Navegação – Mapa do site
Materiais da Memória

Uma educação de há 100 anos

Benedicta Maria Duque Vieira
p. 107-121

Texto integral

1Memórias dos anos de colégio, entre 1914 e 1926, de Amélia Eugénia Capelo Franco da Fonseca Castel-Branco (1906-2003). O testemunho oral foi recolhido no final da década de 1960, inícios da de 1970, em sua casa, na Póvoa de Rio de Moinhos, pelo marido, Manuel Duque Vieira, antigo jornalista e professor do ensino secundário, já então reformado.

2É um texto corrido, a maneira encontrada da escrita acompanhar a velocidade do ditado. Na versão agora editada, a partir do registo escrito original, expurgou-se o texto de incorreções linguísticas e literárias decorrentes da oralidade inicial, acrescentou-se uma ou outra palavra e procedeu-se a algumas alterações, respeitantes à pontuação, com o intuito de melhor esclarecer o sentido do texto. Esta inestimável melhoria, bem como a decifração de algumas palavras do manuscrito, devem-se a três leitores dedicados: Ana Mouta Faria, André Ferrand d’Almeida e Augusto José Monteiro.

3As Memórias seguem um itinerário individual, mas são paradigmáticas do modelo de educação conservadora e tradicional que, a contragosto do novo regime e contrastando com ele, persistiu nos anos da 1.ª República.

4Nascida com o humanismo renascentista, a «utopia» do acesso de todos à educação inscreve-se na longa duração, tendo, em Portugal, alcançado estatuto constitucional nos três documentos do liberalismo monárquico. Nessa linha do tempo, contínua, mas ritmada irregularmente, a afirmação do ideal educativo republicano, associado ao plano de laicização rápida da sociedade portuguesa, constituiu-se como uma referência fundamental.

5Por um lado, era a partir da escola, da educação, e em particular da educação cívica das crianças, os cidadãos do futuro, que se entrevia a revolução cultural legitimadora da nova ordem política e social; por outro, era através do ensino e da escola, em particular pela mediação do professor, que se ofereciam os meios de socialização e de endoutrinação republicana. Era ainda à educação, um «novo poder espiritual», que se confiava a função integradora que, até então, pertencera à religião.

6Em balanço final – considerando os objetivos do ideário e da prática pedagógica republicana – podemos dizer que teria sido uma aposta ganha ao nível discursivo e na centralidade simbólica que o período e a temática ocupam no imaginário político nacional, mas perdida nas realizações, a mais das vezes, confinadas a intenções generosas, sem concretização.

7Como se disse, as Memórias apresentam uma realidade educativa distante dos pressupostos ideológicos da 1.ª República, ou seja, revelam-se como contraponto confessional à escola laica.

8Na educação das três gerações femininas presentes nesta evocação (avó, mãe e filha; Amélia, Benedicta do Carmo e Amélia Eugénia), com os óbvios constrangimentos epocais, distinguem-se os mesmos valores e a mesma opção por um ensino formal, em regime de internato (como não podia deixar de ser) mas nunca em estabelecimentos de ensino público.  É uma opção refletida, apoiada em leituras que deixaram rasto nas bibliotecas familiares. Exemplo disto, a existência do livro de Maria Amália Vaz de Carvalho sobre a educação da mulher «perante a sociedade moderna». Publicado em 1906, As Nossas Filhas – Cartas às mães, mostra que o debate que então interessava o País não passou despercebido nas pequenas aldeias beirãs.

9A geração mais antiga reporta  às décadas de 1840/50, no tempo em que os conventos, também  recolhimento de senhoras leigas, continuavam abertos para a educação de meninas, ao abrigo da suspensão da lei de extinção das ordens religiosas femininas em vida de uma última freira residente. Amélia Capelo da Fonseca, certamente por vontade do pai, o Dr. José António da Cruz Capelo, foi uma dessas alunas que beneficiou de um ambiente conventual culto que, inclusive, lhe possibilitou a aprendizagem extracurricular do italiano para melhor satisfazer o seu gosto pelo canto lírico.

10A segunda geração, neste caso, a das décadas  de 1870/80, frequentou os colégios recém-criados em Portugal, orientados por novas  congregações religiosas expressamente devotadas ao ensino.

11A terceira geração, a das décadas de 1910/20, cerne destas recordações pessoais, vive os acasos do período da 1ª República.

12Nas Memórias, ao longo de todo o texto, a conjuntura político-social, nas suas diversas modulações e dinâmicas, impõe-se como pano de fundo onde os acidentes pessoais se inscrevem e se explicam.

13São, assim, protagonistas do percurso educativo em causa: a extinção e expulsão das ordens religiosas após a proclamação da República; a conspiração e a emigração monárquicas; as sequelas das leis oitocentistas de desamortização em época de agitação revolucionária; o eclodir da Grande Guerra; a segunda fase de recatolização do país no período contemporâneo. Como o são também, já no registo das circunstâncias pessoais, a escola pública de aldeia, o ensino doméstico, o colégio privado – no país ou no estrangeiro; o currículo escolar, as atividades extracurriculares, a primazia da formação religiosa.

14Um itinerário que, para além de nos elucidar sobre a personalidade de quem nos dá estas memórias, ilumina geografias, culturas e quotidianos.

Memórias

  • 1 A referência à República remete para a Lei de Separação do Estado das Igrejas, de 20 de abril de (...)
  • 2 Os pais, Benedicta do Carmo Capelo Franco Frazão e José da Fonseca Castel-Branco; a casa situa-se (...)

15Com o advento da República1 algumas freiras refugiaram-se em casa de meus pais2. Eu tinha uns 5 anos e como elas não tinham que fazer, voltaram-se para mim, ensinando-me, o que muito me divertia. Foi assim que comecei a aprender. As boas das freiras diziam-me que o “V” era um vasinho de manjerico e faziam o mesmo para as outras letras. Tudo isto me parecia magnífico.

  • 3 A família Franco, em geral, muito conotada com os problemas dos últimos anos da Monarquia. O ramo (...)

16No Natal, as freiras fizeram uma festa de quadros vivos, piano, etc., o que alegrou a família que estava bem precisada de esquecer as preocupações3. E, logo que aprendi a ler, ia para a cozinha ler contos às criadas, alguns contos eram muito belos e alguns, os mais comoventes, levavam as criadas a chorar.

