Navegação – Mapa do site
Dossier: Interdisciplinaridade em ação. Experiências de pesquisa em contextos rurais

Aivados/Baixa da Banheira/Movimentos de precários

Considerações em torno do trabalho etnográfico
Inês Fonseca
p. 145-156

Texto integral

En ethnographie, entre le matériau brut de l’observation
tel qu’il se présente au chercheur dans ses propres observations,
dans les récits des indigènes et dans le kaléidoscope de la vie tribale –
et l’exposé ultime et apodictique des résultats,
il y a souvent une distance énorme à parcourir.
Bronislaw Malinowski, Les Argonautes du Pacifique occidental

1O recurso, por parte de investigadores de outras ciências sociais, a práticas de investigação habituais da antropologia – tais como, a recolha de entrevistas semi-dirigidas e de histórias de vida ou a realização do trabalho de campo – tem motivado um intenso debate, no qual surge uma ideia de suspeição relativamente às técnicas próprias do método etnográfico e à fiabilidade das informações obtidas. Do meu ponto de vista, estas críticas de falta de objectividade decorrem de um mal-entendido e de uma incompreensão sobre o que é o método etnográfico.

2O mal-entendido prende-se com o facto de estas técnicas (que têm uma função própria e obedecem a determinados protocolos de investigação) serem frequentemente utilizadas com objectivos diversos dos da antropologia. Por exemplo, os depoimentos obtidos no decurso da investigação etnográfica constituem apenas um dos elementos para análise e não são nunca o seu objectivo final – ao contrário do que sucede quando o objectivo é a recolha de entrevistas para a constituição de um acervo documental a ser arquivado. Evidentemente, estas duas situações colocam problemas distintos aos investigadores.

  • 1 Malinowski, Bronislaw (1996), Les Argonautes du Pacific occidental. Saint-Amand, Gallimard, p. 62 ( (...)

3A incompreensão é relativa ao facto de o método etnográfico se basear, precisamente, na tensão que existe entre o necessário envolvimento do investigador (com as pessoas e os grupos estudados) e o distanciamento indispensável para a análise científica. É precisamente nesse movimento (nesse jogo) de vai-e-vem entre aproximação e afastamento ao terreno que consiste aquilo que Malinowski designou como «cet art magique de l’ethnographe», «[dont] le succès résulte de l’application patiente et systématique d’un certain nombre de règles de bon sens et de principes scientifiques avérés»1.

  • 2 Rivers, William H. R. (1900), «A genealogical method of collecting social and vital statistics», Th (...)

4O presente texto tem como objectivo relembrar que a prática da recolha de informação através de entrevistas, no âmbito do trabalho etnográfico, tem sido utilizada pelos antropólogos desde os primórdios desta ciência. Autores como William Rivers2 e Bronislaw Malinowski sublinharam a importância e a utilidade desta prática, que complementa a observação daquilo que as pessoas ou os grupos em estudo fazem e que permite aceder à sua visão do mundo, àquilo que pensam e dizem sobre o que fazem. Mas, além disso, os antropólogos sempre estiveram conscientes dos problemas e dificuldades que esta forma de investigação acarreta e alertaram para a obrigatoriedade de confirmação de todas as informações obtidas através das conversas ou entrevistas (através do seu cruzamento com outras fontes de dados) e para a a necessidade de saturação das informações (através da sua acumulação) – tal como acontece com outras áreas disciplinares.

  • 3 Weber, Florence (2009), «Métier d’historien, métier d’ethnographe», in Manuel de l’Ethnographe, Par (...)
  • 4 Já Bronislaw Malinowski, no seu trabalho sobre as ilhas Trobriand realizado nas primeiras décadas d (...)

5Uma parte importante do trabalho de investigação em antropologia consiste, portanto, em credibilizar as informações obtidas através do método etnográfico com uma crítica das fontes rigorosa. Sobre este assunto, Florence Weber3, num texto onde compara a actividade de investigação de historiadores e antropólogos, refere-se às informações obtidas através das fontes clássicas destes domínios científicos e relembra que a objectividade de umas e de outras reside não na informação em si (pois não existem informações ou fontes mais ou menos objectivas do que outras), mas na crítica das fontes que deve ser realizada. Para ela, é fundamental um trabalho de análise e de interpretação por parte do investigador que, esse sim, poderá ser realizado com maior ou menor objectividade4.

