cedência a Moura da comenda de Cristo, mudando igualmente de hábito; assim o confirma Gascón de Torquemada, op. cit., p. 200. O marquês recebeu a sua por mercê real, datada em Lisboa, a 13 de Janeiro de 1625, BA, 51-IX-8, fols. 34r-v.

61 Sobre esta fecunda relação se ocuparam Wittkower, Rudolf, «Il Marchese di Castel Rodrigo ed il Borromini», Studi sul Borromini. Atti del Convegno promosso dall´Accademia Nazionale di San Luca, vol. I, Roma, 1967, 40-43; e Connors, Joseph, «Borromini and the Marchese de Castel Rodrigo», Burlington Magazine, CXXXIII (1991), pp. 434-40. O relato de Faria e Sousa sobre a estadia de Castelo Rodrigo em Roma é imprescindível para se avaliar aquela longa missão diplomática; veja-se Sousa, Fortuna, pp. 236-375.

62 Sabatini, Gaetano, «La comunità Portoghese a Roma nell´età dell´unione delle Corone (1580-1640)», Roma y España. Un crisol de la cultura europea en la Edad Moderna, Carlos José Hernando coord., vol. II, Madrid, Sociedad Estatal para la Acción Cultural Exterior, 2007, pp. 847-874.

63 Gomes, art. cit. pp. 361-365.

64 Foi o marquês, nas palavras de Elliott e Brown, que «se lleva la palma entre los contendientes al honor de haber patrocinado los paisajes del Retiro», ver: Brown, Jonathan y Elliott, John H., Un Palacio para el Rey. El Buen Retiro y la corte de Felipe IV, Madrid, Taurus, 2003, pp. 129-131; e «The Marquis of Castel Rodrigo and the landscape paintings in the Buen Retiro», Burlington Magazine, 129 (1987), pp. 191-192.

65 Veja-se García Cueto, David, «Mecenazgo y representación del Marqués de Castel Rodrigo durante su embajada en Roma», Hernando, op. cit., vol. II, pp. 695-716. A capela ficou inacabada. Assim a viu Cosme de Médicis quando visitou Lisboa em 1669: «Vi è una Cappella imperfetta de Marchesi di Castel Rodrigo destinata per sepolcro gentilizio della Casa», em Viaje de Cosme de Médicis por España y Portugal (1668-1669), Ángel Sánchez Rivero e Ángela Mariutti de Sánchez Rivero, eds., Madrid, s. a., pp. 278-279.

66 Wagner, op. cit., pp. 29, 48-49 e 186-188.

67 Francisco de Melo ao Castelo Rodrigo, datada em Regensburg, a 4 de Fevereiro de 1641, AHN, Estado, leg. 90, fol. 207r.

68 Carta ao marqués de Castelo Rodrigo, Regensburg, 5 de Fevereiro de 1641, AHN, Estado, libro 115, fol. 54r.

69 Carta de Castelo Rodrigo ao Venerável frei Tomás de la Virgen, Nápoles, 27 de Fevereiro de 1641, em Martínez Val, José María y Peñalosa, Margarita eds., Un epistolario inédito del reinado de Felipe IV (Correspondencia del Venerable Fray Tomás de la Virgen), Ciudad Real, CSIC, 1960, carta 107, p. 91.

70 AHN-NT, Fernán Núñez, C. 2297, D. 11; veja-se também Gomes, art. cit, pp. 351-376.

71 Através do «Livro de toda fazenda, e rendas do Marques de Castel Rodrigo, meu senhor» de 1630, fica-se com uma noção do imenso património de que gozavam os Moura em Portugal, BNP, Sala de Reservados, Cod. 3377. Devo esta informação à cortesia do professor Nuno G. Monteiro.

72 O terceiro marquês Francisco de Moura calculava, num memorial dirigido a Carlos II, que tinha «perdido por el servicio de V. M. y no apartarnos de sus reales pies con mi Casa en Portugal más de sesenta mil ducados de rentas», [Madrid], 22 de Novembro de 1675, RAH, Colección Salazar y Castro, U-6, fols. 274r-275v. Valor também fornecido por Lourenço, Maria Paula Marçal, A Casa e o Estado do Infantado, 1654-1706, Lisboa 1995, 31. Numa relação de patrimónios nobiliárquicos estimava-se em 40.000 ducados as rendas anuais dos Castelo Rodrigo em Portugal, o que a situava entre as mais ricas do reino, apesar de abaixo de outras como os duques de Aveiro (70.000) e os Bragança (200.000), BNP, Sala de Reservados, Cod. 7641, fol. 53.

