Navegação – Mapa do site
Dossier "Transformações culturais no pós 25 de Abril de 1974"

Em direcção à autoestrada do sul. Estrangeiros e nacionais em trânsito na Torre Bela

Towards the south freeway [or highway]. Foreigners and nationals circulating in Torre Bela’s estate
En direction de l’autoroute du Sud. Etrangers et nationaux de passage par Torre Bela
José Filipe Costa
p. 11-25

Resumos

Na ocupação da herdade da Torre Bela em 1975, no Ribatejo, participaram nacionais e estrangeiros, locais e citadinos, trabalhadores rurais e intelectuais. Não foi apenas a equipa internacional do realizador alemão Thomas Harlan que ao filmar o documentário Torre Bela (1975), ali marcou o fluxo dos acontecimentos. Os cruzamentos dos que vinham “de fora” com os ocupantes que moravam nas redondezas da herdade, geraram questionamentos sobre classificações de classe e de género e engendraram experiências de deslocamentos sociais. Neste artigo serão traçados alguns destes casos exemplares que poderão ser enquadrados naquilo que Kristin Ross denomina de experimentos políticos de desclassificação (ROSS, 2002:25).

Topo da página

Texto integral

  • 1 Francis Pisani, Torre Bela – Todos temos direito a ter uma vida, Coimbra, Centelha, 1978.

1Em 1974, os europeus poderiam tomar parte numa revolução ao vivo e a cores. Bastava-lhes pegar no carro e seguir na direcção do “final da autoestrada para o sul”, chegando assim ao Portugal revolucionário pós-25 de Abril. Quem o diz é o jornalista francês Francis Pisani que também fez a “autoestrada do sul” para assentar arraiais no Ribatejo, mais propriamente na cooperativa Torre Bela, em 1975. Aqui permaneceu durante alguns meses, fixando os contornos dessa vivência no livro Torre Bela – todos tem direito a uma vida (1978), publicado em francês e português1.

2O que aqui proponho é colocar em destaque as movimentações não apenas de Pisani, mas de alguns estrangeiros e nacionais que ajudaram a constituir uma experiência tão complexa como a da ocupação da herdade Torre Bela em 1974 e 75. De que forma essas movimentações foram assimiladas à ideia de um exterior desestabilizante e questionador do modelo social de que a Torre Bela fazia parte? E de que maneira estes deslocamentos geográficos correspondiam a deslocamentos sociais e a desclassificações sobre as funções e o papel que cada um deveria desempenhar? Serão aqui postos em destaque alguns trajectos e histórias particulares, que dão conta de tensões e encontros inesperados, tendo como consequência o deslizamento das placas tectónicas sociais.

  • 2 Wilson Faustino Filipe nasceu e cresceu em Manique do Intendente, uma das aldeias que confina com a (...)

3Na manhã de 23 de Abril de 1975, um ano depois da Revolução dos Cravos, cerca de cem pessoas juntaram-se em Manique do Intendente, uma aldeia a cerca de 70 quilómetros a norte de Lisboa. O grupo dirigiu-se depois para a vizinha herdade da Torre Bela, com os seus extensos 1700 hectares, propriedade do Duque de Lafões. Wilson Filipe, 27 anos, morador em Manique,2 dinamizava este conjunto de assalariados agrícolas das aldeias adjacentes, ex-combatentes da guerra no Ultramar, muitos deles no desemprego. Depois de ocuparem as terras, ali iniciaram os trabalhos no sentido de formarem uma cooperativa.

  • 3 A abordagem documental de Torre Bela é sobretudo observacional, sem indícios ou marcas da implicaçã (...)
  • 4 Menciono aqui dois trabalhos que realizei: o filme Linha Vermelha (2011) e o artigo Quando o cinema (...)
  • 5 O fora de campo designa aquilo que não é visto dentro do plano, por contraposição ao “campo”, ou se (...)

4Os primeiros dias da ocupação estão registados no filme Torre Bela (1977) do alemão Thomas Harlan, que com a sua equipa composta maioritariamente por estrangeiros, não apenas filmou passivamente os acontecimentos na Torre Bela, mas acabou por desempenhar o papel de catalizador de eventos.3 A importância deste documento na circulação e fixação da história da cooperativa assim como as implicações da presença da equipa no processo de ocupação, foram já objecto de debate e reflexão noutras ocasiões.4 O que tem ficado muitas vezes de fora desta discussão são aqueles que podemos considerar como os grandes ausentes do filme de Harlan, ou para usar uma expressão cara ao cinema, os que permaneceram no “fora de campo” do seu filme5: os jornalistas, artistas, estudantes, professores, representantes de sindicatos, militantes de vária índole, ou cidadãos solidários e curiosos que vinham de vários pontos do país, mas ,sobretudo, de Lisboa e do estrangeiro. Apesar de em algumas imagens do filme de Harlan, haver sinais da atracção que desde logo os eventos exerceram sobre o exterior, como a presença de operadores com câmaras e microfones entre as multidões, ou a intervenção dos cantores Zeca Afonso, Vitorino e José Fanhais cantando a Grândola Vila Morena, não sobressai na narrativa do filme essa intensa movimentação social que baralhou as coordenadas sociais de um pequeno meio ribatejano.

5Agrupemos provisoriamente estes agentes sob o chapéu classificatório de “exterior”, tanto pela sua proveniência geográfica, como pela origem social de muitos deles. Façamo-lo apenas por conveniência, já que na verdade esse “exterior” à Torre Bela e às aldeias adjacentes, constituiu-se desde o inicio, como “interior” a toda a dinâmica dos eventos, sendo um traço essencial à compreensão de uma experiência de mil e uma faces, abordável sob vários ângulos políticos, sociais e culturais.

