Navegação – Mapa do site
Dossier "Transformações culturais no pós 25 de Abril de 1974"

Apresentação

Frédéric Vidal e Marcos Cardão
p. 7-9

Texto integral

1Os textos reunidos neste dossiê são contribuições originais para a história da sociedade portuguesa nos anos que seguem o 25 de Abril de 1974, entre o período revolucionário (Período da Revolução em Curso) e os meados dos anos 1980. Decorridos 40 anos do 25 de Abril de 1974, permanecem em aberto as interpretações sobre um momento histórico que se caracterizou por mudanças sociais, descontinuidades e ruturas. Sem nenhuma pretensão de exaustividade ou de sistematização, este dossiê temático propõe historicizar esse momento a partir das transformações culturais que se manifestaram em diversas práticas, sociabilidades e representações.

  • 1 Ver por exemplo o trabalho pioneiro de Jorge Freitas Branco e Luísa Tiago de Oliveira: Ao Encontro (...)
  • 2 Ver por exemplo: Kostis Kornetis, Children od Dictatorship. Student resistance, cultural politics a (...)

2Os historiadores que se debruçaram sobre a segunda metade do século XX encontraram através da história cultual uma maneira de alargar e renovar os questionamentos de uma história social, e sobretudo politica, mais tradicional. Na historiografia recente, numerosos estudos sobre o 25 de Abril e o PREC têm sido sensíveis aos questionamentos tradicionalmente agrupados sob o rótulo da “história cultural”, ou seja uma história social que procura reconstituir e analisar formas colectivas de representação, expressões e práticas que moldam e transforam o mundo social1. Numa perspetiva mais geral, os estudos sobre os movimentos sociais e políticos dos “longos anos sessenta” europeus ganharam novo fôlego dando uma grande atenção à análise da transformação das práticas culturais, nomeadamente na juventude e nos meios estudantis. A evolução dos modos de consumo, a difusão de novos gostos e práticas culturais, com a influência cada vez mais preponderante da cultura norte-americana, ou pelo contrário a redescoberta das culturais populares nacionais, precederem ou anunciam as ruturas revolucionárias2.

  • 3 Um dos raros estudos sistemáticos sobre este período, várias vezes citados neste dossiê, foi produz (...)
  • 4 Domique Kalifa, “Lendemains de bataille. L’historiographie française du culturel aujourd’hui”, Hist (...)
  • 5 Willam Sewel, The logics of history. Social Theory and Social Transformation, Chicago, Chicago Univ (...)

3Os quatro textos reunidos aqui têm objectos, métodos e abordagem disciplinar específicos, mas todos renovam as perspetivas sobre as transformações culturais a seguir ao 25 de Abril de 1974. Por um lado, o avanço cronológico permite abraçar um período ainda pouco explorado pela historiografia nacional3. As ruturas do “pós 25 de Abril” são assim situadas na perspectiva global da transformação e modernização cultural de um país que acompanha as rápidas mutações das sociedades europeias, com a dominação cada vez mais acentuada das culturas urbanas, de novos medias (a televisão) e instituições (museus e centros culturais) e de novas formas de expressão cultural (musica pop, rock, etc.). Esses estudos de caso estão atentos à difusão de representações e de sensibilidades, mas também às formas materiais e/ou institucionais de construção de objectos culturais novos ou reinventados. Por outro lado, encontramos aqui também uma tentativa de considerar a cultura, não tanto com um domínio absolutamente autónomo, mas sim com um “olhar” sobre o mundo social ou seja “uma via de acesso ao conjunto das realidades sociais, de que a cultura seria, de algum modo, a expressão estruturante”4. Esses textos podem ser também lidos como contribuições para o estudo de que William Sewel chamou a “construção cultural do mundo social”5.

