Navegação – Mapa do site
Espelho de Clio

História da presença judaica nos Açores

Inácio Steinhardt
p. 191-197

Texto integral

1O último ato público em que a professora Fátima Sequeira Dias participou foi uma conferência pronunciada no Centro de Estudos Portugueses Dartmouth, da Universidade de Massachusetts, em 28 de março de 2012. Significativamente, o tema da sua comunicação foi «A Brief History of the Jews in the Azores: from the 15th century to the Present». Significativamente, porque a obra da sua vida, demasiado curta, foi a história socioeconómica dos Açores, que está intimamente entretecida com a presença dos judeus marroquinos na época por ela mais estudada, os séculos XIX e XX. Fátima Sequeira Dias estudou a presença judaica nos Açores, desde os primeiros cristãos-novos, que no século XV vieram povoar as ilhas fugindo à Inquisição, até aos refugiados judeus da Europa, que vieram para escapar ao holocausto.

  • 1 Cfr: Steinhardt, Inácio (2012), Raízes dos Judeus em Portugal – Entre Godos e Sarracenos, Lisboa, N (...)
  • 2 Dias, Fátima Sequeira, «Os Judeus nos Açores e na Madeira», comunicação apresentada ao Encontro com (...)

2Foi principalmente ao período da imigração judaica do Norte de África, que a historiadora dedicou as suas investigações. A população judaica de Marrocos caracterizava-se por uma patriarcal devoção religiosa. A um judeu não era permitido viver num lugar onde não existisse, pelo menos, um quórum de 10 varões judeus para fazer as suas orações. O judaísmo é fundamentalmente uma religião étnica, internacionalista, mas não internacional. Os judeus não aceitam o proselitismo senão em casos muito especiais. Por isso, a conservação da religião ancestral obriga a uma endogamia que, no seio de uma comunidade pouco numerosa, se traduz por sucessivas alianças matrimoniais dentro das mesmas famílias1. É uma estratégia de concentração étnica, que Fátima Sequeira Dias interpretou como estratégia de concentração da riqueza.2

3A história da comunidade judaica dos Açores envolve necessariamente duas vertentes: a económica e a sócio-religiosa. A bibliografia dessa presença não é vasta. Mas aquela que existe, se excluirmos a vasta obra de Fátima Sequeira Dias, resume-se quase exclusivamente aos aspetos religiosos, comunitários e genealógicos da pequena população judaica. Como historiadora da economia dos Açores, Fátima Sequeira Dias enveredou pelos caminhos, ainda não investigados, da contribuição judaica como agente na evolução social e económica das ilhas. Tratou o tema com uma metodologia nova, explorando novas fontes, que ela própria foi desenterrar da poeira dos arquivos, públicos e privados, organizando-os e salvando-os, em benefício não só dos seus muitos trabalhos, mas também da comunidade científica.

4A sua tese de doutoramento, apresentada à Universidade dos Açores, em 1993, «Uma estratégia de sucesso numa economia periférica. A Casa Bensaúde e os Açores, 1800-1873», foi galardoada, em 1999, pela Associação Internacional de História Económica, como a melhor tese de doutoramento em História Económica, defendida nos últimos 5 anos.

  • 3 Ainda em 1816, houve uma denúncia à Inquisição de Lisboa, reportando-se a uma sinagoga que funciona (...)

5O período da presença judaica foi relativamente curto – pouco mais de meio século – mas teve uma influência indelével na transformação da estrutura socioeconómica da região. Teve início nos primórdios do moderno estabelecimento de judeus em território português, após 300 anos de ausência oficial. Os primeiros chegaram a Portugal logo no virar do século, quando a presença de judeus ainda era proibida e o Tribunal da Inquisição permanecia oficialmente, embora já bastante enfraquecido. Foram poucas as famílias que chegaram a Lisboa, vindos de Gibraltar, portadoras de passaportes britânicos. A Inquisição só foi abolida em 18213e foi mais ou menos por essa altura que chegaram os primeiros judeus do Reino de Marrocos.

