Navegação – Mapa do site
Dossiê: Descrever a cidade

Os dormitórios de Lisboa: discursos técnicos e imagens na Imprensa (1959-1974)

Les dortoirs de Lisbonne: discours techniques et images dans la presse (1959-1974)
Lisbon’s dormitory towns: technical discourses and press images (1959-1974)
João Pedro Silva Nunes
p. 73-91

Resumos

A década de 60 constituiu um período de forte urbanização de Lisboa e dos seus concelhos limítrofes. As zonas de transição entre a frente urbana consolidada, os campos e os antigos núcleos suburbanos foram rápida e intensamente ocupadas por edificado residencial e por populações que quotidianamente se deslocavam a Lisboa para trabalhar, estudar e recrear-se. Neste artigo apreendem-se e interpretam-se duas gamas de descrições dos territórios tidos como dormitórios de Lisboa num arco temporal preciso. A primeira, originária da esfera do Ministério das Obras Públicas, integra o trabalho preparatório à elaboração de um instrumento de planeamento regional – o Plano Director da Região de Lisboa. A segunda é constituída por imagens produzidas e difundidas na imprensa da época. Tais descrições oferecem elementos qualitativos das mudanças sociais e territoriais que a passagem da cidade industrial à metrópole engendra.

Topo da página

Entradas no índice

Mots-clés :

Lisbonne, métropole, dortoirs

Palavras chaves :

Lisboa, metrópole, dormitórios
Topo da página

Notas do autor

Ao Professor Eloy Fernández Clemente, Frédéric Vidal, Graça Índias Cordeiro, Inês Pereira e Luís V. Baptista o agradecimento do autor pelos comentários e críticas.

Texto integral

Introdução

1Após a II Guerra Mundial, nas principais cidades europeias assiste-se a uma intensa redistribuição da população e a um aumento do ritmo de ocupação dos seus arredores. Nalguns casos, como em França e no Reino Unido, tal processo surge associado à reconstrução, à planificação urbana e territorial e às políticas sociais criadas na institucionalização do Estado Providência. Aí a figura do Plano e as práticas de ordenamento regional adquirirão importância crescente e os seus resultados no domínio do alojamento encontram-se patentes nas edificações de new towns e de grands ensembles. Noutros casos, como em Portugal, o peso das políticas públicas de habitação foi significativamente mais reduzido; a planificação e ordenação regional pouco eficaz e a incipiente institucionalização de práticas típicas do Estado Providência ao longo dos anos 60 ocorre num contexto político ditatorial de matriz corporativa. O crescimento de Lisboa será marcado pelo predomínio de práticas construtivas fundadas na promoção privada e na clandestinidade de loteamento e de edificação.

2Todavia, o povoamento, as actividades e sobretudo a especialização residencial dos espaços introduziram e incrementaram a lógica da urbanização (Rémy e Voyé, 1994: 13) – «entendida como processo que integra a mobilidade espacial na vida quotidiana (conduzindo) a uma re-definição da incidência dos modos de territorialidade nas formas sociais de troca e de estruturação das relações de força». Zonas de transição entre a frente urbana consolidada e os campos, tornaram-se objecto de ocupação residencial e de povoamento intenso. Em diferentes contextos citadinos e nacionais, apreciações variadas contribuíram para descrever e tipificar estes «novos territórios urbanos» (Rivière d’Arc, 2001). Designações como dormitorios, dortoirs, dormitories fizeram o seu curso. Maiores na escala e mais penetrantes no hinterland das cidades do que os antigos subúrbios de Oitocentos (Pinheiro, 2005), estes territórios recém urbanizados suscitaram tipificações que tinham por base as práticas dos seus mais recentes residentes: a pendularidade casa-trabalho ou o commuting – efeito da «‘configuração temporal’ da sociedade industrial» como refere François Ascher (2000: 203-5).

3Neste artigo procurar-se-á apreender e interpretar duas gamas de descrições dos dormitórios de Lisboa num arco temporal preciso: entre o final da década de 50 e o ano de 1974. Num primeiro momento, o foco será dirigido para os discursos técnicos do planeamento regional e urbano nos quais descrições especializadas do território integram iniciativas de regulação técnica e política da economia e da sociedade. Num segundo momento, serão as imagens produzidas pela imprensa o objecto de análise. Num contexto social em que a leitura de jornais assumia grande relevo, as imagens produzidas e difundidas pela imprensa constituíam o principal meio de transmissão significados relativamente às condições e experiências de ocupação residencial pioneira dos arredores da cidade.

A Grande Lisboa no final da década de 1950 – Concentração urbana, transportes colectivos e condições de alojamento

  • 1 Ao longo do texto o território em análise é composto pelos seguintes concelhos: Lisboa, Sintra, Cas (...)

4Nos anos 50 do século XX, Lisboa e seus concelhos limítrofes ultrapassam o primeiro milhão de habitantes1. Se a população de Lisboa ainda cresce cerca de 88 mil habitantes entre 1940 e 1950, em 1960 o crescimento face ao recenseamento anterior cifrar-se-á em cerca de 20 mil, atingindo o limiar dos 800 mil habitantes. Já o crescimento dos concelhos vizinhos – e em particular aqueles contíguos ao perímetro administrativo da Capital – segue outra tendência: Almada passa de 23 mil habitantes em 1940 a 43 mil em 1960; Loures atinge 102 mil habitantes em 1960 face a 35 mil em 1940; e Oeiras, que há data incluía então freguesia da Amadora, aumenta em 60 mil almas a sua população – de 37 mil em 1940 para 97 mil em 1960. Não é apenas o volume global de população que segue crescente: multiplicam-se e aumentam de dimensão os lugares suburbanos. Um período de urbanização intensa no qual Lisboa «domina demograficamente» (Baptista, 1996).

Gráfico n.º1: Volume de População em Lisboa e seus Concelhos Limítrofes (1920-1991)

Gráfico n.º1: Volume de População em Lisboa e seus Concelhos Limítrofes (1920-1991)

Legenda: Lisboa – Concelho; Margem Norte – Sintra, Cascais, Oeiras, Loures, Vila Franca de Xira; Margem Sul – Alcochete, Montijo, Barreiro, Moita, Seixal e Almada.

Fonte: INE – X Recenseamento Geral da População (1960).