  • 4 Joaquim e João Capelo Franco Frazão. Incluídos no grupo dos denominados Conspiradores da Beira.
  • 5 O Natal de 1911 passam-no na Extremadura espanhola, em Zarza la Mayor. No início de outubro de 19 (...)
  • 6 Refere-se ao reacender do grande conflito que, principalmente depois da publicação, na década de (...)
  • 7 A questão dos baldios assumiu formas épicas na Capinha, levando Amélia e João António Franco Fraz (...)

17Os meus tios, velhos monárquicos, conspiraram contra o novo regime4. Acabaram por ir, uns para a Espanha e outros para a Suíça5. Nessas circunstâncias, os meus avós, que tiveram de sair da sua terra por questões relacionadas com uma propriedade que a Câmara vendeu em hasta pública6, vinham muitas vezes para nossa casa passar temporadas7. Ficavam também numa povoação fronteiriça, Alcafozes, onde eu por vezes os acompanhava.

  • 8 A diferença entre o solitário ensino doméstico, que fora o seu, e a frequência de uma escola públ (...)

18Aí, como não tinha que fazer, ia à escola8 e tinha o prazer de sair sozinha, felicidade que os meus pais me não permitiam na minha terra. Uma das minhas tias tinha-me dado uma malinha de lata pintada, a coisa mais encantadora da vida para mim; nela levava a merenda na meia dúzia de metros que havia entre a casa e a escola.

19Antes de sair passava pelo forno. Quando ali estava a cozinheira da avó dava-me logo a provar os biscoitos que estava a cozer, que, para mim, eram deliciosos.

20Tinha um grande desgosto: ia à escola duma velhinha aposentada mas o meu desejo era ir à escola nova porque a professora era uma rapariga, que eu achava muito bela.

  • 9 Sobre a vivência familiar, cf. Benedicta Maria Duque Vieira,, «João Franco entre os seus – Franco (...)

21Em Alcafozes juntaram-se, pelo Natal, todos os meus tios9. Fez-se uma grande festa e penduraram-se as prendas na árvore de Natal. Eu estava triste porque não tinha prendas para pendurar na árvore. Uma das minhas primas lembrou-se que tinha uns saquitos e eu uns bombons e assim fizemos as nossas prendas.

22Alguns dos meus tios escolheram para exílio Zarza la Mayor, uma povoação fronteiriça. Nós íamos visitá-los. Passávamos o Tejo num barco. Eu tinha um casaco azul, e como já era República, pedi às minhas tias que me tapassem o azul com uma capinha vermelha, para que os guardas não vissem aquele azul, meio monárquico.

  • 10 Em castelhano «bonita».

23Todos lá me faziam festas e queriam levar-me a sua casa e, um dia, ouvi uma espanhola dizer-me «qué mona!»10. Comecei a chorar e a mulher foi-me comprar uma boneca para me consolar. Em casa declarei que não voltava à rua porque uma espanhola me chamara «mona». Todos riram daquela minha ignorância da língua de além-fronteira.

24Íamos à igreja local. Com surpresa vimos que as espanholas levavam merenda para a igreja e sentavam-se em volta na conversa. O pároco vendo que aquilo estava mal e que nós nos portávamos como devíamos dizia: «Olhem os portuguesitos como estão bem!»

25Antes de alugarmos uma casa em que coubéssemos todos, eu e uma das minhas tias que me acompanhava fomos dormir a casa de uma pessoa amiga. O quarto não tinha luz, a porta dava para a sala, e a cama era muito alta. Muito me diverti com a minha tia, que começava a correr para dar um salto para a alta cama. Quanto a mim, punha-me em cima de uma cadeira, e daí a minha tia, já deitada, puxava-me. Muito me ri, ainda criança, com todas estas manobras.

  • 11 João António de Oliveira Franco Frazão Castelo Branco (1837-1915), bacharel formado em Direito e (...)

26O meu avô11, já bem velho, bebia o seu café e toda a pequenada corria então para ele porque nos ia dando uma colher de café a cada um. A certa altura começou a sofrer de ciática, que o fazia sofrer horrivelmente. Quando entrávamos no quarto, logo nos faziam sinal para andarmos muito devagar para que não houvesse nenhuma trepidação. Impressionava-me ver as tias segurarem-lhe o lençol para que ao menos o tecido não lhe tocasse nos dedos dos pés.

  • 12 Um santinho assinala no verso «Lembrança da 1.ª Communhão de D. Maria Emília Capello Franco da Fo (...)
  • 13 O n.º 12 do artigo 3.º da Constituição de 1911 diz textualmente: «É mantida a legislação em vigor (...)
  • 14 Logo em janeiro de 1911, a Villa Rhatia, casa e colégio das Doroteias em Lucerna, foi a primeira (...)
  • 15 A opção dos pais por uma educação na Suíça foi facilitada pelo exílio voluntário a que se submete (...)
  • 16 No dia 30 de julho de 1914, «umas trinta alunas, acompanhadas da Mestra-Geral, partiram para Port (...)

27A minha irmã mais velha era aluna das Doroteias no colégio do Quelhas, em 191012. Como as ordens religiosas foram expulsas13, aquelas religiosas constituíram um colégio na Suíça14. Para lá seguiu também a minha irmã15. No entretanto, veio a primeira Grande Guerra e o meu pai exigiu que ela regressasse à pátria16. E pensaram numa senhora que fosse para nossa casa para nos ensinar. Ninguém queria, com algum saber, enterrar-se numa aldeia beiroa.

  • 17 Colégio da Sagrada Família, onde durante anos esteve instalado o noviciado da Província Portugues (...)

28Vendo a minha irmã muito triste, a minha mãe falou-lhe na impossibilidade de trazer alguém para continuar a sua educação. Tendo conhecimento de que as Doroteias tinham aberto um colégio em Tuy17 perguntou-lhe, visto ela já estar uma mulherzinha mas ignorante, se queria ir para o colégio ou ficar em casa. Ela respondeu logo: «Nesse caso, fico em casa.» Ao que a minha Mãe observou: «Visto teres tão pouco juízo, vão preparar-se as coisas para ires imediatamente.»

29Assim, mandaram para lá aquela minha irmã, já uma senhorinha, que preferia ficar em casa. Para lhe fazer boa companhia, os meus pais mandaram-me também com ela, tinha eu então 8 anos, a pretexto de me preparar para fazer lá a 1.ª comunhão.

30Antes disso, porém, já tinha aprendido o catecismo. A minha mãe, visto eu já saber ler, marcava-me as lições. Sentava-me numa cadeira pequena em frente de outra de tamanho normal a servir de mesa. Era nesta secretária improvisada que ia estudando e assim o aprendi. Quando me julgava já habilitada, ia ter com a minha Mãe para ela me interrogar. Se sabia a lição, marcava outra para o dia seguinte; se não sabia, mandava-me para o meu lugar. Por isso, quando cheguei ao colégio já sabia todo o catecismo, exceto as bem-aventuranças, que nunca as aprendi bem encarreiradas.

