Navegação – Mapa do site
Dossier: I Guerra Mundial, Globalização e Guerra Total

Soldado de África! Quantas medalhas te puseram no peito? Portugal e África numa Guerra Global

Soldier of Africa! How many medals did they put in your chest? Portugal and Africa in a Global War
Soldat africain! Combien de médailles t’a-t-on accrochées à la poitrine? Le Portugal et l’Afrique dans une Guerre Globale
Maria Fernanda Rollo
p. 79-97

Resumos

Porque razão, estando o império africano tão incorporado no imaginário português, a frente africana de guerra, onde Portugal esteve presente entre 1914 e 1918 e para onde mobilizou cerca de 50 000 homens acabou por ficar ofuscada pela pouco consensual intervenção do exército português na Flandres?
Com este artigo pretende-se contribuir para o aprofundamento do estudo dos motivos que estimularam a intervenção portuguesa em África, concorrendo para a apreciação da importância e do impacto que essa presença deteve não só no contexto nacional, para lá do debate histórico e historiográfico em torno do intervencionismo-não intervencionismo, mas ainda da percepção do papel de Portugal e das colónias portuguesas no estudo geral da I Guerra Mundial.

Topo da página

Texto integral

Introdução: Soldado de África! Quantas medalhas te puseram no peito?

1Porque razão, estando o Império Africano tão incorporado no imaginário português, a frente africana, onde Portugal esteve presente entre 1914 e 1918, e para onde mobilizou cerca de 50 000 homens acabou por ficar, quase sempre, ofuscada pela pouco consensual intervenção do exército português na Flandres?

  • 1 António de Cértima, Legenda Dolorosa do Soldado Desconhecido de África, s/l, s/e, 1925, p. XI.

2Por outras palavras, como António de Cértima chamou a atenção numa pequena síntese literária publicada em 1925: «Olha o que vai lá por fora! É o «9 de Abril», – é a apoteose do teu irmão que morreu na Flandres, mais rico e mais nobre do que tu, cheio de honras e medalhas e citações gloriosas, ao serviço, decerto, de melhor Pátria que a tua...(...) Soldado de África! Quantas medalhas te puseram no peito?»1.

  • 2 Luís Alves de Fraga, Portugal e a Primeira Grande Guerra. Os objectivos políticos e o esboço da est (...)
  • 3 Nuno Severiano Teixeira, Poder (O) e a Guerra 1914-1918. Objectivos Nacionais e Estratégias Polític (...)

3A já extensa historiografia portuguesa dedicada ao tema de Portugal e a Grande guerra tem privilegiado o estudo da presença de Portugal na frente europeia, salientado o impacto determinante da guerra no percurso da I República, nomeadamente em termos políticos, e analisado com grande detalhe o debate e as razões que envolveram a intervenção portuguesa. Aspecto que aliás tem sido objecto de uma multiplicidade de análises e interpretações, sobretudo a partir dos primeiros anos da década de 90, quando foram publicados os trabalhos de Luís Alves de Fraga2 e de Nuno Severiano Teixeira3. Ambos os autores, seguindo trajetórias de análise bastante idênticas, identificam três razões para explicar a participação portuguesa no conflito: a tese europeia ou peninsular, apoiada no argumento de que a República entrou na Guerra para reconquistar o lugar há muito perdido por Portugal no concerto das nações europeias; a tese da defesa da República, sustentando que a intervenção de Portugal na Guerra deve ser lida e interpretada como parte integrante da estratégia do Partido Democrático de Afonso Costa, para quem a intervenção militar era encarada como um meio para consolidar internamente a República e, finalmente, a tese colonial, assente no papel e na importância das colónias portuguesas em África e no modo como estes territórios foram sendo encarados como moeda de troca ou mecanismo de compensação no quadro geo-estratégico internacional.

4Paradoxalmente, embora a centralidade que o assunto revestiu, e que tem sido devidamente salientada, são relativamente escassas as investigações concentradas na caracterização e análise da participação portuguesa em África, considerando nomeadamente os seus impactos e como, para além das razões, intensamente escrutinadas pela historiografia, que motivaram o debate e a intervenção portuguesa, a guerra no continente africano constituiu um dos vectores e instrumentos essenciais de mundialização/globalização de um conflito que inexoravelmente envolveria Portugal.

  • 4 Marco Fortunato Arrifes, A Primeira Grande Guerra na África Portuguesa. Angola e Moçambique (1914-1 (...)
  • 5 Aniceto Afonso, Grande Guerra. Angola, Moçambique e Flandres 1914-1918, Lisboa, QuidNovi, Janeiro d (...)
  • 6 Valentim Alexandre, Velho Brasil Novas Áfricas. Portugal e o Império (1808-1975), Lisboa, Afrontame (...)

5Na verdade, se excluirmos o trabalho de Marco Fortunato Arrifes4, mais focado no quotidiano e na vivência das tropas portuguesas em África, e o livro recente de Aniceto Afonso5, onde se analisa a experiência do exército português nos três teatros de operações, Angola, Moçambique e Flandres, mais concentrada na sua dimensão táctica ou militar, a historiografia dedicada à intervenção portuguesa em África, em particular focando os objectivos políticos da República que sustentaram o empenho nesse esforço de guerra continuam por sistematizar. Ainda de referir que os anos da I Guerra Mundial só muito sumariamente têm sido abordados nalguns dos estudos clássicos do colonialismo português, em particular as obras de Clarence-Smith e de Valentim Alexandre6. Ambos os autores optaram por dedicar maior atenção às transformações verificadas no pós-guerra, com particular destaque para a nomeação, na década de 20, dos Altos Comissários para Angola e Moçambique, Norton de Matos e Brito Camacho, respectivamente, abordando, de forma pouco detalhada, os anos da I Guerra Mundial.

  • 7 António José de Almeida, «Boa sorte in República, 5 de Novembro de 1914, p. 1 e «Em plena carnifi (...)
  • 8 Brito Camacho, Portugal na Guerra, Lisboa, Guimarães & C.ª Editores, 1934, p. 170.

6Acresce o facto de, contrariamente ao que sucedeu relativamente à participação do exército português na Flandres, o envio de tropas portuguesas para África nunca ter sido alvo de qualquer crítica ou objecção, reunindo o consenso dos diferentes partidos que compunham o espectro político do republicanismo. Logo a 5 de Novembro de 1914, em artigo publicado no jornal República, António José de Almeida, então líder do Partido Republicano Evolucionista expunha cristalinamente a razão de ser da mobilização de tropas portuguesas para o continente africano: «Eles vão a África para um efeito único: defender a terra que nos legaram os nossos maiores. Vão combater para que permaneça sob a nossa bandeira a terra que é o ossuário dos nossos mártires e túmulo dos nossos heróis. Eles não vão talar, arrasar, conquistar o solo alheio; vão defender a própria terra. Eles não querem avassalar ninguém; querem apenas bater-se para que ninguém nos avassale. Eles não se sentem animados pela cobiça do que é dos outros; desejam apenas guardar para os portugueses aquilo que é deles, porque legitimamente o herdaram de quem o conquistou com a força dos seus braços e o sangue do seu corpo»7. Também o unionista Brito Camacho, que desde a notícia da declaração de guerra da Grã-Bretanha à Alemanha, em Agosto de 1914, manifestara a sua adversidade quanto a uma intervenção de Portugal no teatro de guerra europeu, esgrimia argumentos para justificar sem reservas a campanha militar em África: «Guerrearíamos em África? Aí paga-se em notas do Banco de Portugal, em notas do Banco Ultramarino, e a judiaria financeira não tinha a margem de lucros que ambicionava. O mesmo não sucederia guerreando-se na França, porque aí teria de se pagar em ouro, e pois que o Estado o não tinha, carecia de o pedir emprestado»8.