6No trabalho etnográfico, essa característica de objectividade da investigação é alcançada através de um trabalho de vai-e-vem entre: por um lado, a proximidade ao terreno e àqueles com quem trabalhamos (que resulta da observação prolongada e do estabelecimento de relações de confiança mútua) e, por outro lado, o necessário distanciamento obtido com a reflexão e interpretação permanente sobre aquilo que observamos.

7A referida autora tenta isolar diferentes tarefas (que podem ocorrer em simultâneo) desse trabalho de interpretação: uma de crítica e análise das fontes e outra que ela considera de auto-análise. No caso do trabalho de crítica das fontes, trata-se de contextualizar a origem das informações – quem disse o quê e em que circuntâncias – e de as confrontar com outras informações de origens diversas (documentos escritos, testemunhos orais, dados estatísticos, documentos visuais, etc.). Quanto ao trabalho de auto-análise, este implica uma reflexão sobre as condições de produção da observação e de construção das fontes e sobretudo, no que concerne o estatuto e a posição social do investigador face às pessoas com quem e sobre as quais trabalha.

8É nessa perspectiva que proponho, em seguida, algumas considerações em torno de três experiências de trabalho etnográfico que realizei e das respectivas condições de produção. Um antropólogo não deve nunca esquecer-se de que está a trabalhar e a questionar as pessoas com quem trabalha sobre as suas vidas, mas que também é da vida do investigador que se trata durante um trabalho de campo. Neste processo é impossível afastar os afectos, as preocupações ou os preconceitos e relutâncias de cada um. Por essa razão é tão necessário um trabalho de distanciamento para realizar uma análise objectiva, que inclua uma reflexão sobre as condições de produção da etnografia como também a consciência de uma obrigação para com as pessoas com quem trabalhamos (independentemente das nossas simpatias ou antipatias). Nesse sentido, na minha primeira experiência tornou-se muito claro que (a não ser em situações excepcionais) revelar os nomes reais dos locais e das pessoas com quem trabalho faz parte do compromisso ético que estabeleço com elas. A relação de confiança criada entre investigadora e sujeitos de investigação passa pela identificação clara das fontes: quem disse, o que é que disse exactamente e em que circunstâncias o fez.

«Uma entrevista sozinha não vale nada»

9O primeiro trabalho de campo a que farei referência desenrolou-se na aldeia de Aivados (concelho de Castro Verde), onde permaneci de Maio a Outubro de 1995. Inicialmente, o interesse por esta aldeia surgiu com uma reportagem televisiva (num telejornal da SIC): o caso de uma aldeia alentejana de assalariados rurais, co-proprietários de uma herdade com 500 ha e de um rebanho de ovelhas com mais de 300 cabeças, parecia um bom exemplo para estudar questões relacionadas com acção colectiva e movimentos populares. Os moradores desta aldeia haviam sido protagonistas de um longo conflito com latifundiários vizinhos que tinham usurpado parcelas da terra comunitária. A seguir ao 25 de Abril, durante a vaga de ocupações de herdades no Alentejo, esta população foi recuperar as terras que eram suas. Posteriormente foi formada uma associação (a Associação do Povo dos Aivados), designada por Comissão e que gere os assuntos da herdade e do rebanho.

10Foi com estas informações que decidi deslocar-me à aldeia, para fazer aquilo a que os antropólogos chamam a visita turística. Esta primeira visita consistiu em estabelecer contacto com algumas pessoas e tentar perceber se existia possibilidade de levar a cabo o trabalho que eu pretendia. Neste momento, instalou-se logo um mal-entendido: na aldeia estavam habituados ao interesse por parte dos jornalistas e a responder às suas perguntas e não compreenderam porque é que eu não recolhia rapidamente os seus depoimentos e partia no mesmo dia. Passei a tarde a explicar às pessoas que era importante eu permanecer na aldeia, para fazer um trabalho mais aprofundado. Continuaram sem compreender, mas terminaram por aceder a arranjar-me uma casa. E no mês seguinte, instalei-me então num quarto alugado em casa do presidente da Comissão e iniciei o trabalho de campo.