5Um período também em que diferentes «modos e caminhos» (Ferreira, 2004: 290) da urbanização se recortam. Em primeiro lugar, permanecia ainda operante uma ocupação do solo estruturada a partir do ensanche – isto é, de um sistema de traçados e quadrículas estabelecido desde finais de Oitocentos que continuava a ser infra-estruturado e cujos lotes eram alienados para a edificação de prédios de rendimento. Este modo de crescimento permanecerá operacional até à urbanização a sul da Avenida Alferes Malheiro, isto é, até Alvalade e até ao final da década de 50 – como sublinha Nuno Portas (1997: 119).

6Em segundo lugar, alastra e densifica-se a ocupação a partir de antigas vias de saída da cidade – as Estradas da Luz, de Benfica, da Circunvalação, de Pedrouços ou o complexo de calçadas e ruas em direcção a norte, junto ao Tejo, de Santa Apolónia a Sacavém. Nestes casos é a partir dos antigos caminhos e da sua infra-estruturação que se vai fazendo a partição de lotes e a edificação. Entre estas duas «formas de crescimento urbano», na expressão de Solà-Morales (1997), o ensanche e o crescimento suburbano Oitocentista apoiado na via, uma série de bairros é edificada. Um dos que melhor representa este duplo processo é o Bairro do Rego. Entre as Avenidas Novas e as antigas vias de saída da cidade, um conjunto de bairros destinado às camadas populares urbanas e a pequenos patrões é edificado nas primeiras três décadas do século XX (Baptista, 1994), dispondo de uma posição vantajosa face às linhas eléctricos e à linha férrea de cintura.

7Em terceiro lugar, e em intima associação ao comboio, crescem os núcleos suburbanos, densificando-se e expandindo-se para as envolventes acessíveis a pé. Como salienta Teresa Barata Salgueiro:

«Entre as duas guerras novos desenvolvimentos suburbanos surgem em articulação com o progresso nos transportes colectivos como a Venda Nova, a Cova da Piedade, tal como Almada ligada por barco à Baixa, e outros núcleos residenciais “de porta” como são Algés, e Moscavide, ou já um pouco mais afastada a Amadora. Queluz também começa a desenvolver-se nesta época, embora o seu grande desenvolvimento, tal como o da Amadora, só se venha a verificar depois dos anos 40.» (2001: 44)

8Ao padrão de concentração associado aos três processos descritos corresponde uma complexa rede de transportes colectivos: de eléctricos, com uma rede que atingia os 145 quilómetros em 28 linhas e 40 percursos (Azevedo, 1998: 29-30); de caminhos-de-ferro – com as linhas de Cascais, de Sintra e da Azambuja, de travessia fluvial. A cidade de Lisboa e os seus núcleos suburbanos aproximavam-se bem da forma de cidade «em dedos de luva» (Bordreuil, 2000: 175) típica da cidade industrial. A maioria das áreas residenciais tendia a localizar-se em justaposição às linhas de transporte colectivo, pois dessa localização decorria o melhor acesso aos locais de trabalho, de consumo e de recreação. Daí que fossem os lugares contíguos à capital ou aqueles cujo acesso fosse rápido e fácil os principais beneficiários do sistema rádioconcêntrico, contribuindo para reforçar o próprio desenho do sistema e o seu crescimento, em particular o das radiais (Ferreira, 2004: 311).

9À intensa concentração demográfica correspondia uma forte pressão sobre o parque de alojamento. Em 1950, o inquilinato era o estatuto de ocupação do alojamento estatisticamente dominante – em 90% dos alojamentos familiares em prédio em Lisboa, em mais de 60% nos concelhos vizinhos (INE, 1954). Todavia, esta «cidade de inquilinos» (Nunes, 2005) era também a cidade do «aluguer de partes de casa» ou da «sub-locação» (Silva, 1964), modo de acesso ao alojamento que atingia proporções na ordem dos 17% dos alojamentos em prédio no Barreiro, 16% em Almada e em Loures, e um 25% em Oeiras e em Lisboa. Uma considerável proporção de habitantes de Lisboa e dos seus arredores residia em miseráveis bairros de lata. Investigação conduzida pelo Gabinete Técnico de Habitação do Município de Lisboa revelava que, em 1960, 4% da população da Capital, aproximadamente 40 mil habitantes, vivia em bairros de lata (Machado, 1965).

Discursos técnicos – o Plano Director da Região de Lisboa

  • 2 Ministério das Obras Públicas (1960), Plano Director do Desenvolvimento Urbanístico da Região de Li (...)

10Um instrumento de ordenamento destinado a Lisboa e aos seus territórios limítrofes, originário da esfera de iniciativa do Ministério das Obras Públicas, começa a ganhar forma ainda no final da década de 50: o Plano Director do Desenvolvimento Urbanístico da Região de Lisboa2. O estudo relativo à construção de uma travessia rodoviária do Tejo e consequente alteração no sistema de vias na área envolvente à Capital – ou seja, um duplo investimento rodoviário de largo alcance que se afigurava possível no curto prazo – suscitava uma acção urgente. Mas o telos do plano era mais abrangente. Na mira do Ministério das Obras Públicas encontrava-se a optimização do território da aglomeração. Tratava-se de equilibrar a ocupação da região através de uma melhor distribuição da indústria e das vias de circulação (Sousa Lobo, 1988: 145). Deficiências na localização das actividades económicas eram diagnosticadas. A distribuição das diferentes categorias socio-ocupacionais era tida como segregada. Com o plano pretendia-se obter eficiência no ordenamento social e urbanístico da região e incrementar a produção no território que maior peso apresentava na economia nacional.

11A iniciativa inscreve-se na orientação clássica do planeamento regional (Boyer, 1997: 173 e 193). O PDRL é um indício da emergência de um entendimento da cidade e dos arredores como aglomeração. Um entendimento regional partilhado pelos principais intervenientes na política urbana da época, como sublinha Luís Baptista (1999: 192-6). A publicação da discussão e parecer da Câmara Corporativa relativo ao projecto lei fundador (Parecer da Câmara Corportativa n.º 11/VII) é acompanhada de um longo texto no qual são passados em revista dois grandes tipos de contributos: os recentes desenvolvimentos britânicos e franceses em termos de planos, de modelos e de legislação urbanística, e a teoria económica regional (Sousa Lobo, 1990). A circulação internacional de modelos e de experiências encontrava-se bem estabelecida.

