Navegação – Mapa do site
Dossier: Interdisciplinaridade em ação. Experiências de pesquisa em contextos rurais

Redes de emigração clandestina no concelho de Penedono (1960-1974)

Fontes e metodologia
Marta Silva
p. 157-167

Texto integral

Introdução

  • 1 Gusdorf, Georges, «Conhecimento interdisciplinar», in Pombo, Olga; Henrique Manuel Guimarães e Tere (...)
  • 2 Gusdorf, «Conhecimento interdisciplinar»…, p. 57.

1Num texto datado de 1986, o filósofo francês Georges Gusdorf, crítico acérrimo da especialização e grande defensor da interdisciplinaridade, fazia uma breve história do percurso das ciências, afirmando que o seu «processo de desintegração» datava do século XVII, acelerara-se no século XIX, para nos nossos dias a divisão dar lugar à «fragmentação» e a uma «verdadeira dispersão» que vinha sendo reforçada1. Numa linguagem mordaz, Gusdorf afirmava que a solução não estava na alteração do «regime de trabalho científico no quadro metodológico das disciplinas especializadas», visto que «serão sempre necessários matemáticos e biólogos, arqueólogos e cancerólogos», mas numa «verdadeira reforma das estruturas mentais», acrescentando que «a nova inteligibilidade deve fundar-se na afirmação da unidade funcional do ser humano enquanto ponto de reagrupamento de todos os propósitos da investigação nos diversos domínios do saber»2.

  • 3 Gusdorf, Georges, «O gato que anda sozinho», in Pombo, Olga; Henrique Manuel Guimarães e Teresa Lev (...)
  • 4 O antropólogo afirma que num «processo de afirmação disciplinar, porém, o espírito de cooperação, d (...)
  • 5 Sobre as questões levantadas à história do tempo mais próximo ver: Bebiano, Rui, «Temas e problemas (...)

2Continuando na mesma linha discursiva no início dos anos 903, as reivindicações de Gusdorf e de outros defensores da interdisciplinaridade parecem hoje, pelo menos parcialmente, ter produzido algum efeito. Apesar de nos finais da mesma década, João de Pina Cabral demonstrar alguma desilusão pelo abandono da interdisciplinaridade em Portugal, que segundo o antropólogo tivera o seu momento alto nos anos 804, o atual panorama científico manifesta, na sua generalidade, uma abertura significativa. Fruto de uma tendência cada vez mais favorável à fluidez das fronteiras existentes entre disciplinas, os encontros científicos interdisciplinares multiplicam-se e o diálogo interdisciplinar é reforçado através da constituição de grupos de trabalho e projetos que juntam investigadores de diferentes áreas. Assim, num quadro académico em que a interdisciplinaridade parece ser tendencialmente valorizada, nomeadamente na área da História, o cruzamento de práticas de pesquisa documental tradicionais (consulta de fontes escritas provenientes de diferentes arquivos) com outros métodos característicos de disciplinas como a Antropologia (nomeadamente o método de pesquisa etnográfico e de recolha de testemunhos orais) tem-se verificado ser cada vez mais frequente, permitindo alcançar uma dimensão de análise mais aprofundada e observar o objeto de estudo a partir de novas perspetivas, outrora menos consideradas pelos historiadores, nomeadamente no que diz respeito à história do tempo presente5.

  • 6 Oliveira, Luísa Tiago de, «A História Oral em Portugal», Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 63, (...)

3Nos artigos que publicou em 2010, Luísa Tiago de Oliveira constata o atraso na afirmação da História Oral na disciplina histórica em Portugal. Segundo a historiadora, «houve “história oral sobre Portugal” antes de haver “história oral em Portugal”», já que, trabalhos sobre a conjuntura revolucionária portuguesa, defendidos em contextos académicos estrangeiros, usavam e citavam fontes orais. Deste modo, só nos anos 90 se pode identificar o marco na emergência da História Oral em Portugal6.

  • 7 O estudo foi realizado no âmbito do Mestrado em História Moderna e Contemporânea – Relações Interna (...)

