Navegação – Mapa do site
Estudos

A história entre os inimigos do evento e os advogados da estrutura

L’histoire entre les ennemis de l’événement et les avocats de la structure
The history between the enemies of the event and the lawyers of the structure
Mateus H. F. Pereira
p. 59-71

Resumos

O artigo reflecte sobre a relação entre evento e estrutura ao longo do século XX, enfatizando a historiografia francesa. Considerando que o evento ganhou, desde os anos 1970, uma nova legitimidade como objecto histórico, procura-se superar a dicotomia entre evento e estrutura presente, por exemplo, na obra de Fernand Braudel a partir das considerações inovadoras de Paul Ricoeur e Reinhart Koselleck. Propõe-se um conceito de evento que poderia vir a ser utilizado pelos trabalhos históricos tendo em vista as reflexões de Michel de Certeau e Marschal Salhins.

Topo da página

Entradas no índice

Palavras chaves :

historiografia, estrutura, evento
Topo da página

Texto integral

  • 1 Esse artigo é uma versão modificada de partes da minha tese de doutorado em História denominada A M (...)
  • 2 Hartog, François, Régimes d’Historicité. Présentisme et expériences du temps, Paris, Seuil, 2003, p (...)

1Em 1972, o historiador Pierre Nora afirmou que a mídia tornou-se capaz, ao ocupar o espaço do historiador positivista, de controlar a produção dos eventos, transformando-os em monstros1. Passados trinta anos, François Hartog, procurando definir nosso presente histórico, retomou a mesma problemática e afirmou: «tais são os principais aspectos desse presente multiforme e polifônico: um presente monstro. Ele é ao mesmo tempo tudo (não há nada além do presente) e quase nada (a tirania do imediato)»2. A economia mediática do presente não pararia, nesse sentido, de produzir e consumir o evento através da particularidade de seu olhar: no momento em que o acontecimento emerge, ele já é observado como histórico, como passado.

2Tendo em vista essas considerações e o fato de que o evento ganhou, desde os anos 1970, uma nova legitimidade como objeto da história, pretende-se refletir sobre a relação entre evento e estrutura procurando reconstruir a forma como o conhecimento histórico tratou o tema do evento ao longo do século XX. Para tal, enfatizaremos a historiografia francesa por sua importância no cenário mundial no século XX.

Escola Metódica e história «acontecimental»

  • 3 Ver Delacroix, Christian; Dosse, François; Garcia, Patrick, Les Courants Historiques en France XIX- (...)

3Em 1894, Paul Lacombe, em De l’histoire considérée comme science, afirmou que para a história se tornar uma ciência, ela deveria eliminar os eventos, o caráter singular único e individual. Em 1903, François Simiand, em Méthode historique et science sociale, apropriou-se da obra de Lacombe para criticar o principal historiador dito «positivista» ou metódico: Charles Seignobos. Na década de 1920, esse combate proposto por Simiand foi apropriado pelos fundadores da escola dos Annales: Marc Bloch e Lucien Febvre3. O objetivo era criar uma história total que fosse ao mesmo tempo uma história-problema.

  • 4 Nossa abordagem dessa escola e desse debate é parte de uma leitura pessoal dos seguintes autores: L (...)

4No caso francês, ao final do século XIX, quando a história estava institucionalizada e profissionalizada, foi iniciada uma contestação ao positivismo ou, mais adequadamente, à escola metódica4. O ataque inicial a esta forma de fazer história partiu, em boa medida, da sociologia, em especial dos durkheimianos. François Simiand afirmou que os «novos» historiadores deveriam abandonar os três ídolos da «tribo dos historiadores positivistas»: a política, o individual e a cronologia. Em vez dos indivíduos, deveria-se estudar, de preferência de forma comparativa, as instituições e os fenômenos sociais. O estudo cronológico se perderia na busca das origens e do particular sem se ater em causas mais profundas e, por isso, a história deveria, ao contrário, ser regressiva, realizando o inverso do procedimento cronológico. A proposta era, portanto, partir do individual para o coletivo, do particular para o geral, da monografia para o método comparativo. Para que a história se tornasse uma ciência, ela deveria se dedicar ao estudo das regularidades, fixando-se na economia e no social.

  • 5 Prost, Antoine, Op. cit.

5Nos anos 1980 e 1990, parte da crítica aos historiadores metódicos recebeu um novo exame. Nessa releitura, percebeu-se que eles não acreditavam em um progresso contínuo e universal da humanidade. Eles não eram tão deterministas como se pensava, pois não viam uma causa permanente inerente ao conjunto da humanidade. Os textos dos historiadores ditos «positivistas» poderiam ser lidos a partir dos públicos visados e dos usos desejados. Examinando a produção de Charles Seignobos, Antoine Prost afirmou que uma parte desse público era formada por estudantes e outra por acadêmicos5. Nos discursos direcionados aos estudantes e aos professores, (re)afirmava-se a importância da aplicação rigorosa do método histórico para garantir a cientificidade histórica.

  • 6 Gérard Noiriel destaca que a «história acontecimental» (ou événementielle) foi considerada o «momen (...)

6A crítica dos Annales se dirigiu a esses discursos. Porém, o culto ao documento deveria ser entendido dentro de uma perspectiva de formação do campo de historiadores, tendo em vista a profissionalização do ofício. Era necessária a distinção entre a história e a literatura para sua constituição profissional. Nas análises endereçadas aos acadêmicos, Seignobos colocava em relevo, no entanto, o papel da subjetividade e do tratamento para com a documentação. Para o historiador citado, a história era uma «ciência» que se constituiu indiretamente a partir de traços. O dito «positivista» afirmava que era necessário interpretar o documento, pois ele não falaria por si mesmo. Os fatos não eram diretamente acessíveis, sendo necessário utilizar mediações. O erro de Seignoblos consistiu, segundo Prost, em crer que o ensino e a pesquisa seguiam a mesma lógica. No entanto, em certa medida, os argumentos subjetivistas de Seignobos se parecem com as críticas destinadas ao cientificismo da escola dos Annales nos anos 1960-19706.

  • 7 Ricoeur, Paul, Op. cit., 1985, pp. 349-372.
  • 8 Reis, Jose Carlos, Op. cit., 1996, pp. 24-25.

