Navegação – Mapa do site
Dossier: Interdisciplinaridade em ação. Experiências de pesquisa em contextos rurais

Introdução

Dulce Freire e Victor Pereira
p. 125-128

Texto integral

  • 1 O seminário Interdisciplinaridade em ação. Experiências de pesquisa em contexto rural decorreu a 14 (...)

1Depois da II Guerra Mundial multiplicaram-se os apelos às práticas interdisciplinares, seguindo uma tendência anterior que defendia o ecletismo disciplinar e o alargamento das perspetivas dos historiadores. Atualmente, os diálogos disciplinares parecem ser muito prezados, podendo até ser apontados como paradigma teórico e metodológico das ciências contemporâneas, mas em que circunstâncias são desenvolvidas pesquisas interdisciplinares? Qual o contributo que estas pesquisas podem dar para aprofundar a compreensão da historicidade das sociedades rurais contemporâneas? Estas foram algumas das questões que estiveram subjacentes à organização de um seminário para discutir a interdisciplinaridade aplicada a investigações centradas em contextos rurais1.

  • 2 Entre muitos outros, refiram-se P. Burke, History & Social Theory, Cambridge, Polity Press,1992; K. (...)
  • 3 Pela sua dimensão, a redação da LH decidiu dividir a publicação deste dossier por dois números da r (...)

2Tanto as reflexões e experiências de pesquisa discutidas no seminário, como a formação académica dos participantes decorreram numa época que tem sido apontada como de convergência e reconciliação entre as Ciências Sociais. Ainda que as origens e os percursos das diferentes ciências continuem a marcar a formação dos investigadores, a formulação dos problemas e, necessariamente, a recolha e a análise das evidências empíricas, assiste-se desde os anos 80 do século XX a uma aproximação das Ciências Sociais. Como tem vindo a ser salientado, parecem ultrapassadas as polémicas acesas, que começaram no século XIX e persistiram durante grande parte do século XX2. As pesquisas desenvolvidas pelos autores dos artigos publicados neste dossier refletem sobretudo as discussões e os procedimentos que têm envolvido a História, a Sociologia e a Antropologia3.

3As contendas disciplinares que marcaram o relacionamento da História com estas disciplinas começaram por ser protagonizadas pelos sociólogos, com destaque para E. Durkheim e F. Simiand, mas abarcaram também os antropólogos, representados sobretudo por C. Lévi-Strauss e M. Mauss. No século XIX e inícios do XX, ao mesmo tempo que estas disciplinas se definiam, as críticas visavam sobretudo os historiadores positivistas, que defendiam uma História guardiã da objetividade e da verdade. Estas disputas, a par das questões científicas, visavam também aspetos financeiros e institucionais associados à posição dominante da História no âmbito das Ciências Sociais.

  • 4 Segundo P. Burke (Una rivoluzione storiografica: la scuola delle Annales, 1929-1989, Bari, Laterza, (...)
  • 5 Citado em S. Clark, «Os historiadores dos Annales», in Q. Skinner (dir.), As ciências humanas e os (...)
  • 6 March Bloch foi fuzilado pelos nazis, em 1944. Deixou, entre outras obras, Apologie pour l’Histoire (...)
  • 7 As influências tornaram-se mais notórias depois de 1974, com o regresso de investigadores formados (...)
  • 8 Por exemplo, a revista inglesa Past & Present, fundada em 1952 e com historiadores como E. P. Thomp (...)

4No campo da História, as preocupações interdisciplinares tornaram-se mais notórias com o início do movimento dos Annales, na década de 19204. Historiadores como Marc Bloch e Lucien Febvre intensificaram as críticas, tanto à ortodoxia dos historiadores positivistas, como às posições de sociólogos e antropólogos. Faziam a apologia de uma História que, como escrevia L. Febvre, abarcasse «tudo aquilo que pertencendo ao homem, depende do homem, o serve, o exprime, e traduz a sua presença, atividade, gostos e formas de existência»5. Depois da II Guerra Mundial, as propostas dos Annales, continuadas por L. Febvre e Fernand Braudel, tornaram-se hegemónicas no campo da História, tanto em França, como em outras áreas6. As influências estenderam-se a países que estavam culturalmente mais próximos da francofonia, como Portugal7, mas também a grupos inseridos em contextos anglo-saxónicos8.

