Navegação – Mapa do site
Materiais da Memória

Esplendor na relva

José Medeiros Ferreira
p. 183-186

Texto integral

1A data de 24 de março de 1962 marcou, não só uma era política coletiva nas relações entre a Universidade Portuguesa e o regime salazarista, como a consciência de toda uma geração de estudantes, mobilizados na luta contra a ditadura. Nunca mais fomos os mesmos.

2Tive a sorte de ser dirigente associativo em 1962 (Vice-presidente da Pró-Associação da Faculdade de Letras com o pelouro das relações externas, o que significava representá-la em órgãos como a RIA, que escuso de escrever por extenso). Tinha mesmo 20 anos, acabados de fazer. Nos meses anteriores exercitara-me na arte da estratégia ao serviço dos estudantes com verdadeiros seniores do movimento como Jorge Sampaio, Eurico Figueiredo, Sá Borges, Afonso de Barros, Vasconcelos Abreu, Vítor Wengorovius, Tavares da Cruz, António Ribeiro, entre outros. Aprendi muito com eles nos meses anteriores ao desencadear da crise e da greve às aulas. Lembro-me do compromisso de participar, em representação das associações, na Comissão Administrativa das Instalações Académicas (CAIA), sobretudo tendo em vista os espaços conviviais da Cantina na recentemente inaugurada Cidade Universitária, depois de uma ação reivindicativa junto do reitor Marcelo Caetano que acabou por aceitar, surpreendentemente, uma experiência fugaz de cogestão.

3E recordo as idas a Coimbra, sempre rodeadas de dificuldades e interditos por parte do governo. Essas idas permitiram-me conhecer um outro ambiente universitário e outros dirigentes como Jorge Aguiar, José Augusto Rocha, Barros Moura, José Carlos Vasconcelos, Margarida Lucas, entre outros. No Porto, Alexandre Alves Costa era a referência máxima do movimento associativo, bem ancorado na Escola de Belas Artes que muitos ilustres formou.

4Quando rebentou a crise, com a proibição do Dia do Estudante em 24 de março, já fizera o meu «estágio» como dirigente «federativo» de Lisboa. Então foi como se um encontro com o destino tivesse sido marcado. Senti-me como peixe na água perante as exigências múltiplas que me eram impostas pela nova situação universitária com milhares de estudantes mobilizados, uma radical novidade. Quando da declaração do «luto académico» com greve às aulas, foi grande a preocupação dos dirigentes «federativos» (os que participavam na RIA) com o grau de adesão à greve na Faculdade de Letras que eu representava, faculdade tida preconceituosamente como passível de claudicar, por ter uma larga percentagem de mulheres, o que esteve longe de acontecer, sendo uma das escolas em que a greve foi mais apoiada. Para mim, isso foi um motivo de orgulho e fui ainda recompensado com um «voto de louvor, agradecimento e confiança», assinado por Maria Antónia Fiadeiro, José Manuel Rodrigues, Isabel Franco, Iolanda Artiaga, Maria Benedita Vassalo, Teresa Amado, Mário Cardia, João Paulo Monteiro, Bairrão Ruivo, dirigentes associativos, e outros nomes como Eduardo Prado Coelho, Fiama Hasse Pais Brandão, Graça Barahona, Luisa Ducla Soares, Maria João Gerardo, Maria José Rau, Passos Valente entre muitos outros. Ainda hoje considero esse voto de confiança dos estudantes de Letras a mais cara distinção da minha vida pública.

5Aliás, durante todo o longo desenrolar da crise e da variedade de atividades que implicou, revelou-se uma plêiada de valores como Manuel de Lucena – o mais destacado na matéria –, Mário Cardia, Nuno Brederode Santos e Vasco Pulido Valente, na redação frequente e regular de Comunicados, com os quais as AAEE mantinham o contacto informativo com os milhares de estudantes que os procuravam ou eram inundados pela sua distribuição promovida pelas RIPs, que também asseguravam a sua edição a stencil, muitas vezes até às tantas da madrugada. O historiador Oliveira Marques publicou, no livro A primavera que Abalou o Regime, 46 desses comunicados distribuídos entre fins de março e fins de junho de 1962.

