Navegação – Mapa do site
Espelho de Clio: Eric J. Hobsbawm 1917-2012

Em memória de Hobsbawm

Miriam Halpern Pereira
p. 103-108

Texto integral

  • 1 LH, n.º 4, 1985. Foram publicadas também entrevistas com EJH nos jornais O Expresso e Diário de Lis (...)

1Hobsbawm, porventura um dos mais viajados historiadores europeus e um poliglota, veio a Lisboa em maio de 1984. Visitara-o durante uma estadia de trabalho em Londres, e em nome do Centro de Estudos de História Contemporânea Portuguesa do ISCTE-IUL, convidei-o para efetuar seminários para os investigadores, por inscrição gratuita, e conferências de acesso público, como sempre fazíamos naquela época com os professores estrangeiros convidados. A revista Ler História publicou uma entrevista com ele, da autoria de António Costa Pinto e José Sobral, um número com a tiragem excecional de 5000 exemplares1. O conjunto destas iniciativas teve um êxito extraordinário. O seu interesse pela realidade portuguesa da época levou-o a visitar uma cooperativa agrícola do Alentejo, onde surpreendeu pela conversa em português com os trabalhadores agrícolas.

2Professor Emeritus de Birbeck College (1947-1982) tornara-se havia pouco tempo professor convidado da New School for Social Research em Nova Iorque (1984-1997). Era há muito um historiador consagrado na Europa e nas Américas, várias visitas académicas prolongadas a diversos países pontuaram a sua carreira internacional. Em Portugal também já era bastante conhecido, mas nunca tinha vindo em visita académica. Estavam traduzidos vários dos seus livros. Hoje quase toda sua obra se encontra editada em português e com sucesso, como repetidas edições o atestam. Quando veio a Lisboa, The invention of tradition (1983) era então a grande novidade, tinha acabado de sair. Nessa altura já tinha publicado: Primitive Rebels (1959), Labouring men (1964), Industry and Empire (1962), Captain Swing, em colaboração com G. Rudé (1969), The Age of Revolution (1962), The Age of Capital (1975), entre outros. Tinha 67 anos. O CEHCP fez uma pequena edição gratuita da bibliografia organizada por Keith McClelland, ainda hoje um instrumento de trabalho precioso: dela constam, organizados por grandes áreas temáticas, todas as publicações de variados formatos, livros, artigos em revistas e em jornais. Mas hoje esta bibliografia está incompleta. Hobsbawm ainda viria a publicar outros livros de relevo: The Age of Empires (1987), The Age of Extremes (1994), Nation and Nationalism since 1780, Program, myth, reality (1990), a sua autobiografia Interesting Times (2002), a longa e pertinente entrevista sobre os grandes problemas do nosso tempo por Antonio Polito, On the edge of the new century (1999), e diferentes volumes de recolhas de textos históricos e também políticos.

  • 2 In Uncommon people, resistance, rebellion and jazz, London, 1998.
  • 3 Tradução minha de extrato do prefácio a Uncommon people.....