11Evidentemente, não comecei logo a fazer entrevistas. Como se tratava de uma pequena povoação (com cerca de 150 habitantes), pude fazer um inquérito de vizinhos em todas as casas habitadas. Através deste inquérito, recolhi informações sobre a caracterização socio-económica e demográfica da população da aldeia, mas este instrumento de trabalho serviu-me sobretudo como pretexto para entrar nas casas, estabelecer relações com as pessoas e conhecer as suas famílias. Simultaneamente, esta foi também uma forma de me dar a conhecer às pessoas: a par das questões que lhes coloquei sobre a sua vida familiar, fui respondendo às perguntas que colocavam sobre a minha pessoa e a minha própria família.

12Nessas conversas, a curiosidade dos meus interlocutores referia-se principalmente à minha situação profissional: não tanto o que dizia respeito ao teor da investigação que realizava sobre a aldeia, mas sobretudo o que se referia ao meu estatuto em relação a eles, no âmbito do meu trabalho. Expliquei que se tratava de uma investigação no âmbito do meu mestrado e que, na altura, não recebia qualquer salário. Apesar da minha insistência em apresentar-me com um estatuto profissional, como investigadora, não foi esse o que me atribuíram e passaram a tratar-me e a referir-se a mim como uma estudante, sendo também assim que me apresentaram a outras pessoas. «Uma rapariga que está a fazer um estudo sobre a nossa aldeia», «uma rapariga com estudos que nós acareámos [acarinhámos]» – foi com este tipo de epítetos que frequentemente se referiram a mim e que me fizeram compreender a minha posição ambígua relativamente às pessoas. Por um lado, aludem à minha posição ascendente devido ao meu elevado capital cultural e escolar e por outro lado, revelam a necessidade de me proteger e apoiar, devido à minha juventude e ao facto de me encontrar a viver sozinha e longe da família.

13Foi a partir desse conhecimento inicial que pude estabelecer relações mais próximas com as pessoas e comecei a participar nas actividades colectivas, integrando-me num grupo de mulheres mais velhas que acompanham activamente os assuntos da aldeia. Isto apesar do estatuto que me atribuíram, que mais facilmente me assimilaria ao grupo dos jovens da aldeia.

14Começou assim a minha observação-participante: marcando presença em momentos de convívio colectivo e colaborando nas actividades entre vizinhos. E só depois da realização de uma festa, em cuja preparação participei, é que dei início à recolha de entrevistas. Nessa altura, já sabia quem eram as pessoas que me podiam dar informações interessantes e também as que estavam em melhores condições para o fazer – ou porque tinham uma memória de acontecimentos do passado e guardavam um pensamento lúcido, ou porque tinham participado em momentos importantes da história da aldeia e da sua propriedade, etc..

15Na generalidade dos casos as pessoas demonstraram boa vontade e disponibilidade para responder às minhas perguntas. Percebi que esse agrado era por verem que alguém se interessava pelas suas histórias e pelo caso da sua aldeia. Mas também me fui apercebendo de que, em muitos casos, essa reacção positiva era sobretudo porque viam as entrevistas como uma oportunidade para conversar. É importante explicar que esta aldeia foi bastante afectada pelo êxodo rural da década de 1960. A maioria dos familiares dos meus entrevistados saíu de Aivados para se instalar na margem sul da «cintura industrial» de Lisboa. E, portanto, muitas destas pessoas bastante idosas, com quem trabalhei, viviam sozinhas – o que explica o acolhimento que me davam.

