Navegação – Mapa do site
Críticas e debates

Os Livros do Regicídio

Fernando E. Mendonça Fava
p. 137-147

Texto integral

1O ano de 2008 amanheceu inquieto, a pensar no Regicídio, ocorrido cem anos antes. Muitos os colóquios, muitas as palestras, muitas as conferências e muitos mais os livros. Estes jorraram em catadupa, numa cadência de verdadeira indústria, tornando-se surpreendente não só a quantidade produzida, mas também, e desafortunadamente, as tentações a que alguns autores cederam e/ou o sensacionalismo de que previamente se fizeram rodear quanto aos seus projectos. É aceitável, e até desejável, que os valores perfilhados por quem escreve estejam presentes nas suas produções, isto, porém, na acepção em que o conhecimento exacto da Verdade é historiograficamente impossível e, por conseguinte, todas as diferentes e sérias contribuições são aproximações a essa Verdade. Mau é quando não o são.

2Postas estas breves, porém necessárias palavras, porventura elucidativas dos propósitos e das intenções deste trabalho, passe-se ao mesmo, ou seja a uma tentativa de análise crítica de algumas obras, pressupostamente representativas, quer de uma ética que deve pautar a acção do historiógrafo, quer da ausência dessa mesma ética. Ou não seja a oposição entre virtudes e vícios o caminho que conduz à Justeza.

3De Jorge de Morais chega-nos Regicídio – A Contagem Decrescente, 1.ª Edição, Sintra, Zéfiro, 2007 (170 pp.): O percurso cívico, profissional e intelectual do autor, jornalista e escritor, com abundante obra produzida no campo da historiografia, permitiu criar expectativas de interesse acerca deste livro. Num exercício que revela uma boa capacidade de síntese, é feita uma expressiva contextualização histórica da realidade portuguesa ao tempo dos acontecimentos de 1 de Fevereiro de 1908. Diagnosticando os factores de crise e encadeando com inteligência os episódios históricos, o autor consegue, no seu trabalho de problematização e de exercício interpretativo, fazer jus ao subtítulo do seu livro: «Contagem Decrescente». De uma forma isenta é transmitida uma descrição do ambiente conspirativo de Lisboa dos tempos imediatamente anteriores ao regicídio. Imagens sugestivas e um texto bem organizado, com uma prosa directa e bem estruturada e onde não faltam elucidativas notas de rodapé, prendem o leitor, predispondo-o a ler o livro de uma só assentada.

4Não são feitas quaisquer tentativas no sentido de romper as sombras que ainda hoje envolvem o regicídio, designadamente quanto à provável preparação do mesmo e a personalidades com envolvência e/ou responsabilidades no seu cometimento, o que confirma, de resto, a honestidade intelectual do autor. O facto não impede possíveis releituras do pouco que se conhece e isso é feito por Jorge Morais, com alicerçamento nos melhores escritos de memórias coetâneas dos acontecimentos e com isenção e preocupações historiográficas.