6Este recorte aqui proposto baseia-se no emprego de uma metáfora por Pisani no seu livro, para sugerir as várias oposições e cruzamentos entre o interior e exterior da Torre Bela. Pisani enfatiza a importância simbólica da fronteira que então dividia o interior do exterior: o extenso muro que circunscrevia o perímetro da herdade (diz-se que essa barreira fazia da Torre Bela a maior quinta murada da Europa:

  • 6 Francis Pisani, Op. Cit. p. 213

7Ninguém poderá compreender o problema das relações da Torre Bela sem antes ter consciência da importância do muro, que mantêm afastados os habitantes das aldeias vizinhas e, até certo ponto, atrai os estranhos. Antes da ocupação, ele traçava um limite de pedra, de suor, de medo e de sangue. Era o símbolo da dominação dos duques, a marca tangível do seu santuário 6.

  • 7 Idem, p.214

8Pisani usava assim a figura do muro para dramatizar e polarizar a incompreensão e a oposição das populações locais e das autoridades politicas e militares à cooperativa, revelada em inúmeros episódios descritos no seu livro. E à pergunta retórica “sabe-se o que é um duque por se ter trabalhado para ele, mas o que é uma cooperativa popular?” responde com uma sugestiva frase “é como um disco voador, cujos membros só podem ser marcianos”7 .O muro possuía o efeito duplo de dividir os cooperadores dos moradores das aldeias vizinhas, “o seu meio natural”, colocando aqueles num meio idiossincrático e de, ao mesmo tempo, atrair a presença dos estrangeiros para uma experiência de socialismo em concretização.

  • 8 Segundo o genérico final de uma das versões da Torre Bela depositada no Arquivo Nacional de Imagens (...)
  • 9 Todas estas recolhas foram posteriormente agrupadas em três dossiers que apresentam uma extensa var (...)
  • 10 A acção de Eduarda e José Rabaça estendia-se à União das Cooperativas Agrícolas de Produção da Azam (...)
  • 11 Tanto Eduarda Rosa como José Rabaça tinham tido oportunidade de aplicar esses métodos enquanto elem (...)

9Curiosamente é sobre o período posterior à estadia de Harlan - depois de Agosto de 1975 - que predominam mais memórias sobre a presença e a acção desse exterior.8 Estas advém tanto dos extensos relatos de Pisani como das informações colhidas e registos efectuados pelos cooperadores José Rabaça e Eduarda Rosa durante o seu período de permanência na Torre Bela.Entre Setembro de 1975 e Outubro de 1976, o casal recolheu canções, lendas e dizeres populares, histórias e episódios concretos das vidas dos cooperadores, contribuindo assim para a caracterização antropológica do meio rural. 9 Dedicou-se ainda a acções de divulgação e consciencialização politica, que incluíam sessões de cinema, projecção de diaporamas ou espectáculos de teatro. Neste contexto, apresentaram-se na Torre Bela e cooperativas vizinhas, companhias teatrais de Lisboa, como a Comuna e a Barraca, com peças como Bão, de João Mota ou A Mãe e O Círculo de Giz Caucasiano, de Bertolt Brecht.10 A estas acções do casal fortemente centralizadas na alfabetização, subjaziam teorias e métodos apreendidos em contacto com Paulo Freire, filósofo e pedagogo brasileiro de quem recebera um curso intensivo de Animação Cultural para os Povos em Desenvolvimento e Alfabetização, em Paris11.

  • 12 O grupo sócio cultural da Torre Bela tinha por objectivo a “promoção do nível cultural e a consciên (...)
  • 13 Dossier Volume AZAGRO sócio-cultural, p. 115, Arquivo de José Rabaça.
  • 14 Para Ross, “O evento 1968 foi acima de tudo uma recusa em massa por parte de milhares, mesmo de mil (...)

10Tal como Pisani, também o casal Rabaça tinha vindo da “Europa”, mais propriamente da Alemanha, mas tendo em vista uma estadia mais permanente na cooperativa, com essa incumbência particular de promover acções de alfabetização e dinamização sócio-cultural. O casal integrava o grupo sócio-cultural, que segundo o organigrama da cooperativa, se relacionava com todas as equipas de trabalho da vinha, azeite e olival, grandes sementeiras, horto-industrial, horticultura, pecuária e floresta, pois “todo o trabalho deve levar à reflexão critica e transformação social.”12 A pertinência da existência de cooperadores que se aplicassem em tais tarefas é justificada pelo número de analfabetos na região, calculado por Rabaça: “nas aldeias da zona da Azambuja a média atinge 40 por cento de analfabetos, (...), em 20 cooperadores há 12 que já pediram um curso.”13 A cooperativa oferecia-se assim como cenário a uma espécie de laboratório de experimentação social, no qual se cruzavam pessoas de diversa proveniência social e profissional, de várias nacionalidades e que, em alguns casos, tinham entre si diferentes graus de parentesco. Emprego aqui o termo experimentação social, partindo dos pressupostos que Kristin Ross usou para reler os eventos de Maio de 1968 em França14 :

  • 15 Kristin Ross, – May’68 and its afterlives, Chicago and London, The University of Chicago Press, 200 (...)

11O movimento tomou a forma de experimentos políticos de desclassificação, quebrando os espaços dados como naturais. Consistiu em deslocamentos que levaram os estudantes para fora da universidade, encontros que juntaram camponeses e trabalhadores, ou que levaram estudantes ao campo15.

  • 16 Camilo Mortágua emigrou para a Venezuela com 17 anos, tendo aí entrado em contacto com Henrique Gal (...)
  • 17 Francis Pisani , Op.Cit. p 201.

