Navegação – Mapa do site
Dossier: Interdisciplinaridade em acção. Experiências de pesquisa em contextos rurais

Um sujeito incómodo para um tempo difícil. Atitudes camponesas e franquismo

Ana Cabana Iglesia
p. 145-162

Texto integral

Introdução

  • 1 Cabana, A., Entre a resistencia e a adaptación. A sociedade rural galega no franquismo 1936-1960, S (...)

1Serão objeto de avaliação neste artigo as possibilidades que a interdisciplinaridade e a multidisciplinaridade oferecem quando se pretende estudar sujeitos de difícil apreensão em momentos históricos de grande complexidade, como são as ditaduras. A intenção principal deste texto é apresentar as orientações que seguimos para a análise das atitudes de protesto que as povoações rurais mantiveram durante o regime ditatorial franquista1. Não visamos apresentar qualquer resultado de investigação, nem comentar o caso concreto de estudo, mas referir as metodologias e modos escolhidos para o historiar. Fazê-mo-lo porque estamos certas das potencialidades destas orientações para o estudo das atitudes de protesto dos camponeses de outros espaços rurais e noutras ditaduras ou sistemas políticos sem garantias democráticas.

2Focar-nos-emos nas atitudes que exprimiram contrariedade e protesto face às políticas e ações do franquismo, mas que não resultaram em episódios revolucionários. Achamos que estas são tão relevantes como as que revelam consentimento face ao regime, até porque o conflito tem a virtualidade de nos fazer refletir sobre os limites do poder estatal. Pretendemos colocar a ênfase na grande utilidade que o método pluridisciplinar tem para o estudo das atitudes de descontentamento e desacordo, entendido como o contributo de diferentes disciplinas e a soma de metodologias das várias áreas em que a História ficou fragmentada. Consideramos que com a interdisciplinaridade, a riqueza de perspetivas fornecidas pelas várias disciplinas auxiliares da História permitem complementar abordagens que, no caso de ficarem restritas às ferramentas teóricas e conceituais do historiador isolado na sua especialização, perderiam profundidade e valor analítico. É assim que apostamos no diálogo com a Antropologia, que fornece recursos metodológicos adequados ao estudo da conflitualidade, desde que esta não possa ser apreendida pelas várias perspetivas da teoria dos movimentos sociais por achá-la «não relevante» e ainda por misturar metodologias próprias da história da vida quotidiana e da história oral, afirmando sempre a potencialidade das análises de tipo interpretatitvo.

Camponeses, atitudes sociais e franquismo

  • 2 Uma situação para a qual tem vindo a chamar a atenção com grande sucesso Teresa María Ortega, vd. O (...)

3Embora a historiografia sobre o franquismo tenha já avaliado os «grandes» homens (políticos, ideólogos, autoridades, etc.) e grandes coletivos (partido único, concelhos, governos civis, juízes, guerrilha, etc.) continuam, no entanto, a ser escassas as investigações sócio-históricas «a partir de baixo», focadas no estudo de indivíduos desconhecidos, anónimos e não militantes. Assim, não admira que no panorama historiográfico espanhol dedicado à análise do campesinato durante o franquismo prevaleçam as ausências e os «vazios»2. No que respeita à relação camponeses – franquismo, o que conhecemos fica muito aquém do desejável, facto que se torna incompreensível, pois é conhecida a relevância da agricultura (em todos os âmbitos: importância demográfica, como setor económico, a sua pegada cultural, etc.) no quadro da ditadura franquista (1936-1975). Esta realidade, decerto intolerável, tem muito a ver com duas premissas:

  • 3 Saz, I., Fascismo y franquismo, Valencia, Puv; Tussell, J et alli. (2004), Fascismo y franquismo ca (...)

41) O facto da história política ter sido a prioridade até há poucos anos no que respeita aos estudos do franquismo. Estes começaram tendo como ponto de partida o interesse pela natureza política do referido regime, dedicando inicialmente uma atenção privilegiada à sua ideologia, discursos e pessoal político. A longa duração e versatilidade da ditadura dificulta extremamente a definição do sistema político que Francisco Franco liderou, o que explica que um dos temas mais tratados pela historiografia espanhola tenha sido a sua natureza política. O debate historiográfico que se encetou à volta do carácter fascista ou não do regime estendeu-se por mais algum tempo na sequência da própria discussão do conceito de fascismo3. Para além das questões ligadas à longevidade do regime e à sua inspiração ideológica, durante os últimos quinze anos surgiram inúmeros estudos de história política sobre as relações internacionais da ditadura, a oposição política ao regime, a transição e o antifranquismo (guerrilha, exílio, partidos e sindicatos clandestinos, etc.).

52) Os habitantes das cidades e vilas tornaram-se o objeto principal (e ainda o são) dos historiadores do período que os consideram os sujeitos relevantes nos momentos decisivos do regime (guerra, desarrollismo, transição, etc.). Esta preferência pelo urbano tem sido atribuída ao facto da investigação sobre o franquismo ter sido encetada por grupos de investigação sediados em universidades localizadas nas grandes cidades espanholas (Barcelona, Madrid, Valencia, Zaragoza, etc.). Não se pode negligenciar que é no âmbito urbano que se conservam melhor e em maior quantidade as fontes documentais sobre o período. Assim, temas como as grandes transformações económicas e sociais dos anos 60, a conflitualidade social na indústria ou no mundo universitário nos anos 70 têm sido abordados com grande rigor e resultados notórios.

  • 4 Uma aproximação excelente aos sucessos alcançados pela investigação realizada sobre o franquismo be (...)
  • 5 Os resultados de muitas dessas investigações têm sido difundidos em inúmeros congressos (vid., por (...)

6Como oportunamente tem vindo a referir Teresa María Ortega, novas e sugestivas propostas e instrumentos analíticos, fornecidos pela investigação histórica do âmbito da nova história política e da nova história social (história sociocultural ou «pós-social»), permitiram que a investigação sobre o franquismo tenha registado um progresso notável na última década4. São cada vez mais os estudos monográficos e os trabalhos realizados no campo da história a recorrerem a ferramentas conceituais e metodológicas provenientes de outras disciplinas (linguística, literatura, psicologia e sociologia), o que contribui para tornar efetiva a profunda revisão historiográfica5.

  • 6 Font I Agulló, J., ¡Arriba el campo! Primer franquisme i actituds polítiques en l’àmbit rural nord- (...)
  • 7 Arco Blanco, M.A. del, Hambre de siglos: mundo rural y apoyos sociales del franquismo en Andalucía (...)