5Todavia, neste livro aspectos há que, em nossa opinião, merecem alguns reparos. Primeiramente, teria sido conveniente informar que o dichote referido a páginas 18 (se bem que usado ao tempo de D. Carlos para o mesmo tipo de fenómeno) data de 1835 e é historicamente atribuído a Almeida Garrett. Em segundo lugar, parece-nos apressada a afirmação de que em Miguel Sanches de Baena, Diário de D. Manuel e estudo sobre o regicídio, a tese da existência prévia de um plano para o assassínio da família real é sustentada por «actas» do famoso e desaparecido Processo do Regicídio. Sendo certo que Baena afirma, a páginas 125 do seu livro, que essas actas se encontram na posse de um particular, «que permitiu a sua consulta», a verdade, porém, é que toda a sua tese do plano para a morte do rei aparece estruturada e apoiada em informações já conhecidas através de escritos de diversos autores, que cita, não se referindo na sua exposição, de forma consistente, às desaparecidas actas. O grande mérito da investigação feita por Baena estará mais, pensamos, naquilo a que o investigador chama «peritagem técnico-balística», acção notável na medida em que permite que hoje se possa afirmar, sem margem para grandes dúvidas, que da carabina do Buíça partiram os tiros que mataram, quer o rei, quer o príncipe real. Por último, careceria de comprovação e de maior análise, a asserção, a p. 123 do livro de Jorge de Morais, de que o processo judicial do regicídio foi prosseguido pela República. Tudo o que até agora se conhece indica precisamente o contrário, ou seja que tal documento foi dado como concluído ainda dentro da vigência da Monarquia, mais exactamente em Setembro de 1910, altura em que o juiz Almeida e Azevedo o entregou ao então Presidente do Concelho, Teixeira de Sousa. Sem dúvida que o descaminho de tão importante peça se deu já em tempo da República, mas, sabendo-se das contrariedades e dos impedimentos causados a um desenrolar normal do processo pelos vários governos do breve reinado de D. Manuel II (bastará ver o vol. I das Memórias de Raul Brandão ou mesmo a obra de Baena, tão citada que é neste livro), torna-se, do ponto de vista estritamente político, entendível que os republicanos não se dispusessem a retirar as consequências que, afinal, os monárquicos não quiseram retirar. Daí o sumiço dos autos com a inevitável consequência da criação de um vazio histórico que ainda hoje perdura.

6No restante e corroborando o que já foi dito, consideramos que o livro de Jorge de Morais, pela informação que contém e pelo modo como a mesma está tratada é um interessante contributo para um acesso fácil ao tema em apreço e para um conhecimento mais alargado e sério desse episódio controverso da nossa história que é o Regicídio.

7Rocha Martins, O Regicídio, Lisboa, Bonecos Rebeldes, 2007 (413 pp.): Reunindo escritos de Rocha Martins sobre D. Carlos, a ditadura de João Franco, o regicídio e D. Manuel II, aparece-nos este livro com organização de texto e de imagem de Cristiano Gandra. Iniciativa louvável na justa medida em que relembra um autor que foi jornalista e historiador respeitado e de renome, que acompanhou de perto os acontecimentos e que muito escreveu sobre os mesmos. Todos os que por gosto ou por dever de ofício acompanham de perto a história portuguesa contemporânea, designadamente os períodos dos finais da Monarquia Constitucional e da I República, sabem quanto Rocha Martins é, nesse campo, uma referência incontornável, citado em todas as obras até agora produzidas. Apesar de ter estado com João Franco no Partido Regenerador – Liberal, é patente a sua firme intenção de relatar a verdade dos factos e de produzir historiografia séria. A sua prosa, viva, por vezes pictórica, deixa-nos visionar as colorações da época, não só nas expressões e termos que utiliza como nas descrições, não raro minuciosas, que nos faz de situações e de personagens.

8Os textos ora seleccionados versam essencialmente sobre os artigos da imprensa da época, com enfoque para as grandes questões ocorridas durante o reinado de D. Carlos e relacionadas com o seu fim trágico. É dado a conhecer o quanto a própria imprensa era utilizada como meio fazedor de opinião e, nos casos atinentes, como elemento motivador ou propulsionador de acção revolucionária. O livro aparece-nos organizado de modo a que os assuntos se apresentem encadeados, denotando uma preocupação de proporcionar, tanto quanto possível, uma leitura abrangente e sequencial, relativamente aos factos em apreço. Desta forma o leitor entra em contacto com as agonias do rotativismo e com o advento da ditadura franquista e, no seio desta, com os episódios que mais a marcaram, tudo isso sobre o pano de fundo da ambiência insurgente da Lisboa dos princípios do século XX, ambiência vivamente narrada e comentada.