16Apesar de ter alcançado um grau de confiança com um grupo vasto de pessoas, nem todos se disponibilizaram de imediato para a entrevista. Recordo especialmente o caso de um senhor que teve uma participação importante, como testemunha no julgamento que decidiu a entrega definitiva da parcela de terreno que foram recuperar a seguir ao 25 de Abril. Todos me referiram este homem como tendo desempenhado um papel fundamental durante o julgamento, graças a uma frase que proferiu, e que teria colocado o juíz do lado dos habitantes de Aivados, mas também me avisaram que ele não gostava de falar com os jornalistas. Como entendo que a colaboração dos entrevistados com o investigador deve ser consentida, decidi não insistir. Mas foi ele próprio que acabou por vir chamar-me, dizendo que «uma vez que já tinha falado com toda a gente, ele também queria falar comigo». Convém explicar que antes disso, eu já tinha estabelecido com ele uma relação de reciprocidade: ele dava-me limões do seu quintal, que eu utilizava para fazer bolos e depois eu dava-lhe sempre uma porção do bolo.

17Aliás, estes bolos também representaram um passo importante para a minha integração no terreno. Comecei a fazê-los para os lanches que, por vezes, improvisávamos entre vizinhas. Nas primeiras vezes, confeccionei-os com ingredientes que foram todos comprados por mim e à medida que o trabalho de campo foi avançando e que eu fui conquistando a confiança das pessoas, elas também passaram a dar-me alguns dos ingredientes e depois o bolo era partilhado entre todos. Quando esta situação começou a produzir-se compreendi que tinha integrado o circuito de ofertas e prestações normal entre vizinhos.

18Entre os antropólogos sempre existiu um reconhecimento de que «uma entrevista só não vale nada» e de que as informações obtidas através desta técnica só ganham sentido quando são colocadas em confronto com outras fontes de informação, nomeadamente através da observação. Essa foi, provavelmente, a principal aprendizagem que fiz no decurso deste trabalho de campo. Assim, a par das entrevistas, eu utilizei ainda outras fontes de informação, entre elas a documentação existente no arquivo da Associação dos Aivados. Este arquivo localizava-se na casa onde eu vivia – as pastas e os dossiers ficavam guardados numa sala contígua ao meu quarto – e foi-me dado livre acesso para a sua consulta. A leitura desses documentos alertou-me para uma situação que era referida de forma muito ligeira nas entrevistas: trata-se da colaboração que a comunidade migrante prestou aos moradores na aldeia para a recuperação das terras que lhes haviam sido usurpadas. Nos depoimentos recolhidos, eram feitas algumas referências à presença de muitos dos migrantes no dia da recuperação da parcela de terreno e em todas as audiências do julgamento em Tribunal, contudo, foi com a consulta da documentação do arquivo da comissão que se tornou possível compreender a verdadeira dimensão dessa realidade. Nesses dossiers constavam registos detalhados de todas as formas de auxílio dado pelos migrantes, sob a forma de vendas de rifas ou a organização de bailes e festas para angariar fundos, a participação nos trabalhos de melhoramentos na aldeia, os donativos em dinheiro, etc..

19Este interesse e vontade de colaborar nos assuntos da aldeia eram visíveis ainda em 1995. Durante a minha estadia no terreno, observei que no mês de Agosto a aldeia triplicava a sua população. Nesse mês, todos os moradores de Aivados recebem nas suas casas os familiares migrados que vêm passar férias. E estes, durante o tempo que ali estão, acompanham todos os assuntos relacionados com a propriedade comum: perguntam notícias sobre o rebanho, sobre o trabalho do pastor, querem participar nas actividades, dão conselhos ou dão ordens ao pastor e ao tractorista (o que nem sempre é bem visto por estes!).

20Um dos pontos altos da relação que estes migrantes mantêm com a sua terra natal é um almoço-convívio que organizam de dois em dois anos, para o qual os aivadenses migrados regressam à aldeia. A ideia destes eventos partiu de uma conversa entre um grupo de aivadenses residentes na Baixa da Banheira. Trata-se de uma povoação próxima do Barreiro onde, na década de 1960, era possível encontrar casas a preços mais baixos. E portanto, foi lá que uma grande comunidade de aivadenses se instalou e que rapidamente se organizou com outros alentejanos numa colectividade, a Sociedade Recreativa e Cultural União Alentejana (que designam por «os alentejanos»). Nesta colectividade era hábito grupos originários de diferentes terras no Alentejo fazerem almoços-convívio entre si. Assim, surgiu a ideia de realizar o primeiro destes eventos.

