Navegação – Mapa do site
Em Debate

O 25 de Abril na Antropologia portuguesa 40 anos depois: trajecto das invisibilidades e visibilidades

Sónia Vespeira de Almeida
p. 178-183

Notas da redacção

Em complemento do dossiê «Transformações culturais no pós 25 de Abril de 1974», publicado neste número da Ler História, pedimos a Guya Accornero (investigadora em ciência política) e a Sónia Vespeira de Almeida (antropóloga) uma leitura pessoal do estado da arte sobre o «25 de Abril» e operíodo revolucionário nos seus campos disciplinares respectivos.

Notas do autor

O presente texto expande e actualiza reflexões anteriores (ver Almeida 2007, 2009).

Texto integral

11. Neste texto pretendo identificar como a Antropologia portuguesa e sobre Portugal mobilizou e interpelou o período revolucionário iniciado a 25 de Abril de 1974.

2A produção antropológica sobre a revolução portuguesa caracteriza-se por uma invisibilidade inicial no tratamento aprofundado deste período histórico, assistindo-se sobretudo nos primeiros anos do século XXI a uma inversão desta tendência, com emergência de publicações que mobilizaram temáticas diversificadas, em particular situadas na área dos movimentos sociais, memória e identidade nacional.

3Se disciplinas como a História, a Sociologia e a Ciência Política (ver Almeida & Freire, 2002) depressa se interessaram por este período da história contemporânea portuguesa, tal não foi o trajecto da Antropologia.

4Importa sublinhar, que a conjuntura revolucionária do 25 de Abril de 1974 fundou um laboratório de elaborações ideológicas convocando o universo rural, locus antropológico por excelência nos anos setenta, como mote das acções e centro do calendário das tarefas revolucionárias.

  • 1 Sublinhe-se que foi a partir da década de 70 que emergem a propostas que rompem com a visão sincrón (...)

5Como questionei noutros lugares (Almeida, 2007 e 2009), a tradição presentista e diacrónica da disciplina1 poderá ajudar a enquadrar alguma invisibilidade analítica do 25 de Abril de 1974 na Antropologia? Ou como sugeriu Boaventura de Sousa Santos (1984) houve um momento em que não foi possível antecipar um estudo crítico e filigranico “e tanto quanto possível objectivo” deste processo social e político. Nos anos oitenta a precocidade da análise foi justificada pelo sociólogo, por um lado pela impossibilidade de uma investigação empírica sólida, e por outro, nas suas palavras, “cada um à sua maneira, somos hoje analistas de um período de que fomos envolvidamente activistas […] fomos actores principais ou secundários de decisões importantes ou simplesmente mourejamos nas acções miúdas e quotidianas de que são feitas as grandes acções revolucionárias (1984:45)”.

62. A produção antropológica sobre o processo revolucionário é, em geral, tímida. As investigações produzidas no final da década de 70 e na década de 80 são marcadas por referências ténues, não sendo este período objecto de uma análise aturada.

7Recuemos, então, à década de setenta. Aqui importa destacar José Cutileiro que no posfácio, datado de 1977, inserido na versão portuguesa de A Portuguese Rural Society (1971), procede a uma actualização da sua obra sustentada em revisitações a Vila Velha ocorridas em Março e Setembro de 1975 e em Setembro de 1976. Neste texto, Cutileiro aborda a Reforma Agrária e as suas consequências, afirmando que a revolução de Abril de 1974, transformaram a sua monografia numa fonte histórica, afirmando que em “Setembro de 1976 o sistema de posse de terra e as relações sociais dele emergentes estavam substancialmente alterados e estudiosos de sociedades que visitando Vila Velha se quisessem servir do meu livro encontrariam discrepâncias entre o texto e a realidade” (1977: 403).

8Nesta década importa, ainda, referir a internacionalização do tratamento da revolução através de antropólogos estrangeiros que trabalhavam em terrenos portugueses. Caroline Brettell (1979) numa obra colectiva, coordenada por investigadores norte-americanos, analisa não só a emigração e as suas implicações na revolução no Norte de Portugal, mas também o potencial revolucionário do Norte e do Sul, procurando desmontar as dicotomias Norte/Sul, campo/cidade que percorreram os discursos pós-revolucionários.