9A prudência e a sobriedade com que o acto concreto do cometimento do regicídio e a sua possível premeditação/preparação são tratados revelam, por um lado, um sentir profundo de todas as grandes incertezas havidas (ontem e hoje) quanto ao assunto e revelam também, por outro lado, a integridade profissional do autor, facto que o terá impedido de se aventurar, às cegas, por um caminho que antecipadamente se sabia (sabe) pantanoso e onde poderia (poderá) haver presunções, mas não exactidões. Estas questões são abordadas, em grande parte, através de artigos de jornais, de depoimentos e de escritos de outros autores, consentindo um leque largo de opiniões e de interpretações.

10Digno de realce e algo sumamente esclarecedor acerca de Rocha Martins, o relato (transcrito no epílogo deste livro) do que foi a actividade política nos dias a seguir ao regicídio: a ingenuidade e frouxidão do novo rei, a humilhação de João Franco, a formação do governo dito de acalmação, a manha política de José Luciano de Castro, as posições da imprensa, nacional e estrangeira, os funerais dos reis e dos regicidas.

11A seriedade e o rigor que caracteriza toda a obra de Rocha Martins, a par da sua cativante forma de escrita, impõem a leitura deste livro, justamente quando cem anos são corridos após o regicídio. A sua publicação é um acontecimento de indiscutível interesse historiográfico.

12Mendo de Castro Henriques [et. al.], Dossier Regicídio – O Processo Desaparecido, Lisboa, Tribuna da História, 2008 (348 pp.): Neste livro as reflexões que são feitas traduzem não uma interpretação isenta, não uma leitura distanciada, mas verdadeiros estados de alma, somente entendíveis no âmbito de uma postura marcadamente ideológica face à temática em apreciação, postura que, deve dizer-se, não é negada, nem sequer dissimulada. Neste particular, uma visão redondamente maniqueísta coloca de um lado os «bons» e do outro lado os «maus», sendo que os bons reúnem somente virtudes e os defeitos vão inteiramente para os maus. Depois, uma mal engendrada confissão de falhanço quanto aos anunciados propósitos iniciais deste livro, que, em antecipada publicidade, prometiam um esclarecimento da trama do crime do Terreiro do Paço com recurso ao acesso ao desaparecido Processo do Regicídio, confessa-se agora que «apesar das buscas laboriosas … não se conseguiu encontrar o processo do regicídio» e que tal facto, se bem que causador de uma «enorme frustração», justifica, ao mesmo tempo, o título do livro. A explicação é desapropriada, senão mesmo tosca, mas, porventura, os objectivos comerciais foram alcançados.

13Assim, à falta de novidades, o livro espraia-se por uma extensa exposição acerca da família real, dos principais agentes políticos, de partidos existentes à data, das organizações secretas, da imprensa, do anarquismo, do bombismo e enfim do ambiente pré-revolucionário de que era palco a Lisboa de então. A ditadura de João Franco é abordada de um modo ficcional, ou seja, relatando-se mais o que o franquismo pretendeu ser ou deveria ter sido e menos aquilo que realmente foi.

  • 1 Almeida, António Branco, História, Regicídio de 1908 – O Universo Numa Casca de Noz. Disponível em (...)

