Navegação – Mapa do site
Em Debate

Exposição - Visitação. O Arquivo: Memória e Promessa

Vírgina Baptista
p. 199-202

Texto integral

1A exposição Visitação. O Arquivo: Memória e Promessa esteve patente no Museu de S. Roque, de 10 de Julho a 2 de Novembro de 2014, inaugurando a reabertura da Galeria de Exposições Temporárias.

2O curador foi Paulo Pires do Vale que propôs uma visita ao Arquivo Histórico e a uma História, a da Misericórdia de Lisboa, com 516 anos, articulando dois tempos: o passado e o contemporâneo. A par dos documentos históricos, recriaram as diversas memórias da Visitação, as fotografias de Sinais de Expostos, de Daniel Blaufuks, série intitulada Corte, 2014, a peça Magnificat de João Madureira, 2014, composta a partir de uma peça do compositor Filipe de Magalhães do séc. XVII, existente no fundo musical do Arquivo (apresentada no final da exposição) e as duas projecções do realizador Pedro Costa, Filhas do Fogo, de 2013, na Igreja de S. Roque (a que se seguirá um filme baseado no Arquivo).

  • 1 As primeiras respeitantes a questões morais e religiosas: ensinar os simples, dar bom conselho a qu (...)

3O objectivo da Instituição foi mostrar a História dos (as) “sem história”, os seus quotidianos, que são a causa da existência da Misericórdia de Lisboa centrada no seu Compromisso, que procura concretizar as catorze Obras de Misericórdia, as sete obras espirituais e as sete obras corporais1. Os documentos expostos rememoram como se cumpriu essa intenção em diferentes tempos e áreas: tratamento de doentes, acolhimento das crianças expostas, dar de comer a quem tem fome, visitar presos, resgatar os cativos e apontam para a promessa da sua continuidade.

4Comecemos pela polissemia da palavra Visitação que remete para a revisitação do Arquivo, com a selecção de documentos, da História dos(as) assistidos(as) pela Instituição e para a Visitação de Nossa Senhora a Santa Isabel, esta já de idade avançada, ambas grávidas, de Jesus Cristo e de São João Baptista, que no calendário litúrgico correspondeu a 2 de Julho. Esta data passará a ser o dia da celebração da Misericórdia de Lisboa em que os 100 confrades elegiam os 13 membros que dirigiam a irmandade, nobres e dos mesteres, chefiados pelo provedor (reunindo-se, geralmente, em redor de uma mesa redonda para não destacar nenhum irmão).

  • 2 A Rainha D. Leonor era regente do reino devido à ausência de D. Manuel em Castela onde se deslocou (...)

5Logo à entrada da Galeria um painel multimédia conduzia os visitantes aos edifícios onde se instalou a Confraria: a primeira sede da Misericórdia foi na capela do claustro da Sé de Lisboa, capela da Piedade ou da Terra Solta, onde a 15 de Agosto de 1498 foi fundada a Confraria por D. Leonor2. D. Manuel terá edificado a nova sede da Misericórdia de Lisboa, concluída em 1534, já no reinado de D. João III, que desabou com o terramoto de 1755 (em parte do terreno construiu-se a Igreja da Conceição Velha, em cujo tímpano se destaca a escultura de Nossa Senhora da Misericórdia). A Santa Casa acabaria por ficar dispersa até que o Marquês de Pombal doou à Misericórdia de Lisboa o complexo de S. Roque em 1768 (após a expulsão dos jesuítas em 1759).

6Vários documentos/monumentos indicam o percurso desta (re)visitação. O mais antigo Compromisso da Confraria da Misericórdia de Lisboa, de 1516, em que são visíveis as insígnias de D. Manuel I e a imagem de Nossa Senhora da Misericórdia sob cujo manto, segurado por anjos, toda a humanidade teria direito à sua protecção. Depois, o Compromisso de 1520, com 34 fólios de pergaminho iluminado e papel, referindo as catorze Obras de Misericórdia.

7O quadro de Peter Bruegel, o Jovem, Obras de misericórdia do 1º quartel do séc. XVII, Escola Flamenga, pintura a óleo sobre madeira, do espólio do Museu Nacional de Arte Antiga, mostra as obras de misericórdia materiais, que nascem a partir do cristianismo. Daí a bacia da cerimónia do Lava-Pés da 2.ª metade do século XVII (recordando Cristo a lavar os pés aos discípulos) e o Bom Samaritano, pintura de autor anónimo, do 2.º quartel do séc. XVII, oriunda da Igreja de Santa Cruz do Castelo, em Lisboa.

8Continuando a visitação da História da Misericórdia os objectos/ documentos têm em comum o assistir os “outros”: um almofariz com mão, um jarro, com as iniciais do Hospital Real de Todos os Santos (HRTS), que foi administrado pela Santa Casa, ambos do espólio do Museu da Farmácia, em Lisboa e livros dos séculos XVI e XVII com registos e decretos relativos à Instituição.

