Navegação – Mapa do site
Dossier: Interdisciplinaridade em acção. Experiências de pesquisa em contextos rurais

Bairro da Relvinha: memórias de resistência

João Baía
p. 179-197

Notas da redacção

Este artigo resulta de uma comunicação realizada na Conferência «Interdisciplinaridade em ação: Experiências de pesquisa em contextos rurais», no dia 15 de junho de 2010.

Texto integral

Introdução

  • 1 Baía, João, Movimento de Moradores em Coimbra nos anos 1974-1976, Tese de Licenciatura em Sociologi (...)
  • 2 Baía, João, Memórias da luta dos moradores do bairro da Relvinha pelo direito a uma habitação condi (...)

1Procurarei neste texto apresentar algumas reflexões e conclusões sobre as investigações que levei a cabo no âmbito da licenciatura e mestrado. Na tese de licenciatura em sociologia histórica, trabalhei sobre o movimento de moradores em Coimbra, durante o período entre 1974 e 19761. Focalizei o meu estudo no movimento de ocupação de casas e no projeto SAAL (Serviço de Apoio Ambulatório Local) em Coimbra. Ao longo da elaboração da tese de licenciatura fui-me apercebendo que havia um bairro com características diferentes dos outros. Esse bairro – bairro da Relvinha – que se situa na Freguesia de Eiras na cidade de Coimbra, era o único, cujas condições de habitação dos seus moradores mudaram de forma radical a seguir ao 25 de abril de 1974. Foi também o único bairro, dos que aderiram ao projeto SAAL, na cidade de Coimbra, que aderiu à autoconstrução e que conseguiu finalizar o projeto da Operação SAAL da Relvinha. Esta perceção fez-me ter vontade de estudar este bairro de uma forma mais aprofundada, de modo a tentar perceber qual a razão deste bairro ter tido uma história diferente em comparação com outros bairros da cidade de Coimbra. O mestrado em Antropologia: Poder e Identidades permitiu-me levar a cabo essa empresa, contudo, partindo de uma outra perspetiva, estudando um tempo longo, entre a década de cinquenta e a década de oitenta, usando outra metodologia e debruçando-me mais sobre as memórias dos moradores do bairro da Relvinha2.

2O artigo divide-se em cinco partes as duas primeiras referem-se a uma problematização sobre os usos da memória e da história oral. E as três últimas partes correspondem à apresentação de alguns resultados das investigações levadas a cabo, que possibilitam refletir sobre a importância da recolha de testemunhos orais para trabalhar sobre a memória dos moradores do bairro da Relvinha e conhecer, aprofundar e divulgar uma parte da história da cidade que, de outra forma, permaneceria pouco conhecida dos restantes moradores da cidade, sobretudo das gerações mais novas que não viveram o período anterior e durante o PREC.

Memória

3As ciências sociais durante muito tempo estiveram preocupadas em delimitar o seu terreno, em definir fronteiras entre elas. Porém, hoje, a sociologia, a antropologia, a economia, a história, a filosofia, a literatura, a linguística, a psicologia, entre outras disciplinas, têm aperfeiçoado metodologias e têm complexificado o debate teórico em cada área, ao introduzir discussões científicas oriundas de outras áreas do saber.

4Problemáticas em torno da memória, movimentos sociais, migrações, estudos sobre a realidade rural ou urbana, por exemplo, têm suscitado o interesse de vários cientistas sociais, tendo originado o aparecimento de sub-disciplinas e novos campos de estudo, que têm vindo a ganhar alguma autonomia no seio das universidades.

  • 3 Le Goff, Jacques, «Memória», Enciclopédia Einaudi-1. Memória-História, Lisboa, INCM, 1984, p. 47.

5Relativamente ao estudo da memória, Jacques Le Goff, considera que pode ser um objeto de estudo trabalhado por diferentes ciências sociais «Cabe, com efeito, aos profissionais científicos da memória, antropólogos historiadores, jornalistas sociólogos, fazer da luta pela democratização da memória social, um dos imperativos prioritários da sua objetividade científica»3.

  • 4 Nogueira do Barro, Ángel, «Maurice Halbwachs – Una visión clásica y actual de la ideación conceptua (...)
  • 5 Citado por Nogueira do Barro, «Maurice Halbwachs…», p. 5.
  • 6 Sobral, José Manuel, «Memoria social, identidad, poder y conflicto», Revista de Antropología Social(...)

6Halbwachs, discípulo de Durkheim, segundo Nogueira do Barro, «recupera, en sus trabajos investigativos y criticos, una dimensón de la memoria que nos vincula profundamente al tiempo y al espacio social e, igualmente, al ser experiencial de los otros»4. O conceito de memória coletiva do sociólogo prende-se com a ideia de que a memória dos indivíduos resulta das memórias do grupo ou dos grupos de que fazem parte: «Es en la sociedad donde normalmente el hombre adquiere sus recuerdos, es alli donde los evoca, los reconoce y los localiza»5. José Manuel Sobral indica Halbwachs como percussor do estudo da memória social a partir dos «Quadros Sociais de Memória» (constituídos pela família, religião, classe, moradores de um bairro, entre outros tipos de grupo) «que condicionan la memoria de los que en ellos se sitúan» Sobral refere que Halbwachs «destacó la inexistencia de una memoria estrictamente individual, en la medida en que el recuerdo de cada cual es estructurado por nociones generales (como las de tiempo, espacio y causalidad) inscritas en el mismo lenguaje»6.

  • 7 Fentress, James; Wickham, Chris, Memória Social: Novas Perspetivas Sobre o Passado, Lisboa, Editori (...)
  • 8 Fentress e Wickham, Memória Social…, pp. 7-8.
  • 9 Almeida, Sónia Vespeira de, Camponeses, Cultura e Revolução Campanhas de Dinamização Cultural e Açã (...)

7Fentress e Wickham são menos entusiastas quanto ao conceito de memória coletiva, afirmando que para Halbwachs «toda a memória se estrutura em identidades de grupo (...) e que a memória do indivíduo só existe na medida em que esse indivíduo é um produto provavelmente único de determinada interseção de grupos»7. Preferem usar o termo «memória social» e não «memória coletiva», porque consideram que a memória de cada indivíduo nem sempre corresponde à memória coletiva de determinado grupo a que pertence e que o indivíduo, apesar do contexto social em que está inserido, tem uma relativa autonomia de ação8. Sónia Vespeira de Almeida também sublinha o facto dos estudos acerca da memória de Halbwachs remeterem «para uma zona de sombra, as memórias individuais, isto é, a interpretação individual de determinada experiência», ofuscando, de certa forma, as memórias dissonantes ou em conflito9.

  • 10 Le Goff, «Memória», p. 46.
  • 11 Rosas, Fernando, «O Estado Novo – memória e história», De Pinochet a Timor Lorosae – Impunidade e D (...)