7Pretende-se, neste artigo, contribuir para o aprofundamento do estudo sobre os motivos que estimularam a intervenção portuguesa em África, concorrendo para a apreciação da importância e do impacto que essa presença deteve não só no contexto nacional, para lá do debate histórico e historiográfico em torno do intervencionismo-não intervencionismo, mas ainda na percepção do papel de Portugal e das colónias portuguesas no estudo geral da I Guerra Mundial.

8Identificam-se e analisam-se quatro questões fundamentais, constituin-
do objectivos políticos que estimularam o esforço de guerra e susten-
taram a presença das tropas portuguesas em África: a manutenção da integridade do império; a aliança luso-britânica e as relações com a Grã-Bretanha em África; a posição do império português e a sua importância na manutenção do equilíbrio regional de poderes; a recuperação do triângulo de Quionga.

A integridade do Império

9África, ou se se preferir, a problemática da defesa da integridade do império colonial português, tem sido apontada pela historiografia portuguesa como um dos factores e argumento determinantes no contexto do debate sobre a participação portuguesa no teatro de guerra europeu, ao lado da aliada Grã-Bretanha, no início de 1917.

  • 9 Cf. Valentim Alexandre, «A África no imaginário político português (séculos XIX-XX)» in Penélope: O (...)

10A ideia da indivisibilidade do império constitui um ponto de partida para sublinhar a importância e a centralidade adquirida pela questão colonial na história portuguesa ao longo dos últimos dois séculos; problemática que, como identificou Valentim Alexandre, surgiu quase sempre indissociada da questão central da identidade e da sobrevivência nacional9.

  • 10 Raul Rego, História da República – O Firmar do Regime, Vol. III, Lisboa, Círculo de Leitores, Março (...)
  • 11 Correspondência da Grande Guerra. Coronel Manuel Maia Magalhães (Org. Vitorino Magalhães Godinho), (...)
  • 12 Sobre esta questão ver nomeadamente a introdução de Miguel Bandeira Jerónimo ao livro de Andrew Por (...)

11Na opinião de autores como Raul Rego10 ou, mais recentemente, Vitorino Magalhães Godinho11, o Partido Democrático (no poder quando o assassínio de Sarajevo teve lugar), defendeu a participação de Portugal na Guerra na Europa; entre outros aspectos, porque teria tido conhecimento do teor do acordo secreto realizado em Agosto do ano anterior entre alemães e britânicos. O acordo, precisamente, visava a partilha das colónias de Angola, Moçambique e São Tomé e Príncipe, tornando praticamente inseparáveis questões coloniais e política externa; colocando, uma vez mais, em evidência a importância do continente africano no conjunto das relações internacionais portuguesas. Na verdade, inscrevendo a questão no contexto global em que deve ser analisada e perspectivada, sobressai em que medida o mapa de África, desde a última década do século XIX até ao início da
I Guerra Mundial, consubstanciou a passagem de uma Europa unipolar, onde a Grã-Bretanha era hegemónica, para um continente cada vez mais multipolar, onde a presença de países como a Alemanha, a Rússia e a França, se vinha tornando cada vez mais notória, nomeadamente através do estabelecimento de esferas de influência de intensidade e dinâmicas variáveis, a que vastas áreas de um continente africano cada vez mais fragmentado não ficaram imunes12. A proposta de divisão do império colonial português acabaria por causar também alguma apreensão à França, que acabaria por interpretá-la como uma ameaça indirecta à sua colónia de Madagáscar.

  • 13 António José de Almeida, «Bragança, o último» in O Ultimatum, 23 de Março de 1890, p. 1, e Ana Paul (...)
  • 14 Norton de Matos, Memórias e trabalhos da minha vida. Factos, acontecimentos e episódios que a minha (...)

12O ultimato britânico de 1890, em boa medida reflectindo o cariz e a natureza global do imperialismo europeu de finais de Oitocentos, empurrara Portugal para a posição de ter que disputar um lugar na geografia política tanto europeia como africana. Ora, a geração republicana que estava no poder quando o conflito eclodiu na Europa no Verão de 1914, era a mesma que tinha vivido o ultimato; a mesma que criticou acérrima e publicamente a política de cedência aos interesses ingleses protagonizada pelo rei D. Carlos, considerando-a uma verdadeira humilhação nacional. O imperativo da manutenção do império uno e indivisível, cuja defesa era preciso assegurar, surgia doravante combinada, na óptica da propaganda republicana, com a indispensabilidade da realização de uma mudança de regime político capaz de o garantir. Recorde-se, apenas a título de exemplo, a posição de António José de Almeida, futuro chefe do governo de «união sagrada», criticando duramente a opção seguida pelo monarca português, que deu aso a três meses de prisão em Coimbra13ou de Norton de Matos, Governador Geral de Angola em 1914, para quem o ultimato britânico representava, a par do convénio de 1870 negociado entre Andrade Corvo e Morier relativamente a Lourenço Marques e a conferência de Berlim de 1884-1885, a «(...) triste certeza da nossa incapacidade governativa perante os problemas fundamentais da grandeza nacional»14.

  • 15 Cf. Morais Sarmento, A expansão alemã causa determinante da guerra de 1914-1918 suas tentativas e p (...)
  • 16 Von Lettow-Vorbeck, As minhas memórias da África oriental, Évora, Minerva Comercial, 1923.
  • 17 Diário da Câmara dos Deputados, Sessão n.º 76 de 15 de Março de 1912, p. 5.

13Nas vésperas da Guerra, a Grã-Bretanha detinha o maior império em África, controlando cerca de 4/5 do comércio na região a Sul do Sahara; a Alemanha, por sua vez, dando continuidade à política iniciada por Bismark no final do século XIX, detinha um pequeno império, mas estrategicamente posicionado, estendendo-se de Madagáscar até à entrada do Mar Vermelho, e, além do mais em evidente afirmação. Até 1884 o comércio alemão na costa oriental de África, onde tanto a presença de Portugal como da Grã-Bretanha eram preponderantes, consistia apenas em algumas feitorias hamburguesas estabelecidas com base em convenções particulares negociadas com o Sultão de Zanzibar15. Esta situação alterou-se ao longo do final do século XIX e das primeiras décadas do século XX. O testemunho de Lettow-Vorbeck, no prefácio das suas memórias de África, é uma boa síntese: «Distinguia-se em todas as colónias alemãs uma vida prometedora, apesar de estarem sob o nosso domínio apenas há algumas dezenas de anos. Começávamos a compreender o seu valor. Aventuravam-se capitais e colonos, começavam a desenvolver-se as indústrias e as fábricas. Os métodos de colonização, comparados com os das outras colónias estrangeiras tinham-se aperfeiçoado, e os habitantes confiavam na nossa boa administração. Começava a esboçar-se este desenvolvimento quando a guerra mundial o destruiu»16. Do lado português, também havia essa percepção. Em Março de 1912, o presidente do ministério, Augusto de Vasconcelos, quando questionado na Câmara dos Deputados relativamente à orientação a seguir em matéria de política externa, afirmava que Portugal cumpria os seus deveres de potência colonial em África, referindo o papel e a importância das iniciativas levadas a cabo pelas grandes potências: «Dão-nos (...) hoje o exemplo franqueando às mais audazes iniciativas o solo das suas ricas colónias, em que se semeiam capitais de todas as bolsas (...) o que temos é que caminhar com elas e não deixá-las trabalhar a sós, onde nós temos imperiosos deveres de civilização a cumprir e interesses a salvaguardar»17.