7De todo modo, é preciso realçar que as obras desses autores contêm postulados mínimos que as unem. Essencialmente, trata-se de uma concepção unitária da temporalidade. Talvez os princípios filosóficos do «conceito de tempo» da «escola metódica» estejam próximos daquilo que Paul Ricoeur denominou de «tentação hegeliana»7. Concordamos que, para os ditos «positivistas», os eventos só poderiam ser compreendidos se inseridos em um continuum que tivesse um determinado sentido8.

  • 9 Ver Rémond, René, Por uma História Política, Rio de Janeiro, FGV, 1996.

8Em grande medida, as críticas endereçadas à história dita «positivista» visavam questionar a história política. A partir daí surge um debate, ainda não terminado, que discute a importância da política como elemento central para a compreensão da história das sociedades. Para René Rémond, a «antiga» forma de escrever a história política era a própria imagem e o exemplo perfeito da história dita factual, «acontecimental» (ou événementielle), pois ficaria na superfície, esquecendo-se de vincular os acontecimentos às suas «causas profundas». A história dos fatos políticos se mostrava, então, como uma história do efêmero e do instante. Ignorava-se a pluralidade dos ritmos que caracterizam a história política. O «retorno ao político» da história deveria, assim, inserir a política no jogo da continuidade e da mudança9.

Fernand Braudel e a recusa ao evento

9Esse «retorno» a um dos «ídolos» do historiador «positivista», o político, acabou por contribuir para o retorno de outro «ídolo»: o «evento». A recusa e o «retorno» do acontecimento têm, assim, uma historicidade. No início do século XX, os historiadores, posteriormente agrupados pelos Annales, tentaram se distanciar da «história acontecimental». Para que a história se tornasse ciência, acreditava-se que ela deveria sair do conhecimento centrado no parcial, no individual e buscar as regularidades. Para que ela se tornasse explicativa, deveria ir em direção à longa duração, a uma história no limite «imóvel».

  • 10 Fernand Braudel institui a temporalidade no estruturalismo. Ver Reis, Jose Carlos, História & Teori (...)

10Provavelmente Fernand Braudel foi um dos historiadores que mais teorizou a recusa ao evento. Esse autor entendia que para tornar-se explicativa, a história deveria ir ao encontro da longa duração, a uma história no limite «imóvel». Desse modo, ele propôs uma problemática do tempo histórico, ao sistematizar uma certa relação com a temporalidade que os historiadores e/ou cientistas sociais, de alguma forma, já vinham fazendo. Ele decompôs a temporalidade histórica em várias temporalidades, durações e ritmos10. Apesar do fato de que a recusa ao evento é aprofundada ao longo de sua trajetória de pesquisador, foi no prefácio do seu livro sobre o Mediterrâneo, de 1946, que ele esboçou, pela primeira vez, sua reflexão. Para o historiador francês, era a dialética entre o tempo da estrutura (história das durações, quase imóvel, dos ciclos, da geografia), da conjuntura (história de um tempo médio, ritmada pelas «vagas» do fundo do mar, as guerras, os Estados, as sociedades) e do acontecimento (história dita tradicional, factual, individual, agitação de superfície, fruto de oscilações breves, rápidas e nervosas) que formariam a temporalidade histórica.

  • 11 Antoine Prost destaca que a divisão entre «causas imediatas ou superficiais» e «causas profundas» i (...)
  • 12 Braudel, F., Ecrits sur l’Histoire, Paris, Flamarion, 1969, pp. 11-13.

11Apesar da dimensão dialética, percebe-se uma hierarquização, pois o evento é apenas uma manifestação de «causas» mais profundas11. Segundo Braudel, esta temporalidade «acontecimental» é a mais apaixonante, a mais rica em humanidade – e também a mais perigosa. No referido prefácio, ele conclamou os historiadores a desconfiarem do evento, principalmente na contemporaneidade, pois nela os homens o sentiram, o viveram e o descreveram. O acontecimento seria tão efêmero como nossa vida12. Braudel propôs dividir a história em pedaços e andares (o evento seria, neste caso, o térreo). O tempo histórico seria, na verdade, um tempo geográfico, social e individual.

  • 13 Ibidem, pp. 18-19.
  • 14 Ibidem, pp. 41-83.
  • 15 Dosse, François, Empire du Sens: l’humanisation de la sciences humaines, Paris, La Decouvert, 1995, (...)

12Em sua aula inaugural no Collège de France, em 1950, ele afirmou que a «história positivista» (sua referência direta é Seignobos) pode ser comparada ao trabalho de um pintor que acredita registrar verdadeiramente uma paisagem e, por isso, ele se agarra ao evento13. Em seu famoso artigo de 1958 sobre a longa duração, Braudel reafirmou que era preciso desconfiar da história factual. Só a dialética das durações (do tempo curto, médio e longo) permitiria ao historiador sair dos riscos de uma «história acontecimental»14. Em boa medida o projeto de Braudel, e de vários seguidores que se aprofundaram na recusa ao acontecimento é, segundo François Dosse, aprisionar o evento na curta duração15.

  • 16 Citado em Leduc, Jean, Les Historiens et le Temps, Paris, Points-Seuil, 1999, pp. 42-43.
  • 17 O autor destacou ainda: «F. Braudel n’était pas dupe, qui savait mieux que personne la pluralité in (...)

13Em 1985, Jacques Revel declarou que mesmo Braudel não foi capaz de articular as diversas temporalidades: «ele não conseguiu completamente integrar os três tempos, com exceção no domínio econômico. Eu teria a tendência a pensar que não há três temporalidades, mas cada tipo de objeto inscrito em temporalidades, que é necessário tentar reconstruir»16. Segundo Antoine Prost, as hierarquizações temporais poderiam ajudar os historiadores a articular diferentes tempos uns em relação aos outros. Essa foi a tentativa de Fernand Braudel. Porém, a divisão de sua tese em três partes, que o levou a pensar em três tempos, seria, na verdade, fruto das regras tradicionais da retórica da academia francesa17.

Paul Ricouer e Reinhart Koselleck: evento e estrutura são interdependentess e estão em tensão

14Do nosso ponto de vista, entendemos que, em grande medida, o problema epistemológico que o percurso que fizemos até aqui nos coloca se traduz através da seguinte questão: faz sentido pensar evento e estrutura em termos de oposição? Pensamos que não.

  • 18 Pomian, Krzysztof, «Evento», Enciclopédia Einaudi, vol. 29, Tempo/temporalidade, Lisboa, INCM, 1993 (...)
  • 19 Ibidem.