3Hobsbawm desempenhou um papel pioneiro e inovador, essencialmente em temas oitocentistas. A escolha da época era em si uma novidade. Na sua época de estudante universitário, o século XIX era ainda considerado demasiado próximo da atualidade, território mais propício ao jornalismo que à pesquisa científica. Era uma situação comum à historiografia europeia, que só lentamente inseriu os séculos XIX e XX no campo científico, a partir dos anos 1960-70. Do seu tempo do King’s College em Cambridge, onde se licenciou e onde depois da guerra de 39-45 se veio a doutorar, apenas Postan lhe parece um nome a recordar. Apesar de se dedicar à história económica medieval, graças a ele tomou contacto com sociólogos alemães e ouviu Marc Bloch, convidado a Cambridge, isto nos anos 30. Os medievalistas eram mais facilmente «modernizantes», na sua opinião, pela quase impossibilidade de compartimentar a sociedade dessa época. Desde o início escolheu o século de oitocentos como território de pesquisa académica. Inovador pela época escolhida, foi ainda mais pela temática abordada. Inseriu-se no movimento da história de baixo para cima, «upside down History», juntamente com Christopher Hill, Raymond Williams, George Rudé ou um pouco mais tarde, E. P. Thompson, entre vários outros. Certamente que o seu envolvimento político desde a adolescência, na área comunista, terá tido influência na empatia com a história da classe operária, que tem raízes na historiografia inglesa de esquerda. Observe-se que foi dos primeiros investigadores a salientar o papel dos artesãos no movimento operário (The political shoemakers, entre outros), mas pondo também em evidência as ruturas e as mudanças na formação da classe operária (The formation of the working-class, 1870-1914), em debate com E. P. Thompson2. A solidariedade social conduziu-o a estudar também temas menos ortodoxos como os movimentos agrários milenaristas em Espanha e Itália, o fenómeno social do banditismo social e a máfia. Mesmo ao escrever sobre um tema já clássico, as revoltas agrícolas de 1830 no campo inglês, a ampla pesquisa realizada conduziu-os, a ele e a G. Rudé, a modificar a interpretação corrente (Captain Swing). Para ele, as pessoas ordinárias que estudou foram, enquanto conjunto, «atores históricos fundamentais. Aquilo que fizeram e pensaram é essencial. Isso mudou a cultura e o sentido da história, principalmente no século XX.»3

4Embora Hobsbawm tivesse uma perspetiva interdisciplinar no trabalho e no convívio científico, a sua formalização no meio académico era ainda pouco frequente. Em A invenção da tradição, chama-se a atenção para a dimensão interdisciplinar do tema, contudo no colóquio organizado pela revista Past and Present, que esteve na origem deste livro, apenas participaram historiadores. Há temas que atravessaram a sua vida, antes de dar nascimento a um livro, como o tema do nacionalismo, sobre o qual escreveu vários artigos desde a década de 60. As conferências de Belfast foram o fermento.

5É o conjunto magistral da sua história da Europa e do mundo que o tornou mais conhecido não só entre o grande público, como também no meio universitário. No volume inaugural das Eras...., resultante da encomenda do editor George Weidenfeld, refere o seu projeto como de «vulgarização de nível elevado». No prefácio de The age of empires (1875-1914) Hobsbawm explica que «o livro não se destina a outros universitários, mas a todos os que desejam compreender o mundo e pensam que a história os pode ajudar.» Dedica –o aos seus estudantes do Birbeck College, onde ensinara história europeia durante muitos anos. Sem isso, não ousaria escrever a história mundial do século XIX, afirma. Podemos interrogarmo-nos a este respeito: terá ele escrito uma história mundial? A própria cronologia orienta-nos e indica que estamos diante de uma história da Europa e da América, onde o restante mundo se perspetiva euro centrado. Seria muito difícil não o ser, pela formação do autor e por ser escrita por um único autor, porventura devido à própria História em si. Mas é uma obra notável, não apenas pelo saber acumulado, mas pela sua escolha, de escrever uma história raciocinada em que procura esclarecer interrogações sobre o mundo em que vivemos e as suas raízes na época contemporânea. Por isso ocupa um lugar ímpar, foi e é lido por mulheres e homens, jovens, de diversos meios e formações.