8Jacques Le Goff infere que «a memória coletiva é não somente uma conquista, é também um instrumento e um objetivo de poder»10. Fernando Rosas, sobre a relação do poder com a memória e sobre o papel da memória nos processos históricos, afirma que «todos os processos de mudança recorrem à representação da memória para se legitimar, tal como toda a resitência à mudança. As forças de subversão legitimam-se em nome de certa representação da história ou do interesse nacional, e em nome de outra se legitimam as forças que se opõem à mudança»11. Luisa Passerini salienta que:

  • 12 Passerini, Luísa, Memoria y Utopia – La primacia de la intersubjectividad, València: Publicacions d (...)

«Anna Rossi-Doria considera que o século XX foi em geral um século de supressão da memória, prolongando e acentuando a tendência para esquecer o passado. A tentação de fazer apagar factos históricos, através da utilização de múltiplos meios, não foi exclusivamente uma tentação dos regimes totalitários e dos regimes políticos de transição, pois os regimes políticos democráticos também o fizeram»12.

  • 13 Passerini, Memoria y Utopia…, p. 12.

9Passerini apresenta três possíveis significados de subjetividade que se deve ter em conta ao se estudar a memória. O primeiro significado de subjetividade está relacionado com a forma como os seres humanos se tornam sujeitos da história e com a capacidade de decisão que estes mesmos sujeitos possuem. O segundo significado de subjetividade está ligado à ideia de património herdado ou «subjetividade acumulada» que podemos definir como o «campo de identidade e do imaginário que é transmitido e partilhado através do tempo e do espaço» e que varia consoante fatores que influenciam esta transmissão de património como geração, período histórico, condição social, política e económica, situação geográfica, idade e género13.

10O terceiro significado de subjetividade introduz o conceito de intersubjetividade que tem a ver com o relacionamento entre as subjetividades próprias de cada investigador, ou geração de investigadores, ou investigadores de uma dada região, ou universidade, ou até mesmo a relação que se estabelece entre as várias subjetividades que foram influenciando o percurso de um investigador ao longo da sua vida.

  • 14 Passerini, Memoria y Utopia…, p. 17.

11A intersubjetividade conduz a um outro olhar sobre a memória. A memória surge como uma «relação entre o presente e o passado, entre o silêncio e a palavra, entre o individuo e a coletividade»14.

12O antropólogo Tiago Matos Silva, ao debruçar-se sobre os manuais de história dos níveis de ensino básico e secundário em Portugal, conclui que o atual Estado português pretende apresentar:

  • 15 Silva, Tiago Matos, «Luz negra. A História Contemporânea nos livros do secundário», Arquivos da Mem (...)

«(...) uma História que oculta os lados negros da ditadura, para salientar os do processo revolucionário, uma História que valoriza a estabilidade e o desenvolvimento económico do salazarismo, relegando para segundo plano a repressão, para retratar o PREC a partir do caos, do medo e da desestabilização económica, uma História que cria uma visão do 25 de abril politicamente correta, consensual, automaticamente democrática, obliterando dos anais oficiais toda a réstia de conflito, de debate e de hipóteses alternativas»15

13A história contemporânea portuguesa, para ser compreendida e estudada de uma forma mais aprofundada, deveria ter uma maior preocupação em perceber estas dinâmicas em torno das recordações e dos processos de construção da memória pelos vários grupos sociais.

14Nuno Domingos e Victor Pereira, na obra O Estado Novo em Questão, em que fazem o balanço crítico da historiografia produzida acerca do período histórico português entre 1926-1974, relativamente à história oral, fazem um levantamento das obras, que recorreram a fontes orais e acrescentam que:

  • 16 Domingos, Nuno; Pereira, Victor, O Estado Novo em Questão, Lisboa, Edições 70, 2010, p. 18.

«É notória enfim, na investigação sobre este período [Estado Novo], a marginalização do recurso à história oral, sobretudo quando o historiador não se limita a entrevistar membros das elites políticas e sociais. A história oral, neste quadro, não se assume apenas como um mero instrumento metodológico, mas como uma estratégia que define um olhar sobre a sociedade, nomeadamente sobre os segmentos sociais menos apreensíveis por registos documentais, os que não deixaram memórias nem um culto letrado, aqueles cujas práticas de trabalho ou de lazer são menorizadas»16.

15Paula Godinho também faz uma crítica à falta de importância dada à história oral pela História e defende que a História e a Antropologia se devem aproximar:

  • 17 Godinho, Paula, «Movimentos Sociais Rurais: Questões de Teorias e Métodos», in Fonseca, Inês; Freir (...)

«não pode continuar-se a contar a História das elites vitoriosas, com detalhes sobre a subjugação dos grupos dominados: os elementos dos grupos socialmente subalternizados devem ser olhados como agentes de um processo social, bem como as suas vítimas e testemunhas, frequentemente remetidas para o silêncio. Entre a Antropologia e a História, numa fase em que, mais do que espartilhado por fronteiras disciplinares, o conhecimento tem de buscar orlas de convivência nas Ciências Sociais, urge procurar sentidos mais gerais para as conclusões incluídas num estudo localizado»17.

  • 18 Oliveira, Luísa Tiago, «A História Oral em Portugal», Sociologia, Problemas e Práticas, 63, 2010, p (...)
  • 19 Citado por BrettellL, Caroline, Anthropology and Migration Essays on Transncionalism, Ethnicity, an (...)

16Luísa Tiago Oliveira refere que existem vários investigadores que dão valor ao testemunho oral oriundos de várias áreas de investigação: «situam-se entre a história, a sociologia, as ciências políticas, a antropologia e mesmo a arquitetura, verificando-se, assim, também em Portugal, que estes espaços de fronteira, ora concorrentes ora promíscuos, se revelam propícios à inovação»18. A partir da história oral é possível conhecer, como indica Sarah Lamb, «the practices by which people reflect, exercise agency, contest interpretations of things, make meanings, feel sorrow and hope, and live their lives. Storytelling, the narrative presentation of self and culture… is a creative social practice. Viewed through such a lens, life stories can offer scholars of humanity a compelling mode of probing both the particular and the more generalized dimensions of the way people make, experience, and express their lives»19.

17Há ferramentas teóricas e metodológicas oriundas das diferentes áreas do conhecimento que devem ser tidas em conta para se atingir um conhecimento mais profundo sobre as mais variadas problemáticas.

Método

  • 20 Almeida, Sónia Vespeira de, «Novos olhares sobre o terreno. Etnografia das campanhas de dinamização (...)
  • 21 Coser, Lewis A., «Introduction: Maurice Halbwachs 1877-1945», in Maurice Halbwachs on Collective Me (...)
  • 22 Fernández de Rota, José António, «Metodología etnográfica de la história urbana», Revista de Antrop (...)