15Analisando a escrita da história, Krzysztof Pomian afirmou que há três tipos de discurso sobre os eventos: o primeiro incide sobre os que se produzem na esfera de visibilidade comum aos autores e aos leitores do discurso; o segundo, sobre os que se produzem na esfera de visibilidade dos autores do discurso, mas que para os leitores pertencem ao campo do invisível; e o terceiro, sobre os que pertencem ao campo do invisível tanto para os leitores quanto para os autores. Derivam daí três tipos de história: «uma história contemporânea, uma história do passado próximo, uma história do passado remoto»18. Sendo assim, para esse autor o relato dos eventos no mundo contemporâneo «é apanágio do jornalista, que desempenha a função do antigo cronista, notando os eventos à medida que se verificam. É também apanágio do historiador-escritor, que conta a um vasto público os eventos sucedidos no passado». Ambos satisfazem uma necessidade vital: conhecer o que aconteceu ontem, há cem anos ou mesmo há vários milênios. «Uma vez que o relato dos eventos nunca é (...) uma simples descrição de mudanças percebidas, o jornalista e o historiador-escritor dão também um significado àquilo que falam, satisfazem a necessidade de atribuir um sentido ao mundo»19.

  • 20 Hartig, François, Op. cit.

16Tendo em vista essas questões e as mudanças ligadas à emergência do presentismo, que caracterizam o presente do historiador20, novas teorizações sobre o acontecimento contribuíram para essa inflexão em direção ao seu estudo e, sobretudo, para questionar a dicotomia entre evento e estrutura. Destacamos os trabalhos de Paul Ricoeur e Reinhart Koselleck. As reflexões desses autores nos permitem pensar a relação entre a história, o evento e a estrutura, em uma perspectiva teórica não dicotômica.

  • 21 Segundo Pomian: «tratamos do problema das relações entre a esfera da visibilidade e o campo do invi (...)

17As reflexões de Paul Ricouer e Reinhart Koselleck contribuíram exatamente para mostrar que não se trata de opor estrutura e evento, e sim de pensá-los em termos de uma tensão. Os dois autores questionaram o divórcio construído, no século XX, entre uma história que conta os eventos e outra que não se interessa por eles21.

  • 22 Ricoeur, Paul, Op. cit., 1985.
  • 23 Ricoeur, Paul, «Evénement et sens», Raisons Pratiques, Paris, EHESS, n.º 2, 1991.

18Toda obra narrativa tem uma exigência de verdade relativa ao caráter temporal da experiência humana, como mostrou Paul Ricoeur22. O tempo torna-se humano na medida em que ele é articulado de forma narrativa. Esse autor denunciou, na década de 1980, os «riscos» do «eclipse» do evento e da narrativa no conhecimento histórico. A promoção do acontecimento é inseparável da afirmação de que não há enunciação histórica que não passe pela construção de uma narrativa na qual o evento assuma o duplo papel daquilo que acontece e do que é inscrito nas transformações da ordem do tempo. Para o filósofo, há uma indissociabilidade lingüística e ontológica na constituição do evento23. Em um determinado sentido da linguagem, o evento é aquilo que acontece, ato de palavra e narratividade do discurso histórico. Ele não é força, ruptura e nem banalidade, é um fundamento da identidade narrativa.

  • 24 A este respeito Carlos Alberto Vesentini afirma que «para a memória do fato apresentar-se (...) e p (...)

19O evento está na fronteira da linguagem e da ação na medida em que é necessário contar o acontecido para lhe dar sentido. Nesse processo, é necessário classificar, caracterizar e colocar o novo em relação a uma determinada ordem instituída. Como o tempo em nossa sociedade é, em grande medida, entendido como uma sucessão, é necessário localizar o evento em uma ordem de antes e depois. Ele está em uma relação de simultaneidade ou sucessão no interior de um tempo único. O sentido do evento irá se construir e se reconstruir nas lembranças, nas mídias, nas artes, nas aulas de história ou nos livros dos historiadores24.

  • 25 Ricoeur, Paul, «Evénement et sens», Ob. cit., 1991.
  • 26 Ver, também, Dosse, François, Op. cit. Comentando esse texto Paul Ricoeur, François Dosse afirma qu (...)

20Procurando reconciliar continuidade e descontinuidade, Paul Ricoeur distinguiu três possibilidades de se compreender o evento: 1) infra-significativa (que podia ser ilustrada pela história dita tradicional que não se abre para o imponderável); 2) «não-acontecimental» (que podia ser ilustrada pela «história científica» dos anos 1960-1970) e 3) supersignificativa (síntese dialética das duas possibilidades anteriores)25. O primeiro nível corresponde ao espaço descritivo do que aconteceu através da evocação da surpresa. O segundo nível propõe enquadrar o evento no interior de esquemas explicativos relacionando-o com leis e regularidades. Para Ricouer, uma síntese dialética dessas duas formas de analisar o evento nos permite perceber que toda narrativa nos reenvia ao evento como fonte da fecundidade histórica. É necessário interrogar o porquê de se escolher alguns eventos fundadores. Desse modo, alguns acontecimentos de origem, fictícios ou não, tornam-se constitutivos porque a narração se torna parte de uma certa identidade positiva (Bastilha ou 1989) ou negativa (Auschwitz ou 1914 e 1964). Trata-se de um terceiro momento interpretativo, de compreensão e explicação do evento como emergência, mas sua significação está contida no processo interpretativo. O evento não pode ser reduzido, assim, ao sentido explicativo nem à ausência de sentido (via seu confinamento a leis e macro explicações); ele engendra sentido por ele mesmo26.

  • 27 Koselleck, Reinhart, Le Futur Passe: contribution à la sémantique des temps historiques, Paris, EHE (...)

21Reinhart Koselleck, por sua vez, afirmou que não existe uma «cronologia natural». A construção de uma cronologia, sua estruturação e sua constituição revelam dados sobre o trabalho do historiador e dos atores que ele quer analisar27. Os acontecimentos e as estruturas têm vida própria, mas são também interdependentes. Podemos compreender a história tanto pela explicitação das estruturas como pelos eventos, pois, para esse autor, acontecimento e estrutura vivenciam uma constante tensão e interdependência. Concordamos com Reinhart Koselleck que é fundamental estabelecer algum tipo de relação entre evento e estrutura, sem apagar as especificidades de cada esfera. Em torno de um evento há uma multiplicidade de níveis de temporalidade, de experiência e de conceituação.