6No final do século XVIII, a vida não corria de feição para a população judaica de Marrocos. Por um lado, sucessivas epidemias haviam dizimado recentemente as populações locais e criado condições económicas adversas. Por outro lado, uma certa instabilidade política, em que a sucessão do sultão era quase sempre decidida pelas armas, colocava os judeus, na sua situação de «tolerados», à mercê de frequentes saques e pogromes. Não surpreende, pois, que muitas famílias procurassem iniciar uma nova vida em países europeus, mais tolerantes. Trata-se sobretudo de homens de negócios que, nas suas terras natais, haviam desenvolvido negócios de importação com a Europa. Falavam várias línguas: árabe marroquino, judeo-árabe, hebraico, francês, inglês e, nas possessões espanholas, o espanhol e o hakitia (língua judeo-espanhola, diferente da que se falava nos Balcãs).

  • 4 Azevedo, João Lúcio de (1921), História dos Cristãos Novos Portugueses, Lisboa, A. M. Teixeira, pp. (...)

7Desde finais do século XVIII, as autoridades portuguesas davam indícios de que a prática religiosa do judaísmo seria tolerada em território nacional. Em 1797, na sequência do naufrágio de um navio português nas costas do Suriname, os seus tripulantes foram recolhidos e agasalhados pelos membros da comunidade judaico-portuguesa daquela colónia holandesa que, inclusive, lhes falavam na sua própria língua portuguesa. Surpreendidos pelo apego daqueles judeus às suas origens, o governo do Regente D. João dirigiu-lhes oficialmente um convite para se estabelecerem em Portugal «onde gozariam da maior segurança e tranquilidade, pois que nenhum daqueles motivos que deram causa à sua expatriação existem presentemente, debaixo da regência do augusto e iluminado Príncipe que nos governa»4. Os «convidados» decidiram declinar o convite até que as garantias oferecidas fossem confirmadas por lei na sua antiga pátria.

  • 5 São antepassados do ex-presidente da República Portuguesa, Jorge Sampaio. Sua avó materna era Sarah (...)

8Só nos alvores da era de Oitocentos se iriam renovar as comunidades judaicas em Portugal. Os primeiros destinos destes imigrantes foram o Algarve e os Açores. Naturalmente havia uma comunicação familiar entre as duas comunidades judaicas e aquela que se viria a desenvolver em Lisboa. Porquê o Algarve e não Lisboa, onde já viviam os correligionários, marroquinos como eles, mas cidadãos britânicos de Gibraltar? Uma das razões poderá ter sido a proximidade geográfica. Mas a história de Abraham Bensliman fornece-nos também uma pista bastante verosímil. Nascido cerca de 1760, em Mazagão, e residente em Meknés, Bensliman decidiu vir para Portugal, depois de ter sido forçado a viver, entre 1802 e 1808, escondido no subterrâneo de sua casa, para escapar aos frequentes saques, de que os judeus eram vítimas, durante as guerras da sucessão em Marrocos. O seu destino escolhido era Lisboa. Mas o empresário Jerónimo Martins, com quem mantinha relações de negócios, preveniu-o de que na capital ainda havia influência da inquisição, aconselhando-o a instalar-se em Lagos. Aí o imigrante judeu prosperou na indústria da pesca do atum, exercendo sempre a beneficência. Os pobres tratavam-no por tio Abraão. Bensliman faleceu em 1845 e a sinagoga que erigiu em Lagos já não existe. Os poucos judeus que vieram estabelecer-se perto de Bensliman, em Lagos, juntaram-se à comunidade que entretanto se formara em Faro. Seu filho, Aarão Bensliman, mudou-se para Lisboa, de onde, por desaires económicos, emigrou para o Brasil e depois para Ponta Delgada, onde a sua família se uniria, pelo casamento, aos Bensaúde5.

  • 6 Esclareço que os Bensaúde não eram Bensaúde e explico. O seu apelido era Assiboni. Na tradição da f (...)
  • 7 Todos os nomes de origem hebraica ou árabe aparecem nos documentos com diferentes grafias, dependen (...)