18A etnografia empreendida é uma «etnografia em retrospetiva», tal como fez Sónia Vespeira Almeida, ao trabalhar sobre as Campanhas de Dinamização Cultural do MFA, tentando perscutar e analisar as memórias dos moradores, que conceptualizam o passado, «a partir de um tempo presente»20, na esteira de Halbwachs que, segundo Coser, «was without doubt the first sociologist who stressed that our conceptions of the past are affected by the mental images we employ to solve present problems, so that collective memory is essentially a reconstruction of the past in the light of the present»21. José Fernandez de Rota, num artigo sobre «metodologia etnográfica da história urbana», considera que os antropólogos utilizam e estudam a «história na direção contrária, do presente para o passado, em que o presente nos ensina a entender o passado»22.

  • 23 Geertz, Clifford, The Interpretation of Cultures, New York, Basic Books, 2000, p. 16.

19Como Clifford Geertz preconiza, ao referir-se à necessidade da utilização da «descrição densa», procurou-se levar a cabo uma uma descrição interpretativa das memórias dos moradores deste bairro, uma vez que, as memórias têm uma natureza complexa e fragmentária. Geertz sobre o papel da descrição densa na etnografia dá o exemplo do etnógrafo que consegue distinguir um piscar de olhos espontâneo ou fingido23. É necessário tentar ir para lá das palavras ditas, tentar perceber as falhas de memória, os silêncios, aquilo que não é dito e tentar perceber porque não é dito.

  • 24 Histórias de vida: Almeida, José Fernando Martins de (2009); Almeida, Mário Martins de (2009); Alme (...)

20Procedeu-se a uma análise de fontes secundárias, como: etnografias levadas a cabo dentro e fora de Portugal, realizadas no meio rural e urbano; estudos sobre o movimento de moradores noutras cidades portuguesas durante o PREC, a problemática dos movimentos sociais, o período histórico focalizado e metodologias a seguir em trabalhos de investigação, que permitiram sistematizar, cruzar e pôr as informações diversas, contidas nestes estudos, em discussão. Realizaram-se histórias de vida, entrevistas semi-estruturadas, análise de jornais locais e nacionais e de documentos vários, que foi possível consultar em arquivos pessoais de moradores do bairro da Relvinha, no arquivo da Cooperativa Semearrelvinhas, no arquivo da Câmara Municipal de Coimbra e no Centro de Documentação 25 de abril24.

21As histórias de vida incidiram sobre dez moradores pertencentes a duas gerações: quatro moradores pertenciam a uma geração com idades compreendidas entre os 55 e os 58 anos e seis a outra entre os 67 e os 90 anos. Do primeiro grupo três pessoas pertenciam ao sexo masculino e uma ao sexo feminino, enquanto do segundo, dos seis informantes, metade pertenciam ao sexo feminino. Estes moradores pertencem a famílias que partilharam quotidianos durante mais tempo e que vivenciaram juntos várias fases do bairro. Entre os dez moradores procurou-se dar voz a diferentes memórias do período focalizado, a homens e mulheres e a pessoas de diferentes idades, permitindo perceber se há memórias muito conflituantes e se entram em contradição.

  • 25 Citado por Pujadas, Juan J., «El método biográfico y los géneros de la memoria», Revista de Antropo (...)

22Relativamente às histórias de vida, existem três regras que se teve em conta, ao utilizar-se o método biográfico: as entrevistas devem ser em profundidade e abertas, em que «o trabalho do entrevistador consiste basicamente em estimular o informante para que siga o rumo da sua narração, procurando não interromper e mantendo a atenção para orientar, nos momentos de lapso de memória», «este trabalho de orientação deve-se apoiar no uso de documentos pessoais (cartas, fotografias, diários pessoais), que estejam acessíveis durante a entrevista (...); para apoiar a narrativa do informante e para garantir o máximo de exaustividade possível do relato é imprescindível que o investigador tenha transcritas as entrevistas anteriores e sistematizadas em quatro arquivos (...): literal, temático, cronológico e por pessoas»25.

  • 26 Entrevistas semi-directivas: Almeida, Celeste (2007); Bandeirinha, José António (2009); Ferreira, J (...)

23Para além das histórias de vida, realizaram-se entrevistas semi-diretivas a várias pessoas: a um arquiteto, que fez parte das brigadas técnicas do SAAL, em Coimbra, mas que não foi responsável pelo projeto da operação SAAL da Relvinha; a três moradores da segunda fase de construção, pertencentes atualmente à direção da Cooperativa Semearrelvinhas; a uma estudante, que colaborou com o bairro; a um membro do grupo Companheiros Construtores; a um membro do grupo de teatro estudantil CITAC (Círculo de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra. Estas entrevistas semi-diretivas, a somar às quatro realizadas em 2007, para a tese de licenciatura acerca do Movimento de Moradores em Coimbra, dá um total de onze entrevistas que serviram para ter acesso a perspetivas diferentes das que se encontram nas histórias de vida acerca da mesma realidade26.

  • 27 Pujadas, «El método biográfico…», p. 132.

24A recolha dos testemunhos orais, para esta investigação, foi realizada entre janeiro e março de 2009, período em que me encontrei em Coimbra, e em que fiz várias deslocações ao bairro da Relvinha, onde os moradores, nomeadamente os que foram informantes desta tese, me receberam de forma muito hospitaleira nas suas casas. As notas de campo, que dão forma ao diário de campo, constituíram outro elemento essencial da etnografia retrospetiva. As notas de campo tomadas serviram para passar para escrito todas as reflexões, observações, sentimentos, «condições, características da obtenção, não só da informação e dos dados (recolhidos), mas também as ideias interpretativas (...) associadas à informação selecionada como pertinente», de forma, a mais tarde, poder dar um sentido a todas as informações recolhidas27.

  • 28 Citado por Vieira, Ricardo (1998), «Histórias de vida e etnografia na análise das representações e (...)

25Poirier propõe quatro formas de verificação quando se usam histórias de vida numa investigação que procurei aplicar durante o processo de recolha das histórias de vida: «Horizontal – recurso a outros depoimentos e a outras histórias de vida que se cruzam com a do ator estudado; Vertical – Colocando o sujeito a pensar e a falar sobre a mesma problemática ou factos, em termos descontínuos; Circular – utilizando novas formas de questionar os problemas; Oblíqua – Recolhendo informações a partir de outras fontes e eventualmente confrontação com observação de práticas»28.

  • 29 Pujadas, «El método biográfico…», p. 139.

26Os testemunhos orais foram transcritos, seguindo «o critério de literalidade estilística», isto é, que reflitam o «estilo pessoal»29 dos informantes e deu-se a possibilidade do informante acrescentar, corrigir ou retirar partes da transcrição para efeitos de publicação, sendo entregue, antes de sequer se pensar na possibilidade de publicar a tese, um exemplar da tese no arquivo da Cooperativa Semearrelvinhas para qualquer morador poder consultar. Um dos informantes fez-me propostas de alteração às quais respondi afirmativamente.