  • 3 Ministério das Obras Públicas (1964) Plano Director da Região de Lisboa. Anteplano, Volume I. Memór (...)

12Objecto de vasto trabalho preparatório levado a cabo por uma numerosa equipa, o Plano Director da Região de Lisboa foi publicado em 19643. O discurso técnico sobre a «aglomeração de Lisboa» é sistemático, exaustivo e analítico: do solo aos lugares e zonas de potencial desenvolvimento turístico, da agricultura às praias, da florestação aos portos, passando pelas mais prementes questões: a evolução demográfica, as condições de habitação e a mobilidade.

13É justamente na proposta de Lei n.º 14, de 6 de Fevereiro de 1959, assinada pelo Engenheiro Arantes e Oliveira, o então ministro das Obras Públicas, que surge uma descrição exemplar do dormitório, ou melhor dos dormitórios de Lisboa. A sequência enunciativa seguida na peça legislativa é particularmente rica, pois permite reconstituir a lógica da descrição técnica e política dos arredores da Lisboa de então. A dinâmica industrial da região e os fluxos migratórios campo-cidade, que alimentavam uma intensa procura de alojamento e respostas por parte da indústria da construção, constituem o pano de fundo da descrição.

«À falta de um plano director do desenvolvimento da área de influência da capital, não tem sofrido pràticamente limitações a instalação de indústrias nos seus arredores, nem tem sido possível impedir o crescimento desordenado das povoações suburbanas e a criação de novos núcleos populacionais, ao sabor das iniciativas particulares. Estas são movidas na maioria dos casos por simples propósitos de especulação de terrenos ou com o intuito de se evadirem da disciplina dos planos de urbanização a que estão sujeitos os centros populacionais mais importantes, incluindo a Capital, reduzindo assim gravemente a eficiência desses planos e comprometendo até em muitos aspectos a sua utilidade». (Proposta de Lei n.º 14/59 in MOP, 1960: 10).

14O esquema de planificação criado em legislação urbanística própria ainda à «época de Duarte Pacheco» (Sousa Lobo, 1995) e mais tarde reduzida à quasi-caricatura através de legislação subsequente (Gonçalves, 1989: 244-6) revelava os seus limites. Entre a ineficiência dos poderes públicos e os interesses económicos dos investidores privados, os arredores eram rapidamente ocupados:

«É assim que os subúrbios de Lisboa têm sido progressivamente invadidos por uma intensa actividade de construção que, tão depressa destrói a expressão tradicional e a beleza particular das povoações arrebaldinas, como faz nascer múltiplos povoados amorfos e incaracterísticos que tendem a rodear a cidade por uma cintura asfixiante – cada vez mais profunda, à medida que aumentam as facilidades de transporte que eles próprios reclamam». (Proposta de Lei n.º 14/59 in MOP, 1960: 11).

15E continua,

«(cintura asfixiante) de meros amontoados de construções inestéticas, desprovidos de personalidade e de vida própria, verdadeiros dormitórios de massas populacionais muito importantes que diáriamente afluem à Capital para exercer nela a sua actividade» (Proposta de Lei n.º 14/59 in MOP, 1960: 11).

16Já na Memória Descritiva do Ante-Plano, a descrição oferecida dos dormitórios de Lisboa salientava a sua dispersão, a falta de «organicidade» dos núcleos e concluía tratar-se de «simples implantações de dormitórios sem estrutura e equipamento social e urbanístico» (MOP, 1964: 33). Importava então contrariar o fenómeno e seleccionar alguns desses núcleos de modo a que se pudessem transformar em «organismos urbanos completos e mais concentrados, tanto quanto possível autónomos, dos pontos de vista social, económico e urbanístico» (MOP, 1964: 33).

17A lógica de actuação prevista era a da separação das referidas «implantações de dormitórios» da cidade de Lisboa e das suas novéis extensões. A separação natural oferecida pelo rio funcionaria para os dormitórios da «outra banda». Para a margem norte do Tejo argumentava-se que a manutenção e a revitalização dos melhores terrenos agrícolas teria a vantagem de poder «contrariar o crescimento de Lisboa pelo alastramento continuo do seu tecido urbano e pela preservação de grandes espaços livres até o mais próximo possível do seu centro» (MOP, 1964: 34) – uma referência nítida ao modelo praticado no planeamento urbano e regional britânico do pós-guerra.

18O Plano elegia os núcleos que melhores características apresentavam para poderem vir a constituir núcleos autónomos: Olivais, Lumiar, Amoreiras, Benfica e Belém, no interior do perímetro administrativo de Lisboa, Moscavide, Portela, Sacavém, Olival de Basto, Odivelas, Loures, Pontinha, Amadora, Queluz, Algés, Dafundo, Carnaxide, Almada e Cova da Piedade, no exterior. A pendularidade contribuía para identificar estes lugares:

«Estes núcleos periféricos e outras pequenas localidades que vivem na dependência deles esvaziam-se, diàriamente, de populações activas que trabalham na Capital, por não encontrarem, localmente, modos de exercerem as suas actividades». (MOP, 1964: 110).

19Através do modelo das zonas concêntricas e da divisão sectorial do espaço da aglomeração, os urbanistas ao serviço do Ministério das Obras Públicas identificavam as faixas de dormitórios e os riscos de alastramento entre si em «mancha de óleo». E consideravam:

«O grande desenvolvimento de construções residenciais que nessas áreas se tem processado (...) licenciadas ou clandestinas, permite afirmar que os seus males sociais e urbanísticos se agravam progressivamente: deverão portanto ser organizados de modo a viverem tanto quanto possível independentes, com elementos de vida própria capazes de satisfazer as conveniências económicas e culturais das suas populações, através do fomento do equipamento de interesse colectivo (...). A parte da população que continuar a trabalhar em Lisboa sentir-se-á devidamente enquadrada, e não socialmente segregada, como vivendo em simples dormitórios, sem organização e vida local adequada». (MOP, 1964: 110).