31A minha irmã ia desolada e eu deliciada com a ideia de ir para o colégio. Como eu estava radiante, a minha irmã ralhava-me. Seduzia-me a ideia da companhia, da brincadeira.

32A passagem na ponte de Valença para Tuy fazia-se numa carripana puxada por cavalos que tomaram o freio nos dentes a meio da ponte e deram voltas sobre voltas. A minha irmã, muito contente porque íamos morrer sem ela chegar a ir para o colégio, disse ao meu pai, que nos acompanhava: «Desta vez não chegamos lá, sempre morremos aqui para eu não ir para o colégio.»

33A minha primeira lição foi de francês com a Irmã Brito, a freirinha linda e mais simpática, de mãos maravilhosas, toda ela um encanto. Como se rezava no princípio da aula, em francês, a lição desse dia foi a Ave-Maria. Todas a repetirem, eu que já a sabia de casa devido à pedagogia da minha mãe, quando chegou a minha vez, disse-a inteirinha sem hesitação, o que produziu espanto em todas. E passei a ser uma aluna muito considerada e uma aluna brilhante em catecismo, graças às duas cadeirinhas lá de casa.

34Entretanto, a 1.ª comunhão estava marcada para 19 de março. Foram assistir a minha avó, uma tia, meu pai e uma prima da minha idade que também ia fazer a 1.ª comunhão. O pai pensava trazer-me depois dessa festa mas viu-me tão contente que me deixou ficar até ao fim do ano.

  • 18 Educandas caminhavam em silêncio, em filas paralelas, usando o uniforme do colégio, ordenadas por (...)

35Aí por meados de abril adoeci gravemente com uma pleurisia. Toda a gente rezou, fizeram-se novenas. O meu pai ia para a capela e aí pedia à Mãe Santíssima a minha cura porque eu era dele. Chegaram a alugar um jazigo para o meu cadáver ficar ali enquanto não fosse possível trazê-lo para o cemitério da minha aldeia. Recebi a Extrema-Unção. Toda a população daquela pequena cidade rezou por mim. Como escapei, vinham as mulheres dizer ao meu pai que tinham rezado, que me tinham inscrito nas associações da terra, e tudo o meu pai pagava. Daí por diante chamavam-me a Menina do Milagre. Quando saíamos, em forma18, pediam para ver la niña del milagre. E eu, muito envergonhada, lá tinha de sair da forma. No dia 31 de maio, ainda na cama, recebi a fita do Menino Jesus, em prémio de ter sido boa doente. Foram lá as pequenitas minhas colegas, levavam flores e havia um altar muito bem armado e veio o padre, diretor da corporação, para me impor a respetiva insígnia.

  • 19 Houve ainda a promessa de só vestir de branco durante uma série de anos.

36No fim desse ano escolar, foram os meus pais e os meus irmãos mais pequenos e fizeram-me lá, mas na Sé, uma festa a Nossa Senhora em agradecimento por eu ter escapado. Ainda não pararam os louvores a Nossa Senhora19. Pela mesma razão, no fim desse ano, na festa de agosto da minha aldeia, o meu pai custeou todas as despesas da festa e fizemos flores para todos os altares. Os meus tios foram lá de propósito para pegar no pálio e no andor de Nossa Senhora do Rosário, que não era costume ir nas procissões.

37Os republicanos da terra, mais ou menos jacobinos, propalavam que eu adoecera por não ser bem tratada pelas freiras. Em resposta, logo que chegou outubro, o meu Pai mandou-me de novo para o colégio. Fiquei em Tuy até ao fim deste ano mas voltei depois para casa, pois não se justificava uma despesa daquelas para uma miúda de 9 anos. Fiquei então dois anos na minha aldeia.

  • 20 Em 1910, a Província Portuguesa perdeu as suas 12 casas – em Lisboa, Porto, Vila Nova de Gaia, Pó (...)
  • 21 São Vicente da Beira, sede de um concelho medieval onde a Póvoa esteve incluída entre 1837 e 1870 (...)
  • 22 Le Moniteur de la mode e o Journal des dames et des demoiselles foram as revistas femininas que d (...)
  • 23 Trata-se, possivelmente, de Le livre de piété de la jeune fille au pensionnat et dans sa famille, (...)

38Nessa altura, para eu e a minha irmã mais nova irmos aprendendo português, veio uma rapariga do Asilo de Vilar20, a D. Aurora. Para aprendermos música vinha o Sr. Valério, regente da filarmónica de uma aldeia a uns 20 quilómetros de distância21. Minha mãe continuou com o francês: uma folha de 35 linhas, dividida em quatro; qualquer revista de modas francesas22 e um dicionário. Numa coluna escrevíamos as palavras francesas, na outra a tradução. Quando a página estava acabada terminava a proveitosa lição. Na verdade, no fim do ano, eu lia o francês de tal forma que a minha mãe me ofereceu Le livre de piété de la jeune fille, em moda nesse tempo23. Afinal, o processo da pequena e da grande cadeira dava bons resultados.

39Comecei a ensinar catequese todos os domingos na igreja paroquial, acompanhada da Aurora, também ela catequista. Por fim, em 1918, com 12 anos, regressei de novo ao colégio com a minha irmã mais nova.

40Quando chegámos ao Porto, onde ficávamos sempre um dia para irmos ao dentista (cuidados do meu pai) soubemos que já estavam em Póvoa de Varzim umas Doroteias. Imediatamente, o meu pai, que nos acompanhava infalivelmente naquelas viagens, resolveu ir saber o que se passava.

41Na verdade, um princípio de colégio existia ali, formado pela necessidade do momento. Duas Irmãs, a Madre Sá e outra, que estavam em Tuy, vieram no fim das férias de verão ao Porto comprar material para trabalhos. Entretanto, fechou a fronteira por qualquer circunstância política do tempo e, como a Madre Sá era natural da Póvoa, foram as duas para casa da sua família.

42Para se não tornarem pesadas, resolveram dar umas lições. Abrindo, entretanto, a fronteira, prepararam-se para regressar ao seu colégio. Mas os bons dos poveiros não as deixaram. Pediram autorização superior, que lhes foi concedida, e foi assim que reabriu o antigo colégio da Póvoa, fechado compulsivamente em 1910.