9Porquê os Açores? Nas ilhas do arquipélago, eles identificaram potencial para um comércio inovador e lucrativo. Quando chegaram aos Açores, a maioria dos judeus trazia stocks de tecidos para vender. Até então, a gente do povo vestia-se com roupas de linho, cultivado e tecido localmente, nas aldeias, em aparelhos primitivos, ou tecidos de lã de carneiro, também de criação local. Alguns estabelecimentos vendiam tecidos importados do Continente, cujos preços o povo não podia alcançar. Os judeus recém-chegados ofereciam agora tecidos portugueses e ingleses a preços inferiores aos dos comerciantes locais. Isso causou uma revolução social. Os primeiros judeus desembarcaram em Ponta Delgada, em 1819. Foram eles Abraão Bensaúde6, Salom (Shalom) Buzaglo, Arão Benayon, Jacob Mataná, Isaac Sentob e Arão Aflalo7.

  • 8 Sobre a vida de Salomão Bensaúde ver de Fátima Sequeira Dias, «Salomão Bensaúde: antes cidadão port (...)
  • 9 Dias, Fátima Sequeira (1995), «Um Percurso de Sucesso Numa Economia Periférica. A Casa Bensaúde e o (...)

10O primeiro judeu, desembarcado em Angra do Heroísmo de que há notícia é Salomão Bensaúde8, filho de Salom Assiboni. Não se sabe ao certo quando chegou, mas o primeiro documento em que é mencionado data de 1824. Sabe-se que foi para a Terceira como empregado de confiança de seu primo, Jacob Bensaúde, filho de Judah Assiboni (Bensaúde). Antes de 1834 mudou-se para Ponta Delgada. Foi o fundador da firma Salomão Bensaúde, Filhos & C.ª, e mais tarde de S. Bensaúde & Filhos, que acabou por se fundir com Herdeiros de Elias Bensaúde, numa nova firma com a designação de Bensaúde & C.ª, mais conhecida nos nossos dias como Grupo Bensaúde, a maior empresa do arquipélago, desde finais de Oitocentos até aos nossos dias9. Elias Bensaúde, também irmão de Abraham Bensaúde, construiu a sua residência num ponto alto, afastado da cidade de Ponta Delgada, que mais tarde passou a ser designado por Pico do Salomão, em nome de seu irmão Salomão, acima referido. Facilmente visível da estrada por quem vem do aeroporto para a cidade, é ainda hoje o lugar onde os Bensaúde têm as suas residências insulares.

11A nova concorrência não podia deixar de causar antagonismo por parte dos comerciantes locais. Acresce que os judeus, mercê das suas relações de longa data com os exportadores ingleses, tinham facilidade em pagar-lhes com letras a prazo. Tal alargou-se aos outros artigos que começaram a importar, louças, quinquilharias, e que vieram enriquecer a gama de mercadorias que os açorianos agora podiam comprar. Na altura do vencimento, tinham de viajar até Inglaterra, levando consigo o produto das suas vendas para pagar as mercadorias. Esta situação criou novos protestos: os estrangeiros esgotavam a moeda corrente no arquipélago, exportando os seus lucros. A moeda estrangeira de que necessitavam iam comprá-la ao Faial, onde aportavam navios estrangeiros e faziam aquisições nas moedas dos seus países. O governo viu-se forçado a condicionar a importação de mercadorias estrangeiras em contrapartida da exportação de produtos locais. Os judeus tornaram-se assim exportadores de laranjas e outros produtos açorianos.

12A sua contribuição para o desenvolvimento da economia dos Açores, e a consequente melhoria do nível de vida local, não podiam ser ignoradas. Por outro lado, eles ofereciam os produtos que importavam aos retalhistas e ambulantes locais, judeus e não-judeus, proporcionando-lhes lucros. Frequentemente constituíam sociedades mercantis com homens de negócio locais. Isso contribuiu para a sua aceitação no seio da população dos Açores, para a sua integração na sociedade local, e para a opção de se naturalizarem portugueses.