12A experiência da cooperativa Torre Bela fez-se num tipo de quadro semelhante, a partir de uma série de deslocamentos geográficos, sociais e familiares, imbricado no questionamento e na subversão de esquemas de relações a que cada um estava, por definição, adstrito. A origem geográfica de muitos dos ocupantes era sobretudo local, enquanto outros procediam do estrangeiro, como Óscar, “o colombiano”, ou tinham sido exilados políticos, como Camilo Mortágua,16 José Rabaça e Eduarda Rosa. Outros tinham saído do país por um determinado período de tempo para cumprirem o serviço militar nas ex-colónias africanas (José Rodrigues, Herculano Ventura). Frequentemente, a cooperativa recebia elementos que permaneciam períodos de tempo variáveis, como é o caso da equipa de Harlan, o próprio Francis Pisani, mas também João Azevedo (exilado politico em Itália que, durante o processo de pós-produção do filme Torre Bela em Roma, ajudara na tradução dos diálogos do material filmado). Tenha-se em conta que vinham muitos voluntários de Lisboa, de outros pontos do Agosto de 1974’ ou do estrangeiro para auxiliarem em tarefas agrícolas como a apanha do milho e da azeitona ou a vindima. A estes eram-lhes aplicados, muitas vezes, os “rótulos sarcásticos” de “turistas revolucionários” ou “revolucionários de fim de semana” 17. Sob outro ponto de vista, os cooperadores tinham entre si diversos graus de parentesco: em primeiro grau os pais de Wilson, que eram também cooperadores ou o casal conhecido como João e Celestina (sendo esta cozinheira na cooperativa); outros não tinham ali nenhum familiar e a cooperativa contrabalançava a falta de amparo que tinham no exterior (o caso de João Meio-dia recebe uma ênfase especial no livro de Pisani, pp 100-104 e pp. 291-294).

  • 18 Idem, p.303.
  • 19 A história da ligação de Óscar à cooperativa teve mesmo um episódio epopeico: devido à expiração do (...)
  • 20 Francis Pisani, Op. Cit. p 215.
  • 21 Francis Pisani, Op.Cit. p. 217.
  • 22 S/a, “Torre Bela: a luta dos camponeses – consciência revolucionária, era uma vez!” – improp, jorna (...)

13Na história de Óscar, “o colombiano”, tal como descrita detalhadamente por Pisani, reverberam os confrontos entre expectativas e as tensões dos encontros na cooperativa. Depois de sair da Colômbia e de um breve período em vários pontos de Portugal, este cooperador veio de Lisboa à boleia para a Torre Bela. Não obstante a recomendação dos militares à cooperativa para que esta não recebesse estrangeiros18 , Óscar foi um daqueles que mais tempo ali permaneceu19 . Quando Pisani o questionou sobre o peso da sua experiência na cooperativa, Óscar deu conta das tensões entre a teoria e a prática revolucionárias, uma problemática que reemerge amiúde nas reflexões do jornalista francês. Quando confrontado pela primeira vez com a “realidade” daquele colectivo, Óscar não encontrou “o homem ideal [revolucionário], mas o homem real com as suas invejas e bebedeiras”20. Em traços gerais, “o colombiano” experimentava o conflito com o estatuto do intelectual que teorizava sobre a revolução e vinha à procura de vê-la em concretização. À abstracção, Óscar contrapunha a observação, a participação no trabalho e a sedimentação de relações com os camponeses. A solidez destas ligações era constantemente colocada à prova. A exemplo da ocasião em que alguns cooperadores o fecharam sozinho no touril com o gado já irrequieto e pronto a investir contra ele. Desferindo violentas “pauladas” nos animais, Óscar pôs-se a salvo e ganhou a confiança dos companheiros: “Eles pensaram: este tipo aguenta”21 . A referência à cooperativa Torre Bela como encarnação da prática revolucionária por contraposição à cartilha teórica, está também presente num dos números do jornal da associação de estudantes da Faculdade de Ciências de Lisboa, de 1976. Neste apelava-se à necessidade de alinhar “lado a lado com os camponeses no desbravar e amanhar das terras”, “de armas na mão para defender os portões da Torre Bela, (...) de saco aos ombros carregando maçarocas ou colhendo azeitonas”, para assim “abandonar a esterilidade das teorias burguesas entranhadas na vida de qualquer faculdade”22 . Este apoio dado pelos estudantes à cooperativa traduziu-se, por exemplo, na compra do vinho produzido na Torre Bela para ser servido na cantina da faculdade.

  • 23 Segundo Camilo Mortágua, “sem a cobertura da imprensa, sem os apoios encontrados em Portugal e no e (...)

14A rede de apoios do “exterior” que então se constituiu foi imprescindível para o arranque e manutenção da cooperativa.23 Os auxílios financeiros de fora do país mais dignos de nota, provieram de França, Itália e sobretudo da República Federal da Alemanha, e foram depois canalizados para a compra de tractores. Uma das iniciativas de angariação de fundos hoje mais recordada, é a gravação de um disco com canções interpretadas por Eduarda Rosa, posteriormente vendido na Alemanha. As receitas daí decorrentes reverteram para a Torre Bela e a união das cooperativas da Azambuja, AZAGRO.

  • 24 Francis Pisani, Op.Cit., p. 218

15A cooperativa entretecia-se assim nos constantes fluxos entre o plano interior e o plano exterior; constituía-se entre os padrões apreendidos e a invenção de novos princípios, com o que isto significava ao nível da partilha do espaço, organização de horários e distribuição do trabalho e do lazer. As tensões, os atritos e disjunções eram parte integrante do processo de desclassificações e deslocamentos sociais. No capítulo dedicado aos estrangeiros sintomaticamente intitulado Torre Bela, Lisboa, Berlim, Roma, Paris, as relações dos camponeses do Ribatejo com os “estrangeiros” de Portugal e de outros lados, Pisani toma nota das queixas de quatro voluntários alemães que em lugar de encontrarem naquela estrutura a imagem que se coadunava com a sua ideia precisa do que devia ser a Revolução, depararam-se com falta de organização e alcoolismo. Na conversa que Pisani teve com eles durante a apanha da azeitona, também “criticaram os homens pelo seu comportamento com as mulheres e as mulheres por não se revelarem”24.

16Nestas percepções do exterior sobre o interior imbricavam-se outras que vinham não apenas dos estrangeiros de passagem, mas também dos cooperadores ou dos aldeãos vizinhos, que, por seu lado, se punham a olhar para o “estrangeiro”, pelos viés dos seus padrões de vestuário associados a posturas comportamentais:

  • 25 Francis Pisani, Op.Cit., p. 214

“Por trás desse muro há estrangeiros e estrangeiras, e o pior são as estrangeiras” – diz-se na aldeia. “Os rapazes, enfim, se é que assim se lhes pode chamar, com os cabelos compridos, drogam-se. Quanto às raparigas, andam nuas e vão para a cama com os homens que elas põem malucos. Pelo menos é que se diz” 25.