73 O conde solicitou ao rei D. João IV licença para enviar Manuel de Freitas para cobrar «os rendimientos dos armazeus e casas do dito Marqués, auzente em Castela», Lisboa, 11 de Abril de 1652, BA, 51-IX-8, fols. 41r-v.

74 Valladares, La rebelión de Portugal, p. 40; veja-se também Costa e Cunha, op. cit., pp. 115-124. Veja-se, sobre este tema, o trabalho de Wagner, op. cit., pp. 155-213.

75 Em 1642 D. João IV incorporou na Coroa os patrimónios e jurisdições das Casas desleais (Castelo Rodrigo, Caminha-Vila Real, Porto Seguro, Tarouca, Assumar, Lumiar, Figueiró, Armamar, Basto e Arcos); veja-se Lourenço, op. cit., p. 31. «Decreto de 15 de Março de 1642 - Manda que sejam incorporadas na Coroa as Jurisdicções, Padroados etc do Marquez de Castello-Rodrigo, que andava em Alemania em desserviço d´El Rei», Silva, op. cit., 1856, 140; o marquesado de Castelo Rodrigo foi abolido em Portugal pouco tempo depois, tal como o condado de Lumiares, veja-se Sousa, António Caetano de, Memorias históricas e genealogicas dos Grandes de Portugal, Lisboa, Regia Officina Sylviana e da Academia Real, 1755, pp. 413 e 704-707.

76 «Decreto de 15 de Março de 1652 – Manda incorporar na Coroa os bens do Marquez de Castello-Rodrigo, como rebelde», Silva, op. cit., 1856, p. 97.

77 Carta do duque de Montalto ao marquês de Castelo Rodrigo, el Real de Valencia, 4 de Junho de 1658, AHN, Estado, libro 104, sem numeração.

78 Cfr. Bouza, Fernando, «Entre dos reinos, una patria rebelde. Fidalgos portugueses en la Monarquía Hispánica después de 1640», Estudis. Revista de Historia Moderna, 20 (1994), pp. 83-103 e Valladares, art. cit., pp. 133-147.

79 Madrid, 10 de Abril de 1648, AGS, Consejo de Hacienda, leg. 928, sem numeração. Agradeço a Rafael Valladares a sua generosidade por me fornecer esta referência.

80 Roma, 14 de Julho de 1646, AHN, Estado, legajo 1153, sem numeração.

81 Carta do duque de Medinaceli ao de Montalto, El Puerto de Santa María, 29 de Fevereiro de 1658, cópia, AHN, Estado, libro 104, sem numeração. Neste mesmo sentido aponta Schaub: «pode perfilar-se como o protótipo da nobreza filipina mais castelhana do que verdadeiramente portuguesa no desenrolar das suas carreiras e nas suas afinidades», Schaub, Jean-Frédéric, Portugal na Monarquia Hispânica (1580-1640), Lisboa, Livros Horizonte, 2001, p. 47.

82 Sobre as primeiras cópias manuscritas, a princeps de 1640 e a posterior, realizada por Manuel de Faria e Sousa em Madrid, em 1646, veja-se Bouza, F., Corre manuscrito. Una historia cultural del Siglo de Oro, Madrid, Marcial Pons, 2001, pp. 78-80. Referências aos Moura na edição madrilena de 1646 de Faria, que incluía notas de Lavanha, o marquês de Montebelo e Álvaro Ferreira de Vera, pp. 334-335, 575, 596 e 662. O Nobiliario del conde de Barcelos tinha sido, durante vários séculos, e nas palavras de Rodrigues Lapa, «o livro mais útil e mais consultado da Península, exceptuada a Biblia», veja-se Paredes Núñez, Juan, «Comparativismo e interdisciplinariedad. En torno a los nobiliarios medievales portugueses», Filología Románica, 8 (1991), pp. 171-176.