9Nos anos oitenta, tal como na década anterior, o 25 de Abril não foi convocado nas reflexões que os antropólogos produziram sobre o país. Neste período, destacam-se um conjunto de artigos nomeadamente o de Brian O'Neill e Sandra Clark McAdam (1980) sobre a Reforma Agrária. Quatro anos mais tarde em Proprietários, Lavradores e Jornaleiras, Desigualdade social numa aldeia transmontana (1870-1978), O’Neill (1984) não considera a revolução como um momento de ruptura, uma vez que a Reforma Agrária não teve impacto no concelho estudado, não se observado alterações evidentes ao nível da propriedade. O antropólogo sublinha, no entanto, que uma das ténues mudanças introduzidas foi o cancelamento, após 1975, de alguns impostos sobre as terras. Ao abordar a questão da herança O’Neill faz ainda referência à “Revolução de 1974” e às alterações ao Código Civil de 1966 que esta proporcionou.

10Entrelaçando o olhar de um sociólogo e de uma antropóloga, o texto de Silva e Toor sobre as relações de patrocinato em Aguaril (1988) integra esta trajectória. Ao discutirem o “conservadorismo” dos camponeses, os autores aludem às Campanhas de Dinamização Cultural e Acção Cívica do MFA, afirmando, que a “dinamização cultural no campo […] viu-se emperrada pela resistência passiva dos camponeses. Tal fenómeno chegou a conduzir os militares à impaciência e, por vezes ao desespero”, sublinhando que as Campanhas não tiveram um efeito mobilizador (1988:52), não conseguindo abalar a “velha estrutura do poder clientelar” (1988:57).

11Neste período destacam-se novamente os olhares “estrangeiros” sobre Portugal. Pierre Sanchis na introdução à obra Arraial: Festa de um Povo (1983) chama a atenção para o facto de a “Revolução dos Cravos”, tal como o “1.º de Maio”, terem dado lugar, pelo menos nos contextos urbanos, “à explosão de uma das mais intensas festas que o mundo contemporâneo já conheceu” (1983,18), interrogando a relação entre as festas de romaria (objecto do seu estudo) e a festa revolucionária.

Por fim, importa destacar a contribuição da antropóloga norte-americana Joyce F. Riegelhaupt (1984) na obra In Search Of Modern Portugal. Riegelhaupt descreve o 25 de Abril como “a revolução portuguesa, a revolução das flores, dos cravos que trouxe euforia e sorrisos às caras dos Portugueses.” (1984:3).

  • 2 Nesta década importa referir também o artigo de Robert Roy Reed (1995), onde o autor se centra na d (...)

12Nos anos 902, Joaquim Pais de Brito na obra Retrato de uma Aldeia com Espelho, Ensaio sobre Rio de Onor (1996) refere a viragem histórica inerente ao 25 de Abril de 1974, aquando da análise do conselho (dos conflitos e tensões inerentes) e da gestão da propriedade comunal em Rio de Onor, apontando que o “facto de mais radical importância foi a passagem pela aldeia dos militares durante as “campanhas de dinamização cultural» do nordeste” (1996,85), que auxiliaram a população na resolução de uma tentativa de apropriação individual de parcelas nos coutos.

13Nesta década, e pela primeira vez, o estudo das transformações ideológicas e culturais operadas no contexto do 25 de Abril de 1974 são objecto de análise critica e aprofundada pela mão de Jorge Freitas Branco e Luísa Tiago de Oliveira. Organizada em dois volumes, a obra Ao Encontro do Povo (1993; 1994), parece pronunciar o tratamento mais aturado que a revolução de 1974 será objecto nos anos subsequentes.

14Neste estudo os autores conciliam as abordagens da História e da Antropologia, dando a conhecer o Serviço Cívico Estudantil (1975), nomeadamente o Plano de Trabalho e Cultura. Coordenado por Michel Giacometti tinha como objectivo central uma recolha etnográfica: literatura popular, música regional, instrumentos musicais, cultura material, medicina popular. O Plano de Trabalho e Cultura, através de um encontro estreito com o povo “rural”, procurava também associar o movimento estudantil ao processo revolucionário. Numa outra leitura, esta obra reenvia-nos também para a perspectiva das populações sobre a revolução, através da memória dos estudantes que integraram as diferentes brigadas que percorreram o país.

15A antropologia portuguesa inicia o século XXI consolidando a renovação temática e a diversidade de terrenos, abrindo espaço para a reflexão, construção e publicação de etnografias sobre os acontecimentos da conjuntura revolucionária de 1974.

16Preocupado com a temática da memória do 25 de Abril, Tiago Matos Silva em Pais de Abril, Filhos de Novembro. Memória do 25 de Abril (2002), trabalha a forma como a revolução é apropriada por duas gerações “de quem viu e de quem ouviu contar”. O antropólogo interessa-se em particular pelas seguintes questões: “como se produz a memória de um facto? Como é que se chega a um ponto em que o facto, neutro à partida, passa a ser considerado positivo ou negativo? Como é que se produzem e subsistem memórias diferentes, e às vezes opostas, dos mesmos factos? Por que processo é construída a História (2002:119).