4Neste artigo, o nosso objetivo não será analisar o percurso da História Oral e os debates que em seu torno se têm gerado, mas partilhar as experiências de um trabalho de investigação em História, num contexto rural, em que também se fez uso de testemunhos orais como documento histórico, discorrer sobre os desafios metodológicos que se colocaram e refletir sobre os contributos da fonte oral, em cruzamento com a escrita, para a análise do objeto de estudo: as redes de emigração clandestina que atuaram no concelho de Penedono entre 1960 e 19747.

Redes de engajadores e passadores sob observação

  • 8 Para a definição do papel dos diferentes intervenientes nas redes, ver o estudo supracitado, pp. 51 (...)
  • 9 A partir de 1966 as autoridades espanholas permitiam a entrada de clandestinos portugueses em Espan (...)

5As redes de emigração clandestina compostas por recrutadores (angariadores, engajadores), passadores e outros auxiliares de emigração clandestina8, que estiveram em atividade especialmente durante a fase final do Estado Novo, constituíram um importante mecanismo de promoção da emigração ilegal, tendo sido responsáveis pelo recrutamento e transporte de milhares de emigrantes até ao país de destino. A atividade destes indivíduos foi um traço característico da realidade social dos anos 60 do espaço rural português, nomeadamente da região norte interior do país, que viu muita da sua população abandonar aquelas aldeias, essencialmente por motivos económicos. Perante a oposição de algumas elites locais à saída de mão de obra e face aos entraves colocados à concessão dos passaportes de emigrante e de turista (quando se suspeitava que a finalidade do requerimento era a emigração)9 parte importante dos candidatos à emigração recorreu ao serviço de engajadores e passadores para sair do país.

6Com um potencial migratório significativo – entre outros fatores, face às carências económicas de grande parte da população rural e ao atrativo que constituíram os destinos europeus – muitos indivíduos começaram a dedicar-se, com maior ou menor frequência e profissionalismo ao negócio da emigração, formando, assim, complexas teias de relações sociais. Sem entrar no debate de conceitos que questiona a separação que geralmente se faz entre motivações políticas e económicas e o que cada uma delas representa, decidiu-se não incluir no estudo as redes que prestaram auxílio a exilados políticos, uma vez que o recrutamento e transporte destes dois tipos de emigrantes implicaria necessariamente cuidados e consequências díspares para os responsáveis pelo auxílio.

7Tendo, assim, como objeto de estudo as redes de emigração económica clandestina que transportaram emigrantes para França, entre 1960 e 1974, optou-se pelo estudo de caso das redes que atuaram no concelho de Penedono, onde grande parte da emigração se fez por motivos económicos. Aquele concelho da Beira-Alta, enquadrado pela área do Douro vinhateiro e pelas terras da raia, caracterizava-se por estar inserido numa região rural, na qual predominava o setor primário e a pequena propriedade onde se destacavam alguns proprietários com capacidade para contratar mão de obra sazonalmente, e onde a Igreja tinha uma forte influência sobre a sociedade. Por estes motivos, partiu-se com a ideia, posteriormente confirmada pelas fontes consultadas, de que a consciencialização de uma oposição política clara ao regime não terá sido significativa naquele meio, tendo sido as tensões sociais existentes aliviadas pela emigração.

  • 10 Processo Correcional de 1963, condenação por emigração clandestina, Arquivo do Tribunal Judicial da (...)
  • 11 Também encontrámos documentadas passagens clandestinas de emigrantes penedonenses nas zonas de Chav (...)

8Tal como noutros locais do país, a Câmara Municipal de Penedono começou a dificultar ainda mais o processo para a concessão de passaporte de emigrante a partir de 1962/6310, alegando falta de mão de obra no concelho, pelo que aquele espaço acabou por ser palco da forte atividade de engajadores e passadores. Concentrámos, então, as nossas atenções nas redes que ali atuaram, procurando seguir-lhes os passos até à fronteira, especialmente até ao território raiano próximo de Vilar Formoso, onde, pela proximidade, as travessias foram mais frequentes11.