14O período, diferenciando-se pela acentuada mundialização das trocas, como é sabido, ficaria marcado pela integração económica do continente africano na economia global. Situação para a qual contribuíram, para além dos instrumentos que determinaram a afirmação deste contexto de globalização, argumentos de diversa ordem, entre os quais cumpre incluir (i) a crescente rivalidade militar entre a Inglaterra, a Alemanha e a França (ii) a necessidade de, na sequência da Guerra Civil americana, a Europa encontrar novas fontes de abastecimento, nomeadamente algodão e (iii) a tentativa de, através da procura de novos mercados, se superarem alguns dos impactos da depressão económica europeia de 1873-1896.

15A ocupação do continente africano, considerando a crescente importância das regiões periféricas na geopolítica europeia das últimas décadas de Oitocentos, ganhava relevância, compondo o contexto em que eclodiu a Grande Guerra. O tempo registaria mudanças significativas. África deixaria de representar apenas mais um destino de comércio, para se transformar num território onde a Europa passava a exercer controlo político (até 1880, 80% do território africano era governado pelos seus próprios reis) e seria, pela primeira vez (excluindo as duas Guerras Bóers (1880-1881 e 1899-1902) que opuseram colonos de origem holandesa e colonos de origem francesa na região da actual África do Sul) palco de confronto entre brancos num território onde a população negra era maioritária.

  • 18 Cf. Maria Cândida Proença, A Questão Colonial no Parlamento, Lisboa, Colecção Parlamento/Publicaçõe (...)

16Quanto às colónias portuguesas, era evidente o estado de desenvolvimento incipiente que as caracterizava quando a I Guerra Mundial eclodiu: a população branca portuguesa era diminuta (cerca de 11 000 pessoas em Angola e 20 000 em Moçambique), a falta de quadros administrativos era notória, a rede de transportes insignificante, as fronteiras não se encontravam sequer demarcadas e alguns dos territórios, nomeadamente em Angola, não se encontravam completamente pacificados18. Acrescia que os territórios sob administração portuguesa faziam fronteira com os pertencentes aos dois impérios que disputavam o domínio das colónias no palco internacional.

17Será por todas as razões entendível a intensidade do debate em torno do desenvolvimento económico das colónias, concentrando-se em três aspectos principais: a implantação de uma rede ferroviária que ligasse o litoral ao interior e permitisse o escoamento de produtos autóctones; o desenvolvimento da agricultura e da pecuária; a fixação de colonos europeus que promovessem o efectivo desenvolvimento económico e civilizacional.

  • 19 Cf. Andrew Roberts, «Portuguese África» in AA.VV., The Cambridge History of Africa c. 1905-c.1940, (...)

18Estas questões, conforme Cândida Proença recentemente chamou a atenção, surgiam o mais das vezes associadas à questão da manutenção da soberania nacional, figurando entre os factores explicativos do falhanço do desenvolvimento colonial durante a I República, ou se se quiser, do próprio modelo colonial português. Na verdade, entre as últimas décadas do século XIX e o fim da I Guerra Mundial, uma parte considerável dos recursos financeiros da metrópole foram canalizados para a realização de campanhas de pacificação, nomeadamente em África e em Timor, intervenções militares, financeiramente dispendiosas, que eram conduzidas com o objectivo de ocupar o interior dos territórios, onde Portugal continuava a manter apenas uma presença junto à costa19.

  • 20 Maria Cândida Proença, A Questão Colonial no Parlamento..., p. 30.
  • 21 Cf. Manuel Lourenço Mano, Os Serviços dos Correios e Telégrafos na colónia de Moçambique: notícia h (...)
  • 22 Maria Fernanda Rollo, História das Telecomunicações em Portugal. Da Direcção Geral dos Telégrafos d (...)
  • 23 Cf. Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão de 17 de Julho de 1882, p. 2144. Ver igualmente (...)

19A situação era agravada pela insuficiência da rede de transportes, em particular caminhos-de-ferro, pondo em causa a capacidade do governo português controlar regiões distantes e de fazer transportar as tropas necessárias à pacificação de regiões sublevadas, mas também as possibilidades de promover o fomento económico, viabilizando a ligação litoral-interior e, consequentemente, a exportação ou escoamento de minerais das regiões mineiras e de produtos agrícolas dos planaltos, no caso de Angola20. No caso de Moçambique, desde 23 de Dezembro de 1876, quando foi publicado o Regulamento para a Administração e Fiscalização das Obras Públicas, que o estudo da construção e conservação de estradas, pontes, caminhos-de-ferro e telégrafos vinha sendo equacionado, numa tentativa de fomentar o desenvolvimento de infra-estruturas económicas ultramarinas21. Nesse mesmo ano D. Luís I outorgou ao britânico George Pigot Moodie a concessão da construção e exploração de uma linha férrea e telegráfica destinada a ligar Lourenço Marques ao Transvaal, contudo o projecto acabaria por ser adiado. A primeira linha telegráfica do território, fazendo a ligação Tangalene-Quelimane, entraria em funcionamento apenas em 187922. Relativamente a Angola, o primeiro regulamento dos correios e telégrafos foi aprovado em 1877, e em 1885 instalaram-se os primeiros 50 telefones na colónia. Na Câmara dos Deputados os novos meios de comunicação eram apresentados como um instrumento indispensável à manutenção da soberania nacional, encurtando distâncias entre espaços metropolitanos e coloniais e permitindo o acesso à informação quase em «tempo real»23.

  • 24 «Na Sociedade de Geografia. Conferência do Sr. Lisboa de Lima sobre a situação económica e financei (...)
  • 25 Morais Sarmento, A expansão alemã causa determinante da guerra de 1914-1918 suas tentativas e perig (...)

20Tanto Moçambique como Angola tinham bons portos, essenciais ao comércio com as regiões da África Central e do Sul. Nos primeiros meses do ano de 1914 o ministro das Colónias, Lisboa de Lima, numa conferência proferida na Sociedade de Geografia de Lisboa, assinalava que a vida económica e financeira de Moçambique estava «(...) absolutamente dependente da vida do Transvaal (...) As pernas viradas para norte e leste dessa imensa rede ferroviária da África do Sul, que nasce nos portos de Natal e Cabo, estão a estender-se como as pernas de um polvo sobre o Transvaal, à custa da diminuição da zona do porto de Lourenço Marques (...)»24. No final do ano anterior a Deutsche Ost Africa Linie, de Hamburgo, que explorava as ligações entre a Alemanha e Moçambique tinha anunciado a organização, a partir de 1 de Junho de 1914, de uma carreira marítima que devia fazer escala nos portos do Lobito e Moçamedes25.

21A insuficiência da rede de transportes, tanto em Angola como em Moçambique, constituiria um forte constrangimento à distribuição de víveres e material de apoio às tropas, colocando-as na dependência dos serviços dos carregadores, o que reflectia, também, os limites da administração portuguesa em matéria de ocupação, fomento e desenvolvimento dos territórios africanos.

  • 26 Pedro Lains, «Causas do colonialismo português em África: 1822-1975» in Análise Social, n.º 146-147 (...)

22Em síntese, apesar da introdução de algumas novidades tecnológicas e da política de desenvolvimento e de modernização do império iniciada a partir da década de 70 do século XIX, por iniciativa de Andrade Corvo, Portugal e África permaneciam afastados, sendo a soberania de Lisboa mais teórica que real. Dois indicadores de natureza distinta, ilustrando essa situação. À excepção das expedições reais a Marrocos no século XV, a única vez que um membro da família real esteve em África foi em Julho de 1907, quando o príncipe D. Luís Filipe visitou S. Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique, situação que não iria sofrer qualquer alteração após a implantação da República. Entre 1911 e o início da primeira guerra mundial, no Verão de 1914, nenhum dos seis titulares da pasta das colónias português visitaria qualquer território ultramarino. Quanto às relações económicas, os dados são também expressivos: em 1913, 16,3% da produção interna portuguesa destinava-se aos mercados africanos; África ocupava, por esta altura, o terceiro lugar, atrás da Europa (59,8%) e da América do Sul (18,7%), entre os principais destinos das exportações portuguesas26.