  • 24 Proibidas de usarem os hábitos religiosos, e sem meios que lhes permitissem renovar o guarda-roup (...)

43As freiras, devido às circunstâncias do tempo, andavam à secular e muito mal vestidas24, ou então à francesa, conforme o que lhes enviavam as mademoiselles.

  • 25 Essa boa relação perdurou e, em 21 de setembro de 1946, estão presentes nas Bodas de Ouro da entr (...)

44A Madre Sá, mestra-geral em Tuy quando estive doente, ficou muito nossa amiga e do nosso pai25 e logo nos arranjou lugar. Continuei com o meu número anterior, o 110, e a minha irmã, como já havia o 31, ficou com o 31+.

  • 26 Igualmente manteve a amizade com a Irmã Paixão, correspondendo-se as duas ainda no início da déca (...)

45Ali fiquei três anos num colégio formado por três ou quatro casas separadas, mas lembrando-se da minha doença o meu quarto ficou na Casa Mãe. A Irmã Paixão dormia no quarto pegado ao da Madre Fiadeiro, que foi sempre a minha superiora nos colégios onde estive. A Irmã Paixão26, nossa vizinha, à noite punha-me sempre um mimo: um rebuçado, duas cerejas atadas com uma fitinha, um cálice de vinho do Porto, tudo o que tinha para me dar prazer. Foi aqui que, devido a ter vindo de Tuy, comecei a pertencer ao grupo das grandes, tendo eu então apenas 12 anos.

46Em Tuy, as mestras eram distintas e as pequenas eram na generalidade de boas famílias. Por isso, na Póvoa eu era muito notada pelas minhas novas colegas, em grande parte sem grande educação, filhas de novos-ricos. Envergonhava-me algumas vezes de me porem como exemplo a todo o momento, o que me parecia caricato.

47Um dia estávamos num jogo em que havia menos uma cadeira do que o número das participantes. A um sinal mudávamos todas de cadeira e a que ficasse em pé tinha que procurar encontrar outro lugar. Claro que tínhamos de correr, havendo frequentes encontrões. Em certo momento, a freira bateu as palmas e todas nós parámos e ficámos caladas. E vai ela e diz com toda a solenidade: «Repararam como esta menina (a menina era eu) se senta com toda a delicadeza?» Fiquei tão envergonhada que, se houvesse um buraco no chão, enfiava-me por ele adentro.

48Felizmente, as minhas companheiras não me tomaram de ponta, devido ao meu feitio alegre e folgazão.

  • 27 O rigor, a exigência e alguma distância eram de norma, no colégio e na família, traduzidos na máx (...)

49A nossa sala de trabalho era muito pequena, estávamos todas muito juntas, com cadeiras e bastidores, dava muita vontade de falar. Na verdade, algumas vezes aproveitei a confusão e falei tanto quanto pude e por isso as minhas notas de comportamento não foram como era costume. De casa, a minha mãe mandou logo dizer que nas férias ficava de castigo no colégio. Lembro-me de lhe ter escrito uma carta com umas desculpas tão grandes e tais arrependimentos que era como se tivesse feito algum crime27. Em vista do meu arrependimento fomos ambas, a minha irmã e eu, a férias.

50Era costume as notas serem lidas alto, perante todos, no fim de cada mês. Qual não foi a minha irritação ao verificar que, afinal, todo o borborinho sobre o meu comportamento se saldou por ter descido a classificação para 14. Fiquei furiosa por ter pedido tantos perdões. Desde essa altura nunca mais deixei de ter a faixa de bom comportamento, o que equivalia a 15 de comportamento.

51Daí a dois anos, o governo entregou a casa do Colégio de Vila do Conde às Doroteias. Para lá passei com um grupo de colegas, fruto de seleção entre todas as alunas da Póvoa. Foram comigo a mestra-geral e a madre superiora.

  • 28 Ao contrário das colegas que, com elevado grau de escolaridade, permaneceram sob a classificação (...)

52Concluí ali a minha vida de colégio, dez anos, tendo eu 20 de idade. Aprendi muita coisa mas não fiz nunca um exame oficial28.

53Quando aprendi a prestar atenção àquilo que me rodeava, vi um livro que tinha o desenho de uma harpa muito bela e daí por diante só pensava em aprender a tocar esse instrumento. Por isso, enquanto estive em Vila do Conde, vinha todas as semanas ao Porto aprender com a Senhora D. Julieta Falconieri de Oliveira. Acabei por tocar harpa, além do piano e, como me via interessada pela harpa, o meu pai comprou-me uma.

  • 29 O catálogo da obra de Ofélia de Azevedo Garcia (1911-2010), que contempla diversas técnicas de pi (...)
  • 30 Um folheto do Colégio de Nossa Senhora da Conceição, na Covilhã, relativo à solene distribuição d (...)

54Os meus pais queriam que nós aprendêssemos de tudo, por isso tinha o tempo todo tomado. Trabalhos em estanho, talha, flores, etc.29, além do estudo do francês e do inglês e um curso, embora reduzido, à semelhança do liceu até ao quinto ano30, tomavam-nos muito tempo.

  • 31 Em 1910, o movimento de devoções e atividades pias no colégio das Doroteias, em Lisboa, era assim (...)

55No colégio havia durante o ano várias festas, anos da superiora e da madre-geral, além das que tinham especialmente carácter religioso, como a do Coração de Jesus, Imaculada Conceição e a do fim do Mês de Maria, na qual havia admissões para as diversas congregações31.

  • 32 Filhas de Maria é uma associação piedosa destinada a formar os jovens na virtude sob o patrocínio (...)
  • 33 A devoção ao Coração de Jesus, tem origem antiquíssima mas a sua projeção dá-se a partir do sécul (...)

56Tomávamos muito a sério a eleição dos corpos diretivos dessas congregações. Tínhamos todos os meses uma reunião de Filhas de Maria32 e outra de zeladoras do Coração de Jesus33.

57Quase sempre fui das direções, mas as reuniões do Apostolado da Oração tinham mais importância por serem presididas pelo diretor eclesiástico. Num dos anos, foi diretor o Padre Arnaldo Magalhães e eu era a secretária.

58Nunca tive vocação nem gosto para a escrita mas devido à minha boa caligrafia, escolhiam-me habitualmente para aquele lugar. Devia tirar notas do que se passava na sessão e redigi-lo para que na vez seguinte pudesse ler uma ata real.

59Um pouco antes da sessão seguinte fazia ali um interrogatório já um tanto ou quanto falsificado. Uma das vezes estava a ler a ata às colegas, antes de entrarmos para a sessão. Fiz uma pausa e disse: «Aqui o nosso reverendo diretor tosse e vai dizer (imitei a tosse) ‘Menina, isso não está exato’».