17Em Terras de Catarina. Do Latifúndio à Reforma Agrária, Ocupação de Terras e Relações Sociais em Baleizão, Margarida Fernandes (2006) circunscreve como espaço de interpelação Baleizão (concelho de Beja) - área de predominância dos assalariados rurais e uma das aldeias de forte influência do Partido Comunista Português - no período compreendido entre 1974 e 1976, anos em que vigorou a Reforma Agrária. Margarida Fernandes parece dar continuidade temática e analítica às inquietações de José Cutileiro presentes no texto de 1977, ao trabalhar os campos do sul, em particular o processo de Reforma Agrária, procurando uma articulação de escalas ao demonstrar que “processos mais amplos influenciam os processos locais” (2006:17).

18Nesta década, destacarei também a minha própria investigação sobre as Campanhas de Dinamização Cultural e Acção Cívica do MFA (Almeida, 2009), uma acção que aliou militares, intelectuais e diferentes sectores da sociedade, que percorreu as zonas rurais do norte e centro interior do país, sobretudo do Minho, Trás-os-Montes, Beira Alta e Beira Baixa. Em Camponeses, Cultura e Revolução, através de uma etnografia retrospectiva, trabalhei um movimento específico da conjuntura revolucionária. Para além de reconstituir o acontecimento, interroguei o nexo entre camponeses e processos de construção da nação revolucionária.

19Finalmente, na segunda década do século XXI, João Baia (2013), mantendo o grau de interlocução com o tópico da memória, desenvolve uma investigação sobre dimensão local do SAAL (Serviço de Apoio Ambulatório Local), em particular sobre as memórias dos moradores do bairro da Relvinha em Coimbra. Em SAAL e Autoconstrução em Coimbra – Memórias dos Moradores do Bairro da Relvinha 1954-1976, Baia situa-nos perante os processos, as trajectórias das pessoas que participaram neste movimento que aliou a revolução e a arquitectura. À semelhança de Fernandes (2006) e Almeida (2009), João Baia aproxima-nos da dimensão individual, local, colectiva, nacional e internacional da revolução.

203. Traçado o itinerário da abordagem antropológica à conjuntura revolucionária iniciada a 25 de Abril de 1974, podemos concluir que a sub-exposição inicial é possível de ser interpretada, por um lado, através dos interesses temáticos e metodológicos da própria disciplina, avessa na época ao estudo da mudança social e cujo discurso se desenvolveu como antídoto da revolução e desordem (Wolf, 1997:21) e, também, no caso português pela “frigorificação” do mundo rural (Cabral, 1981:137).

21Contudo, a inversão desta tendência no início do deste século, torna visível o contributo que o olhar antropológico traz ao conhecimento sobre esta conjuntura histórica, afastado das narrativas épicas das operações militares do dia 25 de Abril, da cronologia linear dos acontecimentos e dos aspectos partidários e institucionais. Ancorado numa prática etnográfica sólida, o zoom é regulado, mais apertado e fino dando a ver os quotidianos, os processos e os múltiplos protagonistas da revolução.

Topo da página

Bibliografia

ALMEIDA, Sónia Vespeira de, 2007, “Campanhas de Dinamização Cultural e Acção Cívica do MFA: uma etnografia retrospectiva”. In Arquivos da Memória, N.º 2 (nova série), Lisboa: CEEP, 2007, 47-65. Disponível em http://ceep.fcsh.unl.pt/ArtPDF/04_Sonia_V_Almeida[1].pdf

- 2009, Camponeses, Cultura e Revolução. Campanhas de Dinamização Cultural e Acção Cívica do Movimento das Forças Armadas (1974-1975), Lisboa, IELT-Colibri

ALMEIDA, Sónia Vespeira de; FREIRE, Dulce, 2002, “Portugal 1974-1976. Processo Revolucionário em Curso. Apresentação”. In Arquivos da Memória, N.ºs 12/13 (“Portugal 1974-1976. Processo Revolucionário em Curso”), Lisboa, CEEP (FCSH-UNL)/ Colibri, 11-21

BAIA, João, 2013, SAAL e Autoconstrução em Coimbra - Memórias dos Moradores do Bairo da Relvinha 1954-1976, 100 Luz , Instituto de Literatura Tradicional.