  • 26 Angelika chegou mesmo a ser expulsa da cooperativa, em consequência da sua ligação com José Rodrigu (...)

17Apesar de reprimidas em decorrência de decisões tomadas em assembleias de cooperadores, algumas relações entre os homens da cooperativa e as mulheres estrangeiras que vinham fazer trabalhar voluntário, acabaram por redundar em casamento. É o caso particular de José Rodrigues e a alemã Angelika Rodrigues,26 cuja relação apesar de ter recebido a oposição de alguns cooperadores, acabou por resultar em casamento na Alemanha, onde fixaram residência.

  • 27 Rabaça conta que ia juntamente com Camilo a reuniões em Lisboa ou Azambuja que se prolongavam noite (...)

18O quotidiano de vivência partilhada gerava, muitas vezes, tensões quanto às funções e especializações de cada cooperador e o estatuto a tal associado. Alguns elementos tanto davam mostras de compreensão da especificidade das actividades de organização, ensino, escrita e dinamização cultural no contexto de uma cooperativa rural, como criticavam os cooperadores que a isso se dedicavam, por não participarem mais regularmente a seu lado nos trabalhos agrícolas diários.27 Os relatos em forma diarista de Eduarda são a esse propósito, bastante eloquentes. Eduarda tinha chegado à cooperativa com experiência de ensino, no seguimento de uma licenciatura em Românicas na Faculdade de Letras de Lisboa, pelo que o trabalho agrícola constituía uma novidade:

  • 28 Dossier Torre Bela 21/9/75 a Abril de 1977, Vol. II (p. 340-341)

“Torre Bela, 21/6/76. Depois desta experiência, passei a ser escalada para diversos serviços. A principio tive medo. Havia ameaças de me darem os piores trabalhos para se rirem quando eu desistisse por não ser capaz. (...) Era o primeiro dia da minha vida em que ia usar uma enxada. No reboque, a caminho da Retorta, o J. falou sozinho, ameaçando matar quem se atrevesse a dizer que percebia mais de agricultura do que ele. Começou e acabou o trabalho. Não me senti infeliz ou incapaz – fui tão capaz como os outros” 28.

19Descrições semelhantes encontradas nos registos de Eduarda e José Rabaça balançam entre descobertas e choques com o mundo rural desconhecido. Os “estrangeiros” ou os portugueses que não vinham das aldeias em redor, tanto eram percepcionados como estranhos àquele corpo social - um “exterior” dissoluto e incompreensível - como, ao mesmo tempo, se afiguravam como garantia da legitimação da cooperativa fora de portas. Camilo Mortágua, José Rabaça e Eduarda Rosa dominavam um saber formal que os preparara para estabelecer pontes entre o colectivo e as instituições administrativas centrais e regionais. Eram, nessa medida, eleitos para representar a estrutura nos organismos estatais e sindicais ou fazer candidaturas a fundos disponibilizados pelo governo e fundações.

20Sob outro prisma, esse exterior assumia-se como revelador e valorizador de determinados aspectos da cultura popular. Foi com o sentido de atribuir visibilidade social e cultural aos cooperadores e moradores da localidades vizinhas, que o casal Rabaça procedeu a várias recolhas de carácter etnográfico ao longo da sua estadia na cooperativa. Os elementos recolhidos eram muitas vezes reutilizados enquanto instrumentos pedagógicos nas acções de alfabetização, ou então recitados nos serões culturais durante a noite e noutros tempos de lazer da cooperativa.

  • 29 Francis Pisani, Op.Cit, p. 15

21Tanto no livro de Pisani como nos escritos em estilo diaristico de Rabaça encontramos ainda uma outra dimensão desse exterior, como desencadeador de dúvidas e questionamentos, como consciência que se oferecia a desnaturalizar o que era dado como adquirido. As descrições que ambos fazem da condição de vida dos cooperadores na vigência do Estado Novo - particularmente o modo como descrevem a chamada “praça dos homens” e o seu sistema de sujeição - remetem-nos para o papel que exerceram junto deles no quotidiano da cooperativa: como se fossem espelhos que lhes devolviam a imagem de oprimidos por um sistema que era preciso contestar e eliminar. Pisani caracterizava-os como os “homens que se contam entre os mais miseráveis da Europa”29 . A sujeição, a opressão e o sofrimento provocados pela guerra colonial, pelo trabalho e o seu dever passaram assim a ser nomeáveis e objectiváveis. Rabaça narra como ao conduzir a carrinha da cooperativa pelas aldeias vizinhas, se foi apercebendo do significado da concentração de pessoas nas praças centrais:

  • 30 Dossier AZAGRO sócio-cultural, do arquivo pessoal de José Rabaça, p. 110-111

“É o que fazem em todo o lado. Na Ereira, na Lapa, nos Casais da Lapa, na Maçussa, em Manique há sempre uma praça. (...) Nos terceiro, quarto dia perguntei e pedi explicações e negava-me a aceitar compreender um facto real, visível que faz parte do quotidiano destas povoações. Fechava os olhos e abria-os para me convencer que não sonhava e passava as mãos pela barba para acordar... – É a praça!!! E nos primeiros três dias fiquei calado. Não consegui fazer um comentário. Não, não estávamos na pré-história, nem na Idade Média. (...) Quando ouvia a palavra PRAÇA o meu dicionário funcionava em termos de compra e venda de produtos agrícolas, de fruta. Mas esta é uma PRAÇA DE HOMENS!!!” 30.

  • 31 Francis Pisani, Op.Cit. pp.100-106
  • 32 Idem, p.101.

22Pisani descreve no seu livro o funcionamento desta praça, onde os capatazes das quintas vinham de manhã cedo escolher os homens mais capazes para o trabalho. Os salários eram ali negociados um a um, segundo uma lógica que discriminava fortemente os mais fracos. O jornalista argumenta que este sistema de comercialização do corpo escravizava os homens a ponto de torná-los “sub-proletários” colocando-os ao nível dos animais 31.E para exprimir o alcance desse seu estatuto, Pisani dá a voz em discurso directo a João Meio-dia, 22 anos, “que habita a 2 horas de avião de Paris, a 70 quilómetros de Lisboa”32. João Meio-dia, analfabeto, trabalhador que foi muitas vezes à praça, conheceu a fome e é descrito como o pobre dos mais pobres:

  • 33 Francis Pisani, Op. Cit. pp. 101-102.