23O continente negro era ainda, em muitos aspectos, um espaço inacessível, vedado à presença dos europeus, incapazes de suportar o calor extremo que se fazia sentir praticamente todo o ano, e de encontrar na ciência, os instrumentos necessários para vencer as inúmeras patologias que continuavam a grassar violentamente, em particular a doença do sono e a malária.

  • 27 Decreto de 23 de Agosto, Diário do Governo, n.º 197 de 24 de Agosto de 1911.
  • 28 Maria Cândida Proença, A Questão Colonial no Parlamento..., p. 14.

24Por outro lado, haveria que esperar pela implantação da República para se avançar no sentido da definição de um enquadramento administrativo especificamente dedicado à gestão das possessões coloniais; até então, os assuntos relacionados com a respectiva administração eram dispersos entre as pastas dos Negócios Estrangeiros, da Marinha e Ultramar e da Guerra. É certo que uma das principais novidades introduzidas pelo regime republicano foi justamente a criação de um ministério das Colónias, a 24 de Agosto de 191127, abrindo caminho ao processo de descentralização administrativa do império tal como proclamado pela propaganda republicana; porém, quanto ao essencial e até ao final da República, ficar-se-ia pela apresentação de medidas avulsas e muitas vezes desconexas28. A excepção a uma gestão dispersiva e quase aleatória, foi a publicação, a 17 de Abril de 1913, por iniciativa do então Governador de Angola Norton de Matos, do Regulamento das Circunscrições Administrativas, que mais do que uma mera divisão administrativa, procurava definir as competências de diferentes órgãos locais. De resto, Colónias, Negócios Estrangeiros e Guerra, continuariam, até ao final de 1926, a intervir, separadamente, em assuntos relacionados com diferentes aspectos da realidade colonial.

25Procurou ainda a República acudir a questão da delimitação de fronteiras. O governo chefiado por Bernardino Machado autorizaria mesmo despesas, no ano económico de 1914-1915, até ao montante de 94 000$00 na demarcação de fronteiras nas colónias. É que os limites da fronteira norte da colónia de Moçambique eram ainda pouco conhecidos, em parte devido à dificuldade de entendimento entre Portugal e a Alemanha por causa da perda do triângulo de Quionga.

  • 29 Cf. National Archives of the United Kingdom (NAUK), FO 368/1383, Portugal. Report on the Commerce a (...)

26E, embora a situação realmente não se tivesse alterado substancialmente, o esforço republicano mereceria até um certo reconhecimento internacional, a crer na apreciação feita pelo Foreign Office, já durante a guerra, relativamente ao investimento feito por Portugal em matéria de desenvolvimento dos territórios africanos: «(...) indeed, when the resources of Portugal are compared with those of the other colonizing Powers, it is surprising to find how much has been done, especially since the Revolution, not only to make the colonial possessions profitable, but also to make them worthy of naturally human people»29.

27Porém, na véspera da Grande Guerra a opinião pública portuguesa continuava sem conhecer África e os africanos; solos e minas continuavam, em grande parte, por explorar, e as línguas dos indígenas permaneciam por estudar. A maioria dos titulares da pasta das colónias, mais do que criar política, limitava-se a supervisionar, a partir de Lisboa, territórios que nunca chegou a visitar, o que era, de resto, comum a potências coloniais, como a Grã-Bretanha ou a França. Todavia, como outrora, as colónias, a integridade do território português, significava muito mais que presença física, uma administração eficaz, ou interesses económicos, tal como as imediatas reacções ao início da guerra imediatamente provariam.

A aliança luso-britânica e as relações com a Grã-Bretanha em África

28A posição geo-estratégica internacionalmente relevante das colónias africanas, contrastante com a fragilidade da representação política, militar e económica da metrópole nesses territórios, a que se somava um passado de acontecimentos inquietantes e até ameaçadores da integridade do império, suscitaram a imediata atenção e os mais angustiados receios dos republicanos quanto aos efeitos da eclosão da guerra na Europa.

29Alguns episódios da história recente legitimavam a apreensão e apelavam a uma reacção rápida. Estava ainda muito presente a guerra entre a Grã-Bretanha e o Transvaal e o pedido feito ao governo português pelo comandante em chefe das tropas britânicas, Lord Roberts, para que tropas britânicas atravessassem Moçambique viabilizando um ataque ao Transvaal pelo norte. O início da guerra na Europa suscitava que desde logo se equacionasse o reforço das guarnições militares nas colónias, sobretudo nos territórios administrados pela Companhia do Niassa, onde a presença portuguesa era diminuta.

  • 30 Idem, pp. 283-284.

30Quando eclodiu a guerra, encontrava-se em Angola uma missão de engenheiros, agrónomos e médicos alemães que, acompanhada por portugueses, fora encarregada de estudar as potencialidades comerciais, minerais, agrícolas e industriais da província, esta era uma forma, bem visível, de penetração económica da Alemanha nas colónias portuguesas30. A missão, de que faziam parte como representantes do governo português Manuel Maria Coelho e Carlos Roma Machado de Faria e Maia, tinha como um dos seus objectivos estudar a ligação do caminho de ferro do sudoeste alemão à futura linha ferroviária do sul de Angola.

  • 31 Telegrama de 4 de Agosto de 1914 enviado pelo ministro de Portugal em Londres ao ministro dos Negóc (...)

31No caso de Moçambique, a sua posição geográfica dificilmente lhe permitiria escapar incólume aos efeitos de uma guerra que envolvesse o território vizinho da África do Sul. Daí que o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Freire de Andrade, logo após a declaração de guerra da Alemanha à Rússia, tenha telegrafado ao ministro de Portugal em Londres, Teixeira Gomes, pedindo-lhe para ver junto do Foreign Office qual deveria ser a atitude a tomar pelo governo português perante o conflito. No telegrama de resposta Teixeira Gomes afirmaria ter «(...) insistido com o governo inglês para estudar sem demora a defesa das nossas colónias de África contra o golpe de mão alemão»31.

  • 32 Cf. Portugal na Primeira Guerra Mundial (1914-1918). As negociações diplomáticas até à declaração d (...)
  • 33 Diário do Senado, Sessão de 7 de Agosto de 1914, p. 2.

32A resposta do governo inglês chegou a 4 de Agosto de 1914. Em telegrama dirigido ao chefe da Legação britânica em Lisboa, Lancelot Carnegie, o ministro dos Negócios Estrangeiros inglês, Eyre Crowe, aconselhou Portugal a abster-se de proclamar a neutralidade, assegurando que «em caso de ataque pela Alemanha contra qualquer possessão portuguesa, o Governo de Sua Majestade considerar-se-á ligado pelas estipulações da aliança anglo-britânica»32. Ou seja, como é conhecido, o que a Grã-Bretanha pretendia era que Portugal se mantivesse neutral sem, contudo, o declarar. Por trás desta tomada de posição do governo inglês estava a compreensão da importância estratégica dos portos atlânticos e de África poderem vir a ser utilizados pela Royal Navy, bem como a possibilidade de vir a ser autorizada a passagem de tropas britânicas pelos territórios coloniais portugueses. Três dias mais tarde, o presidente do Ministério, Bernardino Machado, discursou perante o Congresso da República. Na declaração que Machado proferiu, mantendo-se fiel aos compromissos assumidos no âmbito da aliança com a Grã-Bretanha, afirmou que Portugal possuía não só «(...) recursos próprios bastantes (...) como contava com um povo laborioso, garante da honra e do prestígio da Pátria»33, e, abstendo-se de declarar a neutralidade, deixou claro não haver qualquer intenção de ruptura entre o governo português, a Alemanha ou o império Austro-Húngaro. Para a diplomacia de Londres a declaração de Bernardino Machado permitia a Portugal desempenhar o papel de «aliado colaboracionista» capaz de fornecer peças de artilharia ou de garantir o direito de passagem de tropas, sem, todavia, entrar em confronto directo com os Impérios Centrais, orientação que, de resto, agradava, também, à Alemanha.