27Levou-se a cabo uma pesquisa das atas das reuniões da Comissão Administrativa da Câmara Municipal, que geriu o poder municipal durante a época em estudo, no Arquivo Municipal, que se encontra na Casa Municipal da Cultura, tendo-se identificado as atas que se referiam às comissões de moradores e projeto SAAL. No Centro de Documentação 25 de abril foram analisadas outras fontes: alguns boletins publicados pelas comissões de moradores e por alguns partidos acerca do movimento de moradores; jornais e revistas da época; fotografias de Coimbra deste período; alguns estudos científicos, etc.. Para além da análise destas fontes, realizou-se uma análise do Diário de Coimbra, uma vez que era o jornal diário da região de Coimbra mais importante e que nos permite identificar quais foram os momentos e os acontecimentos mais importantes para o movimento de moradores e de outros jornais que sairam em dias específicos. No arquivo da Cooperativa Semearrelvinhas encontrei documentação dispersa, diversa e não catalogada, como plantas das casas SAAL, estatutos da Associação e da Cooperativa, n.os de Diários da República, guiões de peças de teatro, fotografias, boletim distribuido pela Associação de Moradores do Bairro da Relvinha e por outras associações de moradores, autocolantes entre outra documentação variada.

28A documentação do Governo Civil do Distrito de Coimbra e da Câmara Municipal da Cidade de Coimbra, relativa ao período compreendido entre as décadas de 50, 60 e 70 não é possível consultar, o que dificultou a investigação, mas que ainda tornou o uso da história oral mais importante. O que se encontra está mais relacionado com os planos de urbanização da cidade de Coimbra e não especifica, nem os nomes dos lugares, que davam forma à zona da Estação Velha nem ao bairro da Relvinha.

  • 30 Bandeirinha, José António, O Processo SAAL e a Arquitectura no 25 de Abril de 1974, Coimbra, Impren (...)

29Relativamente ao projeto SAAL a situação não é melhor. José António Bandeirinha, arquiteto que fez uma radiografia minuciosa sobre o SAAL, verificou que não existia «um arquivo centralizado, que pudesse ter consignados os dados referentes à história de um serviço que, apesar de descentralizado, dimanava do aparelho de Estado, através de Ministérios, Secretarias de Estado e organismos públicos. Desde o despacho fundador à sindicância final, não foi possível, a partir de documentos oficiais, reconstituir processualmente a atividade do serviço, dada a inexistência de elementos para a documentar»30.

30Contudo, nos últimos anos, o Centro de Documentação 25 de abril e o Arquivo Distrital do Porto são dois arquivos, que começaram a fazer este esforço de compilar, reunir, catalogar espólios de cooperativas, associações, pessoais, de arquitetos e outros técnicos do SAAL, de forma a permitir a consulta da documentação que estava inacessível. Para se conhecer mais a história do lado dos moradores, que se envolveram no processo SAAL em todo o país, tendo em conta que grande parte era analfabeta, torna-se necessário e imprescindível recorrer ao registo oral.

Formas de Resistência Quotidiana

31Esta investigação começou por incidir sobre as memórias dos informantes relativas ao período anterior a 1954 (ano do desalojamento), quando na sua maioria, eram ainda crianças e adolescentes e moravam na zona da Estação Velha. Partilharam uma infância de pobreza, levando a cabo estratégias diárias de sobrevivência, de forma a tentar minorar a miséria em que as suas famílias viviam. A fome, as cheias, a falta de condições de habitabilidade fizeram parte da rotina destas crianças. Maria Rosalinda Santos Mortágua ilustra assim o fenómeno das cheias:

«Uma noite eu estiquei-me e bati com a mão na água. E começei a dizer ‘Oh mãe, oh mãe, oh mãe! Olha as cheias!’. Levantámo-nos todos. Trouxémos roupa, trouxemos tudo com água pela barriga. Levámos os meus irmãos pequeninos ao colo, outros às costas. Passámos um bocado. Passei muito». (Maria Rosalinda Santos Mortágua).

32 O Lojão, conjunto de habitações que era uma das referências geográficas, que foram indicadas como fazendo parte da zona da Estação Velha onde viviam pessoas que foram desalojadas, foi descrito desta forma:

  • 31 Doce tradicional da região de Coimbra.

«(...) aquilo era um túnel onde havia armazéns, por exemplo da Estação Velha que tinha lá, os armazéns das bebidas que era para fornecerem ali a estação. Andavam ali a vender arrufadas31 de Coimbra, o vinho e a água. Tinham lá os armazéns, os outros sítios eram galinheiros, mas havia pessoas que, coitadas, tinham de ir para lá viver. Não tinham lá luz natural, tinha que ser com candeeiros, não se via lá nada, pronto aquilo era um túnel. Só os que viviam junto à linha de caminho de ferro é que tinham umas janelazitas e é que conseguiam ver alguma coisa. De maneira que aquilo era muito insalubre. Todas as pessoas que viviam lá, as dificuldades eram tremendas» (Jorge Vilas da Fonseca, 2009).

  • 32 Citado por Fonseca, Inês; Freire; Dulce; Godinho, Paula, «O dilema do Estado Novo: ‘A criação duma (...)

33As estratégias familiares de sobrevivência podem ser consideradas formas de «resistência quotidiana», conceito desenvolvido por James Scott ao referir-se ao tipo de resistência levada a cabo pelos camponeses de Sedaka na Malásia. Este autor faz a distinção entre «resistência aberta» que se pode traduzir em «rebelião, levantamento, manifestação, greve ou petição» e «resistência quotidiana» que pode tomar a forma de calúnia, «roubo, sabotagem, boicote, mercado negro, contrabando»32 que considero útil para percebermos esta realidade que envolve os moradores da zona da Estação Velha. As formas de «resistência quotidiana» identificadas foram: o mercado negro durante a II Guerra Mundial, andar pendurado, no elétrico, trocar senhas de racionamento por outros géneros e “roubar” para comer, como refere Maria de Lurdes Santos Mortágua:

«Íamos roubar para comer. Antigamente não chamavam pela polícia nem nada. Apanhávamos comíamos e pronto. Queriamos era encher a barriga. Íamos apanhar amoras para comer. Íamos à alfarroba no Choupal para a gente comer. Não havia. Tinha que ser assim. Corríamos tudo. Íamos à lenha para a gente se aquecer porque não havia dinheiro para a gente comprar carvão. Também não havia como há agora. Ia roubar carvão à linha de comboio para a minha mãe acender o fogareiro. A vida era muito diferente de agora» (Maria de Lurdes Santos Mortágua, 2009).

34O facto de os moradores terem vivido durante décadas em zonas limítrofes da cidade permitiu conjugar estratégias de sobrevivência próprias do meio rural e ao mesmo tempo do meio urbano.

35Atividades ligadas ao mercado negro foram referidas por um dos entrevistados: «Quando foi esta história da Grande Guerra de 41, o meu pai entrava na candonga. O que é que ele fazia? Andava de noite com carnes, azeite e essas coisas todas» (Jorge Vilas da Fonseca, 2009).