22O evento é, assim, fruto da tensão entre um campo de experiência e um horizonte de expectativa, uma tensão que define um regime geral de historicidade que caracteriza as experiências históricas concretas e singulares dos atores, individuais e coletivos. Em outras palavras, o evento se situa na tensão interna entre os dois conceitos metahistóricos, o de campo de experiência e o de horizonte de expectativa, pois é importante pensar nas condições de possibilidade do acontecimento a partir de conceitos estruturantes e estruturados, partindo-se de situações singulares. O acontecimento é irredutível, na medida em que é fruto da multiplicidade das durações históricas. Ele não revela unicamente um certo contrato de enunciação, há também uma exigência de tipo cognitivo, pois é constituído por um «nó» de temporalidades atualizadas em um momento dado. É nesse entrecruzamento de durações que se ancora a dinâmica histórica dos atores que se movimentam em várias temporalidades, na maioria das vezes, não lineares.

  • 28 Ibidem, pp. 138-139.

23Reinhart Koselleck ilustrou seu argumento a partir do exemplo da batalha Leuthen. Ele afirmou que as condições anteriores à batalha não explicam suficientemente porque Frédéric II a venceu da maneira como venceu. Nessa medida, evento e estrutura reconduzem um ao outro. A composição do exército, seu sistema de recrutamento, sua implantação dentro de um sistema agrário, o sistema fiscal, o caixa de guerra, os conhecimento táticos, as condições do adversário, as ações pontuais durante o conflito, a tradição militar, todos esses elementos devem ser considerados. Mas o desenvolvimento da batalha não pode ser contado e não adquire um sentido se não for por meio da cronologia. Como o evento se torna um símbolo, a história das conseqüências da batalha pode retornar a uma significação estrutural28.

  • 29 Para Krzysztof Pomian além dos acontecimentos e estruturas a história tem outras duas categorais te (...)

24Para o autor, os eventos são prisioneiros de um antes e de um depois, ligados à cronologia natural e empiricamente verificados. Porém, essa dimensão deve dialogar com a dimensão estrutural e conceitual, pois os eventos e as estruturas são, ao mesmo tempo, abstratos e concretos. É a conceituação que permite superar e compreender a massa de eventos e a singularidade de cada um. Os conceitos permitem, assim, sair da simples sucessão do tempo da história. Dessa maneira, um evento não se repete, ainda que se perceba uma repetição teórica, com situações e contingências semelhantes29.

O «retorno» do evento

  • 30 Dosse, François, Op. cit., pp. 337-341.
  • 31 Benjamin, Walter, «Teses sobre a História», in: Benjamin, Walter, Magia e técnica, arte e política (...)
  • 32 Dosse, François, Empire du Sens: l’humanisation de la sciences humaines, Paris, La Decouvert, 1995, (...)

25Segundo François Dosse, a tentativa das ciências modernas de romper com os determinismos evolucionistas contribuíram para que as ciências humanas, em geral, começassem, nos anos 1970 e 1980, a construir novas formas de temporalidade que privilegiavam o tema do evento: ele cria novas temporalidades, novas práticas e novos herdeiros30. Esse novo olhar sobre a questão do evento permitiu reabrir o horizonte de expectativa e imprimir um novo sentido à idéia de imprevisibilidade no presente/passado/futuro. Essa concepção descontinuísta da história, que privilegia o caráter irredutível do evento, conduziu ao questionamento de uma visão teleológica da Razão. A obra de Walter Benjamin, que insistia na atitude de se passar de um tempo da necessidade a um tempo dos possíveis, desempenhou um papel fundamental31. O presente é importante na medida em que o historiador é um mediador e o passado é a sua recriação. A história é inscrição em um presente que lhe confere uma atualidade nova, situada em uma configuração singular. Interpretar os eventos à luz do presente é diferente de procurar enquadrá-los em uma causalidade mecânica e factual32.

  • 33 Revel, Jacques, «Retour sur l’événement: un itinéraire historiographique», in: Fabiani, Jean-Louis (...)

26Desse modo, após a hegemonia das concepções braudelianas na década de 1970, percebe-se que a disciplina histórica experimentou um retorno progressivo aos estudos sobre o evento. Jacques Revel destaca três novas proposições sobre o acontecimento33. A primeira, muito ligada à moda dos anos 1970, consistiu em integrar o acontecimento a uma análise de tipo sistemática. Destaca-se um artigo de Edgar Morin para a revista Communications (n.º 18, 1972) sobre o assunto. A questão colocada por este autor dizia respeito à possibilidade de se compreender o acontecimento sem reduzi-lo a um elemento de um sistema. Contra o pensamento dominante de que não existiria uma ciência do particular, ele procurou compreender o papel reorganizador de alguns «eventos esfinge».

  • 34 Acreditamos que a melhor tradução do título desse texto seria «O Retorno do Evento».

27A segunda proposição destacou a importância de um fato em uma circunstância particular, historicamente datada, de produção, circulação e recepção da informação. Foi o que Pierre Nora denominou «evento monstro» no mesmo número da revista Communication em que escreveu Edgar Morin. A renomeação do artigo, dois anos depois, para «Retorno do Fato»34, na coleção Faire de l’Histoire, significou uma tentativa de reabilitação historiográfica. Na medida em que o evento é percebido e construído de forma imediata, o historiador deveria desconstruí-lo, procurando entender como as mídias o produzem.

28A terceira proposição foi uma tentativa de diferenciação, transformação e enriquecimento dos modelos dominantes nos anos 1970. Trata-se do livro de Georges Duby, Domingo de Bouvines. Duby pretendia estudar os traços duráveis ou deixados pelo evento, que conferiam existência ao fato fundador. O tempo curto era percebido como ocasião de uma crise excepcional, uma perspectiva do instante que se relaciona com estruturas profundas. O evento poderia a ser interrogado na longa duração a partir dos traços e apropriações ao longo do tempo.

  • 35 Revel, Jacques, Op. cit.

29Jacques Revel destacou que o «retorno do evento» não foi uma solução para substituir o fracasso da idéia de uma história científica35. Ele foi, sobretudo, um enriquecimento e um aprofundamento do debate aberto sobre a complexidade do tempo histórico e um ganho deste debate para o trabalho histórico – um debate em curso cujas respostas são múltiplas.