7Contudo, evidencia-se que nestas novas linhas de investigação os camponeses continuam a ocupar um lugar de segundo plano. Nos últimos cinco anos, com metodologias próprias da microhistória e da história «a partir de baixo», encetou-se uma nova linha de estudos que trouxe algo de novo à produção historiográfica. A inclusão de análises relativas a províncias e regiões periféricas e fundamentalmente agrárias (Granada ou Almería na Andaluzia, Lleida ou Girona na Catalunha ou ainda as províncias galegas) contribuiu para que viesse a ser colocada a questão da ruralidade6. A renovação historiográfica permitiu que se tenham abordado questões ligadas à capacidade mobilizadora do discurso, à simbologia do poder, à constituição dos novos poderes locais em concelhos rurais, aos apoios sociais e colaboracionismo da cidadania, às relações de poder e institucionalização da ditadura e às expressões da dissidência7. São, por enquanto, caminhos apenas encetados e ainda por transitar.

Uma história social do campesinato «em construção»

  • 8 Molinero, C., «La política social del régimen franquista. Una asignatura pendiente de la historiogr (...)
  • 9 Sobre a temática do consenso e apoios sociais do franquismo, destaco obras pioneiras como Cobo Rome (...)
  • 10 Guha, R. et alli. (ed.), Selected Subaltern Studies, Nueva York, Oxford University Press, 1988.

8Há alguns anos, Carme Molinero afirmava que era necessário considerar o estudo da política social do franquismo (discursos, instituições como a Organización Sindical, Secc. Femenina, Auxilio Social) por ter sido através desta que o franquismo procurou convencer as massas sobre os benefícios do nacionalsindicalismo, conseguindo o seu apoio e aceitação (em simultâneo com a implantação da máquina de controlo social e poder disciplinar do regime)8. Isto supunha colocar na inha de frente a vasta questão dos apoios sociais e do colaboracionismo dos indivíduos comuns face ao regime. Para tal tornar-se-ia necessário rever muitos dos argumentos das «velhas» teses que tinham assinalado o escasso interesse do franquismo pelo alargamento dos apoios sociais. Atualmente, continua a ser necessários estudos para esclarecer a parte da História que respeita aos comportamentos individuais ou coletivos que conduziram a expressões de vinculação e compromisso com o Novo Estado9. Como ainda, apontamos nós, sobre as atitudes que o contrariavam, isto é, que evidenciavam descontentamento e conflito. E estes estudos são ainda mais necessários quando o objeto são grupos sociais que não receberam a devida atenção e mediatização devido à sua condição de subalternidade10.

  • 11 Thompson, E.P., Costumbres en común, Barcelona, Crítica, 1995, pp. 213-394.

9Procurar mecanismos e lógicas de interação entre os atores envolve, por sua vez, uma escolha metodológica consciente. Nós apostamos na ação face à estrutura, atribuindo à «gente comum» um lugar na História. Um lugar por vezes bem definido e atribuindo-lhe sempre a capacidade de interpretar a realidade circundante para a tomada de decisões e para agir de acordo com um contexto onde as hipóteses de escolha nunca se revelam infinitas, mas limitadas. Essas hipóteses estão, além disso, vinculadas aos seus valores, com o seu quadro de referência (social, económico, etc..) e ainda à sua «economia moral»11.

10Importa referir que partimos de dois pressupostos. O primeiro respeita a tremenda complexidade do estudo histórico das atitudes sociais. Reconhecemos as dificuldades que surgem no momento de qualificar o próprio regime, que dividia as pessoas em três categorias (adictos, desafetos e indiferentes), para daí apreender e, porventura, definir as atitudes reais das populações face ao poder. O segundo diz respeito à ausência de investigações que contrariem explicações simplistas assentes em tópicos ahistóricos e, face a isso, propomos fazer a abordagem da vida quotidiana das populações rurais para conhecer as suas relações com o Estado que se seguiu ao golpe de 1936.

  • 12 Levi, P., Los hundidos y los salvados, Barcelona, Muchnik Editores, 2001.

11Focar-nos-emos nas atitudes que revelam conflito acerca dos «modos» e das políticas do franquismo. Visamos conhecer a atitude das comunidades rurais face às mudanças económicas e sociais que o franquismo veio a implementar (por exemplo, relativamente à criação de sindicatos obrigatórios, requisição de alimentos, repovoamento florestal, colonização, emparcelamento, etc..), atentar na forma como evidenciavam o seu descontentamento face às medidas acima referidas e qual a influência dos seus protestos na evolução da política do regime orientada, em particular, para este espaço (abrandamento, adaptação, imposição através da repressão e controlo social, etc.). Procuramos afastar-nos das análises de «tipo tradicional», apostando numa compreensão do franquismo em termos de experiência popular. Desviamo-nos dos caminhos mais percorridos e de divisões maniqueístas e simplistas, para colocarmos o debate no que Primo Levi chamou «zona cinzenta», um espaço onde encontrarmos a maioria da povoação12.

  • 13 Benigno, F., Espejos de la Revolución. Conflicto e identidad política en la Europa Moderna, Barcelo (...)

12O campesinato dificilmente surge como um grupo homogéneo. É por isso que a sua relação com a política deve ser avaliada e não prevista em função da sua pertença a uma categoria (jornaleiro, pequeno proprietário, etc.). Quando avaliadas as várias formas de conflitualidade, as diversas maneiras como os coletivos subalternos fazem face à hegemonia imposta surgem uma série de desafios. O primeiro tem a ver com a definição e precisão relativamente ao conceito de conflitualidade. É neste âmbito que deparamos com a substituição das interpretações de tipo estruturalista, que reconheciam a possibilidade de alicerçar as explicações do conflito nos antagonismos identificáveis entre as classes sociais, passando a reconhecer a existência de «um infinito inventário de estratificação social», bem como o estabelecimento de uma multiplicidade de «motores de antagonismo social»13. Aceitamos a impossibilidade de reduzir a dialética social a uma luta de classes acompanhando o modelo historiográfico marxista, insistindo, porém, numa perspetiva interpretativa assente nas identidades e nos processos onde confluem as várias contradições dos corpos sociais e se formam as frentes de interesses.

  • 14 Scott, J.C., Weapons of the weak: everyday forms of peasant resistance, New Haven, Yale University (...)
  • 15 Cabana, A., «Passive resistence. Notes for a more complete understanding of the practices of the ru (...)

13James C. Scott tem vindo a apontar que as situações «carregadas» de poder nem sempre são absolutas e que o exercício do poder desloca sempre uma percentagem do total da realidade social para a clandestinidade14. E, com certeza, a hegemonia do Estado franquista não foi absoluta. Achamos que nem todos os socialmente mais fracos, aqueles que pertenciam às classes subordinadas, aceitaram submissos a ideologia, bem como as imposições legislativas dos vencedores da guerra, nem se submeteram passivamente à sua autoridade. Bem pelo contrário, podemos elencar todo um leque de ações indisciplinadas e rebeldes inseridas no quotidiano, que foram viabilizadas pela clandestinidade (boatos, insultos, etc.), o que torna significativo este tipo de práticas. A importância da conflitualidade quotidiana não deve ser negligenciada, embora a indiferença ideológica e apatia face ao poder e suas fórmulas ponha em causa a desejada «paz social» dos revoltosos franquistas15.