14Ninguém, que lucidamente olhe para a questão, recusa ver mérito nas intenções de D. Carlos e do seu valido na sua tentativa de colocarem um ponto final no descalabro do rotativismo ou, para utilizar uma expressão do próprio D. Carlos, nos «males que de longe vêm». A grande questão está em saber se as acções corresponderam a essas intenções e, nesse sentido, tudo indica que as reconhecidas qualidades diplomáticas do soberano não foram devidamente utilizadas no plano interno, tendo em conta a insensibilidade, senão mesmo a sobranceria, com que D. Carlos acolheu os protestos e as movimentações dos políticos monárquicos influentes,ignorando, com o mesmo altivo desdém, os avisos sérios que constituíam as movimentações republicanas. Depois a inoportunidade da solução dada ao problema dos Adiantamentos e Lista Civil e o surgimento da desastrada Entrevista Galtier. À excepção dos franquistas, o rei colocou-se na singular posição de adversário de todos os outros partidos monárquicos e, aparentemente, cego e surdo em relação a sinais de perigo e a conselhos, e tantos eram, prosseguiu o seu projecto de uma forma obstinadamente insensata, culminando tal com a assinatura, a 31 de Janeiro, do tristemente célebre decreto de deportação. Estas essenciais questões não são devidamente problematizadas neste livro. Basta ler a imprensa da época e os escritos de Rocha Martins para nos darmos conta do perigosíssimo ambiente que estava sendo criado. De tal maneira assim sentido que o principal vulto da chamada esquerda dinástica, Augusto Fuschini, em entrevista ao jornal Heraldo de Madrid afirmou que João Franco cumpria, sem o saber, «uma lei histórica, a de imprimir à sua Pátria um movimento de revolta, uma ânsia de mudança.» Ambiente que foi politicamente aproveitado pelo Partido Republicano, sem dúvida, mas nada de novo ou de estranho há nisso; não vale a pena ignorar que ao longo de toda a existência humana e no campo estrito da contenda política foi sempre essa, sem excepção, a praxis e até a ética adoptadas. No caso em apreço, comparada que for essa actuação dos partidários da República com a perfídia política de um José Luciano de Castro, tal não passará de puro amadorismo. Neste mesmo sentido, é francamente desproporcionada a demonização que se faz dos republicanos envolvidos, mesmo quando se aceite que o papel destes não foi nem pior nem melhor que o dos monárquicos envolvidos. Foi, tão-somente, diferente, sendo que a principal diferença residiu no facto de os primeiros lutarem pela sua causa, enquanto que os segundos, com maior ou menor grau de envolvência, dissidentes ou não, provaram estar muito mais interessados na sustentação dos seus particulares interesses, privilégios e ambições que na defesa dos princípios e instituições que davam corpo à Monarquia Constitucional. Com que epíteto julgaria a história os republicanos se estes não utilizassem, em proveito da sua causa, os meios que tão levianamente os monárquicos colocaram nas suas mãos? E, por acréscimo de razões, note-se as declarações (decerto insuspeitas para os autores do livro) do actual herdeiro presuntivo do presuntivo trono de Portugal, feitas a 1 de Fevereiro do ano de 2008: «O regicídio não era o projecto dos republicanos. Foi um acidente porque muitos líderes revolucionários estavam presos e de repente a carbonária ficou à solta. Esses terroristas radicais decidiram que o melhor era acabar logo com a família real toda…».1

15A afirmação, a p.74, da existência prévia de «um plano B» para o exercício do poder em ditadura é algo que, a ser verdade, enegreceria ainda mais a acção política de D. Carlos e de João Franco. No entanto, pensamos que tal plano nunca existiu previamente, a não ser, muito possivelmente, na mente do rei. Lembre-se a propósito o confesso e público arrependimento de João Franco por, conjuntamente com Hintze Ribeiro, ter governado em ditadura durante os anos de 1894/95; lembre-se as suas declarações de querer «governar à inglesa» e «caçar no mesmo terreno dos republicanos»; lembre-se ainda as suas iniciais hesitações em assumir a ditadura quando tal lhe foi proposto pelo soberano; e, por fim, lembre-se que o que António Cabral diz em Os Culpados da Queda da Monarquia é, em tudo, contrário a uma existência prévia e acordada de um tal plano.

16A questão, sempre candente, da trama do regicídio e do processo é tratada ao estilo de cronologia, entrecortada por segmentos de prosa com relatos, transcrições (que sobretudo servem o ideário vertido no livro) e algumas considerações, abrangendo muitos e diversificados assuntos, vicissitudes, entraves e dificuldades. Dá-se assim nota de uma rede intensa e intrincada de agentes e de ocorrências, porém tudo isso numa exposição desgarrada e salpicada por lateralidades e, conquanto sejam prestadas algumas informações, é paupérrima a contribuição para o esclarecimento deste aspecto dos trágicos acontecimentos de 1 de Fevereiro de 1908.

