Navegação – Mapa do site
Espelho de Clio: Eric J. Hobsbawm 1917-2012

Hobsbawm, «verdadeiramente um grande historiador»

Maria Fernanda Rollo
p. 117-121

Texto integral

  • 1 Niall Ferguson, «A truly great historian», The Guardian, 1st October 2012.
  • 2 Eric Hobsbawm, Interesting Times. A Twentieth-Century Life, London, Penguin Press, 2002.

1No obituário que assinou nas páginas do jornal britânico The Guardian Niall Ferguson definiu Eric J. Hobswawm de forma simples mas assertiva classificando-o como: «A truly great historian»1. Ferguson, amigo de Hobsbawm, distanciou-se bastante da ideologia marxista que o historiador britânico tinha abraçado desde cedo, nunca se inibindo de discordar nem das opções políticas que fez nem das justificações que apresentou na sua autobiografia2 para as abalizar. Aos 95 anos de idade conseguira a proeza de ser reconhecido, e até admirado, tanto pela esquerda como pela direita. Contudo ao defini-lo como «verdadeiramente um grande historiador» Ferguson revelou de forma clara, incisiva, aquela que foi durante toda a vida uma das principais características de Eric Hobsbawm: a sua capacidade única de traduzir num discurso simples conjunturas políticas, económicas e sociais de uma grande complexidade, sem nunca ceder à tentação de construir um discurso cientificamente irrepreensível mas hermeticamente fechado e, como tal, incapaz de transpor os muros da academia.

2Juntamente com os historiadores, também membros do Partido Comunista Britânico, Christopher Hill, E. P. Thompson e Raymond Williams, Hobsbawm inovou na forma de fazer História deixando de lado o estudo e a ação dos «protagonistas» tradicionais, para se concentrar na análise de formas de «resistência pré-política», como, de resto as classificaria. A sua obra é por isso verdadeiramente universal ou se quisermos cosmopolita como o seu autor o foi. Não porque tivesse sido traduzida em dezenas de idiomas e apresentada um pouco por todo o Mundo, mas porque tocou populações de diferentes credos, raças e estratos sociais, incutindo-lhes o gosto pela História e demonstrando que rigor e difusão de conhecimento científico não são princípios incompatíveis ou dificilmente conciliáveis.

3Acima de tudo, Hobsbawm gostava de falar do passado, de o relatar com pormenor e detalhe, levando o seu leitor, qualquer que ele fosse, a visualizar – colocando a ciência ao serviço da imaginação – guerras, crises económicas ou transformações tecnológicas. A sua flexibilidade intelectual aliada a uma curiosidade nata são por isso dois dos traços mais marcantes de toda a sua obra.

  • 3 Eric Hobsbawm e George Rudé, Captain Swing, London, Lawrence and Wishart, 1969.

4Eric J. Hobsbawm fixou-se sempre na descrição interpretativa das grandes conjunturas, mas concentrando o foco da sua análise na experiência do homem comum, transformando-o no seu interlocutor privilegiado. Em 1969 publicou em coautoria com George Rudé, o clássico Captain Swing3, ensaio onde descreveu em cores vivas os motins campesinos que ocorreram na Inglaterra dos anos 30 do século XIX. O trabalho, pioneiro pela abordagem ousada e até então pouco conhecida do estudo e análise de temas oitocentistas, procurou traçar, identificar e caracterizar os motivos que estiveram por detrás da realização de ações individuais de protesto, dando a conhecer, por outro lado, a história rural de Inglaterra a uma geração de estudantes maioritariamente urbana. Era, de resto, como historiador do século XIX que se definia.

  • 4 Eric Hobsbawm, Labouring Men. Studies in the History of Labour, London, Weidenfeld and Nicolson, 19 (...)
  • 5 Cf. Igualmente, The Economic History Review New Series, vol. 20, n.º 1, April 1967, pp. 178-180.