Barracas de madeira e aparecimento de novas formas de resistência

36Os moradores do bairro da Relvinha, que viviam na zona da Estação Velha, primeiro eixo industrial, foram desalojados das suas casas em 1954 para se construir a atual Avenida Fernão de Magalhães. Segundo os testemunhos recolhidos a zona da Estação Velha era o nome mais utilizado para referir uma série de lugares onde eles habitavam. Esta zona incluia várias referências geográficas como ruas – Rua do Padrão; edifícios – Arco Pintado e Valha-me Deus; e um conjunto de habitações – Lojão. Os moradores das zonas demolidas, primeiro foram realojados provisoriamente em bairros camarários e em 1957 a Câmara Municipal de Coimbra construiu um núcleo de casas de madeira no novo eixo industrial Loreto-Pedrulha onde os voltou a realojar de forma também provisória. A solução encontrada durou até 1974.

37Em 1954 foram desalojadas da zona da Estação Velha e realojadas provisoriamente em bairros camarários vinte e oito famílias. Três anos mais tarde a Câmara Municipal de Coimbra encontrou uma outra solução também provisória para os moradores que se veio a tornar definitiva, que foi o alojamento destas 28 famílias em barracas de madeira numa zona chamada Relvinha situada perto do bairro do Loreto. Esta deslocação tanto das fábricas como dos moradores para uma zona mais afastada do centro, mais periférica está relacionada com os planos de urbanização, que pretendiam alargar o limite da aglomeração urbana.

  • 33 Signorelli, Amalia, «Pietralata: las luchas por la vivenda», in Antropologia Urbana, Barcelona, Ant (...)

38Entre 1957 e 1974 os quotidianos presentes nas narrativas de vida recolhidas continuam a ser quotidianos de pobreza. As barracas de madeira ofereciam condições de habitabilidade bastante precárias, pois com o passar dos anos foram-se degradando. O facto do chão das casas ser de cimento, da chuva entrar dentro das casas, de existir um elevado grau de humidade, do frio sentido no interior das casas, da lama que se formava nas pequenas ruas entre as barracas de madeira, ia criando as condições propícias para o aparecimento de ratos e para aumentar o nível de insalubridade potenciando o aparecimento de várias enfermidades. A falta de luz e água e a fome foram outros problemas apontados pelos informantes. Este contexto de pobreza e o facto de terem vindo juntos da zona da Estação Velha, segundo os testemunhos dos informantes, criou uma união e uma identidade forte entre os moradores, fazendo lembrar os moradores do bairro de Pietralata33. A sobrelotação das barracas de madeira e a forma como as famílias se adaptavam às novas necessidades de espaço é referida por um dos moradores, que decidiu construir anexos nas traseiras das casas:

«Quando os meus filhos cresceram, primeiro, fiz uma barraca para o meu filho viver, o mais velho, o João. E mais tarde fiz outra, um “cuchichozinho”, para este meu Carlos também viver. A casa era pequena e, assim, construí dois anexos no quintal para eles viverem» (João Augusto dos Santos, 2009).

39A presença de ratos nas casas foi um facto descrito por vários dos informantes, que revela um nível de insalubridade, que poderia originar enfermidades de vários tipos, podendo afetar, sobretudo, as crianças:

«O chão era todo em cimento. E os ratos e tudo. Lá na minha casa ainda matei uma data deles. A casa de banho era pequenina. Só lá cabia uma pessoa. Só tinha a sanita. Mais nada» (Maria Rosalinda dos Santos Mortágua, 2009).

40Segundo os testemunhos recolhidos entre os moradores deste bairro, não houve contestação da parte dos moradores ao desalojamento da zona da Estação Velha e ao realojamento na Relvinha.

41Na cidade de Coimbra, durante este período, o movimento estudantil foi o movimento social com mais peso, protagonizando, desde as eleições de Humberto Delgado até ao 25 de abril várias peripécias que agitaram a cidade de Coimbra, desde crises académicas, manifestações, greves, que originaram cargas policiais, prisões. Os estudantes acabavam muitas vezes por servir de ponte entre os conimbricences e os movimentos de oposição, como a CDE, a Casa de Estudantes do Império, o MUD, Partido Comunista Português, entre outros. Alguns moradores começaram a frequentar meios e espaços onde conheceram elementos dos movimentos de oposição ao regime, como cafés, tascas e repúblicas. Estes espaços eram lugares de encontro, onde se juntavam estudantes, intelectuais, operários, onde se discutia política, que permitiram a alguns moradores ter acesso a informação que, de outra forma, lhes estava vedada, devido à parca escolarização que possuiam e a ter uma maior consciência da sua condição social e a ter vontade de mudar as condições de vida do bairro:

«Agora eu, concretamente, comecei a ligar-me muito à Baixa, frequentava muito a Baixinha de Coimbra, a Rua Direita, aqueles tascos ali da baixinha, onde ia bebendo as ideias das pessoas mais velhas e comecei a aprender muito. Eu ia para a Baixa. Ia lá para cima para o Trianon, ia ao Pigalle, ao Piolho. Juntava-me aí com a malta estudante e aí é que íamos conversando. Nessa altura conheci as Repúblicas praticamente todas. A Ay-ó-linda, os Kágados, a Prákistão. Os Galifões é que me liguei muito fortemente a eles. Eu conheci-as todas» (Jorge Vilas da Fonseca, 2009).

  • 34 Cardina, Miguel (2008), A Tradição da Contestação, Coimbra, Angelus Novus Editora, 2008, p. 125.

42Miguel Cardina defende que o movimento estudantil de 1969 a 1974 deixa de priorizar a «intervenção destinada a suscitar alterações na política governamental para o setor educativo” e passa a procurar “intervir ativamente nas tranformações operadas na sociedade portuguesa e na definição do próprio regime», traduzindo-se numa maior aproximação e identificação dos estudantes com o resto da população, nomeadamente das populações mais pobres34.

43Um morador refere duas ações que ocorreram em finais dos anos sessenta, que ultrapassam as formas de «resistência quotidiana», referidas anteriormente: o rompimento de uma fossa séptica, cujo conteúdo caiu sobre a entrada do prédio do vice-presidente da Câmara Municipal de Coimbra e a colocação de sacos de lixo nas escadas da casa do Presidente da Câmara de Coimbra.

44A segunda destas duas ações foi realizada por um dos moradores do bairro, acompanhado por pessoas que não eram do bairro, provavelmente estudantes que, nesta altura, começaram a alargar o seu âmbito de ação e a pensar menos nas questões mais direcionadas para a universidade e antes a questionar o Estado Novo e procurar formas de o derrubar:

«Entretanto, começaram a aparecer grupos de estudantes em 69, que se ligaram a nós e foi quando surgiu essa história de ir levar sacos do lixo às escadas da casa do Presidente da Câmara da altura, Araújo Vieira. Era lá em cima junto ao Quartel General, mesmo ao lado, na Antero de Quental. Ainda hoje lá está parte do quartel. Eu mais uma série de malta. Não foi malta daqui. Era só eu. Fomos lá pôr os sacos do lixo, mas aquilo deu muito brado na cidade» (Jorge Vilas da Fonseca, 2009).