9Com este espaço geográfico como pano de fundo, procurámos compreender o funcionamento das redes e a sua inserção no meio social que as rodeava, tentando apontar a sua génese, a sua composição e as funções desempenhadas pelos diferentes auxiliares, e caracterizar a articulação e a relação estabelecida entre os vários elementos. Em segundo lugar era importante verificar como conviveram as redes com vários obstáculos legislativos e sociais e se estes influenciaram o seu funcionamento ao longo do período em análise, de modo a perceber o sucesso da passagem de um número tão elevado de emigrantes apesar de o regime apregoar uma perseguição cerrada aos engajadores e passadores.

10Finalmente procurou-se analisar discursos e imagens construídas sobre engajadores e passadores, tanto as que os acompanharam nos anos 60 como as que ainda hoje persistem.

A memória do poder: a «Máfia portuguesa

11Estudar redes de emigração clandestina num contexto rural como o de Penedono significa, por um lado, abordar um tema cujos protagonistas ocupavam geralmente estratos sociais mais baixos da sociedade. Normalmente trata-se de pessoas (quer emigrantes, quer auxiliares) de origem social modesta, com um capital cultural baixo e com pouca prática de escrita.

  • 12 Exceção feita às cartas enviadas de França para a família que ficava em Portugal, as quais eram apr (...)

12Por outro lado, a emigração clandestina e o seu auxílio eram praticados à margem da lei. Consequentemente, além de termos encontrado pouca documentação produzida pelos protagonistas12, os registos escritos contendo informações concretas e diretas sobre as redes aparecem com pouca frequência na documentação oficial. Os relatórios e processos das instâncias policiais e judiciais são as fontes onde mais facilmente podemos encontrar dados sobre a atividade de aliciamento de emigrantes ou sobre a atuação de passadores junto à fronteira, assim como sobre alguns aspetos da articulação entre elementos das redes e sua movimentação nas aldeias. Esta documentação torna-se mais enriquecedora para o estudo por serem aquelas entidades as que contactaram diretamente com os infratores detetando-os na situação de ilegalidade. Portanto, o registo escrito que nos chega sobre as redes é sobretudo o que resulta da tentativa fracassada de emigração por ter sido interrompida pelas forças policiais.

  • 13 Ver valores em: Baganha, Maria Ioannis (2003), «From Close to Open Doors: Portuguese Emigration und (...)

13Neste sentido, apesar de indispensáveis para a análise, é de ter em conta que, a julgar pelo elevado número de emigrantes entre 1960 e 197413, as passagens infrutíferas não foram as mais representativas da época e que esta documentação projeta a voz do infrator (emigrante ou auxiliar) mas não é apenas esta que se ouve. No caso dos processos judiciais, estes eram redigidos pelas mãos das autoridades, o que implicava, no contexto de um regime autoritário, nem sempre serem fiéis ao que o suspeito declarava, ou resultarem em declarações feitas sob coação física ou psicológica, ou, simplesmente, serem o espelho da postura defensiva do interrogado que, para se proteger a si e aos seus, procurava omitir ou transmitir informações erradas.

14Há, no entanto, que referir que no nosso estudo, os processos judiciais guardados nos arquivos dos tribunais de comarca permitiram obter dados importantes para compreender a estrutura, o funcionamento e as estratégias das redes clandestinas no interior do território nacional. O facto de, quando se apresentavam completos, os processos judiciais conterem relatórios e informações das forças de segurança intervenientes dá-nos acesso à forma de atuação das diferentes polícias no terreno, ao tipo de questões levantadas em interrogatórios, às penas reservadas aos auxiliares de emigração e, por vezes, à atuação da GNR ou PIDE nos interrogatórios. Os processos judiciais são também ricos em informações pessoais sobre os arguidos, incluindo o seu registo criminal ou correspondência pessoal. Através destas fontes, pôde-se construir uma caracterização do tipo de pessoas que se dedicava a este negócio e identificar quem geralmente se apresentava como testemunha de defesa. Estes dados deixaram perceber a natureza das relações e da imagem que este tipo de crime tinha no seio das povoações, uma vez que, se os indivíduos mais influentes na comunidade podiam constituir o principal entrave à emigração, os mesmos, fruto das relações próximas que se estabeleciam, também podiam constituir testemunhas de defesa alegando a boa conduta moral do arguido ou apresentar-se como fiadores e pagar a respetiva caução, fator que também poderá ajudar a explicar vários casos de corrupção e compadrio com autoridades policiais e civis.

