Navegação – Mapa do site
Críticas e debates

A privança no Portugal restaurado

A historiografia sobre o 3.º conde de Castelo Melhor1
La privança dans le Portugal restauré. L’historiographie sur le 3ème comte de Castelo Melhor
The privança in the restored Portugal. The historiography of the 3rd Count of Castelo Melhor
Vinicius Dantas
p. 201-214

Resumos

Nos últimos vinte anos, os historiadores das monarquias europeias do século XVII têm demonstrado um interesse renovado pela questão do valimento. Esta revalorização é o resultado da assimilação de uma nova visão sobre o papel dos favoritos no governo e da consideração da privança como um fenómeno europeu. Apesar da consolidação desta perspectiva, ainda são escassos os estudos sobre o valimento em Portugal. Tomando como exemplo a historiografia sobre o III conde de Castelo Melhor, este artigo estuda a questão da privança no Portugal da segunda metade do século XVII.

Topo da página

Texto integral

Introdução

  • 1 Abreviaturas utilizadas: ANTT (Arquivo Nacional da Torre do Tombo), BNP (Biblioteca Nacional de Por (...)

1Em um congresso realizado na Universidade de Oxford em meados de 1990, historiadores de diversas áreas debateram sobre a importância de uma personagem central na política das monarquias européias do século XVII: o valido ou privado. Estes indivíduos intervinham directamente nas decisões de governo, actuando como uma espécie de «primeiro-ministro», em conjunto ou até mesmo em lugar de seus reis.

2Como é sabido, a partir do valimento de D. Francisco Gómez de Sandoval y Rojas (1598-1618), duque de Lerma, na Espanha de Felipe III (1598-
-1621), as cortes européias testemunharam uma proliferação de validos. Mais que um fenômeno ocasional, o valimento se tornava um modelo de modernização administrativa que poderia ser reproduzido em diversos contextos. De uma forma geral, ao dividirem as suas prerrogativas com um privado, os monarcas concentravam o processo de decisão política, agilizando as decisões. Nesse sentido, governar com validos era uma prática política, que também produzia importantes impactos institucionais.

  • 2 Elliott, John H. & Laurence Brockliss (eds) (2000), The world of the favourite, Yale University Pre (...)

3Ao folhearmos as páginas do livro originário do referido colóquio, encontramos dezessete capítulos sobre casos de valimento nas monarquias hispânica, francesa, inglesa e polaca, entre outras. Uma única menção à privança em Portugal foi feita na conclusão da obra, em uma citação sobre o marquês de Pombal e os ministros do século XVIII. Na historiografia sobre a monarquia portuguesa, se já se conhecem os aspectos essenciais do valimento durante o governo dos Filipes (1580-1640), ainda são escassos os estudos sobre a privança na segunda metade do século XVII e a primeira do XVIII. Da regência de D. Luísa de Gusmão (1656-1662) ao reinado de D. José (1750-1777), homens como António Conti, D. Luís de Vasconcelos e Sousa, 3.º conde de Castelo Melhor, D. João da Mota e Silva, frei Gaspar da Encarnação e Sebastião José de Carvalho e Melo, marquês de Pombal, influenciaram, em maior ou menor grau, as decisões régias como privados ou validos de seus reis.2

4Apesar dos numerosos trabalhos existentes sobre o valimento de Luís de Vasconcelos e Sousa, 3.º conde de Castelo Melhor, durante o reinado de D. Afonso VI (1662-1667), uma parte considerável dos autores adoptou uma perspectiva de estudo biográfico-descritiva. Como resultado, em lugar de uma análise institucional e política da figura do favorito, muitos historiadores limitaram-se a fazer julgamentos morais sobre as suas acções. Nesse sentido, Castelo Melhor foi estudado ora como um «ambicioso cortesão» que manipulava o favor do rei, ora como um «vitorioso estadista» responsável pelos sucessos da coroa portuguesa na guerra contra a Monarquia Hispânica. Nas páginas seguintes, nos concentramos nas interpretações sobre a privança do conde de Castelo Melhor na historiografia específica sobre o ministro e nos trabalhos sobre o reinado afonsino.

A trajectória do 3.º conde de Castelo Melhor

5Nascido em Pombal em 1636, Luís de Vasconcelos e Sousa era o primogênito de João Rodrigues de Vasconcelos e de Mariana de Lencastre. Seu pai destacou-se durante o governo de D. João IV (1640-1656) como conselheiro de guerra, governador de províncias no reino e governador do Estado do Brasil (1650-1654). Em 1657, Luís de Vasconcelos e seu irmão Simão serviram em campanhas militares na região de Entre Douro e Minho, onde João Rodrigues exercia o cargo de governador das armas. Com a morte de seu pai em 1658, Luís de Vasconcelos e Sousa se tornou o 3.º conde de Castelo Melhor.

  • 3 Menezes, Luís de, conde de Ericeira (1945), História de Portugal Restaurado, Porto, Livraria Civili (...)

6En 1660, através do matrimónio com D. Guiomar de Távora, Castelo Melhor obteve o ofício de reposteiro-mor. Um dos vinte e seis ofícios maiores da casa real, o de reposteiro-mor incluía obrigações como a arrumação da cadeira e da almofada do monarca no momento de suas refeições e do culto na capela real. Dessa forma, o ofício garantia ao seu titular uma proximidade física com o soberano, que poderia se transformar em laços afetivos e políticos mais amplos3.

  • 4 Sobre as mercês concedidas durante o valimento de Conti, veja-se o pioneiro artigo de Gastão de Mel (...)
  • 5 «Carta Patente Instaura o ofício de Escrivão da puridade, e nomeia para ele o Conde de Castelo Melh (...)

7Em 1661, ano em que Castelo Melhor ingressou na casa real, a regente D. Luísa de Gusmão e os seus conselheiros mais próximos tomavam medidas para conter a influência do valido Antonio Conti Vintimiglia sobre o rei
D. Afonso VI. Entre 1656 e 1662, Conti tinha passado de tendeiro do pátio da capela real a fidalgo e conselheiro4. Com o desterro de Conti em Junho de 1662, o monarca e os condes de Atouguia e Castelo Melhor tomaram o poder anunciando a formação de um novo governo. Pouco tempo depois, Castelo Melhor conquistava a privança do soberano. No mesmo ano, era nomeado para o ofício de escrivão da puridade, tornando-se o mais importante ministro da monarquia5.

  • 6 Como sabemos, tais mudanças não significaram a extinção do valimento. Cf. Bérenger, Jean, «La supre (...)
  • 7 Acerca do «modelo» de privança de Luís de Haro e da influência do governo «pessoal» de Luís XIV no (...)