“Nasci a 7 de Outubro de 1955 na Ereira, a 2 quilómetros apenas da Torre Bela, onde o meu avô e a minha mãe trabalharam. Eu sou solteiro e não tenho filhos. Frequentei a escola um bocadito, até à segunda classe. Mas não sei ler nem escrever. (...) A minha casa parece mais um estábulo que uma casa. É velha e pequena. Tem talvez 5 por 7 metros. Chegamos a viver aí 13, metidos uns em cima dos outros. Chove lá dentro quando chove cá fora pois nós nunca tivemos dinheiro para reparar o tecto. (...) Não tem retrete, nem electricidade. (...) O meu pai é trabalhador rural e muitas vezes ele ficava na praça depois dos capatazes terem passado. Então a minha mãe tinha que ir roubar”33 .

  • 34 Brochura comemorativa do primeiro aniversário da cooperativa Agrícola Popular da Torre Bela, 23 de (...)

23A atribuição e fixação de uma narrativa de vida por parte dos cooperadores entroncava na discussão mais funda sobre a igualdade (o estabelecimento de remuneração igual para homens e mulheres foi uma das primeiras decisões feitas em assembleia geral),34 o empoderamento dos trabalhadores e a formação de sujeitos políticos conscientes. A criação da cooperativa com todos os fluxos e trânsitos de pessoas e ideias, o reforço da componente sócio-cultural com sessões cinematográficas, espectáculos teatrais, assembleias de cooperadores, discussões informais, entrevistas a jornalistas e rodagem de filmes a decorrer, gerava efeitos reflexivos e fracturantes. O que estava em causa era a possibilidade dos ocupantes se verem à luz das novas condições politicas que os representava no interior de uma cadeia social opressiva da qual se deveriam libertar e a inerente inserção num novo regime igualitário. Isto passava pela atribuição de uma voz e de um estatuto participativo num quotidiano que não era apenas marcado pelos trabalhos agrícolas, mas também por um sem número de reuniões.

  • 35 No entender de Camilo, o “saber” e a “organização” situam-se normalmente na esfera dos mais privile (...)
  • 36 Francis Pisani, ibidem,p. 127

24As assembleias são vivamente descritas por Pisani no seu livro, incluindo as questões sobre a tomada da palavra e os conflitos a isso inerentes. O equilíbrio relativo à distribuição de poderes era conquistado e reajustado todos os dias. É nessa linha de raciocínio que se situa o protagonismo atribuído por Pisani a Camilo Mortágua, que lhe identifica preocupações relativas à gestão do espaço da palavra no interior da cooperativa. As orientações do chamado “quadro”35 que presidia às assembleias não se deveriam impor à comunidade, de tal forma que travassem a “expressão” de cada um dos cooperadores36. Cabia ao “quadro” gerir a complexidade dos encontros de diferentes actores com diversos estatutos e experiências de organização:

  • 37 Francis Pisani, Op.Cit, p.128.

“Durante duas semanas criamos regras para todos os problemas concretos que surgiam: a loiça, as horas de trabalho, etc. (...). Ao fim de duas semanas tínhamos regras para tudo: horário, comissões de trabalhadores, distribuição de tarefas pela comissão não por um só individuo, as atribuições do responsável do dia face aos problemas não previstos, a hora para fechar as portas, tínhamos mesmo decidido que ninguém devia ir para o trabalho sem fazer a cama, não se deveria tomar banho com os pés cheios de terra porque faz entupir a canalização, etc (...) Mas as pessoas começavam a estalar pois cada regra era um soco na cara, uma perda de liberdade” 37.

  • 38 Este equipamento de vídeo era então considerado muito inovador no quadro dos meios de que a coopera (...)

25É neste quadro que poderemos conceber o papel que o cinema foi chamado a desempenhar: promotor de visibilidade, reflector e questionador das práticas da cooperativa - um instrumento pedagógico de dinamização interna, que o grupo sócio-cultural se empenhou em estimular. Foi neste mesmo sentido que o grupo criou o núcleo de vídeo composto por Pedro d’Orey e Isabel Chaves, aos quais cabia registar o quotidiano da quinta com um equipamento de vídeo Philips, para assim divulgar a cooperativa fora de portas38.

  • 39 Brochura da Cinequanon editada em comemoração do seu quarto aniversário [consultável na biblioteca (...)

26Visto assim neste contexto, o filme Torre Bela (1977) que mais fortemente ficou incrustado na memória colectiva, pela larga projecção que veio a adquirir e pelo intenso debate sobre a sua história de produção e recepção, não parece um caso tão isolado. Outros documentários foram rodados na quinta, muitas vezes para ser exibidos ali e nas estruturas colectivas das redondezas, como é o caso do filme Torre Bela (1976) realizado em super 8 por Vítor Silva. Também Luís Galvão Teles filmou Cooperativa Agrícola Torre-Bela (1975), como parte de uma série produzida para a RTP pela cooperativa Cinequanon no quadro de “realização de filmes de intervenção politica e social para a televisão”, com o intuito de corresponder às “necessidades urgentes” de um período histórico39.

  • 40 José Manuel Sobral, “ Os silêncios da História, os Sem-História: memória social, história e cidadan (...)

27Por outras palavras, o trabalho da equipa de Harlan deve ser integrado num quadro mais amplo de mobilização militante que concebe o cinema como motor impulsionador de uma causa colectiva, constituindo-se nesse passo como promotor de visibilidade dos que até então podiam ser considerados como os sem-história40.

28Numa das muitas notas de Rabaça escritas sobre a passagem dos dias, sobressai uma de 7 de Fevereiro de 1976, por colocar em perspectiva este papel do cinema. Quando um grupo de cooperadores colava cartazes anunciando a projecção do filme Torre Bela (não é mencionado expressamente o realizador, mas será muito provavelmente Vítor Tavares) um “homem da Lapa” perguntou a um dos elementos “o que é uma cooperativa?”