20Uma dotação racional de grandes vias de circulação a norte e a sul do Tejo – as ainda hoje designadas CRIL e CREL são originárias deste plano – e de equipamentos, a par de uma política de vitalização de mão-de-obra local, nomeadamente feminina nos serviços e artesanatos locais, constituíam a malha económica e urbanística para o desenvolvimento da aglomeração. A miscigenação de actividades e de grupos socio-ocupacionais seria assim facilitada. O dormitório era neste discurso uma consequência do crescimento desordenado e um potencial foco de males sociais e urbanísticos que se agravariam se não contrariados: a «segregação social» e o «desenquadramento». Mas, como sublinha Margarida Sousa Lobo:

«(...) a proposta de plano não foi aprovada fundamentalmente porque as entidades responsáveis pela execução das infra-estruturas, nomeadamente a rede viária afirmaram não ter capacidade para a sua realização. Só com verbas próprias a implementação do plano seria possível. (...) De qualquer forma o seu estatuto indefinido decorrente da sua não aprovação bloqueou algumas das suas virtudes. Servido de base à gestão urbanística da região (...) ela não vinculava a administração central no que respeita aos seus investimentos (...) (e) a ligação ao nível municipal foi sempre muito deficiente (...).» (1988: 148).

Imagens na imprensa

21Na imprensa da época, os subúrbios eram tema de notícia e objecto de reportagem. O dormitório, enquanto categoria de descrição e de interpretação dos arredores de Lisboa, era mobilizado como meio de interrogação e como modo de leitura das consequências das mais recentes vagas de crescimento urbano. Ora fazendo título, ora integrando os parágrafos de abertura ou de fecho das peças, o termo era amplamente utilizado com uma conotação negativa. Por exemplo, no título da peça

«Cidades-Satélites ou Dormitórios Fora de Portas – Severa crítica ao que se passa na Pontinha e cuja responsabilidade pertence à Câmara de Loures» (Diário Ilustrado, 27 de Junho de 1962).

22Ou na sua abertura, na qual o trabalho de identificação das marcas negativas e dos seus efeitos que contribuíam para legitimar a série e o termo:

«Nesta página, constantemente se apontam anomalias verificadas nas cidades-satélites, ou nos dormitórios-fora-de-portas, onde se deu origem ao desenvolvimento desordenado das localidades dos subúrbios, que os concelhos de Oeiras e Loures administram a seu belo prazer» (Diário Ilustrado, 27 de Junho de 1962).

23Ou ainda como na reportagem publicada no Observador, «Amadora, Cidade-Satélite. Há limites para o crescimento» (1973), contendo uma entrevista ao Eng. Brito Subtil, presidente do Município de Oeiras, na qual o parágrafo final sintetizava o sentido da peça onde o termo dormitório estava ausente:

«A Amadora de amanhã, que faça esquecer a Amadora de hoje, pesadelo suburbano onde as pessoas estão, na esmagadora maioria, somente de noite para descansar e dormir. A Amadora de amanhã, o terceiro maior núcleo populacional do País» (Observador, 28 de Setembro de 1973).

24Recorrentemente, ao longo dos anos 60, a imprensa diária investe no assunto – ou seja, no trabalho acumulado de construção por parte dos jornalistas e das redacções de um olhar particular sobre uma gama de acontecimentos tidos como significativos e relevantes acerca do crescimento urbano e da ocupação dos arredores da cidade de Lisboa. Seja no início da década onde A Página dos Arredores (1961), publicada semanalmente no Diário Ilustrado, é pouco tempo depois convertida na Página da Amadora – «Uma página todas as semanas para 60 mil habitantes», apoiando explicitamente uma campanha pela autonomia administrativa da freguesia (Simões, 1982). Seja no final do decénio onde a série Ronda dos Novos Dormitórios, criada pelo Diário Popular, procura traçar a história e identificar os problemas dos novos territórios suburbanos da capital. Dois formatos que resumem quer o interesse dos jornais no fenómeno quer a sobrevivência da categoria no discurso jornalístico.

Amadora, o grande dormitório de Lisboa?

25Um texto de Mário Azeredo, acompanhado por fotografias de Eduardo Gageiro, publicado na revista Eva, de Maio de 1963, designa a Amadora como «o grande dormitório da capital». O olhar jornalístico, articulado com fotografias de qualidade, apoia-se na grandeza demográfica da vila e descreve os seus parcos equipamentos e serviços. A comutação suburbana é a pedra de toque do texto, elemento comum a «grupos de operários, de estudantes, de empregados, (...) gente de todas as condições sociais» (Eva, Maio de 1963) que «dormiam» na Amadora e «trabalhavam, estudavam e viviam» – «afinal»! – em Lisboa.

  • 4 Ver, por exemplo, a sistematização proposta por Dominique Schnapper (2000), A compreensão sociológi (...)

26A reportagem fornece analiticamente uma referência de comparação e favorece a apreensão e a interpretação imagens produzidas pela imprensa da época acerca dos dormitórios de Lisboa. Tanto devido às causas que estabelece quanto pelo enfoque nas ausências que enuncia – «de movimento, de vida social», por exemplo – a reportagem presta-se a uma função ideal-típica4. Um enunciado acerca das origens do fenómeno é desde logo oferecido:

«Em busca da Natureza expulsa da capital, procurando tranquilidade nocturna e, especialmente, tentando encontrar uma casa cuja renda não seja mais elevada do que os seus honorários, milhares de lisboetas – isto é, milhares de pessoas que trabalham e vivem em Lisboa – saíram dos limites da cidade e montaram os seus lares nos arredores.» (Eva, Maio de 1963).

27Consequência desse povoamento na Amadora é a permanência de traços de burgo ou de pequeno lugar suburbano:

«Sem movimento, sem vida social, sem industria digna desse nome, sem repartições públicas e com um comércio diminuto – nada em proporção com a gente que ali mora. As ruas estão desertas e a certas horas do dia e da noite, a Amadora, maior do que a maioria das cidades portuguesas, mais parece uma cidade abandonada.» (Eva, Maio de 1963).

28As imagens de vida citadina são fugazes:

«Mas de repente, autênticos formigueiros humanos surgem a correr de todos os lados (...). É a hora de um comboio. Sim, a Amadora só se anima autenticamente quando partem ou chegam comboios. (...) São, porém, momentos fugidios de movimento, de ruído e de vida.» (Eva, Maio de 1963).