8Na época em que Castelo Melhor conquistou o valimento de D. Afonso VI, o modelo de privança que tinha-se difundido na Europa a partir da experiência do duque de Lerma na Monarquia Hispânica passava por importantes transformações. Na monarquia francesa, a morte de Mazarino no início de março de 1661 marcou o começo do chamado «governo pessoal» de Luís XIV, quando as funções governativas do valido foram repartidas entre três ministros que trabalhavam sob a coordenação do soberano6. Na Monarquia Hispânica, com o falecimento de D. Luís de Haro em dezembro de 1661, Felipe IV seguiu o exemplo de Luís XIV e governou sem valido até a sua morte em 16657. A monarquia portuguesa, que estivera vinculada aos monarcas castelhanos e seus privados durante os sessenta anos de união das coroas ibéricas, testemunhava a afirmação de Castelo Melhor como valido em um momento em que esse modelo de governo perdia força no contexto europeu.

9Apesar das vitórias militares conseguidas sob o comando de Castelo Melhor no conflito contra a Monarquia Hispânica, a oposição nobiliária ao seu valimento não tardaria em surgir. Esta, liderada pelo infante D. Pedro e pela rainha Maria Francisca Isabel de Sabóia, conseguiu que Castelo Melhor fosse desterrado da corte em Setembro de 1667. Durante o seu exílio, entre 1667 e 1685, Castelo Melhor transitou por territórios da Monarquia Hispânica e pelas cortes francesa, turinesa e inglesa. Retornou a Portugal em 1685 e faleceu como um dos conselheiros de Estado de D. João V em Agosto de 1720. Apesar de sua curta experiência como favorito (1662-1667), o valimento de Castelo Melhor foi fundamental para os debates sobre as formas de governo no Portugal da segunda metade do século XVII e no XVIII.

A historiografia sobre o valimento de Castelo Melhor (1880-1940)

  • 8 Ao longo do século XIX diversos literatos se ocuparam com o estudo do reinado de Afonso VI. Como ex (...)
  • 9 Fernando Palha, O conde de Castel Melhor no exílio. Ensaio biográphico, Lisboa, Imprensa Nacional, (...)

10Apesar das muitas referências anteriores na literatura, o primeiro estudo histórico específico sobre o 3.º conde de Castelo Melhor foi escrito na segunda metade do século XIX8. Em O conde de Castelo Melhor no exílio, o historiador português Fernando Palha (1851-1897) escreveu um trabalho pioneiro sobre os dezoito anos de desterro de Luís de Vasconcelos e Sousa, trazendo importantes informações sobre a trajectória do conde durante esse período. Entretanto, em seu livro Palha oscilava entre a demonstração da sua admiração pelo ministro de D. Afonso VI e a ênfase na suposta incapacidade do soberano9.

11Na primeira metade do século XX, antes das comemorações da Restauração, dois historiadores contribuíram efetivamente para o surgimento de um novo olhar sobre o reinado afonsino e sobre o valimento de Castelo Melhor. O primeiro foi o britânico Edgar Prestage (1869-1951) e o segundo o português Gastão de Melo de Matos (1890-1971).

  • 10 Edgar Prestage, «O conde de Castelo Melhor e a retrocessão de Tánger a Portugal» in Separata do Bol (...)
  • 11 Prestage, Edgar (1930), «Castel Melhor e a rainha D. Maria Francisca» in Miscelânea de Estudos em h (...)

12Em seus diversos estudos sobre o Portugal seiscentista, Edgar Prestage contribuiu de maneira significativa para um melhor conhecimento do governo do conde de Castelo Melhor (1662 -1667) e dos seus dezoito anos de desterro (1667-1685). O historiador, em um artigo sobre a devolução de Tanger aos portugueses, publicado em 1917, ressaltou as preocupações do então desterrado Castelo Melhor no âmbito diplomático. No mesmo ano, publicou um estudo sobre parte da correspondência de Castelo Melhor no exílio. Neste trabalho, Prestage revelava a existência de uma documentação até então inédita, que permitiu preencher importantes lacunas sobre o período de desterro do conde10. Na década de 1930, Prestage voltou ao tema a partir da perspectiva das relações internacionais. Destacando a importância da correspondência diplomática para o entendimento do reinado de D. Afonso VI (1662-1667), Prestage chamava a atenção para a inexistência de um estudo específico sobre a acção governativa do conde Castelo Melhor. O autor situou o reinado afonsino no contexto mais alargado do jogo político entre as monarquias européias do século XVII, sublinhando a pressão exercida pelos franceses na corte lisboeta. De acordo com Prestage, os interesses franceses, personificados na princesa Maria Francisca Isabel de Sabóia e no representante de Luís XIV na corte portuguesa Saint Romain, foram determinantes para a queda de Castelo Melhor. Nesse sentido, o conde não teria sido derrubado somente por uma conspiração palaciana, mas também pelos agentes de Luís XIV11.

  • 12 Matos, Gastão de Melo de (1935), «A Anticatastrophe: estudo crítico», in Separata do 2.° Volume do (...)

13Além dos trabalhos de Prestage, os artigos de Gastão de Melo de Matos foram fundamentais para a revisão dos estereótipos e interpretações moralizantes do governo de Afonso VI e Castelo Melhor. Em seu estudo crítico da Anticatastrophe, uma das principais fontes sobre o reinado afonsino, o historiador português ressaltou a importância da deposição do favorito no contexto da Restauração de Portugal. De acordo com o autor, a queda do valido foi mais importante que a própria deposição do monarca, pois revelava a existência de diferentes facções cortesãs vinculadas aos interesses ingleses e franceses na corte portuguesa12.

  • 13 Silva, César da (1922), O conde de Castelo Melhor. Chronica episódica do reinado de D. Afonso VI, L (...)
  • 14 Ribeiro, Ângelo (1937) «A organização da vitória» in Damião Peres & Ângelo Ribeiro (orgs), História (...)

14Apesar das fundamentais contribuições de Prestage e Matos e do surgimento de novas perspectivas para o estudo do reinado afonsino, nas primeiras décadas do século XX ainda permaneciam as interpretações tradicionais sobre o período. Nesse sentido, os autores que escreveram sobre o valimento de Castelo Melhor dividiram-se entre defensores e detractores do valido. Entre os primeiros encontrava-se o jornalista César da Silva (1859-1942) que, em um romance histórico sobre Castelo Melhor, enfatizou as potencialidades do ministro de Afonso VI. De acordo com Silva, desde cedo Luís de Vasconcelos e Sousa tinha demonstrado o seu talento para o governo. Com o seu ingresso na corte lisboeta, aos vinte e cinco anos de idade, não havia dúvida de que iria «celebrisar-se». Uma opinião contrária à de Silva foi exposta em um artigo do médico e filósofo Eduardo Burnay (1853-1924). Em seu estudo sobre as relações entre Castelo Melhor e um suposto grupo de envenenadores do duque de Sabóia, Burnay afirmava que Castelo Melhor foi um homem «sem grande alma, que em certo momento assumiria aventurosamente um papel à altura do qual se não mostrou»13. Outros exemplos desta dicotomia são os trabalhos dos historiadores Ângelo Ribeiro (1886-1936) e Mario Sampayo Ribeiro (1898-
-1966). Se o primeiro, em um capítulo de um volume da História de Portugal dirigido em conjunto com Damião Peres (1889-1976), advogou em favor de Castelo Melhor, o segundo associou-se com o partido oposto14.

