Navegação – Mapa do site

Editorial

Fátima Sá e Melo Ferreira, Fernanda Rollo e Frédéric Vidal
p. 5-6

Texto integral

1Em momento de transição e de passagem de testemunho gostaríamos de apresentar, em palavras breves, as linhas de continuidade e de mudança em que a actual direcção da Ler História se pretende empenhar.

2Conscientes da responsabilidade de assumir a direcção de uma revista nacional e internacionalmente respeitada, que se publica sem interrupção desde 1983, o que não é muito frequente no nosso panorama historiográfico, pretendemos ser fiéis às suas origens, em particular no que que se refere ao carácter aberto e plural que sempre a norteou. Uma pluralidade que se espelha, desde logo, nas diferentes pertenças institucionais dos seus redactores, na variedade de temáticas e perspectivas teórico-metodológicas que a revista acolhe e no diálogo com outras áreas das ciências sociais e humanas que promove desde a sua origem e que lhe é, de certa forma, matricial, como o é também a dimensão comparativa que desde o início valorizou.

3Empenhados na manutenção do perfil académico que sempre caracterizou a Ler História parece-nos importante reforçar a sua posição neste domínio, acentuando a sua dimensão reflexiva e estimulando nas suas páginas o debate teórico e metodológico sobre temas e questões que a insiram em grandes debates internacionais recentes como os da História narrativa versus descontrutivismo, ou da História nacional, da História comparada, da História conectada e da História transnacional.

4Embora tendo na História de Portugal e do Império Português um ponto de ancoragem fundamental, consideramos que esse pressuposto não deve ser limitativo nem excludente de outros espaços historicamente pertinentes e passíveis de contribuir para alargar o público da revista como a História ibérica, a História do mundo ibero-americano, a História da Europa e do Mediterrâneo, cujas potencialidades são patentes em diversos projectos e redes de investigação actuais.

5Acrescentaríamos ainda que, privilegiando a História Moderna e Contemporânea, como reflecte a composição da sua redacção e do seu corpo de consultores, a Ler História não deve excluir definitivamente outras épocas, embora lhes reserve necessariamente um lugar de menor relevo.

6O mesmo princípio se aplica ao diálogo interdisciplinar, do qual não prescindimos, conscientes que estamos tanto das suas possibilidades como do carácter flutuante das linhas de fronteira disciplinar com outras ciências sociais e humanas, da economia à sociologia, à antropologia ou aos estudos sobre a linguagem.

7No que respeita à organização das secções onde o debate científico se deve predominantemente situar, optámos por fundir as antigas secções de «Recensões» e de «Críticas e Debates» numa única secção nomeada «Em Debate». Nesta secção se procurará espelhar a visão da Ler História sobre temas e áreas de análise a privilegiar pela sua importância científica, carácter inovador e lugar numa agenda historiográfica não apenas portuguesa mas internacional, com relevo para a das regiões e temáticas presentes na revista, ou seja: Portugal e o Império Português envolvendo dimensões pós-coloniais, o mundo ibérico e ibero-americano, a Europa e o mundo mediterrânico.

8Em matéria de exigência e rigor científico dos conteúdos não pretenderemos inovar, mantendo-nos fiéis ao padrão elevado que desde a sua fundação a Ler História tem procurado garantir, reforçado desde há já alguns anos pela salutar prática da revisão por pares.

9Existindo na redacção da revista Ler História um consenso em torno da necessidade de aumentar a sua visibilidade e a sua disseminação e circulação nacional e internacional, os seus conteúdos passarão, a partir do próximo ano de 2015, a circular em plataformas digitais de difusão editorial, indexadas nas principais bases de dados ou motores de pesquisa, o que encaramos como uma etapa fundamental e urgente em matéria de inovação. Acresce o propósito da ampliação e acessibilidade a um público mais vasto, que a difusão em plataforma digital proporciona, permitindo corresponder aos desafios do acesso aberto à informação e, em especial, cumprindo propósitos de responsabilidade social e partilha do saber com que nos identificamos.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Fátima Sá e Melo Ferreira, Fernanda Rollo e Frédéric Vidal, « Editorial », Ler História, 66 | 2014, 5-6.

Referência eletrónica

Fátima Sá e Melo Ferreira, Fernanda Rollo e Frédéric Vidal, « Editorial », Ler História [Online], 66 | 2014, posto online no dia 26 Abril 2015, consultado no dia 16 Agosto 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/653

Topo da página

Autores

Fátima Sá e Melo Ferreira

Artigos do mesmo autor

Fernanda Rollo

Frédéric Vidal

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org