29E são associadas ao comboio ou a outros destinos residenciais:

«(A maioria, os que não nasceram ou não criaram raízes na Amadora, pertence) ao «dormitório». Têm ali a sua casa, o seu lar, porque não podem residir no Rossio ou nos Restauradores. Mas deste modo ficam mais perto do centro de Lisboa do que se morassem na Avenida de Roma ou na Avenida do Aeroporto. Mais perto em tempo, claro, pois o comboio leva-os ao Rossio em 12 ou 15 minutos.» (Eva, Maio de 1963).

  • 5 O Século, 22 de Setembro de 1967, «Foram inauguradas as novas instalações da estação dos CTT da Ama (...)

30Todavia, parte importante da imagem publicamente transmitida da Amadora relacionava-se com a indústria e com o progresso económico – «laboriosa e progressiva vila da Amadora» será uma expressão sempre repetida ao longo da década. Não raro, as notícias procuram participar na tentativa de criação de uma centralidade urbana. Sucedem-se as peças acerca das carências na estação dos CTT, de telefones públicos, de serviços administrativos, de escolas técnicas e liceais, dos equipamentos desportivos. Mas sucedem-se também as inaugurações e as repostas da Câmara Municipal de Oeiras anunciando intenções e realizações5.

Apontamentos Jornalísticos e «Cartas ao Director»

31Em contra-campo situam-se as descrições de mais reduzido fôlego. São por um lado descrições jornalísticas reduzidas, necessariamente metomínicas, por vezes expressas na legenda de uma fotografia, mas que contribuem para a descrição e para a significação dos lugares referidos.

32São por outro lado as «Cartas ao Director» ou modos equivalentes de apresentação de questões e de queixas por parte dos leitores. Dirigidas à redacção ou ao director do jornal, estas missivas eram implicitamente destinadas à redacção, aos leitores e aos poderes públicos. Constituíam um importante meio de transmissão de sentido e ofereciam legitimidade à reivindicação dos leitores, projectando-a no plano do interesse público. Isto num contexto, recorde-se, marcado pela ausência de liberdades cívicas e de expressão. Sendo uma secção habitual nos diários da época, a sua forma era variável: o Diário Popular apresentava uma secção de «Cartas ao Director», contendo em regra mais de uma dezena de missivas, já o Diário de Lisboa seleccionava uma «Carta do Dia».

33Parte significativa destas «Cartas ao Director», sobretudo as publicadas no Diário Popular na década de 60, constituem micro-descrições da experiência dos habitantes pioneiros dos bairros e lugares suburbanos – ou seja, do quotidiano residencial num contexto de grande incerteza e precariedade associados à ocupação de um território em rápida transformação. Nessas missivas, a figura da queixa é central. É através dela que os leitores descrevem situações de desordem e de anomalia que consideram indignas perante a envergadura e a qualidade que os núcleos residenciais onde habitam lhes parecem dever ter.

  • 6 Diário Popular, 12 de Fevereiro de 1961, «A venda nova necessita de atenções camarárias», A Voz, 6 (...)

34E o que relatam e reclamam os leitores? Relatam as condições de circulação mais penosas: o pó no Verão, a lama no Inverno, os buracos, as valas e as lixeiras espalhadas pelas ruas e pelos caminhos. Reclamam melhores e mais seguras condições de acesso às gares de caminho de ferro. Identificam como elevado o preço das deslocações em transportes colectivos face às condições materiais e logísticas dos comboios ou das camionetas – cruzando-as com o mau estado das estradas e a deficiente manutenção dos veículos de transporte colectivo6.

  • 7 Noticias: Diário Ilustrado, 23 de Maio de 1963, «Reguem-se as ruas da Amadora agora que vem aí o Ve (...)

35Assinalam deficiências na recolha de lixo – tópico permanente ao longo do período em análise – adensando a já longa série de notícias e reportagens sobre o lixo nas ruas, sobre a presença de populações miseráveis de trapeiros que actuando antes da insuficiente frota de recolha de lixo faziam a sua própria recolha deixando os restos a céu aberto. Ao lixo juntam-se os animais: as matilhas de cães à solta, várias vezes apontadas ao longo da década, os ratos e ratazanas, os carros abandonados7.

  • 8 Diário Popular, 20 de Fevereiro de 1963, «Inconvenitentes da falta de policiamento na Amadora»; Diá (...)
  • 9 Actualidades, 27 de Novembro de 1965, «Avultam os problemas na área da Damaia»; Diário Popular, 6 d (...)

36Finalmente, apelam às autoridades públicas, em particular à polícia e aos serviços municipais. A segurança é tema recorrente traduzido à escala local na falta de iluminação, na insuficiência de meios policiais face às solicitações, nos assaltos a lojas8. Segurança também dos bens de consumo – pesos e medidas, produtos adulterados, mercados improvisados – e da vida quotidiana: os escassos telefones públicos, as poucas farmácias, por exemplo9.

  • 10 Diário de Lisboa, 12 de Fevereiro de 1971, «Objectivo na Cooperativa “VIS” – ir ao encontro das nec (...)

37Os territórios descritos como dormitórios, num registo negativo, em termos de carências, de ausências e de abandono das autoridades, eram no entanto objecto de notícias de sinal oposto. Curiosamente, aos territórios que ao longo da década vão ganhando dimensão surgem associadas a inaugurações de lojas e de armazéns – uma Loja Singer, (Diário Popular, 22 de Maio de 1969) e um armazém Conde Barão (Diário Popular, 6 de Maio de 1971) – de cinemas, teatros, feiras e parques de diversões. Nalguns bairros nasciam associações e cooperativas orientadas para a intervenção social e cultural10. O quotidiano era já um plano de luta social, política e simbólica nos meses que antecederam a Revolução de Abril de 1974.

«Florestas de cimento armado»

  • 11 Sumário, Diário das Sessões, n.º 25, 8 de Fevereiro de 1974, p. 513.

38A 7 de Fevereiro de 1974, o deputado Alberto de Alarcão realiza uma intervenção na Assembleia Nacional, prévia à ordem do dia e agendada sob o tópico «urbanização e vida administrativa e social nos arredores de Lisboa»11. A partir de uma «visita relâmpago» por si realizada recentemente à zona interior do concelho de Oeiras, o deputado da ala liberal (Fernandes, 2005) descreve o seu percurso e enceta uma via crítica relativamente à regulação do crescimento do concelho. Acompanhe-se então o discurso:

«Pude começar por ver os loteamentos clandestinos que as pessoas vão fazendo e as barracas que vão erguendo no que foi outrora ‘estrada militar’, sujeita ao foro, à servidão militar, e como tal no passado respeitada (...) Trepando a cabeços, pude divisar os contornos de quase todo o concelho de Oeiras com outros, nomeadamente Sintra, pelos lados de Queluz. Os limite das freguesias bem marcado, as barracas a pulularem em suas franjas. Mesmo sem acessos ou caminhos, transportes, serventias capazes.» (Alarcão, 1974: 515-6).