A Restauração portuguesa e o valimento (1940-1990)

  • 15 Gastão de Melo de Matos (1944),, «O sentido da crise política de 1667», Anais da Academia Portugues (...)

15Com as comemorações do tricentenário da Restauração de Portugal em 1940, foram publicados diversos trabalhos sobre a conjuntura política dos primeiros trinta anos da dinastia dos Bragança e, em consequência, sobre o reinado de D. Afonso VI e a privança de Castelo Melhor. Apesar do forte conteúdo nacionalista de parte considerável dos estudos destes anos, alguns autores contribuíram efetivamente para a compreensão do reinado afonsino. Em 1944, o já citado Gastão de Melo de Matos publicou «O sentido da crise política de 1667», um dos mais importantes artigos sobre os anos posteriores à Restauração. De acordo com Matos, apesar dos muitos escritos sobre o final do reinado afonsino, poucos historiadores tinham ido além da visão romântica dos acontecimentos da corte portuguesa. Embora reproduza parte dos estereótipos sobre o período, uma das maiores inovações da interpretação de Matos é a aproximação entre as conjunturas de 1640 e 1668. Para o autor, as lutas políticas na corte portuguesa no final do reinado de D. Afonso VI não poderiam ser entendidas fora do contexto da tomada do poder por
D. João IV em 164015.

  • 16 Macedo, Jorge Borges de (1961), «O conde de Castel-Melhor. Ensaio biográfico», in Os grandes portug (...)

16No início da década de 1960, o historiador português Jorge Borges de Macedo (1921-1996) publicou um ensaio sobre o valido de D. Afonso VI. Para o autor, a importância histórica da figura do 3º conde de Castelo Melhor dificultava uma análise mais apurada desta personagem. Para Macedo, apesar dos muitos estudos, os historiadores costumavam tomar partido contra ou a favor do valido, impedindo assim um estudo rigoroso da sua ação. No seu entender, pouco se sabia ainda sobre a sua biografia e as suas ideias16.

  • 17 Torgal, Luís Reis (1981 [1978]), Ideologia política e teoria do Estado na Restauração, Coimbra, Imp (...)
  • 18 Torgal (1981 [1978]), Ideologia política…, v. 1, p. 162.

17Para que algumas das questões colocadas por Macedo fossem respondidas, foi necessário um conhecimento mais aprofundado dos primeiros anos do Portugal dos Bragança e da figura do valido em sua acepção institucional. Nesse sentido, um dos trabalhos mais importantes foi escrito pelo historiador português Luís Reis Torgal. Em seu livro Ideologia política e teoria do Estado na Restauração, Torgal estudou as idéias políticas que fundamentaram o governo dos primeiros anos da dinastia dos Bragança. Entretanto, diferente da análise de Gastão de Melo de Matos, a interpretação de Torgal afastou-se das teses nacionalistas sobre a Restauração portuguesa. Sobre o reinado de D. Afonso VI, o autor considerou a ascensão de Castelo Melhor como uma simples troca de poderes entre sectores dominantes17. De acordo com Torgal, apesar dos muitos escritos políticos do Portugal do século XVII, poucos autores debruçaram-se sobre a questão do valimento, o que sugeria a importância periférica da figura do valido no contexto português18.

O valimento de Castelo Melhor na recente historiografia sobre o Portugal restaurado (1990-2009)

  • 19 Entre os trabalhos fundamentais nesse processo de revisão historiográfica: Albuquerque, Martim de ( (...)

18Além de Torgal, durante as décadas de 1970 e 1980, autores como Martim de Albuquerque e Antonio Manuel Hespanha publicaram estudos que contribuíram de forma decisiva para um melhor conhecimento da política no Portugal do século XVII. Estes trabalhos não só refutaram a tese da existência de um «absolutismo português», como também destacaram a coexistência entre o poder central e uma multiplicidade de jurisdições no Portugal da Época Moderna. Tais idéias se tornaram o ponto de partida para a formação de um novo paradigma de análise das questões políticas do Portugal restaurado, fornecendo aos historiadores novas idéias para o estudo de velhos temas. Assim, assuntos já anteriormente investigados foram revisitados sob outro ângulo de observação. Esta mudança foi influenciada pelo diálogo entre a historiografia política modernista portuguesa e outras tradições historiográficas19.

  • 20 Black, Maria Luísa de Bivar (1996), Um escrivão da puridade no poder. O conde de Castelo Melhor. 16 (...)

19Entretanto, esse novo paradigma coexistiu com estudos que ainda reproduziam parcial ou integralmente os tradicionais juízos de valor sobre o reinado afonsino e o seu ministro, apresentando Castelo Melhor em tom apologético como um «patriota» à serviço da «nação» portuguesa. Apesar do tipo de abordagem escolhida, tais trabalhos foram fundamentais pela divulgação de novas fontes arquivísticas para o estudo do período20.

  • 21 Além dos já citados trabalhos «O governo dos Áustrias…» e As vésperas do Leviathan…, veja-se do mes (...)

20Para que se delineasse uma nova compreensão do valimento de Castelo Melhor foi necessário passar do estudo individual à análise do papel institucional do valido. Esta perspectiva foi alcançada através da comparação da história de Portugal do século XVII com a das outras monarquias européias do mesmo período. Um dos principais responsáveis por essa nova abordagem foi o historiador do Direito António Manuel Hespanha. Ao destacar a existência de uma multiplicidade de jurisdições no Portugal do século XVII, as transformações estruturais do reino durante o período filipino (1580-1640) e o papel renovado das cortes no governo de D. João IV, Hespanha trouxe importantes inovações aos estudos sobre o poder na Época Moderna21. A partir das contribuições metodológicas e historiográficas de Hespanha, o reinado afonsino ganhou destaque, sobretudo através dos trabalhos de Pedro Cardim e de Ângela Barreto Xavier.

  • 22 Cardim, Pedro (1998), Cortes e cultura política no Portugal do Antigo Regime, Lisboa, Cosmos, p. 31
  • 23 Cardim, Pedro (2002), «O processo político (1621-1667)» in António Manuel Hespanha (coord.), José M (...)
  • 24 Cardim, Pedro (2000), «A Casa Real e os orgãos centrais de governo…», op. cit., pp. 52-56; Idem, O (...)

21No seu livro sobre as Cortes portuguesas do século XVII, Pedro Cardim refletiu sobre os impactos do valimento de Castelo Melhor nas instituições e destacou que o governo do conde retomou certos aspectos do valimento do conde duque de Olivares na Monarquia Hispânica22. Em outro trabalho, o autor dissertou sobre a natureza pragmática e improvisada da política do valido de D. Afonso VI. De acordo com Cardim, Castelo Melhor, durante os seus cinco anos de governo, não seguiu qualquer projecto político ou idéias previamente definidas23. Em outro texto sobre a casa real portuguesa, Cardim lembrou o desequilíbrio engendrado pela privança de Castelo Melhor na distribuição de ofícios e cargos palacianos. Assim, com a acumulação dos processos de decisão política e com o seu monopólio dos mecanismos de distribuição das honras e mercês da coroa, o valido de Afonso VI despertou a oposição aristocrática24.