  • 41 Dossier do arquivo pessoal de José Rabaça, vol I, p. 107.

29O Joaquim [do Cartaxo] então explicou: onde há um ramo de trabalhadores que trabalham em conjunto será nesse suor em conjunto que todos vão buscar um bocado de pão e esse bocado de pão é no suor de cada um que cai41.

  • 42 Idem.
  • 43 Dossier AZAGRO sócio-cultural, do arquivo pessoal de José Rabaça, p.14.

30E no mesmo passo, convidaram o homem a ver o filme e a visitar a Torre Bela, “para verem o que é uma cooperativa”.42 Este relato emocionado recobre uma das muitas acções de divulgação das sessões que compunham o vasto plano de projecção do filme, que abarcava não apenas as aldeias da zona, mas também Vimeiro e Montemor. A sessão modelo incluía sempre um “debate-convivio”, que permitia a avaliação das necessidades de cada povoação e o nível de recepção às ideias propaladas pela cooperativa.43

31De algum modo, o cinema participava de um movimento de descentramento que não era apenas geográfico, mas também social e politico. O que o grupo sócio-cultural e os cineastas que filmaram na Torre Bela nele procuraram não estaria distante daquilo que muitos autores e políticos nele viram, desde a sua disseminação nos anos 20 do séc. XX: um eficaz instrumento de agitprop, com a sua mobilidade física (uma das virtudes mais cantadas do cinema foi a possibilidade de o levar aos lugares mais recônditos), mas também a sua capacidade de subverter categorias rígidas, quer sejam culturais ou sociais e a sua capacidade de gerar contágio e mobilização. Dir-se-ia que o cinema apela à centrifugação das classificações, pelo modo de funcionar da sua linguagem que pela montagem relaciona o que anteriormente seria irrelacionável. Nada mais próximo do que se espera de uma revolução.

32De alguma forma, ao aderirem à cooperativa todos se ofereciam ou eram estimulados a descentrarem, reconsiderarem e reformularem os seus papeis sociais. Tanto os trabalhadores rurais que saíam da sua função para intervir em formas de organização politica participada, como os “estrangeiros” que se prestavam à prova do trabalho agrícola. Ensaiava-se assim o confronto de expectativas e papeis, colocava-se em jogo a refundação dos lugares sociais numa nova cadeia, que já não era a antiga cadeia de reprodução social com a sua tradicional distribuição de poderes. Também é aqui pertinente retomar a análise de Kristin Ross sobre o Maio de 68, em França:

  • 44 It was an event, in the sense that Alain Badiou has given the term: something that arrives in exces (...)

33Foi um acontecimento, no sentido em que Alain Badiou atribui a este termo: algo que se dá em excesso, para além de qualquer cálculo, algo que desloca pessoas e lugares, que oferece uma nova situação para pensar. Foi um acontecimento, no sentido em que milhares – milhões mesmo – foram para além do que a sua educação, a sua situação social, a sua vocação inicial lhes permitia prever; um acontecimento no sentido em que a participação real – mais de que uma forma de solidariedade vaga e formal, muito mais do que uma partilha de ideias – alterou o curso das suas vidas.44.

  • 45 Francis Pisani, Op.Cit. p 225.
  • 46 Alain Badiou « Penser le surgissement de l’événement”, Cahiers du Cinéma, special issue “Cinéma 68” (...)

34Os deslocamentos inerentes à experiência da Torre Bela que não estavam inscritos em nenhuma ordem pré-estabelecida, as relações então propulsionadas entre vários actores, muitas vezes surgidas do acaso de um encontro, em que os “estranhos” de Lisboa ou de outro lado, eram um “prodigioso fermento”45, contribuíam para uma intensidade do então vivido em que “se ia aos limites de si mesmo”46 .

  • 47 Dossier Torre Bela 21/9/75 a Abril de 1977, Vol. II

35É tendo em conta este quadro que se pode falar de uma reconfiguração do espaço e do tempo numa experiência revolucionária colectiva: quem pode fazer o quê, onde e quando. Emparelhar remunerações, misturar funções, discutir constantemente o funcionamento da cooperativa em inúmeras assembleias, dinamizar momentos de lazer e associação (serões culturais, visionamento de filmes ou momentos musicais que poderiam mesmo acontecer em cima de um tractor, conforme relata Rabaça47) emprestava uma outra dimensão aquele foco localizado num espaço e tempo determinados, criava uma outra percepção sobre a velocidade do fluxo das acções pelos cooperadores/actores da revolução.

36Visava-se, muitas vezes, criar sentido de que as acções de cada um estavam conectadas com as acções de outros no país e no mundo, tanto através da prática do quotidiano, como de uma sessão de cinema ou da realização de um filme que iria levar os feitos dos cooperadores da Torre Bela a outros espectadores/potenciais actores revolucionários. Era não apenas uma forma de garantir que o exterior viesse até à Torre Bela, mas que a ideia que a enformava pudesse embarcar numa viagem mais longa pelas autoestradas do sul e do norte, este e oeste.

Topo da página

Anexo

AA.VV. (n/d), Cinequanon, brochura editada no quarto aniversário da Cinequanon [disponível para consulta na biblioteca da Cinemateca Portuguesa, Lisboa]

Arquivo pessoal de José Rabaça

AZAGRO/Torre Bela Dossier [manuscrito] -1975/1976, Vol. I, pp. 1-180

AZAGRO/Torre Bela Dossier [manuscrito] 21 September 1975 to Aprill 1977, Vol. II

AZAGRO sócio-cultural Dossier

Brochura editado para o segundo aniversário of the Popular Commune of Aveiras de Cima 9-3-77.

Brochura “Cooperativa Agrícola Popular da Torre Bela”, editada para o primeiro aniversário da cooperativa Torre Bela, 23 April 1976.

“Torre Bela: a luta dos camponeses – consciência revolucionária, era uma vez!” – Improp, associação de estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, No. 4, série III, 10-5-76.

