Navegação – Mapa do site
Dossier: A transição democrática portuguesa: novos contributos historiográficos

Apresentação

Ana Mónica Fonseca e David Castaño
p. 7-8

Texto integral

1O período da transição portuguesa para a democracia é um momento chave da história contemporânea portuguesa. Mais de uma década passada sobre a publicação da obra Portugal e a Transição para a Democracia (coord. Fernando Rosas, 1999), resultado de uma relevante iniciativa que aglutinava reflexões académicas e testemunhos pessoais de alguns intervenientes, o conjunto de trabalhos aqui reunidos procura revelar novas abordagens que aprofundam, confirmam ou refutam algumas das principais teses e ideias que têm vindo a ser propostas desde a publicação dos dois estudos fundadores dedicados a esta temática: Portugal em transe (1974-1985), de José Medeiros Ferreira, inserido na História de Portugal dirigida por José Matoso e a obra de António Reis, A revolução de 25 de abril de 1974, o MFA e o processo de democratização, sexto volume do seu Portugal Contemporâneo.

2Beneficiando da abertura de arquivos, nacionais e estrangeiros, tem-se assistido nos últimos anos ao desenvolvimento de vários estudos e linhas de investigação em história contemporânea que lançam novas luzes sobre este decisivo e complexo processo que moldou e enformou a III República. Após uma primeira fase em que este processo foi analisado essencialmente no domínio da ciência política, a transição democrática portuguesa tem atraído a atenção de historiadores que se debruçaram essencialmente sobre duas grandes dimensões: a dimensão externa e influência de atores externos, e o papel de alguns atores internos. Entre os primeiros destacam-se os trabalhos sobre o papel desempenhado pelos Estados Unidos da América ou pela Social-Democracia alemã e, entre os segundos, as investigações dedicadas à atuação dos militares, dos partidos políticos ou dos seus líderes.

3Seguindo esta divisão, o dossier é composto por duas partes. Na primeira, inserem-se os artigos focados na dimensão interna, e na segunda, os que se centram na dimensão externa. Como em todas as divisões e compartimentações esta opção apresenta riscos e benefícios. Se, por um lado, é útil agrupar os artigos que têm como base o mesmo enfoque, seja ele privilegiar as ações e visões dos atores internacionais ou dos atores nacionais, por outro corria-se o risco de uns e outros ficarem demasiado centrados nas respetivas dimensões. Pensamos, no entanto, que este risco foi ultrapassado com sucesso. As duas partes que constituem o dossier dialogam permanentemente entre si e estabelecem várias pontes que ajudam a compreender o complexo fenómeno de imbricação entre as dinâmicas externa e interna da transição democrática portuguesa. Esta complementaridade é um dos pontos-chave para a compreensão de um processo que, tendo uma origem unicamente interna (o golpe de Estado promovido pelo MFA), rapidamente atraiu não apenas os holofotes da comunidade internacional, mas as atenções de importantes atores de um mundo bipolar em mutação.

4Os diferentes pontos de vista e abordagens que aqui se apresentam estão longe de esgotar os contributos que felizmente continuam a enriquecer a historiografia portuguesa. A nossa intenção foi reunir um conjunto de trabalhos que espelhassem a vitalidade e diversidade desta disciplina. Esta diversidade, que deliberadamente se procurou é, contudo, contraposta pelo rigor presente em todos os artigos. Muito contentes ficaríamos se daqui a alguns anos novos investigadores e historiadores (ou os mesmos) propusessem nova revisitação sobre estes temas. Tal significaria que a História não tinha sido votada ao abandono, que continuavam a surgir novas questões e a ser postas em causa respostas dadas.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ana Mónica Fonseca e David Castaño, « Apresentação », Ler História, 63 | 2012, 7-8.

Referência eletrónica

Ana Mónica Fonseca e David Castaño, « Apresentação », Ler História [Online], 63 | 2012, posto online no dia 09 Abril 2015, consultado no dia 26 Setembro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/328

Topo da página

Autores

Ana Mónica Fonseca

ana_monica_fonseca@iscte.pt
Professora convidada do Departamento de História do ISCTE-IUL e investigadora do CEHC, ISCTE-IUL e do IPRI-UNL. As suas áreas de investigação são as relações luso-alemãs durante a Guerra Fria, a social-democracia europeia e a promoção da democracia.

Artigos do mesmo autor

David Castaño

davidmfcastano@hotmail.com
É investigador no IPRI, UNL e bolseiro de pós-doutoramento da FCT. Tem-se dedicado ao estudo da história contemporânea portuguesa e da história das relações internacionais, centrando-se no período do Estado Novo e da transição e consolidação democrática.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org