  • 25 Xavier, Ângela Barreto (1998), “El Rei aonde póde, & não aonde quer”. Razões da política no Portuga (...)
  • 26 Xavier, Ângela Barreto (1999), «The ‘valimento’ of Castelo Melhor (1662-1667). Reasons of State in (...)

22Além de Cardim, Ângela Barreto Xavier também contribuiu efetiva-
mente para um melhor conhecimento do papel governativo do conde
de Castelo Melhor. De acordo com Xavier, com a promulgação do novo
regimento do escrivão da puridade em 1663, Castelo Melhor teve a legitimidade necessária para o seu valimento. Assim, em sua curta experiência de governo, o favorito foi o principal responsável pelas decisões da coroa portuguesa, afastando-se dos mecanismos tradicionais de consulta aos conselhos e tribunais25. Xavier também dedicou um artigo aos impactos institucionais do governo de Castelo Melhor no interior da rede de conselhos e tribunais da coroa portuguesa. Assim, destacou as possibilidades de controle da monarquia pelo valido e as semelhanças entre a política de Castelo Melhor, a dos validos castelhanos e a do marquês de Pombal no século XVIII26.

  • 27 Xavier, Ângela Barreto, Pedro Cardim & Fernando Bouza Álvarez (1996), Festas que se fizeram pelo ca (...)

23Em um livro sobre as cerimônias de casamento de D. Afonso VI realizadas em 1666, Ângela Xavier, Fernando Bouza e Pedro Cardim recuperaram a dimensão simbólica do valimento de Castelo Melhor. Recentemente, em sua biografia do rei D. Afonso VI, Xavier e Cardim recolheram e sintetizaram as suas aportações anteriores sobre o governo do valido27.

  • 28 Valladares, Rafael (1998), La rebelión de Portugal (1640-1680). Guerra, conflicto y poderes en la M (...)

24Na recente historiografia política sobre o Portugal do século XVII, o valimento de Castelo Melhor também foi estudado a partir das relações internacionais. Rafael Valladares, em seu livro sobre a Restauração de Portugal, destacou o papel de Castelo Melhor na condução das negociações entre as coroas castelhana e portuguesa. O autor também refletiu sobre os significados da presença de um valido no governo no Portugal restaurado. Nesse sentido, após a Restauração de 1640, foi recorrente a associação entre o valimento e os impactos da política do conde duque de Olivares em solo português, o que posteriormente dificultaria a consolidação de Castelo Melhor. Para o autor, a figura do valido evocava um modo de governo directamente ligado à acção dos reis castelhanos. De facto, a identificação directa entre valimento e governo dos Áustrias se confirma pela inexistência de uma reflexão específica sobre o valimento em Portugal. Assim, para Valladares os debates sobre o valimento no contexto portugués parecem não ter ido além da oposição ao governo dos Filipes28.

  • 29 Antunes, José Carlos Janela (2003), Le Portugal de la «Restauração». La politique du comte de Caste (...)

25A dimensão diplomática da privança de Castelo Melhor também foi discutida por José Carlos Janela Antunes em sua dissertação de doutoramento. A partir do estudo das relações franco-portuguesas na segunda metade do século XVII, Janela Antunes concluiu que a aliança matrimonial entre D. Afonso VI e Maria Francisca Isabel de Sabóia permitiu a formação de um partido francês na corte portuguesa. De outro lado, o interesse de Luís XIV na continuação da Guerra da Restauração foi contrariado pela negociação de paz entre as coroas ibéricas, mediada pelos enviados ingleses e liderada pelo conde de Castelo Melhor29.

  • 30 Sobre os rendimentos da casa de Castelo Melhor durante o governo do valido. Cf. Salvado, João Paulo (...)
  • 31 Lourenço, Maria Paula Marçal (2007), D. Pedro II. O pacífico (1648-1706), Rio do Mouro, Círculo de (...)

26Além dos autores que se debruçaram sobre o reinado afonsino e sobre o valimento de Castelo Melhor, outros historiadores, que estudaram temas relacionados com a conjuntura de 1662-1667, também fizeram importantes observações sobre a ascensão do conde e a sua privança30. Por exemplo, em sua biografia de D. Pedro II, Maria Paula Marçal Lourenço estudou as facções cortesãs que determinaram a queda de Castelo Melhor e o seu desterro da corte lisboeta em 1667. Além disso, Lourenço destacou o papel de Castelo Melhor no contexto das tensões e rivalidades entre D. Afonso VI e seu irmão D. Pedro31.

  • 32 Dantas, Vinícius Orlando de Carvalho (2009), O conde de Castelo Melhor: Valimento e razões de Estad (...)

27Em nossa dissertação de mestrado e em outros trabalhos posteriores, estudámos os debates sobre o valimento nos primeiros anos do Portugal restaurado e no período do governo de Castelo Melhor. Chegamos à conclusão de que, apesar da inexistência de uma extensa literatura de «espelhos de favoritos» em Portugal, a questão do valimento parece ter sido uma preocupação constante dos autores que reflectiram sobre as questões políticas da coroa portuguesa32.

Castelo Melhor e o império: os Estados do Brasil e da Índia (1662-1667)

  • 33 Mello, Evaldo Cabral de (2003 [1995] ), A fronda dos mazombos: nobres contra mascates, Pernambuco, (...)

28Além da discussão sobre os impactos da privança de Castelo Me-
lhor no reino, o seu governo também foi situado em um contexto imperial. Em uma perspectiva geral, estes estudos têm enfatizado a acção dos vice-reis e a política ultramarina da coroa portuguesa durante a privança de Castelo Melhor. Como um exemplo do primeiro caso, o historiador brasileiro Evaldo Cabral de Mello destacou a importância da actuação do vice-rei
D. Vasco de Mascarenhas, 1.º conde de Óbidos, para o reforço da autoridade de D. Afonso VI no Brasil. De acordo com Cabral de Mello, durante cerca de quatro anos de governo, as acções políticas do conde de Óbidos produziram a subordinação dos poderes locais e das capitanias à autoridade do vice-rei. Nesse sentido, as medidas centralizadoras de Óbidos tiveram impactos efectivos na governação, sendo as mais eficazes desde a criação do governo-geral na América portuguesa em 1549. Estudando os acontecimentos que culminaram na deposição do governador da capitania de Pernambuco Jerónimo de Mendonça Furtado, em Agosto de 1666, Cabral de Mello destacou as disputas políticas entre Furtado e o vice-rei. Estas tensões pareciam ser o resultado de contendas familiares e de lutas de facção entre aliados e adversários do 3º conde de Castelo Melhor. Assim, Cabral de Mello relacionou as lutas políticas da corte portuguesa com as disputas entre as autoridades locais no ultramar durante o valimento de Castelo Melhor33.

  • 34 Subrahmanyam, Sanjay (1993), O império asiático português, 1500-1700. Uma história política e econô (...)
  • 35 Ames, Glenn J. (2000), Renascent Empire? The House of Braganza and the Quest for Stability in Portu (...)