6À medida que se aproxima no tempo, a distanciação em relação ao objeto de estudo pode tornar-se insuficiente. Na Era dos Impérios, época dos nossos avós e bisavós, alertava para o papel proeminente no século XX das personagens nascidas nesse período, Churchill, Roosevelt, Lenine, Gandhi, Hitler entre outras, presentes na vida de muitos dos potenciais leitores. O prefácio principia com a história dos seus próprios pais. Na Era dos Extremos, a distanciação entre o objeto e sujeito em estudo reduz-se, o curto século XX (1914-1991), confunde-se em larga medida com a vida do autor, nascido em 1917. No prefácio evoca esse condicionamento e o facto de ser especialista do século XIX, nunca se tendo atrevido por isso a ensinar e a escrever sobre o século XX, no âmbito académico. Declara-se devedor de diferentes colegas, e obras, admitindo o seu desigual investimento nos diferentes problemas abordados. E, como em todos os volumes anteriores, agradece um tipo especial de leitura prévia, a do leitor não especializado, que nomeia sempre. Este é o volume que se aproxima mais de uma história mundial. Dedica-o os seus alunos na New School of Social Research de Nova Iorque, onde as lições incidiram sobre esta época. É certamente também o mais polémico, o mais «político» volume do conjunto das quatro Eras..., mas o sucesso excedeu talvez o das outras Eras..., com 6 edições inglesas no ano de publicação e traduções em 37 línguas. A sua autobiografia, Interesting Times, vem em certa medida completar este último volume das Eras..., com a sua narrativa pessoal intercalada repetidamente de diferentes painéis de âmbito mais geral.

7No conjunto, as Eras.... têm uma perspetiva não só geograficamente globalizante, mas também de história de uma civilização. As dimensões económica, social e política são acompanhadas do percurso cultural, um capítulo dedicado às artes e outro às ciências de cada época. A individualização de outros temas não é sempre idêntica, às mulheres é dedicado um capítulo no 3º volume, mas não no 4º volume, onde, embora não estejam ausentes, se inserem com destaque num subcapítulo dedicado à revolução social do pós-guerra. No conjunto reflete-se a forte formação literária, que caracterizava a elite intelectual inglesa daquela época, como ele próprio recorda, no caso dele mais cosmopolita, e que tanta falta faz hoje. Sintetizando, está-se diante de uma perspetiva ampla e diversificada, em que o cruzamento do saber em áreas distintas lhe permitiu interpretações e relacionamentos novos e sugestivos. Nalguns pontos será mais convincente que noutros, e também o próprio progresso da pesquisa terá desatualizado este ou aquele capítulo, inevitável em particular numa obra levada a cabo no decorrer de perto de quatro décadas. Não diminui o mérito do conjunto.

  • 4 Ver também «Nota sobre la Historia britânica y los Annales» (1978) in Hobsbawm, Sobre la história, (...)

8Não posso aliás concluir esta curta apresentação sem mencionar Past and Present, revista a cuja fundação esteve associado, juntamente com outros nomes como Gordon Childe, traduzido e conhecido em Portugal na minha juventude. Esta revista científica teve um papel semelhante aos Annales em França, Lucien Febvre e Marc Bloch são evocados justamente no editorial do primeiro número (Fev. 1952)4. Hobsbawm tinha intenso intercâmbio académico internacional, mantendo contactos regulares com o meio historiográfico francês, personalidades tão diferentes como Braudel e Vilar contavam-se entre as suas relações intelectuais e de amizade. Deslocando-se anualmente a Paris, exceto durante a guerra, ali viveu dois momentos históricos excecionais, a Frente Popular e maio de 1968, participando no primeiro e mantendo-se como observador distante em relação ao segundo. A sua participação na criação de uma revista aberta à colaboração de qualidade científica, independente quanto às orientações ideológicas dos autores foi certamente decisiva: nela colaboraram medievalistas como G. Duby, R. S. Lopez e Ashton, modernistas como P. Goubert, George Lefebvre (consultor), Lawrence Stone, J. Goody, John Elliott e Pierre Vilar, ou, mais recentemente, Natalie Zemon Davis. Entre os artigos célebres refira-se The Machine breakers de Hobsbawm, logo no primeiro número, ou Time, work-discipline and industrial capitalism de E. P. Thompson, ou o amplo debate sobre a crise económica do século XVII, no qual participaram quase todos os modernistas referidos e que ocupou mais de um número (1960).