Entrevistas

Entrevista a Angelika and José Caracol, Maçussa, Março 2010

Entrevista a Eduarda Rosa and José Rabaça, Corroios, Março 2010

Topo da página

Notas

1 Francis Pisani, Torre Bela – Todos temos direito a ter uma vida, Coimbra, Centelha, 1978.

2 Wilson Faustino Filipe nasceu e cresceu em Manique do Intendente, uma das aldeias que confina com a herdade da Torre Bela. Também conhecido por Sabú, alcunha talvez inspirada na “pele um tanto escura e lábios grossos” (Pisani, 1978:68), aos sete anos, Wilson alistou-se na Marinha como voluntário. Combateu em Angola e na Guiné. Quando retornou a Portugal, tornou-se um “profissional da vida nocturna” (Pisani, 1978:68). Mais tarde, envolveu-se num assalto a um banco na Avenida de Roma, em Lisboa. Aos 27 anos, quando o seu nome apareceu ligado à ocupação da Torre Bela, tornou-se uma “espécie de vedeta nacional” e uma das figuras mais controversas aos olhos do exterior da cooperativa (Pisani, 1978:67).

3 A abordagem documental de Torre Bela é sobretudo observacional, sem indícios ou marcas da implicação da equipa no que foi filmado. Usando uma sugestiva expressão anglo-saxónica, a câmara parece atuar à semelhança de uma fly on the wall, como se percepcionasse os eventos a partir do ponto de vista de um insecto na parede.

4 Menciono aqui dois trabalhos que realizei: o filme Linha Vermelha (2011) e o artigo Quando o cinema faz acontecer: o caso Torre Bela, publicado em “Arquivos da Memoria, Antropologia, Arte e Imagem”, Centro de Estudos de Etnologia Portuguesa, nºs, 5-6, 2009.

5 O fora de campo designa aquilo que não é visto dentro do plano, por contraposição ao “campo”, ou seja, aquilo que se inclui dentro do quadro.

6 Francis Pisani, Op. Cit. p. 213

7 Idem, p.214

8 Segundo o genérico final de uma das versões da Torre Bela depositada no Arquivo Nacional de Imagens em Movimento, da Cinemateca Portuguesa, as filmagens decorreram de 23 de Abril a 2 de Agosto de 1975.

9 Todas estas recolhas foram posteriormente agrupadas em três dossiers que apresentam uma extensa variedade de elementos, de actas de assembleias da AZAGRO (associação de cooperativas da região da Azambuja), passando por bilhetes escritos por cooperadores em processo de alfabetização, a letras de canções que parodiavam os candidatos da campanha eleitoral à Presidência da República de 1976. Por exemplo: “Dizem que Pinheiro é nosso / Pinheiro não é nosso não / Vende Portugal à NATO / Pinheiro é americão (...) Dizem que Otelo ganha / Se ganha não sabemos não/ Ganhar é só presidência / Otelo é revolução. (Dossier AZAGRO/Torre Bela 21/9/75 a Abril de 1977, Vol. II, p. 77, arquivo pessoal de José Rabaça)

10 A acção de Eduarda e José Rabaça estendia-se à União das Cooperativas Agrícolas de Produção da Azambuja (AZAGRO), estrutura que agrupava na região a Cooperativa Agrícola Popular da Torre Bela, Cooperativa Agrícola de Aveiras de Cima, Cooperativa Agrícola de Produção de Ameixoeira-Ferraria e Cooperativa Agrícola e Produtora da Marquesa, registada em 1 de Abril de 1976 (Dossier AZAGRO/Torre Bela 21/9/75 a Abril de 1977, Vol. II, p. 263, arquivo pessoal de José Rabaça)

11 Tanto Eduarda Rosa como José Rabaça tinham tido oportunidade de aplicar esses métodos enquanto elementos dos Serviços de Apoio aos Emigrantes Portugueses na Alemanha. Padre de formação, Rabaça fizera o Curso Superior de Filosofia e Teologia, na Guarda, cumprira o serviço militar em Moçambique, tendo passado também por Angola. Segundo Rabaça, “o grande sonho era fazer alfabetização, pôr as pessoas a discutirem os problemas a partir dos problemas que tinham, aprendendo a lê-los e a escrevê-los” na esteira de Paulo Freire que advogava a alfabetização como consciencialização da condição social do alfabetizado, um dos postulados da sua pedagogia da libertação. Entrevista a Eduarda Rosa e José Rabaça, Março 2010

12 O grupo sócio cultural da Torre Bela tinha por objectivo a “promoção do nível cultural e a consciência critica e responsável dos trabalhadores, com os trabalhadores”, o que incluía a missão da alfabetização dos muitos adultos analfabetos na Torre Bela e cooperativas vizinhas. (Dossier AZAGRO/Torre Bela 21/9/75 a Abril de 1977, Vol. II, p. 14, arquivo pessoal de José Rabaça)

13 Dossier Volume AZAGRO sócio-cultural, p. 115, Arquivo de José Rabaça.

14 Para Ross, “O evento 1968 foi acima de tudo uma recusa em massa por parte de milhares, mesmo de milhões de pessoas, em verem no social o que normalmente vemos: nada mais que as expectáveis categorias sociais.” (ROSS, 2002:25). Ross escreveu a história desta recusa no livro May ’68 and Its Afterlives.

15 Kristin Ross, – May’68 and its afterlives, Chicago and London, The University of Chicago Press, 2002.

16 Camilo Mortágua emigrou para a Venezuela com 17 anos, tendo aí entrado em contacto com Henrique Galvão, conhecido como organizador do chamado “assalto ao paquete Santa Maria.” Mortágua fundou a Liga de Unidade e Acção Revolucionária (LUAR), juntamente com Emidio Guerreiro e Palma Inácio e participou do referido ataque ao Santa Maria em Janeiro de 1961 e no assalto a um banco na Figueira da Foz em Maio de 1967, enquadrados em acções de luta contra o regime salazarista. Já depois da revolução do 25 de Abril, além de membro da cooperativa da Torre Bela, foi também fundador da Era Nova, colectivo cultural, de que também faziam parte José Afonso, Sérgio Godinho, Vitorino, Fausto e Francisco Fanhais. Entre 1979 e 1984, Camilo trabalhou em Moçambique, como responsável pela organização de cooperativas agrícolas a nível nacional, na dependência do Ministério da Agricultura. As suas memórias estão publicadas em Andanças Para a Liberdade vol. 1 - 1934-1961 (2009) e vol. 2 – 1961-1974 (2013), Esfera do Caos.