60Entrámos, rezou-se com toda a seriedade. Comecei a ler a ata e ao chegar ao respetivo ponto, o padre tossiu. Saiu-me uma gargalhada e já não pude continuar. Teve de continuar uma colega a quem eu pedira. Isto valeu-me uma descompostura em forma e fui obrigada, pela Madre Saraiva, a diretora, que assistia sempre, a pedir desculpa, de joelhos, às colegas. Como nunca me agradou andar de joelhos a pedir desculpa por um ato que não me parecia ter importância, ia passando junto de cada uma e, entre o riso e o sério, ia-lhes pedindo desculpa.

61Dias depois, a Madre Saraiva perguntou-me onde é que eu tinha reunido as colegas para lhes pedir desculpa. Um pouco atrapalhada, porque ela não era para brincadeiras, disse-lhe: «Madre Saraiva: não se irrite, em vez de pedir um só perdão, pedi-o a cada uma em particular, quinze ou vinte perdões, muito mais do que a Madre Saraiva me encarregou.» A Madre, muito minha amiga, acabou por achar graça ao caso.

  • 34 A realização deste 1.º Congresso Nacional Eucarístico, exemplo da dinâmica de mobilização e organ (...)

62Num dos anos em que estava em Vila do Conde, houve em Braga o 1.º Congresso Eucarístico Nacional34. Para ir bastava a licença dos pais, o que tive facilmente. Fomos umas vinte e tantas com algumas freiras. Na cidade dos arcebispos fomos para casa de pessoas das relações das Irmãs. Gostei muito.

63Pela primeira vez ouvi o futuro Cardeal Cerejeira, que falou sobre a vida interior e o apostolado. Foi um encantamento, a começar pela sua figura nobre e distinta.

64O presidente dava apenas 10 minutos a cada orador. Alguns não se conformavam. Um dos oradores que quis ir até ao fim, contra a opinião do presidente, foi o Bispo de Bragança, Leite de Faria, que não se quis calar, protestando. Houve um momento de descontentamento na assembleia. Por isso recebeu ordem para ter mais 5 minutos e assim terminar o seu trabalho.

65Tudo isto me fez muita impressão. Para nós, alunas de freiras, o sacerdote era um Deus.

66Seguiu-se na palavra o professor Cerejeira, muito novo ainda. Falou com agrado de todos e, logo que lhe deram sinal para terminar, nem acabou a palavra que ia a dizer. Toda a assistência lamentou que ele não pudesse ir até ao fim. Visto este sentir geral, o presidente mandou-o continuar: fora um admirável exemplo de obediência.

67Uma das freiras era natural de Braga. Foi-lhe concedida licença para ir também. Ficou em casa dos pais. Era a primeira vez que ia a Braga depois de se ter feito freira. A despedida dos pais foi dolorosíssima, o que muito nos impressionou. Naquele tempo tudo era mais rigoroso.

  • 35 Pela referência ao Padre Pinto, o padre jesuíta Sebastião Pinto da Rocha, pode relacionar-se a si (...)

68Já nos fins da minha vida de colégio, houve aqui uma onda de vida espiritual que abrangia dez ou doze das minhas colegas, a Madre Alves e o Padre Pinto que patrocinavam este grupo. Pretendiam ser freiras mas não nas Doroteias, queriam mais alto35. Entre várias parvoíces, faziam notas, escrevendo-as com o seu próprio sangue devido a arranhões de alfinetes.

69Na verdade, nenhuma chegou ao fim de seus propósitos e, mais tarde, teve a autoridade religiosa de as desligar de votos que tão insensatamente tinham tomado.

70Eu era amiga de algumas dessas minhas companheiras, dando-me mesmo muito com algumas delas, sem nada saber dos seus propósitos e votos. Havia um outro grupo, meia dúzia, amigas íntimas da madre-geral que as amimava. Para que só aquelas os soubessem fazer, a Madre levava-as para salas à parte e ensinava-lhes alguns trabalhos que só víamos no fim do ano. Mandava-lhes vir livros e mesmo que fossem pedidos por outras alunas, aquelas eram as primeiras a comprá-los. E até umas merendinhas, uns chazinhos, bolos, etc.

71Como eu era tida como pessoa de confiança, a própria mestra-geral me chamava muitas vezes encarregando-me de vários serviços, como, por exemplo, copiar as notas nas cartas das famílias, deixando-me só no seu gabinete enquanto saía com o seu grupo (facto que eu ignorava).

72Comecei a notar certa desconfiança, uma vigilância de algumas freiras, e especialmente uma delas.

73Como não tinha nada a acusar-me, deixei correr. Uma tarde, estudando piano na sala de desenho, estando a professora a escrever numas carteirinhas, agendas ou livros de notas, veio-me ao pensamento a ideia de que ela pertencia ao grupo das espirituais. Saiu enquanto eu continuava no meu estudo. Pouco depois apareceu a freira que me andava a espiar, fez-me uma festinha e deve ter visto as agendas que a outra tinha acabado de escrever e pôr sobre a mesa.

74Na verdade, deu-se pela falta de uma das agendas. Não tendo sido eu, foi certamente a freira. Visto faltar uma das agendas, vieram perguntar-me quem tinha entrado na sala. Eu disse-lhes quem era. Ela ofendeu-se e ralhou-me no dormitório diante de todas, acusando-me de andar a jogar com um pau de dois bicos.

75Como não sabia do que se passava pensei que aquela ralhada era apenas por eu ter dito que fora ela que entrara na sala de desenho. Saí nessa mesma manhã do colégio, para não voltar. Em dez anos tinha sido sempre leal e amiga de todas as freiras. Estava desgostosa com aquele final.

76Passaram as férias grandes e a Madre Saraiva, que tinha estado na Póvoa de Varzim, regressava agora ao colégio de Vila do Conde. Como éramos muito amigas, tivemos desgosto por não termos estado juntas nos últimos tempos.

77Pedi aos meus pais que me deixassem ir por mais um trimestre. E foi assim que acabei por deslindar o enigma dos grupos, estando já ausentes as freiras, o padre e a maioria daquelas raparigas. Nessa altura, a Madre que me tinha acusado de jogar com um pau de dois bicos acreditou na minha sinceridade e no meu alheamento de todos os grupos e grupinhos.

  • 36 Refere-se à morte de um irmão, Joaquim, ainda criança, e à doença de um outro, José, que, depois (...)