9Hobsbawm foi presidente da associação Past and present (sucedendo a C. Hill), associação que promoveu a abordagem de novos temas e novas metodologias em colóquios, como se pode ver pelo livro referido acima (The invention....). De entre o conjunto de livros da coleção Past and Present, destaco, como exemplo da sua novidade, o livro Biology, medecine and society (1840-1940), ainda hoje de consulta útil, apesar da posterior afluência de trabalhos nesta área. A revista, com a sua inalterada capa clássica, tem hoje um site e acaba de colocar on-line os artigos de Hobsbawm em acesso gratuito, tendo sobrevivido à concorrência de History Workshop Journal, mais ligada à época contemporânea. Deve-se aliás a Raphael Samuel e Gareth Stedman Jones, editores desta revista, a organização de um dos dois livros publicados em homenagem a EJH, Culture, ideology and politics (Londres, 1982). Seguir-se-ia outro livro de homenagem, The power of the past, Essays for Hobsbawm (1984), organizado por Pat Thane, G. Crossick, R. Floud, edição conjunta da Maison des Sciences de l’Homme e da Cambridge University Press, com a colaboração de autores como M. Agulhon, J. Kocka, M. Perrot, entre vários outros de idêntico prestígio internacional.

10Ensinou em Birbeck College, uma instituição da Universidade de Londres destinada a estudantes trabalhadores. Talvez por isso tivesse desenvolvido a notável capacidade de escrever de forma acessível e atraente. Com horário pós-laboral, pôde conciliar o ensino e o seu gosto pelo jazz, frequentando os seus espaços e escrevendo para o New Statesman com um pseudónimo. Hoje essas crónicas estão publicadas em livro. Apesar da sua intensa atividade científica, só chegou à categoria de full professor (equivalente a catedrático) aos 53 anos. Na sua autobiografia, considera que fora uma oportunidade feliz ser admitido no Birbeck College em 1947, no limiar do início da guerra fria. Embora atribuísse a lentidão da sua carreira a condicionamentos políticos, Hobsbawm considera que isso lhe evitara a inércia frequente em carreiras precoces.

11Tendo abandonado a intervenção política após 1956 (ano do relatório Krustchev e da revolta de Budapeste), a ela voltou de forma intensa no período do Thatcherismo. A sua crítica da política neoliberal dessa época permanece infelizmente atual. Terminou a sua entrevista a Polito dizendo: «A great many of the solutions and structures that we had in the past have been destroyed by the extraordinary dynamism of the economy we live in. This is throwing an increasing number of men and women into a situation in which they do not know what to do with their own individual and collective existence.

12This is true of the family, but also of political institutions that were the foundations of civilization, what Habermas called the “public sphere”. Politics, parties, newspapers, organizations, representative assemblies, and states: none of these operates in the way they used to and which we supposed they would go on operating for a long time to come. Their future is obscure. That is why at the end of the century I cannot look to the future with optimism.»

Topo da página

Notas

1 LH, n.º 4, 1985. Foram publicadas também entrevistas com EJH nos jornais O Expresso e Diário de Lisboa.

2 In Uncommon people, resistance, rebellion and jazz, London, 1998.

3 Tradução minha de extrato do prefácio a Uncommon people.....

4 Ver também «Nota sobre la Historia britânica y los Annales» (1978) in Hobsbawm, Sobre la história, Barcelona, Critica, 1997.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Miriam Halpern Pereira, « Em memória de Hobsbawm », Ler História, 62 | 2012, 103-108.

Referência eletrónica

Miriam Halpern Pereira, « Em memória de Hobsbawm », Ler História [Online], 62 | 2012, posto online no dia 14 Abril 2015, consultado no dia 23 Novembro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/601 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.601

Topo da página

Autor

Miriam Halpern Pereira

miriam.pereira@iscte.pt
Professora catedrática emérita do ISCTE-IUL e investigadora do CEHC, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org