15Os principais arquivos consultados em Lisboa (Histórico-Diplomático, Ministério do Interior e PIDE/DGS) forneceram-nos sobretudo dados sobre a forma de lidar com a questão e a perspetiva que o regime e os maiores ou menores opositores à emigração tinham em relação ao que consideravam ser o «problema da emigração», especificamente a que era feita pela via de passadores. Havia a preocupação de recolher e arquivar as notícias publicadas sobre este tema na imprensa nacional e internacional, que davam a conhecer alguns aspetos do funcionamento das redes dentro e fora de Portugal.

  • 14 Este foi o organismo responsável por enquadrar a emigração portuguesa desde 1947 até 1970, altura e (...)
  • 15 Informação da PIDE, de 27 de agosto de 1964, IAN/TT, PIDE/DGS, SC Processo 218 CI (1), NT 1177, pas (...)
  • 16 Expressão retirada de uma informação proveniente da Guarda e enviada, a 1 de fevereiro de 1965, pel (...)

16Todavia, os relatórios policiais e a correspondência entre Ministérios, PIDE/DGS e Junta de Emigração14, grosso modo, permitiram-nos apenas observar o fenómeno migratório pelo ângulo de visão do poder central. Estes auxiliares eram apontados como os responsáveis pela emigração clandestina em massa, sendo descritos como aliciadores desonestos de ingénuos aldeãos sedentos de uma vida melhor, por vezes motivados e manipulados por «organizações comunistas internacionais, com vista a provocar o descrédito do país»15 e considerados uma «máfia portuguesa»16.

17Nos estudos sobre migrações, como as experiências de alguns sociólogos e antropólogos o têm demonstrado, o ponto de vista do indivíduo é também importante para melhor compreender o fenómeno. Portanto, se os arquivos do poder, sejam locais ou centrais, são relevantes para perceber os movimentos migratórios, eles não esgotam as informações para a abordagem ao tema, dada a ausência da perspetiva dos principais atores: os emigrantes. No caso da emigração clandestina, os emigrantes partilham o protagonismo com os engajadores e os passadores, razão pela qual urge torná-los visíveis.

Essas vozes que nos vêm do passado

  • 17 Godinho, Paula, Memórias da Resistência Rural no Sul: Couço (1958-1962), Oeiras, Celta Editora, 200 (...)

18Quando se trata de abordar atividades ilegais e, especificamente, as questões relacionadas com estratos sociais mais baixos, a aproximação ao objeto de estudo é feita, quase sempre, indiretamente, através do registo deixado por outros grupos. Porém, o testemunho oral a que a História sobre períodos mais recentes consegue ter acesso, como refere Paula Godinho, permite resgatar a «capilaridade de múltiplos quotidianos que delineiam as relações e estão marcados por experiências de anonimato»17.

19No nosso trabalho de campo era importante ouvir a voz dos protagonistas que integraram as organizações secretas de recrutamento e transporte de emigrantes, de modo a perceber as suas motivações, o seu papel no meio que as rodeava, as suas estratégias de sobrevivência no quotidiano e de contorno da lei e dos seus repressores, assim como as representações que estes e os emigrantes construíram acerca desta atividade. Deste modo, a adoção da metodologia da história oral permitiu não só suprir silêncios e lacunas da informação escrita, como também, e antes de mais, cruzar diferentes fontes de autorias diversas.

20Com uma lista previamente preparada de alguns nomes de intervenientes na emigração clandestina, partimos para o terreno. Dentro e em redor do concelho de Penedono efetuou-se um total de 19 entrevistas a antigos auxiliares e emigrantes clandestinos. Contudo, a lista de nomes conseguidos em processos da PIDE e judiciais ou em denúncias às instâncias oficiais não funcionou sempre. Apesar de ter sido um bom instrumento inicial, revelou-se melhor estratégia aliar esta ferramenta ao «efeito bola de neve», ou seja, partindo de laços de confiança construídos no terreno, fomos estabelecendo contactos sugeridos pelos indivíduos entrevistados.