29De outro lado, a política ultramarina de D. Afonso VI e de Castelo Melhor tem sido estudada frequentemente no contexto dos debates sobre a intervenção da coroa portuguesa no Estado da Índia na segunda metade do século XVII. De acordo com Sanjay Subrahmanyam, apesar dos clamores do vice-rei da Índia António de Melo de Castro e do jesuíta Manuel Godinho, D. Afonso VI e Castelo Melhor deram pouca atenção aos problemas do Estado da Índia. Além da perda de Cochim em 1663, o governo de Castelo Melhor ficou marcado pela entrega de Bombaim aos ingleses em 1665, como parte do dote da rainha Catarina de Bragança34. Esta tese de um descaso da coroa portuguesa com a Índia durante o valimento de Castelo Melhor, foi desenvolvida pelo historiador norte-americano Glenn
J. Ames. De acordo com Ames, durante o governo do conde a coroa portuguesa não tomou medidas que fortalecessem a autoridade régia no Estado da Índia. Na opinião de Ames, esse desinteresse era consequência directa das opções políticas de Castelo Melhor, pois as preocupações do valido se limitavam aos assuntos continentais. Absorvido pelos problemas da Guerra da Restauração, pelos assuntos diplomáticos e pela luta política na corte, Castelo Melhor não dedicou a atenção necessária às questões do Estado da Índia35.

Conclusão

  • 36 Apesar de uma acusação comum aos reis que governaram com validos, no caso de D. Afonso VI, a «incap (...)

30Como vimos, apesar dos muitos trabalhos que direta ou indiretamente lidaram com os cinco anos de governo de Luís de Vasconcelos e Sousa, poucos autores atentaram para os aspectos institucionais da sua privança. Nesse sentido, até há pouco tempo, predominavam as interpretações baseadas no julgamento moral ou no engrandecimento das acções de Castelo Melhor. Esta perspectiva de análise tem as suas origens nos discursos de apologia e de oposição ao valido presentes nas fontes coevas e dos períodos posteriores. Assim, a historiografia sobre o tema polarizou-se em dois grupos principais. Para os que repudiaram as acções do ministro, Castelo Melhor foi um ambicioso cortesão que não mediu esforços para a conservação da sua privança, facilitada pela «incapacidade» do rei D. Afonso VI36. Já aqueles que engrandeceram o seu governo argumentaram que o valido fora injustamente condenado pelos seus opositores. Exercendo um papel fundamental nas vitórias portuguesas da Guerra da Restauração, Castelo Melhor demonstrou toda a sua capacidade como «estadista» em favor da «nação portuguesa», correspondendo à confiança do rei.

31A interpretação de Castelo Melhor como um cortesão inescrupuloso não leva em conta o seu papel decisivo na condução da política da coroa portuguesa em seus aspectos militar e diplomático durante o reinado de D. Afonso VI. A direcção do valido permitiu importantes vitórias militares que determinaram o fim da Guerra da Restauração e a paz com a Monarquia Hispânica em 1668. De outro lado, a imagem de um vitorioso estadista que só agia em função dos interesses da monarquia carrega consigo boa dose ingenuidade. Tal concepção não atenta para o facto de que, seguindo o exemplo de outros validos, Castelo Melhor pôs em prática estratégias para a conservação da sua privança e para a consecução dos seus próprios interesses.

  • 37 A bibliografia sobre o valimento é vastíssima. Listamos aqui alguns trabalhos essenciais: Tomás y V (...)

32Esta oposição parece ter sido o resultado de uma separação entre o governo e o valimento de Castelo Melhor. Neste sentido, apesar da existência de uma ténue linha de demarcação dos diferentes «papéis sociais» exercidos pelo ministro, estes só poderão ser entendidos em suas relações intrínsecas. É necessário situar a experiência de Castelo Melhor no contexto das práticas políticas da Europa do século XVII, aproximando-o de outros validos que governaram no período. Na recente historiografia sobre os validos encontramos numerosos estudos que partem deste princípio, oferecendo diversas possibilidades de investigação para o estudo dos favoritos no governo e nas cortes37.

Topo da página

Notas

1 Abreviaturas utilizadas: ANTT (Arquivo Nacional da Torre do Tombo), BNP (Biblioteca Nacional de Portugal), BGUC (Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra). Agradeço aos referees da Ler História e à Doutora Ana Isabel López-Salazar Codes pelas críticas e sugestões.

2 Elliott, John H. & Laurence Brockliss (eds) (2000), The world of the favourite, Yale University Press, 1999. Citado aqui pela tradução espanhola: El mundo de los validos, Madrid, Taurus. Brockliss, Laurence (1982), «Observaciones finales: Anatomia del Ministro-Favorito», in op. cit., p. 426. Sobre o governo dos Felipes e os impactos das políticas dos validos do rei castelhano em Portugal: Gaillard, Claude, Le Portugal sous Phillippe III. L’action de Diego de Silva y Mendonça, Grenoble, Université des Langues et Lettres de Grenoble; Elliott, John H. (1990 [1986]), El conde-duque de Olivares. El político en una época de decadência, Barcelona, Crítica; Hespanha, António Manuel (1989), «O governo dos Áustrias e a ‘modernização’ da Constituição Portuguesa», Penélope. Fazer e Desfazer a História, 2, pp. 49-73; Oliveira, ,Antonio de (1990), Poder e oposição política em Portugal no Período Filipino (1580-1640), Lisboa, Difel; Luxán Meléndez, Santiago de (1988), La revolución de 1640 en Portugal, sus fundamentos sociales y sus caracteres nacionales. El Consejo de Portugal: 1580-1640, Madrid; Idem, (1992), «El control de la hacienda portuguesa desde el poder central. La Junta de Hacienda de Portugal 1602-1609», História. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 9, pp. 119-136; Bouza Álvarez, Fernando (2000), «A nobreza portuguesa e a corte de Madrid. Nobres e luta política no Portugal de Olivares», in Fernando Bouza Álvarez, Portugal no tempo dos Filipes. Política, Cultura, Representações (1580-1668), Lisboa, Cosmos, pp. 207-256; Schaub, Jean-Frédéric (2001), Le Portugal au temps du comte duc d’Olivares (1621-1640), Madrid, Casa de Velázquez; Idem (1998), «Dinámicas políticas en el Portugal de Felipe III (1598-1621)», Relaciones, 73, pp. 169-211. Sobre o valido Antonio Conti: Guiraud, Michèle (2005), «António de Conti, favori de D. Afonso VI», Revista de História da Sociedade e da Cultura, 5, pp. 101-131. Sobre os favoritos de D. João V: Silva, Maria Beatriz Nizza da (2009), D. João V, Rio do Mouro, Circulo de Leitores, pp. 80-85; Monteiro, Nuno Gonçalo (2006), D. José na sombra de Pombal, Rio do Mouro, Círculo de leitores, pp. 53-58. Apesar dos muitos trabalhos sobre o marquês de Pombal, só muito recentemente, com a publicação da obra de Nuno Gonçalo Monteiro, os historiadores situaram a actuação do ministro de D. José no contexto das discussões sobre o valimento. Veja-se: Monteiro (2006), D. José.., pp. 238-244; Idem, «Pombal’s government: Between seventeenth-century valido and enlightened models» in Paquette, Gabriel B. (ed.) (2009), Enlightened reform in Southern Europe and its Atlantic colonies, c.1750-1830, Ashgate, pp. 321-338. Entretanto, pelos diferentes entendimentos das transformações políticas do Portugal do século XVIII e da actuação de Pombal, a interpretação do marquês como um valido gerou um novo debate: Subtil, José (2011), «Pombal e o rei: valimento ou governamentalização?», Ler História, 60; Idem (2007), O terramoto político (1755-1759). Memória e poder, Lisboa, Universidade Autónoma de Lisboa. Para um balanço das duas interpretações de Monteiro e Subtil sobre as transformações políticas no Portugal do século XVIII: Hespanha, António Manuel (2007), «A note on two recent books on the Patterns of Portuguese Politics in the 18th century», e-Journal of Portuguese History, v. 5, n.º 2.