21Tratou-se de um encontro bastante concorrido e um facto que marcou os organizadores foi o de se terem apercebido que muitos dos seus conterrâneos há muito que não tinham qualquer contacto com a aldeia. Convém referir que estamos a falar de assalariados rurais alentejanos, cujas famílias de origem não só não possuíam terra como também as próprias casas em que viviam eram de aluguer. Consequentemente, quando falecem todos os membros da família que permaneceram na aldeia, estas pessoas deixam de ter um lugar para onde voltar. Assim, este grupo organizador dos almoços entre aivadenses decidiu fazer um encontro na própria aldeia. O primeiro destes convívios tinha tido lugar no ano anterior ao meu trabalho de campo e estava ainda na memória de todos como um acontecimento importante – referiam-no mesmo como um dos aspectos característicos da aldeia. No ano seguinte à minha estadia, teve lugar o segundo dos almoços-convívio entre aivadenses, para o qual eu fui convidada a participar pelos moradores da aldeia.

A «maltesinha» na Baixa da Banheira

22Nos vários momentos de presença dos migrantes na aldeia a que assisti, fui tomando contacto com eles e estabeleci uma relação de amizade com algumas das famílias a residir na Baixa da Banheira. Acompanho as suas trajectórias de vida (e eles a minha) desde há 15 anos.

23Foi a minha relação com estas pessoas que conduziu à investigação que realizo actualmente, sobre precariedade laboral. Frequentemente referiram-me o facto de terem tido que sair da sua aldeia natal em busca de uma vida melhor e que, entretanto (em época de crise pós-industrial), a sua situação laboral se tornara igualmente precária: muitos atravessaram o período da crise da Lisnave (com 4 anos de salários em atraso) e na sua maioria passaram por períodos de desemprego e pré-reformas. A maneira como vêem o futuro para os seus filhos também não é mais risonha. Foi por este tipo de comentários e por considerar que era importante investigar sobre o que se passa actualmente no mundo do trabalho, que decidi interessar-me pela população operária da margem Sul do Tejo. E para tal não havia terreno melhor do que o da Baixa da Banheira – onde já tinha alguns contactos. Assim, a minha entrada neste novo terreno de investigação foi feita pela mão de amigos.

  • 5 Fonseca, Inês (2006), Posse de Terra, Resistência e Memória no Alentejo, Lisboa, Edições Dinossauro

24Entre a primeira investigação de 1995 e a actual, foi publicado o meu trabalho sobre Aivados5 e eu compreendi que o livro é usado como um cartão de visita – algo que se mostra e oferece aos amigos, para dar a conhecer a aldeia natal. Consequentemente, quando algumas das pessoas minhas conhecidas me apresentavam a um novo contacto na Baixa da Banheira, diziam que era eu a autora do livro sobre a sua terra e eram eles próprios que faziam a explicação sobre a investigação actual: adiantavam-se-me e comentavam que eu estava ali para fazer um trabalho semelhante (sobre a vida de trabalho das pessoas). Sobretudo, referiam que eu era uma pessoa de confiança, pois as entrevistas que gravo servem para os textos que escrevo, onde aparece «tudo, tal e qual como nós falamos». E foi desta maneira que se constituiu muito facilmente uma rede de entrevistados, por efeito de bola de neve: num processo em que os meus conhecidos me apresentaram aos seus amigos e conhecidos, com os quais se tornou muito simples estabelecer uma relação de confiança.