13A presença judaica nos Açores extinguiu-se cerca de 50 anos depois do seu início. Por volta de 1873, as famílias judaicas começaram, uma após outra, a debandar e buscar outras partidas, quer no Continente, quer no Brasil e outras terras. Tal como a sua chegada, também a partida se deveu a razões económicas. O declínio da produção e exportação da laranja, e a imposição de um regime de pautas aduaneiras menos favorável, levou os negociantes judeus a procurar novos rumos para a sua atividade empresarial. Na segunda metade do século XIX já a comunidade judaica dos Açores estava consideravelmente reduzida. Mas, de tal maneira marcaram o ambiente socioeconómico da região, que ainda hoje descendentes seus afirmam a sua presença e se distinguem como líderes da atividade empresarial dos Açores.

14Mercê de alguns empreendimentos ousados, como a Fábrica de Tabaco Micaelense, os investimentos turísticos, com destaque para a sociedade Terra Nostra, o desenvolvimento dos negócios de transporte marítimo e a fundação da Sociedade Açoriana de Transportes Aéreos – SATA, ligaram o nome Bensaúde aos baluartes da economia os Açores. O Grupo Bensaúde fundou o Banco Micaelense, depois Banco Comercial dos Açores, hoje BANIF-Açores. Criaram a Parceria Geral de Pescarias, para a faina do bacalhau, e a Empresa Insulana de Navegação. Envolveram-se na indústria do Açúcar, nos Seguros, Combustíveis, entre múltiplas outras atividades.

  • 10 Dias, Fátima Sequeira (2006), «Os Judeus nos Açores e na Madeira», Revista de Estudos Judaicos, n.º (...)

15Fátima Sequeira Dias não podia deixar de focar principalmente nas suas investigações o Grupo Bensaúde, cuja influência é tão importante que justifica o trocadilho «Os Bensaúde dos Açores ou os Açores dos Bensaúdes»10. Não gostava que a apontassem como «a historiadora dos Bensaúde». No entanto, a história económica dos Açores nos dois últimos séculos é a história da família Bensaúde. Não depende das opções da historiadora. Quase tudo quanto existe hoje nos Açores – e não existia no limiar da era de Oitocentos – ou pertence ao Grupo Bensaúde, ou nasceu dos empreendimentos dos membros desta família. Obtendo o acesso aos arquivos deste grupo e de algumas das empresas que eles criaram, como a Companhia de Tabacos Micaelense, a historiadora dos Açores prestou um serviço precioso à historiografia do arquipélago. Os filhos do industrialista José Bensaúde, por sua vez, distinguiram-se como cientistas, cujas obras tiveram grande impacto: Alfredo Bensaúde foi o fundador do Instituto Superior Técnico, Joaquim Bensaúde foi historiador dos descobrimentos portugueses, e Raul Bensaúde foi um distinto médico. Matilde Bensaúde, filha de Alfredo, foi uma notável bióloga, a primeira mulher portuguesa doutorada em biologia e uma das primeiras a exercer o cargo de diretora-geral.

  • 11 Dias, Fátima Sequeira (1989), «Moisés Sabat – um caso de insucesso na comunidade judaica de Ponta D (...)
  • 12 «Os azares de uma comunidade respeitável: o crédito malparado na praça comercial micaelense, na seg (...)

16Fátima Sequeira Dias não se limitou a estudar os sucessos dos judeus nos Açores. Desbravou todas as fontes disponíveis, analisou as causas e os efeitos de muitos erros e desaires empresariais11(a que não escaparam também os Bensaúde), as sociedades e alianças dos comerciantes judeus entre si e com outros comerciantes locais não-judeus.12

  • 13 Essa circunstância explica um problema existente atualmente na Ilha da Madeira. Também ali não exis (...)
  • 14 Dias, Fátima Sequeira, «Cemitérios Israelitas nos Açores», in Enciclopédia Judaica.

17A família Bensaúde assumiu também voluntariamente a conservação e manutenção do património material. Por onde passaram, os judeus tiveram a preocupação de criar duas instituições: primeiro um cemitério, depois uma sinagoga. Isso envolvia, naturalmente, uma organização comunitária que os unia. A primeira preocupação era sempre a aquisição de um terreno, para servir de cemitério para a comunidade. Só depois vinha a criação de lugares de culto, as sinagogas. A razão reside no facto de que a única exigência para a realização de atos de culto é a participação de dez correligionários varões. O local pode ser qualquer dependência numa casa particular, não necessita de um templo. Mas o terreno sagrado para a sepultura é imprescindível, porque aos judeus não é permitido fazer transladações. As campas são sempre perpétuas13. Os judeus dos Açores não foram exceção. Existiram cemitérios judaicos na Terceira (1832), S. Miguel (1834), Faial (1852) e S. Jorge (?)14. Existem todos ainda hoje porque os descendentes da família Bensaúde, embora muitos já não sigam a religião judaica, assumem em memória dos seus antepassados os custos da manutenção desses campos sagrados.