BRANCO, Jorge Freitas; OLIVEIRA, Luísa Tiago de, 1993, Ao Encontro do Povo – I: A Missão, Oeiras, Celta

BRANCO, Jorge Freitas; OLIVEIRA, Luísa Tiago de, 1994, Ao Encontro do Povo – II: A Colecção, Oeiras, Celta

BRETTELL, Caroline, 1992, “Multiple Voices and The meaning of Revolution: a comment of the contributions of João Camilo do Santos and João Pina-Cabral”, Herr, Richard (eds.), The New Portugal. Democracy and Europe, EUA, University of Califórnia at Berkeley, 198-201

BRITO, Joaquim Pais de, 1996, Retrato de uma Aldeia com Espelho, Ensaio sobre Rio de Onor, Lisboa, Publicações D. Quixote

CABRAL, Manuel Villaverde, 1981, “A ética dos estudos camponeses: notas breves para uma reflexão sobre o campesinato e o seu «futuro» em Portugal". In Revista Critica de Ciências Sociais. A Pequena Agricultura em Portugal, 7/8, Coimbra, Dezembro, 133-148

CUTILEIRO, José, 1977 [1971], Ricos e Pobres no Alentejo, Lisboa, Livraria Sá da Costa

FERNANDES, Margarida, 2006, Terra de Catarina, Do Latifundio à Reforma Agrária, Ocupação de Terras e Relações Sociais em Baleizão, Oeiras, Celta Editora

GODINHO, Paula, 2001, Memórias da resistência Rural no Sul. Couço (1958-1962), Oeiras, Celta Editora

McADAM CLARCK, Sandra; O´NEIL Brian, 1980, "Agrarian Reforms in Southern Portugal". In Critique of Anthropology, 4 (15), 47-74

O'NEILL, Brian, 1984, Proprietários, Lavradores e Jornaleiras, Desigualdade social numa aldeia transmontana (1870-1978), Lisboa, Publicações D.Quixote

REED, Robert Roy, 1995, “From Utopian Hopes to Practical Politics: A National Revolution in a Rural Village”, Comparative Studies in Society and History, Vol. 37, N.º 4, Out.1995, 670-691

RIEGELHAUPT, Joyce F., 1984, “Introduction”. In Graham, L. S. & Wheeler, Douglas L., (eds), In Search Of Modern Portugal, Wisconsin University Press, 3-13

SANCHIS, Pierre, 1983, Arraial: Festa de um Povo, Lisboa, Publicações D. Quixote

SANTOS, Boaventura de Sousa, 1984, “A Crise do Estado e a Aliança Povo/MFA em 1974-1975". In Seminário 25 de Abril 10 Anos Depois, Associação 25 de Abril, Fundação Calouste Gulbenkian, 45-48

SILVA, Augusto Santos, 1994, Tempos Cruzados, Um Estudo Interpretativo da Cultura Popular, Porto, Edições Afrontamento

SILVA, Manuel Carlos; TOOR, Marga von, 1988, “Camponeses e Patronos: o caso de uma aldeia Minhota”. In Cadernos de Ciências Sociais, N. º 7, Novembro, 51-80

SILVA, Manuel Carlos, 1987, “Camponeses nortenhos: «conservadorismo» ou estratégias de sobrevivência, mobilidade e resistência?”. In Análise Social, Vol. XXIII (97), Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, 407-445

- 1998, Resistir-se e Adaptar-se, Constrangimentos e estratégias Camponesas no Noroeste de Portugal, Porto, Edições Afrontamento

SILVA, Tiago Matos, 2002, Pais de Abril, Filhos de Novembro. Memória do 25 de Abril, Lisboa, Edições Dinossauro

SOBRAL, José Manuel, 1999, Trajectos: o Presente e o Passado na Vida de uma Freguesia da Beira, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais

Topo da página

Notas

1 Sublinhe-se que foi a partir da década de 70 que emergem a propostas que rompem com a visão sincrónica da disciplina reforçada com autores com Wolf, Fabian, ou Marshal Sahlins.

2 Nesta década importa referir também o artigo de Robert Roy Reed (1995), onde o autor se centra na dimensão local do processo revolucionário. Assinale-se que esta década é, igualmente, marcada pelo aparecimento de alguns estudos interdisciplinares, onde a conjuntura revolucionária é considerada (ver por exemplo Silva, 1994; Silva, 1998; Sobral, 1999).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Sónia Vespeira de Almeida, « O 25 de Abril na Antropologia portuguesa 40 anos depois: trajecto das invisibilidades e visibilidades », Ler História, 67 | 2014, 178-183.

Referência eletrónica

Sónia Vespeira de Almeida, « O 25 de Abril na Antropologia portuguesa 40 anos depois: trajecto das invisibilidades e visibilidades », Ler História [Online], 67 | 2014, posto online no dia 15 Julho 2015, consultado no dia 24 Maio 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/937

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org