25No entanto, trata-se de um trabalho de campo diferente, desde logo porque eu não estou a viver no local. E isso coloca-me perante outras dificuldades: inicialmente foi complicado justificar a minha presença, uma vez que não estava a viver no terreno. Esta questão resolveu-se quando identifiquei e comecei a frequentar os seus locais de convívio (colectividades e associações), usando-os como ponto de observação. Mais tarde, também fiz uma curta estadia de 5 semanas, que correspondeu a um momento de grande intensidade do trabalho de campo: com muitos contactos e com a participação em diversas actividades, culminando com a minha ida a mais um almoço-convívio de aivadenses. Mas desta vez, recebi dois convites: da parte dos moradores da aldeia e da parte dos organizadores do encontro na Baixa da Banheira. Além disso, junto com o grupo de migrantes, participei nos preparativos para o almoço realizados na Baixa da Banheira.

26Mas a proximidade à comunidade de aivadenses no novo terreno também me trouxe alguns problemas: apressadamente considerei que estava em terreno já conhecido e que podia comportar-me como na aldeia. Acontece que, no contexto da Baixa da Banheira, existem outras regras e formas de comportamento. Em Aivados, por exemplo, eu participava nas actividades colectivas em que os moradores e os migrantes dão o seu trabalho voluntário para determinadas realizações. Na Baixa da Banheira, quando estas pessoas foram para lá viver, essa situação também se verificou com o trabalho voluntário no seio das colectividades locais; contudo, a situação de precariedade em que muitas destas pessoas vivem modificou a maneira de entenderem a sua participação associativa. Quando se está numa situação de precariedade laboral (como aconteceu a muitas destas pessoas) a preocupação principal passa a ser encontrar um emprego. Consequentemente, qualquer pedido de trabalho voluntário é mais dificilmente atendido. Simultaneamente, estas colectividades demonstram estar muito atentas às condições de vida dos seus associados e também tentam, na medida do possível, remunerar todas as colaborações.

27Assim, quando uma das pessoas que conheci em Aivados referiu a realização de um almoço-convívio no âmbito da semana cultural da colectividade «os Alentejanos» e comentou que ia «ajudar» na confecção desse almoço. Desastradamente, ofereci-me para também «ajudar». Não compreendi imediatamente que estava a ser irreflectida e precipitada. Só no próprio dia, depois de ter estado lado-a-lado a fazer o almoço e a servir às mesas com um grupo de pessoas, é que compreendi que essas horas de trabalho lhes íam ser pagas. No momento de fazerem as contas, eles comentaram que o meu trabalho era voluntário. E também me fizeram saber (embora de forma gentil) que, pelo facto de eu ter participado, uma das cozinheiras habituais tinha trabalhado menos tempo (pois ficou apenas a coordenar as actividades). Compreendi, assim, que a expressão «ajudar no almoço» não tem o mesmo significado na Baixa da Banheira que tinha em Aivados.

  • 6 Weber, «Métier d’historien, métier d’ethnographe»…

28Este episódio foi também revelador de que o trabalho de campo – como o próprio nome o indica – é, antes de mais nada, um momento de trabalho e de grande tensão: o investigador, além de estar a viver os acontecimentos, tem de estar permanentemente alerta e a reflectir sobre o que se está a passar e o que lhe estão a dizer ou sobre as consequências dos seus actos (o tal trabalho de análise e auto-análise proposto por Weber)6.

29No que diz respeito ao meu estatuto no âmbito deste trabalho de campo, mais uma vez, também ele foi alvo de uma negociação. Como já referi, desde 1995, acompanho as trajectórias de vida de algumas das pessoas com quem trabalho na Baixa da Banheira e das suas famílias, tal como eles acompanham a minha. Se eu me preocupo com a sua situação e a das suas famílias (se estão desempregados, se conseguiram o estágio ou o contrato que procuravam, se já se reformaram, etc.), também eles querem saber qual a minha situação profissional.