  • 18 Sobre as estratégias e a importância de estabelecer laços de confiança com o informante ver, por ex (...)
  • 19 Sobre a prática da história oral com elites ver: Dexter, Lewis Anthony, Elite and specialized inter (...)

21A questão da confiança é determinante para a concretização de uma boa recolha de testemunhos orais e especificamente com este tipo de informantes houve que ter em atenção alguns aspetos18. Por um lado, fazer história oral com indivíduos de uma condição social mais humilde, muitas vezes analfabetos, facilita o trabalho do investigador que, regra geral, não se verá confrontado com uma revisão rigorosa e, por vezes, empobrecedora da transcrição da entrevista, como se verifica em alguns casos na prática da história oral com informantes das «elites»19. Por outro lado, a natureza ilegal das redes criou, por vezes, alguns obstáculos de aproximação aos informantes pretendidos. Este não foi tanto o caso dos antigos emigrantes que, com vontade de relatar o(s) seu(s) sucesso(s) na emigração e até de demonstrar o contributo que deram ao progresso do país, facilmente se disponibilizaram a partilhar as suas experiências; mas, no que respeita a indivíduos que intervieram no auxílio à emigração clandestina, o desejo de regressar ao tema não foi comum a todos.

  • 20 Por exemplo, um estudo de 2006 sobre redes de emigração, que têm na Grécia um país de destino e de (...)

22De facto, esta atividade continua ainda hoje a ser relembrada com algum desapreço. Em primeiro lugar porque, embora a emigração hoje, em Portugal, seja totalmente permitida (e claramente incentivada), o tráfico de emigrantes é ilegal e constitui crime, fazendo com que as redes dos anos 60 possam ser facilmente comparadas às atuais20. Consequentemente, os indivíduos associados a um negócio lucrativo, cujos objetos de lucro eram seres humanos – muitas vezes pertencentes à mesma comunidade e, geralmente, pessoas sem grandes possibilidades económicas que se viam obrigadas a vender terras ou animais para conseguir pagar a passagem –, acabam também por ser alvo de alguma desconsideração.

23O facto de se terem dedicado a uma atividade ilegal e que lhes rendeu lucros parece ter sido o fator que mais os inibiu de dar o seu testemunho. Assim, a referência a estes sujeitos é pouco frequente no meio rural estudado. Trata-se de um assunto, em certa medida, tabu neste concelho do interior, sendo que, quando se fala da emigração, o intuito é, sobretudo, reavivar a memória das aventuras pessoais da emigração e da integração do emigrante no país de destino.

24Quando no trabalho de campo se procurou identificar os indivíduos responsáveis pelo engajamento, constatou-se, por vezes, que as vozes baixavam de tom, como se fosse ainda considerado crime ou como se algum informador da PIDE pudesse ainda estar a ouvir e colocar em perigo a viagem.

25Pela parte dos emigrantes, o receio em abordar estes temas pode também estar relacionado com o facto de existir uma espécie de reativação de sentimentos do passado quando se recordam momentos dolorosos dessa época. Por exemplo, citar o nome de um engajador poderá, no inconsciente do informante, corresponder a uma denúncia; e denunciar o engajador significava comprometer a viagem ou levar o emigrante a ter que enfrentar as autoridades policiais. Previsivelmente, durante as entrevistas, os antigos clandestinos recorreram a algumas estratégias para fugir ao tema, desviando a conversa para outro assunto, alegando falha de memória ou desconhecimento do assunto, ou recusando-se mesmo a identificar o respetivo engajador. A fuga, consciente ou não, para outros temas mais marcantes no percurso de emigração do entrevistado constitui também um refúgio para mudar o rumo da conversa e não colocar o foco no auxiliar de emigração clandestina.

26O trabalho de campo resultou finalmente em cinco entrevistas com intervenientes no auxílio à emigração clandestina (tendo sido um deles também emigrante) e quinze com emigrantes clandestinos, tendo-se no último caso atingido o ponto de saturação de informação.

Considerações finais

27Importa neste momento deixar algumas considerações finais sobre os benefícios que o cruzamento de fontes escritas e orais trouxe às conclusões do estudo sobre redes de engajadores e passadores. Para fazê-lo recorremos à exposição de alguns casos concretos, dos mais significativos com que nos deparámos ao longo da pesquisa.