5Cinco anos antes, em 1964, tinha já publicado Labouring Men: Studies in the history of labour4, um conjunto de ensaios, alguns dos quais já anteriormente editados, onde analisou a evolução dos padrões de vida na Grã-Bretanha, entre as décadas de 1790 e 1850. Ao longo de mais de 400 páginas, e tendo por base um discurso analítico, estudou a classe operária, optando, do ponto de vista da interpretação, por considerá-la como classe, distinguindo-a da ação dos sindicatos ou do movimento operário5. De forma inovadora, concluiu que, durante o período analisado, era extremamente improvável a existência de uma melhoria das condições de vida da maioria da população britânica e fê-lo, recorrendo a 17 páginas de notas de rodapé, através das quais justifica a sua tese.

  • 6 Eric Hobsbawm, «From Social History to the History of Society», Daedalus, vol. 100, n.º 1, pp. 20-4 (...)

6Hobsbawm foi um dos principais impulsionadores da criação da História Social como disciplina, contribuindo para a sua autonomização do domínio da História Económica. Acabaria por ser o seu ensaio «From social history to the history of society»6, publicado em 1971, a dar-lhe o enquadramento teórico que a nova área de estudos ainda necessitava.

7Da mesma forma, Hobsbawm afirmava-se como um percursor do estudo da história social numa altura em que a Europa tinha ainda presentes os impactos políticos dos acontecimentos ocorridos ao longo da primavera de 1968, dando a conhecer a história do nacionalismo e dos movimentos laborais para além da academia ou dos tradicionais círculos de debate que a esquerda política dominava em Inglaterra.

8Mas foi no domínio da História Económica, nomeadamente através da publicação dos três volumes sobre a ascensão do capitalismo industrial que a sua obra ganhou maior visibilidade, consagrando-o como o principal historiador britânico do século XX. Mais tarde Hobsbawm, sem qualquer ironia classificaria a trilogia The Ages... como um exemplo de «haute vulgarisation».

9Em Cambridge tinha sido aluno do medievalista M. M. Postan, também ele uma referência no domínio da História Económica. Hobsbawm seguiu-lhe as pisadas e foi pioneiro ao eleger a História Económica Contemporânea como o seu campo de trabalho de eleição, nomeadamente numa época em que a História Política e Diplomática disputava, claramente, a atenção dos académicos.

  • 7 Christopher Hill, Reformation to Industrial Revolution: 1530-1780, 2 vols., London, Penguin Books, (...)
  • 8 Eric Hobsbawm, Industry and Empire. An Economic History of Britain since 1750, London, Weidenfeld a (...)
  • 9 Cf. Nomeadamente o texto de W.A. Cole publicado no The Economic Journal. The Economic Journal, vol. (...)

10Vale a pena sublinhar que em 1968, dando continuidade ao trabalho Reformation to Industrial Revolution7 de Christopher Hill, publicou Industry and Empire. An Economic History of Britain since 17508, considerado, por muitos críticos, uma introdução à História Económica da Grã-Bretanha moderna9. Ao longo de mais de 300 páginas o historiador procurou encontrar pistas, no passado britânico, que lhe permitissem compreender a origem do descontentamento social que, em boa medida, caracterizou a sociedade inglesa no final da década de 60. Hobsbawm concluiu ainda, de forma ousada, que o desenvolvimento económico da Grã-Bretanha não podia ser compreendido sem equacionar a importância do Império, argumentando que a sua ascensão ao estatuto de primeira potência industrial era indissociável do incremento do comércio externo, nomeadamente das trocas com as colónias.

  • 10 Eric Hobsbawm, The Age of Revolution – Europe 1789-1848, London, Weidenfeld and Nicolson, 1962.
  • 11 Idem, p. 947.