33Na circunstância, a política externa britânica prosseguia como linha orientadora o aproveitamento da conjuntura de Guerra como elemento potenciador da expansão dos interesses económicos do Reino Unido no Mundo, com particular enfoque na conquista das posições comerciais e industriais detidas pela Alemanha, tanto na Europa como em África; nesta matéria as colónias portuguesas, especialmente Moçambique, ocupavam uma posição significativa.

  • 34 «A guerra comercial» in Jornal do Comércio e das Colónias, de 26 de Novembro de 1914, p. 1.
  • 35 Sobre a assinatura do Tratado de Comércio e Navegação entre Portugal e a Grã-Bretanha veja-se em pa (...)

34É neste sentido, aliás, que se deve entender o telegrama-circular enviado dez dias após o início das hostilidades por Edward Grey aos consulados britânicos, demonstrativo da preocupação do Governo de Sua Majestade em obter todas as informações indispensáveis à prossecução de uma política comercial voltada essencialmente para a promoção e valorização do comércio inglês34. Daí o bom acolhimento que a pressão dos agentes comerciais britânicos interessados no comércio anglo-português encontrou junto do Governo britânico. A diplomacia britânica empenhar-se-ia, de resto, no estabelecimento de condições mais favoráveis à sua actividade comercial, acabando por conseguir alcançar o essencial dos seus objectivos através do tratado de comércio assinado entre os dois países, a 12 de Janeiro de 191435.

35Na verdade, as companhias alemãs controlavam o comércio de produtos coloniais moçambicanos, o que era facilitado pela combinação de uma política económica apostada em desenvolver equipamentos e infra-estruturas (portos, caminhos-de-ferro e linhas de navegação) indispensáveis ao escoamento e colocação desses produtos no mercado europeu.

A posição do império português e a sua importância na manutenção do equilíbrio regional de poderes

36A posição geográfica de Moçambique foi um dos elementos que condicionou, alargando-os, os objectivos por trás do envio de uma expedição àquele território. A Sul, os bóers ameaçavam revoltar-se, enquanto na Niassalândia se desenhavam movimentos nativistas, cuja dimensão e contornos, pouco claros, compunha um dos grandes receios do Colonial Office. Daí que as metas a atingir pelas tropas portuguesas acabassem por ser principalmente três:

  • reforço da guarnição da província de Moçambique;

  • submissão da população indígena em caso de revolta instigada pelas tropas alemãs;

  • cooperação com a Inglaterra nas operações a realizar, caso o auxílio português fosse solicitado.

  • 36 Sobre esta temática veja-se Marco Fortunato Arrifes, A Primeira Grande Guerra na África Portuguesa. (...)
  • 37 Biblioteca Nacional de Portugal, Arquivo de Cultura Portuguesa Contemporânea, Espólio de Manuel Tei (...)

37A Inglaterra tinha já declarado que não poderia proteger as fronteiras terrestres dos territórios portugueses no continente africano. Neste contexto, o envio de expedições militares para África, em particular para Moçambique, adquiria uma importância acrescida se colocada num cenário em que a África do Sul, cada vez mais autónoma da coroa britânica, representasse também ela, um perigo e uma ameaça crescente para o equilíbrio regional e para os interesses dos portugueses36. Já depois da entrada de Portugal na Guerra na Europa, Teixeira Gomes afirmaria que o envio de tropas para África era a única garantia que se oferecia a Portugal no sentido «(…) de impor no futuro algum respeito aos (…) vizinhos»37. No caso do Transvaal, Lourenço Marques era, há muito, a procurada saída do território para o mar. Por outro lado, haveria ainda que gerir as ambições da Bélgica relativamente a Cabinda, em Angola. Contudo e em todo o caso, Portugal deveria evitar que essas acções de defesa interna dessem origem a incidentes de cariz internacional.

  • 38 «A partida das expedições militares» in A Capital, 17 de Agosto de 1914, p. 1.
  • 39 Cf. Michelle Moyd, «We don’t want to die for nothing’: Askari at war in German East Africa, 1914-19 (...)

38Nas páginas do jornal A Capital defendia-se desta forma o envio de tropas portuguesas para África: »É natural que a nossa aliança, sobretudo depois de algumas afirmações trocadas entre os governos dos dois países, sirva de facto para garantir a integridade das possessões portuguesas. Mas querer alcançar essa garantia de braços cruzados, sem se mostrar de um modo efectivo que somos capazes, por nossa parte, de empregar também todos os possíveis esforços para defendermos aquilo que possuímos, é colocar o País numa situação humilhante e deprimente em face da grande nação inglesa que só há uma palavra para a traduzir: – protectorado»38. O comando do destacamento enviado para Moçambique foi entregue a Massano de Amorim, ficando subordinado ao Governo Geral da Província. As tropas, transportadas no paquete inglês Durham Castle, partiram de Lisboa a 11 de Setembro e chegaram a Lourenço Marques a 16 de Outubro de 1914, em plena época das chuvas. A guarnição militar da colónia era diminuta e fracamente preparada, a maioria dos seus membros não tinha frequentado sequer uma escola militar. A esta situação acrescia a falta de instrução militar das unidades mobilizadas, tanto para Angola como para Moçambique, bem como a pouca robustez física dos homens que as integravam, na sua maioria incapazes de suportar os efeitos do clima tropical. De resto, seriam muitos os homens a chegar a África já doentes, incapazes de resistir às terríveis condições de higiene vividas durante a viagem. Em Angola cerca de 21% dos efectivos mobilizados morreram antes de qualquer confronto com tropas inimigas. Mas essa situação não era exclusiva dos portuguesas; nem alemães, nem britânicos se encontravam devidamente preparados para um combate com europeus em África; no caso da Alemanha, a população europeia presente nos seus territórios, com excepção das colónias do Leste, era muito diminuta, e a sua defesa interna estava muito dependente da intervenção dos Askaris, cujo desempenho, de resto, se encontrava por esta altura longe, ainda, do mito que iria rodear a sua intervenção na I Guerra Mundial e que alguma historiografia mais recente tem ajudado a desconstruir39.

  • 40 Norton de Matos, Discurso pronunciado, em 1 de Agosto de 1913, pelo major Norton de Matos, Governad (...)
  • 41 Augusto Casimiro, Angola e o Futuro (Alguns problemas fundamentais), Lisboa, Livrolândia Limitada, (...)
  • 42 Cf. Norton de Matos, Memórias e trabalhos da minha vida. Factos, acontecimentos e episódios que a m (...)
  • 43 Idem, p. 105.