17Já muito melhor se apresenta a reconstituição do atentado, designada no livro por «Instante Fatal». Bem estruturada e documentalmente bem suportada representa um meritório esforço de investigação e de reunião de dados, com conclusões coerentes, tudo a confirmar e complementar o excelente trabalho neste campo já feito por Miguel Sanches de Baena em o Diário de D. Manuel II e estudo sobre o regicídio. Um reparo apenas para o diagrama dos ferimentos feitos a D. Carlos, a p. 237, onde o orifício de entrada do primeiro disparo do Buíça é referido erradamente como de saída e vice-versa. Em todo o caso, este capítulo é o mais interessante da obra. Uma palavra de apreço também para o epistolário final e para a qualidade da imagem.

18Em jeito de balanço final diríamos que, face à informação reunida, a oportunidade de fazer um bom livro foi desperdiçada. Passados que são cem anos, vivemos num tempo qualitativamente diferente e é imperioso que esta temática do regicídio de 1908 seja encarada como um facto histórico cuja intrincada trama está por deslindar, sendo esse o problema que, realmente, importa resolver.

19Joaquim Vieira e Reto Monico, Mataram o Rei – O regicídio na imprensa internacional, Lisboa, Pedra da Lua, 2007, 279 pp.: O objecto principal deste estudo é o modo como o regicídio português de 1908 e os seus antecedentes e consequentes próximos foram vistos, ao tempo, na imprensa de além fronteiras. Neste âmbito e tendo em conta o seu conteúdo, a sua dimensão e a sua qualidade, trata-se de um trabalho que estava por fazer, adquirindo, por isso mesmo, a categoria de novidade. Os autores, Joaquim Vieira, conceituado jornalista, e Reto Mónico, investigador e professor de História, ambos já com notável obra produzida, brindam-nos agora com este excelente trabalho que, sem dúvida e como já se disse, vem preencher uma lacuna na historiografia até hoje produzida sobre os acontecimentos de 1 de Fevereiro de 1908.

20O livro, após breve e preambular contextualização histórica, permite-nos ver como Portugal, país pouco conhecido, teve então lugar de destaque nos principais jornais do mundo. Constata-se que, com surpreendente rapidez, a notícia da morte do rei de Portugal e do herdeiro da coroa se espalhou pela Europa, pelo Brasil e pela América do Norte, obrigando, em muitos casos, os jornais a fazerem mais de uma tiragem diária. A diegese desses ecos jornalísticos é feita nesta obra de uma forma ao mesmo tempo elucidativa e atraente, consistindo principalmente em reproduções das primeiras páginas dos jornais, acompanhadas de pequenos comentários e algumas anotações. E se numa primeira fase os artigos contidos nos jornais tendem para uma tentativa de puro relato dos factos, posteriormente passam a conter exercícios de análise, abrangendo não só o acto do regicídio como acontecimento central, mas igualmente uma multiplicidade de aspectos e de circunstâncias com ele ligados. Tudo isso visto por quem está de fora, constituindo, como muito bem dizem os autores, a «visão do outro». Poderíamos dizer «visões dos outros» sobretudo pelo número e pela disparidade de opiniões formuladas, facto a que não eram (não poderiam ser) estranhas as opções editoriais, as quais, naturalmente, albergavam motivações políticas, sociais, religiosas. E sendo verdade que os diversos órgãos de imprensa eram (são) veículos privilegiados de propaganda ideológica e de tentativa de formação de opinião pública, natural é também que todos esses jornais se empenhassem em fazer, em torno dos acontecimentos, propaganda de ideais e interesses próprios, o que, de facto, aconteceu. Daqui resultou inevitavelmente o fenómeno subsequente das guerras de papel, travadas entre jornais de diferente visão ideológica e/ou diferente filiação político-partidária. Nessa arena de luta, onde os apelos e os agravos são bastante matizados, não deixam de se notar, bem desenhadas, as posições antagónicas tradicionais, habitualmente retratadas por expressões como esquerda e direita; progressismo e conservadorismo; revolução e reformismo.