14É necessária uma aproximação ao terreno pantanoso das perceções, pois o objeto de estudo constitui uma realidade clandestina e «secreta». Julgamos que isto faz com que devamos encarar as condutas humanas em toda a sua complexidade, contradição e normalidade. É por isso que tanto as pesquisas quanto os resultados revelam um claro – e com certeza criticável para muitos autores- cariz valorativo. Na nossa opinião é uma via aceitável de modo a compensar os excessos do pensamento cienticista. Admitindo que a substituição da via mais positivista por uma meramente valorativa envolve algumas dificuldades para o relato histórico, consideramos que são de igual insuperabilidade como as que decorrem da alienação das objetivações. Isto é, não é viável para o discurso histórico assentar apenas numa postura relativista radical, mas não devemos, sob o pretexto de evitar esta deriva, negar a significação daquilo que achamos ser um avanço da investigação: não perseguir causalidades unívocas, dar importância ao contexto, a cada situação, enfatizando a realidade específica tratada e a complexa causalidade que se segue. Na análise que visamos propor deve prestar-se especial atenção aos relatos difusos e imagens fragmentárias que pela sua qualificação escaparam ao relato histórico no seu sentido mais canônico. A soma de singularidades, de detalhes, de histórias particulares, acaba por produzir um discurso com entidade para definir tendências, até porque, em conjunto, desenham um quadro representativo e porque definir diferentes individualismos tem a vantagem de permitir evidenciar um vasto leque de motivações nos atores históricos.

  • 16 Uma opção pela que se está a apostar nalguns estudos, vd. Seidman, M., A ras de suelo. Historia soc (...)
  • 17 Uma visão mais completa e complexa sobre as identidades e as suas condicionantes, González Millán, (...)

15Não preconizamos um radical individualismo metodológico16, pelo contrário, visamos tirar importância aos coletivos grandes e organizados, como os partidos e os sindicatos, de modo a estudar grupos mais restritos, entre estes o campesinato, nos quais a comunidade, a família e os amigos marcam os limites. Sublinhamos a importância da comunidade enquanto realidade intermédia, que liga os camponeses e o conjunto da sociedade, embora consideremos que o individualismo per se não permite dar conta das ações dos indivíduos. A ideia de «comunidade» remete para um modelo de associação configurado à volta de uma série de relações: familiares e de parentesco, de continuidade, de inclusão e de exclusão, de identidade e de identificação do outro. Oferece formas de solidariedade e reciprocidade assentes numa experiência coletiva de marginalidade e expropriação. A linguagem comunitária oferece uma poderosa matriz de identificação e pode funcionar como uma força de mobilização para a transformação das relações do poder político, mas com capacidade para admitir processos de diferenciação dentro do seu próprio espaço e aceitar múltiplas identidades socialmente condicionadas17. Os camponeses partilham um enraizamento no seio de uma comunidade, de uma microssociedade, na qual o político é apenas mais um dos elementos que formam a identidade e um dos elos das redes relacionais.

  • 18 A Alemanha tem-se tornado o espaço principal de renovação dos estudos da vida quotidiana nos tempos (...)

16Propomos ainda realizar uma análise da conflitualidade e do protesto com base no contexto em que o indivíduo tinha de operar, isto é, avaliar os graus de oposição que tinha face ao regime e/ou as suas políticas numa ótica de possibilidade. Com o caleidoscópio que a visão retrospetiva propicia ao historiador pode verificar-se o valor de atos realizados no decurso do processo e não uma vez este finalizado e conhecidas as suas consequências. Os protagonistas do período não podiam compreender o regime franquista quando a história ainda não o tinha interpretado. Tiveram de construir a sua realidade a partir dos acontecimentos diários18.

  • 19 Scott, J.C., The moral economy of the peasant: rebellion and subsistence in South-East Asia, New Ha (...)

17Achamos que é necessário olhar para os camponeses como sujeitos capazes de alterarem e dinamizarem o seu percurso histórico a partir de parâmetros da sua própria vida quotidiana. O horizonte teórico aqui proposto visa o reconhecimento da dimensão histórica dos conflitos que surgem e se inserem no dia a dia. Alvitramos, portanto, como objeto de estudo, as ações e atitudes que até há pouco tempo eram relegadas para a irrelevância pelos paradigmas predominantes das Ciências Sociais. Acompanhamos James C. Scott na sua afirmação de que as rebeliões são uma raridade dentro do processo histórico protagonizado pela sociedade rural, sendo que devem ser avaliados os pormenores da vida quotidiana de modo a conhecer os descontentamentos e protestos manifestados pelos camponeses19.

  • 20 O campesinato foi relegado tradicionalmente pela história social para o lugar da «gente sem polític (...)

18A ausência de movimentos sociais de protesto facilmente percetíveis e visíveis, tantas vezes utilizada como crítica que coloca em causa as ações camponesas, para além de entender que o processo histórico muda em função destes episódios esporádicos, questão que hoje dificilmente é defensável por conceber unidos conflito e progresso na sua perspetiva mais evolucionista, tornava-se argumento suficiente para desvalorizar atuações designadas de low-profile20. Reflexões e investigações romperam com o paradigma clássico de interpretação, denunciando o teor teleológico e apriorístico do mesmo, fornecendo quadros teóricos alternativos. Uma vez afastadas as restrições colocadas à análise do protesto camponês, decorrentes da ideia da necessidade de uma ação coletiva para poder ser avaliado, superadas as interferências presentistas bem como a conceção acumulativa e linear do progresso, foi possível abrir novos caminhos ao estudo da história social do campesinato.

19Como já referimos, esta abertura na conceção da conflitualidade e, sucessivamente, do protesto social, revela-se de transcendental importância para o estudo de uma classe subordinada como o campesinato que, aliás, desenvolveu o protesto afastado do quadro do conflito aberto. A tendência para incluir como objeto de estudo outras tipologias de conflito associadas às revoltas camponesas não se consolidou até aos anos 70. De facto, só após os trabalhos de Barrington Moore, de 1966, é que foi tida em conta a importância dos camponeses nas revoluções, algo que nem a teoria social ortodoxa, nem a marxista tinham até à altura contemplado.

  • 21 Moore, B., Los orígenes sociales de la Ditadura y la Democracia: señores y campesinos en la constru (...)