39Quando a notícia da declaração de guerra da Grã-Bretanha à Alemanha chegou a Angola era Norton de Matos quem desempenhava funções de governador geral da província. Norton ocupava o cargo desde o ano de 1912, e ao longo dos últimos dois anos vinha levando a cabo uma política de fomento do território que ancorara num amplo programa de construção de infra-estruturas que incluía o desenvolvimento dos serviços agrícolas, dos serviços de agrimensura e as circunscrições administrativas da província40. Com o início da guerra na Europa despertou o fantasma recorrente do perigo de uma invasão alemã do sul do território, daí que o governador geral tenha ordenado de imediato o reforço dos postos de fronteira, dando-lhes instruções para resistirem contra qualquer incursão armada ao território português41. Em Janeiro de 1913, Norton de Matos tinha escrito uma carta ao ministro das Colónias alertando-o para os perigos decorrentes do início de uma guerra envolvendo a Alemanha: «(...) dentro de poucos meses, a Alemanha fará rebentar a guerra e (...) um dos seus primeiros actos de agressão armada, será a invasão de Angola e Moçambique (...) o meu pedido instante que perante o Governo da República tão insistentemente tenho posto, para que se trate da defesa militar desta vastíssima região portuguesa»42. O Governador Geral de Angola acreditava que Portugal não estava preparado para se defender «(...) das cobiças de estrangeiros», sublinhando a falta de «objectivos nacionais» do povo português43.

  • 44 Idem, p. 84.
  • 45 Augusto Casimiro, Naulila, Lisboa, Seara Nova, 1922, p. 67.

40A 4 de Agosto de 1914 Norton de Matos reuniu em Lisboa com o presidente do Ministério, Bernardino Machado. Durante o encontro o Governador Geral de Angola disse ao chefe de governo estar convicto de que em caso de guerra entre a Alemanha e Portugal, numerosas tropas alemãs invadiriam Angola pelo sul, apoderando-se dos portos de Moçamedes e Lobito, dos dois caminhos-de-ferro que lhes davam acesso, e de todo o território desde as terras de Bailundo às bacias do alto Cassai44. Por esta altura, em Luanda, suspeitas de espionagem começaram a imperar em torno da comunidade alemã residente. No Lubango, o vice-cônsul germânico, Schoss, era acusado de manter relações directas com a Damaralândia (região da actual Namíbia), bem como de fazer sair através da fronteira terrestre angolana alimentos em direcção aos territórios alemães vizinhos. Augusto Casimiro conta, baseando-se no relato do soba do Ovambo-Ipumbo, que em Setembro askaris portugueses preparavam um ataque aos territórios alemães do sudoeste africano45.

  • 46 Palavras Claras. Razões da intervenção militar de Portugal na guerra europeia. Relatório publicado (...)

41O primeiro incidente entre Portugal e a Alemanha aconteceu pouco tempo depois, a 24 de Agosto, a norte de Moçambique, em Maziúa no Rovuma. O chefe do posto fronteiriço foi morto a tiro quando saía do quarto, surpreendido a meio da noite por forças alemãs vindas da vizinha África oriental46. Deu-se então praticamente como certo estar encontrado o pretexto para que Portugal se declarasse beligerante; mas os intervencionistas sabiam que o desfecho da guerra não se decidiria em África, mas sim na Europa, e à Inglaterra, como se viu, pouco ou nada interessava que Portugal abandonasse a posição «ambígua» em que se encontrava. Mas a declaração de guerra não chegou.

42No Atlântico, a Grã-Bretanha transformaria S. Vicente de Cabo Verde numa base naval para os navios britânicos que cruzavam o Atlântico. A relevância estratégica de S. Vicente de Cabo Verde, importante ponto de amarração de cabos submarinos, levaria ainda a República portuguesa a enviar em serviço de vigilância e protecção das suas águas o cruzador S. Gabriel, que ali permaneceu entre 27 de Setembro e 19 de Novembro de 1914.

  • 47 Biblioteca Nacional de Portugal, Arquivo de Cultura Portuguesa Contemporânea, Espólio de Augusto Ca (...)

43As primeiras tropas portuguesas tinham chegado a Moçâmedes (Angola), e a Lourenço Marques (Moçambique), a 1 e a 16 de Outubro de 1914, respectivamente. Em Dezembro desse ano deu-se um novo incidente com tropas alemãs, desta vez em Angola; as tropas portuguesas comandadas por Alves Roçadas foram derrotadas em Naulila e forçadas a retirar para Humbe. Evocou-se como principal argumento para justificar a derrota, a impreparação generalizada das forças expedicionárias portuguesas. É de salientar que, anteriormente a qualquer confronto com o inimigo, cerca de 21% dos efectivos mobilizados para Angola tinham já sido vitimados pela doença. Na realidade, como caracterizou Augusto Casimiro, esta era «(…) uma África mal ocupada ainda, com brancos solitários vivendo junto dos nativos, longe de qualquer força armada, muito além do Cuanza»47.

  • 48 «O banquete de hoje» in A Capital, de 17 de Dezembro de 1915, p. 1.

44Nas páginas de alguns jornais, em artigos mais ou menos inflamados, afirmava-se então que Portugal, apesar de não combater na frente europeia, devia ser considerado (…) como lutando perto das nações aliadas que combatem o imperialismo germânico48.

A recuperação do triângulo de Quionga

  • 49 Carta de 14 de Agosto de 1914 enviada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros português ao ministro (...)
  • 50 Idem, p. 34. Telegrama de 15 de Agosto de 1914 enviado pelo ministro de Portugal em Londres ao mini (...)

45Poucos dias depois, a 13 de Agosto, Lancelot Carnegie pediaria ao governo português que autorizasse a passagem de tropas através do Chinde (Moçambique) com destino à Niassalândia (actual Malawi)49. Na sequência deste pedido o ministro de Portugal em Londres, Teixeira Gomes, insinuou a Eyre Crowe que Portugal mantinha a ambição de reaver Quionga – o pequeno território situado na fronteira da África Oriental alemã ocupado por uma força naval germânica a 16 de Junho de 1894 – sem contudo «(...) mostrar ser intenção nossa pedir compensação pelo favor dispensado»50. A recuperação do triângulo de Quionga colocava-se assim, desde o início da guerra, como um dos objectivos da República para justificar o envio de tropas para África, ainda que a diplomacia portuguesa o não tivesse assumido publicamente.

  • 51 Ordem do Exército, n.º 19, I Série, 21 de Agosto de 1914.
  • 52 Idem.
  • 53 «O esforço militar português» in O Instituto – Revista Científica e Literária, Volume 67, n.º 2, Fe (...)

46A 18 de Agosto de 1914 Bernardino Machado decretou a organização e o envio de dois destacamentos mistos (artilharia de montanha, cavalaria, infantaria e metralhadoras) com destino a Angola e Moçambique51. No preâmbulo do diploma o governo reconhecia a conveniência de «(…) nas actuais circunstâncias, serem devidamente guarnecidos alguns pontos das fronteiras Sul da província de Angola e Norte de Moçambique»52. No total foram mobilizados 1525 homens para Angola e 1477 para Moçambique, contando então o exército português com pouco mais de trinta e um mil efectivos53.

47Sem comprometer a ambiguidade da posição portuguesa, nem neutralidade, nem beligerância, ambas as expedições foram organizadas pelo Ministério das Colónias, e não pelo Ministério da Guerra, porque desta acção não tinha resultado qualquer declaração de guerra à Alemanha ou aos seus aliados. As medidas tomadas por Portugal, com a aprovação da Grã-Bretanha, surgiam como meras disposições preventivas de defesa colonial. Refira-se que antes da guerra a defesa interna dos territórios da África central e oriental britânica estava entregue a tropas indígenas agrupadas no «King’s African Rifles». Visava-se, como objectivos da expedição com destino a Angola, impedir a invasão da colónia pelos alemães e levar a cabo a ocupação do Cuanhama (sul de Angola). Para que os objectivos da expedição não fossem confundidos com uma investida agressiva de Portugal em relação à Alemanha, um dos seus fins explicitados foi, justamente, a ocupação e a pacificação da região do Cuanhama, e não a defesa da fronteira sul do território angolano, uma região, de resto, árida e praticamente deserta. Alves Roçadas foi o oficial nomeado para comandar este destacamento. O desembarque em Moçâmedes teve início a 1 de Outubro de 1914, os expedicionários tinham partido de Cascais a 12 de Setembro. A ocupação da região sul de Angola só seria concluída pelas forças comandadas pelo general Pereira d’Eça durante o ano de 1915.