45Depois destas duas ações os moradores do bairro da Relvinha formaram uma Comissão de Moradores para reivindicar junto da Câmara melhores condições de habitabilidade, nomeadamente a reparação dos telhados das barracas de madeira. Esta Comissão de Moradores conseguiu que a Câmara oferecesse os materiais para a execução da obra que foi realizada pelos moradores.

Operação SAAL da Relvinha

46O dia 25 de abril de 1974 rompeu com uma ditadura de 48 anos, a que se seguiu um período de uma grande densidade histórica. Durante o PREC o movimento de moradores tomou várias formas, organizando-se em associações de moradores, comissões de moradores, cooperativas de habitação económica e comissões de ocupação de casas.

47As reivindicações e as ações das lutas urbanas incidiram, além da questão do alojamento, em áreas como a educação, a saúde, transportes e criação de equipamentos coletivos, juntando-se em certas alturas a outros movimentos sociais, incorporando reivindicações menos parcelares, chegando mesmo a tentar criar um sistema alternativo de produção, comercialização e distribuição de certos produtos através da cooperação com cooperativas agrícolas e de consumo.

  • 35 Downs, Charles, Comissões de Moradores and Urban Struggles in Revolutionary Portugal, s.l., edição (...)

48Para compreender melhor o movimento de moradores durante o PREC, a nível nacional, que teve maior expressão no Porto, Lisboa, Setúbal e Algarve, vários autores tentaram desenhar uma periodização dos acontecimentos relacionados com o movimento de moradores. Estas diferentes periodizações são úteis para compreender melhor o contexto nacional e para compreender melhor a luta dos moradores do bairro da Relvinha35. As ocupações de casas, a luta contra os «subalugas» e o envolvimento de alguns bairros no processo SAAL foram algumas das formas que os movimentos de moradores encontraram para melhorar as condições de habitação. Irei deter-me mais no processo SAAL, uma vez que, a adesão dos moradores da Relvinha ao SAAL, foi crucial para conseguirem atingir o seu objetivo mais importante, que era melhorar substancialmente as condições de habitação do bairro e deixar de viver em barracas de madeira, que na maioria dos casos se encontravam degradadas e sobrelotadas.

49A comissão de moradores continuou a trabalhar a seguir ao 25 de abril até ser fundada e legalizada a Associação de Moradores do Bairro da Relvinha, que foi constituída a 28 de fevereiro de 1975, sendo os seus estatutos publicados em Diário do República, no dia 28 de março de 1975.

50Antes de se constituir a associação de moradores, a comissão de moradores chegou a reunir com a Comissão Administrativa da Câmara Municipal que lhe propôs que o bairro aderisse SAAL.

51O programa SAAL quebrou com a política de habitação do Estado Novo e propôs novas formas de resolver o problema de habitação das camadas da população mais pobres. O SAAL, projeto governamental criado por um Despacho conjunto do Ministério da Administração Interna e do Ministério do Equipamento Social e do Ambiente, foi aprovado a 31 de julho de 1974, três meses após a o 25 de abril, durante o 1.º Governo Provisório, e tornou-se a face mais visível da intervenção do Estado durante o PREC, para tentar resolver as graves carências habitacionais de um largo número de famílias.

52Este projeto marcou profundamente as pessoas que nele participaram, porque deu a possibilidade a milhares de moradores, onde o projeto SAAL interveio, de mudarem radicalmente as suas condições de habitabilidade e poderem decidir como queriam viver, bem como, constituiu um estímulo para a auto-organização dos moradores. O arquiteto Francisco da Silva Dias afirma que:

  • 36 Citado por Dionísio, Eduarda, Títulos ações obrigações Sobre a cultura em Portugal 1974-1994, Lisbo (...)

«[As populações] alcançam sobretudo o direito a pensar a cidade (…) [Para os arquitetos] terá sido a grande experiência trazida pela Revolução. Pela primeira vez têm, como clientes, com os quais dialogam diretamente, populações carenciadas. Diálogo difícil e enriquecedor»36.

53Segundo o Livro Branco do SAAL, no Distrito e Concelho de Coimbra em 1975, estavam em curso quatro Operações que pretendiam alojar dignamente 260 famílias em quatro bairros da cidade: no Bairro da Relvinha, Conchada, Fonte do Bispo e na Quinta da Nora (Conselho Nacional do SAAL, 1976).

54Destes quatro bairros, a Relvinha foi o que adotou os procedimentos necessários para acelerar o processo de construção das casas e o único a conseguir passar da fase do projeto à fase da construção propriamente dita.

55O projeto foi discutido em reuniões com a Brigada Técnica do SAAL da operação SAAL da Relvinha liderada pelo arquiteto Carlos Almeida. Nestas reuniões os técnicos pretenderam pôr ao dispôr do bairro o seu conhecimento técnico e tentar interpretar a vontade dos moradores, de forma a realizar um projeto que se aproximasse com aquilo que os moradores desejavam. No bairro da Relvinha segundo os informantes a relação com o arquiteto Carlos Almeida foi fraterna e o arquiteto cedeu quanto às alterações ao projeto inicial que os moradores propuseram e os moradores aceitaram o projeto que já incluia as propostas de alteração.

  • 37 Bandeirinha, José António, O Processo SAAL e a Arquitectura no 25 de Abril de 1974, Coimbra, Impren (...)

56Nuno Portas, que assumiu o cargo de Secretário de Estado da Habitação e do Urbanismo a seguir ao 25 de abril e que foi um dos principais impulsionadores do projeto SAAL defendia, segundo José António Bandeirinha, «que era necessário ‘mexer na obra’, com todas as implicações físicas e psicológicas da ação, para que essa apropriação fosse mais intensa»37.

57Algumas operações SAAL aderiram à autoconstrução como uma das formas de participação dos moradores nos encargos da obra. As recordações dos moradores acerca da autoconstrução demonstram como este período foi marcante. Os informantes lembram a autoconstrução com orgulho como se pode verificar neste testemunho:

«O ambiente não podia ser melhor porque toda a gente ajudava. A gente dizia ‘Olha amanhã é preciso pôr piso naquela. Olha amanhã temos que levantar umas paredes naquela. E toda a malta então amanhã estou lá’«  (Carlos Eduardo dos Santos, 2009).

58Os moradores do bairro da Relvinha, durante a Operação SAAL, contaram com o apoio de vários grupos externos ao bairro, grupos de estudantes, grupos culturais, pessoas a título individual, empresas, movimentos internacionacionais como os Companheiros Construtores, entre outros. Um dos informantes refere-se a esse apoio desta forma:

«Houve uma solidariedade muito grande com a Relvinha, acreditaram na nossa obra, desde os jovens estrangeiros, portugueses, universitários, que ainda são hoje amigos do bairro. Os jovens que vinham para aqui ajudar os amigos do bairro ajudaram-nos muito. Temos que lhes agradecer isso. Nunca serão esquecidos» (José Fernando Martins de Almeida, 2009).