78Muitas vezes pensei em ficar para sempre nas freiras. Não o fiz, porém, pelos muitos desgostos que sofreram os meus pais, e a própria Madre Saraiva entendia que o meu lugar era junto deles, a ajudá-los e a animá-los36.

Terminam aqui as MEMÓRIAS – quinze páginas manuscritas num caderno escolar, ao sabor de conversas, e sem revisão posterior. Na página final, a protagonista das memórias deixa, escrito pelo seu próprio punho, um esclarecimento aos filhos:

«Estas notas foram escritas no decorrer de conversas que os dois aqui sós na Póvoa tínhamos ocasião de ter. Tinha o pai muito gosto em ouvir os meus apartes, as minhas opiniões, e quis que eu falasse para melhor conhecer como se formara uma vontade que se não dobrava, mas que ao mesmo tempo, dizia ele, sabia ser amável, compreensiva e muitas vezes esquecida de si.

Gostava de ser capaz de continuar. Veremos.

Faleceu o meu querido Manuel a 20-1-1972.»

Topo da página

Notas

1 A referência à República remete para a Lei de Separação do Estado das Igrejas, de 20 de abril de 1911, que reconhece a liberdade de consciência e de cultos e reitera as disposições da lei de 8 de outubro de 1910, publicada pelo Governo Provisório. Repunha a legislação pombalina sobre a expulsão dos jesuítas, bem como a legislação liberal de 1834, que extinguia todas as ordens regulares e congregações masculinas. A República estendeu o seu âmbito às ordens religiosas femininas, revogando o decreto de 18 de abril de 1901, que autorizara a constituição de congregações religiosas no caso de se dedicarem exclusivamente à instrução e beneficência, ou à propaganda da fé e civilização no ultramar. A expulsão aplicava-se aos membros estrangeiros ou naturalizados das ordens regulares; quanto aos portugueses, são compelidos a viverem secularmente e proibidos de o fazerem em comunidade religiosa, sob pena de exílio forçado. A lei de 8 de outubro tornou-se constitucional pelo n.º 12 do artigo 3.º da Constituição de 1911.

2 Os pais, Benedicta do Carmo Capelo Franco Frazão e José da Fonseca Castel-Branco; a casa situa-se em Póvoa de Rio de Moinhos, uma aldeia do concelho de Castelo Branco.

3 A família Franco, em geral, muito conotada com os problemas dos últimos anos da Monarquia. O ramo Franco Frazão, em particular, aquele a que as Memórias aludem diretamente, foi proscrito por uma parte da população da Capinha (concelho do Fundão), a sua aldeia natal, e sofreu perseguições noutras terras onde possuía casas e propriedades.

4 Joaquim e João Capelo Franco Frazão. Incluídos no grupo dos denominados Conspiradores da Beira.

5 O Natal de 1911 passam-no na Extremadura espanhola, em Zarza la Mayor. No início de outubro de 1912, depois de um mês em Royan, juntam-se em Genebra ao irmão José, conde de Penha Garcia. Em 1914, já amnistiados, regressam a Portugal. Entretanto, João cursou Agronomia em Perúgia e Joaquim, depois da morte do pai, em 1915, passou a administrar a enorme casa agrícola.

6 Refere-se ao reacender do grande conflito que, principalmente depois da publicação, na década de 1860, das leis de desamortização dos bens das instituições beneficentes e das dos baldios, opôs com violência os povos aos novos proprietários. A legislação liberal considerou os baldios propriedade pública, facilitando a alienação destes, por venda ou arrendamento. A apropriação de terrenos de uso comum para aproveitamento agropecuário, mesmo se legal, foi combatido como um ato de usurpação pelas comunidades aldeãs.

7 A questão dos baldios assumiu formas épicas na Capinha, levando Amélia e João António Franco Frazão a acolherem-se em Póvoa de Rio de Moinhos, na casa de uma das suas filhas. Uma petição, com 44 signatários, datada da Capinha, 23 de fevereiro de 1911, acusa: «A família Franco Frazão apoderou-se há mais de 35 anos de importantíssimos baldios, a nossa riqueza, exercendo toda a violência contra aqueles que não se quiseram deixar esbulhar. Alguns dos signatários ainda se lembram do que então sofreram. Agora, proclamada a República, que cremos bem nos há de restituir o que é nosso e fazer-nos felizes, a atual junta de paróquia tomou a iniciativa da aquisição de parte dos baldios de que fomos esbulhados. Houve lá sucessos lamentáveis porque um filho do Dr. João António Franco Frazão com uma carabina e com os lacaios foi para as propriedades em litígio provocar o povo. A força armada tem aqui estado, mas a exaltação dos ânimos não diminui. Se Vª Exª se dignasse mandar aqui um enviado especial, era um enorme serviço e benefício que nos enchia de eterna gratidão. Nós apenas queremos justiça!» O Congresso da República não lhes dá razão. Um edital, «Ao povo da Capinha», assinado pelos deputados do círculo, confirma a legalidade da compra contestada pelo povo. Arquivo familiar. Cf. Benedicta Maria Duque Vieira, «Nesta lâmina está o roteiro da família Franco…», Miriam Halpern Pereira e outros [org.] Linguagens e Fronteiras do Poder. Lisboa, CEHC-IUL, 2012, pp. 374-383.

8 A diferença entre o solitário ensino doméstico, que fora o seu, e a frequência de uma escola pública onde duas professoras respondiam às necessidades do universo feminino local, só no domínio da socialização se faria sentir. Em síntese recente conclui-se que as reformas republicanas (1911, 1919, 1921) e os currículos propostos praticamente não tiveram concretização ou tiveram uma aplicação muito insuficiente, e que as medidas relacionadas com o controle dos manuais não chegaram a ser devidamente cumpridas. Augusto José Monteiro, «Os manuais escolares (de leitura) na Escola Primária da I República», Arquivo Coimbrão, Boletim da Biblioteca Municipal, vol. XLII, 2012, p. 301.

9 Sobre a vivência familiar, cf. Benedicta Maria Duque Vieira,, «João Franco entre os seus – Francos da Capinha e Francos do Alcaide», em O Centenário do Instituto Superior Técnico e Outras Circunstâncias. Lisboa, CEHC-IUL, 2014, pp. 147-165.

10 Em castelhano «bonita».

11 João António de Oliveira Franco Frazão Castelo Branco (1837-1915), bacharel formado em Direito e grande proprietário na Beira Baixa, foi deputado, par do Reino, presidente da Câmara do Fundão, governador civil de Castelo Branco, presidente da Junta Geral do distrito de Castelo Branco. Fernando Moreira, «Frazão, João António Franco», em Maria Filomena Mónica (coord.), Dicionário Biográfico Parlamentar 1834-1910, vol. II. Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais/Assembleia da República, 2002.