48Quanto a Quionga, o território acabaria por ser recuperado, já em Abril de 1916, por forças comandadas pelo tenente-coronel José Luís de Moura Mendes. No final da guerra, a 25 de Setembro de 1919, o Conselho Supremo das Potências Aliadas restituiria formalmente Quionga a Portugal.

  • 54 Cf. Augusto Casimiro, Naulila, Lisboa, Seara Nova, 1922, p. VI.

49Ficava cumprida a salvaguarda da integridade essencial. Na síntese de Augusto Casimiro, ficava confirmado Portugal, que como «(...) Estado independente exige o mantenimento do nosso império colonial. Independência e colónias são os dois padrões essenciais à nossa existência, os dois frutos gloriosos»54.

Conclusões

  • 55 Ver em particular, Nuno Severiano Teixeira, O Poder e a Guerra 1914-1918. Objectivos Nacionais e Es (...)

50Apesar da defesa de Angola e de Moçambique ter constituído um factor importante de mobilização, o único capaz de reunir o consenso da sociedade portuguesa em torno da participação na Guerra, a intervenção de Portugal no teatro de guerra africano não significou o abandono da neutralidade, não dando origem a qualquer declaração de guerra por parte da Alemanha. A Grã-Bretanha nunca entreviu, aliás, qualquer contradição entre a cooperação militar prestada por Portugal no teatro africano e a manutenção da neutralidade da República55.

  • 56 Números baseados em: Ferreira Martins (dir.), Portugal na Grande Guerra, Volume Segundo, Lisboa, Ed (...)

51Num esforço considerável, Portugal, sobretudo tendo em consideração as limitações e a natureza económica e financeira do País, conseguiu, ao longo de quatro anos, mobilizar cerca de 50 000 mil homens para África. O número de mortos, em combate e por doença, ficou perto dos 3 000 e cerca de 1 300 homens ficaram fisicamente incapacitados56. E, todavia, apesar do que o Império africano significou para Portugal até à Revolução de 25 de Abril de 1974, o estudo do esforço levado a cabo pela I República na frente africana da grande guerra e dos combatentes que lhe deram rosto continua a ser pouco explorado pela historiografia nacional, sobretudo quando comparado com as análises da intervenção das tropas portuguesas na Flandres.

  • 57 «Conferência na Sociedade de Geografia, de Lisboa em 8 de Maio de 1916 feita por Lisboa de Lima» in (...)

52A participação de Portugal na Grande Guerra marcou uma inflexão no modo e na forma como diversos sectores da sociedade, designadamente os políticos e os industriais, passaram a encarar a necessidade de se estreitarem relações entre o território metropolitano e o espaço colonial, aproveitando possibilidades e recursos que se revelavam decisivos para alimentar um esforço de guerra crescente. Ou, como à época sintetizou o engenheiro Lisboa de Lima, só podíamos enfrentar as dificuldades, «conjugando os esforços de todos e cada um (…) quer na Metrópole quer nas colónias, para trabalhar numa mesma orientação não se procurando salvaguardar de preferência os interesses metropolitanos ou coloniais, porque todos eles são portugueses (…)»57.

  • 58 António de Cértima, Legenda Dolorosa do Soldado Desconhecido..., p. 14.

53Apesar das vidas envolvidas e da necessidade imperativa de se manter o império «uno» e «indivisível» os políticos e diplomatas portugueses, tal como os seus homólogos, britânicos, franceses, belgas ou alemães, estavam certos que seria na Europa que o conflito se resolveria. As palavras de António de Cértima, a que uma vez mais se recorre, dão também conta desse sentir: «(...) Herói, Santo e Esquecido, eu vejo os teus ossos anónimos, os restos das tuas dores, espalhados pelos cemitérios rasos de Palma, Pundanhar, Newala e Namôto, sob a mancha negra das cruzes cristãs, e que a unha das feras talvez haja exumado e, nesta mesma hora, arraste pelo areal selvagem, como desta campanha grandiosa e triste, perdida por culpa dos Maiores, se arrastam ao vento os desenganos, os sacrifícios, as tuas, as nossas desilusões… - dor, sacrifício que ficará perpetuando o Amor e a Honra com que combateste, isolado, e pobre, e Grande, sem aplauso, sem estímulos e sem louvor, pelo nome sagrado de Portugal»58.

Topo da página

Notas

1 António de Cértima, Legenda Dolorosa do Soldado Desconhecido de África, s/l, s/e, 1925, p. XI.

2 Luís Alves de Fraga, Portugal e a Primeira Grande Guerra. Os objectivos políticos e o esboço da estratégia nacional 1914-1916, Lisboa, Universidade Técnica de Lisboa, Instituto de Ciências Sociais e Políticas, 1990.

3 Nuno Severiano Teixeira, Poder (O) e a Guerra 1914-1918. Objectivos Nacionais e Estratégias Políticas na Entrada de Portugal na Grande Guerra, Lisboa, Editorial Estampa, 1996.

4 Marco Fortunato Arrifes, A Primeira Grande Guerra na África Portuguesa. Angola e Moçambique (1914-1918), Lisboa, Edições Cosmos/Instituto de Defesa Nacional, Novembro de 2004.

5 Aniceto Afonso, Grande Guerra. Angola, Moçambique e Flandres 1914-1918, Lisboa, QuidNovi, Janeiro de 2008.

6 Valentim Alexandre, Velho Brasil Novas Áfricas. Portugal e o Império (1808-1975), Lisboa, Afrontamento, 2000.

7 António José de Almeida, «Boa sorte in República, 5 de Novembro de 1914, p. 1 e «Em plena carnificina» in República, 7 de Novembro de 1914, p. 1.

8 Brito Camacho, Portugal na Guerra, Lisboa, Guimarães & C.ª Editores, 1934, p. 170.

9 Cf. Valentim Alexandre, «A África no imaginário político português (séculos XIX-XX)» in Penélope: O Imaginário do Império, n.º 15, 1995, p. 40.

10 Raul Rego, História da República – O Firmar do Regime, Vol. III, Lisboa, Círculo de Leitores, Março de 1987, p. 222.

11 Correspondência da Grande Guerra. Coronel Manuel Maia Magalhães (Org. Vitorino Magalhães Godinho), Lisboa, INCM, Novembro de 2010, p. 16.

12 Sobre esta questão ver nomeadamente a introdução de Miguel Bandeira Jerónimo ao livro de Andrew Porter: Andrew Porter, O Imperialismo Europeu (1860-1914), Lisboa, Edições 70, Maio de 2011, p. 97 e seguintes.

13 António José de Almeida, «Bragança, o último» in O Ultimatum, 23 de Março de 1890, p. 1, e Ana Paula Pires, António José de Almeida. O Tribuno da República, Lisboa, Divisão de Edições da Assembleia da República, 2010, p. 28.

14 Norton de Matos, Memórias e trabalhos da minha vida. Factos, acontecimentos e episódios que a minha memória guardou. Conferências, discursos e artigos e suas raízes no passado, Vol. I, Lisboa, Editora Marítimo-Colonial, 1944, p. 79.

15 Cf. Morais Sarmento, A expansão alemã causa determinante da guerra de 1914-1918 suas tentativas e perigos na África Portuguesa, Lisboa, Guimarães & C.ª Editores, 1919.