9Outros documentos de meados e finais do séc. XVIII revelam o resgate de cativos, com somas avultadas e o apoio jurídico aos presos. Também a concessão de esmolas e a assistência aos peregrinos ou doentes está reproduzida em documentos diversos, anotando-se as suas paragens em cada Misericórdia.

10De Vasco Fernandes, conhecido por Grão Vasco, A Visitação, de 1506 a 1511, do acervo do Museu de Lamego, representando a vontade de Maria grávida, que de longe foi visitar a prima Isabel, envolvendo-se num abraço de promessa, talvez de um reencontro futuro.

11Neste ideário, como se intocáveis, por sagrados, se trataram os Sinais dos Expostos que acompanharam as crianças deixadas ao cuidado da Misericórdia de Lisboa e que serviriam como identificação para a possível recuperação da criança pelos pais, o que terá ocorrido em 60% dos casos. Observavam-se metades de bordados, cartas de jogar, medalhas, papéis recortados que se encaixam, meia cautela da extracção do ano 1863-1864, a metade da fotografia de um homem. Tomando o exemplo de 1853, de um menino deixado com um escrito numa fita bege colocada na cintura pode ler-se, em palavras bordadas a vermelho: “Triste Seperação! Mas breve te verei”. No Arquivo Histórico constam cerca de 78 000 sinais dos séculos XVIII e XIX.

  • 3 O decreto de 11 de Agosto de 1834 dissolveu a Mesa e extinguiu a irmandade da Santa Casa da Miseric (...)

12Na segunda metade do século XIX, ao elevado número de crianças expostas correspondiam grandes taxas de mortalidade infantil. Na premência de responsabilizar os progenitores pela criação dos filhos, por decreto de 1867 foi extinta a roda dos expostos, acabando a roda em Lisboa e o anonimato em 1870, e iniciando-se a estratégia de apoios às famílias carenciadas, nomeadamente através de subsídios de lactação. No reinado de D. Maria I, em 1783, inaugurou-se a lotaria nacional cujos proventos, em parte, reverteram para a assistência aos expostos. Devido a vicissitudes várias, a partir de 1834 o provedor passou a ser nomeado pelo rei e pelos governos3.

13Já de meados do século XX as fotografias de ortóteses do Hospital Ortopédico de Sant’Ana, que pertence à Misericórdia de Lisboa, desde 1911. Ainda na área da investigação médica, visionaram-se imagens de Imagiologia cerebral relativas ao projecto que tem por objectivo investigar a doença de Huntington, desenvolvido, pela da Prof.ª Doutora Ana Cristina Rego, que foi o primeiro prémio neurociências, em 2013, atribuído pela SCML.

14No âmbito da assistência, olhares inquietantes de hoje percorrem as fotografias, de 1959, dos que em filas aguardavam pela distribuição da Sopa dos Pobres, confeccionada em diversas Cozinhas e postos de Lisboa. Ainda, neste âmbito, nos deu conta o filme da festa de inauguração das instalações remodeladas do Internato para crianças do Alvor da década de 1960 e a reportagem sobre o trabalho realizado com as crianças do Bairro Municipal do Cruzeiro em Lisboa, de 1971.

15Por fim, é de enaltecer a inovação do design gráfico, o cuidado e o rigor científico colocados na elaboração do catálogo, constituído por quatro tomos, incluindo um CD, representando os cadernos 1 a 3 os tempos do Arquivo. Contou com as contribuições de responsáveis diversos pela exposição e a da Prof.ª Doutora Isabel dos Guimarães Sá, investigadora em temáticas alusivas às Misericórdias.

Topo da página

Notas

1 As primeiras respeitantes a questões morais e religiosas: ensinar os simples, dar bom conselho a quem o pede, castigar com caridade os que erram, consolar os tristes desconsolados, perdoar a quem nos fez mal, sofrer as injúrias com paciência, rogar a Deus pelos vivos e pelos mortos; as obras corporais ligadas à assistência material: remir os cativos e assistir os presos, visitar e curar os enfermos, cobrir os nus, dar de comer aos famintos, dar de beber a quem tem sede, dar pousada aos peregrinos e pobres, enterrar os mortos.

2 A Rainha D. Leonor era regente do reino devido à ausência de D. Manuel em Castela onde se deslocou para ser jurado herdeiro dos reis Católicos, D. Isabel e D. Fernando, em Castela e Aragão.

3 O decreto de 11 de Agosto de 1834 dissolveu a Mesa e extinguiu a irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Vírgina Baptista, « Exposição - Visitação. O Arquivo: Memória e Promessa », Ler História, 67 | 2014, 199-202.

Referência eletrónica

Vírgina Baptista, « Exposição - Visitação. O Arquivo: Memória e Promessa », Ler História [Online], 67 | 2014, posto online no dia 15 Julho 2015, consultado no dia 26 Abril 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/949

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org