20Foi a partir de 1970 que, com o desenvolvimento dos estudos sobre o mundo rural, se verificou um contexto social e político favorável à adoção de categorias e esquemas teóricos partilhados pelos movimentos sociais da época. Surgiram, sobretudo nos EUA, investigações que tinham como objeto de estudo as «revoluções camponesas». Podemos assinalar os contributos de E. Wolf, J. S. Migdal ou J. M. Paigne, que partilham como espaço de análise os países do Terceiro Mundo. Foram estes autores e alguns trabalhos dos grupos em que se inseriam que, na sequência da influência da Guerra do Vietname, permitiram que as povoações rurais se tornassem «sujeito» de estudo e fossem considerados protagonistas da mudança social, embora apenas através da rebelião21.

  • 22 Godinho, P., Mémorias da Resistência Rural no Sul. Couço (1958-1962), Oeiras, Celta, 2001.
  • 23 Scott, Weapons of the weak... ; Cruz Artacho, S., «De campesino a ladrón y delincuente en Andalucía (...)

21Os estudos dos últimos dez anos focados na análise dos seus comportamentos e atitudes focam uma outra ideia, tendo vindo a renunciar à tradição reducionista que privilegiava apenas o conflito aberto que se reproduzia designadamente nas revoltas ou rebeliões. O seu conhecimento é finalmente entendido como insuficiente e restrito no momento de apreender as formas de protesto do campesinato. O erro básico da historiografia assentava na incapacidade de encontrar a instrumentalização conceptual adequada à compreensão das especificidades próprias das classes subordinadas, em particular as do campesinato. A investigação crítica tem vindo a contestar esse poderoso mito do nosso tempo. A imagem da fúria cega dos camponeses foi afastada da interpretação dos historiadores, começando a privilegiar-se o que Thompson chamou «economia moral», onde se configurava todo um universo de compatibilidades e controvertidas legitimidades. Acompanhando a referida viragem analítica, a pobreza e a carestia passaram a ser encaradas como fatores explicativos do protesto. Não devem ser negligenciados os elementos culturais e identitários, bem como os fatores socioeconómicos interligados com os processos de atribuição de significados. Até porque é o mundo dos significados partilhados que resulta fundamental quando se procura compreender uma qualquer ação22. Demonstrações de protesto como as que respeitam à resistência quotidiana e que foram caracterizadas por James C. Scott (roubos de pequena escala, boicotes, trabalho lento, dissimulação etc.) ou os motins de subsistência, considerados tradicionalmente como irracionais e pré-modernos, são interpretados a partir destas novas premissas como uma resposta consciente e calculada perante uma agressão23.

22Não é nossa intenção desvalorizar as revoluções e revoltas, mas antes salientar a existência de outras formas de protesto que, embora não deixem rasto e se recusem a exigir mudanças sociais e políticas concretas, visam alterar determinadas disposições institucionais, e é nesse sentido que podem vir a modificar o quorum imposto, participando no processo político. Insistimos: sem desafiarem abertamente o controlo do Estado, característica definidora das revoluções. A análise do quotidiano das povoações rurais permite detetar conflitos relacionados com as «formas» da administração pública e com os limites da ação do poder político, quando este afeta a experiência da gestão autónoma dos grupos sociais e, o que nos interessa mais, os níveis de autogestão e autorregulação dessas populações. Desta forma, o conflito social revela essencialmente um contraste de mentalidades e uma confrontação discursiva. Visamos salientar o conflito na sequência de uma dinâmica através da qual é expressa a diversidade de interesses, para onde confluem diversas conceções. São ainda alterados e renovados os elos de pertença ao respetivo grupo e, por oposição, definidos os critérios de exclusão, fixando os perfis do «outro».

23Estamos certos de que a história social do campesinato deve ser compreendida fugindo ao relato «heróico», «decisivo» «militante» e aproximar-se do quotidiano das povoações rurais. Isto sem cairmos num idealismo utópico, que interprete os comportamentos que no seio do campesinato contrariam o poder em termos de uma realidade pretensamente contestatária das muitas formas da cultura popular.

Notas para um percurso de pesquisa

  • 24 Vaquinhas, I., Violência, justiça e sociedade rural. Os campos de Coimbra, Montenor-o-Velho e Penac (...)

24Sendo as populações rurais os atores principais desta análise, torna-se necessário conhecer a forma como encaravam as transformações ocorridas à sua volta, como é que estas eram assimiladas, integrando-as no seu quotidiano ou, pelo contrário, recusando-as, procurando evitá-las ou adaptá-las. As fontes permitem esclarecer a insubmissão social expressa nas tensões e desequilíbrios de uma sociedade em mutação face à definitiva individualização. Ilustram igualmente a vitalidade com que as comunidades agem quando confrontadas com ações que contrariam o quotidiano, implementando mecanismos de defesa, exprimindo com a rutura dos códigos estabelecidos todo o desespero, mesmo quando aparentemente é gratuita ou orientada contra iguais na sua forma de identificação. Deste modo, a conflitualidade pode ser vista como um importante indicador sociopolítico: a sua diferente intensidade remete para os vários níveis de estabilidade e instabilidade atingidos, bem como para a maior ou menor eficácia dos instrumentos de poder24.

  • 25 Rodríguez Barreira, O. J. «La historia local y social del franquismo en la democracia, 1976-2003. D (...)

25Do ponto de vista metodológico, o estudo insere-se no âmbito da história local, escala em que é apreendida a transformação do quadro interpretativo. Visamos ter como referência uma unidade espacial restrita, de modo a podermos identificar e explicar as várias atitudes e oferecer uma microanálise com carga teórica, onde se juntem a temporalidade histórica e os métodos e conceitos empregues por sociólogos e antropólogos. No quadro da história local, procuramos não deixar de retirar lições universais a partir dos factos singulares. A história local tem vindo a provar o seu valor para a melhoria e renovação da historiografia sobre a ditadura, tanto em termos metodológicos, como temáticos e de teor dos debates. Foi através da análise das realidades locais durante o franquismo que foram viabilizadas propostas no âmbito da história social, a micro-história ou a nova história cultural, mais vocacionadas para o estudo dos particularismos da relação entre ditadura e populações do que para acompanhar questões mais debatidas25. A comparação com outros trabalhos já publicados permitirá enriquecer o quadro geral e apreender a verdadeira importância do regime franquista na história da Espanha, avaliando diferenças e valorizando semelhanças. Embora a superestrutura política imposta fosse homogénea, o que se ambicionava aplicar à totalidade do país, as estruturas sociais e económicas eram muito diferentes, na maioria dos casos mesmo antagónicas. Como advertiu Alexis de Tocqueville, não se deve cair no erro de estudar apenas o organograma político e a sua estrutura, pressupondo-se desta forma conhecer toda a realidade de um regime político.