  • 36 Sobre esse ponto, ver Aron, Introduction à la philosophie de l’histoire, Paris, Gallimard, 1981. Co (...)
  • 37 Revel, Jacques, Op. cit.

30Assim, para esse historiador, há quatro boas razões para se pensar e estudar o acontecimento. A primeira é fruto da necessidade de se pensar a multiplicidade do tempo social em termos diferentes da hierarquização objetiva construída por Fernand Braudel. Não seria mais admissível, desse modo, sair, não perceber o evento em nome de durações mais importantes e significativas. A segunda, intimamente ligada à primeira, leva em consideração as incertezas nas quais todas as experiências sociais dos atores estão inseridas e envolvidas. Se o futuro porta uma marca essencial de imprevisibilidade, a explicação deve respeitar a natureza do evento para que se possa dar ao passado as incertezas do futuro36. Retomar os estudos sobre o evento significa construir uma passagem necessária para reabrir essa dimensão de incerteza e de possibilidades, sem que isso indique que ele se inscreva apenas na curta duração. A terceira razão para se pensar e estudar o acontecimento diz respeito à importância que ele adquire nas ciências sociais, hoje interessadas em caracterizar as formas e as razões da ação no passado e no presente. Por fim, a redescoberta do acontecimento está também ligada às reflexões em curso sobre a variação de escalas de observação e sobre as possibilidades de análises diferentes do social, advindas com esses novos olhares sobre o tema do evento37.

O conceito de evento

  • 38 Pomian, Krzysztof, Op. cit., pp. 214-235. Esse autor cita a passagem de alguns historiadores que il (...)

31Vários eruditos, filósofos e historiadores, ao longo dos tempos, procuraram atacar uma história reduzida à narrativa dos acontecimentos e reafirmaram que ela seria insuficiente. A oposição entre o relato dos acontecimentos e uma «verdadeira história» constitui um fenômeno de longa duração na historiografia. Haveria, então, uma «verdadeira história» ou pelo menos, um bom uso da história. No entanto, «a fronteira entre uma simples narrativa dos eventos e uma história considerada útil é, pois, variável e, por isso, o conteúdo da noção de eventos é também variável»38.

32Entendemos que um dos «nós» do debate atual sobre a relação entre evento e estrutura consiste na imprecisão do conceito de evento. A título de contribuição para esse debate, propomos recuperar o conceito de evento de Michel de Certeau e Marschal Salhins por entender que a forma como esses dois autores definem o conceito são complementares e são ferramentas possíveis de serem utilizadas por nós, historiadores.

  • 39 No original : «Un événement n’est pas ce qu’on peut voir ou savoir de lui, mais ce qu’il devient (e (...)
  • 40 Certeau, Michel de, Op. cit., 1994, p. 81.
  • 41 Certeau, Michel, A Escrita da História, Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1982, p. 103.

33Segundo Michel de Certeau, o evento é indissociável das opções que o fazem aparecer. Ele surge em lugares surpreendentes e modifica todo um coletivo de forma inesperada. O evento só ganha sentido na temporalidade: «um evento não é o que se pode ver ou saber sobre ele, mas aquilo que ele se torna»39. A temporalidade esclarece, explica e pode até mudar os sentidos do evento, que pode ser também, ao mesmo tempo, repetição e princípio ou novidade e princípio, dependendo de suas apropriações, interpretações40. O tempo, as apropriações, as interpretações futuras, e até mesmo a exumação, constroem os sentidos do evento, pois ele é um tecido que se recostura continuamente. Nesse sentido, o evento/acontecimento recorta para que haja inteligibilidade, ao passo que o fato preenche para que haja enunciados de sentidos: «O primeiro condiciona a organização do discurso; o segundo fornece os significantes destinados a formar, de maneira narrativa, uma série de elementos significativos. Em suma, o primeiro articula, e o segundo soletra»41.

34Essa concepção de que o evento é aquilo que se torna fica mais clara se pensarmos na definição de Marschal Salhins:

  • 42 Sahlins, Marschall, Ilhas de História, Rio de Janeiro, Zahar, 2003, p. 182 e 191.

«O surgimento de Cook, vindo de além do horizonte, fora realmente um evento sem precedentes, jamais visto antes. Mas, por assim abarcar aquilo que é realmente singular naquilo que é conceitualmente familiar, introduz o presente no passado. (...). Ou, em outras palavras, um evento não é somente um acontecimento no mundo; é a relação entre um acontecimento e um dado sistema simbólico»42.

  • 43 Sahlins, Marschall, Op. cit., p 14.

35Desse modo, o evento é interpretação da relação entre um acontecimento e um dado sistema simbólico e, por conseguinte, ele é aquilo que se torna, ou seja, o conceito de evento pode ser entendido como sendo aquilo que ele se torna e ao mesmo tempo como interpretação do que aconteceu. Entendemos que esse(s) conceito(s) poderia nos auxiliar em nossas pesquisas empíricas, além de ser útil para pensar evento e estrutura de forma interdepende e em tensão, como sugerem Paul Ricouer e Reinhart Koselleck. Dever-se-ia, portanto, ir em direção do que Salhins denomina de «a contingência de eventos e a recorrência de estruturas»43

  • 44 Bloch, Marc, Apologia da História, ou o ofício do historiador, Rio de Janeiro, Zahar, 2001.

36Marc Bloch, ao questionar a idéia da história como «ciência do passado», na medida em que não haveria entre o passado e o presente uma ruptura radical, afirma que no infinito da duração, o presente é sempre uma forma de passado. O tempo seria, deste modo, continuidade e mudança simultaneamente, sendo essa a contradição que torna possível o ofício do historiador44. Desse modo, não opor evento e estrutura pode ser uma forma interessante de exercer nosso ofício.