30Quando nos conhecemos, em Aivados, eu expliquei que estava a fazer um trabalho para a Universidade. Mas a sua preocupação principal foi saber: quem é que me pagava? Respondi que a pesquisa estava a ser custeada com as economias que conseguira fazer graças a um trabalho de investigação anterior. Consequentemente, passaram a preocupar-se com o meu futuro, quando o trabalho estivesse terminado. A pergunta seguinte foi: se quando eu obtivesse o grau académico, para o qual estava a estudar, iria obter um posto como professora na Universidade? Expliquei que não seria exactamente assim, pois as Universidades não estavam a contratar novos professores.

31Depois desta explicação compreendi, pelos comentários que foram fazendo ao longo do tempo, que têm uma verdadeira preocupação pela minha situação precária. Surpreenderam-se negativamente quando expliquei que faz parte do meu trabalho de investigadora publicar textos, apresentar comunicações ou participar em reuniões científicas sem ser paga por isso e tendo mesmo, muitas vezes, de pagar as despesas das deslocações e de participação. Também comentam o facto de estar sempre a mudar de local de trabalho (devido aos vários terrenos em que tenho trabalhado, que me levam a residir em sítios diferentes do país). Aliás, graças a essa situação ganhei uma alcunha: «a maltesinha». Muitas vezes, quando querem saber onde me encontro e qual o trabalho que faço em determinada altura, perguntam «-Então e esta maltesinha, agora, por onde é que anda?», numa comparação entre o que consideram o meu estatuto precário e o de outros trabalhadores que eles conhecem bem (os assalariados rurais, maioritariamente solteiros e jovens, que se deslocavam de terra em terra em busca de trabalho agrícola, consoante as estações do ano).

32A verdade é que sou a única pessoa que conhecem com tão elevadas qualificações, mas que não tem um emprego que considerem estável. Até aos dias de hoje, quando nos encontramos, uma das primeiras questões que surge é relativa ao trabalho que estou a fazer no momento – sobretudo, querem saber se estou a ser paga e por quem. As suas perguntas fizeram-me tomar consciência de que no olhar dos meus interlocutores, a precária sou eu.

33E esta descoberta tem-me conduzido a fazer de forma sistemática um exercício comparativo entre as duas situações de precariedade (a minha e a deles) e levou posteriormente a uma reflexão sobre a relação entre precariedade e classes sociais. Surgiu assim, uma reformulação da pesquisa que coloca a tónica na questão da existência de diferentes conjunturas de precarização que, fazendo parte do mesmo fenómeno, afectam os indivíduos e os grupos de maneiras distintas.

«As maravilhas da internet»?

  • 7 Rambach, Anne e Marine (2001), Les Intellos Précaires, Paris, Fayard; Rambach, Anne e Marine (2009) (...)

34Esta reflexão conduziu-me a um exercício de comparação entre a precariedade dos antigos operários da Baixa da Banheira (entretanto desempregados ou pré-reformados, na sua maioria) e a das novas gerações de trabalhadores em sectores tão diversos como o ensino primário, a docência universitária, a investigação científica ou o jornalismo7. Para o efeito, contactei pessoas dos movimentos de precários, solicitando que me pusessem em contacto com elementos que pudessem estar interessadas em dar o seu testemunho. Contudo, a minha entrada enquanto investigadora neste novo terreno, junto de um grupo cuja origem social e os capitais culturais e escolares são similares aos meus, acabou por se revelar mais difícil relativamente à entrada nos terrenos de estudo sobre os assalariados agrícolas alentejanos ou a classe operária da cintura industrial. A verdade é que, neste último caso, fui imediatamente remetida para a internet e foi-me dito que o que eu tinha de fazer era escrever um mail, explicando o trabalho que tenho em curso e o que pretendo, depois eles encarregavam-se de publicitar a mensagem nos sites dos respectivos movimentos. Quer dizer, com a intervenção deste novo meio de comunicação ficou impossibilitada toda aquela fase preparatória às entrevistas, em que o investigador deve ganhar a confiança dos seus entrevistados, passar tempo com eles ou participar nas suas actividades.