21Em presença destas distinções e quanto a presumíveis autorias do regicídio, pensar-se-á logo, e tal é verdade, que, com algumas naturais gradações entre si, são os jornais ditos de direita os que mais apontam o dedo acusador ao Partido Republicano Português e também os que mais se empenham na defesa da Monarquia, de D. Carlos e de João Franco. O contrário, ou seja, a acrescida responsabilidade do rei no governo ditatorial, a desajustada e, por vezes, suicida política de Franco (sancionada pelo rei), a envolvência e comprometimento de dirigentes políticos monárquicos na sucessão de acontecimentos e nas tentativas de derrube da ditadura e do regime monárquico são, naturalmente, pontos mais comentados pelos jornais ditos de esquerda. As simpatias expressas dirigem-se ora às vítimas ora aos agressores, mas, na grande maioria dos periódicos, o atentado é condenado como bárbaro, desproporcionado e mesmo contraproducente. Note-se que hoje em Portugal, à distância de cem anos dos acontecimentos e independentemente de alinhamentos ideológicos, o grosso da opinião pública afina pela condenação do regicídio em termos muito semelhantes. Em boa verdade, difícil será encontrar hoje quem, postos os olhos no regicídio de 1908, o defenda como justificado ou necessário. Todavia, situando-nos ao tempo dos factos, verificaremos que, não só em Portugal, mas por todo o mundo, a opinião pública de então não deixava de estar influenciada pela concepção, teorizada por alguns movimentos anarquistas, de que os actos de assassínio de figuras de Estado eram justificáveis em determinadas circunstâncias ou contextos, designadamente como acção legítima contra a violência exercida pelos poderes instituídos. Trata-se de uma teoria que fez percurso, tanto assim que à época os atentados estavam em moda por todo o mundo e os próprios soberanos, não escondendo a sua apreensão, os consideravam, um tanto ironicamente, como uma «doença profissional». Todo este contexto internacional não deixou de determinar, numa Europa de cabeças coroadas, um enorme interesse e curiosidade em torno do crime do Terreiro do Paço. Crime que é condenado na imprensa estrangeira como algo impróprio de um mundo que já então se pretendia civilizado («as sociedades adiantadas»), ideia muito reiterada, a denotar aspiração, porventura burguesa, a um ideal de estádio civilizacional não alcançado. Daí, e por antonímia, a utilização prolixa do termo «selvagens» com que se brinda os assassinos.

22Em jornais, tidos então como mais «avançados», o regicídio português de 1908 é comentado de modo diferente, numa escala extensa de pontos de vista, desde a plena justificação do acto cometido como um necessitarismo histórico e defesa dos seus autores como agentes da Justiça, até à condenação de ambas as partes – assassinos e assassinados – ou à classificação dos governos e dos reis como seres perniciosos e inimigos da sociedade ou ainda vendo os acontecimentos como um marco decisivo para a implantação de regimes republicanos. Um aspecto que aparece, reunindo um largo consenso, é a rejeição da ditadura por «incompatível com os tempos». Vê-se assim que, nos princípios do século XX, quer os liberais, quer os socialistas pensavam viver num tempo histórico em que os regimes ditatoriais não teriam lugar e, no entanto, os fascismos, rondando já a porta, fariam a sua entrada, logo no início da década de 20.