  • 9 M. Bloch, Introdução à História, 5.ª ed., Mem Martins, Pub. Europa-América, 1987, p. 45.

5Nessas décadas, a propostas da Nova História, renovando as heranças dos Annales, ampliaram as possibilidades de diálogo interdisciplinar. O alargamento das problemáticas da História, quase abandonando o político e multiplicando as abordagens sociais e culturais, foi acompanhado por mudanças na conceção e na construção das fontes. Fortalecia-se uma História «que tem de vincular incessantemente o estudo dos mortos ao dos vivos»9, que está necessariamente sujeita às mutações do presente e à subjetividade do historiador. Uma disciplina sempre em (re)construção, alicerçada em conhecimento transitório e contingente.

6Ainda que a Nova História potenciasse a captação de contributos teóricos e metodológicos de outras disciplinas, assistiu-se durante décadas a um «diálogo de surdos», nos termos de F. Braudel. As relações entre as Ciências Sociais continuaram marcadas por polémicas diversas, associadas à constante reafirmação académica de fronteiras disciplinares, dificultando a consagração de programas universitários assentes em perspetivas e metodologias que fornecessem aos investigadores os instrumentos indispensáveis para desenvolver pesquisas interdisciplinares.

7Desde a década de 1980, a modificação de alguns destes posicionamentos tem abrangido todas as Ciências Sociais, favorecendo a reavaliação das conceções teóricas e metodológicas que, desde finais de oitocentos, orientavam a consagração académica dos diferentes campos disciplinares. Nas últimas décadas do século XX, acreditava-se que se estava a viver um período de derrube de barreiras e abertura de fronteiras intelectuais. Estavam em curso mudanças cruciais nas Ciências Sociais que, afastando o foco do estudo de sistemas abstratos (desde o parentesco, à economia), se centravam na análise das experiências humanas em diversos contextos espaciais e temporais.

  • 10 F. Dosse, L’histoire en miettes. Des «Annales» à la «nouvelle histoire», Paris, La Découverte, 1987

8Ao mesmo tempo, as disciplinas tendiam a desdobrar-se em subdisciplinas. A História conforta-se, desde essa década, com o que François Dosse designou por «história em migalhas»10. Criam-se subdisciplinas (história do corpo, história urbana, história das emoções, entre tantas outras), que pulverizam especializações e estimulam diálogos interdisciplinares, tornando a História mais atenta a fenómenos e a grupos ocultados ou minoritários. Algumas estabeleceram alicerces teóricos e metodológicos próprios, funcionando como um campo. A interdisciplinaridade pode assim emergir dentro de disciplinas e subdisciplinas, na medida em que as questões que carecem de esclarecimento não se confinam a um campo previamente definido.

9Neste percurso, as temáticas rurais e agrárias têm sido abordadas de forma intermitente e distinta tanto pela Antropologia, História e Sociologia, como por diversas subdisciplinas. Após um certo abandono que marcou os anos 70 e 80, desde finais do século XX que aumenta o interesse dos cientistas sociais por estas temáticas, assistindo-se na Europa à renovação dos estudos dedicados ao rural e à agricultura. As análises do «caso português» têm participado neste processo, contribuindo para as discussões internacionais e, também, aprofundando a reflexão acerca das mudanças em curso nos territórios rurais. Os artigos deste dossier refletem essa renovação, propondo estratégias metodológicas que permitam compreender uma sociedade rural diversificada e em movimento, sugerindo que visões de um país rural e agrícola historicamente estagnado, retrógrado ou alheio a inovações não têm sustentação empírica.

10Os contributos reunidos neste dossier indicam que os estudos rurais e da agricultura podem ser um laboratório propício para experiências interdisciplinares. Os artigos mostram algumas das incertezas e das possibilidades inerentes a investigações que se arriscam por fronteiras disciplinares instáveis, que são atravessadas em busca de recursos teóricos e metodológicos para esclarecer as hipóteses formuladas. Neste sentido, enquanto historiadores se aventuram na história oral e no trabalho de campo, antropólogos e sociólogos encaram sistematicamente os arquivos históricos. Todos enfrentam as novidades da internet ou das câmaras de vídeo portáteis.