16 Von Lettow-Vorbeck, As minhas memórias da África oriental, Évora, Minerva Comercial, 1923.

17 Diário da Câmara dos Deputados, Sessão n.º 76 de 15 de Março de 1912, p. 5.

18 Cf. Maria Cândida Proença, A Questão Colonial no Parlamento, Lisboa, Colecção Parlamento/Publicações Dom Quixote, Maio de 2008, p. 12.

19 Cf. Andrew Roberts, «Portuguese África» in AA.VV., The Cambridge History of Africa c. 1905-c.1940, (ed.) A. D. Roberts, Vol. 7, Cambridge, Cambridge University Press, 1986, p. 495.

20 Maria Cândida Proença, A Questão Colonial no Parlamento..., p. 30.

21 Cf. Manuel Lourenço Mano, Os Serviços dos Correios e Telégrafos na colónia de Moçambique: notícia histórica, Lourenço Marques, Imprensa Nacional de Moçambique, 1941, p.47.

22 Maria Fernanda Rollo, História das Telecomunicações em Portugal. Da Direcção Geral dos Telégrafos do Reino à Portugal Telecom, Tinta da China, Lisboa, 2009.

23 Cf. Diário da Câmara dos Senhores Deputados, Sessão de 17 de Julho de 1882, p. 2144. Ver igualmente, Daniel R. Headrick, The tools of Empire. Technology and European Imperialism in the Nineteenth Century, Oxford, Oxford University Press, 1981 e Daniel R. Headrick, The invisible weapon. Telecommunications and international politics, 1851-1945, Oxford, Oxford University Press, 1991.

24 «Na Sociedade de Geografia. Conferência do Sr. Lisboa de Lima sobre a situação económica e financeira de Moçambique» in Gazeta de Moçambique, 1 de Março de 1914, pp. 75-78.

25 Morais Sarmento, A expansão alemã causa determinante da guerra de 1914-1918 suas tentativas e perigos na África Portuguesa..., p. 285.

26 Pedro Lains, «Causas do colonialismo português em África: 1822-1975» in Análise Social, n.º 146-147, 1998, p. 477.

27 Decreto de 23 de Agosto, Diário do Governo, n.º 197 de 24 de Agosto de 1911.

28 Maria Cândida Proença, A Questão Colonial no Parlamento..., p. 14.

29 Cf. National Archives of the United Kingdom (NAUK), FO 368/1383, Portugal. Report on the Commerce and Finance of Portugal, London, Foreign Office and Board of Trade, 1915, pp. 29-30.

30 Idem, pp. 283-284.

31 Telegrama de 4 de Agosto de 1914 enviado pelo ministro de Portugal em Londres ao ministro dos Negócios Estrangeiros. Portugal na Primeira Guerra Mundial (1914-1918). As negociações diplomáticas até à declaração de guerra, Tomo I, Lisboa, Ministério dos Negócios Estrangeiros, 1997, p. 16.

32 Cf. Portugal na Primeira Guerra Mundial (1914-1918). As negociações diplomáticas até à declaração de guerra, Tomo I..., p. 17.

33 Diário do Senado, Sessão de 7 de Agosto de 1914, p. 2.

34 «A guerra comercial» in Jornal do Comércio e das Colónias, de 26 de Novembro de 1914, p. 1.

35 Sobre a assinatura do Tratado de Comércio e Navegação entre Portugal e a Grã-Bretanha veja-se em particular Sacuntala Miranda, O Declínio da Supremacia Britânica em Portugal (1890-1939)..., p. 392 e seguintes.

36 Sobre esta temática veja-se Marco Fortunato Arrifes, A Primeira Grande Guerra na África Portuguesa. Angola e Moçambique (1914-1918), Lisboa, Edições Cosmos/Instituto de Defesa Nacional, Novembro de 2004.

37 Biblioteca Nacional de Portugal, Arquivo de Cultura Portuguesa Contemporânea, Espólio de Manuel Teixeira, Gomes, Esp.46., Caixa 14, ofício de 4 de Setembro de 1916 enviado por Manuel Teixeira Gomes ao Ministro dos Negócios Estrangeiros, p. 3.

38 «A partida das expedições militares» in A Capital, 17 de Agosto de 1914, p. 1.

39 Cf. Michelle Moyd, «We don’t want to die for nothing’: Askari at war in German East Africa, 1914-1918» in Race, Empire and First World War Writing, (Ed.) Santanu Das, Cambridge, Cambridge University Press, 2011.

40 Norton de Matos, Discurso pronunciado, em 1 de Agosto de 1913, pelo major Norton de Matos, Governador Geral de Angola, na sessão de abertura da Junta Central da Província, Luanda, Imprensa Nacional, 1913, p. 42.

41 Augusto Casimiro, Angola e o Futuro (Alguns problemas fundamentais), Lisboa, Livrolândia Limitada, s/d, p. 125.

42 Cf. Norton de Matos, Memórias e trabalhos da minha vida. Factos, acontecimentos e episódios que a minha memória guardou. Conferencias, discursos e artigos e suas raízes no passado, Vol. IV, Lisboa, Editorial Marítimo-Colonial, 1945, p. 19. e pp. 21-22.

43 Idem, p. 105.

44 Idem, p. 84.

45 Augusto Casimiro, Naulila, Lisboa, Seara Nova, 1922, p. 67.

46 Palavras Claras. Razões da intervenção militar de Portugal na guerra europeia. Relatório publicado no Diário do Governo n.º 9, 1.ª série de 17 de Janeiro de 1917, Lisboa, Imprensa Nacional, 1917, p. 19.

47 Biblioteca Nacional de Portugal, Arquivo de Cultura Portuguesa Contemporânea, Espólio de Augusto Casimiro, D.5, Caixa 18.

48 «O banquete de hoje» in A Capital, de 17 de Dezembro de 1915, p. 1.

49 Carta de 14 de Agosto de 1914 enviada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros português ao ministro de Inglaterra em Lisboa, Portugal na Primeira Guerra Mundial (1914-1918). As negociações diplomáticas até à declaração de guerra, Tomo I..., p. 32.

50 Idem, p. 34. Telegrama de 15 de Agosto de 1914 enviado pelo ministro de Portugal em Londres ao ministro dos Negócios Estrangeiros.

51 Ordem do Exército, n.º 19, I Série, 21 de Agosto de 1914.

52 Idem.

53 «O esforço militar português» in O Instituto – Revista Científica e Literária, Volume 67, n.º 2, Fevereiro de 1920, p. 118.

54 Cf. Augusto Casimiro, Naulila, Lisboa, Seara Nova, 1922, p. VI.

55 Ver em particular, Nuno Severiano Teixeira, O Poder e a Guerra 1914-1918. Objectivos Nacionais e Estratégias Políticas na Entrada de Portugal na Grande Guerra, Lisboa, Editorial Estampa, 1996.

56 Números baseados em: Ferreira Martins (dir.), Portugal na Grande Guerra, Volume Segundo, Lisboa, Editorial Ática, Maio de 1934, p. 187.

57 «Conferência na Sociedade de Geografia, de Lisboa em 8 de Maio de 1916 feita por Lisboa de Lima» in Revista Colonial, Ano 4.º, n.º 41, 25 de Maio de 1916, pp. 120-121.

58 António de Cértima, Legenda Dolorosa do Soldado Desconhecido..., p. 14.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Maria Fernanda Rollo, « Soldado de África! Quantas medalhas te puseram no peito? Portugal e África numa Guerra Global », Ler História, 66 | 2014, 79-97.

Referência eletrónica

Maria Fernanda Rollo, « Soldado de África! Quantas medalhas te puseram no peito? Portugal e África numa Guerra Global », Ler História [Online], 66 | 2014, posto online no dia 26 Abril 2015, consultado no dia 22 Outubro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/732 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.732

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org