59O SAAL, serviço técnico do Fundo de Fomento da Habitação, acabou por ser extinto, em outubro de 1976, por um despacho emitido pelo I Governo Constitucional, despacho que conferia às Câmaras Municipais, o controlo e a definição das operações em curso e aos Comissariados o acompanhamento das operações.

60Os moradores do bairro da Relvinha como tinham conseguido acelerar o início do processo de construção, que implicava legalização da associação e resolver todas as questões relativas ao terreno, começaram a destruir as barracas de madeira e a construir as casas, conseguindo terminá-las, embora algumas já depois do SAAL ter sido extinto. A associação de moradores do bairro da Relvinha colaborou com as associações dos bairros da cidade de Coimbra que aderiram ao SAAL, mas cujos projetos não chegaram a ser construídos, bem como, com comissões de trabalhadores e com a Cooperativa Agrícola de Barcouço do Concelho da Mealhada. Participaram em reuniões e manifestações locais e nacionais, cujo objetivo era coordenar as lutas do movimento de moradores e de um movimento social mais amplo que reunia vários movimentos sociais.

Conclusão

61Relativamente às razões, que contribuíram para um maior envolvimento e participação dos moradores do bairro da Relvinha, após o 25 de abril, comparativamente aos restantes bairros da cidade de Coimbra, podem formular-se algumas hipóteses explicativas, sendo que, duas delas, advêm dos dois primeiros períodos referidos neste artigo.

62A questão de terem vindo juntos da zona da Estação Velha e de terem que recorrer a várias estratégias de sobrevivência, num lado e noutro criou uma união forte entre os moradores e um elevado sentimento de identificação com o bairro forte. A memória partilhada de necessidades comuns sentidas durantes estes períodos, mais a importância do lugar, segundo Amalia Signorelli, que estudou um bairro que foi desalojado do centro de Roma e realojado em barracas de madeira na periferia da cidade, podem ser razões que ajudam um grupo de moradores a ser mais organizado e ativo:

  • 38 Signorelli, «Pietralata: las luchas por la vivienda», p. 38.

«El caso de Pietralata induce a hipotetizar que la conciencia coletiva localista no nace siempre y sólo de una tradición cultural común y de larga duración, sino también de la experiencia de necessidades comunes, cuya satistacción depende del controle de un territorio; y de la activación de un liderazgo que pudiera organizar la reivindicación de la satisfacción de essas necesidades»38.

63A passagem de uma resistência quotidiana a um novo tipo de resistência, antes do 25 de abril, dão forma a uma memória comum de algumas lutas encetadas, o que poderá ter estimulado mais tarde um envolvimento mais forte e uma maior organização. Segundo Paula Godinho:

  • 39 Godinho, Paula, Memórias da resistência rural no sul Couço (1958-1962), Lisboa, FCSH/UNL, Dissertaç (...)

«A existência de uma cultura resistente, alicerçada em memórias anteriores de eventos de luta que conferiram aos indivíduos o manancial de conhecimentos que lhe permita dar resposta em situação de contencioso constitui uma hipótese explicativa. Por outro lado, durante grande parte do tempo, os indivíduos tentam fazer a sua vida quotidiana, e não fazer história»39.

  • 40 Godinho,«Movimentos Sociais Rurais: Questões de Teorias e Métodos», p. 100.

64A mesma autora refere que certos acontecimentos poderão permanecer encapsulados nas memórias até haver um momento em que estas possam ser partilhadas e serem ativadas numa altura em que os seus guardiões acharem que estão criadas as condições para libertarem e partilharem essas memórias, mesmo as memórias de resistência quotidiana: «Quando o emprego escassea­va as movimentações assumiam um cariz defensivo, destinado a conseguir colocação ou, nas situações limite, paliativos para a fome»40.

65Por último, considero que o fator geracional e o contexto histórico são também importantes e devem ser tidos em conta, uma vez que, segundo os informantes, houve um maior contacto entre diferentes grupos e classes sociais numa geração e numa época «longos anos 60», que provocou uma «aprendizagem mútua» de repertórios de luta, de formas de organização, cruzamento de ideias e experiências políticas diferentes. Os moradores do bairro da Relvinha antes do 25 de abril tinham já algum contacto com com o movimento estudantil e com movimentos de oposição, o que também terá contribuido para que, durante o PREC, vários grupos ajudassem os moradores do bairro da Relvinha a atingir uma maior capacidade de organização em comparação com outros bairros da cidade.

  • 41 Oliveira, «A História Oral em Portugal», p. 152.

66A recolha e análise de fontes orais deve ser sempre, se possível, complementada pela utilização de outros tipos de fontes, essenciais para descodificar e fazer a crítica das fontes orais recolhidas. Luísa Tiago Oliveira refere que as memórias «representam um contributo essencial e, muitas vezes, insubstituível para a análise dos problemas históricos, permitindo investigar novas questões, formular novas hipóteses e chegar a novos resultados»41. Uma vez que, a documentação disponível nos arquivos oficiais sobre o bairro da Relvinha, durante o período em estudo, é parca ou quase inexistente, tornou-se imprescindível para compreender melhor a história do bairro, recolher testemunhos orais. O processo de descodificação e de crítica às fontes orais tem de ser feito da mesma forma com que se analisa qualquer documento.

Topo da página

Notas

1 Baía, João, Movimento de Moradores em Coimbra nos anos 1974-1976, Tese de Licenciatura em Sociologia, Coimbra, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, 2007.

2 Baía, João, Memórias da luta dos moradores do bairro da Relvinha pelo direito a uma habitação condigna: SAAL e autoconstrução, Dissertação de Mestrado em Antropologia: Poder e Identidades, Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 2009.

3 Le Goff, Jacques, «Memória», Enciclopédia Einaudi-1. Memória-História, Lisboa, INCM, 1984, p. 47.

4 Nogueira do Barro, Ángel, «Maurice Halbwachs – Una visión clásica y actual de la ideación conceptual de la sociología. El proyecto de una memoria colectiva y su radicación en el espacio», Anthropos, 218, 2008, p. 5.

5 Citado por Nogueira do Barro, «Maurice Halbwachs…», p. 5.

6 Sobral, José Manuel, «Memoria social, identidad, poder y conflicto», Revista de Antropología Social, 13, 2004,p. 141.

7 Fentress, James; Wickham, Chris, Memória Social: Novas Perspetivas Sobre o Passado, Lisboa, Editorial Teorema, 1994, p. 7.

8 Fentress e Wickham, Memória Social…, pp. 7-8.

9 Almeida, Sónia Vespeira de, Camponeses, Cultura e Revolução Campanhas de Dinamização Cultural e Ação Cívica do M.F.A. (1974-1975), Lisboa, Edições Colibri/Instituto de Estudos de Literatura Tradicional, 2009, p. 46.