26Um dos problemas metodológicos que emerge quando fazemos a história das populações rurais é o facto de estas não terem deixado testemunhos próprios. As suas vidas e atos na documentação primária são fruto de uma recolha efetuada por outros. Na Espanha franquista foram as autoridades e as forças da ordem que o fizeram (alcaides, guarda civil, etc.). Nos seus relatórios recolhem informações sobre as atitudes populares. Como a documentação oficial é mais numerosa e melhor conservada, os historiadores são tentados a aceitar acriticamente a realidade que o Estado quer dar sobre a sociedade rural. A forma como os dados são recolhidos não garante qualquer objetividade e é afetada pelo juízos e prejuízos do poder que procura minimizar o descontentamento popular, procurando minimizar o nível de conflito que apresenta às autoridades superiores. Apesar disso, a sua consulta é imprescindível. Contudo, os obstáculos que oferece são inúmeros e obrigam a um importante trabalho de crítica. As dificuldades mais fortes advêm do facto do objeto de estudo ser a conflitualidade, caracterizada pela clandestinidade, pela sua diluição no quotidiano e pela perceção mediatizada que dela faz o sistema político. Toda esta documentação oficial requer um trabalho de crítica de forma a isolar a informação, os vários modos de expressão e a redação dos traços devido à intenção de manipulação da informação por parte das autoridades. Os relatórios sobre o ambiente público realizados pelas Delegações locais de Falanges, pelas chefias provinciais de Falange para a Delegação Nacional do Partido e pelo Serviço de Segurança, provaram ser uma excelente fonte, embora não ofereçam uma ideia certa da atitude da sociedade face ao poder político e suas medidas, devido ao anseio, partilhado por toda a documentação oficial, em preservar a ficção de uma harmonia reinante entre os «súbditos». Contudo, o seu valor é claro quando queremos dar referências, pois esta recolha de informações é efetuada para «consumo interno» através da cadeia de comando. Através dessa documentação, podemos conhecer o ponto de vista do Estado sobre o que se está a passar, as problemáticas existentes na sociedade e o estado da opinião pública. As informações recolhidas indicam onde e quando é que se percebe a existência de um problema, o grau de transcendência que lhe é atribuído, desde o sistema político aos comportamentos que envolvem alguma dissidência, e os métodos implementados para os dissipar ou, pelo menos, evitar que alastrem entre as povoações.

27Das informações apuradas pelos vários escalões administrativos, privilegiamos a consulta dos fundos dos Governos Civis, pois encontramos aí os relatórios provenientes dos vários concelhos que descrevem os conflitos estimados e as respostas fornecidas pelo poder provincial, tal como as consultas que são encaminhadas para as entidades nacionais. Enquanto elementos do poder provincial, os governos civis tornam-se amiúde emissores e recetores de notícia, para além de produzir ofícios e requerimentos que também se revelam importantes para a análise do protesto. É por isso que julgamos de especial importância o papel da correspondência.

28A documentação produzida pelas entidades sindicais é também uma peça-chave. Sem ela, a visão sobre as povoações rurais seria imperfeita. Os sindicatos foram na sociedade rural um dos bastiões mais importantes do regime. Os sindicatos auxiliaram o Estado e a sua política, sobretudo no que respeita à questão agrária e social. É por isso que os comportamentos suscitados pelas Hermandades locais se tornaram tão importantes, talvez mais do que os produzidos pelas disposições e atuações das corporações municipais e outras autoridades locais. As atas das reuniões da Asamblea, do Cabildo, os orçamentos, as disposições sobre ajudas e obras elaboradas, etc., são informações vitais para se conhecer aspetos tão decisivos como a sua real implantação ou os conflitos induzidos e/ou intermediados pelas referidas entidades. Do núcleo de documentação primária, que auxilia a análise sobre a conflitualidade do rural, temos a que provém da gestão do sistema judiciário franquista. Depoimentos de arguidos e testemunhas, comentários sobre acórdãos ou documentação anexada (relatórios da guarda civil, dos concelhos, etc...) deixam ver atos e posturas que contrariam os princípios principais do regime franquista e/ou as suas medidas políticas.

29As pesquisas realizadas a partir da documentação e da imprensa têm de superar inúmeros obstáculos. O mais evidente é o facto dos comportamentos sociais não serem um critério para a organização dos documentos nem para a produção da documentação. As atitudes das populações surgem em documentação de todo o tipo e, como não é o seu objeto prioritário, é recolhida sem uniformidade e com graves lacunas (não tendo em conta o número ou identidade dos participantes – povo, alguns da aldeia, quase toda a paróquia, os homens, as mulheres – empregando-se uma caracterização muito genérica para definir o conflito, etc.). Note-se que a documentação é produzida com outros fins e que foi arquivada com outros critérios. Assim, a descoberta dos conflitos costuma ser fortuita, através da consulta de documentos da mais diversa índole (a leitura das atas das Assembleias das Hermandades torna-se necessária para se poder constatar, por exemplo, se as autoridades dão informação sobre algum problema – escassez de assistência, incumprimento de pagamentos, desacordos com algumas decisões, etc.). Os problemas que surgem no decurso de uma investigação têm a ver com o facto de a consulta de um inteiro corpus documental poder resultar em nada e não servir como fonte.

  • 26 Em linha com o dito no clássico livro de Vansina, J., Oral Tradition. A study in historical methodo (...)
  • 27 Ricoeur, P., La mémoire, l´histoire, l´oubli, Paris, Seuil, 2000.

30Para além da documentação produzida pelo poder, para uma melhor análise da conflitualidade é imprescindível atribuir à fonte oral um espaço privilegiado, como única fórmula válida de possibilitar que os protagonistas ou espectadores dêem os seus contributos sem qualquer outra mediação além da do próprio investigador. Propomos a fonte oral como recurso sine qua non. E entendemos que as memórias orais devem ser tratadas como corpus com identidade e não só para contrapor com outras fontes26. Mas discordamos com a premissa de que a fonte oral transmite a «realidade» dos factos. Estamos cientes dos seus perigos e das suas fraquezas, sendo a mais evidente a apresentação de uma realidade deformada devido ao efeito da rememoração. Não enveredaremos pelo debate sobre a importância da memória em relação aos factos ocorridos, pois não concordamos que a memória seja o objeto de estudo do historiador. É preciso evitar «cair na armadilha do dever de memória» como tem dito Paul Ricoeur, e empenhar-se preferencialmente no trabalho de recuperação da memória27. Tal como as outras fontes, a memória é um recurso para o historiador que não deve estar isenta de crítica. A memória, o tipo de memória e o esquecimento fornecem muitas informações ao historiador, tantas como o conhecimento do acontecimento que é rememorado, mas não isenta a aproximação da realidade com vista a poder valorizar a sua substância real e o rasto que deixou na população.