23Também as figuras do soberano morto e do seu chefe de governo são alvo das atenções dos articulistas da imprensa estrangeira e de novo aqui, e pelas mesmas razões, as opiniões se dividem. Quanto ao rei, são sobretudo focalizadas a sua personalidade, as vicissitudes do seu reinado, as suas opções políticas e a sua responsabilidade no atropelo feito às normas constitucionais, advento da ditadura e eclosão dos acontecimentos de que veio a resultar o seu próprio e trágico fim. Mas, as opiniões dividem-se. Para uns, D. Carlos I fora um soberano liberal, culto, inteligente, artista, desportista, homem mais devotado aos seus prazeres – caça, pesca, navegação, pintura – que agarrado ao poder; enfim, um rei moderno que havia conquistado as simpatias da Europa e nesse entendimento, o grande erro do rei foi a lealdade e o apoio dados ao seu ministro. Para outros, D. Carlos havia sido afinal um rei fraco que se havia sujeitado à política e às exigências de Franco. Outros ainda dirão que o esbanjador e endividado D. Carlos caíra nas garras de Franco, vendido pelo ignominioso acordo que fora a solução dada à escaldante questão dos Adiantamentos e da Lista Civil. Os jornais de esquerda são os que mais duras críticas endereçam a D. Carlos, condenando sobretudo um reinado inglório onde o despesismo da família real contrastava insultuosamente com as miseráveis condições de vida do povo. Não faltam nesses discursos adjectivação contundente e remoques aos vícios e à obesidade do extinto soberano.

  • 2 Note-se que, anos mais tarde, um outro ditador, Salazar, retoma esta tese, em apreciação que fez ao (...)

24Já em torno da figura de Franco polariza-se ainda mais o preconceito ideológico, dando origem a críticas várias e muito discordantes entre si. Em significativa parte dos jornais é muito caricaturado e severamente referido como o grande causador da tragédia, nuns casos por governante inábil e precipitado, noutros por despótico, prepotente, colérico e, em derradeira análise, não se livra do epíteto de verdadeiro «assassino» da família real. A par destas apreciações, o próprio nome «Franco» é jocosamente utilizado em sátiras onde se explora a sinonímia existente entre o nome próprio e o nome de moeda, designadamente com expressões como «francos falsos» ou «francos retirados de circulação». Mas também há os que fazem a defesa do ditador e da ditadura, advogando e recomendando os métodos excepcionais que caracterizaram a sua governação. Estas leituras são feitas sobretudo por jornais conservadores, católicos e monárquicos, que, em discursos eivados de doutrinas antiliberais e antidemocráticas, afinam por uma defesa do franquismo e do seu mentor, tecendo louvores à sua fama de homem honesto e à coragem mostrada em colocar um ponto final no caos rotativista. Assoma ainda a tese de que João Franco pecou por tibieza, ou seja, não foi um completo ditador e que foi essa circunstância que o perdeu2.

25A imprensa estrangeira acabou por transformar o regicídio de Lisboa num acontecimento de grandíssimas repercussões internacionais, criando imensa avidez pelo seu conhecimento e dando-lhe foros de caso paradigmático, no qual os povos, os soberanos e os chefes políticos deveriam beber ensinamentos. Ao abrigo deste pressuposto e dando resposta aos seus leitores, os jornais passaram a análises mais comparativas, tendo como ponto de partida a abordagem e leitura de vários aspectos da realidade portuguesa, com relevo para formas de organização e clientelas dos partidos políticos, dirigentes partidários e modos de constituição do tecido social e de distribuição da riqueza. A ênfase é colocada nos agrupamentos políticos e nas «verrinosas lutas» partidárias que tudo envenenam. Os dois principais partidos do rotativismo em Portugal são classificados como pouco menos que associações de malfeitores que comem à vez na lauta mesa do erário público e deixam insignificantes migalhas a um povo miserável, analfabeto, sofredor, fatalista e que, crente da sua impotência perante um jugo que o manieta, reage com acentuado desinteresse pela coisa pública, pelos destinos do país e pela sorte dos seus governantes. Para muitos articulistas, na actuação dos partidos rotativistas se situa a mãe de todas as desgraças e terá sido o desespero dos seus dirigentes (entretanto relegados para uma posição secundária) que armou o braço assassino que matou o rei e o príncipe herdeiro.