6As assembleias com os sócios das AAEE, e as reuniões plenárias com os milhares de estudantes que se deslocavam ao Estádio Universitário com um tempo verdadeiramente primaveril, assistiram ao desfile de grandes oradores – numa sociedade que, durante a ditadura, deixara de valorizar, a nível do ensino e dos hábitos cívicos, a boa oratória. Lembro-me dos arrebatadores discursos de Valentim Alexandre, Abílio Mendes, Isabel do Carmo, quase sempre para contrariarem as decisões tomadas a nível da RIA! Felizmente que, na equipa «federativa», podíamos contar com o brilhantismo e a capacidade de persuasão de Jorge Sampaio, Eurico Figueiredo e Vítor Wengorovius. Também eu não recuei em tomar a palavra nessas reuniões, ostentando com desassombro e orgulho, um característico sotaque micaelense…

7A gestão propriamente política da crise estudantil de 1962, que durou desde março até ao fim do ano letivo, colocou muitas vezes questões bem difíceis aos dirigentes associativos da altura: recomeçar o luto académico depois das férias da Páscoa e da dispersão por elas provocada; suspender ou não a greve, quer para serem recebidos por um membro do governo de Salazar, o ministro da Presidência Correia de Oliveira a 10 de abril, quer para demonstrarem que o «luto académico» não se coordenava com outras ações de carácter partidário no final do mês; retomar em maio o luto académico e associar o «luto académico» a outras formas de luta como a greve da fome, sugerida pelo Eurico Figueiredo e participada por Abílio Mendes, Mário Sottomayor Cardia, Nuno Brederode Santos, numa lista que espero seja fácil de recuperar na íntegra; e, finalmente, a decisão dilemática de terminar a greve em junho perante a eventualidade de uma ida aos exames em ordem dispersa e desmoralizadora para o futuro. Uma tão longa mobilização estudantil deveu-se à vontade geral, à gestão estratégica da crise e a uma primavera esplendorosa passada em parte no relvado do estádio universitário onde se realizavam os plenários.

8O verão foi um momento de grande repressão para muitos dos ativistas e para quase todos os grevistas da fome, como assinalo noutro texto. Quando cheguei dumas férias retemperadoras nos Açores, em meados de setembro, apercebi-me de uma certa movimentação para me elegerem Secretário-Geral da RIA. Jorge Sampaio, que havia exercido o cargo com tanto brilhantismo e inteligência, saíra da Universidade, Eurico Figueiredo, um natural candidato ao cargo, fora expulso da Universidade de Lisboa e o consenso formou-se facilmente à minha volta. Fui então, em outubro, com 20 anos, eleito secretário-geral da RIA para o ano letivo 1962-1963, sucedendo a um líder estudantil como Jorge Sampaio e a um momento de mobilização geral ímpar. Fui eleito, e aceitei, plenamente consciente que o seria para gerir aquilo que na gíria da altura se chamava «uma fase de refluxo»! A PIDE teve porém outro entendimento e prendeu-me umas semanas depois de eleito Secretário-Geral da RIA.

9Confirmava-se, entretanto, a previsão de que o movimento associativo entraria numa fase de refluxo. Entre 1963 e 1965, assistiu-se a um dos períodos de chumbo da atividade anti-fascista. A repressão abateu-se sobre os resistentes. Em 21 de janeiro de 1965, várias dezenas de estudantes comunistas foram presos, outros tiveram que desaparecer. Nessa noite, escrevi o comunicado das AEEE intitulado «No dia de uma Universidade cativa». Mobilizei-me, por imperativo categórico, na resistência contra a ditadura salazarista. Com a repressão, o movimento estudantil politizava-se cada vez mais, levantando novas bandeiras como a da luta anti-colonial e a condenação da guerra. Mas os ativistas resumiram-se então a poucas centenas. Em outubro de 1965, no seguimento de dezenas e dezenas de processos administrativos instaurados pelo Ministério da Educação naquele ano, fui expulso de todas as Universidades portuguesas por um período de três anos. Até o livro que foi publicado com o meu recurso para o Supremo Tribunal Administrativo – Universidade – recurso de um processo disciplinar, da autoria de Salgado Zenha, Jorge Sampaio e Jorge Santos – foi retirado de circulação pela PIDE em 1967!

10Lembro-me sempre com emoção desse punhado de jovens que se mantiveram em luta nas condições pessoais mais adversas.

11Para a minha geração, revolução não rimava com sucesso mas com resistência.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Medeiros Ferreira, « Esplendor na relva  », Ler História, 62 | 2012, 183-186.

Referência eletrónica

José Medeiros Ferreira, « Esplendor na relva  », Ler História [Online], 62 | 2012, posto online no dia 14 Abril 2015, consultado no dia 21 Julho 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/621 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.621

Topo da página

Autor

José Medeiros Ferreira

jmedfer@gmail.com
Professor universitário aposentado da FCSH-UNL e político.
Vice-Presidente da Pró-Associação da Faculdade de Letras de Lisboa em 1961-62;
Secretário-Geral da RIA em 1962-63, até ser preso pela PIDE;
Expulso de todas as Universidades portuguesas por três anos em outubro de 1965.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org