3 Menezes, Luís de, conde de Ericeira (1945), História de Portugal Restaurado, Porto, Livraria Civilização, v. 3, pp. 77-78 e 164-165. ANTT, Tribunal do Santo Ofício, Conselho Geral, Habilitações, mç. 3, doc. 96 (Luís). ANTT, Registo Geral de Mercês, D. Afonso VI, liv. 5, fl. 339 v: «Carta título de Conde de Castelo Melhor, 10/IV/1660». BNP, Reservados, mss 71, n.° 18: «Carta do officio de reposteiro-mor ao conde de Castello Melhor». Rafael Bluteau, «Reposteiro» in Vocabulário Portuguez e Latino, Coimbra, Colégio das Artes da Cia de Jesus, 1728, vol. VII, p. 262. Cardim, Pedro (2002), «A Casa Real e os órgãos centrais de governo no Portugal da segunda metade de Seiscentos», Tempo,
vol. 7, n.º 13, pp. 18-23.

4 Sobre as mercês concedidas durante o valimento de Conti, veja-se o pioneiro artigo de Gastão de Mello de Matos, «Um processo político do século XVII» in VI Congresso do Mundo Português, Lisboa, 1942, pp. 640-641.

5 «Carta Patente Instaura o ofício de Escrivão da puridade, e nomeia para ele o Conde de Castelo Melhor», 21/VII/1662 publicada em: José Justino de Andrade Silva (dir.), Collecção Chronologica da Legislação Portugueza (1657-1674), Lisboa, Imprensa de J. J. A. Silva, 1854, pp. 76-77. ANTT, Chancelaria de D. Afonso VI, Doações e privilégios, liv. 19, fl. 162v: «Carta de Escrivão da Puridade». Sobre os escrivães da puridade, o estudo do conde de Tovar continua a ser a melhor fonte de informação: Lemos, Pedro Tovar de (1961), «O escrivão da puridade» in Estudos históricos, Lisboa, Academia Portuguesa de História, tomo III; Gomes, Rita Costa (2003), The Making of a Court Society: Kings and Nobles in Late Medieval Portugal, Cambridge University Press, pp. 43-47. Sobre os secretários de Estado em Portugal, veja-se: Costa,André da Silva (2008), Os secretários e o Estado do rei: luta de corte e poder político secs. XVI-XVIII, Dissertação de Mestrado em História, Universidade Nova de Lisboa.

6 Como sabemos, tais mudanças não significaram a extinção do valimento. Cf. Bérenger, Jean, «La supresión del Ministro-favorito, o el crepúsculo de un modelo político: el caso austríaco» in Elliott & Brockliss (eds.), El mundo…, op. cit., pp. 365-382. Após o falecimento de Mazarino, Luís XIV governou auxiliado pelos secretários Michel Le Tellier, chanceler de França, Hugues de Lionne, secretário dos assuntos estrangeiros e Jean-Baptiste Colbert, controlador general de finanças e secretário da Marinha. Para uma análise do funcionamento da administração central da monarquia francesa após a morte de Mazarino cf. Sarmant, Thierry & Mathieu Stoll (2010), Régner et gouverner. Louis XIV et ses ministres, Paris, Perrin, pp. 61-104.

7 Acerca do «modelo» de privança de Luís de Haro e da influência do governo «pessoal» de Luís XIV no sistema de despacho da Monarquia Hispânica cf. Valladares, Rafael (2009), «Haro sin Mazarino. España y el fin del “orden de los Pirineos” en 1661», Pedralbes, 29, pp. 339-393.

8 Ao longo do século XIX diversos literatos se ocuparam com o estudo do reinado de Afonso VI. Como exemplos: Andrade Corvo, Um ano na corte, Lisboa, Typographia da revista universal, 1850-1851; José de Torres, «Reinado de D. Affonso VI» in Archivo Pitoresco, vol. V (1862); Manuel C. Pereira Coutinho, «Desthronação de D. Affonso VI rei de Portugal» in O Instituto, Coimbra, vols. XII-XIII (1865-1866); Julio Rocha, O favorito de D. Afonso VI, Lisboa, Typographia progressista, 1879; Manuel Bernardes Branco, Sua majestade El-Rei o senhor D. Affonso VI e sua sereníssima esposa, Lisboa, Typographia de Adolpho Modesto & Cia, 1885; João da Câmara, D. Affonso VI: Drama em cinco actos, Lisboa, Livraria A. Ferin, 1890; Idem, O conde de Castelo Melhor: Romance histórico ilustrado, Porto, O primeiro de Janeiro, 1903. Fernando Palha, O conde de Castel Melhor no exílio. Ensaio biográphico, Lisboa, Imprensa Nacional, 1883, pp. 3-15.

9 Fernando Palha, O conde de Castel Melhor no exílio. Ensaio biográphico, Lisboa, Imprensa Nacional, 1883, pp. 3-15.

10 Edgar Prestage, «O conde de Castelo Melhor e a retrocessão de Tánger a Portugal» in Separata do Boletim da Segunda Classe, Coimbra, Imprensa da Universidade, v.11 (1917), p. 3; Idem, Correspondência do conde de Castelo Melhor com o Pe. Manuel Fernandes e outros. (1668-1678), Coimbra, Imprensa da Universidade, 1917.

11 Prestage, Edgar (1930), «Castel Melhor e a rainha D. Maria Francisca» in Miscelânea de Estudos em honra de
D. Carolina Michaelis de Vasconcellos, Coimbra, Imprensa da Universidade, pp. 1-15; Idem (1939), «A Catastrophe de Portugal e o tratado de liga de 1667 com a França», Arquivo Histórico de Portugal, IV, pp. 5-16. Sobre a correspondência de Castelo Melhor com os diplomatas ingleses, veja-se, do mesmo período, Almeida, M. Lopes de (1932), «Carta de Robert Southwell para o conde de Castelo Melhor sobre os negócios da Espanha (1666)», Separata da Biblios, Coimbra, Imprensa da Universidade, v. VIII, n.º 5-8.