11Em 1962 já tinha publicado The Age of Revolution10, obra também pioneira, desta feita sobre as origens da industrialização inglesa, argumentando ter sido a expansão do mercado a criar as condições necessárias à inovação tecnológica. Esta tese acabaria por ser revista, em parte, em Industry and Empire, que incorporava inúmeras reflexões posteriores sobre o papel desempenhado pela procura interna no lançamento das fundações de uma economia industrial11. Em ambos os trabalhos a sua narrativa adquiriu sempre uma natureza e uma dimensão verdadeiramente globais: o autor vai identificando e acompanhando os impactos das revoluções política (em França) e económica (em Inglaterra) no Mundo, com base numa capacidade de síntese inigualável. A economia, seguindo a tradição marxista, era para Hobsbawm a base do desenvolvimento histórico.

  • 12 Eric Hobsbawm, The Age of Capital, 1848-1875, New York, Charles Scribner’s Sons, 1975.
  • 13 Victorian Studies, vol. 20, n.º 4, Summer 1977, p. 423.
  • 14 Eric Hobsbawm, The Age of Empire, 1875-1914, London, Weidenfeld and Nicolson, 1987.
  • 15 Ver a propósito: F.M.L. Thompson, «Going down with the band playing and the rich in evening dress», (...)

12O segundo volume da trilogia, The Age of Capital12, foi publicado mais de uma década depois, em 1975. A «história do Mundo» que Hobsbawm registou em The Age of Capital é uma descrição, vivida, das relações entre a Europa e os Estados Unidos e destes com as suas «vítimas», o resto do Mundo13. A análise que nos deixou traça a ascensão de uma sociedade convicta das potencialidades, imensas e inesgotáveis, de um crescimento económico assente na iniciativa privada. O último volume da trilogia, The Age of Empire14, foi editado em 1987. Uma vez mais Hobsbawm surpreendeu a crítica que se deixou envolver pela linguagem ardente e cativante com que analisou o colapso do capitalismo liberal oitocentista, expondo as suas próprias contradições, nomeadamente a decadência da burguesia europeia de fim de século15. Ficava completa a análise do «longo século XIX».

  • 16 Perry Anderson, «Confronting Defeat», London Review of Books, vol. 24, n.º 20, 17 October 2002, pp. (...)

13Os três volumes, que cobrem um período que se inicia com a Revolução Francesa e termina com a eclosão da Grande Guerra em 1914, têm em comum a capacidade de síntese, a atenção ao detalhe, aliados a uma dimensão de análise que Hobsbawm concebeu de forma global mas que aliou sempre a uma descrição pormenorizada das diferenças regionais16. Como linhas estruturantes de análise o historiador inglês escolheu: o estudo do impacto da revolução industrial na história da Europa e do Mundo e a persistência, ao longo de todo o século XIX, dos legados da Revolução Francesa.

  • 17 Idem.

14Saliente-se que o termo «globalização» que se tornaria comum ao longo da década de 90 do século XX, havia já sido identificado e trabalhado em The Age of Empire17.

  • 18 Eric Hobsbawm, The Age of Extremes: A History of the World, 1914-1991, s/l, Pantheon, 1994.

15Em 1994 em The Ages of Extremes18, volume que marcou a sua incursão no estudo da história do século XX, época cujos acontecimentos viveu, Eric J. Hobsbawm analisou um século que classificou de «breve», e cujo início ficou marcado pela eclosão da I Guerra Mundial, terminando com o colapso da União Soviética no início da década de 90. Ao longo do livro estudou as transformações do Estado e conclui que estas foram, quase sempre, consequência das guerras, deixando transparecer os seus receios e angústias relativamente ao capitalismo de mercado-livre.

  • 19 Cf. Eric Hobsbawm, How to Change the World: Tales of Marx and Marxism, London, Abacus, 2011.

16Na verdade, esta busca constante de conhecimento novo e o recurso a uma linguagem atualizada, que aliou à modernidade dos temas abordados, acompanhou Hobsbawm ao longo de todo o seu percurso académico. É por isso digno de registo que em 2011, então com 94 anos, tenha decidido analisar no livro How to change the world19 a crise financeira que atingiu o Mundo em 2008. Fiel ao pensamento e à doutrina de Marx defendeu, convicto, que face a um cada vez mais significativo acentuar das desigualdades sociais nada poderia salvar o sistema capitalista da destruição iminente.