35Convém referir que a internet é um instrumento que emergiu recentemente (cerca de 15 anos) na sociedade portuguesa e na maioria dos terrenos onde os antropólogos trabalham. Para dar uma ideia de como as coisas evoluíram, em 1995, quando fiz o trabalho de campo em Aivados, tinha apenas um computador fixo (que deixei em Lisboa) e não tinha telemóvel nem acesso à internet. Na aldeia, alguns jovens tinham computador, mas ninguém tinha acesso à internet. Actualmente, existe um blog dedicado à aldeia (http://www.aldeiadosaivados.blogspot.com), criado pelo ex-presidente da comissão dos Aivados, em casa de quem vivi durante o trabalho de campo e que sempre se mostrou preocupado em manter um arquivo com toda a documentação (decisões judiciais, registos de contabilidade, fotografias, etc.) sobre a aldeia e a sua comissão / Associação.

36A realidade é que a internet é uma ferramenta que está não só a transformar os nossos hábitos de trabalho, mas também as práticas das pessoas com quem trabalhamos. Esta transformação, abre novas possibilidades e também traz acrescidas dificuldades. No caso concreto aqui referido, trouxe enormes desvantagens e até agora (passados alguns meses do meu pedido) ainda não consegui concretizar um encontro físico para realizar uma entrevista. Tive, portanto, de seguir outra estratégia de aproximação, que passa por tentar chegar aos potenciais sujeitos de estudo através do contacto de amigos e conhecidos dos meus próprios amigos ou colegas de trabalho.

Topo da página

Notas

1 Malinowski, Bronislaw (1996), Les Argonautes du Pacific occidental. Saint-Amand, Gallimard, p. 62 (edição original: 1922).

2 Rivers, William H. R. (1900), «A genealogical method of collecting social and vital statistics», The Journal of the Anthropological Institute of Great Britain and Ireland, vol. 30, pp. 74-82.

3 Weber, Florence (2009), «Métier d’historien, métier d’ethnographe», in Manuel de l’Ethnographe, Paris, Presses Universitaires de France, pp. 48-73.

4 Já Bronislaw Malinowski, no seu trabalho sobre as ilhas Trobriand realizado nas primeiras décadas do século XX, alertava para essa necessidade e para o facto de se tratar de uma preocupação de objectividade comum a todos os domínios científicos: «Dans n’importe quelle branche du savoir, les résultats de la recherche scientifique doivent être présentés de façon tout à fait probe et sincère. Nul ne songerait à apporter une contribution scientifique dans le domaine de la physique ou de la chimie sans fournir un rapport détaillé sur l’ensemble des dispositions prises lors des expériences; un inventaire exact de l’appareillage utilisé; un compte rendu de la manière dont les observations ont été pratiquées; de leur nombre; du laps de temps consacré; du degré d’approximation prévu pour chaque mesure. Du reste, dans le domaine de la science historique, nul ne peut s’attendre à être pris au sérieux s’il fait mystère de ses sources et parle du passé comme s’il le connaissait par divination». Malinowski, Les Argonautes du Pacific occidental, pp. 58-59.

5 Fonseca, Inês (2006), Posse de Terra, Resistência e Memória no Alentejo, Lisboa, Edições Dinossauro.

6 Weber, «Métier d’historien, métier d’ethnographe»…

7 Rambach, Anne e Marine (2001), Les Intellos Précaires, Paris, Fayard; Rambach, Anne e Marine (2009), Les Nouveaux Intellos Précaires, Paris, Editions Stock.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Inês Fonseca, « Aivados/Baixa da Banheira/Movimentos de precários », Ler História, 62 | 2012, 145-156.

Referência eletrónica

Inês Fonseca, « Aivados/Baixa da Banheira/Movimentos de precários », Ler História [Online], 62 | 2012, posto online no dia 14 Abril 2015, consultado no dia 21 Julho 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/611 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.611

Topo da página

Autor

Inês Fonseca

pintofonsecaines@gmail.com
Professora convidada do Departamento de Antropologia da FCSH-UNL e bolseira pós-doutoramento da FCT / CRIA-pólo FCSH-UNL. As suas áreas de pesquisa são o mundo do trabalho e seus impactos na família, o desemprego e a precariedade laboral, identidade e sociabilidades.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org