  • 21 Processo correcional de 1969, condenação por emigração clandestina, Arquivo do Tribunal Judicial da (...)
  • 22 Entrevista a angariadora e emigrante clandestina em 1968 do concelho de Penedono, realizada a 15 de (...)

28Uma das conclusões que o confronto entre processos judiciais e entrevistas a pessoas envolvidas naqueles nos permitiu foi a de que o sistema policial e judicial nem sempre foi eficaz no cumprimento da lei que punia severamente os crimes relacionados com a emigração clandestina. Em 1968, num processo correcional por emigração clandestina21, quando diferentes emigrantes e o suposto passador foram interrogados perante o chefe de brigada da PIDE sobre a identidade de todas as pessoas aliciadas e transportadas, foi declarado o número de dez pessoas. No processo ficaram registados os nomes de oito indivíduos, tendo sido assinalado que a identidade dos restantes dois era ignorada pelos arguidos. Contudo, um depoimento oral de um dos envolvidos no processo22 revelou que os dois ausentes eram familiares do regedor da aldeia e que, eventualmente, não terão sido denunciados dada a posição que ocupavam no meio rural. Permanece a dúvida se ter-se-á tratado de um caso de favoritismo por parte do denunciador que deu origem à abertura do processo ou se, sabendo os agentes da PIDE ou os funcionários judiciais tratar-se de pessoas com uma certa importância na aldeia, evitaram levar o nome daqueles a tribunal por representarem um mau exemplo para os trabalhadores de estatuto inferior, que viam familiares dos representantes do poder local a serem julgados, porquanto até eles fugiam das condições da aldeia para procurar uma vida melhor em França.

  • 23 Entrevista a emigrante clandestina em 1969, realizada a 17 de março de 2008.

29Outro caso interessante foi o de uma emigrante menor que, após ter visto a sua passagem frustrada pelas autoridades fronteiriças, detida na cadeia de Almeida e saído com fiança, foi pronunciada para se apresentar em tribunal. A própria, em entrevista, confessou que no dia do julgamento já se encontrava em França, tendo sido a sua irmã a fazer-se passar por ela na audiência23, facto que demonstra que, além das poucas preocupações que a justiça aparenta ter tido com estes «criminosos», também indicia uma consciência da parte dos emigrantes de que as consequências dos seus atos não resultariam em penas pesadas.

  • 24 Entrevista a passadores dos concelhos de Trancoso e Meda, realizadas a 9 de abril de 2008 e 10 de j (...)

30Outra ideia a retirar deste trabalho é a de que o sucesso das passagens nas fronteiras luso-espanholas e hispano-francesa não dependeu apenas da destreza dos passadores. Os casos de corrupção com autoridades fronteiriças (Guarda Fiscal e Guardia Civil), dos quais alguma documentação oficial levanta suspeitas, foram corroborados por dois testemunhos orais de passadores24.

31Contrariamente ao discurso do regime e dos opositores à emigração, que responsabilizavam os engajadores por iludirem a sua incauta clientela com falsas promessas, alguns processos judiciais, onde não se consegue identificar o responsável pelo aliciamento, e várias entrevistas, denunciam o papel ativo do emigrante em todo o processo de emigração: frequentemente era o emigrante que procurava o passador (ao invés da situação oposta), e o primeiro procurava também garantir a sua segurança, e a dos seus bens, por exemplo, entregando o dinheiro do pagamento da viagem a um depositário da sua confiança que só o entregava ao passador mediante a prova de que a chegada ao destino fora concluída com sucesso. O serviço do contratante da emigração podia até chegar a não ser pago quando os emigrantes estavam descontentes ou em situações em que não eram tão honestos, ameaçando o engajador/passador com uma denúncia na PIDE.

32Finalmente, só aqueles que estiveram diretamente envolvidos na atividade puderam indicar locais-chave dos percursos ou desvendar estratégias e truques de defesa, e só através do seu depoimento foi possível chegar à imagem que têm e que tiveram de si próprios. O conjunto das entrevistas a antigos emigrantes provou que a tentativa de incutir medo aos candidatos à emigração através da propagação da ideia de que todos os engajadores e passadores eram «exploradores sem escrúpulos» acabou por não ser partilhada pela totalidade dos supostos «explorados».