  • 28 Na atualidade o Arquivo de Historia Oral de Galicia denomina-se Unidade de Patrimonio Documental e (...)

31Para conseguirmos uma ampla amostra de fontes orais empregámos duas vias. Uma consistiu na consulta dos fundos do Arquivo de Historia Oral de Galicia (HISTORGA)28. Trata-se de um projeto de compilação de histórias de vida posto em marcha pelo Departamento de História Contemporânea e de América da Universidade de Santigo de Compostela, em 1986, no qual participam os alunos da licenciatura de História que orientam os seus estudos para a época contemporânea. Os alunos são orientados pelos seus professores que, previamente, os introduzem na metodologia da história oral, através da realização de pelo menos uma entrevista no âmbito familiar ou grupo relacional. As temáticas das referidas entrevistas têm vindo a variar ao longo do tempo: fundamentalmente as primeiras entrevistas diziam respeito à emigração para a América, quando nos finais da década de 90 começaram a prevalecer as «estórias» da guerra civil e o franquismo. O outro grande corpus temático de entrevistas está relacionado com a vida quotidiana.

32Este património oral foi consultado com alguns padrões de busca que incluíam uma delimitação cronológica da respetiva gravação que abrangesse o período 1936-1960. Decidimos não utilizar apenas as entrevistas correspondentes ao corpus temático da guerra e do pós-guerra, com a deliberada intenção de procurar comentários e memórias sobre a referida época em entrevistas que tivessem outra orientação principal (vida quotidiana, emigração, mulher, etc.). O acesso aos fundos do Arquivo HISTORGA teve claras vantagens: 1) maior número de testemunhos; 2) grande variedade dos protagonistas das entrevistas (diferentes zonas geográficas, dedicações profissionais, tendências políticas, idades na altura da guerra e pós-guerra, etc.); 3) acesso a testemunhos fornecidos num ambiente de confiança, a um familiar ou uma pessoa próxima (normalmente crianças). Importa frisar este último aspeto, que é um ponto forte das entrevistas recolhidas pelo arquivo galego, sem dúvida, mas que deve ser relacionado com a maior fraqueza no uso desses mesmos testemunhos: o próprio investigador não participa na elaboração da fonte. Assim, o investigador apenas pode ouvir as gravações e ler as transcrições, mas escapa-lhe a perceção e interpretação de muitos aspetos (linguagem corporal, silêncios, tons de voz, etc.) que só podem estar ao alcance de quem realizou a entrevista. Contudo, defendemos, com toda a clareza, a utilidade dos arquivos de fontes orais, que crescerão e devem ser vistos pelos investigadores em história contemporânea recente como equiparáveis aos arquivos de outra documentação.

  • 29 Foi muito significativa na nossa investigação o trabalho enquanto «pessoas de confiança» realizada (...)
  • 30 Halbwachs, M., La mémoire collective, Paris, PUF, 1968; Fentress, J; Wickham, C., Memoria Social, M (...)

33A outra via que usámos para a recolha de memórias orais foi a realização de entrevistas por conta própria. Neste caso empregamos como testemunhos o nosso próprio «capital relacional» (família, vizinhos, etc.) e, sobretudo, contactamos pessoas da confiança do entrevistado, o que nos poderá propiciar entrevistas a pessoas que até então desconhecíamos29. Enfrentamos algumas dificuldades quando no âmbito da entrevista surgiam perguntas que incluíam palavras como «conflitualidade», «resistência» ou «protesto». A resposta automática era «non, aquí diso nada». A questão é que estas repostas surgiam após continuada conversa, narrações da participação do entrevistado em motins, queima das florestas de algum baldio da comunidade, recusa em pagar as contribuições à Hermandade, entregar as quotas de alimentos obrigatórios ou mesmo as ajudas quotidianas aos «guerrilheiros». Entrevistamos uma população rural que desvalorizou totalmente as suas divergências com as políticas ou ações do regime franquista. Este aspeto indica a incapacidade da «memória individual» em esbater a muito mais assente «memória social», para não falar na «memória oficial». Ambas, nas quais se enquadra e é relembrada a primeira, insistem na condição de passivos, e mesmo de adeptos do regime de Franco das populações rurais galegas, o que condiciona fortemente as episódios da conflitualidade existente, fazendo com que a sua importância seja relativizada, longe do conjunto das experiências de vida relevantes30.

  • 31 Referimo-nos a memórias de guerrilheiros, quer da sua própria autoria, quer recolhidas por escritor (...)

34Uma fonte complementar e enriquecedora da fonte oral são as memórias escritas. Com o avançar do tempo, o período em estudo vai ficando mais longe e a sua recordação torna-se menos traumática, podendo dispor de um número significado de memórias. Evidentemente, nem todas têm o mesmo valor como fonte histórica As mais ricas são as pertencentes a sujeitos que nunca tiveram qualquer pretensão em as publicar, nem em se tornarem um referente moral para os leitores. Eram para consumo pessoal ou familiar ou, simplesmente, um exercício de memória. Contudo, todas se revestem de interesse31.

  • 32 Assim o demonstrou Conxita Mir através de um trabalho de referência, Mir, C., Vivir es sobrevivir. (...)

35As informações elencadas a partir do conjunto de fontes primárias revelam toda a sua importância através de uma análise de tipo interpretativo. Não é necessário negligenciar por completo as técnicas seriais de investigação, mas sim torná-las secundárias face a métodos expositivos de narração dos respetivos casos, até porque entendemos que é esta metodologia que permite reconhecer as contraposições em que se movem os discursos e argumentos dos protagonistas da conflitualidade, dando-lhe alguma autonomia32. Temos por objetivo fazer uma recolha dos conflitos no espaço rural, mas isto não significa que tenhamos de proceder ao seu elenco exaustivo. Haverá certamente motins cuja existência desconhecemos por não estar disponível a documentação necessária. Estamos convictos que existem redes de relações da guerrilha não analisados, ou desacatos por incumprimentos com o sindicato obrigatório (Hermandade Sindical de Labradores e Gandeiros). Enganar-nos-íamos se negligenciássemos que isto empobrece a investigação e que esta não beneficiaria com um levantamento integral de fontes, abrangendo todas as formas de conflito existentes. Mas tal extravasa as capacidades do investigador e não desmerece a análise aqui apresentada. Devemos procurar fornecer uma amostra significativa que permita elaborar uma imagem geral e, sobretudo, proceder à realização de uma categorização que permita a comparação e a análise.

Conclusão

  • 33 Parafraseamos o título do famoso livro de François Dosse, vd. DOSSE, F., La Historia en migajas: de (...)