4Independentemente dos diferentes estilos de abordar os temas inventariados, neste dossiê é possível obter uma visão panorâmica das transformações culturais que se verificaram a seguir ao 25 de Abril de 1974. O artigo José Filipe Costa, intitulado “Em direcção à autoestrada do sul. Estrangeiros e nacionais em trânsito na Torre Bela”, descreve como a ocupação da herdade Torre Bela em 1974 e 1975, e a sua conversão em objeto cinematográfico, contribuiu para deslocar pessoas e lugares e subverter categorias rígidas, tanto culturais como sociais. Quer através de uma prática da vida quotidiana, quer através de uma sessão de cinema, ou da realização do filme, podiam-se estabelecer ligações imaginárias entre os cooperadores e espectadores, também eles potenciais atores revolucionários. No artigo “Pois Claro! Música, política e desejo no Festival RTP da Canção (1975-1982)”, Marcos Cardão analisa como o Festival RTP da Canção refletiu, narrou e contribuiu para transformar a situação política e cultural portuguesa após o 25 de Abril de 1974. Em virtude do seu impacto e mediatismo, o Festival RTP da Canção condensou e dramatizou as transformações político-culturais que ocorreram em Portugal na passagem da década de 1970 para o início dos anos 80, dando conta das relações entre canção popular e política, percetíveis tanto na politização do Festival no contexto pós-revolucionário, como na identificação do processo de despolitização da sociedade portuguesa e o afunilamento da música popular nas convenções da pop internacional. Luís Trindade, no artigo intitulado “O Se7e a Caminho dos anos 80” examina o modo como o semanário Se7e respondeu nos seus primeiros anos de publicação (1978-1982) às transformações sociais e à emergência de novos públicos urbanos. Através do Se7e é possível verificar a crise de formas culturais mais politizadas vindas do período revolucionário e o aparecimento de uma hegemonia do audiovisual, e da televisão em particular. Luís Trindade mostra ainda como o jornal serviu de documento e veículo de promoção de novas formas e sujeitos culturais. O dossiê encerra com o artigo de Ana Bigotte Vieira, intitulado “NO ALEPH. Notas a propósito de uma investigação sobre o Serviço ACARTE da Fundação Calouste Gulbenkian – 1984/1989”, no qual se propõe um entendimento dos encontros do Serviço de Animação, Criação e Educação pela Arte, dinamizados por Madalena de Azeredo Perdigão. Num texto que assume a seu caractere exploratório e fragmentário, Ana Bigotte Vieira cruza as noções de heterotopia e complexo exibicionário, para evidenciar como nesses encontros convergem quatro décadas de debates sobre cultura, arte moderna e museus de arte em Portugal.

Topo da página

Notas

1 Ver por exemplo o trabalho pioneiro de Jorge Freitas Branco e Luísa Tiago de Oliveira: Ao Encontro do Povo I. A Missão, Oeiras, Celta, 1993. Esta marca da historiografia do “25 de Abril” é também visível através do diálogo com as outras ciências sociais, e nomeadamente com a antropologia. Ver a este respeito do balanço de Sonia Vespeira de Almeida, “O 25 de Abril na Antropologia portuguesa 40 anos depois: trajectos das invisibilidades e visibilidades”, neste número da Ler História.

2 Ver por exemplo: Kostis Kornetis, Children od Dictatorship. Student resistance, cultural politics and the “long 1960s” in Greece, New York and Oxford, Berghahn Book, 2013. Ver também a discussão de Guya Accornero, “O 25 de Abril: uma revolução nas ciências sociais”, neste mesmo número da Ler História.

3 Um dos raros estudos sistemáticos sobre este período, várias vezes citados neste dossiê, foi produzido à margem da vida académica: Eduarda Dionísio, Títulos, Acções, Obrigações. A cultura em Portugal (1974-1994), Lisboa, Salamandra, 1993. Ver da mesma autora: «As práticas culturais» no volume coordenado por António Reis, Portugal, 20 anos de democracia, Lisboa, Temas& Debates, 1996.

4 Domique Kalifa, “Lendemains de bataille. L’historiographie française du culturel aujourd’hui”, Histoire, Économie & Société, 2012/2 : 61-70. Roger Chartier tornou-se aqui uma referência central para a articulação de uma história social das representações com uma história cultural do social, ver: Roger Chartier, A História cultural entre práticas e representações, Algés, Difel, 2002 (1982).

5 Willam Sewel, The logics of history. Social Theory and Social Transformation, Chicago, Chicago University Press, 2005, p. 61.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Frédéric Vidal e Marcos Cardão, « Apresentação  », Ler História, 67 | 2014, 7-9.

Referência eletrónica

Frédéric Vidal e Marcos Cardão, « Apresentação  », Ler História [Online], 67 | 2014, posto online no dia 15 Julho 2015, consultado no dia 23 Novembro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/789

Topo da página

Autores

Frédéric Vidal

CRIA / ISCTE-IUL

Artigos do mesmo autor

Marcos Cardão

IHC / FCSH-UNL

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org