39Da ilegalidade e das margens para a construção privada corrente à época, o percurso pelo concelho continua:

«Algumas voltas dei (...) pelas zonas urbanas da Amadora e outros aglomerados, a apreciar o urbanismo Florestas de cimento armado (sic) por todo o lado, quase sem uma nota de verdura ou flores, a lembrar a Natureza. Inumano.» (Alarcão, 1974: 516).

40A esse urbanismo, o engenheiro agrónomo e estudioso em migrações, associava ainda,

«A agressividade dos edifícios e dos pavimentos seria quebrada pelo arvoredo e por grandes relvados, nos quais as flores constituiriam grandes manhas de cor e de alegria. Pôr-se-ia, deste modo, cobro à criação desses grandes aglomerados, onde prédios altos, de arquitectura pobre e de mau gosto, se dispõem, sem graça ou longo de ruas estreitas e de pracetas acanhadas, sem que entre eles se estabeleçam grandes espaços que dêem desafogo». (Alarcão, 1974: 516).

41A qualidade dos traçados e a experiência de circulação quotidiana, frequentemente descritos na imprensa, eram interrogados e a questão subtilmente endereçada ao Município de Oeiras:

«E que dizer das ruas da Buraca e da Venda Nova, da Damaia e da Brandoa, da Falagueira e de Alfornelos, da Amadora e de tantos outros aglomerados de Oeiras interior, algo menosprezados por quem habita voltado para a Costa do Sol e as grandes extensões de Oceano? (...) Para além dos buracos e dos troços por pavimentar, asfaltar ou empedrar, do deficiente saneamento e limpeza e recolha de lixo a desoras – já passava o fim da manhã e ainda os montes de detritos domésticos se estadeavam pela berma dos passeios ou já desfeitos os juncava – , chocou-me o número de automóveis abandonados, carcaças, algumas apenas, que me garantiram ter presença marcada de há muito nessas ruas. Incúria. Desleixo. Abandono.» (Alarcão, 1974: 516).

42A afirmação jurídica da superioridade dos direitos da colectividade sobre os interesses privados e a aquisição de terrenos urbanizáveis por parte do Estado, com a vantagem de fazer reverter para os órgãos da administração, as eventuais mais-valias, condição para investimentos infra-estruturais e equipamentos sociais que a vida urbana, no seu entender exigia, constituíam o meio de acção preconizado pelo deputado, que a dado passo afirma:

«A transformação dos campos em cidades não é uma actividade que possa ser deixada ao critério dos proprietários dos solos, preocupados apenas em como então valorizar o seu terreno.» (Alarcão, 1974: 517).

Conclusão

43Em 1970, a grandeza demográfica do território metropolitano de Lisboa ultrapassa um milhão e seiscentos mil habitantes. Atingirá em 1981 um novo limiar: dois milhões e duzentos e setenta mil habitantes. Nesse ano, a população recenseada nos concelhos limítrofes era bem distante da registada nos idos anos 50: Oeiras e Amadora juntas perfaziam 313 mil habitantes, Loures contribuía com 226 mil, Sintra com 270 mil. Na margem sul do Tejo, Almada, Seixal e Barreiro totalizavam 324 mil habitantes. Lisboa recuperou população para os 807 mil habitantes – uma contingência do retorno das ex-colónias – mas o seu peso no conjunto de concelhos que se tem vindo a analisar rondava 35%.

44Década de arranque da metropolização de Lisboa, a década de 70 foi marcada por transformações sociais e políticas de considerável alcance. Desde logo pelo 25 de Abril de 1974, mas sobretudo por novas condições e orientações das políticas de urbana e de habitação (Ferreira, 1987): as primeiras eleições autárquicas do período democrático em 1976 reconfiguraram os modos de governação municipal e influenciaram os processos de ordenamento territorial, seja à escala local seja à escala regional ou mesmo nacional.

45A década de 60 do século XX é um período-chave para o estudo da urbanização de Lisboa. O limiar do milhão de habitantes é atingido. O edificado perpassa os limites administrativos da cidade e os corredores de expansão consolidam-se.

46Os arredores transformam-se rapidamente. Progressivamente inscritos no espaço, cada vez mais território, no sentido etimológico de terra possuída, estavam conjuntos de habitações com destinação social diversa e alguns equipamentos básicos de serventia quotidiana – mercearias, cafés, tabacarias. No contexto destas importantes transformações morfológicas, que classicamente se analisam na passagem da cidade industrial à metrópole, as descrições, quer técnicas, originárias das instituições públicas encarregues do planeamento urbano e regional, quer jornalísticas, constituem indícios qualitativos das mudanças engendradas pela metropolização nos seus momentos de morfogénese (Bassand, 1997).

47No caso das descrições dos dormitórios de Lisboa originárias da esfera de acção do Ministério das Obras Públicas, associadas ao Plano Director da Região de Lisboa, viu-se como contribuíam para formar conhecimento sobre o território, para capacitar a intervenção dos poderes públicos e para influenciar decisões políticas. Descrito como negatividade, inscrito num vasto trabalho preparatório e associado a noções operatórias como «desenquadramento» e «segregação social», o termo dormitório permitia identificar zonas de intervenção e promover meios de acção. A utilização e recriação de termos como dormitório no contexto de acção técnica e política sobre o território, a economia e a sociedade, dá a conhecer aspectos relativos à construção de classificações, de instrumentos de intervenção e modos de representação e de actuação. Um alargamento ao campo de produção das políticas públicas de revestir-se-ia de grande valor, procurando estabelecer linhas de consenso e conflito (Depaule e Topalov, 1996: 250), de aliança de oposição nas quais se joga o valor social e simbólico desses termos e representações. Originárias de um modo organizado de produção de informação e de transmissão de significados, as imagens dos dormitórios na imprensa dos anos 60 são desde logo reveladoras do trabalho de construção de um olhar jornalístico sobre a cidade e os seus espaços, sobre as suas actividades e populações. Atentas às mudanças, as descrições jornalísticas contribuem para simbolizar e valorar comportamentos e espaços. Transmitindo-as a um público alargado, as informações são susceptíveis de efeitos de mobilização – se por mobilização se entender maneiras de dar corpo a significações, preferências e a memórias dos lugares influentes na experiência urbana. Se aos olhos dos jornalistas e das redacções, os dormitórios eram lugares de presença intensa de ocupantes e de ausência notória de qualidades, para as ciências sociais que estudam o fenómeno urbano as suas descrições indiciam a forte pressão que o processo de urbanização exerce sobre os territórios.