12 Matos, Gastão de Melo de (1935), «A Anticatastrophe: estudo crítico», in Separata do 2.° Volume do Arquivo Histórico de Portugal, Lisboa, p. 7. Além de Prestage e de Matos, em 1916 D. Francisco de Souza e Holstein (1838-1878), marquês de Sousa Holstein, publicou um artigo sobre os anos de exílio de Castelo Melhor na corte de Carlos II e Catarina de Bragança (1677-1685) contribuindo para um melhor conhecimento das atividades de Castelo Melhor na corte britânica. Cf. D. Francisco e Souza Holstein, «O conde de Castelo Melhor em Londres» in Separata da Revista de História, Porto, Typographia da Empreza Literária e Tipographica, n.º 19 (1916).

13 Silva, César da (1922), O conde de Castelo Melhor. Chronica episódica do reinado de D. Afonso VI, Lisboa, João Romano Torres & Cia Editores, p. 10. Eduardo Burnay, «O conde de Castel-Melhor: As suas presumidas relações com os alquimistas, mágicos, filósofos, moedeiros-falsos e envenenadores do século XVII», Separata de O Instituto, Coimbra, Imprensa da Universidade, vol. 69 (1923), p. 7.

14 Ribeiro, Ângelo (1937) «A organização da vitória» in Damião Peres & Ângelo Ribeiro (orgs), História de Portugal, Barcelos, Portucalense, v. 6, pp. 77-100. Ribeiro, Mário de Sampayo (1938), A destronação de El-Rei D. Afonso VI e a anulação de seu matrimônio, Lisboa, tip. de Inácio Pereira Rosa, 1938, p. 18.

15 Gastão de Melo de Matos (1944),, «O sentido da crise política de 1667», Anais da Academia Portuguesa de História. Ciclo da Restauração, vol. VIII, p. 337. O mesmo período seria lembrado pelo autor em outras ocasiões. Para além do já citado estudo crítico sobre a Anticatastrophe veja-se: «Nos bastidores da política seiscentista: Sebastião César de Meneses», Lisboa, Trabalhos da associação de arqueólogos portugueses, V (1941), pp. 7-39; Idem, «Um processo político do século XVII» in Congresso do mundo português, VI congresso, tomo 2.°, II Secção: Restauração e Guerra da independência, Lisboa, 1942, pp. 633-667; Idem, «Panfletos do século XVII», in Anais. Ciclo da Restauração de Portugal, Lisboa, Academia portuguesa de história, X (1946), pp. 15-26. Entretanto, apesar das contribuições de Matos à historiografia sobre Castelo Melhor, neste mesmo período ainda eram predominantes os julgamentos morais sobre o valido. Cf. Magalhães, Antonio Manuel (1943), Uma grande figura da Restauração. O conde de Castelo Melhor, Dissertação de licenciatura, Coimbra, FLUC; Oliveira, José Marques de (1950), Alguns aspectos da administração do Conde de Castelo Melhor (1662-1667), Dissertação de licenciatura, Lisboa, FLUL; Pedro, Guiomar Reis (1950), Acção política do 3.º conde de Castelo Melhor na Restauração, Dissertação de licenciatura, Lisboa, FLUL; Campos, José Damasceno (1952), Acção governativa do Conde de Castelo-Melhor, Dissertação de licenciatura, Coimbra, FLUC.

16 Macedo, Jorge Borges de (1961), «O conde de Castel-Melhor. Ensaio biográfico», in Os grandes portugueses, Lisboa.

17 Torgal, Luís Reis (1981 [1978]), Ideologia política e teoria do Estado na Restauração, Coimbra, Imprensa Geral da Universidade, v. 1, p. 96. Sobre as interpretações nacionalistas da Restauração veja-se do mesmo autor «A restauração: breves reflexões sobre a sua historiografia», Revista de História das Idéias, n.º 1 (1976), pp. 23-40; Hespanha, Antonio Manuel (1993), «As faces de uma ‘Revolução’» in Penélope, n.º 9/10, pp. 7-16; Cunha, Mafalda Soares da (2009), «Sebastianismo, os Jesuítas e os Bragança. Reflexões historiográficas em torno de 1640», Economia e Sociologia, n.º 88-89, pp. 357-375.

18 Torgal (1981 [1978]), Ideologia política…, v. 1, p. 162.

19 Entre os trabalhos fundamentais nesse processo de revisão historiográfica: Albuquerque, Martim de (1974), A sombra de Maquiavel e a ética tradicional portuguesa, Lisboa, Universidade de Lisboa; Idem (1978), Jean Bodin na Península Ibérica: ensaio de história das idéias políticas e do direito público, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian; Hespanha, António Manuel (1986), As vésperas do Leviathan. Instituições e poder político. Portugal – Sec. XVII, Lisboa; Idem (1986), A historiografía jurídico-institucional e a morte do Estado, Madrid, Instituto Nacional de Estudios Jurídicos. Sobre a revisão do conceito de centralização no Portugal seiscentista: Cardim, Pedro(1998), «Centralização política e Estado na recente historiografia sobre o Portugal do Antigo Regime», Nação e Defesa, vol. 87, pp. 129-158; Schaub, Jean-Frédéric (1995), «La Penisola Iberica nei secoli XVI e XVII: la questione dello Stato», Studi Storici, n.º 1, pp. 9-49. Sobre a internacionalização da historiografia portuguesa, veja-se: Schaub, Jean-Frédéric (2000), «Novas aproximações ao Antigo Regime português», Penélope, n.º 22, pp. 119-140; Idem (2003), «The internationalisation of Portuguese historiography», e-journal of Portuguese History, v. 1, n.º 1, &
v. 1, n.º 2; Cardim, Pedro & Mafalda Soares da Cunha (2007), «From periphery to centre: the internationalization of the historiography of Portugal», Historisk Tidskrift, n.º 127, vol. 4, pp. 643-657.

20 Black, Maria Luísa de Bivar (1996), Um escrivão da puridade no poder. O conde de Castelo Melhor. 1662-1667, Lisboa, SPB Editores & Livreiros; Ramos, Margarida P. A. e Silva Covas (1995), O governo de D. Afonso VI: Uma administração em tempo de guerra. (1662-1667), Dissertação de mestrado em História Moderna, Lisboa, FLUL; Sousa, Francisco da Silveira de Vasconcellos e (2001), O ministro de D. Afonso VI. Luís de Vasconcelos e Souza 3.° Conde de Castelo Melhor, Porto, Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa; Rocha, Maria Manuela Martins (1990), A promoção da imagem do rei D. Afonso VI e do governo de Castelo Melhor no mercúrio portuguez, Dissertação de mestrado em literatura e cultura portuguesas, Lisboa, FCSH, UNL.

21 Além dos já citados trabalhos «O governo dos Áustrias…» e As vésperas do Leviathan…, veja-se do mesmo autor: «As cortes e o reino: Da União à Restauração», Cuadernos de Historia Moderna, n.º 11 (1991), pp. 21-56.