17 Francis Pisani , Op.Cit. p 201.

18 Idem, p.303.

19 A história da ligação de Óscar à cooperativa teve mesmo um episódio epopeico: devido à expiração do prazo de autorização para a sua estadia em Portugal, a policia colocou-o na fronteira espanhol. A distância não o demoveu, no entanto, de voltar à cooperativa pelos seus próprios meios. Quando regressou, os outros cooperantes sugeriram-lhe que suavizasse a fisionomia “provocadora”, aparando barba e cabelo para não despertar suspeitas junto das autoridades.

20 Francis Pisani, Op. Cit. p 215.

21 Francis Pisani, Op.Cit. p. 217.

22 S/a, “Torre Bela: a luta dos camponeses – consciência revolucionária, era uma vez!” – improp, jornal da associação de estudantes da Faculdade de Ciências de Lisboa, nº4, série III, 10-5-76.

23 Segundo Camilo Mortágua, “sem a cobertura da imprensa, sem os apoios encontrados em Portugal e no estrangeiro, sem as comissões de trabalhadores das fábricas, das pessoas que vêm de Lisboa, sem tudo isto, os trabalhadores já teriam desistido” (PISANI, 1978:219).

24 Francis Pisani, Op.Cit., p. 218

25 Francis Pisani, Op.Cit., p. 214

26 Angelika chegou mesmo a ser expulsa da cooperativa, em consequência da sua ligação com José Rodrigues. O casal foi entrevistado para o filme Linha Vermelha (2011), durante uma das suas estadias em férias na aldeia natal de Rodrigues, Maçussa.

27 Rabaça conta que ia juntamente com Camilo a reuniões em Lisboa ou Azambuja que se prolongavam noite dentro. No dia seguinte “se não estávamos às 6 ou 8 da manhã na apanha do grão ou outra coisa, éramos uns burgueses, porque ficávamos a dormir”. Eduarda acrescenta que “as pessoas não entendiam o trabalho cultural, o que se compreende.” Entrevista a Eduarda Rosa e José Rabaça, Março 2010.

28 Dossier Torre Bela 21/9/75 a Abril de 1977, Vol. II (p. 340-341)

29 Francis Pisani, Op.Cit, p. 15

30 Dossier AZAGRO sócio-cultural, do arquivo pessoal de José Rabaça, p. 110-111

31 Francis Pisani, Op.Cit. pp.100-106

32 Idem, p.101.

33 Francis Pisani, Op. Cit. pp. 101-102.

34 Brochura comemorativa do primeiro aniversário da cooperativa Agrícola Popular da Torre Bela, 23 de Abril de 1975, p.18.

35 No entender de Camilo, o “saber” e a “organização” situam-se normalmente na esfera dos mais privilegiados, o que acentua ainda mais as desigualdades: “Tem de se constatar que o camponês mais pobre raramente sabe cultivar a terra. É vítima mais que outros dos preconceitos mais antigos e da sua falta de formação. É no domínio da organização, aquele que as classes dominantes reservam sempre para si, que a carência é mais gritante.” (PISANI,1978:115).

36 Francis Pisani, ibidem,p. 127

37 Francis Pisani, Op.Cit, p.128.

38 Este equipamento de vídeo era então considerado muito inovador no quadro dos meios de que a cooperativa dispunha. Foi também usado por d’Orey e Isabel Chaves para cobrir a campanha de Otelo Saraiva de Carvalho, como candidato às eleições para presidente da República em Junho de 1976. O material filmado tanto sobre a Torre Bela como a campanha de Otelo veio a deteriorar-se com o tempo, segundo Pedro d’Orey.

39 Brochura da Cinequanon editada em comemoração do seu quarto aniversário [consultável na biblioteca da Cinemateca Portuguesa].

40 José Manuel Sobral, “ Os silêncios da História, os Sem-História: memória social, história e cidadania”, Le Monde Diplomatique, 8 de Fevereiro de 2007. Disponível em: http://pt.mondediplo.com/spip.php?article401 [consultado em 23 de Setembro 2014].

41 Dossier do arquivo pessoal de José Rabaça, vol I, p. 107.

42 Idem.

43 Dossier AZAGRO sócio-cultural, do arquivo pessoal de José Rabaça, p.14.

44 It was an event, in the sense that Alain Badiou has given the term: something that arrives in excess, beyond all calculation, something that displaces people and places, that proposes an entirely new situation for thought. It was an event in the sense that thousands – even millions – of people were led infinitely farther than their education, their social situation, their initial vocation would have allowed them to foresee; an event in the sense that real participation – much more than a vague, formal solidarity, much more even than shared ideas - altered the course of lives.” ( Kristin Ross, Op.Cit pp. 25-26).

45 Francis Pisani, Op.Cit. p 225.

46 Alain Badiou « Penser le surgissement de l’événement”, Cahiers du Cinéma, special issue “Cinéma 68”, ( 1988) pp 10-76.

47 Dossier Torre Bela 21/9/75 a Abril de 1977, Vol. II

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Filipe Costa, « Em direcção à autoestrada do sul. Estrangeiros e nacionais em trânsito na Torre Bela », Ler História, 67 | 2014, 11-25.

Referência eletrónica

José Filipe Costa, « Em direcção à autoestrada do sul. Estrangeiros e nacionais em trânsito na Torre Bela », Ler História [Online], 67 | 2014, posto online no dia 15 Julho 2015, consultado no dia 26 Setembro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/791 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.791

Topo da página

Autor

José Filipe Costa

IADE/ Instituto de História Contemporânea (IHC-FCSH-UNL)

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org