12 Um santinho assinala no verso «Lembrança da 1.ª Communhão de D. Maria Emília Capello Franco da Fonseca Castel-Branco no Collegio de J.M.J em Lisboa a 28 de Maio de 1910». O colégio teria à volta de 150 alunas internas.

13 O n.º 12 do artigo 3.º da Constituição de 1911 diz textualmente: «É mantida a legislação em vigor que extinguiu em Portugal a Companhia de Jesus, as sociedades nelas filiadas, qualquer que seja a sua denominação, e todas as congregações religiosas e ordens monásticas, que jamais serão admitidas em território português.» Neste caso, tratava-se de uma «sociedade» com fortes ligações à Companhia de Jesus.

14 Logo em janeiro de 1911, a Villa Rhatia, casa e colégio das Doroteias em Lucerna, foi a primeira fundação da Província Portuguesa, evidenciando a vantagem da pertença e dos recursos de uma corporação internacional. No ano letivo de 1912 já havia meia centena de alunas idas de Portugal (Marianna Cezimbra, Madre Monfalim, Memórias de sua irmã. Lisboa, R.S.D. [Instituto de Santa Dorotéia] Livraria Bertrand, 1945, pp. 301 e 313). Do mesmo modo, a Congregação Portuguesa da Ordem Terceira de São Domingos, Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena – dedicada à educação e promoção feminina nos extratos mais desfavorecidos –, em menos de um ano, janeiro de 1912, tinha já 7 fundações, principalmente no Brasil, mas também na América do Norte e na Bélgica. Em julho de 1914 eram 11 as casas. Cf. Cartas de Teresa de Saldanha na Primeira República 1910-1915. Lisboa, Aletheia, 2006, pp. 89 e 187.

15 A opção dos pais por uma educação na Suíça foi facilitada pelo exílio voluntário a que se submeteu um irmão da mãe, José Penha Garcia. Antigo ministro da Fazenda e último presidente da Câmara dos Deputados da Monarquia, fixou residência com a família em Lausanne, desenvolvendo, a partir daí, intensa campanha de defesa do império colonial português, à época muito cobiçado pelas potências europeias.

16 No dia 30 de julho de 1914, «umas trinta alunas, acompanhadas da Mestra-Geral, partiram para Portugal a fim de passarem as férias com as suas famílias. Foi, para quase todas, uma partida definitiva! Dali a três dias começou a guerra na Europa». Madre Monfalim…, p. 332. O colégio pouco sofreu com o abandono das alunas portuguesas: a mesma fonte refere que rapidamente recuperou chegando a receber meninas de 18 nacionalidades, ob. cit. p. 326.

17 Colégio da Sagrada Família, onde durante anos esteve instalado o noviciado da Província Portuguesa. As Irmãs, repartidas em três grupos, ocupavam cinco edifícios. Três como colégio para as mais de 100 alunas (modelo que viria a ser seguido no colégio restaurado da Póvoa de Varzim), um para o noviciado e o quinto, um lar para as madres velhinhas e irmãs doentes, com as irmãs precisas para o seu serviço. «As pacatas ruas de Tuy eram os corredores das Doroteias.» Madre Monfalim…, p. 402. Outras congregações religiosas femininas também se refugiaram nesta pequena cidade da Galiza, bem como a Companhia de Jesus, que ali estabeleceu um noviciado.

18 Educandas caminhavam em silêncio, em filas paralelas, usando o uniforme do colégio, ordenadas por altura e supervisionadas por uma freira.

19 Houve ainda a promessa de só vestir de branco durante uma série de anos.

20 Em 1910, a Província Portuguesa perdeu as suas 12 casas – em Lisboa, Porto, Vila Nova de Gaia, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Guimarães, Vila Real, Ovar, Guarda, Covilhã, Évora e Sintra – mas não o Asilo de Vilar, no Porto, que permaneceu por se destinar unicamente a raparigas pobres. Madre Monfalim…, p. 283. Em paralelo, a congregação das Irmãs Dominicanas Portuguesas, também viu as suas 9 casas fechadas e espoliadas, e as Irmãs exiladas e dispersas, mas mantidas em serviço nos três estabelecimentos assistenciais que orientavam.

21 São Vicente da Beira, sede de um concelho medieval onde a Póvoa esteve incluída entre 1837 e 1870. Em finais do século XIX foi extinto e incorporado no concelho de Castelo Branco.

22 Le Moniteur de la mode e o Journal des dames et des demoiselles foram as revistas femininas que disseminaram a moda parisiense na província e no estrangeiro. A primeira foi publicada até 1913. A segunda era uma co-edição franco-belga.

23 Trata-se, possivelmente, de Le livre de piété de la jeune fille au pensionnat et dans sa famille, de Sylvain Adrien (1826-1914), publicado em 1895 e sucessivamente reeditado.

24 Proibidas de usarem os hábitos religiosos, e sem meios que lhes permitissem renovar o guarda-roupa, quem as via no estrangeiro interrogava-se: «Seriam deveras Religiosas disfarçadas ou, simplesmente, umas senhoras de gosto bastante original nas suas toilettes. […] As toilettes das três estrangeiras atraíram, bem depressa, os olhares curiosos daquela juventude, ávida de divertimento. Começaram a acotovelar-se e a cochichar entre si; depois perdidas de riso, abafaram as gargalhadas, até que, por fim, não podendo mais, desataram numa risada geral!», Madre Monfalim…, pp. 286 e 287.

25 Essa boa relação perdurou e, em 21 de setembro de 1946, estão presentes nas Bodas de Ouro da entrada em religião de Júlia Prudêncio Ferreira de Sá. «Homenagem da mais profunda gratidão das suas Antigas Alunas muito dedicadas.» Arquivo particular.