33De acordo com o exposto, julgamos ser clara a pertinência do cruzamento de disciplinas e métodos na edificação da história das migrações.

Topo da página

Notas

1 Gusdorf, Georges, «Conhecimento interdisciplinar», in Pombo, Olga; Henrique Manuel Guimarães e Teresa Levy (orgs.), Interdisciplinaridade – Antologia, Porto, Campo das Letras, 2006, pp. 37-58.

2 Gusdorf, «Conhecimento interdisciplinar»…, p. 57.

3 Gusdorf, Georges, «O gato que anda sozinho», in Pombo, Olga; Henrique Manuel Guimarães e Teresa Levy (orgs.), Interdisciplinaridade – Antologia, Porto, Campo das Letras, 2006, pp. 13-36.

4 O antropólogo afirma que num «processo de afirmação disciplinar, porém, o espírito de cooperação, diálogo interdisciplinar e mesmo, em alguns casos, transdisciplinaridade que se viveu na década de 80 parece ter sido abandonado». Cf.: Cabral, João de Pina, «A antropologia e a questão disciplinar», Análise Social, n.º 149, 1998, p. 1082.

5 Sobre as questões levantadas à história do tempo mais próximo ver: Bebiano, Rui, «Temas e problemas da história do presente», in Encarnação, José d’ (org.), A História Tal Qual se Faz, Lisboa, Edições Colibri / FL-UC, 2003, pp. 225-236.

6 Oliveira, Luísa Tiago de, «A História Oral em Portugal», Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 63, 2010, pp. 25-50; Oliveira, Luísa Tiago de, «Oralidade e História em Portugal», Atas da Conferência Internacional da Tradición Oral, Oralidade e Património Cultural, Ourense, Concello de Ourense, novembro 2010, pp. 193-199. Sobre o percurso da História Oral e a sua legitimação como método da História conhecem-se vários trabalhos. Ver, por exemplo, a obra de referência de Paul Thompson, The voice of the past. Oral History, 2.ª ed., Oxford-New York, Oxford University Press, 1988. Mais recentemente têm sido publicados alguns manuais da História Oral. Ver a título de exemplo: Descamps, Florence, L’historien, l’archiviste et le magnétophone. De la constitution de la source orale à son exploitation, 2.ª ed., Paris, Comité pour l’histoire économique et financière de la France, 2005; Ritchie, Donald A., The Oxford handbook of oral history, New York, Oxford University Press, 2011.

7 O estudo foi realizado no âmbito do Mestrado em História Moderna e Contemporânea – Relações Internacionais, no ISCTE-IUL, em 2008, e posteriormente publicado: Silva, Marta Nunes, Os trilhos da emigração. Redes clandestinas de Penedono a França (1960-1974), Lisboa, Edições Colibri, 2011.

8 Para a definição do papel dos diferentes intervenientes nas redes, ver o estudo supracitado, pp. 51-61.

9 A partir de 1966 as autoridades espanholas permitiam a entrada de clandestinos portugueses em Espanha, concedendo-lhes um salvo-conduto que lhes permitia a estadia em território espanhol durante trinta dias. Sobre este assunto e sobre a perspetiva do Estado português face à emigração para França ver: Pereira, Victor, L’État portugais et les Portugais en France de 1957 à 1974, Doutoramento em História, Institut d’Études Politiques de Paris, 2007, p. 595.

10 Processo Correcional de 1963, condenação por emigração clandestina, Arquivo do Tribunal Judicial da Comarca de São João da Pesqueira, Processo n.º 7/63.Note-se que, desde 1947, com o Decreto-Lei n.º 36 558, de 28 de outubro, que criou a Junta de Emigração, foram extintos os agentes de passagens e passaportes, ficando a Junta encarregue de conceder o passaporte de emigrante, em cujo processo colaboravam as câmaras municipais. Os governos civis tinham a função de atribuir o passaporte de turista. Sobre o processo de criação da Junta de Emigração ver: Santos, Yvette, O papel da Junta de Emigração na definição da política da emigração portuguesa no pós II Guerra Mundial, comunicação na conferência organizada pela Association for Spanish and Portuguese Historical Studies, ICS-UL, Lisboa, 1 de julho de 2011.