11Apesar de tudo, é necessário reconhecer que continua a ser delicado transpor os limites de cada disciplina, desrespeitar as barreiras cronológicas, infringir temas de uma especialização já consagrada. O investigador que procura a interdisciplinaridade assemelha-se a um contrabandista, podendo ser ameaçado em ambos os lados da fronteira. Merece, muitas vezes, a desconfiança dos pares com quem partilha a matriz disciplinar, mas também das restantes ciências de que se aproxima. O resultado destas pesquisas é como o bem contrabandeado: pode ser apreciado e útil, mas não perde a marca de uma origem controversa, nem a marginalidade inerente ao desrespeito pelos cânones dominantes. Então por que se sujeitam os investigadores a tais riscos interdisciplinares? Alguns esclarecimentos estão nos artigos deste dossier. Mas, talvez a resposta possa ser encurtada, dizendo que se trata de tentativas para satisfazer a curiosidade intelectual, que é o que, afinal, subjaz a todo o conhecimento humano.

Topo da página

Notas

1 O seminário Interdisciplinaridade em ação. Experiências de pesquisa em contexto rural decorreu a 14 e 15 de junho de 2010, no Instituto de História Contemporânea da FCSH-UNL, no âmbito do projeto «Além do fracasso e do maquiavelismo: a emigração irregular portuguesa para a França, 1957-1974», financiado pela FCT (PTDC/HIS-HIS/103810/2008).

2 Entre muitos outros, refiram-se P. Burke, History & Social Theory, Cambridge, Polity Press,1992; K. Hastrup (ed.), Other histories, London, European Association of Antropologists,1992.

3 Pela sua dimensão, a redação da LH decidiu dividir a publicação deste dossier por dois números da revista (nota da redação).

4 Segundo P. Burke (Una rivoluzione storiografica: la scuola delle Annales, 1929-1989, Bari, Laterza, 1995) a designação de «movimento dos Annales» refere de forma mais precisa, do que a habitual «escola dos Annales», as modalidades de difusão das propostas destes historiadores.

5 Citado em S. Clark, «Os historiadores dos Annales», in Q. Skinner (dir.), As ciências humanas e os seus pensadores, Lisboa, D. Quixote, 1992, p. 235.

6 March Bloch foi fuzilado pelos nazis, em 1944. Deixou, entre outras obras, Apologie pour l’Histoire ou métier d’historien (1949), já escrita no presídio, um manifesto das mudanças historiográficas.

7 As influências tornaram-se mais notórias depois de 1974, com o regresso de investigadores formados no exílio, a maior parte em França ou em países sob influência francesa, e com a modificação de licenciaturas e programas universitários.

8 Por exemplo, a revista inglesa Past & Present, fundada em 1952 e com historiadores como E. P. Thompson ou E. Hobsbawm, ou o Fernand Braudel Center, criado em 1976, na State Univesity of New York.

9 M. Bloch, Introdução à História, 5.ª ed., Mem Martins, Pub. Europa-América, 1987, p. 45.

10 F. Dosse, L’histoire en miettes. Des «Annales» à la «nouvelle histoire», Paris, La Découverte, 1987.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Dulce Freire e Victor Pereira, « Introdução », Ler História, 62 | 2012, 125-128.

Referência eletrónica

Dulce Freire e Victor Pereira, « Introdução », Ler História [Online], 62 | 2012, posto online no dia 14 Abril 2015, consultado no dia 26 Setembro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/607 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.607

Topo da página

Autores

Dulce Freire

dulce.freire@ics.ul.pt
Investigadora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Os interesses de pesquisa relacionam-se com a história rural e da agricultura em contextos portugueses e ibéricos.

Artigos do mesmo autor

Victor Pereira

pereiravictor@hotmail.com
Maître de Conférences em História Contemporânea na Université de Pau et des Pays de l’Adour. O domínio principal de pesquisa é a emigração portuguesa para França no século XX.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org