26 Igualmente manteve a amizade com a Irmã Paixão, correspondendo-se as duas ainda no início da década de 1950.

27 O rigor, a exigência e alguma distância eram de norma, no colégio e na família, traduzidos na máxima «mais amor e menos confiança». Na geração anterior, em 15-3-1893, numa situação semelhante de deslize académico, ocorrida com Benedicta e Júlia Capelo Franco, então alunas internas no colégio da Covilhã, estas só a custo foram autorizadas pela mãe a irem passar as férias da Páscoa a casa (Alcafozes, concelho de Idanha-a-Nova). Na ocasião, a madre superiora, Joaquina Gomes, escreveu a Amélia Capelo Franco: «Tinha prometido às meninas que escreveria duas palavras na sua mesma carta concernentes ao seu comportamento. Em primeiro lugar louvo e aprovo o modo com que V.ª Ex.ª educa seus filhos; ai se fizessem assim todos os Pais de família, por certo teriam menos desgostos a suportar. Atendendo portanto ao desejo de V.ª Ex.ª querendo ser informada do adiantamento das meninas, posso dizer a V.ª Ex.ª com muita consolação minha, que depois que lhes passaram aqueles amuos por causa da saída da mestra geral, estão mais aplicadas juntando a isto melhor comportamento; espero em Deus que o resto do ano será bem aproveitado.” Arquivo familiar.

28 Ao contrário das colegas que, com elevado grau de escolaridade, permaneceram sob a classificação de «analfabeta», Amélia Eugénia obteve, em meados da década de 1930, o certificado da 3.ª classe do Ensino Primário, para se habilitar ao exame de condução automóvel, sendo detentora de uma das primeiras cartas femininas emitidas no Porto. Não teve igual sucesso, por oposição dos pais, a sua pretensão a cursar Serviço Social na primeira escola portuguesa criada, em 1935, pelo Patriarcado de Lisboa.

29 O catálogo da obra de Ofélia de Azevedo Garcia (1911-2010), que contempla diversas técnicas de pintura, de bordados e de tapeçaria, documenta a qualidade dos trabalhos escolares das alunas das Irmãs Doroteias, no tempo e nos espaços percorridos pelas protagonistas das Memórias. Ofélia Garcia  Braga da Cruz - pinturas e ordados. Braga, Cruz Editores, 2011. 

30 Um folheto do Colégio de Nossa Senhora da Conceição, na Covilhã, relativo à solene distribuição de prémios às alunas internas, presidida pelo Rev.do Dr. Manuel de Jesus Lino, lente da Universidade de Coimbra, apresenta o quadro disciplinar no ano de 1900, o qual, porventura, perdurou. Do currículo constavam Catecismo, História Eclesiástica e Sagrada; Geografia, História Profana e Aritmética; Física e História Natural; Português; Francês; Inglês; Desenho e Pintura a óleo e aguarela; Música – Piano e Bandolim; Costura e Bordados; Flores; Arranjo doméstico e Comportamento. Esclarece o folheto que os prémios são dados segundo o resultado dos exames finais, e a aplicação e aproveitamento de cada aluna durante o ano letivo. Informa também que, nesse ano de 1900, «D. Maria Amélia Capelo Franco Frazão (1882-1966), tendo terminado o período dos seus estudos, recebe um Prémio de Honra, como prova de muita estima, merecida «pelo seu sempre distinto comportamento, exemplar aplicação e inteligente aproveitamento». Quanto ao calendário, as férias decorriam entre 20 de agosto e 4 de outubro. Arquivo particular.

31 Em 1910, o movimento de devoções e atividades pias no colégio das Doroteias, em Lisboa, era assim descrito: «A capela do Quelhas continuava com o seu movimento ordinário: reunião das duas Congregações de Filhas de Maria, de fita branca e de fita azul, como eram denominadas; as duas Congregações de Mães Cristãs, ricas e pobres; a Pia Obra de Santa Doroteia; o catecismo para as alunas do colégio; o catecismo de Perseverança para as senhoras catequistas; a Liga das Raparigas Cristãs, etc. As Bênçãos do Santíssimo, a seguir a estas reuniões, eram tão frequentes que, com as novenas, as primeiras sextas-feiras do mês, o Apostolado da Oração, etc., quase, se pode dizer, se tornavam de todos os dias.» Madre Monfalim…,.p. 221.

32 Filhas de Maria é uma associação piedosa destinada a formar os jovens na virtude sob o patrocínio da Virgem Maria. No início ligada aos jesuítas, desde meados do século XIX multiplicou-se em todos os países católicos. Os associados mais novos são chamados de «aspirantes», pelos 14/15 anos são denominados de «associados».

33 A devoção ao Coração de Jesus, tem origem antiquíssima mas a sua projeção dá-se a partir do século XVII, promovida pelas religiosas da Visitação e pela Companhia de Jesus. A devoção reacendeu-se em França, em 1844, com a fundação da Associação do Apostolado da Oração, que rapidamente se espalhou pelo mundo católico. União de fiéis, com uma organização muito simples, entrou em Portugal em 1864. Fazem parte da sua espiritualidade a devoção eucarística e ao Coração de Jesus, como expressão forte do amor de Deus aos homens. Em 1899, Leão XIII consagrou o género humano ao Coração de Jesus.

34 A realização deste 1.º Congresso Nacional Eucarístico, exemplo da dinâmica de mobilização e organização do laicado, revestiu-se de um significado moralizador e didático do maior valor para Portugal, que assim acompanhava a evolução espiritual da Igreja, fortalecida a nível mundial após o concílio Vaticano I. O 1.º Congresso Eucarístico Internacional realizou-se em França (Lille), em 1881.

35 Pela referência ao Padre Pinto, o padre jesuíta Sebastião Pinto da Rocha, pode relacionar-se a situação descrita com correntes espirituais católicas seculares, com expressão em Portugal no primeiro terço do século XX, simultaneamente místicas, evangelizadoras e com forte cunho social, levando a maior ação e presença dos cristãos na sociedade. Nesses movimentos destacaram-se figuras como Sílvia Cardoso ou Maria da Conceição Pinto da Rocha.

36 Refere-se à morte de um irmão, Joaquim, ainda criança, e à doença de um outro, José, que, depois de larga temporada na Suíça, acompanhado da mãe, morre na Póvoa, em 1929, com menos de 30 anos. Benedicta Maria Duque Vieira, «Saúde, doença e morte na memória das gentes de Póvoa de Rio de Moinhos» em Cadernos de Cultura, Medicina na Beira Interior da pré-história ao século XXI, António Lourenço Marques (dir.), Castelo Branco, RVJ, 2013, pp. 114-115.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Benedicta Maria Duque Vieira, « Uma educação de há 100 anos », Ler História, 69 | 2016, 107-121.

Referência eletrónica

Benedicta Maria Duque Vieira, « Uma educação de há 100 anos », Ler História [Online], 69 | 2016, posto online no dia 07 Março 2017, consultado no dia 27 Abril 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/2497 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.2497

Topo da página

Autor

Benedicta Maria Duque Vieira

Investigadora do Centro de Estudos de História Contemporâna (ISCTE-IUL), aposentada

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org