11 Também encontrámos documentadas passagens clandestinas de emigrantes penedonenses nas zonas de Chaves e Sabugal.

12 Exceção feita às cartas enviadas de França para a família que ficava em Portugal, as quais eram apreendidas pela PIDE e anexadas aos processos dos suspeitos para servirem de prova do crime por conterem informações sobre a viagem.

13 Ver valores em: Baganha, Maria Ioannis (2003), «From Close to Open Doors: Portuguese Emigration under the Corporative Regime», E-Journal of Portuguese History, vol. 1, n.º 1, pp. 1-16. Consultável em: http://brown.edu/Departments/Portuguese_Brazilian_Studies/ejph/

14 Este foi o organismo responsável por enquadrar a emigração portuguesa desde 1947 até 1970, altura em que foi substituído pelo Secretariado Nacional de Emigração.

15 Informação da PIDE, de 27 de agosto de 1964, IAN/TT, PIDE/DGS, SC Processo 218 CI (1), NT 1177, pasta 1, Secretariado Nacional de Emigração.

16 Expressão retirada de uma informação proveniente da Guarda e enviada, a 1 de fevereiro de 1965, pelo chefe de gabinete do Ministério do Interior ao diretor da PIDE, IAN/TT, Ministério do Interior, Gabinete do Ministro, JE65, Cx.282, 1965, Emigração clandestina.

17 Godinho, Paula, Memórias da Resistência Rural no Sul: Couço (1958-1962), Oeiras, Celta Editora, 2001, p. 20.

18 Sobre as estratégias e a importância de estabelecer laços de confiança com o informante ver, por exemplo: Bertaux, Daniel, Les récits de vie: perspective ethnosociologique, Paris, Éditions Nathan, 1997.

19 Sobre a prática da história oral com elites ver: Dexter, Lewis Anthony, Elite and specialized interviewing, University of Essex (Colchester): ECPR Press, 2006.

20 Por exemplo, um estudo de 2006 sobre redes de emigração, que têm na Grécia um país de destino e de trânsito de emigrantes oriundos dos Balcãs, da Europa de Leste, curdos, afegãos e outros emigrantes asiáticos, explica a organização do tráfico destes emigrantes na atualidade. Algumas semelhanças com as redes de recrutamento e transporte de emigrantes portugueses dos anos 60 são evidentes. Cf.: Antonopoulos, Giorgios e John Winterdyk, «The Smuggling of Migrants in Greece, An Examination of its Social Organization», European Journal of Criminology, 2006, vol. 3, n.º 4, pp. 439-461. Consultável em: http://euc.sagepub.com/cgi/content/abstract/3/4/439

21 Processo correcional de 1969, condenação por emigração clandestina, Arquivo do Tribunal Judicial da Comarca de São João da Pesqueira, Maço 31, Proc.º 361, n.º 9/69.

22 Entrevista a angariadora e emigrante clandestina em 1968 do concelho de Penedono, realizada a 15 de março de 2008.

23 Entrevista a emigrante clandestina em 1969, realizada a 17 de março de 2008.

24 Entrevista a passadores dos concelhos de Trancoso e Meda, realizadas a 9 de abril de 2008 e 10 de junho de 2008.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Marta Silva, « Redes de emigração clandestina no concelho de Penedono (1960-1974) », Ler História, 62 | 2012, 157-167.

Referência eletrónica

Marta Silva, « Redes de emigração clandestina no concelho de Penedono (1960-1974) », Ler História [Online], 62 | 2012, posto online no dia 14 Abril 2015, consultado no dia 30 Maio 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/613 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.613

Topo da página

Autor

Marta Silva

silvamartanunes@gmail.com
Doutoranda no Instituto de História Contemporânea da FCSH-UNL. Tem especial interesse pelos domínios da História Oral, História Rural e História dos Movimentos Sociais.

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org