36Os domínios da História multiplicaram-se nos últimos vinte e cinco anos. Aquela que tinha sido a disciplina dominante durante o século XIX, a História Nacional, tem vindo a conviver com a cada vez mais importante História Local, que até agora foi deixada de fora do universo dos historiadores A História Social, por seu turno, separou-se da Económica e, por sua vez, fragmentou-se em várias disciplinas (História Urbana, História Rural, etc). Outras formas diferentes de fazer história como a História das Mulheres, a Microhistória, a História Oral, História «a partir debaixo» têm ganho notoriedade. Trata-se de disciplinas especializadas em objetos de estudo, que a chamada História «tradicional» tinha deixado de fora por entender que diziam respeito a questões sem qualquer interesse para a ciência histórica (feminidade, leitura, classes subalternas...). Achamos que a especialização deve ser vista como o ponto de partida para novas conquistas interpretativas. E tal pode ocorrer desde que estas «migalhas» da História partilhem dimensões, domínios e abordagens, não só entre elas mas com campos de estudo irmãos dentro das Humanidades e das Ciências Sociais e mesmo com disciplinas científicas33. É evidente que esta é uma tarefa difícil mas que pode contribuir para sucessos substanciais, não só pelo facto de permitir conhecer mais, mas porque permite melhor conhecer e apreender aspetos de uma realidade. É por esta convicção que propomos que as metodologias e conceitos próprios da Antropologia sejam empregues e convivam com os que provêm da formação histórica para enriquecer o estudo das atitudes sociais dos camponeses.

  • 34 Acompanhamos a recomendação de Borja de Riquer no sentido de evitar focar a análise em antagonismos (...)

37As incertezas, apriorismos e entendimentos assentes em análises epidérmicas são para já as bases de informação existentes para responder a questões sobre as atitudes sociais das populações rurais. Esta questão confere interesse à escolha dos protagonistas. Também, entendemos que as nossas escolhas metodológicas (história local, importância da fonte oral e da a escrita, dar prioridade à ação face à estrutura ou ao modelo narrativo) podem aproximar-nos de uma reconstrução mais fidedigna e completa das atitudes sociais face a um regime político ditatorial que não permite as manifestações de divergência e que promove a passividade, embora seja certo que a nossa escolha não fornece um quadro nítido onde as atitudes possam ser agrupadas em função de variáveis (idade, sexo, ocupação, etc.). Temos de evitar dar respostas e esboçar conclusões a partir do que chamamos «senso comum» ou a «evidência lógica» e estabelecer correlações causais simples34. A maioria não pode ser definida como «preto» ou «branco», em relação a ações sustentadas no tempo ou previsíveis em função da sua pertença a um grupo social, a sua localização ou cores políticas passadas e/ou familiares. Longe disso, as metodologias propostas refletem em toda a sua confusão as atitudes sociais que não chegam (nem visam chegar) a ser movimentos sociais. A análise dos comportamentos sociais prova que estes respondem a um vasto leque de causas que, depois de devidamente misturadas, fornecem um resultado final bem diferente em cada sujeito e mesmo em cada decisão a tomar.

Topo da página

Notas

1 Cabana, A., Entre a resistencia e a adaptación. A sociedade rural galega no franquismo 1936-1960, Santiago de Compostela, Servizo de Publicacións da Universidade de Santiago de Compostela, 2006; Cabana, A., «Minar la paz social. Retrato de la conflictivad rural en Galicia durante el primer franquismo», Ayer, 61, 2006, pp. 267-288.

2 Uma situação para a qual tem vindo a chamar a atenção com grande sucesso Teresa María Ortega, vd. Ortega López, T.M., «Campesinos y jornaleros bajo el franquismo. Represión, disentimiento y conflictividad en el campo español, 1939-1975», in Ortega López, M. T.; Cobo Romero, F. (eds.), La España rural, siglos XIX y XX, Granada, Ed. Comares, 2011, pp. 289-318.

3 Saz, I., Fascismo y franquismo, Valencia, Puv; Tussell, J et alli. (2004), Fascismo y franquismo cara a cara: una perspetiva histórica, Madrid, Biblioteca Nueva; 2004; Rodrigo, J., «La naturaleza del franquismo: un acercamiento desde la perspetiva comparada de los fascismos europeos», in Romero, C.; Sabio, A. (coords.), Universo de Micromundos, Zaragoza, Institución Fernando el Católico, 2009, pp. 47-62.

4 Uma aproximação excelente aos sucessos alcançados pela investigação realizada sobre o franquismo bem como uma agenda de investigação em Ortega López, T. M., «Se hace camino al andar. Balance historiográfico y nuevas propuestas de investigación sobre la dictadura franquista», Ayer, 2006, 63, pp. 259-278.

5 Os resultados de muitas dessas investigações têm sido difundidos em inúmeros congressos (vid., por exemplo, VII Encuentro investigadores del Franquismo en Santiago en 2009) e revistas especializadas nos últimos cinco anos (Historia del Presente, Ayer, Historia Social, Historia del presente).

6 Font I Agulló, J., ¡Arriba el campo! Primer franquisme i actituds polítiques en l’àmbit rural nord-català, Girona, Deputació de Girona, 2001; Ortega López, T. M., Del silencio a la protesta. Explotación, pobreza y conflictividad en una provincia andaluza, Granada 1936-1977, Granada, Universidad de Granada, 2003; Collarte Pérez, A., Labregos no franquismo: economía e sociedade rural na Galiza interior: as «Hermandades sindicales» en Ourense (1943-1978), Ourense, Difusora das Letras, 2006; Lanero Táboas, D., Historia dun ermo asociativo. Labregos, sindicatos verticais e políticas agrarias en Galicia baixo o franquismo, Santa Comba, tresCtres, 2011.

7 Arco Blanco, M.A. del, Hambre de siglos: mundo rural y apoyos sociales del franquismo en Andalucía oriental (1936-1951), Granada, Comares, 2007; Rodrígues Barreira, O.J., Migas con miedo. Prácticas de resistencia al primer franquismo. Almería, 1939-1953, Almería, Universidad de Almería, 2008; Cabana Iglesia, A., Xente de orde. O consentimento cara ó franquismo en Galicia, Santa Comba, tresCtres, 2009.

8 Molinero, C., «La política social del régimen franquista. Una asignatura pendiente de la historiografía», Ayer, 50, 2003, pp. 319-331

9 Sobre a temática do consenso e apoios sociais do franquismo, destaco obras pioneiras como Cobo Romero, F.; Ortega López, T.M., Franquismo y posguerra en Andalucía oriental. Represión, castigo a los vencidos y apoyos sociales al régimen franquista,1936-1950, Granada, Universidad de Granada, 2005. Os contributos mais recentes podem ser consultados no Dossier Cobo Romero, F.; Arco Blanco, M.A. del (ed.), «Los apoyos sociales al franquismo en perspetiva comparada», Historia Social, 71, 2011, pp. 61-87.