Topo da página

Notas

1 Esse artigo é uma versão modificada de partes da minha tese de doutorado em História denominada A Máquina da Memória: História, Evento e Tempo Presente no Almanaque Abril (1975-2006), defendida junto ao doutrorado em História pela UFMG sob orientação da professora doutora Eliana Dutra. Agradecemos o auxílio financeiro da CAPES e da FAPEMIG.
Nora, Pierre, «O retorno do fato», in: Le Goff, Jacques; Nora, Pierre, História: novos problemas, Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1979. Paul Ricoeur, comentando o texto «o retorno do fato», de Pierre Nora, afirmou: «et voilà l’événement – l’événement contemporain’ – rendu à regret aux dialectiques fomentées par les ennemis de l’événement, les avocats de la structure». Ricoeur, Paul, La mémoire, l’histoire, l’oubli, Paris, Seuil, 2000, p. 229. Do nosso ponto de vista, a existência, em português, de dois vocábulos (evento e acontecimento) não represente nenhuma vantagem epistemológica. Já «fato» é derivado do latim factum, da forma verbal facere, isto é, fazer. Sobre essas questões, ver Domingues, O Fio e a Trama, 1996. Sendo assim, traduzimos, ao longo desta tese, a palavra événement como «acontecimento» e «evento».

2 Hartog, François, Régimes d’Historicité. Présentisme et expériences du temps, Paris, Seuil, 2003, p. 217.

3 Ver Delacroix, Christian; Dosse, François; Garcia, Patrick, Les Courants Historiques en France XIX-XX siècles, Paris, Armand Colin,1999. Para uma análise que procura apreender as diferenças e semelhanças do pensamento de Marc Bloch e Lucien Febvre, ver Reis, José Carlos, Nouvelle Histoire e o tempo histórico: a contribuição de Fevre, Bloch e Braudel, São Paulo, Ática, 1994.

4 Nossa abordagem dessa escola e desse debate é parte de uma leitura pessoal dos seguintes autores: Langlois, Charles-Victor e Seignoblos, Victor, Introduction aux études historiques, Paris, Hachette, 1898; Bourdé, Guy; Martin, Hervé, Les Écoles Historiques, Paris, Seuil, 1983; Ricoeur, Paul, Temps et récit. 3 Le temps raconté, Paris, Seuil, 1985, pp. 349-372 ; Prost, Antoine, «Seignobos revisité», Vingtième siècle: revue d’histoire, Paris, Prese Science Po, n.º 43, 1994, pp. 100-118; Koselleck, Reinhart, L’expérience de l’histoire, Paris, Éhess-Gallimard-Seuil, 1997; Carrard, Philippe, Poétique de la Nouvelle Histoire: le discours historique français de Braudel à Chartier, Paris, Editions Payot Lausane, 1998; Delacroix, Christian; Dosse, François; Garcia, Patrick, Op. cit.; Reis, José Carlos, A História entre a Filosofia e a Ciência, São Paulo, Ática, 1996.

5 Prost, Antoine, Op. cit.

6 Gérard Noiriel destaca que a «história acontecimental» (ou événementielle) foi considerada o «momento fundador» da história contemporânea, sendo que a partir dela um grande campo de estudo foi formado. Essa história foi entendida, por exemplo, por Lucien Févre e Fernand Braudel como sinônimo de «história política» e «história tradicional». No entanto, Rayymond Aron, citado por Gérard de Noiriel, afirmou que «l’histoire événementielle est une notion obscure parce que utilisée de façon polémique par l’école des Annales pour disqualifier ceux qui la pratiquaient» (p. 33). Para Gérard Noiriel: «en condamnant l’histoire ‘événementielle’, les fondateurs des Annales refusent, en fait, d’accepter une conception de l’histoire rabattue sur sa dimension pédagogique. S’ils s’en prennent particulièrement à Charles Seignobos, c’est parce que, plus qu’aucun autre historien, il a entrenu la confusion entre les deux fonctions que doit remplir un universitaire : la recherche et l’enseignement» (p. 35). Sobre as disputas que envolvem o termo, ver Noiriel, Gérard, Qu’est-ce que l’histoire contemporaine?, Paris, Hachette, 1998, pp. 31-35. Ver também Charle, Christophe, Paris fin de siècle: culture et politique, Paris, Seuil, 1998.

7 Ricoeur, Paul, Op. cit., 1985, pp. 349-372.

8 Reis, Jose Carlos, Op. cit., 1996, pp. 24-25.

9 Ver Rémond, René, Por uma História Política, Rio de Janeiro, FGV, 1996.

10 Fernand Braudel institui a temporalidade no estruturalismo. Ver Reis, Jose Carlos, História & Teoria. Historicismo, Modernidade, Temporalidade e Verdade, Rio de Janeiro, FGV, 2003.

11 Antoine Prost destaca que a divisão entre «causas imediatas ou superficiais» e «causas profundas» implica em certo rompimento com o determinismo, pois se procura hierarquizar as causas. Sem romper com o pensamento causal, o autor sugere que talvez seja mais eficiente pensar em causas finais, materiais e acidentais, bem como nas condições de emergência do acontecimento. Prost, Antoine, Douze leçons sur l’histoire, Paris, Seuil, 1996, p. 171.

12 Braudel, F., Ecrits sur l’Histoire, Paris, Flamarion, 1969, pp. 11-13.

13 Ibidem, pp. 18-19.

14 Ibidem, pp. 41-83.

15 Dosse, François, Empire du Sens: l’humanisation de la sciences humaines, Paris, La Decouvert, 1995, p. 341. Para esse autor, o trabalho de Michel Foucault contribui fortemente para o retorno da temática do evento a partir de sua crítica radical a toda temporalidade continuísta. Foucault se auto-denominava «positivista feliz», na medida em que em vez de ir em busca das origens, ele procurava as descontinuidades e singularidades. Para Foucault: «l’histoire effective fait resurgir l’événement dans ce qu’il peut avoir d’unique et d’aigu». Citado em Dosse, François, Op. cit., p. 342.