83 Cópia da carta do marquês de Castelo Rodrigo a D. Filipe III, Viena, 3 de Setembro de 1642, BNE, Ms. 1440, fols. 228r-231r.

84 Cópia da carta de D. Filipe III ao marquês de Castelo Rodrigo, Saragoça, 28 de Março de 1644, ibidem, fols. 232r-v.

85 Bouza, Fernando, «El pintor en la Luna. Un episodio de la fama de Rubens en la cultura internacional del Barroco», In sapientia libertas. Escritos en homenaje al profesor Alfonso Pérez Sánchez, Madrid-Sevilla, Museo del Prado y Fundación Focus-Abengoa, 2007, pp. 349-352.

86 «Título de duque de Trani a favor de don Manuel Mora e Corterreal, marqués de Castel Rodrigo», 14 de Agosto de 1646, AGS, Consejo de Italia, Secretaría de Nápoles, Libro 206, 21.

87 A quinta tinha pertencido ao marquês de Camarasa, dom Manuel de los Cobos y Luna, que ampliou a propriedade em 1641. À data da sua morte, em 1646, deixou como herdeiro o convento de franciscanas descalças de Ángel de Granada, onde a sua filha María de las Llagas professava como abadessa. Finalmente, a 14 de Setembro de 1646, o conde de Lumiares comprou a propriedade por catorze mil ducados. Remetemos para o estudo de Fernández Talaya, María Teresa, El Real Sitio de La Florida y La Moncloa. Evolución histórica y artística de un lugar madrileño, Madrid, Fundación Caja Madrid, 1999, pp. 49-53.

88 O inventário dos seus bens reflecte o alto grau do seu refinamento artístico. Nele são mencionados mais de meio milhar de pinturas das escolas espanhola, portuguesa, italiana e flamenga, taxadas pelo pintor Francisco Rizzi, para além de uma valiosa colecção de esculturas de bronze, com 39 obras, e mármore de procedência italiana. Veja-se Barrio Moya, José Luis, «Las colecciones de pintura y escultura de don Francisco de Moura, tercer Marqués de Castel Rodrigo (1675)», Boletín de la Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, 82 (1996), pp. 295-332.

89 «Puedo decir que si estuviesse ahí otro embajador no me hubiera ajustado a quedar sin el mejor Arquiteto de Italia», carta do marquês de la Fuente ao conde de Lumiares, Veneza, 2 de Agosto de 1651, AHN, Estado, libro 115, fol. 229r.

90 Valladares, Rafael, La rebelión de Portugal, pp. 88-89. Agradeço ao autor as informações fornecidas sobre as relações entre Haro e Moura.

91 Malcolm, Alistair, «La práctica informal del poder. La política de la Corte y el acceso a la Familia Real durante la segunda mitad del reinado de Felipe IV», Reales Sitios 147 (2001), pp. 38-48.

92 Cópia de seu codicilo, Madrid, 26 de Janeiro do 1651, BAM, V.N. 201, sem foliar.

93 Devido à oposição das populações, o processo prolongou-se até 1654, data em que se despachou o título de duque de Nochera, vacante depois da morte do seu último titular, Francesco Maria Carraffa. A tomada de posse teve lugar seis anos mais tarde. Sobre o tema veja-se Falcó Tribulzio, op. cit., XV-XVII e Mateu Ibars, Josefina, «Feudos italianos en la intitulación de los Marqueses de Castel-Rodrigo», Homenaje a Jaime Vicens Vives, vol. II, Barcelona, 1967, pp. 389-393.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Santiago Martínez Hernández, « Os marqueses de Castelo Rodrigo e a Nobreza portuguesa na monarquia hispânica: estratégias de legitimação, redes familiares e interesses políticos entre a agregação e a restauração (1581-1651) », Ler História, 57 | 2009, 7-32.

Referência eletrónica

Santiago Martínez Hernández, « Os marqueses de Castelo Rodrigo e a Nobreza portuguesa na monarquia hispânica: estratégias de legitimação, redes familiares e interesses políticos entre a agregação e a restauração (1581-1651) », Ler História [Online], 57 | 2009, posto online no dia 01 Junho 2016, consultado no dia 23 Outubro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1807 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1807

Topo da página

Autor

Santiago Martínez Hernández

Centro de História de Além-Mar – FCSH-UNL / FCT

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org