17Eric John Ernest Hobsbawm, Christopher Hill e E. P. Thompson contribuíram, coletiva e individualmente, para transformar a forma como a História e a História Económica e Social contemporâneas passaram a ser escritas, lidas e ensinadas. Esta geração de historiadores, de formação marxista, deu voz a camadas da população que a passagem do tempo tinha silenciado e que o progresso económico tinha, muitas vezes, oprimido. Escreveram sobretudo livros, permanecendo afastados de uma cultura, nova, em que apenas a escrita de artigos científicos, publicados em revistas de difícil acesso e diminuta circulação, parecem valorizar as carreiras académicas dos historiadores modernos.

18Para estes homens a escrita da história não se podia restringir à mera descrição de acontecimentos, buscando, antes, a compreensão de problemas na longa duração: a história era a construção de uma síntese interpretativa. Também por isso, mais do que um historiador económico, Eric J. Hobsbawm foi um pensador plural.

Topo da página

Notas

1 Niall Ferguson, «A truly great historian», The Guardian, 1st October 2012.

2 Eric Hobsbawm, Interesting Times. A Twentieth-Century Life, London, Penguin Press, 2002.

3 Eric Hobsbawm e George Rudé, Captain Swing, London, Lawrence and Wishart, 1969.

4 Eric Hobsbawm, Labouring Men. Studies in the History of Labour, London, Weidenfeld and Nicolson, 1964.

5 Cf. Igualmente, The Economic History Review New Series, vol. 20, n.º 1, April 1967, pp. 178-180.

6 Eric Hobsbawm, «From Social History to the History of Society», Daedalus, vol. 100, n.º 1, pp. 20-45.

7 Christopher Hill, Reformation to Industrial Revolution: 1530-1780, 2 vols., London, Penguin Books, 1969.

8 Eric Hobsbawm, Industry and Empire. An Economic History of Britain since 1750, London, Weidenfeld and Nicolson, 1968.

9 Cf. Nomeadamente o texto de W.A. Cole publicado no The Economic Journal. The Economic Journal, vol. 78, n.º 312, December 1968, pp. 947-949.

10 Eric Hobsbawm, The Age of Revolution – Europe 1789-1848, London, Weidenfeld and Nicolson, 1962.

11 Idem, p. 947.

12 Eric Hobsbawm, The Age of Capital, 1848-1875, New York, Charles Scribner’s Sons, 1975.

13 Victorian Studies, vol. 20, n.º 4, Summer 1977, p. 423.

14 Eric Hobsbawm, The Age of Empire, 1875-1914, London, Weidenfeld and Nicolson, 1987.

15 Ver a propósito: F.M.L. Thompson, «Going down with the band playing and the rich in evening dress», London Review of Books, vol. 10, n.º13, 7 July 1988, pp. 12-13.

16 Perry Anderson, «Confronting Defeat», London Review of Books, vol. 24, n.º 20, 17 October 2002, pp. 10-17.

17 Idem.

18 Eric Hobsbawm, The Age of Extremes: A History of the World, 1914-1991, s/l, Pantheon, 1994.

19 Cf. Eric Hobsbawm, How to Change the World: Tales of Marx and Marxism, London, Abacus, 2011.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Maria Fernanda Rollo, « Hobsbawm, «verdadeiramente um grande historiador» », Ler História, 62 | 2012, 117-121.

Referência eletrónica

Maria Fernanda Rollo, « Hobsbawm, «verdadeiramente um grande historiador» », Ler História [Online], 62 | 2012, posto online no dia 14 Abril 2015, consultado no dia 25 Setembro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/605 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.605

Topo da página

Autor

Maria Fernanda Rollo

fernandarollo@netcabo.pt
Professora associada do Departamento de História da FCSH-UNL, vice-presidente e investigadora do IHC da FCSH-UNL.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org