16 Citado em Leduc, Jean, Les Historiens et le Temps, Paris, Points-Seuil, 1999, pp. 42-43.

17 O autor destacou ainda: «F. Braudel n’était pas dupe, qui savait mieux que personne la pluralité indéfinie des temps historiques. Si l’on veut conserver à la démarche braudélienne sa fécondité, il faut en retenir l’intention et la démarche plus que l’aboutissement. L’important est de tenir compte de la temporalité propre à chaque série de phénomènes dans la recherche de leur articulation.» Prost, Op. cit., 1996, pp. 121-122. O próprio Fernand Braudel, no prefácio à segunda edição de O Mediterrâneo, afirmou: «permanece contudo imutável o problema de fundo, deste como de qualquer outro trabalho histórico: será possível captar simultaneamente uma história em permanente transformação, vedete das suas próprias mudanças e dos seus espetáculos, e uma outra história, subjacente, mais silenciosa, discreta, passando quase despercebida às suas próprias testemunhas e actores, e que, não obstante, se mantém, contra tudo e contra todos, e até contra a usura obstinada do tempo? Essa contradição, decisiva e ainda inexplicada, é um grande meio de conhecimento e investigação. Aplicável a todos os aspectos da vida, reveste forçosamente formas diferentes, de acordo com os termos em comparação». Braudel, Fernand, O Mediterrâneo e o mundo na época de Filipe II, Lisboa, D. Quixote, 1983, p. 28. Sobre articulação das durações em O Mediterâneo de Fernand Braudel, ver Dutra, Eliana Regina de Freitas, «Tempo e estrutura na unidade do mundo mediterrâneo», in: Lopes, Marco Antônio (org.), Braudel: Tempo e História, Rio de Janeiro, FGV, 2003. Apesar de não ser o foco desse texto, é importante dizer que as categorias braudelianas tiveram uma influência enorme na historiografia brasileiro e no ensino de história. Os Paramêtros Curriculares Nacionais de História (PCN’s) de 1996, por exemplo, afirmam: «os ritmos da duração, por sua vez, possibilitam identificar a velocidade com que as mudanças ocorrem. Assim, podem ser identificados três tempos: o tempo do acontecimento breve, o da conjuntura e o da estrutura». Brasil. Secretaria de Educação Fundamental, Ministério da Educação, Parâmetros curriculares nacionais: História e Geografia, Brasília, 1998, vol.5, p. 38. Em um livro destinado à historiografia brasileira, Paulo Miceli destaca que para Braudel: «os acontecimentos são como vaga-lumes nas noites brasileiras: brilham, não aclaram». «Isso também quer dizer que as grandes explicações históricas podem ser, por assim dizer, ilustradas pelos acontecimentos, tendo pouco resultado os esforços em contrário». In: Micelo, Paulo, «Sobre História, Braudel e os vaga-lumes. A Escola dos Annales e o Brasil (ou vice-versa)», in: Freitas, Marcos Cezar (org.), Historiografia brasileira em perspectiva, São Paulo, Contexto, 1998, p. 265.

18 Pomian, Krzysztof, «Evento», Enciclopédia Einaudi, vol. 29, Tempo/temporalidade, Lisboa, INCM, 1993, p. 221.

19 Ibidem.

20 Hartig, François, Op. cit.

21 Segundo Pomian: «tratamos do problema das relações entre a esfera da visibilidade e o campo do invisível, entre a percepção e a linguagem, uma vez que a história tal como era praticada até finais do século XIX se situava na zona organizada em torno destes dois pólos. Considerada no conjunto, a história de hoje situa-se sempre no mesmo campo, mas consumou-se o divórcio entre uma história «popular», que conta os eventos, e uma história «douta», que se interessa pelo que não é evento». Pomian, Krzysztof, «Evento», Op. cit., 1993, p. 233.

22 Ricoeur, Paul, Op. cit., 1985.

23 Ricoeur, Paul, «Evénement et sens», Raisons Pratiques, Paris, EHESS, n.º 2, 1991.

24 A este respeito Carlos Alberto Vesentini afirma que «para a memória do fato apresentar-se (...) e para todas as operações entrevistas funcionarem perfeitamente (...) seria necessário pensar uma ampla difusão dele, capaz de alcançar a todos ao se debruçarem sobre o passado». Para o autor, o texto didático seria um bom objeto para esse tipo de análise, porque esse impresso atingiria um público vasto, constituindo uma das primeiras vias pelas quais a linguagem histórica é absorvida por qualquer cidadão. Seria necessário analisar não os temas em si, mas a «imposição» dos mesmos como «fatos objetivos» (p. 65-67). O autor ainda apontou que é inerente ao procedimento fatualizador a simplificação que elide outras visões dos atores participantes do fato, pois esse processo «exclui divergências de significação» e «elimina o pensamento referenciado por outras categorias, que não ela mesma» (p. 72). As obras didáticas, paradidáticas e de vulgarização, como as novelas, as séries televisivas, o cinema, a literatura, são fundamentais para o «enriquecimento do fato», pois «vão marcando os fatos, vamos memorizando-os, começamos a integrar-nos neles e a sentir alguma intimidade» (p. 73-75). Vesentini, Carlos A., A teia do fato: uma proposta de estudo sobre a memória histórica, São Paulo, HUCITEC/USP, 1997, pp. 65-67.

25 Ricoeur, Paul, «Evénement et sens», Ob. cit., 1991.

26 Ver, também, Dosse, François, Op. cit. Comentando esse texto Paul Ricoeur, François Dosse afirma que o autor realça que a crítica interna e externa das fontes é um «estágio indispensável para estabelecer o que se passou de fato, que é o que ele qualifica de ‘acontecimento infra-significativo’; num segundo momento, o acontecimento é retomado, considerando-se a questão de seu porquê e dos esquemas de causalidade que podem dar conta dele – situando-nos nos limites da não-factulidade; nesses dois níveis, um terceiro plano deve ser cogitado, que é o dos vestígios deste acontecimento na consciência coletiva, o que dá lugar a um acontecimento supra-significativo que oferece um horizonte à inflexão interpretativa e reflexiva da disciplina história de nossos dias». Dosse, François, A Religação dos Saberes, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2005, p. 401. Apesar de não analisarmos aqui pensamos que a análise de Gilles Deleuze sobre o tema do acontecimento pode enriquecer as reflexões de Ricoeur. Para Deleuze, há duas formas de relação com o tempo, duas temporalidades: Chronos e Aiôn. Para Chronos só o presente existe no tempo, passado e futuro são dimensões relativas. Para Aiôn, o presente é relativo ao passado e ao futuro, é o instante que divide cada presente em passado e futuro. O autor opõe, assim, o presente «corporal» de Chronos ao presente «incorporal» de Aiôn. Aiôn só existe por meio de sua significação, a descontinuidade do acontecimento não é entendida como erupção ou explosão e sim como ruptura, mutação. O presente do evento não é uma linha divisória de dois mundos, o acontecimento é uma linha de fratura, uma fronteira. Portanto, para Gilles Deleuze os acontecimentos são numerosos em suas singularidades. Desse modo, o acontecimento não pode ser reduzido a um contexto ou a uma construção. Deve-se reconstruí-lo em sua especificidade temporal, como uma ruptura da inteligibilidade. O acontecimento não é um acidente, ele é algo que acontece. Ver Deleuse, Gilles, Lógica do Sentido, São Paulo, Perspectiva, 1974. Para outra análise recente, no campo na filosofia, sobre o evento, ver Borradori, Giovanna, Filosofia em tempo de terror: diálogos com Habermas e Derrida, Rio de Janeiro, Zahar, 2004.