18Existiram pequenas sinagogas, em casas particulares, em Ponta Delgada, Angra do Heroísmo, Horta, e em Vila Franca do Campo (S. Miguel), onde viviam apenas 20 judeus. Todas essas sinagogas foram encerradas, quando partiram as últimas famílias judaicas e as suas alfaias, sobretudo os rolos da Lei (Torá), foram sendo transferidas para Ponta Delgada.

19Nos Açores distinguiram-se alguns rabinos e letrados importantes, como o rabino David Zagury, de Ponta Delgada, e Mimon Abohbot, de Angra do Heroísmo, ambos pregadores e autores muito conceituados, naturais de Essaouira (Mogador), a quem os judeus dos Açores consultavam em matéria de procedimentos. A sinagoga de Ponta Delgada, onde foram concentradas as alfaias e pergaminhos (antes de serem depositados temporariamente em Lisboa, ao cuidado da Comunidade Israelita local) era a única em edifício próprio, que foi adquirido por um grupo constituído por Abraão Bensaúde, seu irmão Elias, seu cunhado Isaac Zafrani, seu primo Salomão Bensaúde, Salom Buzaglo, José Azulai e Fortunato Abecassis. O primeiro rolo da Torá, em pergaminho, foi oferecido por Abraão Bensaúde, em memória de seus irmãos, Jacob e José, falecidos nos primeiros anos da sua chegada à ilha.

20Esta sinagoga esteve muitos anos quase ao abandono, por terem falecido ou partido os últimos judeus da ilha. Recebeu um primeiro trabalho de conservação, por ordem da família Bensaúde. Neste momento está a ser alvo de um plano de recuperação, como futuro Museu dos Judeus dos Açores, e lugar de culto para turistas judeus, um trabalho em que está empenhada a Câmara Municipal de Ponta Delgada.

21Fátima Sequeira Dias, embora não se tenha ocupado dessa vertente da história judaica dos Açores, interessou-se pessoalmente pelo lamentável estado da sinagoga da sua cidade natal. Fez parte, em representação da Universidade dos Açores, da comissão que estudou a solução possível, e, quando esta foi encontrada, foi com grande satisfação que mo comunicou.

22A trágica partida de Fátima Sequeira Dias deixou ainda muito trabalho para ser feito. Deixou dois livros por acabar. Mas deixou também nos Açores a vontade de recuperar a sua herança judaica, como ficou demonstrado na Conferência Internacional convocada pelo Governo Regional, em março de 2012, em Ponta Delgada.

Topo da página

Notas

1 Cfr: Steinhardt, Inácio (2012), Raízes dos Judeus em Portugal – Entre Godos e Sarracenos, Lisboa, Nova Vega, pp. 18-21.

2 Dias, Fátima Sequeira, «Os Judeus nos Açores e na Madeira», comunicação apresentada ao Encontro comemorativo «Dois Séculos de presença judaica», Lisboa, 2004, p. 47; publicado em Dias, Fátima Sequeira (2007), Indiferentes à Diferença: os Judeus dos Açores, nos séculos XIX e XX, Ponta Delgada, Universidade dos Açores, pp. 17-30.

3 Ainda em 1816, houve uma denúncia à Inquisição de Lisboa, reportando-se a uma sinagoga que funcionava na casa de Fortunato Benoualid, no 3.º andar de um prédio na Rua do Ouro, 194 (que depois teve o n.º 257c), onde oficiava o rabino Abraham Dabella. No entanto, a denúncia não teve seguimento. Cfr. Salomon, Herman P. (2000), «Um documento inédito sobre a “moderna” comunidade Israelita de Lisboa», Cadernos de Estudos Sefarditas, n.º 1.