48Todavia, uma outra gama de peças jornalísticas – as «Cartas ao Director» – igualmente ilustrativas da transformação urbana e social, revela como alguns habitantes dos lugares tidos como dormitórios se empenham na reivindicação de condições que permitam construir uma ordem urbana e suscitar efeitos de urbanidade. Assim, as missivas dos leitores podem ser vistas como indícios de modos invenção da cidade, tomando a expressão no sentido que lhe confere Michel Agier: a criação de ligações com lugares de vida, mínimos e próximos, quando contrastados com apreensões totalizantes da cidade formal (Agier, 2000: 8-9).

49Entre umas e outras, o dormitório surge como designação susceptível de organizar a representação do espaço da cidade e dos seus arredores nos momentos de constituição da metrópole de Lisboa. Assume então uma função política que se evidencia no recorte dos problemas urbanos e na reivindicação pública de meios para a sua correcção num contexto como o de Lisboa da segunda metade do século XX no qual rápidas e violentas transformações sociais, territoriais e identitárias ocorrem.

Topo da página

Bibliografia

Agier, Michel (1999), L’invention de la ville : banlieues, townships, invasions et favelas, Amsterdam, Éditions des Archives Contemporaines

Ascher, François (2000), «Postface» in Bonnet, Michel e Dominique Desjeux (dir.), Les territoires de la mobilité, Paris, PUF, pp. 201-214

Azevedo, João de (1998), Lisboa – 125 anos sobre Carris, Lisboa, Roma Editora

Baptista, Luís V. (1994a), «Dominação demográfica no contexto do século XX português: Lisboa, a capital», Sociologia – Problemas e Práticas, n.º 15, pp. 53-77

Baptista, Luís V. (1994b), «Crescimento urbano e coexistência residencial: um caso de edificação nãoplaneada ‘às portas da cidade’ de Lisboa (1990 – anos 40)», Ler História, n.º 26, pp. 171-195

Baptista, Luís V. (1999), Cidade e Habitação Social. O Estado Novo e o Programa das Casas Económicas em Lisboa, Oeiras, Celta

Bassand, Michel (1997), Métropolisation et inégalités sociales, Lausanne, Presses Polytechniques et Universitaires Romandes

Boyer, M. Christine (1997 [1983]), Dreaming the rational city : the myth of American City Planning, Cambridge (Ma), The MIT Press

Depaule, Jean-Charles e Christian Topalov (1996), «La ville à travers ses mots», Enquête, numéro 4, pp. 247-266

Fernandes, Tiago (2005) «Silva, Alberto Eduardo Nogueira Lobo de Alarcão e», in Braga da Cruz, Manuel e António Costa Pinto (orgs.) Dicionário Biográfico Parlamentar (1935-1974), Vol. II, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais / Assembleia da República, pp. 558-9

Ferreira, António Fonseca (1987), «Política(s) de habitação em Portugal», Povos e Culturas, n.º 2, pp. 261-284

Ferreira, Vítor Matias (2004), Fascínio da Cidade. Memória e Projecto da Urbanidade, Lisboa, CET–ISCTE / Ler Devagar

Gonçalves, Fernando (1989), «Evolução histórica do Direito do Urbanismo em Portugal (1851-1988)», in Freitas do Amaral, D. (dir.) Direito do Urbanismo, Oeiras, INA, pp. 225-268

INE (1954), Inquérito às Condições de Habitação da Família (procedimento preparatório do IX Recenseamento da População, 1950), Lisboa, Instituto Nacional de Estatística

Lobo, Margarida Sousa (1988), «Antecedentes de planeamento na Área Metropolitana de Lisboa», Actas do 1º Seminário Internacional Área Metropolitana de Lisboa: que futuro?, Lisboa, Departamento de Geografia e Planeamento Regional / FCSH-UNL / Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 143-149

Lobo, Margarida Sousa (1990), «Região de Lisboa: o Plano Director revisitado», Urbe – Cadernos, n.º 1, (A Área Metropolitana de Lisboa e o Estuário do Tejo), pp. 13-20

Lobo, Margarida Sousa (1995), Planos de Urbanização. A época de Duarte Pacheco, Porto, Edição FAUP-DGOTDU

Machado, João Reis (1965), «Plano de Chelas: V – Elementos relativos à população que habita em barracas», Boletim do Gabinete Técnico de Habitação, Vol. I, n.º9, pp.441-453

Ministério das Obras Públicas (1960), Plano Director do Desenvolvimento Urbanístico da Região de Lisboa, Lisboa. MOP

Ministério das Obras Públicas (1964), Plano Director da Região de Lisboa. Anteplano. Volume I. Memória Descritiva e Justificativa, Lisboa, MOP, Conselho Interior de Obras Públicas

Nunes, João Pedro S. (2005), «Uma cidade de proprietários? Mudanças na distribuição dos estatutos de ocupação do alojamento na Área Metropolitana de Lisboa entre 1950 e 2001», Fórum Sociológico, n.º 13/14 (2ª série), pp. 113-135

Pinheiro, Magda (2005), «O subúrbio entre o arrabalde antigo e a metrópole: identidade e temporalidade – os territórios do urbano», Ler História, n.º 48, pp. 11-32

Portas, Nuno (1997), «A arquitectura de habitação no século XX português» in Becker, Tostões e Wang (orgs.) Arquitectura do século XX, Portugal», Lisboa, Portugal-Frankfurt 97, Centro Cultural de Belém, pp.116-121

Rémy, Jean e Liliane Voyé (1994 [1992]), A Cidade: Rumo a uma nova definição?, Porto, Afrontamento