27 Koselleck, Reinhart, Le Futur Passe: contribution à la sémantique des temps historiques, Paris, EHESS, 1990, pp. 133-143.

28 Ibidem, pp. 138-139.

29 Para Krzysztof Pomian além dos acontecimentos e estruturas a história tem outras duas categorais temporais, que estamos deixando de lado em nossa reflexão, a saber: a série repetitiva e a época. Pomian, Krzysztof, L’ordre du temps, Paris, Gallimard, 1984. Ver também Ricoeur, Paul, «O passado tinha um futuro», in: Morin, Edgar, A Religação dos Saberes: o desafio do século XXI, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2005, pp. 370-374.

30 Dosse, François, Op. cit., pp. 337-341.

31 Benjamin, Walter, «Teses sobre a História», in: Benjamin, Walter, Magia e técnica, arte e política – Ensaios sobre a Literatura e História da cultura, São Paulo, Brasiliense, 1985.

32 Dosse, François, Empire du Sens: l’humanisation de la sciences humaines, Paris, La Decouvert, 1995, pp. 337-341.

33 Revel, Jacques, «Retour sur l’événement: un itinéraire historiographique», in: Fabiani, Jean-Louis (dir.), Le Goût de l’Enquête: pour Jean-Claude Passeron, Paris, L’Harmattan, 2001.

34 Acreditamos que a melhor tradução do título desse texto seria «O Retorno do Evento».

35 Revel, Jacques, Op. cit.

36 Sobre esse ponto, ver Aron, Introduction à la philosophie de l’histoire, Paris, Gallimard, 1981. Comentando essa obra Paul Ricoeur afirma : «o historiador deve transportar, em imaginação, para um momento do passado em que o futuro era incerto, indeterminado, aberto, devido à ignorância do que viria depois. Para os homens do passado, o passado tinha um futuro, (...) Se levarmos até as últimas consequências essa idéia da interminação do futuro no passado, atingiremos a idéia, mais importante ainda, das promessas não cumpridas no passado (....) À indeterminação do futuro no passado junta-se a não realização ulterior dos desejos». Ricoeur, Paul, «O passado tinha um futuro», Ob. cit., 2005, p. 337.

37 Revel, Jacques, Op. cit.

38 Pomian, Krzysztof, Op. cit., pp. 214-235. Esse autor cita a passagem de alguns historiadores que ilustram oposição entre o relato dos acontecimentos e uma «verdadeira história», a saber: «Não são fidedignos aqueles que, desprezando na história as causas, nela buscam apenas a narração dos acontecimentos, de cujas causas eximem o Historiador para as imputar ao Filósofo» (La Popelinière, 1599); «De pouco vale ter a memória cheia de um rosário por assim dizer, de anos, séculos, olimpíadas, épocas, e saber uma infinidade de nomes de Imperadores, Reis, Concílios, heresias, e mesmo uma infinidade de eventos e grandes feitos. Este modo de apenas os conhecer através da memória não merece sequer o nome de ciência da História» (Saint-Réal, 1691); «É bom que existam arquivos de tudo para que os possamos consultar quando for preciso; e agora vejo todos os livros volumosos como dicionários. Mas depois de ler as descrições de três ou quatro mil batalhas e o conteúdo de algumas centenas de tratados, achei que, no fundo, não estava mais instruído do que dantes. Apenas aprendi eventos» (Voltaire, 1744); «Em primeiro lugar, insistimos na história dos eventos políticos, mais do que na história da religião, das instituições, do comércio, das letras e das artes. Não ignoramos que a segunda é ainda mais importante que a primeira; mas é pelo estudo da primeira que se deve começar» (Michelet, 1827); «Enganam-se os historiadores que consideram a história unicamente como um imenso agregado de fatos particulares que é necessário decorar. Segue-se a prática de acumular particulares sobre particulares, ligados apenas por alguns princípios morais. Eu considero, pelo contrário, que a disciplina da história – na sua melhor expressão – é necessária e é capaz de se elevar à sua maneira da indagação e observação de particulares a uma visão universal dos eventos, a um conhecimento da relação objetivamente existente» (Ranke, século XIX).

39 No original : «Un événement n’est pas ce qu’on peut voir ou savoir de lui, mais ce qu’il devient (et d’abord pour nous) ». Certeau, Michel de, Prise de la Parole et d’autre écrits politiques, ed. établie et présentée par Luce Giard, Paris, Seuil, 1994, p. 51. Essa concepção é muito próxima do primeiro apêndice das teses da história de Benjamin: «O historicismo se contenta em estabelecer um nexo causal entre vários momentos da História. Mas nenhum fato, meramente por ser causa, é só por isso um fato histórico. Ele se transforma em fato histórico postumamente». In: Benjamin, Walter, «Teses sobre a História», Ob. cit., p. 232. É interessante essa passagem sobre a introdução do presente no passado quando o novo emerge, pois para Jacques Derrida a incapacidade da sociedade contemporânea em entender o que foi o atentado de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos nos levou a denominar o evento com um número. Ver Borradori, Giovanna (2004), Ob. cit.

40 Certeau, Michel de, Op. cit., 1994, p. 81.

41 Certeau, Michel, A Escrita da História, Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1982, p. 103.

42 Sahlins, Marschall, Ilhas de História, Rio de Janeiro, Zahar, 2003, p. 182 e 191.

43 Sahlins, Marschall, Op. cit., p 14.

44 Bloch, Marc, Apologia da História, ou o ofício do historiador, Rio de Janeiro, Zahar, 2001.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Mateus H. F. Pereira, « A história entre os inimigos do evento e os advogados da estrutura », Ler História, 57 | 2009, 59-71.

Referência eletrónica

Mateus H. F. Pereira, « A história entre os inimigos do evento e os advogados da estrutura », Ler História [Online], 57 | 2009, posto online no dia 01 Junho 2016, consultado no dia 24 Outubro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1845 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1845

Topo da página

Autor

Mateus H. F. Pereira

Universidade do Estado de Minas Gerais - FUNEDI (Brasil)

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org