4 Azevedo, João Lúcio de (1921), História dos Cristãos Novos Portugueses, Lisboa, A. M. Teixeira, pp. 494-495.

5 São antepassados do ex-presidente da República Portuguesa, Jorge Sampaio. Sua avó materna era Sarah Bensliman Bensaúde.

6 Esclareço que os Bensaúde não eram Bensaúde e explico. O seu apelido era Assiboni. Na tradição da família há duas explicações para a mudança do nome para Ben-Saúd, ou Bem-Saúde, que seria o nome de um padrinho judeu, que ajudou o fundador da família, ou de um árabe que os escondeu e protegeu dos pogromes em Marrocos. O facto é que entre os que se mantêm judeus, o nome usado em hebraico, quando são nomeados na cerimónia de circuncisão, chamados para qualquer honra na sinagoga, no ato do casamento e até nas inscrições tumulares é sempre e apenas Assiboni. Sobre a etimologia deste nome hebraico há mais do que uma versão, sendo a mais provável «o tintureiro». O apelido Bensaúde não é aí mencionado. Assim, o judeu que chegou a Ponta Delgada, em 1819, era Abraham Assiboni, que usava o apelido Bem-Saude.

7 Todos os nomes de origem hebraica ou árabe aparecem nos documentos com diferentes grafias, dependendo do funcionário que os ouvia ou copiava de outros documentos.

8 Sobre a vida de Salomão Bensaúde ver de Fátima Sequeira Dias, «Salomão Bensaúde: antes cidadão português do que súbdito britânico, (... -1865)», in Dias (2007), Indiferentes à Diferença….

9 Dias, Fátima Sequeira (1995), «Um Percurso de Sucesso Numa Economia Periférica. A Casa Bensaúde e os Açores, 1800-1873», Jornal de Cultura, Ponta Delgada; Dias, Fátima Sequeira (1996), «Os empresários micaelenses no século XIX: o exemplo de sucesso de Elias Bensaúde (1807-1868)», Análise Social, n.º 136-137, pp. 437-464.

10 Dias, Fátima Sequeira (2006), «Os Judeus nos Açores e na Madeira», Revista de Estudos Judaicos, n.º 9,
pp. 44-48.

11 Dias, Fátima Sequeira (1989), «Moisés Sabat – um caso de insucesso na comunidade judaica de Ponta Delgada no século XIX (…-1864), Arquipélago, Série de História, revista da Universidade dos Açores, vol. XI, pp. 195-231.

12 «Os azares de uma comunidade respeitável: o crédito malparado na praça comercial micaelense, na segunda metade de Oitocentos», Dias (2007), Indiferentes à Diferença… Publicado primeiro Atas do Colóquio de História Económica e Empresarial e Economia Açoriana, promovido pelo Centro de Investigação e Documentação da História do BES, Ponta Delgada, 17 de julho de 2002, Ponta Delgada, 2004, pp. 95-136.

13 Essa circunstância explica um problema existente atualmente na Ilha da Madeira. Também ali não existe hoje qualquer comunidade judaica. O cemitério judaico do Funchal, localizado sobre a costa, encontra-se, há muitos anos, em adiantado estado de deterioração. Algumas campas já foram arrastadas pelas ondas. As autoridades locais propuseram a transladação de todo o cemitério para outro lugar. Porém, os rabinos que visitaram o cemitério mantêm-se relutantes em autorizar que «se perturbe o repouso eterno dos finados».

14 Dias, Fátima Sequeira, «Cemitérios Israelitas nos Açores», in Enciclopédia Judaica.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Inácio Steinhardt, « História da presença judaica nos Açores », Ler História, 64 | 2013, 191-197.

Referência eletrónica

Inácio Steinhardt, « História da presença judaica nos Açores », Ler História [Online], 64 | 2013, posto online no dia 11 Novembro 2014, consultado no dia 23 Novembro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/646

Topo da página

Autor

Inácio Steinhardt

Investigador, tradutor, empresário, jornalista, ensaísta e estudioso do judaísmo em Portugal.
inacio@steinhardts.com

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org