Rivière d’Arc, Hélène (2001), «Introduction» in Rivière d’Arc, H. (dir.) Nommer les nouveaux territoires urbains, Paris, Éditions Unesco/Most, pp. 1-13

Salgueiro, Teresa Barata (2001), Lisboa, Periferia e Centralidades, Oeiras, Celta

Schnapper, Dominique (2000), A compreensão sociológica: como fazer análise tipológica, Lisboa, Gradiva

Silva, Maria da Conceição Tavares da (1964), «A sublocação em Lisboa», Boletim do Gabinete Técnico de Habitação, Vol. I, n.º1, pp.44-51

Simões, A. Martinho (1982), O concelho da Amadora: pequena história de uma longa caminhada que chega ao fim, Amadora, Câmara Municipal da Amadora

Solà-Morales, Manuel (1997), Las formas de crecimiento urbano, Barcelona, Edicions de la Universitat Politècnica de Catalunya – Laboratori d’Urbanisme

Topo da página

Notas

1 Ao longo do texto o território em análise é composto pelos seguintes concelhos: Lisboa, Sintra, Cascais, Oeiras, Loures, Vila Franca de Xira, Alcochete, Montijo, Barreiro, Moita, Seixal e Almada – aos quais se juntam o concelho da Amadora (criado em 1979) e de Odivelas (criado em 1991).

2 Ministério das Obras Públicas (1960), Plano Director do Desenvolvimento Urbanístico da Região de Lisboa, Lisboa, MOP.

3 Ministério das Obras Públicas (1964) Plano Director da Região de Lisboa. Anteplano, Volume I. Memória Descritiva e Justificativa, Lisboa, MOP/Conselho Superior de Obras Públicas. Nesse volume é fornecida a constituição da Comissão do Plano que representa a alta administração do Estado (pp. 18-19). O director do Gabinete do Plano Director da Região de Lisboa era o Eng. Miguel Rezende. Nos estudos preparatórios participaram como consultores Orlando Ribeiro, Francisco Pereira de Moura e Barbara Lopes.

4 Ver, por exemplo, a sistematização proposta por Dominique Schnapper (2000), A compreensão sociológica: como fazer análise tipológica, Lisboa, Gradiva, em especial pp. 29-34.

5 O Século, 22 de Setembro de 1967, «Foram inauguradas as novas instalações da estação dos CTT da Amadora», Diário da Manhã, 7 de Setembro de 1967, «Debatida a necessidade da construção de um liceu na Amadora», Novidades, 25 de Abril de 1969, «Expansão – uma forma diferente de vender» (abertura de livraria); O Século, 20 de Junho de 1969, «O Governador Civil de Lisboa salientou o valor dos municípios na sua visita à Amadora».

6 Diário Popular, 12 de Fevereiro de 1961, «A venda nova necessita de atenções camarárias», A Voz, 6 de Setembro de 1961, «Amadora – a abandonada»; República, 21 de Junho de 1963, «A Estada Nacional Benfica Amadora»; Diário Popular, 8 de Fevereiro de 1961, «Alguns problemas de Algés que precisam de imediata solução».

7 Noticias: Diário Ilustrado, 23 de Maio de 1963, «Reguem-se as ruas da Amadora agora que vem aí o Verão», Diário Ilustrado, 9 de Janeiro de 1963, «Transformadas em pântanos as ruas da Amadora»; República, 19 de Agosto de 1964, «O lixo campeia em Algés»; Jornal de Sintra, 10 de Maio de 1965,

«Lixo a rodos nas ruas da Amadora»; República, 21 Setembro de 1966, «O lixo problema crucial da grande Amadora»; A Capital, 1 de Junho de 1969, «Ruas da Amadora infestadas por matilhas de cães». Cartas de Leitores: Diário Popular, 30 de Setembro de 1962, «Incongruências registadas na Damaia», O Debate, 13 de Janeiro de 1962, «Os trapeiros»; Diário Popular, 23 de Setembro de 1964,«Na Damaia não se pode dormir».

8 Diário Popular, 20 de Fevereiro de 1963, «Inconvenitentes da falta de policiamento na Amadora»; Diário Popular, 21 de Fevereiro de 1964, «Apaga-se a luz (cedo demais) em sítio isolados».

9 Actualidades, 27 de Novembro de 1965, «Avultam os problemas na área da Damaia»; Diário Popular, 6 de Julho de 1966, «“Ratos” de telefones na Damaia»; Actualidades, 19 de Novembro de 1966, «Novo “Far-West” implanta arraiais no “Bairro Tacha”» (Buraca).; Diário Popular, 29 de Setembro de 1971, «Vendedores sem escrúpulos na Damaia».

10 Diário de Lisboa, 12 de Fevereiro de 1971, «Objectivo na Cooperativa “VIS” – ir ao encontro das necessidades culturais da Amadora»; Diário de Lisboa, 18 de Junho de 1971, «Comunicar: onde, como para quê» (Mesa-redonda realizada na sede da Cooperativa “Proelium”); Diário de Lisboa, 8 de Março de 1974, «Organizada a “Associação dos Amigos da Damaia”».

11 Sumário, Diário das Sessões, n.º 25, 8 de Fevereiro de 1974, p. 513.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Gráfico n.º1: Volume de População em Lisboa e seus Concelhos Limítrofes (1920-1991)
Legenda Legenda: Lisboa – Concelho; Margem Norte – Sintra, Cascais, Oeiras, Loures, Vila Franca de Xira; Margem Sul – Alcochete, Montijo, Barreiro, Moita, Seixal e Almada.
Créditos Fonte: INE – X Recenseamento Geral da População (1960).
URL http://lerhistoria.revues.org/docannexe/image/2528/img-1.png
Ficheiros image/png, 16k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

João Pedro Silva Nunes, « Os dormitórios de Lisboa: discursos técnicos e imagens na Imprensa (1959-1974) », Ler História, 52 | 2007, 73-91.

Referência eletrónica

João Pedro Silva Nunes, « Os dormitórios de Lisboa: discursos técnicos e imagens na Imprensa (1959-1974) », Ler História [Online], 52 | 2007, posto online no dia 20 Março 2017, consultado no dia 26 Setembro 2017. URL : http://lerhistoria.revues.org/2528 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.2528

Topo da página

Autor

João Pedro Silva Nunes

Fórum Sociológico – Centro de Estudos/FCSH-UNL.

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Revues.org