10 Le Goff, «Memória», p. 46.

11 Rosas, Fernando, «O Estado Novo – memória e história», De Pinochet a Timor Lorosae – Impunidade e Direito à Memória, Iva Delgado et al (org), Lisboa, Edições Cosmos, 2000, p. 147.

12 Passerini, Luísa, Memoria y Utopia – La primacia de la intersubjectividad, València: Publicacions de la Universitat de València, 2006, p. 28.

13 Passerini, Memoria y Utopia…, p. 12.

14 Passerini, Memoria y Utopia…, p. 17.

15 Silva, Tiago Matos, «Luz negra. A História Contemporânea nos livros do secundário», Arquivos da Memória, n.º 12/13, 2002, p. 219.

16 Domingos, Nuno; Pereira, Victor, O Estado Novo em Questão, Lisboa, Edições 70, 2010, p. 18.

17 Godinho, Paula, «Movimentos Sociais Rurais: Questões de Teorias e Métodos», in Fonseca, Inês; Freire; Dulce; Godinho, Paula (coord.), Mundo Rural Transformação e Resistência na Península Ibérica (Século XX), Lisboa, Centro de Estudos de Etnologia Portuguesa/Colibri, 2004, p. 101.

18 Oliveira, Luísa Tiago, «A História Oral em Portugal», Sociologia, Problemas e Práticas, 63, 2010, p. 151.

19 Citado por BrettellL, Caroline, Anthropology and Migration Essays on Transncionalism, Ethnicity, and Identity, Walnut Creek, AltaMira Press, 2003, p. 24.

20 Almeida, Sónia Vespeira de, «Novos olhares sobre o terreno. Etnografia das campanhas de dinamização cultural e acção cívica do movimento das forças armadas», Arquivos da Memória, n.º 12-13, 2002, p. 50.

21 Coser, Lewis A., «Introduction: Maurice Halbwachs 1877-1945», in Maurice Halbwachs on Collective Memory, London, University of Chicago Press, 1992, p. 34.

22 Fernández de Rota, José António, «Metodología etnográfica de la história urbana», Revista de Antropología Social, 10, 2001, p. 25.

23 Geertz, Clifford, The Interpretation of Cultures, New York, Basic Books, 2000, p. 16.

24 Histórias de vida: Almeida, José Fernando Martins de (2009); Almeida, Mário Martins de (2009); Almeida, Regina Martins de (2009); Mortágua, Maria de Lurdes Santos (2009); Mortágua, Maria Rosalinda Santos (2009); Santos, Carlos Eduardo dos (2009); Santos, João dos (2009); Santos, João Augusto dos (2009); Santos, Maria Albertina Ferreira da Silva dos (2009); Vilas, Jorge (2009).Imprensa consultada: A Capital; A Voz do Povo; Diário de Coimbra; Diário Popular; Gazeta da Semana; Jornal Novo; O Século; O Público; Tempo e o Modo; Vida Mundial.

25 Citado por Pujadas, Juan J., «El método biográfico y los géneros de la memoria», Revista de Antropología Social, 9, 2000, p. 139.

26 Entrevistas semi-directivas: Almeida, Celeste (2007); Bandeirinha, José António (2009); Ferreira, José Augusto (2007);Gomes, Diamantino (2009); Gouveia, Hermínio Simões (2009); Marconi, Francesco (2009); Natividade, Frederico (2007); Oliveira, Mário de (2009); Ribeiro, Letícia (2009); Jahnke, Hans (2009); Vilas, Jorge (2007).

27 Pujadas, «El método biográfico…», p. 132.

28 Citado por Vieira, Ricardo (1998), «Histórias de vida e etnografia na análise das representações e práticas dos professores», Trabalhos de Antropologia e Etnologia, Vol. 38 (1-3), 1998, p. 90.

29 Pujadas, «El método biográfico…», p. 139.

30 Bandeirinha, José António, O Processo SAAL e a Arquitectura no 25 de Abril de 1974, Coimbra, Imprensa da Universidade, 2007, pp. 13-14.

31 Doce tradicional da região de Coimbra.

32 Citado por Fonseca, Inês; Freire; Dulce; Godinho, Paula, «O dilema do Estado Novo: ‘A criação duma verdadeira política rural, ou o aumento da GNR de forma a poder substituí-la’», Arquivos da Memória, 3, 1997, p. 39.

33 Signorelli, Amalia, «Pietralata: las luchas por la vivenda», in Antropologia Urbana, Barcelona, Anthropos Editorial, 1999, pp. 121-139.

34 Cardina, Miguel (2008), A Tradição da Contestação, Coimbra, Angelus Novus Editora, 2008, p. 125.

35 Downs, Charles, Comissões de Moradores and Urban Struggles in Revolutionary Portugal, s.l., edição policopiada, s.d.; Ferreira, Vítor Matias, «A cidade e o campo uma leitura comparada do Movimento Social, 1974-1975», Revista Crítica de Ciências Sociais, 18/19/20, 1986, pp. 549-578; Palácios Cerezales, Diego, O Poder caiu na Rua – Crise de Estado e Ações Coletivas na Revolução Portuguesa 1974-1975, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, 2003; Rodrigues, Maria, Pelo Direito à Cidade: O Movimento de Moradores do Porto (1974/76), Porto, Campo das Letras, 1999.

36 Citado por Dionísio, Eduarda, Títulos ações obrigações Sobre a cultura em Portugal 1974-1994, Lisboa, Edições Salamandra, 1993, p. 170.

37 Bandeirinha, José António, O Processo SAAL e a Arquitectura no 25 de Abril de 1974, Coimbra, Imprensa da Universidade, 2007, p. 122.

38 Signorelli, «Pietralata: las luchas por la vivienda», p. 38.

39 Godinho, Paula, Memórias da resistência rural no sul Couço (1958-1962), Lisboa, FCSH/UNL, Dissertação de Doutoramento em Antropologia, 1998, p. 64.

40 Godinho,«Movimentos Sociais Rurais: Questões de Teorias e Métodos», p. 100.

41 Oliveira, «A História Oral em Portugal», p. 152.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

João Baía, « Bairro da Relvinha: memórias de resistência », Ler História, 63 | 2012, 179-197.

Referência eletrónica

João Baía, « Bairro da Relvinha: memórias de resistência », Ler História [Online], 63 | 2012, posto online no dia 09 Abril 2015, consultado no dia 22 Junho 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/410 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.410

Topo da página

Autor

João Baía

joaobaiacosta@hotmail.com
Doutorando em Antropologia na FCSH-UNL e colaborador do Instituto de Estudos de Literatura Tradicional da FCSH-UNL. É bolseiro do projecto Além do fracasso e do maquiavelismo. A emigração irregular portuguesa para a França, 1957-1974, financiado pela FCT e acolhido pelo IHC da FCSH-UNL.

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org