26A questão da observada indiferença do povo português perante os governos e instituições nacionais é considerada por alguns jornais como algo passível de ser testemunhado junto de outros povos, constituindo tal circunstância um sério aviso para reis e governantes. O próprio atentado, em si mesmo, é encarado como um indício de enfraquecimento na Europa dos tradicionais sentimentos afectivos que ligavam os povos aos seus soberanos.

27Todas estas interessantes questões estão contidas neste livro de uma forma aberta, como que a convidar o leitor para um exercício meditativo. A imprensa estrangeira compulsada evidencia, com poucos erros ou deficiências, um conhecimento relativamente profundo dos factos e faz análises judiciosas dos mesmos. O vasto leque de considerações não deixa de ter coincidências, nas suas escolhas e nos seus intuitos, com as correntes de opinião interna, representando, todavia, um olhar mais distanciado no tempo e no espaço, mas não tanto nas paixões ideológicas ou político-partidárias. Fica-nos sobretudo um precioso conhecimento do enorme impacto do regicídio português na Europa e no Mundo, dos aproveitamentos feitos em torno do acontecimento e da intensa polémica que o mesmo gerou.

28Em dissonância com o excelente trabalho dos autores está, porém, o prefácio assinado por Rui Ramos. É uma peça eivada de desnecessária ganga ideológica (felizmente não muita) e que, pelo menos, num ponto comete uma inverdade ou, se se quiser e num juízo mais brando, fica-se por uma meia-verdade. De facto, a páginas 7/8, Ramos atribui à «passividade do povo» o facto de os governos em exercício ganharem sempre as eleições. É visível a complacência com que Ramos trata esta questão, bem pouco edificante, da monarquia constitucional, mas não é possível esconder que a verdadeira razão do fenómeno residia no facto de que, estando no poder, poderiam os governos mobilizar, com prebendas, sinecuras e cargos importantes e decisivos (o que hoje a gíria política apelidaria de «tachos»), toda a sua rede de caciques eleitorais e desse modo ganhar as eleições. Se porventura tal não chegasse, haveria sempre o recurso às chamadas «chapeladas». Por consequência, as vitórias eleitorais dependiam muito mais de um conjuntural poder de manobra dos cabos eleitorais que da proclamada «passividade» de eleitores, cuja existência não se nega, mas à qual, de nenhuma forma, poderá ser atribuída a categoria de causa principal.

29Este é um pequeno senão que não deslustra, longe disso, o trabalho dos autores, Joaquim Vieira e Reto Mónico. A estes teremos de agradecer uma obra de rico conteúdo histórico, fruto de um intenso e aturado trabalho de investigação, inteligentemente escrita e estruturada e que, por tudo isso, enriquece o património historiográfico nacional. A sua leitura recomenda-se vivamente.

30Pelo centenário da morte do rei, muitos outros livros foram publicados sobre o assunto. Na impossibilidade manifesta de falar de todos eles e com perdão dos respectivos autores, os que aqui se apreciam, retratando grosso modo os diferentes conspectos e posicionamentos havidos e tomados, proporcionam a justa medida das intenções deste texto, ou seja, uma apreciação por parte de alguém que quer lançar sobre o Regicídio de 1908 um olhar crítico e desapaixonado.

Topo da página

Notas

1 Almeida, António Branco, História, Regicídio de 1908 – O Universo Numa Casca de Noz. Disponível em http://abrancoalmeida.wordpress.com/ciencias/regicidio/, 22/08/09.

2 Note-se que, anos mais tarde, um outro ditador, Salazar, retoma esta tese, em apreciação que fez ao regime e à personalidade e acção de Franco.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Fernando E. Mendonça Fava, « Os Livros do Regicídio », Ler História, 57 | 2009, 137-147.

Referência eletrónica

Fernando E. Mendonça Fava, « Os Livros do Regicídio », Ler História [Online], 57 | 2009, posto online no dia 01 Junho 2016, consultado no dia 24 Junho 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/1896 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.1896

Topo da página

Autor

Fernando E. Mendonça Fava

CEIS-20 – Universidade de Coimbra

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org