22 Cardim, Pedro (1998), Cortes e cultura política no Portugal do Antigo Regime, Lisboa, Cosmos, p. 31.

23 Cardim, Pedro (2002), «O processo político (1621-1667)» in António Manuel Hespanha (coord.), José Mattoso (dir), História de Portugal. O Antigo Regime (1620-1807), Lisboa, Círculo de Leitores/Lexicultural, v. 8, p. 64.

24 Cardim, Pedro (2000), «A Casa Real e os orgãos centrais de governo…», op. cit., pp. 52-56; Idem, O poder dos afectos. Ordem amorosa e dinâmica política no Portugal do Antigo Regime, Dissertação de doutoramento, Lisboa, FCSH, UNL, cap. 7, pp. 477-560.

25 Xavier, Ângela Barreto (1998), “El Rei aonde póde, & não aonde quer”. Razões da política no Portugal seiscentista, Lisboa, Edições Colibri, p. 147.

26 Xavier, Ângela Barreto (1999), «The ‘valimento’ of Castelo Melhor (1662-1667). Reasons of State in Portugal in the second half of the Seventeenth Century», Arquivio della ragion di Stato, Quaderno I: Prudenza civile, bene comune, guerra giusta. Percorsi della ragion di Stato tra Seicento e Settecento, pp. 103-104; Idem (2003), «A crise política de 1667-1668», in António Manuel Hespanha (ed), O milénio português. Século XVII, Lisboa, Círculo de Leitores.

27 Xavier, Ângela Barreto, Pedro Cardim & Fernando Bouza Álvarez (1996), Festas que se fizeram pelo casamento do rei D. Afonso VI, Lisboa, Quetzal editores; Xavier, Ângela Barreto & Pedro Cardim (2006), D. Afonso VI, Lisboa, Circulo de Leitores.

28 Valladares, Rafael (1998), La rebelión de Portugal (1640-1680). Guerra, conflicto y poderes en la Monarquía Hispánica, Valladolid, Junta de Castilla y León.

29 Antunes, José Carlos Janela (2003), Le Portugal de la «Restauração». La politique du comte de Castelo Melhor (1662-1667) et l’attitude de la France, thèse doctorat, Paris, Université Paris IV.

30 Sobre os rendimentos da casa de Castelo Melhor durante o governo do valido. Cf. Salvado, João Paulo (2009), Nobreza, monarquia e império. A casa senhorial dos almotacés-mores do reino. (Séculos XVI-XVIII), Dissertação de doutoramento em História dos descobrimentos e da expansão portuguesa, FCSH, UNL, pp. 125-130.

31 Lourenço, Maria Paula Marçal (2007), D. Pedro II. O pacífico (1648-1706), Rio do Mouro, Círculo de Leitores. Sobre o governo do «pacífico» veja-se também: Braga, Paulo Drumond (2006), D. Pedro II. 1648-1706, Lisboa, Tribuna da História. Para os anos de Castelo Melhor na corte inglesa (1677-1685) Cf. Troni, Joana Almeida (2008), Catarina de Bragança (1638-1705), Lisboa, Edições Colibri.

32 Dantas, Vinícius Orlando de Carvalho (2009), O conde de Castelo Melhor: Valimento e razões de Estado no Portugal seiscentista (1640-1667), Dissertação de Mestrado, Niterói, Universidade Federal Fluminense. Cf. nosso artigo «La privanza del conde de Castelo Melhor y la justificación del valimiento en el Portugal de los Braganza (1662-1667)», Espacio, Tiempo y Forma. Serie IV, Historia Moderna, 2013. (no prelo)

33 Mello, Evaldo Cabral de (2003 [1995] ), A fronda dos mazombos: nobres contra mascates, Pernambuco, 1666-
-1715, Rio de Janeiro, Editora 34.

34 Subrahmanyam, Sanjay (1993), O império asiático português, 1500-1700. Uma história política e econômica, Lisboa, Difel, p. 254. Sobre as negociações para a entrega de Bombaim, veja-se Nobre, Pedro Alexandre David (2008), A entrega de Bombaim ao Reino Unido (1661-1668). Um processo diplomático, Dissertação de Mestrado em História e Arqueologia dos Descobrimentos e da Expansão portuguesa, Lisboa, FCSH, UNL.

35 Ames, Glenn J. (2000), Renascent Empire? The House of Braganza and the Quest for Stability in Portuguese Monsoon Asia, ca. 1640-1683, Amsterdam, Amsterdam University Press, p. 31. Numa perspectiva semelhante: Chaturvedula, Nandini (2010), Imperial Excess: Corruption and Decadence in Portuguese India (1660-1706), Ph.D Thesis, New York, Columbia University, pp. 28-29.

36 Apesar de uma acusação comum aos reis que governaram com validos, no caso de D. Afonso VI, a «incapacidade» parece não ter se resumido à sua inabilidade para governar sozinho. Nesse sentido, fontes coevas nos legaram a imagem de um rei fraco e doente, impossibilitado de suas funções governativas por sua «incapacidade física». Sobre as imagens de D. Afonso VI, veja-se a citada biografia de Pedro Cardim e Ângela Barreto Xavier.

37 A bibliografia sobre o valimento é vastíssima. Listamos aqui alguns trabalhos essenciais: Tomás y Valiente, Francisco (1990 [1963]), Los validos en la monarquia española del siglo XVII, Madrid, Siglo XXI; Ranum, Orest 1966 [1963], Les créatures de Richelieu: secrétaires d’Etat et surintendants des finances, 1635-1642, Paris, Éditions A. Pedone; Bérenguer, Jean (1974), «Le problème du Ministériat XVIIe siècle», Annales E.S.C, 29, vol. 29, n.º 1, pp. 166-192; Elliott John, (2004 [1986]), El Conde-Duque de Olivares, Barcelona, Crítica, ; Idem (2001 [1984]), Richelieu y Olivares, Barcelona, Crítica, García García, Bernardo José (1996), La pax hispánica: política exterior del duque de Lerma, Leuven University Press; Allen, Paul (2000), C. Phillip III and the Pax Hispanica, 1598-1621, Yale University Press; Feros, Antonio (2002 [2000]), El duque de Lerma. Realeza y privanza en la España de Felipe III, Madrid, Marcial Pons; Escudero, Jose Antonio (coord) (2004), Los validos, Madrid, Dykinson; Williams, Patrick (2006), The great favourite. The Duke of Lerma and the court and government of Phillip III of Spain, Manchester University Press; Thompson, I. A. A., «El contexto institucional de la aparición del ministro-favorito» in Laurence Brockliss & John.H. Elliott, El mundo de los validos…, pp. 25-41.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Vinicius Dantas, « A privança no Portugal restaurado », Ler História, 64 | 2013, 201-214.

Referência eletrónica

Vinicius Dantas, « A privança no Portugal restaurado », Ler História [Online], 64 | 2013, posto online no dia 11 Novembro 2014, consultado no dia 25 Maio 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/263 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.263

Topo da página

Autor

Vinicius Dantas

Centro de História de Além-Mar – FCSH-UNL e CAPES (Brasil)

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org