10 Guha, R. et alli. (ed.), Selected Subaltern Studies, Nueva York, Oxford University Press, 1988.

11 Thompson, E.P., Costumbres en común, Barcelona, Crítica, 1995, pp. 213-394.

12 Levi, P., Los hundidos y los salvados, Barcelona, Muchnik Editores, 2001.

13 Benigno, F., Espejos de la Revolución. Conflicto e identidad política en la Europa Moderna, Barcelona, Crítica, 2000, pp. 9, 195.

14 Scott, J.C., Weapons of the weak: everyday forms of peasant resistance, New Haven, Yale University Press, 1985, p. 286.

15 Cabana, A., «Passive resistence. Notes for a more complete understanding of the practices of the rural population during the Franco Dictatorship», Amnis. Revue de Civilisation Contemporaine, 9, 2009, pp. 29-44.

16 Uma opção pela que se está a apostar nalguns estudos, vd. Seidman, M., A ras de suelo. Historia social de la República durante la Guerra Civil, Madrid, Alianza., 2003.

17 Uma visão mais completa e complexa sobre as identidades e as suas condicionantes, González Millán, X., Resistencia cultural e diferencia histórica. A experiencia da subalternidade, Santiago de Compostela, Soutelo Blanco, 2000.

18 A Alemanha tem-se tornado o espaço principal de renovação dos estudos da vida quotidiana nos tempos do fascismo (Alltagsgeschichte).

19 Scott, J.C., The moral economy of the peasant: rebellion and subsistence in South-East Asia, New Haven, Yale University Press; 1976; Scott, Weapons of the weak....

20 O campesinato foi relegado tradicionalmente pela história social para o lugar da «gente sem política». Hobsbawm, E., Rebeldes primitivos. Estudio sobre las formas arcaicas de los movimientos sociales en los siglos XIX y XX, Barcelona, Ariel, 1974.

21 Moore, B., Los orígenes sociales de la Ditadura y la Democracia: señores y campesinos en la construción del mundo moderno, Barcelona, Península; Paige, 1991; J.M., Agrarian Revolution: social movements and export agriculture in the Underdeveloped World, New York, Free Press, 1975; Wolf, E., Las luchas campesinas del siglo XX, Madrid, Ed. Siglo XXI, 1973.

22 Godinho, P., Mémorias da Resistência Rural no Sul. Couço (1958-1962), Oeiras, Celta, 2001.

23 Scott, Weapons of the weak... ; Cruz Artacho, S., «De campesino a ladrón y delincuente en Andalucía (XIX-XX). Otra mirada a la esfera de los comportamientos sociales del campesinado», in González de Molina, A. (ed.), La historia de Andalucía A Debate. I. Campesinos y Jornaleros, Barcelona, Anthropos, Diputación Provincial de Granada, 2000, pp. 159-178.

24 Vaquinhas, I., Violência, justiça e sociedade rural. Os campos de Coimbra, Montenor-o-Velho e Penacova de 1858 a 1918, Porto, Afrontamento, 1995.

25 Rodríguez Barreira, O. J. «La historia local y social del franquismo en la democracia, 1976-2003. Datos para una reflexión», Historia Social, 56, 2007, pp. 153-175.

26 Em linha com o dito no clássico livro de Vansina, J., Oral Tradition. A study in historical methodology, Chicago, Aldine Publishing, 1965.

27 Ricoeur, P., La mémoire, l´histoire, l´oubli, Paris, Seuil, 2000.

28 Na atualidade o Arquivo de Historia Oral de Galicia denomina-se Unidade de Patrimonio Documental e Oral Contemporáneo (UPDOC). É uma fonoteca que disponibiliza mais de 1500 entrevistas sobre a história recente da Galiza. Informações mais detalhadas no site: http://www.usc.es/gl/departamentos/hiscoamg/UPDOC.html. Utilizámos 25 entrevistas desse fundo para o estudo da conflitualidade no rural galego nos anos 1936-1960.

29 Foi muito significativa na nossa investigação o trabalho enquanto «pessoas de confiança» realizada pelos nossos alunos/as da Escola Politécnica dos cursos 2004/2005-2005/2006, que puseram ao meu dispor o seu próprio círculo social, no qual foram realizadas 35 entrevistas.

30 Halbwachs, M., La mémoire collective, Paris, PUF, 1968; Fentress, J; Wickham, C., Memoria Social, Madrid, Cátedra, 2003; Cabana, A., «A memoria tullida. As pegadas da represión franquista na memoria do rural galego», Grial, 170, 2006, pp. 36-43.

31 Referimo-nos a memórias de guerrilheiros, quer da sua própria autoria, quer recolhidas por escritores ou jornalistas, memórias de quadros dirigentes dos partidos clandestinos; memórias de gente vulgar que recolhe comentários sobre o franquismo colateralmente enquanto mudou de alguma maneira os seus planos de vida; e memórias de vida de emigrantes, alguns deles exilados, fornecem uma visão matizada pela distância.

32 Assim o demonstrou Conxita Mir através de um trabalho de referência, Mir, C., Vivir es sobrevivir. Justicia, orden y manipulación en la Cataluña rural de la posguerra, Lleida, Milenio, 2000.

33 Parafraseamos o título do famoso livro de François Dosse, vd. DOSSE, F., La Historia en migajas: de «Annales» a la «nueva historia», Valencia, Alfons el Magnànim, 1988.

34 Acompanhamos a recomendação de Borja de Riquer no sentido de evitar focar a análise em antagonismos como chaves interpretativas da ditadura. Riquer, B. de, «Rebuig, passivitat i suport. Actituds polítiques catalanes davant el primer franquisme (1939-1950)», in Garrabou, R. et al., (ed.), Franquisme. Sobre resistència i consens a Catalunya (1938-1959), Barcelona, Crítica, 1990, pp. 179-193.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ana Cabana Iglesia, « Um sujeito incómodo para um tempo difícil. Atitudes camponesas e franquismo », Ler História, 63 | 2012, 145-162.

Referência eletrónica

Ana Cabana Iglesia, « Um sujeito incómodo para um tempo difícil. Atitudes camponesas e franquismo », Ler História [Online], 63 | 2012, posto online no dia 09 Abril 2015, consultado no dia 23 Novembro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/406 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.406

Topo da página

Autor

Ana Cabana Iglesia

ana.cabana@usc.es
Professora do Departamento de História Contemporânea e da América da Universidade de Santiago de Compostela. Desenvolve as suas investigações no âmbito do Grupo de Referência Concorrente «História agrária e política no mundo rural. Séculos XIX e XX».

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org